História Doce Erro - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Abo, Mpreg, Taekook, Vkook
Visualizações 65
Palavras 3.718
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu espero que gostem da história.
Essa é a primeira vez que eu escrevo uma fic.

Capítulo 1 - Capitulo 1 - O começo de tudo (Part. 1)


Taehyun,

Gimpo, Casa dos Kim's, 8:00 a.m

Depois de passar horas sentadas na frente da do notebook, tentando terminar os benditos exercícios de mandarim, o ômega já cansado e irritado com seus resultados,  decide sair para dar uma volta e espairecer. Kim Taehyung, já estava a quatro horas tentando terminar seus exercícios para as aulas do dia seguinte, mas parecia estar cada vez mais longe de finaliza-los. Cada vez que conseguia fazer a interpretação e tradução de um, havia se passado pelo menos uma hora. Nesse ritmo, ele só irá acabar no dia seguinte. O ômega precisa achar uma maneira de terminar com isso logo. Caso contrario, irá entregar, pela primeira vez, um trabalho incompleto.

Com passos firmes, determinado a relaxar um pouco, o ômega sai do quarto, e vai em direção saída, mas se detém ao passar na frente da cozinha, pensa em avisar a mãe e a irmã sobre seu passeio, mas resolve seguir em frente ao notar as quão concentradas elas estavam na decoração de um bolo.

            No que sai de casa, ele para em frente ao portão. Indeciso de que direção tomar por um instante, resolve seguir pela rua que leva para loja de conveniência do bairro. Talzez um chocolate o ajude a recuperar a energia e disposição. Depois de um tempo caminhando, o ômega nota a estranha movimentação que a rua tem naquela manhã. Há muitas pessoas passeando ou só do lado de fora de suas casas vendo o que acontecia do lado de fora.

É o efeito do fim de ano, Mesmo que seja inverno, não devem estar querendo ficar presos dentro de casa, pensa o ômega. Como a rua fica localizada em um bairro pequeno, a consequência disso é que todos se conhecem, e sabem muito da vida um dos outros. O lado bom, pelo menos para o ômega, é que todos são simpáticos e gostam de dar atenção e conversar.  Assim, enquanto caminha, recebe cumprimentos dos seus vizinhos. Essa pequena atenção que recebe, já melhora muito o humor dele. Dado que adora conversar e, estar ao redor de muitas pessoas. Principalmente de crianças. Adora a energia e disposição que elas possuem. Um bom diálogo, na opinião do ômega, só perde mesmo para a leitura de um bom livro.

Passado pouco tempo de caminhada, ele já estava quase chegando na loja de conveniência. Querendo ou não, ele precisa terminar os exercícios. Então apressa o passo para chegar logo na loja.  Quando chega, cumprimenta o senhor Yo, que é o dono do estabelecimento, e vai rapidamente para a sessão de doces, pegar seu chocolate favorito. Em seguida, vai até o caixa pagar o produto. Conversa um pouco com o senhor, mas logo se despede, prometendo voltar outra hora com mais tempo.

Fazendo o caminho de volta pra casa, ele começa a pensar em uma solução para seu problema. Talvez, Jimin, seu melhor amigo intenda melhor o que as frases signifiquem. Afinal, ele foi para todas as aulas da professora chata. Como o encontrará na aula, ele já poderá o ajudar a fazer os exercícios e tudo dará certo. Achando que essa é mesmo a melhor solução, Taehyung pega o celular e manda uma mensagem para Jimin, pedindo o auxilio do amigo.

A sensação de precisar da ajuda de alguém, ao invés de ajudar estava sendo nova para o ômega. Nunca mais irá negar ajudar alguém com estudos, depois dessa. Sabe exatamente como eles sentem. Jimin provavelmente tirará muito com a casa dele, e isso já o frustra só de pensar. Nunca mais vou reclamar de ensinar inglês para ele. Pensa divertidamente. Com tudo isso rodando pela mente, ele volta a se concentrar na caminhada que fazia esperando a resposta do amigo.

