História Doce Engano - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Kiba Inuzuka, Kushina Uzumaki, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, Tsunade Senju
Tags Hentai, Hinanaru, Kibaino, Naruhina, Revolução Naruhina, Shikatema, Songfic
Exibições 1.128
Palavras 4.188
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá \o/
Como estão vocês?
Estou feliz de ter concluído o capítulo com antecedência, por isso, já estou postando... rsrsrss
(Ainda não comecei o próximo, por isso não fiquem tão ansiosos.. rsrsrs)

*A parte em negrito é uma música, só para dar um clima, deixarei o link nas notas finais para quem quiser ouvir enquanto lê. Quem não quiser, é só pular... rsrsrss

Espero que gostem dos acontecimentos, tentei caprichar ao máximo por ser um capítulo especial para todos <3
Enfim...


Boa Leitura!

Capítulo 31 - Capítulo 31 - Perdendo a Cabeça


Fanfic / Fanfiction Doce Engano - Capítulo 31 - Capítulo 31 - Perdendo a Cabeça

 

Naruto entra no carro e pisa fundo no acelerador. Apesar das palavras de sua mãe sobre manter-se calmo, um sentimento desconhecido toma o seu ser, impedindo-o de ser racional. Tudo que sua mente embaralhada pede é que a encontre o mais rápido possível. Então, dirige apressado sentindo como se sua vida dependesse disso.

Agradece aos céus o fato de não haver trânsito aquele horário e segue com um mantra em sua mente:

“Não desista de nós, Hinata!”

Try (Tentar)

Ever wonder ‘bout what he’s doing?

(Já se perguntou o que ele está fazendo?)

How it all turned to lies?

(Como tudo virou mentira?)

Sometimes I think that it’s better to never ask why

(Às vezes acho que é melhor nunca perguntar porquê)

Assim que vira a esquina da rua da casa da Perolada ele percebe o carro dela saindo da garagem e se afastar. Sem mais dúvidas, arranca o carro e a segue com cautela. Mesmo estando a uma certa distância e não vendo muito de sua amada, além da cabeça dela, seu coração palpita em seu peito, martelando loucamente. Há quanto tempo não a via?

“Hime!”

Seus lábios balbuciam o apelido carinhoso de maneira inconsciente.

Em um momento, o carro dela avança por um sinal amarelo que logo fecha. Ele a seguiria mesmo assim, não fosse o carro que estava entre eles o impedindo de fazê-lo. Ele freia com muita raiva e profere dezenas de palavrões, mas em um flash de memória, lembra-se de seu acidente e de ter prometido à Kushina de que não faria nada imprudente. Tamborila os dedos impacientes no volante e arranca com tudo quando o sinal fica verde novamente, permitindo que o outro carro ande e ele possa finalmente sair com segurança.

Fica tenso quando percebe que a perdeu de vista.

“Porra!”

Continua dirigindo por um tempo pelas imediações, enquanto sua mente tenta formular uma hipótese de para onde ela estaria indo; quarenta minutos depois, acaba desistindo e parando no Pub, mesmo bar que havia ido com Shikamaru semanas atrás. Procura uma vaga para estacionar e por fim, encontra uma um pouco distante. Sai do carro mexendo em seu celular, talvez se ligasse, ela o atendesse.

“ – Após o sinal, deixe o seu recado... bip...”

“Ela ainda não ligou o aparelho? Como porra irei encontra-la agora?”

Enquanto ele vagava tentando pensar seu próximo passo, adentrou o recinto e sentou-se em uma mesa um tanto quanto afastada. Chamou o garçom e fez seu pedido.

{...}

Hinata estava sentada no balcão do bar, mexia distraidamente no seu celular enquanto aguardava Ino chegar. Deu um gole em seu coquetel de morango, apreciando o líquido rosado. Recebe uma notificação, então desliza o dedo na tela para ler:

“Você acaba de receber ligações do número ...”

Seu coração gelou, por que Naruto havia ligado? Agradeceu mentalmente o aparelho ter estado desligado e só há pouco ela percebera isso, religando-o. torceu para que o loiro não tentasse o contato novamente. Suspirou baixinho, mas logo foi tirada dos pensamentos por uma voz familiar:

 – Hinata?

