História Do not cause problems (Jackbam) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Jackbam got7 yaoi drama
Exibições 41
Palavras 1.461
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


OI GENTE PEGUEI MEU CELULAR DE VOLTA, DEMOREI MUITO PRA PASSAR ESSE CAPÍTULO PRO CELULAR MAS TA AI, BEIJOS DA TIA BET <3

Capítulo 11 - Eu sempre vou estar aqui


Jackson Pov's

    Havíamos chegado a Seoul, os meninos foram nos buscar no aeroporto, avisto eles.

-Posso matar vocês agora? -Jaebum vem ao nosso encontro e fala.

-Calma hyung. -Bambam fala ao meu lado.

-Quero uma boa explicação quando chegarmos. -JB fala se virando e indo em direção a van. Os outros estavam nos esperando do lado de fora do carro.

-Até que enfim chegaram. -Yugyeom fala sem ânimo abrindo a porta e entrando na van, ele é realmente um amor.

     Chegamos ao dormitório, estávamos sentados na mesa tomando um café da tarde.

-Que horas vocês saíram do hotel aquele dia? -Youngjae pergunta terminando seu pão.

-Quatro e meia da manhã. -Eu falo.

-Foram fazer oque na rua a essa hora? -JB fala intimidador arqueando uma sobrancelha. Eu desvio meu olhar e tomo um gole de café.

-Eu queria mostrar alguns lugares para Bambam, e como sairiamos às cinco eu acordei às quatro e saímos, esquecemos de ver as horas. -Falo. Ele me encara com um olhar reprovador.

-Ok. -Fala e se levanta pegando seu prato.

[1 mês depois]

    Eu e Bambam havíamos nos aproximado bastante, eu estava realmente muito protetor com ele. Nessas últimas semanas ele tem sorrido e interagido, coisas que ele não fazia muito a 1 mês atrás, desde então ele vem se abrindo mais comigo, quando sentia algo vinha me dizer. Ele tinha realmente mudado, sempre me pegava o observando dormir, ele parecia um anjo, estava tudo bem até que...

Bambam Pov's

    Estava sentado na cama junto a Jackson, tenho que dizer que eu e ele nos aproximamos muito, pode até soar um pouco clichê mas, ele está me mostrando oque é felicidade, uma coisa que eu não presencio a muito tempo. É tão bom saber que tenho alguém para me apoiar. Depois daquele dia em que eu tentei enfiar uma faca na minha barriga os hyungs estão muito protetores comigo.

-Eu prefiro o rosa. -Falo, nós estávamos vendo casacos pela internet.

-Você é uma princesa. -Ele fala me olhando.

-Sim eu sou.

-Então eu sou o príncipe. -Ele fala e eu coro, ficamos nos encarando por um tempo, eu provavelmente já estava roxo. Somos interrompidos pelo toque do meu celular, era minha tia da Tailândia, a única pessoa com quem eu tinha contato na família, por que ela estaria me ligando?

Jackson saiu do quarto para que eu pudesse falar com ela.

~Chamada On~

-Bhuwakul, querido.

-Oi tia, oque houve?

-Eu preciso te contar uma coisa.

-Fale-me, tia.

-A sua mãe, a algum tempo atrás foi diagnosticada com uma doença terminal, ela não quis contar a ninguém, e... -Ela falou e eu mudei totalmente minha expressão.

-O-que aconteceu, tia? -Falo tremulo.

-Ela... Infelizmente, faleceu. -Ela falou. Depois que ela disse essas palavras meu mundo desabou, eu havia jogado o celular longe.

~Chamada Off~

     Eu corri para o banheiro, me sentei no chão abraçando meus joelhos, eu me sentia vazio, repetia em minha cabeça "eu não tenho ninguém, eu nunca tive, estou sozinho, como sempre". Mesmo que ela me odiasse ou tivesse nojo de mim, eu a amava, mas eu não pude dizer isso, ela não queria ouvir nenhuma palavra minha.

Jackson Pov's

     Eu entrei no quarto novamente, não o vi ali, avistei seu celular desbloqueado em cima da cama, fui até ele e olhei a mensagem, era de sua tia e dizia "me desculpe por não ter te contado antes querido", comecei a procura-lo, ouvi um choro vindo do banheiro e fui até lá. O encontrei sentado do lado do pequeno armário, corri até o mesmo e me abaixei, o abracei e ele retribuiu, mudei as posições o colocando em meu colo, ele apertava seus braços em volta de meu pescoço e eu apertava os meus em volta de sua cintura.

     Depois de um tempo seu choro minimizou.

-Oque houve bebê? -Pergunto em seu ouvido e ele desafunda seu rosto de meu pescoço, me olha com seus olhinhos cheios de lágrimas.

-M-minha mãe, ela... -Fala em meio a soluços, as lágrimas que ele segurava escorreram pelo seu rosto, as limpo com meu polegar e ele abaixa a cabeça, da mais alguns soluços em meio as lágrimas. -Ela... Morreu. -Ele fala e eu fico paralisado por um momento, seguro forte em sua cintura, juntando nossos corpos, ele me abraça.

-E-eu não tenho mais ninguém. -Chora desesperadamente.

-Não fale isso, eu estou aqui, eu vou sempre estar aqui. -Falo subindo uma de minhas mãos até sua nuca e entrelaçando meus dedos em meio a seus fios de cabelo.