 Normalmente, Taehyung não se dá mal nos estudos, bem pelo contrário. Segundo um de seus veteranos preferidos, e seu amigo, Kim Seokjin- hyung, Tae é uma das pessoas abençoadas pelos deuses. Não precisa estudar tão arduamente para entender as coisas. Consegue pegar, na maioria das vezes, só com a explicação dos professores, além de ter uma ótima logica dedutiva.

Entre tanto, como esta nas últimas semanas do seu segundo semestre do curso de Letras da Universidade Hankuk, praticamente as vésperas das férias de inverno, parece que todos os trabalhos difíceis caíram um perto do outro. Além das provas, que os professores parecem ter decidido fazer um complô, para serem realizadas todas junto. O que resulta nele estar tendo um momento difícil nos estudos. O que se difere muito dos seus anos escolares, onde foi bem em tudo. Agora, com a bolsa de estudo, o estagio, trabalhos para entregar e provas, ele esta bem fodido.

— Taehyung? É você querido? — diz uma senhora simpática, o chamando com um sinal para se aproximar, o tirando de seus pensamentos.

— Sra. Kang! Como vai a senhora? Já faz um tempo que não consigo mais ver a senhora...

— Não é mesmo? Você é que anda muito ocupado para estar em casa mocinho, ou vizitar essa velhinha aqui. Desde que começou a faculdade não têm mais tempo para visitar os idosos é? — a senhora diz soltando uma risada — Estive na sua casa dois dias atrás. Convidei vocês para minha ceia de natal, como de costume!

— Oh, jura! Mamãe nem comentou comigo — reclama o ômega fazendo bico.

— Quê ômega fofo esse, tão charmoso — diz a senhora apertando de leve as  bochechas dele — Peça  para sua mãe me mandar a confirmação, tá?

— Ok, eu avisarei ela.

— Você quer entrar e tomar um café menino? 

— Terá que ficar para próxima Dona Kang — diz o ômega — Tenho que voltar, e terminar algumas coisas antes de ir para a aula. 

— Tudo bem querido! — diz a mais velha e pergunta —  Antes de ir Tae, como estão os estudos menino? O outro ômega fofo estuda com você ainda?

— Ah, o Jimin — o ômega responde sorrindo — Ele continua estudando comigo sim. Fazemos o mesmo curso. Estou adorando a faculdade Dona Kang, mas esta bem difícil.

— Eu imagino querido — a senhora diz — Mas você deve estudar bastante e dar um bom exemplo para sua irmã. Sua mãe esta tão orgulhosa em ter um filho professor na família

— Ainda não sou um, Dona Kang – Taehyung diz rindo

— Mas um dia será, tenho certeza — termina por fim a senhora — Agora vai lá querido, não quero tomar mais do seu tempo.

— Que é isso dona Kang, sempre é um prazer conversar com a senhora. Sabe que a senhora é como uma avó para mim.

— E vocês são minha família também. Praticamente criei você e sua irmã aqui em casa. E sua mãe é como uma de minhas filhas adoráveis, querido.

— Nunca vou saber como retribuir esse carinho todo — o ômega diz comovido com as palavras da senhora que adotou sua família como sendo a da própria.

— O que é isso pequeno gigante, sabe que não tem isso de retribuição aqui. Apenas continue sendo esse menino querido e charmoso, que é o bastante para mim.

Taehyung ficando ainda mais comovido com as palavras da senhora. Ele então se aproxima mais do portão, e a puxa para um abraço apertado. Sempre a terá em seu coração, por tudo que fez, e ainda faz por eles.

— Sra. Kang, já vou então. Pergunto para mãe assim que chegar, e quando eu ir para faculdade a noite eu passo aqui te dar a resposta. Porém, acredito que pode adicionar mais três pratos na mesa para ceia. — ele diz, dando uma piscadinha para a senhora.