Ela se vira lentamente para encontrar o par de olhos que exibiam um brilho de satisfação ao mirá-la.

– Kakashi!

Ele se inclina e a beija no rosto, demorando-se mais do que o necessário. Ela se afasta um pouco, instintivamente, e ele percebe, mas age naturalmente enquanto sorri discretamente.

– Como você está? Está diferente! – ele puxou um banco e sentou-se a seu lado, depois fixou os olhos nos dela.

– Estou bem! Obrigada. – ela tamborila as unhas bem feitas na taça.

– Posso pedir algo para você?

– Não, estou bem. – ela pegou sua taça dando um longo gole.

– Você não me ligou... – Hinata evitou o olhar intenso, sentia sobre si o quanto ele queimava fitando-a.

– Aham... – ela limpou a garganta e decidiu olhá-lo nos olhos. – Estava fora do país, acabei de chegar.

– Hm... Interessante. A negócios ou prazer?

– Um pouco dos dois... – ela respondeu vagamente, mas permitiu-se um sorriso.

Ele desvia um pouco o olhar e brinca com seu copo de uísque. Um silêncio se faz, até que ele leva a mão a sua coxa e acaricia sensualmente. Hinata desacredita na ousadia, mas quando ela larga a taça no balcão e se vira para livrar-se da mão atrevida, Kakashi já está distante. Levando alguns segundos para entender o que está acontecendo, arregala os olhos e abre a boca totalmente atônita com a cena. Naruto com raiva, imprensa Kakashi contra a pilastra mais próxima.

 

– Tire suas mãos da Minha Mulher. – o loiro rosna diante do rosto confuso de Kakashi.

– Largue-o, Naruto! – Hinata fala firme, mas aproxima-se segurando o seu braço.

Kakashi aproveita a distração do loiro e avança dando-lhe um soco, o pegando desprevenido. Naruto cambaleia para trás. Mas consegue se equilibrar.

– Kakashi!

Hinata tentara inutilmente chamar a atenção de ambos para si, mas era tarde. Eles estavam alterados e trocavam uma sequência frenética de socos, embora, era visível que Naruto levava a pior, talvez por seu ombro ainda não estar cem por cento recuperado, talvez por Kakashi ser bom de briga. Hinata não saberia dizer, mas no desespero de ver aquela cena, acabou sem pensar muito e entrou no meio dos dois para impedir uma desgraça maior.

– Parem! – conseguiu gritar, mas a voz saíra embargada. Ambos a fitaram, respiravam ofegantes, as marcas da recente briga aparecendo em seus rostos, sentiram culpa pelas lágrimas que escorriam pela face alva, manchando a simples, mas bela, maquiagem.

– Desculpe, Hinata, eu... – Kakashi tentou falar, mas fora interrompido por ela.

– Por favor, vai embora! – ele abre a boca para retrucar, mas ela se vira na direção do loiro que estava apoiado em uma mesa e continua em tom firme: – Vai embora, Naruto! Não quero mais te ver.

Sua voz saiu ácida e derreteu o coração do loiro.

– Hime... – ele tenta ir em sua direção com as mãos levantadas, mas ela o repele.

– Não me chame assim. Vai de uma vez!

– O que está acontecendo? – Ino chega a tempo de presenciar o final e a fala de sua amiga, se aproxima rapidamente observando, boquiaberta o pequeno aglomerado de gente.

– Vamos, Naruto. – ela tenta fazer com que ele se mova para não piorar a situação.

Ele, no entanto, não parecia estar ouvindo. Mas deixou-se ser guiado pela loira. Já do lado de fora, a Yamanaka questionou:

– O que foi tudo aquilo?

Naruto apenas meneou a cabeça. Sentia-se irado por ver Hinata com outro, não acreditou quando o viu um toque mais íntimo, enxergou vermelho na mesma hora e sem pensar em nada, somente o arrancou de perto dela. Ao passo que a ver manda-lo embora o magoava demais.

– Responda Naruto.

– Estou perdendo ela. Droga!

