História Do Not Leave Me - Jungkook - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Seventeen
Personagens Chen, Hansol "Vernon" Chwe, Jay Park, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Exibições 138
Palavras 3.423
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia amores! Como vão ? ❤
Mais um capítulo para vocês ❤❤❤

Desculpe qualquer erro 🦄
Boa leitura 🦄
Fav 🦄

Capítulo 39 - Mãe


Fanfic / Fanfiction Do Not Leave Me - Jungkook - Capítulo 39 - Mãe

2 meses depois...

Acordei quase sufocada pelo perfume amadeirado de sempre de Jungkook, seu peito nu que subia e descia pesadamente abaixo da minha cabeça e seus braços que envolviam minhas costas me dava a segurança que precisava depois de uma noite bem longa e excitante consegui pagar todas as minhas dívidas sexuais com ele, é engraçado pensar esse tipo de coisa, nós só poderíamos ser o casal mais maluco para criar dívidas sexuais mas foi as melhores que já fiz. Nesses dois meses a mais juntos serviu para que eu confirmasse que ele realmente me amava, acredite, não tivemos uma briga se quer nesse tempo, quando tinha alguma indiferença ou opiniões diferentes conseguimos resolver tudo na maior paz, sem nenhum xingar o outro. Ele verdadeiramente mudou, diminuiu seus ciúmes mas ele ainda estava lá, pronto para ser usado. Lay ainda não sabia que eu tinha voltado com Jungkook e exatamente nessa semana ele viajou para Londres à trabalho o que me deu mais chances e facilidade para ficar com Jeon.

Sai de cima do mesmo rolando para o outro lado, olhei o relógio e ainda eram dez e dezessete da manhã, respirei fundo pegando um pouco do seu aroma pus meus pés no chão dando uma boa despreguiçada, olhei para eles e mexi meus todos os meus dedinhos considerados por mim mesma fofos com a francesinha desenhada tendo a boa sensação de poder tocar, correr e andar sem intervenções. Deixei a preguiça de lado e caminhei ( leia-se arrastei ) até o banheiro, escovei os dentes e tirei o resto de maquiagem da noite anterior, pus a ponta do pé debaixo da ducha fria esperando para que ela atingisse a temperatura ideal. Morna. E com os olhos fechados fui tomada pela dormência gostosa no corpo, ficando assim por um bom tempo.

Enrolei a toalha pelo meu corpo e passei para o quarto novamente, Jungkook ainda dormia com aquela carinha de bebê e os cabelos bagunçados era a cena mais fofa. Deixei um sorrisinho escapar e fui em direção ao armário de primeiro peguei um vestido azul escuro mas joguei ele de volta no lugar percebendo que estava claro demais para aquele vestido, um short jeans justo e um camiseta preta estava ótimo, calcei meus coloridos chinelos e fiz um coque mais bagunçado que a minha cama naquele momento mas ficou fofo.

Jungkook já se mexia indicando que seu sono logo iria ir embora. Fiquei o olhando por um instante até que uma ideia surge na minha mente e com todo o cuidado saí do quarto passando rapidamente pelo corredor e só parei quando encontrei Hyeon na cozinha preparando o café.

- Bom dia senhorita Ashlee - ela me cumprimentou gentilmente com seu belo sorriso matinal.

- Bom dia - retribui no mesma intensidade

- Em que posso ajuda-la ? - ela perguntou secando suas mãos com um pano de prato.

- Me ajuda a preparar uma bandeja de café da manhã para Jungkook ? - perguntei fazendo beicinho tirando uma fina risada dela seguido de uma confirmação com a cabeça.

- Qual tipo de coisas ele gosta ? - ela perguntou tirando uma bonita bandeja de madeira clara no armário superior.

- Hum...croissants, amoras, maçã, uvas sem caroços porque ele sempre diz que quase morreu com um caroço de uma e claro, como pude me esquecer - dei um tapa na minha própria testa - morangos, nutella e cappuccino sem canela, ele tem alergia.

- Um coreano gosta de café estilo americano ? Isso é engraçado! - assenti e ela dar uma risada tímida mas preparada tudo certinho, deixando no balcão para que eu arrumasse.