— Tudo bem querido, até depois então.

No que termina a conversa com a mais velha, ele lhe dá um aceno de mão, e volta a ir para casa. Logo que entra em casa, Taehyung vai direto em direção a cozinha falar com a mãe, que ainda deveria estar trabalhando. Pelo que tinha notado, a encomenda que elas receberam era pera um casamento. O que sempre é bom, já que a quantidade para ocasiões como essa é enorme, e o lucro é ótimo. Ainda mis nessa época do ano,  que é o período mais importante para o orçamento da família. Já que os três primeiros meses do próximo ano que são os mais parados, dependem do que arrecadarem no final do ano.

— Mãe! — grita o ômega quando entra na cozinha

— Coloca a toca oppa — Hana, a irmã mais nova repreende o ômega quando o vê entrar na cozinha — Nenhum cabelo na comida, por favor.

— O que foi Tae? — a mãe pergunta preocupada interrompendo a mais nova

— Ah, não é nada demais, mas acabei de falar com a senhora Kang, e ela pediu para confirmar se participaremos da ceia de natal com eles.

— Hum, isso... — reponde a mãe hesitante, e dando um logo suspiro enquanto volta para trás da bancada cheia de cupcakes recém saídos do forno —  Não sei se devemos ir.

—Ah mãe, porque não? — pergunta Hana animada

— Fico envergonhada de passar com eles todos os anos. Esse ano pensei em fazer uma ceia aqui, com apenas nós três...

— Mas eles gostam tanto da gente, queria continuara passar com eles o natal —Hana expressa— E têm os netos da Dona Kang. Eles são uns gatos, não é oppa?

— Fale isso por você pirralha — o ômega diz, fazendo uma careta estranha e rindo em seguida da expressão no rosto da irmã — Porém também gostaria de passar com a família Kang mãe, eles são sempre tão generosos com nós, além de que eles  acolhem à nós como família. Como disse, acabei de vir da casa dela, e ela parece realmente querer que passemos com ela a ceia.

— Ok então, vocês venceram. Passaremos com ela o Natal, mas a virada do ano seremos apenas nós três. Fechado?

—Demais! — exclama Hana, batendo palmas com as luvas cheias de farinhas

— Olha o que esta fazendo Hana, vai se limpar menina ótima — a mãe manda rindo do estado em que o cabelo da filha ficou, junto com o Tae que não perdeu a oportunidade de provocar a irmã

— Tá tão afim assim, daqueles alfas maninha...

— Ah, não enche oppa — Hana diz, jogando o pano que usava par secar o rosto nele

— Agora já chega de farra, voltando ao trabalho dona Hana, e você pode voltar a estudar, sei que não terminou o que estava fazendo ainda

Intrigado de como sua mãe sabia que tinha coisas para fazer o ômega a questiona sobre isso:

— Mãe, entrasse no meu quarto?

— Não preciso ir ver, para saber como meu filho é. Esse nervosismo todo, só pode ser isso.

— Mães tem esse estranho poder Tae, um dia sentiremos o mesmo — Hana diz entre risos, arrancando gargalhadas dos outros dois.

— Na verdade, aproveitando o a deixa do assunto... Você não acha os netos da Dona Kang bonitos, ou tem algum interesse neles? Ou em algum outro ou outra alfa, Tae?

— Mãe! — o ômega exclama

— Ah, querido! — reclama a mãe — Isso é curiosidade de mãe apenas..

— São bonitos mãe — Tae diz se rendendo — Porém não estou interessado nisso agora. Quero terminar meus estudos antes de ter alguém.

— Hum... Entendo, mas não feche o coração totalmente. Talvez não seja tão ruim se você se apaixonar. Talvez, só tenha alguns encontros, saia, se divirta, libere um pouco os hormônios. Sinceramente,sei que você conseguiria conciliar tudo, e ainda ficar tudo bem — diz a mãe, terminando seu discurso com uma piscadinha em direção ao ômega.