– E vai perder de vez se continuar sendo um idiota. – Ino suspirou. – Escuta, você estava indo bem. Deixou que ela tivesse o tempo dela. Ela estava tão feliz, mais confiante, e então, você vem aqui como um homem das cavernas e acaba tudo.

– Eu não preciso de alguém para me afundar mais, obrigado, posso fazer isso sozinho.

– Baka! Quero ajudar. Não que eu goste de você, mas... mas ela ainda gosta e é por ela que eu gostaria de abrir sua cabeça dura e enfiar um pouco de senso aí. Por favor, não estrague tudo que ela conseguiu até aqui. Vá para casa, esfrie a cabeça e depois, procure-a e tenta mostrar que você a merece.

Ino deu um leve soco no braço dele.

– E cuide desses hematomas, não vão ficar nada bonito. Urgh!

Naruto riu e acenou positivamente.

– Ino! – ele a chamou quando antes dela entrar no bar. – Cuide dela até que eu mesmo possa fazer isso. – ela concordou com a cabeça e sorriu minimamente. – E obrigado, mais uma vez.

Ele a vê entrar, então vai até seu carro, entra, dá partida indo embora.

 

A noite para Hinata mal havia começado, mas já tinha acabado. Ela pediu desculpas a Kakashi, foi ao banheiro dar um jeito em seu rosto manchado pelas lágrimas. Ao sair, deu de cara com Ino que murmurou um “sinto muito” e se ofereceu para leva-la em casa, mas Hinata recusou, estava de carro também e queria ficar sozinha naquele momento. Despediu-se de sua amiga e foi embora.

Em casa, guardou o carro, e uma vez lá dentro, fechou a porta da sala atrás de si, encostou-se a ela e permitiu-se escorrer até o chão.

Não sabe quanto tempo passou ali, saiu do transe que havia emergido assim que batidas soaram na porta.

“Quem poderia ser agora?”

Decidiu ficar quieta, não estava com disposição para atender a quem quer que fosse. Contudo, as batidas eram insistentes. Secou os resquícios de lágrimas, levantou-se vagarosamente. Com sorte, haveriam de desistir e ir embora. O que não ocorreu.

Abriu a porta e...

– O Quê. Você. Está. Fazendo. AQUI?

Ela o questiona pausada e nervosamente. Tentando inutilmente conter a raiva que acaba exalando em cada palavra através de seu tom áspero.

Where there is desire, there is gonna be a flame

(Onde há desejo, haverá uma chama)

Where there is a flame, someone’s bound to get burned

(Onde há uma chama, alguém está sujeito a se queimar)

But just because it burns doesn’t mean you’re gonna die

(Mas só porque queima não significa que você vai morrer)

You gotta get up and try, and try, and try

(Você tem que se levantar e tentar, e tentar, e tentar)

– Hinata! – Ele diz em súplica.

– Vá embora! – Ela grita tentando fechar a porta, mas ele espalma as mãos aplicando força e a detém.

– Não! – ele devolve e adentra a casa fechando a porta com força.

– Você é um idiota, Naruto!

– Sou um idiota, não nego.

– Por que está fazendo isso? – ela desvia o olhar e se afasta dele.

– O que você tem com aquele cara? – ele rebate a pergunta com outra e caminha em sua direção.

– Você não tem o direito sobre isto. – ela começa a andar sem rumo pela sala. – Não é da sua maldita conta.

– Sim, é! Você é minha Hinata! MINHA, OUVIU BEM? – o tom de voz eleva-se alguns decibéis e ela o encara com ira nos olhos perolados.

– Você está louco. – diz sem desviar o olhar. – Você perdeu o direito de pensar assim, meses atrás. – cospe as palavras.

Ele dá um passo para trás, atordoado por aquela declaração ter saído tão firme. Mas num lampejo de irracionalidade, avança sobre ela segurando-a pelos ombros com força, de modo que ela geme de dor, mas ele não afrouxa o aperto.

– Me larga! – ela grita e começa a se debater. Com punhos cerrados ela esmurra o peito dele descontando a raiva e a frustração. – Está me machucando. – ela murmura entre as lágrimas que antes estavam contidas, agora, embaçavam sua visão e lavavam seu rosto alvo.