- Obrigada Hyeon!! - agradeci e dei um beijo em sua bochecha já com a bandeja em mãos.

Subi cada degrau cuidadosamente sem deixar cair uma gota se quer do café. Abri a porta com um leve empurrão com o pé e ele estava sentado coçando os olhos e com os cobertores tampando suas devidas partes, tinha chegado na hora certa.

- Bom dia! - disse fechando a porta e caminhando em sua direção sem tirar os olhos da bandeja, o medo de derramar era maior do que a vontade de olha-lo. Pus a mesma entre eu e ele tendo liberdade para encara-lo e seus olhos arregalados junto com a boca entreaberta demonstrando sua surpresa era mais fofa que ver ele dormindo.

- Não vai falar nada ? Vai ficar me olhando ? - perguntei alargando um sorriso.

- Desculpa, e bom dia! - ele respondeu timidamente, abaixando sua cabeça segurando um sorriso mas a trouxe para cima por um longo beijo roubado.

- Está tudo do jeito que você gosta não é ? - disse partindo o beijo, e pelo curto espaço que existia entre a gente só deu para ambos sorrir antes de iniciar um outro beijo.

- Acho que não está tudo aqui - ele disse analisando a bandeja seriamente depois de nos afastarmos e automaticamente franzi a testa. Como assim não está tudo ali ? Tenho certeza que não me esqueci de nada.

- O que está faltando ? - perguntei também séria, receosa pela sua resposta.

- Você! - ele sorriu e passou a aproximar seu rosto do meu, um sorriso involuntário veio por mim e meus lábios novamente tomados pelo seu num beijo calmo e profundo, suas mãos passavam entre minha virilha e coxas, e ainda vulnerável pelo seus toques fui energizada com arrepios intensos capaz de estremecer meu interior.

- Mas eu sempre fui sua - disse entre os selinhos finais.

- Eu sei - ele diz antes de pegar um morango e levar até sua boca.

- Convencido - falo e faço o mesmo.

- Você lembrou que sou alérgico a canela ? - ele perguntou segurando sua xícara pronto para soltar mais um sorriso.

- Claro, não quero ver você todo vermelho parecendo uma florizinha - o provoquei dando uma breve gargalhada após pegar uma uva.

- A única coisa que você não pode me chamar é de florizinha! - seu olhar vai até o cobertor que estava por cima do seu corpo e volta para mim carregado de malícia.

- Aff Jungkook - revirei os olhos prendendo os lábios.

- O que vai fazer o hoje ? Podíamos pegar um cinema, tem um filme ótimo em cartaz. - ele diz depois de beber alguns goles do café, deixando um bigodinho branco delineando sua boca.

- Estudar para a prova de matemática que tenho amanhã - falo limpando o rastro e ele faz uma careta ao escutar minhas palavras.

- É boa nisso, não precisa estudar!

- Eu sei mas não posso fraquejar agora, bem no final. Minhas notas devem estar impecáveis para apresentar aos meus pais. - me levantei indo até a estante para escolher os livros necessários. - E você deveria fazer o mesmo - disse correndo os olhos pelos diversos exemplares.

- Me dou bem no chute e minhas notas já estão boas o suficiente para que eu passe de período. - respirei fundo para manter o controle e não dar um longo discurso com todos os meus argumentos para ele nunca mais falar esse tipo de coisa.

- Você que sabe... - dei os ombros e empilhei quatros livros nos meus braços, dois de matemática, um de física e outro de ciências e suas tecnologias. Coloquei todos no carpete e fui a escrivaninha pegar algumas coisas como outros livros, cadernos, lápis, calculadoras e etc.

- Ih que foi ein ? - ele perguntou desconfiado pela minha reação.

- Nada. - disse me sentando em volta dos livros. Iria pedir para que ele fosse na Paris - cafeteira - comprar uns doces para mim mas seu celular tocou antes.

