História Do crime... Para o amor. - Capítulo 156


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Canaxbacchus, Gravidez, Gruvia, Jerza, Mavisxzeref, Miraxus, Nalu
Visualizações 205
Palavras 2.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu disse que ia postar de manhã eu sei, mas me desculpem, não conseguui.
Então agora, boa leitura fofos!! <3

Capítulo 156 - Calma sou eu!


Fanfic / Fanfiction Do crime... Para o amor. - Capítulo 156 - Calma sou eu!

Capitulo 135

 

Fanfic 135

Telefone tocando e Natsu dormindo... Tsuna começou a chorar no outro quarto e finalmente ele acordou... Pegou o celular e atendeu meio sonolento, enquanto se dirigia ao quarto ao lado... Mas ele travou no meio do caminho.

-O.Que.Você.Disse?! (Falou pausadamente, mas com muita firmeza.)

Enfermeira:

-Que sua esposa está com delírios... E surtando. Literalmente... ela está chorando desesperada, chamando por você... "Que só você poderia ajudá-la..." Ela não deixa ninguém se aproximar... e os aparelhos estão tudo disparados. Se continuar assim, ela passará muito mal e pode ter graves consequências... Sabemos que é de madrugada, mas poderia ver ela? Ou vão dopá-la.

Natsu:

-Estou indo agora mesmo.

Natsu desligou o celular e chegou no quarto do menino... Nem fez questão de acalmá-lo. Só o pegou no colo mesmo de pijama e tirou do berço. O levou pro quarto dele... ficou com a calça de moletom cinza clarinha que estava... E só enfiou uma camiseta preta. Pegou a carteira e as chaves e numa mão um par de chinelos. Pegou Tsuna no colo de novo e o menino até se acalmou vendo que o pai estava tão sério... antes de saírem de casa, ainda ousou a pronunciar uma palavra:

-...Dicalço...

Natsu:

-Eu sei, mas pode dirigir descalço e eu não tenho tempo pra por tênis.

Vamos... Ele entrou no carro e amarrou o menino e jogou os chinelos no banco ao seu lado, na frente. Assim que se sentou no banco do motorista já arrancou-se dali com rapidez. Atravessou as ruas e chegou no hospital. Jogou no chão os chinelos, calçou veloz e puxou o Tsuna pra fora da cadeirinha... Corria para o hospital. Logo que chegou, havia uma enfermeira lhe esperando. Ela correu com ele, lado a lado... Na porta do quarto, deu tipo um estalo na cabeça do Natsu, que sabia que Lucy não deveria ver Tsuna e ele não deveria ver a mãe... Finalmente ele entregou o pequeno pra enfermeira.

-Papai!!

Natsu:

-Se tu não cuidar muito bem dele... Não sei que sou capaz de fazer.

Enfermeira:

-Tudo bem senhor... agora entre... sua esposa está precisando.

Natsu abriu a porta com tudo e viu dois enfermeiros tentando se aproximar a força pra dopa-la... ela se remexia e os estapeava... Gritava muito. Natsu se aproximou com agilidade e afastou os dois. Abraçou então ela... abraçou com força e a imobilizando ao mesmo tempo. De um jeito que só ele conseguia.

Natsu:

-Deu... Deu... Não se preocupe mais... Eu estou aqui contigo. Não vou deixar ninguém machucá-la. Agora se acalme. (Ela finalmente se acalmou um pouco e o abraçou apertado.)

Lucy:

-Natsu! Natsu... Natsu...!!!

Natsu:

-Deu... passou.. (Acariciava os fios loiros, molhados de suor e choro... Ele foi fazendo ela voltar a respirar normal.) Me diz... que aconteceu..?

Lucy:

-Eu... eu... eu.... Eu.... só...só...sonhei... com...com... ele... Ele... ele voltou... ELE VOLTOU!!! (Natsu apertou o abraço, inconscientemente... só de ouvir tal hipótese... ficava em alerta.)

Natsu:

-Impossível. Tu lembra que aconteceu... sai desse transe Luce... Volta pra mim... "Isso não é real..." (Obs.: kkkk Agora acabei lembrar do filme "Divergente", quem viu verá mais sentido nessa frase, do que ela em si. kkkk) Luce... Sou eu... Lembra? (De repente ela acordou de vez daquilo... se lembrando do Natsu havia feito.)

Lucy:

-TU MATOU ELE! (Agora os enfermeiros o olhavam assustados... esperando que fosse uma metáfora, um código, ou algo assim.)