Naruto afrouxa o aperto.

– Desculpe, Hina. Desculpe... eu não queria... – sentindo ódio de si mesmo por saber que ela falava não só da dor física, mas principalmente da emocional, ele a abraça possessivamente, descansando seu queixo no topo da cabeça dela. Lágrimas despencam dos olhos azuis pousando nos cabelos escuros, agora, curtos.

Após um longo silêncio, ele a ouve murmurar:

– Vai embora, por favor! – ele considera o pedido, contudo, seu corpo ouve seu coração e nem se move.

– Não vou te deixar.

Funny how the heart can be deceiving

(Engraçado como o coração pode iludir)

More than just a couple times

(Mais do que apenas algumas vezes)

Why do we fall in love so easy?

(Por que nos apaixonamos tão fácil?)

Even when it’s not right

(Mesmo quando isso não é certo)

Afasta-se, somente o suficiente para olhá-la nos olhos, porém, ela permanece com a vista baixa, evitando-o a todo custo. Com um dedo, ele ergue seu queixo para que ela o faça. Quando os olhos de ambos se cruzam, ela contrai os lábios ao ver o estado dele, seu supercílio esquerdo sangra levemente, assim como a boca está com sangramento, devido aos socos dados por Kakashi. Ela leva sua mão aos seus ferimentos, tocando-os suavemente. Ele geme baixinho.

– Você é um idiota. – ela volta a repetir a afirmação e ele sorri, pois a voz dela já não exala nenhum sentimento ruim.

Sem pensar muito ele segura os pulsos dela que se surpreende com a impulsividade e abre a boca arregalando os olhos, surpresa. Naruto se inclina e a beija duro. Afobado, tentava transmitir todos os sentimentos através daquele beijo. Falar não estava ajudando, quem sabe se ele a lembrasse através da pele, ela não resistisse. Sem mais nada a perder, decidiu arriscar.

Uma mão prendeu-se à nuca dela, sujeitando-a a si, enquanto o outro braço circulava sua cintura colando seus corpos. Hinata arfou, mas se moveu tentando evitar o contato. Estava atordoada com a situação. Mas a saudade fala mais alto e a vence. Senti-lo tão próximo, após tanto tempo só faz com que a sanidade se perca e ela se entrega.

Ele caminha com ela sem desfazer o beijo e choca-a contra a parede, pressionando aquele frágil corpo contra o seu. Saudades. Tudo que pensava era em quanto sentiu saudades daquela pele macia e cheirosa. Do quanto ela estava linda, mas esse pensamento não foi bem-vindo, pois o recordara de que ela havia se vestido assim para outro e não para ele. A raiva o apossou e ele mordeu o lábio dela com força, ela gemeu e ele o sugou pressionando os lábios contra o mesmo.

Suas mãos descem contornando cada curva dela até pararem em sua bunda, onde ele as espalma e sustenta para que ela enlace seu quadril com as pernas. Assim, olha para a pequena figura a sua frente que respira com dificuldades através de seus lábios já inchados, semiabertos, e volta a ataca-los. Adentrando a boca de sabor viciante com sua língua quente e sedenta por mais, muito mais dela. Ele interrompe o contato somente para prestar atenção ao caminho que inicia com passos largos até chegar ao tão conhecido quarto.

Delicadamente, deposita-a na cama ficando por cima. Dando início a uma sessão de torturantes beijos molhados por todo o corpo dela. Que sem conseguir se conter, geme baixinho se contorcendo e sentindo tremores percorrer em cada parte pela qual ele passava.

Mas ele interrompe o contato para ficar frente a frente com ela quando percebe que ela chora.

Ever worry that it might be ruined?

(Já ficou preocupado por isso poder ser arruinado?)

Does it make you wanna cry?

(Isso faz você chorar?)

When you’re out there doin’ what you’re doin’

(Quando você está por aí fazendo o que você está fazendo)

– Hina, olha pra mim. – pede com ternura.

Ela reluta, respira fundo, mas abre os olhos que estão brilhando pelas lágrimas contidas. Ele a pega no colo e inverte as posições, senta-se, de modo a encostar-se à cabeceira, com ela encaixada em si. Sente um aperto no peito por vê-la tão frágil, por saber que está colocando a perder o sacrifício feito nos últimos dias.