Alô... É mesmo, me esqueci... Levo... Daqui a vinte minutos no máximo. Essa foi suas palavras enquanto respondia alguns gritos que logo reconheci, Jin, perguntei o que ele queria e era um seminário que precisava ser pronto ainda hoje. Jeon tomou um banho e vestiu suas roupas anteriores e despediu-se de mim só seu jeito sempre carinhoso, eu fiquei por ali mesmo entendendo as malditas fórmulas que não eram muito difíceis de serem decoradas, de vez enquanto Hyeon entrava para perguntar se eu precisava de alguma coisa mas eu negava, estava tão focada que nem percebi o tempo passar.

Exatamente às oito da noite fui me dar conta de quanto tempo se passou pela mensagem de Jungkook perguntando se estava tudo bem, respondi que sim e comecei a recolher minhas coisas colocando todas em seus devidos lugares e jogando no lixo as várias bolas de papéis amassadas que estavam por todo os lugares. Minhas costas doíam por ter passado tanto tempo na mesma posição, as vezes alternando mas isso não fez diferença alguma. A fome já rondava minha barriga com seus roncos, salgadinhos de frango não me sustentariam eu deveria saber disso e descer para almoçar quando Hyeon tinha me chamado mas agora já era tarde.

Fui direto para o banheiro e meu estado era deplorável, tinha picados de folha por toda a parte do meu cabelo que mais parecia arames farpados. Tomei um banho bem quente e enrolei uma toalha pelo corpo e voltando para o quarto. Minha intenção era vestir um pijama e ir caçar alguma coisa na geladeira porém meu celular tocou.

- Que foi puta ? - disse assim que atendi Hyun.

- Vamos na Paris ? - ela convidou como se tivesse lido meus pensamentos, obrigado Deus por uma amiga tão maravilhosa.

- Claro, passa aqui daqui a dez minutos! – desliguei o celular antes mesmo que ela dissesse alguma coisa.

Deixei ele na beira da cama e fui até o armário, a hora mais difícil dos meus dias pois sempre há aquela indecisão e hoje foi a escolha entre um casaco de tricô feito pela minha avó ou um outro casaco só que de moletom acinzentado comprado em uma loja qualquer, e depois de tirar e colocar eles várias vezes para verificar qual combinaria com a calça jeans e o tênis branco em todos os ângulos, sei parece idiotice mas sempre tive esse “ problema “ com roupas. No final acabou ficando com o de tricô então decido fazer o penteado de antes, um coque bagunçado que deixa minha franja também bagunçadinha, um amor. Fiz um delineado fino e passei um pouco de base porque pelo frio que está fazendo deixa a ponta do meu nariz bastante avermelhada e acabo ficando igual a um coelho; peguei meu celular e desci para esperar Hyun. Vernon também descia as escadas, bastante arrumado para ficar em casa.

- Onde vai desse jeito ? – perguntei pisando no último degrau em seguida indo em direção ao sofá.

- Sair com Milena – ele diz parando em frente ao enorme espelho que ali se encontrava, ele verdadeiramente era o clone da minha mãe só que mais novo e com outra coisa entre as pernas.

- Esse lance de vocês está ficando sério mesmo. Já são quase um mês que estão saindo – disse pondo os pés no sofá, olhando atentamente seu reflexo e um sorriso resplandecia seu rosto.

- Semana que vem quando a gente for pra Flórida, irá levar Jeon? – ele perguntou, agora se sentando ao meu lado.

- Não, ele vai depois, sabe que Lay nunca iria deixar eu apresenta-lo ao nossos pais. Mas você pode levar Milena, todos gostam dela e tenho certeza que a mãe e o pai também vão – terminei com um sorriso que por sinal parecia ter aliviado sua tensão. Meu celular vibrou em cima da mesa, peguei para ver quem era ou o que seria e o nome “ vadia “ estava lá junto com sua mensagem dizendo que já estava chegando.

- Tenho que ir, vou na Paris com Hyun. Até mais tarde! – deu um rápido beijo em sua bochecha e fui em direção à porta.