Natsu:

-Sim... Mas tu não precisa lembrar daquilo. Só lembra que eu acabei de vez com essa história... Ele não fará mais mal pra nós, pros nossos filhos. Eu matei ele... Eu paguei por isso... Eu saí disso... graças a ti... Agora basta tu também acordar pra realidade... Isso foi apenas um pesadelo.

Lucy:

-Natsu... (Chorava agora por carinho.) Eu te amo... eu estou enlouquecendo aqui sozinha... Me leva pra casa... Por favor...

Natsu olhou para os enfermeiros que mesmo com muito medo por seja lá quem fosse aquele homem, capaz de matar, negaram o pedido dela. Natsu voltou a encará-la.

-Ainda não posso... Mas eu voltarei pra te tirar daqui ainda. Pode ficar tranquila... Eu não te esqueci... ou te abandonei. Eu estou sempre pensando em ti e estarei sempre ao seu lado. Tá? (Agora acariciava seu rosto... e limpava as últimas lágrimas e então ela soltou uma risadinha.) Que foi? (Perguntou já risonho também.)

Lucy:

-Tu está com a calça que dorme e fica em casa... e também está com o chinelo velho. kk (Então Natsu riu com vontade.)

Natsu:

-Viu só que tu faz comigo pessoa?! (Deu um peteleco de leve na testa da mulher, mas logo as encostou, olhando olho no olho bem pertinho.) Eu te amo muito... e viria do fim do mundo se fosse preciso... vestido como estivesse... na condição que estivesse... Só pra te salvar... Não foi sempre assim? Por que mudaria agora? (Sorriu para mulher que também sorriu, deram um selinho.) Bem é o seguinte... (Falou com os enfermeiros.) Eu trouxe meu filho e duvido alguém aqui me impedir de trazê-lo pra ver a mãe. Entenderam?! (Os dois com as órbitas dos olhos arregalados concordaram.) Ótimo! Ah... Só mais uma coisinha... Ela é advogada... Tenho amiga juíza, um promotor... e outra advogada. Pai dela e praticamente chefe da delegacia da polícia que eu trabalho, onde meu "chefe maior" é meu pai... Que tem muitos contatos. Então escutem bem... Se vocês tentarem dopa-la novamente, sem consentimento de alguém responsável por ela... quando ela se nega a tomar a injeção... Então espero que estejam preparados pra levarem um belo processo nas costas. Talvez... até presos. Então pensem duas vezes antes de deixar uma grávida de 8 meses, doente, naquele desespero, que já estava nervosa... e vocês com essa atitude só pioraram tudo. Espero que tenham entendido. (Falou tudo muito sério e olhando ambos bem rígido... deu pra ver que o "aviso" adiantou.) Que bom que entenderam! (Sorriu) Amor... vou só buscar o nosso filho pra ti ver ele e já volto.

Lucy:

-Sim!! (Ficou imediatamente feliz.)

Natsu saiu e buscou no corredor o pequeno, que brincava com a enfermeira de cantar e bater as mãozinhas. Natsu agradeceu educadamente... Finalmente estava mais calmo. Querendo ou não ele ficou muito nervoso... Ele depois que pegou o filho no colo... também agradeceu a enfermeira bem novinha, por tê-lo chamado. Ela sorriu envergonhada... Era primeira vez que alguém agradecia por alguma atitude que tomava por impulso. Tsuna abanou para bela enfermeira que sorriu e abanou de volta. Eles entraram no quarto... então os enfermeiros, que apenas conferiram a pressão e outras coisas da Lucy, recolocaram a "guia" (Tubinho que fica pendurado na veia dos pacientes para facilitar colocar soro e coisas assim... cada um com uma utilidade e lugar.) que havia escapado, viram que ela realmente estava bem de novo e saíram do quarto. Deixando apenas os três. Ela sorriu largo ao ver o filho... e ele sorriu igual a chamando também:

-Filho!/Mamãe! (Natsu colocou o menino sentado em cima da cama de Lucy e logo se abraçaram.)

Tsuna:

-Mamãe!! Ti amu!

Lucy:

-kk Também te amo filho... Mamãe sentiu tua falta hoje... Desculpa mamãe te acordar e te dar esse susto. E fazer tu e seu pai, virem de pijama pro hospital.

Tsuna:

-Tudo be.

Natsu:

-(Se sentou, relaxando, a poltrona ao lado.) Conta pra tua mãe que nós fizemos hoje...

