História DNA - Dinâmica do Nosso Amor - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Derek Hale, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski
Tags @flakytrl, Derek S Hale, Dna, Dylan O'brien, Hobrien, Sterek, Teen Wolf, Tyler Lee Hoechlin
Visualizações 201
Palavras 1.395
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Slash, Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E para onde estamos indo?

Capítulo 11 - Começo da Adolescência Constrangimentos III


Começo da Adolescência – Constrangimentos III

De tudo que podia acontecer em suas vidas, ainda mais depois de uma noite de bebedeira, o que os dois adolescentes jamais imaginariam era ser acordados completamente ensopados.

John apareceu. Era oito horas da manhã. Encontrou o filho com uma das pernas enrolada entre as pernas de Derek. Esse que se encontrava de bruços e de mãos dadas com o castanho. Estavam tão tortos em suas posições que certamente ficariam o dia todo doloridos.

Em resumo, a cena era fofa. Mas o que John não achou tão fofo foram as duas garrafas de seus vinhos mais caros jogadas de qualquer jeito no chão ao lado dos dois. Prova inegável do crime de ambos.

A punição adequada apareceu na forma de um balde grande cheio de água fria, que foi entornado nos dois.

Derek deu um pulo assustado e Stiles gritava escandalosamente.

Assim que conseguiu entender o que estava acontecendo e onde estava, o Stilinski mais novo encara seu pai, parado em pé de frente onde ele e moreno estavam deitados, segurando um balde com a mão.

“Meu Deus, pai! O que foi isso?” – questiona, indignado.

“Como você me explica essas garrafas vazias jogadas no chão?”

Stiles permanece estático e volta sua atenção ao Hale. Que por sua vez o encarava com cara de quem não tinha a menor ideia do que dizer.

“Pai, me desculpa.”

“Arrumem essas coisas todas e entrem. Não quero que peguem uma friagem.” – o mais velho diz e começa a voltar para a casa. – “Ah, e já não era sem tempo vocês dois. Achei que ia morrer e não ia ver vocês assumirem o namoro.”

Castanho e moreno se olham sem saber o que falar um ao outro.

“Ele chamou a gente de namorados.” – Derek fala, surpreso.

Stiles sorri, orgulhoso. – “O que você acha? Podemos? Quer dizer, você acha que formaríamos um bom casal?”

“Você... Você tá me pedindo em namoro?”

“Acho bom que você não esteja esperando que eu me ajoelhe e te peça em namoro, né?”

“Mas você tá me pedindo em namoro.” – o Hale agora soa jocoso.

“Pelo amor de Deus, Derek. É. Eu to te pedindo em namoro. E achei que isso tinha ficado bem claro quando dissemos que vamos morar juntos e ter um cachorro.”

Derek começa a rir, nervoso. Tudo o que estava acontecendo entre ele e o Stilinski vinha num galope desenfreado. Eles praticamente agiam feito namorados. E parando para observar melhor, formalizar aquilo, ao menos entre eles, seria um mero detalhe.

“A gente sempre foi namorado... Como o seu pai disse.” – Derek fala e arregala os olhos. – “Deus, seu pai sabe... Será que sua mãe também sabe? E os meus pais? E se eles não souberem, como eu conto pra eles?” – dispara, sem tomar fôlego.

“Derek...” – o castanho começa, aproximando-se do Hale e segura-o pelo rosto entre as mãos. – “...Calma.” – dando-lhe um beijo carinhoso. – “Se meu pai sabe é porque minha mãe deve ter dito algo. Ela é a mais esperta. E se eles não disseram nada até agora, é porque aprovam.” – sorrindo. – “Sobre seus pais, a gente só pode imaginar. Mas duvido que eles pensem como os meus pais. E podemos ver isso depois, né? O mundo não vai acabar amanhã.”

“Eu juro que ainda não consegui entender como você é tão calmo assim.”

“Der, de complicada já basta a escola.” – Stiles diz e os dois riem.

Após ajeitarem seu pretenso acampamento, os dois jovens retornam a casa do castanho e vão direto para seu quarto, antes que Claudia os pegasse no caminho.

“Precisamos de um banho.” – Stiles começa.

“Pode ir lá primeiro. Eu espero você.”

“Na verdade eu tinha outra ideia...” – pegando a mão do moreno. – “Vem comigo.”

“Stiles. Você... Você quer que eu... Tome banho com você?” – Derek engole seco.

“Agora somos namorados. Precisamos fazer coisa de namorados, tipo essas.”

“Mas já?” – o moreno parecia corar cada vez mais, envergonhado.

“Como assim já? Até demoramos pra nos ver pelado um na frente do outro.”

“Stiles. Você sabe que tenho vergonha.”