Como esperado a noite estava gelada, olhei a temperatura pelo celular e batia 8°. Sem lua e estrelas a deixava sem graça, imagino que nesse momento eu poderia estar agarrada com ele num apertado sofá, de meias com pés diferentes, vendo todos os filmes de filme e comendo várias besteiras como antes, como no início. Não que mudamos nesse curto tempo mas parece que as nossas vidas estão ficando mais corridas mas isso vai mudar quando finalmente entrarmos em recesso.

- Ou! Acorda gata! – voltei ao tempo com Hyun estalando os dedos no meu ouvido. Como ela tinha chegado e eu não percebi ?

- Chegou rápido – disse tentando disfarçar o quão sem graça eu estava e ela percebendo começou a rir.

- É e você no mundo da lua, agora vamos, a Paris fecha às onze.- ela me puxa pelo braço sem me soltar até chegarmos em frente ao carro.

- Entra aí- ela faz um sinal com as mãos e dar a volta para entrar no banco do motorista.

- UÉ desde quando você sabe dirigir ? – perguntei abrindo a porta por dentro e entrando e ela fez o mesmo.

- Desde quando Chen me ensinou, ele disse que não aguentava mais me carregar para todo o lado – demos risadas e ela deu partida. O caminho estava silencioso demais então conectei meu celular em seu rádio, colocando Scars To Your Beatiful – Alessia Cara

- Ah meu amo essa música! Ela vicia! – assenti e começamos a cantar.

- She just wants to be beautiful she goes unnoticed, she knows no limits she craves attention, she praises an image she prays to be sculpted by the sculptor oh, she don't see the light that's shining deep within the eyes, can't find it maybe we have made her blind so she tries to cover up her pain and cuddle woes away cause cover girls don't cry after their face is made – ela cantou o início e eu continuei

( Ela só quer ser bonita ela passa despercebida, não conhece limites ela deseja atenção, ela idolatra uma imagem ela pede para ser esculpida pelo escultor ela não vê a luz que está brilhando bem no fundo de seus olhos, não consegue encontrá-la Talvez a tenhamos deixado cega Então ela tenta esconder a dor e afastar as inseguranças garotas propaganda não choram com a maquiagem feita )

- But there's a hope that's waiting for you in the dark you should know you're beautiful just the way you are and you don't have to change a thing the world could change its heart no scars to your beautiful we're stars and we're beautiful and you don't have to change a thing the world could change its heart no scars to your beautiful we're stars and we're beautiful...

( Mas há uma esperança esperando na escuridão você deveria saber que é linda do jeito que é e você não tem que mudar coisa alguma o mundo pode mudar de ideia não há cicatrizes na sua beleza somos estrelas e somos lindas e você não tem que mudar coisa alguma, o mundo pode mudar de ideia, não há cicatrizes na sua beleza somos estrelas e somos lindas )

E assim seguiu o caminho, às vezes trocando de música e depois voltando nessa música.

- Isso está vazio assim mesmo ou os preços aumentaram? – ela perguntou parando o carro em frente ao local.

- Talvez seja a segunda opção – disse tirando uma risada dela e saímos do carro.

Conforme caminhamos até a entrada conversamos sobre a prova de amanhã e algumas dúvidas que tínhamos em comum então decidimos que quando terminarmos aqui eu iria dormir sem sua casa para tentarmos esclarecer juntas. Com um dos braços erguidos para empurrar a porta regressei a ação pois um grito alto feminino de algo parecido com “ Não “ ou “ Eu não quero “ chamou nossa atenção. Olhamos na direção do som e em uma mesa mais distante estava sentado um homem e uma mulher, que chorava com intensidade e o homem que estava a sua frente apenas olhava, forcei mais o olhos e ele usava alguns brincos pratas mas uma pequena tatuagem feita recentemente no pulso esquerdo e seu cabelo preto me fez o reconhecer sem muito esforços. Jimin.

Ele percebeu que pessoas os olhavam e cochichou no ouvido da loira que limpou suas lágrimas com as costas das mãos. Jimin deixou uma quantia em dinheiro na mesa, pegaram suas coisas e de levantaram. Pensei que ele se sentiria intimidado com meu olhar a ele mas não, me cumprimentou fazendo um sinal a cabeça e um pequeno sorriso, olhei para a mulher que o acompanhava de cabeça baixa e por um momento que a levantou deixou-me reconhece-la, Kyung, com seus olhos avermelhados seguiu seu acompanhante ou sei lá o que.