Taehyung não acreditando no que a mais velha estava lhe dizendo, ficou estático e sem reação, vendo ela voltar a se ocupar com os docinhos que estava decorando antes da chegada de Taehyung, dando gargalhadas junto com Hana da reação dele.  

— Às vezes, não sei como posso ser seu filho omma — diz o ômega abismado pela sugestão da mãe.

— Eu já acho que é o oppa que não se encaixa no perfil da família, além de ser um maluco de pedra que não gosta de romances reais, só os dos livros que lê—  Hana diz provocando o mais velho

— Desisto de vocês! Qualquer coisa estou no meu quarto — diz o ômega, saindo da cozinha ouvindo os risos das outras duas atrás de si.

Enquanto se dirigi para o quarto, que fica localizado no fim do corredor central da casa, pensa no que a mãe havia acabado de lhe dizer. Não seria de todo ruim ter alguém, mas não seria nada bom também. Tudo esta tão agitado que não teria cabeça para mais uma coisa. Um relacionamento então, sem cogitação. Só se quiser um para ser largado, já no primeiro mês. Esta tendo esse tipo de pensamento só pode ser resultado de muito convívio com o Jimin, pensa. É ele que quer se amarrar alguém, nunca fui de sentir falta de alfa na minha vida.

— E Hana estava muito a vontade com esse assunto, será que ela já esta se iniciando nessa vida. Meu Deus, não pode ser isso? Pode? — Taehyung diz para si mesmo.

Ele entra no quarto, com a cabeça cheia, e imaginando mil e uma coisas, que sua irmã poderia estar aprontando. Porém decide parar de ficar imaginando. Se continuar irá  ficar louco. Com calma, em um momento que a irmã não tenha nenhuma faca ou objetos perigosos a disposição, investigara melhor essa situação com ela.

Assim que senta em frente da mesa, onde esta seu notebook, lembra-se da mensagem que tinha enviado, e pega o celular do bolso da calça, para checar de já havia uma resposta do amigo.

Jiminah:

Ah, tá precisando de ajuda do burrinho aqui, Tae. Ajudo sim, estou sem fazer nada agora. Você disse que a supervisora do laboratório tá em um evento fora, né? Pode ir para faculdade de tarde?

 

Taehuyng solta uma risada vendo a resposta do amigo. Sabe bem que será provocado pelo resto do ano por ele. Realmente, não deveria ter pegado tanto no pé dele quando me pedia ajuda, pensa. Taehyung manda uma mensagem confirmando, e começa a arrumar as coisas para levar. Assim que termina, checa o horário, para ver se dava tempo de tomar um banho.

Como já estava encima da hora do ônibus passar, decide pegar o próximo que passará daqui uma hora. Dessa forma, terá tempo de tomar um banho, e se arrumar com calma. Manda uma mensagem para Jimin, informando a hora que chegará na universidade, e  vai até o guarda-roupa e escolher a roupa  que irá usar.

Pega ela e uma toalha, e sai do quarto em direção ao banheiro. Quando entra debaixo do chuveiro, fica algum tempo só desfrutando a água quente cair sobre sua costa. No que imagina já ter se passado uns quinze minutos, ele termina o banho, veste as roupas, arruma os cabelos rapidamente, e volta para quarto pegar os materiais que levará consigo.

Depois de checar se estava levando tudo que precisa, vai até a cozinha para avisar a mãe que sairá cedo para a universidade hoje.

— Mãe, eu vou ir para universidade daqui a pouco, tá? — Taehyung diz, adentrando o recinto.

— Já? Porque, Tae?— diz a mãe do ômega — Você disse que não tinha estágio hoje.

— Eu vou para estudar com o Jimin. Ele disse que de tarde não vai ter nada para fazer. Aí vamos aproveitar para estudar

— Ah, ele não esta mais fazendo pesquisa?