Então Tsuna começou a contar do ângulo dele a aventura de ir ao cinema... depois no parquinho. Ele falava tudo meio errado e infantilmente... mas seus olhinhos brilhavam e ele gesticulava com as mãos como se tivesse contando uma verdadeira história incrível. Lucy e Natsu riam um pouco sobre como o menino contava... Ele subia em cima da cama... e Lucy o segurava pra não cair... daí ele falava e imitava os barulhinhos e falas do filme... daí ele lembrava de algo do parquinho... como da moto. Daí ele falou que teve medo de cair... e começou a chorar quando Natsu bateu. Depois que ele contou de tudo... mesmo indo e voltando na história, sem nenhuma ordem cronológica... Lucy limpava as lágrimas nos cantos do olhos de tanto rir. Em seguida... Ele lembrou das florezinhas e do desenho... então contou o que fez com seu pai pela manhã e o que pediu pra ele comprar. Natsu lembrou que poderia ter levado, mas levaria depois. Lucy sorria... mas com o Natsu falando... e falando... coisas aleatórias... o sono da Lucy foi chegando devagar e tranquilamente. Percebendo isso... Natsu pegou Tsuna no colo.

-Vamos deixar sua mãe descansar, filho. (deu um selinho na loira.) Boa noite amor.

Lucy:

-...vocês... voltam... hoje...? (falava embriagada ao sono)

Natsu:

-Com toda certeza... agora dorme... essa noite foi cansativa para você... descansa bastante, tá? E qualquer coisa... pede de novo pra me chamarem... Já disso que venho do céu ou do inferno, pra te ver aqui. Ok?

Lucy:

-Sim... (sorriu meigamente... piscando pesado) Te amo...

Natsu:

-Também.

Lucy:

-Te amo filho...

Tsuna:

-Tabe... Boa noti mamãe.

Lucy:

-Boa noite filho. Se comporte...

Tsuna:

-Tá!

Lucy:

-Bom menino... (Falando isso, dormiu.)

Natsu:

-Bem... essa é nossa deixa... Vamos filho?

Tsuna:

-Vamo.. memo vê a mamãe hoxe?

Natsu:

-Claro que sim.

Tsuna:

-Tá... entã podemo ii.

Natsu:

-Ok. (Sorriu largo para o filho que também sorriu... mas ambos bocejaram ao mesmo tempo.)...Com sono?

Tsuna:

-Aha...

Natsu:

-Também... Vamos logo... voltar pra minha cama... Eu te deixo dormir comigo de novo.

Tsuna:

-Eba... (Falou animado... mas cansado. E logo dormiu no ombro do pai.)

Natsu:

-Boa noite filho... (Fez carinho em seu cabelinho...)

Natsu saiu. Foi até o elevador... desceu ao térreo... e saiu do hospital. Pagou o estacionamento na maquininha... Chegou no carro... amarrou o Tsuna com calma agora... mas o menino dormia ferrado... mesmo que o mundo caísse... não acordaria. kk Natsu foi pra direção... e finalmente... perdeu toda tensão... passou. Ele queria que fosse última vez ali... mas não foi... E assim... foi pra casa.

*Alguns dias depois*

Natsu já tinha ido mais algumas vezes no hospital... com a rotina, larga Tsuna... vai trabalhar... vai visitar a Lucy e volta com o Tsuna pra casa... jantam, tomam banho veem filme e dormem. As flores já tinha murchado no quarto de Lucy. Mas os desenhos de Tsuna, que fez mais... só que sozinho... estavam colados nas paredes. Para alguns... pareceria até maldição alguns... de tão abstratos... Mas... para Lucy, com olhar de mãe feliz pelo filho se preocupar com ela... Sorria feito boba cada vez que recebia mais um novo... fosse bonito ou feio, para ela eram perfeitos. Mas chegou o dia dela receber alta... finalmente... Natsu estava que era pura alegria, assim como Tsuna e principalmente Lucy. Só que junto da boa notícia... chegaram as más... Eles voltaram para casa e Natsu entrava de mãos dadas com a Lucy... Tsuna corria pela casa feliz. Assim que Natsu abriu a porta, Lucy se emocionou ao ver a faixa que Natsu e Tsuna teriam feito pro seu retorno... Tsuna corre e para na frente da mãe... enquanto Natsu apenas sorria.

Tsuna:

-Okaei mamãe!

Lucy:

-Tadaimasu... filho... (Falava entra lágrimas, mas com um belo sorriso.) Obrigada. Obrigada por tudo...

