História Doce Vingança - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Itachi Uchiha, Sasuke Uchiha
Tags Hinata, Sasuhina, Sasuke
Exibições 141
Palavras 6.361
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Pensaram que eu tinha morrido???? Hehehe

O capítulo de hoje tem mmtaa safadeza hahauaha

To de voltaaaa, mas antes de mais nada, um aviso aqui rapidinho.

Como a maioria não está aqui por acaso, todos amam esse couple lindo SasuHina, então tenho uma história interessante e bem mais pesada que essa, fora que serão mais capítulos que essa aqui também. O nome dela é ~Teoria do Caos~ também de minha autoria

Sendo assim, o que acham de dar uma olhadinha nela??? Será ótimo tê-los como leitores lá também ♡♡♡

Capítulo 15 - Impure




  Demasiado silêncio percorria cada metro quadrado daquele ilustre e conhecido edifício. Mesmo que a cidade pudesse ser a mais movimentada do mundo na maioria do tempo, a indústria mantida sob o braço de Hiaishi era um contraste absoluto ao corriqueiro cidadão. Um ambiente quieto e massivo, até mesmo os empregados eram selecionados com pré-requisitos ao máximo, como por exemplo concentração e transparência. Todos eram calmos e mantinham foco apenas em seu trabalho, cada departamento, andar, escritório, tudo nos devidos lugares e conformes.

  Chegando ao andar da cobertura, a quietação apenas aumentava sendo liberada até mesmo a presença das secretárias, seguranças e balconistas. Somente a iluminação da sala transparecia em tanta escuridão a fora, até mesmo pelas portas dessa sala serem totalmente de vidro temperado. Hiaishi sentado na costumeira quina enquanto na outra extremidade estava ninguém menos que Hizashi. Olhava de soslaio para o ruivo mantendo sua postura altiva, afinal a relação de ambos nunca foi muito saudável. Gaara era brilhante, mas acabava perdendo completamente a sanidade ao ter suas idéias usadas ou trocadas por qualquer bestialidade dita pelo Hyuuga.

  Orochimaru, devidamente arrumado como um banqueiro, apenas permanecia olhando o Sabaku e sabendo que de igual modo estava presente apenas como uma peça. Entretanto, sabia perfeitamente que o rapaz era uma marionete, um trapo a ser pisado diariamente por não saber usar seu potencial. Desenhou seu típico sorriso amedrontador quando encarou o ruivo.



     -- Preciso recapitular tudo isso. -- O som da voz agradável de Neji tomou o ambiente enquanto, mesmo que em silêncio, Hizashi manteve um olhar decepcionado ao irmão. Sabia que seu filho era extremamente justo, não participaria disso, certamente era melhor nem ter tocado nesse assunto estando ele presente no recinto. -- Estão dizendo que Uchiha Itachi está no país. O terrorista mais famoso do mundo está andando por aí sem que qualquer autoridade federal ou militar saiba... ridículo.

     -- Sasuke passou dez anos preso e vivendo nas condições mais miseráveis daquela ilha, eu mesmo tomei os cuidados para transformar a estadia dele no próprio inferno. Contudo, ele nunca disse uma pista sobre o paradeiro do irmão.

     -- Incompetência sua! Tratam essa escória imunda com misericórdia, lixos devem ser tratados como lixos. Deveria usar tortura, machucar, ameaçar! Vocês foram incompeten...

     -- Hiaishi. -- Orochimaru apenas ergueu a mão como se mandasse o homem se acalmar e calar a boca. Pontuou manuseando as mãos pela mala de metal enquanto voltou seu olhar para o fecho o desatando. -- Em algum momento na sua vida, escutou alguém falar sobre eletroconvulsoterapia?

     -- Eletrochoque? -- O sussurro do Sabaku contrastou o olhar desentendido de Hiaishi, que aumentou ainda mais quando o homem retirou a haste pequena de metal prateado. Manuseou aquilo com um sorriso gratificante enquanto o próprio ruivo olhou a cena lembrando de ter visto isso no automóvel, no dia em que o mesmo chegara.

     -- Obrigado, Gaara-kun. -- O homem sorriu enquanto os belos cabelos negros caíam sobre seus ombros largos. Roçou o polegar em uma espécie de botão que impulsionou três garras de ferro que saíram do objeto. O estalo fora estridente e bem audível enquanto Neji mantinha uma feição atenta e ainda serena como o habitual. -- Bom, esse artifício não é nem um pouco parecido com o usado na psiquiatria... alguém se habilita?