— Esta, mas é na parte da manhã hoje. A tarde ele tem livre — explica para mãe

— Hum, vai pegar o ônibus que passa perto do meio-dia, né? Pois o que tem agora já deve estar passando, já são 10:30.

— Sim, os da 11:30. Acho que vou almoçar por lá também.

— O almoço, esta quase pronto Tae.

— Ah, que bom então. Eu almoço, e vou até a casa da Dona Kang avisar ela.

— ok, querido. Vai até no quarto da Hana chamar ela, que já vou botar a mesa para nós.

Taehyung sai pelo corredor apressado chamar a irmã para a refeição, que prontamente sai do quarto para ir até a cozinha com ele. Quando o assunto é comer, os dois são bem parecidos. Vivem com fome, e sempre tem espaço para mais um pouco. São magros, só por sorte mesmo.  Os dois se se sentam à mesa com a mãe, e começam a desfrutar do que ela tinha preparado de almoço.

— Mãe, já vou indo, a louça de hoje a noite é por minha conta —  Taehyung diz depois de ter terminado seu segundo prato, levantando-se para o por na pia.

—  Ok querido. Se cuida, e volta direto para casa...

—  Não era a senhora que disse para eu me liberar. Já esta mudando de ideia —  Taehyung provoca a mãe dando risadas da situação

—  Há Há muito engraço Kim Taehyung. Você entendeu o que eu disse sobre “liberar”, e que eu disse agora. Você sabe muito bem que a noite não é o melhor momento para um ômega não atado estar dando pinta.

—  Dando pinta mãe —  diz ele rindo —  Que expressão é essa...

—  Tae!

—  Eu sei, mãe. Eu sei, me desculpe —  diz tentando acalmar a situação —  Não se preocupe, não quero ficar dando mole a noite na estrada também. Já vou indo,ok?

— Ok moleque, se cuida.

— Tchau mãe, para você também Hana. E para de rir sua chata — diz se despedindo das mulheres da sua vida

Taehyung sai de casa em direção a da Dona Kang. Logo que chega aperta a campainha, espera pela senhora. Assim que ela chega no portão a avisa rapidamente sobre a decisão da mãe, e se despede prometendo visitar ela naquela semana ainda. Então, ele segue para o ponto de ônibus esperar o ônibus, que pelo o horário logo chegaria.

Depois de esperar alguns minutos pelo veiculo, ele logo chega. Taehyung entra, e escolhe um local perto da porta de saída para se sentar. Como a viagem até a Universidade é de mais ou menos uma meia hora, decide terminar a leitura do livro que tinha começado há poucos dias. Ele fica tão entretido na história que nem percebe quanto tempo ficou lendo. Apenas quando o ônibus esta próximo da parada que ele fica,  é que volta a si. Desajeitadamente, Taehyung coloca o livro dentro da bolsa enquanto desce do ônibus.

Para o azar dele, como não prestava atenção na estrada, acabou pisando na possa de água que tinha na rua molhando todo seu tênis. Aparentemente, a poça era resulta do vazamento do hidrante que tinha ali. Aos resmungos ele, praticamente, pula para cima da calçada e começa a o estrago que tinha feito na sua roupa. Como veste um jeans de lavagem clara, a mancha da água respingada fica bem evidente. Isso o deixa muito irritado, pois terá que ficar com a mesma roupa pelo resto do dai. Além do tênis, que provavelmente terá o maio fedor quando o tirar.

Visivelmente estressado, Taehyung ajeita a mochila nas costas novamente, e olha para o ômega, que tinha pisado na poça também, do seu lado. Ele esta tentando arrumar as coisas que estavam dentro de uma sacola de papel dentro da mochila. Vendo que ele estava tendo dificuldades em segurar tudo, Taehyung se prontifica em ajuda-lo.