Natsu:

-Estávamos sentindo tua falta amor. (Eles se abraçam, após Natsu colocar sua mala dentro de casa no chão.)

Lucy:

-Também... senti de vocês... (Abraçava o marido.)

Logo após um minuto... que Natsu até havia pego Tsuna, para Lucy dar um beijo... Natsu o larga... pendura a mala num ombro e o outro... oferecer de apoio para Lucy. Assim ambos sobem as escadas bem devagar. O dia passou.. e Natsu e Tsuna não paravam de paparicar a mulher... Mas depois que Tsuna havia dormido... Natsu o levou para seu quarto... Ele queria ter uma conversa muito séria e a sós com a esposa.

-Lucy... Eu preciso falar contigo... Talvez agora não seria o melhor momento, mas sinto que preciso te falar.

Lucy:

-Então diga diretamente... que estou preocupada já.

Natsu:

-Você foi demitida.

Lucy:

-O QUÊ?!?!?!? (Lucy estava inquietamente irritada.)

Natsu:

-Calma... tu não pode se estressar!

Lucy:

-COMO NÃO ME ESTRESSAR?! POR QUE EU FUI DEMITIDA?!

Natsu:

-Huf~ Eu sabia que ficaria assim. A secretária de seu chefe ligou uns dias atrás aqui pra casa... querendo falar contigo, eu disse pra deixar mensagem que eu dava o recado... foi quando ela falou que era pessoal o assunto e que tu só teria até as 14 horas do dia seguinte, para falar com seu chefe, ou seria demitida. Eu falei que tu estava internada, que seria impossível... que isso também era contra as leis. Eles não poderiam te demitir... Pois bem... ela falou que não importava... que eles poderiam fazer isso. E fariam. Eu não tive como contar... e eu só fui te ver um dia depois... foi justo quando fez exames... Então... Eu não contei. (Lucy escutava tudo perplexa, decepcionada e com raiva.)

Lucy:

-POR QUE NÃO ME CONTOU ANTES?! POR QUÊ?!

Natsu:

-Não adianta me culpar! Eu só te protegi! Se tu ficasse como está agora, quando estivesse tão fraca, poderia ter consequências! Eu fui proibido pelo médico de te contar! (Falou aquilo com certa raiva... a culpa não era dele... era apenas da empresa.)

Lucy:

-Não acredito nisso... Eu tinha que ter ido lá... Como isso pode acontecer?! (Começava a chorar.)

Natsu:

-Me escuta! Nós dois sabemos que isso é ilegal... se tu quiser... tu pode colocar eles na justiça.

Lucy:

-Então uma rede de advogados, vão ganhar de mim e o máximo que conseguirei serão alguns mil de indenização... O que eu quero, não é dinheiro... Eu quero meu emprego de volta!

Natsu abraça ela... que tenta afastá-lo a princípio... mas logo recebe o abraço. Chora no ombro do marido... como uma criança perdida... ele fazia carinho em seus fios loiros sedosos... Ela, ao seu ver, parecia tão frágil... tão quebradiça... Ele queria ajudar... proteger... mas o máximo que conseguiu... foi ficar abraçado a ela mais tempo... até as palavras em sua boca... saírem naturalmente.

-Fica calma... Eu mesmo já fui demitido antes... Nós achamos que será o fim do mundo... Mas não é meu amor. Tu, com tanto talento, logo que ganhar a Luna verá que choverá propostas de empregos pra você. Até lá, eu consigo sustentar nós... Falta apenas um mês e pouquinho. Dará tudo certo. Eu estarei sempre contigo. Lembre-se sempre disso. (Ela aperta mais o abraço e confirma com a cabeça.)

Lucy:

-Vou lembrar...

Natsu:

-Eu te amo muito... então... fique calma.

Lucy:

-Tá... (Separa o abraço e olha nos olhos dele... e ele seca as lágrimas dela) Também te amo.

Natsu:

-kk Eu sei. (Beija sua testa.) Devemos dormir sabia? Você foi indicada a ficar de repouso daqui pra frente e isso conta descansar bastante. Não se preocupe... eu cuidarei de tudo... e tudo acabará bem.
Lucy:
-Tá bem...

 


Notas Finais


Gostaram??? Vale coments?? Lembrando que estamos indo pra reta final!! proximos caps começarão tensão novamente!! kkkk Espero q gostem. E lembrando também que eu já estou escrevendo a segunda temp. ;) kkkk Bjoooss!!! :*
Atéo próximo cap. ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...