      Eu falava palavras reconfortantes para ele, por que ele tinha que passar por tudo isso? Ele é tão novo.

Bambam Pov's

      Me sentia seguro em seus braços, por que era sempre ele que estava comigo nesses momentos?

-Bam. -Me chama e eu afasto meu rosto de seu ombro o olhando. -Me prometa, que vai tentar superar tudo isso. -Diz e eu abaixo minha cabeça. -Me promete? -Ele fala colocando seus dedos em meu queixo e levantando meu rosto.

-Sim. -Resmungo baixo, sinto ele me cutucar, dou um pulinho em seu colo.

-Eu não ouvi. -Fala arqueando uma sobrancelha, ele me cutuca mais uma vez.

-Tudo bem, eu prometo, mas não me faça cócegas

  O abracei, era tão bom sentir a energia e a segurança que ele me passava, me sentia seguro em seus braços, não queria sair de lá.

-Pode me abraçar mais vezes? -Falo baixo.

-Eu posso te abraçar para sempre se você quiser.

-Eu gosto da ideia.

-Depois que você comer alguma coisa nós podemos ficar abraçados para sempre.

-Não estou com fome.

-Mas vai comer.

-Ok, mamãe. -Falo me afastando novamente de seu ombro.

    Tento me levantar mas minha tentativa fora inútil e eu cai em seu colo o fazendo soltar um grunhido, ele automaticamente cora, fiquei sem reação, apenas sussurrei um "desculpe" mínimo.

     Me levantei com dificuldade e estendi a mão para ajudá-lo a levantar ele me puxou e eu fui parar novamente em cima do mesmo.

-Jackson!

-Desculpa, não pude evitar. -Diz e solta um risinho.

     Nós estávamos deitados no chão do banheiro, eu com a cabeça em seu peito e ele fazendo carinho em meus fios de cabelo.

      Depois de muito tempo tentando tirar Jackson de lá, nós descemos e nos sentamos ao redor da mesa.

      Ele estava na cozinha preparando dois lanches, eu disse que ia pegar meu celular no quarto.

-Posso entrar? -Youngjae fala depois de dois toques dados na porta.

-Pode. -Falo me sentando na cama, ele entra e se senta ao meu lado.

-Como você está? Me conte novidades. -Ele fala.

-Novidades? -Questiono confuso.

-Sim, o que anda acontecendo?

-Ahm, nada demais, por que a pergunta?

-Ah, não sei, já não conversamos faz um bom tempo.

-Huh, sim. -Exclamo. -Youngjae hyung, minha tia da Tailândia ligou para mim hoje.

-E o que ela disse?

-Que... Minha mãe estava com uma doença terminal. -Falo e abaixo minha cabeça.

-Oh meu deus. -Ele diz colocando uma das mãos em sua boca.

-E... Que ela havia falecido alguns dias atrás. -Digo.

-Meu deus Bambam. -Ele diz e me abraça. -Meus pêsames, vai ficar tudo bem. -Acaricia minhas costas.

     Ele desfaz o abraço e ficamos conversando.

-Mas e você, tem novidades? -Pergunto.

-Ah, acho que não. -Diz meio cabisbaixo.

-Tem sim, você sempre tem novidades, me conte de você e Jaebum hyung. -Falo e ele me olha assustado.

-O-o que? -Pergunta confuso.

-Qual é, todo mundo sabe que vocês estão juntos, ainda tentam esconder de nós?  -Digo e o mesmo me olha indignado.

-Está tão na cara assim?

-Sim, bastante. -Falo e olho para sua mão, ele usava um anel que possívelmente era de namoro, me lembro de ter visto JB usando um igual.

-Huh, mas e você e Jackson? -Ele me pergunta mas antes que eu pudesse pensar em algo para falar, Jackson entra no quarto, eu realmente não queria responder por que ainda não estava certo de meus sentimentos por ele.

-Oh, eu já estou indo, foi bom conversar com você Bam. -Ele fala e sai dando um tchauzinho mínimo para Jackson.

-Aconteceu algo? -Ele fala vindo até mim e se abaixando em minha frente segurando em minha pernas.

-Não, por que?

-Nada, vamos? Os lanches estão prontos. -Diz se levantando.

-Vamos. -Se vira em direção a porta, pulo em suas costas e ele se assusta mas logo segura minhas pernas e sai do quarto.

       Nos sentamos e comecei a comer meu lanche, que por sinal estava muito bom, mesmo Jackson sendo preguiçoso ele levava jeito para cozinhar. Acabo meu lanche em pouco tempo, estava realmente com fome.

-Está sujo. -Ele fala apontando para sua boca indicando que a minha estava suja.

-Onde? -Digo passando os dedos em volta da boca procurando limpar o lugar sujo pelo lanche.

-Aqui. -Chega mais perto e limpa o canto de minha boca com seu polegar, ele não precisou se esticar muito pois estava sentado do meu lado. Chegou mais perto, ele colocou sua mão macia em meu rosto, conseguia sentir sua respiração se chocar contra a minha, eu estava trêmulo, não sabia oque fazer, ele olhava para meus olhos e para minha boca, nossos narizes quase se encostavam.


Notas Finais


Desculpa qualquer erro, espero que tenham gostado sz, TALVEZ saia outro cap hoje.


GENTE E QUE MAMA FOI ESSE? EU ACORDEI 5 DA MANHÃ PRA ASSISTIR SOCORRO, PRÊMIOS MAIS QUE MERECIDOS <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...