 – Por favor, não chore. – ele diz com a voz abafada e também embargada. – Isso está me matando.

Hinata funga baixinho e enterra a cabeça no peito dele, sentindo-o subir e descer com respiração irregular, ouvindo o coração dele martelando descontroladamente em seu ouvido.

– Por que está aqui? – é tudo que ela consegue proferir.

– Porque eu não posso viver sem você! Me perdoa... volta para mim... por favor...

Are you just getting by?

(Você está apenas sobrevivendo?)

Tell me are you just getting by, by, by

(Diga-me, você está apenas sobrevivendo)

Como ela nada disse, ele levou ambas as mãos ao rosto dela e a fez encará-lo.

– Eu amo você! Eu quero você!

– Naruto... – ela sussurrou fechando os olhos para fugir da intensidade dos dele.

– Por que você está fugindo? Diga-me.

– Não vai dar certo. Ficarmos juntos, foi um erro. – as lágrimas voltaram com força. Ele passa o polegar para secá-las.

– Hina, eu errei, estava confuso e fui um idiota por agir sobre emoção. A Sara não significa mais nada para mim.

– Eu sei...

– Então, não entendo...

– Não foi só pela Sara. Por Kami. Nosso relacionamento não ia bem muito antes dela, sua volta apenas foi a cereja do bolo. – sorriu amarga.

Where there is desire, there is gonna be a flame

(Onde há desejo, haverá uma chama)

Where there is a flame, someone’s bound to get burned

(Onde há uma chama, alguém está sujeito a se queimar)

But just because it burns doesn’t mean you’re gonna die

(Mas só porque queima não significa que você vai morrer)

You gotta get up and try, and try, and try

(Você tem que se levantar e tentar, e tentar, e tentar)

– Você me ama?

– Não! – ela sussurra desviando o olhar.

– Mentira. É mentira e sabe disso. – ele fala tentando parecer calmo, mas ambos sabem que ele não está.

– Por favor, eu não posso fazer mais isso...

– Por favor digo eu. Por favor, não faz isso com a gente. Nos dê uma nova chance. Não lute contra isso... eu amo você, preciso de você!

Naruto sussurra e volta a beijá-la, mas dessa vez com calma, com carinho e adoração. Ela não reluta.

– Só existe você na minha vida agora. Só você.

– E se não der certo?

– Vai dar – ele sorriu confiante. – Agora diz. Diz que me ama e que vai ficar comigo.

– Amo você. – ela diz e sorri depois de um tempo que para ele pareceu séculos, mas de tão feliz, a abraçou e distribuiu beijos por todo o rosto dela.

– Onde foi que paramos? – ele diz com a voz rouca, carregada de malícia, fazendo Hinata gargalhar. Naruto já estava por cima de Hinata novamente, encaixado em suas pernas. Murmurou contra o pescoço dela: – Amo ver você assim. Senti tanto sua falta.

– Também senti.

Ele afundou a outra mão nos cabelos dela e a puxou para si. Hinata permitiu-se relaxar e ceder a ele, entregando-se à paixão. Foi um beijo mais íntimo do que qualquer outro que já tivessem trocado. Era como se estivessem fazendo amor somente através do beijo. Era quente, sensual e poderoso.

As línguas de ambos encontraram um ritmo em comum e se enredaram através dele quando os corpos derreteram juntos. Os mamilos dela latejavam de desejo quando pressionado contra o peito rijo dele. Ela arqueou de encontro a ele, oferecendo ainda mais contato; e com as pernas o envolveu intimamente. Ambos gemeram com o contato de seus sexos.

A ereção dura de Naruto roçava contra a intimidade dela, ambos podiam sentir o quanto o desejo era recíproco. A temperatura do quarto se elevou rapidamente, fazendo-os queimar ainda mais de excitação.

Finalmente, Naruto interrompe o beijo, mas apenas para descer os lábios pela garganta de Hinata, raspando os dentes hora ou outra. Ela cravou as unhas nas costas dele e ele se arrepiou com o toque mais ousado, gemendo na pele dela. Ela levou as mãos aos fios loiros e os puxou trazendo o rosto dele para beijá-lo novamente.