     -- Orochimaru.

     -- Por oito anos, de seis em seis meses, essa foi a tortura usada em Sasuke. Esses ferros entram pela carne rasgando cada tecido, cada pedaço da carne. -- O sorriso nascia calmamente nos lábios finos do homem enquanto os olhares diversos caíam sobre ele. Era assustador na medida do possível, mas extremamente repugnante aos olhos do Hyuuga mais novo. -- Quando enfim se alojam, causam uma descarga elétrica que impossibilita a respiração por alguns momentos. Passando disso, chegamos então a perda parcial dos movimentos, até o dano cerebral e cardíaco...

     -- Isso é doentio!

     -- Sasuke morreu duas vezes dentro daquela ilha. Também sofreu convulsões muitas vezes, até mesmo fora das sessões de tortura. -- Sorriu olhando diretamente para Neji que permanecia plantado no centro daquela sala. Sempre defendeu os direitos humanos em sua maioria, certamente Sasuke não agregava nada em sua vida, mas lembrava do que escutou naquele tribunal. -- Então Hiaishi, não diga coisas que não sabe. Ele foi torturado não apenas por minhas mãos, mas não entregou o irmão.



  Orochimaru encerrou a palavra na sua costumeira voz arrastada. Os dedos do patriarca Hyuuga batiam na mesa de madeira aumentando o som, estava irritado. Sasuke havia saído da prisão, estava vivendo como qualquer outro, mas isso poderia tomar proporções absurdas. Isso é claro, se por alguma conspiração do destino ele acabasse revelando o que realmente aconteceu naquela noite. Sua campanha estava flagelada, seria ainda pior que um escândalo viesse à tona nas vésperas das eleições. Eram ínfimas as chances de Sasuke descobrir a verdade um dia, mas por mais pequenas que fossem, todas as chances deveriam ser destruídas.

  Por outro lado, Neji mantinha essa informação como certa em sua mente. Estava presente no julgamento de Sasuke, sabia perfeitamente que o caçula jamais falaria qualquer coisa que pudesse prejudicar o irmão. Respeitava isso em certo ponto, contudo, vira Sasuke ao lado de sua prima, certamente o mais velho também estaria em solo americano. Não diria nada que os pudesse ajudar, somente escutaria e ponderaria.



     -- Temos um ponto. Sasuke, assim como o irmão, é um criminoso mundialmente procurado e acima de tudo fichado. Qualquer um em plena consciência acabaria se mudando, fora que ele não seria tão tolo para voltar nesse país e andar tranquilamente. Precisaria de algum motivo, uma causa ou qualquer outra coisa que o ligasse diretamente a essa cidade. -- Toda a atenção caiu sobre Hizashi, que nem ao menos olhava para o filho, sabia que estaria sendo execrado aos olhos dele, ainda mais por estar participando disso.

     -- Provavelmente um laço, talvez Itachi.

     -- Mas que merda! -- Hiaishi socou a mesa passando a mão pelo rosto em seguida. Sua respiração podia ser escutada enquanto tentava manter a calma momentaneamente. Calmamente sua respiração acalmou dando lugar ao movimento dos ombros em meio ao sorriso alegre. -- É claro, Mikoto.











  O som que antes fazia ajuda ao silêncio tão mantido, agora se perdia quando enfim cruzavam a esquina daquela rua extensa e bastante apagada. Na maioria das vezes, grandes assaltos tomavam essas mesmas ruas, entretanto, também grandes sorrisos e amizades que a população cegamente fingia esquecer, apenas por serem de classes inferiores.

  Todas as paredes e viadutos eram grafitados, lindos dessnhos nas mais variadas cores, alguns até com a assinatura de Deidara ao final, coisa que ela rapidamente relacionou até o loiro com quem conversou grande parte da tarde. Realmente possuía talento, era evidente nas expressões, formas, rostos, tudo era devidamente explícito com riqueza de detalhes. Contudo, não imaginou por um momento que ele pudesse ser um pintor de rua, vira suas telas essa tarde, até mesmo a deixou entrar no ateliê em seu porão. Todas bem feitas, dignas de espaço em qualquer galeria de Nova York.