O Stilinski mais novo envolve a cintura do Hale e começa a puxá-lo ao banheiro. Assim que entram, ele tranca a porta – para evitar qualquer tipo de imprevisto – e começa a acariciar o corpo do outro.

“Não precisa ter vergonha de mim. Eu te amo do jeito que você é. Sem tirar nem pôr.” – segurando na barra da camiseta úmida de Derek e puxando-a para cima.

O moreno treme, mais pela expectativa do que por frio. E logo se excita quando vê o castanho fazer o mesmo com a própria camiseta. Em seguida vão-se embora as bermudas e assim que entram no box do chuveiro, as cuecas.

Stiles liga a ducha numa temperatura agradável. Morna e com um jato massageante gostoso.

Não era preciso dizer que Derek já estava duro. Mas nem tinha como culpá-lo. Stiles estava provocantemente atraente. E a situação toda estava propícia. E o castanho também não ficava atrás nesse quesito. Estava tão duro quanto o Hale.

O moreno aproxima-se de Stiles, abraçando-o e avançando em seu pescoço. Queria prová-lo e provocá-lo tanto quanto o Stilinski sempre fazia. Passava a língua e dava mordidas leves no pescoço de Stiles, enquanto sua mão desliza suavemente até o membro do castanho.

O Stilinski sorri pela iniciativa do, então, namorado e não iria deixá-lo sozinho naquilo. Sua mão também vai, serelepe ao falo amorenado e o aperta carinhosamente.

Derek geme grosso, o que Stiles adorava.

Os movimentos começaram suaves, com o moreno acompanhando tudo o que o castanho fazia. Queria provar ao Stilinski que era um bom aluno e que tinha aprendido uma coisinha ou duas.

Coisa que estava provando com bastante louvor.

O moreno tinha a mão um pouco maior que a do castanho e conseguia envolver uma porção bem grande de seu membro. Ele ainda era um pouco desajeitado, mas dava o melhor de si e isso Stiles não tinha como negar.

Estava sendo uma ótima mão amiga, onde ambos se descobriam e descobriam o que um podia fazer pelo outro.

Os movimentos de vai e vem mantinham-se de maneira suave, dando espaço para que brincassem com seus lábios e certas mãos espertas nas nádegas um do outro.

Derek certamente tinha a bunda maior que a de Stiles e isso para o castanho era maravilhoso. Ele sempre fora tarado por bundas redondas e cheias. Exatamente como a do Hale.

A excitação era tanta e as provocações também, que Stiles não se conteve e vira Derek de costas para si.

“Quero experimentar uma coisa que vi num video.” – diz e começa a morder o lóbulo da orelha do moreno.

Derek geme e sente o outro pincelando entre suas nádegas. Provocando-o ainda mais.

O falo de Stiles desliza pelo meio das pernas do Hale e se acomoda perfeitamente ali, entre suas coxas. Por ser comprido consegue alcançar o outro lado, deixando sua glande a mostra e acariciando o saco escrotal de Derek.

A sensação de ter aquele músculo quente entre suas pernas era diferente. Gostoso. E quando o Stilinski começa a se mexer com movimentos de penetração, a fricção causada em seu períneo lhe causa arrepios.

“Stiles...” – Derek geme.

“Eu te amo tanto, Derbear.” – o castanho fala e leva sua mão novamente ao pênis do Hale.

Começa então uma sincronia de movimentos, masturbando o namorado na mesma intensidade em que simulava uma penetração.

“Tão bom... Tão quente.” – Stiles diz, aumentando a velocidade dos movimentos.

O que também levava derek a loucura. Era muita estimulação ao mesmo tempo, para quem conhecia pouco sobre o assunto.

“Eu vou gozar, Sti...” – diz manhoso, entre ofegos de excitação.

“Vamos gozar juntos, Der.” – Stiles devolve a resposta, junto a gemidos abafados no ouvido do Hale.

E aquilo pareceu funcionar como um estimulante ainda maior ao moreno, pois um jato forte de sêmem esguicha até a parede de ladrilhos azulados do box, formando um trilha que escorria livre para baixo.

E aquele era o estimulante de Stiles, que também ejaculou de maneira vigorosa em jatos abundantes e um pouco mais espessos do que os de Derek.

O castanho tomba o corpo por cima do corpo do moreno e arfa urgente buscando ar.

Stiles espalha uma trilha de beijos pelas costas do Hale e começa, enfim a ensaboá-lo.

“Você tem encontrado muitos vídeos interessantes, heim?” – Derek brinca.

“E ainda vamos experimentar muitas coisas deles, Der.” – ensaboando-lhe os cabelos de forma carinhosa.

...continua...


Notas Finais


Me deixem saber o que estão achando.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...