 – Quero você dentro de mim. – ela murmurou contra os lábios dele. Que sorriu e retrucou:

– Ainda não. – Hinata gemeu de frustração e o loiro riu com vontade. Ele continua empurrando a pélvis contra ela. Volta a beijá-la profundamente, lento e provocante. – Quero fazer amor com você, Hime. Sentir cada centímetro de sua pele macia, sentir seu cheiro doce e seu gosto único. Me deixe amar você, não só hoje, mas por toda a vida.

E novamente, as pérolas brilhavam cheias de lágrimas contidas, mas desta vez, transbordando alegria.

– Sim... – ela limpou as lágrimas e sorriu consentindo em palavras, aquilo que seu corpo e mente já haviam concedido muito antes de se dar conta.

Assim, Naruto dá início a uma noite de amor inesquecível, a qual, cada ato dele demonstra nada além de adoração àquela que seu coração escolheu. Tudo que se ouvia eram os baixos gemidos e as respirações irregulares.

– Gostei do seu vestido. É curto demais, mas eu gosto. – ele acaricia o pequeno decote dela.

Com calma, ele retirou o vestido tomara-que-caia preto e observou que ela usava apenas uma pequena calcinha de renda vermelha; com devoção, deixou uma trilha de beijos quentes e úmidos por todo o corpo dela. Hinata se contorcia embaixo dele, lutando para manter o autocontrole.

Ele afastou a pequena peça de renda e parou os lábios bem próximo a fenda dela, deixou que o ar quente de sua boca pousasse naquele lugar. Hinata sentiu junto com o ar quente, uma onda de calor a invadir.

– Naruto-kun... – murmurou manhosa.

Ele beija seus lábios íntimos e depois dá uma longa lambida por todo o sexo dela.

– Ahnn... por favor... – a voz dela quase não passava de sussurro.

– Assim? – ele havia enfiado um dedo e fazia pressão contra seus músculos internos; achando pouco, enfiou mais um e começou um torturante vai vem. Desceu os lábios e sugou com gosto o ponto pulsante dela.

– Aaaiiinnn... siiimmm...

– Gostoso, hime? – ele falava praticamente com a boca no clitóris dela, alternando entre sugar e morder. Sentiu quando ela tremeu, sabia que estava perto do clímax. – Isso, deixe vir... libere-se para mim, amor!

Naruto fez ainda mais pressão com os dedos dentro dela, que ofegou. Rapidamente, substituiu os dedos pela língua quente e ávida, penetrando-a sem piedade. Sentiu quando ela se contorceu explodindo. Enfiou novamente os dedos e os retirou molhados pelo gozo, chupando-os sensualmente enquanto olhava nos olhos dela. Depois inclinou-se sobre ela para compartilhar seu próprio gosto.

Ficou de pé e começou a retirar sua roupa, largando-as de qualquer jeito sem se importar onde. Voltou a deitar-se sobre ela, ajeitou os quadris e a penetrou deslizando devagar para sentir cada músculo dela o apertar se contraindo. Respirou fundo para conter a vontade de entrar de vez e com força nela. Queria mesmo ter um momento mais romântico com a Hyuga.

Hinata inclinou-se e mordeu o queixo do loiro que arfou, então começou a se mexer lentamente dentro dela indo o mais fundo que podia e voltando devagar. Hinata deu um pequeno gritinho quando ele foi fundo novamente. Escondeu o rosto na curva do pescoço dele e cravou os dentes lá. Depois se ergueu para movimentar-se de encontro a ele. Queria aprofundar o contato e fazê-lo aumentar o ritmo.

Naruto não resistiu e acabou cedendo ao desejo de toma-la ainda mais, sem pudor, deixando de lado a forma contida que estava tendo até o momento. Assim, os movimentos tornaram-se mais selvagens e frenéticos.

Os corpos chocavam-se com brusquidão. As respirações entrecortadas enchiam o lugar, assim como o cheiro de sexo que pairava. Suas peles brilhavam com a fina camada de suor sobre si.