- Genteeee mas o que foi isso?! – Hyun perguntou com um gritinho e me dando algumas balançadas.

- Não sei e nem quero saber, quero distância dessa gente! Vamos! – disse finalmente entrando.

(...)

- Alunos, celulares desligados, bolsas ou mochilas em baixo das cadeiras, olhando somente para sua prova e só quero as canetas e lápis em cima das carteiras. Vamos nos esforçar, essa é a última semana... pra alguns! Boa sorte! – a professora diz enquanto destruiu as provas para os demais depois se sentando em sua lugar de sempre.

Eu estava bem calma sabia que iria passar então mesmo que fosse mal nessa prova meu lugar já estaria garantido no segundo período.

Marca aqui, faz uns cálculos na mesa mesmo e um chute ali, terminei a prova de quatro folhas em meia hora. Entreguei elas a professora, arrumei meu material novamente e me retirei da sala, assim como no início do ano é terminar a prova e ir embora para o meu alívio. Obrigada Deus. Deixei os longos corredores pouco iluminados entrando no campus com aquela claridade absurda, corri meu olhos até encontrar Jungkook e todos os meninos, não pensei duas vezes em ir até lá.

- Oi – disse dando um selinho no mesmo. Fiquei em sua frente, fui envolvida pelos seus braços e minha cabeça serviu de apoio para a sua. Como ele se aproveitava dos meus 1,60.

- Como foi na prova ? – Suga perguntou sentado em um pedregulho ao lado da estátua.

- Bem... eu acho

- Acho que quem deveria fazer essa pergunta sou eu! – disse Jungkook fazendo todos rirem.

- Aquele tipo de namorado chato que você respeita – disse Taehyung trazendo mais risadas a nós.

- Por falar em namorado, vocês sabiam que Suga está namorando gente ? – Jin disse com um olhar sarcástico a Suga.

- Namorando ? Quem ? – perguntei sorrindo a ele.

- Hee Young! – Jin respondeu.

- Do cabelo azul supervisora da revista? – perguntei boquiaberta e ele assentiu.

- Wow! Falaram que ela é mais difícil que achar dinheiro na rua – disse Jhope e todos rimos, inclusive Suga que confirmou.

- Quer ir embora ? – Jungkook perguntou em um sussurro no meu ouvido enquanto os outros conversavam e por mais que essa frase não tenha efeito algum ela me causou arrepios.

- É, acho melhor nós irmos! Temos coisas melhores para fazer... – disse baixo.

- Estamos indo meninos, até mais! – me despedi do restante e ele também.

(...)

- Eu só quero dormir mano, sério. – disse batendo a porta do carro e revirando os olhos, iniciando meu caminho até a casa.

- E quem disse que você vai dormir ? Falou aquelas coisas e agora quer dormir ? Nem pensar! – ele me repreendeu me tomando por trás impedindo meus passos e um sorriso involuntário apareceu em meus lábios.

- Eu amo tanto esse seu sorriso – ele diz com a respiração batendo em meu pescoço - mas também adoro sua bunda- antes que pudesse absorver a frase recebi um tapa ardente na mesma.

- Safado! – disse me virando para ele tomando seus lábios com volúpia seguindo sem interromper o beijo em passos falsos até a porta.

Só paramos quando tive que pegar as chaves na mochila pois hoje todos os funcionários estariam de folga, ou seja, a casa seria só nossa. Abri as duas portas e meu coração quase deu treco quando vi malas no chão, Jungkook também viu e desgrudou de mim. Deixei as chaves na mesa de centro e fui procurar quem estava em casa, não precisei nem chegar na cozinha que a Voz dela surgiu no alto da escada.

 - Filha! Meu amor, pensei que iria demorar mais! – virei lentamente em direção a ela já não sentindo mais minhas pernas direito e tudo piorou quando eu a vi com aquele sorriso. Sim. A minha mãe estava aqui e Jungkook também.


Notas Finais


Até a próxima ... 🐼❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...