Enquanto os dois estavam concentrados no que estavam fazendo, e trocando algumas palavras entre si, são surpreendidos por mais um jato de água encima deles. Dessa vez causada por um carro que passou pela bendita poça de água. Os dois, e mais duas garotas foram atingidos. O motorista do carro que fez o estrago, percebendo o que tinham feita, deu a volta e parou perto de onde os atingidos estavam.

Taehyung só quer desaparece nesse momento. Todo mundo que passava por ali parou para ficar olhando a desgraça deles. Ele e o outro ômega se olham e dão uma risada amarga. Definitivamente, os dois estavam tendo os mesmos pensamentos e sentimentos.

Taehyung olha em volta e vê que motorista que provocou o acidente estava conversando com as garotas que foram atingidas. Só de olhar de relance já sabe que é um alfa, mas não esperava pelo cheiro que sentiu. Trata-se de um alfa lúpus, com uma presença esmagadora.

— Ótimo, nem posso bater boca com o desgraçado — o ômega ao lado de Taehyung diz apenas para ele ouvir, provavelmente constatando a mesma coisa.

— Pelo menos esta se desculpando — Taehyung responde no mesmo tom — Bastardo desgraçado.

            O alfa parece ter ouvido o que eles disseram, ou finalmente se tocou que eles também foram atingidos. Em passos confiantes ele se aproxima dos dois, e pede desculpas sinceramente.

— Me desculpem pelo incidente. Eu não estava prestando atenção na estrada, não vi a poça de água ali — o alfa diz, passando a mão no cabelo com uma expressão arrependida.

             O alfa parece ter a mesma idade que eles. Com um ótimo corpo e visual. E por incrível que pareça, bons modos. O que Taehyung acha ser raro em um alfa. Pelo olfato apurado que têm o ômega conseguiu sentir os feromônios do outro ômega, Jinyoung, serem liberados. Ótimo, ele caiu nessa, pensa enquanto rola os olhos. Ação que não passou despercebida pelo alfo, que já tinha percebido toda a situação.

— Sem problemas ... Como é o seu nome mesmo? —Jinyoung pergunta

— Ah, sério isso Jinyoung hyung — Taehyung diz entediado

— Ele esta se desculpando Tae — o ômega diz para o outro, arrancando uma risada do alfa que via a cena em sua frente se desenvolver com bastante atenção

— Do que você esta rindo alfa? Tem algo ingressado nisso? Me deixa molhar tuas roupas de grife então?

— Me desculpe, foi um incidente — o alfa diz novamente — Eu não quis fazer isso. Bom se quiser, posso pagar pela lavagem da sua roupa. Creio que é a única coisa que eu possa fazer.

— Bom, não vamos fazer uma tempestade aqui — Jinyoung diz tentando acalmar a situação — Esta tudo bem alfa. Eu e meu colega aqui já vamos indo, não é Taehyung?

— O hyung só esta agindo assim porque ficou interessado nele, se não estaria querendo arrancar os cabelos desse bastardo com cara de coelho também — Taehyung resmunga, o que fez o alfa perder de vez a compostura

— Atrevida do caralho, olha como fala seu mimado. Eu já pedi desculpas. Saiba agir como gente.

— Tae, eu sei que você esta estressado, mas não vamos nos exceder aqui. E você alfa, deveria ser mais condescendente com ele, e não o chamar de mimado, já que nem o conhece — Jinyoung diz olhando para os dois — Agora, aceitamos suas desculpas bonitão, mas já vamos indo.

— Hyung!

— Vamos Tae, não vamos causar problemas. Todo mundo esta olhando — Jinyoung diz enquanto arrasta um Taehyung muito irritado para longe da cena.


Notas Finais


Não sei se terá alguém lendo essa fic, mas espero que goste.
Já tenho boa parte dela escrita. Não iria publicar, mas vou tentar pela primeira vez.
estou nervosa aqui kkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...