– Goza pra mim – o Uzumaki sussurrou na boca da Hyuga, lambendo e implorando.

Levantou a perna torneada dela e a prendeu em sua lateral, entrando ainda mais fundo. Hinata fechou os olhos com força e sentiu uma onda de prazer percorrer todo seu corpo, sentindo como se fosse explodir a qualquer momento.

Ela abriu os lábios para tentar regular a respiração, mas Naruto aproveitou a oportunidade para deslizar a língua em sua boca.

– Assim está bom? – sussurrou, apertando sua cintura com a ponta dos dedos.

Ela assentiu novamente e ele acelerou os movimentos, enchendo o nariz com o cheiro dela. Passou a língua pelo pescoço dela e lambeu com gosto. Ela gemeu e depois desceu os finos lábios até o ombro dele, onde cravou os dentes também com vontade.

– Me beija. – ela murmurou quase implorando enquanto o puxou pelos cabelos para que ele viesse até sua boca.

Ele atendeu prontamente. Beijou-a de novo e de novo, até ela começar a arfar e se contorcer novamente. Ambos sentiram quando os músculos se tencionaram e espasmos percorriam seus corpos. As intensidades dos movimentos aumentaram, assim como os gritos da Hyuga.

Naruto tentava pensar em outras coisas, pois estava perto de gozar, mas queria prolongar o momento ao máximo, queria ainda mais intensidade, mais tempo, proporcionar e sentir o prazer ao extremo.

Os gemidos ficaram mais altos. Hinata gritou e ofegou, já sentia o corpo tremendo, sentia o membro de Naruto inchando dentro de si e vibrar. Ambos estavam próximos do orgasmo. Não podiam aguentar mais.

– Ohh... estou quase...

Seus quadris relaxaram para deixar vir, mas agarrou os fios loiros com mais força e o beijou duro e quente, mordendo o lábio inferior de Naruto.

Ele a apertou ainda mais, segurando em sua nuca e em um lado da bunda.

– Isso, assim.

– Vou gozar – ela disse, arfando. – Não posso… não posso…

Com um grito agudo, ela gozou novamente, os músculos internos pressionando o membro de Naruto, ajudando a drenar cada gota de seu sêmen que explodia dentro de si, quente e preenchendo-a completamente.

Respirando fundo e com dificuldades, ambos permaneceram abraçados tentando controlar os batimentos. Totalmente imóveis enquanto a consciência voltava lentamente.

– Hina!

– Sim? – sonolenta, ela respondeu bem baixinho.

– Case-se comigo.

– Hm?

– Case comigo.

O silêncio que se seguiu, deixou Naruto apreensivo, ele se ergueu para olhá-la, mas sorriu ao encontra-la dormindo, serena. A respiração baixinha e regular, revelando um ressonar.

Devagar, ele se retirou de dentro dela, ajeitou-se para que ela ficasse com as costas em seu abdômen, acariciou-lhe os cabelos e soprou em seu ouvido:

– Seja minha novamente... amo você!

 E com um beijo casto em seus cabelos, ele se entregou à inconsciência também.

You gotta get up and try, and try, and try

(Você tem que se levantar e tentar e tentar e tentar)

 

 


Notas Finais


* Link da música:

https://www.letras.mus.br/pink/try/traducao.html

Então meus amores, por fim eles se encontraram, calma, eles ainda irão conversar direitinho.
Resolvi postar sem o diálogo definitivo pq o capítulo já estava para lá de grande... rsrsrs
E ainda tem quem reclama do tamanho, não é dona StarcyQueen? (Ruumm kkkkkkkk)

E aí, gostaram?

Há algo que vocês acham que não deve faltar para o final, tipo, o que ficou confuso ou sem resolução?
O que não pode faltar para que a fic se encerre?
Há furos que ainda não percebi/resolvi?

Fiquem a vontade para opinar.. a Hora é agora!
(calma, não quer dizer que usarei tudo que for pedido, mas com certeza irá me ajudar a fazer um final que agrade a maioria e lembrar de algo que talvez sozinha, eu não lembre.. rsrsrsrs

enfim... é isso aí!
Beijos e até mais, queridos *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...