  Olhou novamente o moreno, gesto repetido desde que entraram no elevador do hospital, também dentro do táxi quando apenas suas respirações poderiam ser escutadas. E agora, lado a lado andando sob a neve fina naquela esquina que mais parecia uma pista enorme que os separava até o apartamento no fim da rua. Obviamente as palavras de Mikoto estavam torturando sua mente, mesmo que de uma maneira gostosa e que esquentava seu interior a cada vez lembrada.



     -- Não me disse como foi a aula. -- O moreno limpou a garganta e tentou manter um certo desinteresse. Mas ganhou um sorriso ínfimo da menor. Seus lábios, ainda pressionados pelo frio sentido, apenas mordiscaram os dentes ainda mais com o exalar da voz rouca dele em meio ao silêncio que os tomara. -- Sinto muito por ter furado justo no primeiro dia, cuidei da transferência da minha mãe. Ligaria pra avisar, mas não tenho seu número.

     -- Não te... tem problema, Sasuke. -- Fechou os olhos apertando os dentes nos lábios. Novamente sua voz falhou evidenciando o nervosismo e a doença que tentava a todo custo amenizar diante dele. Caso soubesse que ele nem ao menos se importava com algo tão efêmero, talvez estaria mais calma. -- Passamos toda a tarde conversando. Não entendi muito bem, mas o Sasori queria entender meus motivos em querer continuar tocando.

     -- Melhor nunca tentar entendê-lo. Sasori saiu de Londres em busca de estabilidade aqui, leva a música muito a sério. Então deve querer saber o seu motivo, isso é muito importante pra ele. Bom, eu não entendo, mas respeito. -- O moreno comentou olhando a feição meio tímida da pequena, era mais fácil por ser de estatura mais alta, conseguia olhar as expressões dela com mais facilidade.

     -- Ele disse que vai me ensinar. Espero estar pronta. -- Comentou temerosa ao subir os primeiros degraus daquela longa escadaria. Seguiu atrás dele quieta, apenas temendo que suas pernas falhassem e caísse naqueles degraus totalmente humilhada. Seria constrangedor.



  Parou atrás do corpo de Sasuke vendo o mesmo pegar as chavez, empurrou a porta e abriu passagem para a Hyuuga que, de maneira tímida e acanhada, apenas cruzou a entrada pensando em como deveria de portar. Permaneceu parada o olhando retirar a jaqueta meio molhada pela neve dissolvida. Ganhou um olhar arqueado seguido do sorriso de canto estupidamente atraente que ele dera, era engraçado vê-la parada daquela forma. Tímida e insegura, como se não soubesse o que falar ou fazer. Óbvio, também não fazia a mínima idéia da pressão mental que a tomava nesse instante, estando a sós com um homem feito Sasuke, ainda mais após ter escutado a mãe dele dizer aquela frase absurdamente desarticuladora.

  Passou os dedos trêmulos pelo cachecol que usava. O silêncio do apartamento acabava sendo suprimido pelo barulho dos passos que ele dava até ligar todas as luzes da casa, deixando evidente a sala bem maior do que antes, afinal possuía mais espaço sem a maca e os aparelhos. Colocou seu casaco grande cuidadosamente sobre o braço do sofá enquanto desentendia o balançar de cabeça que ele mantinha a cada gesto. Alinhou as mãos frontalmente as pernas e ficou parada e entrelaçando os dedos trêmulos e gelados.



     -- Toma, deixei o café pronto hoje cedo. -- Sasuke chegou perto da menor deixando a caneca cuidadosamente nas mãos dela. Conhecia os tremores da Hyuuga, tanto por ser extremamente perceptivo, ainda mais por se tratar dela. Olhou rapidamente a camisa violeta de alças finas que ela usava, deixava mais evidente o sutiã que corria naquela pele visivelmente sensível. -- Não precisa ficar dessa maneira, pode sentar.

     -- Obrigada. -- Moveu os lábios de maneira fraca deixando a voz ainda mais ínfima. Sentou segurando a caneca com ambas as mãos enquanto ficou ao lado dele, em silêncio. -- E como foi no trabalho?

     -- Passei o dia no hospital. -- Sasuke emitiu um meio sorriso com a indagação feita por ela. Talvez fosse apenas educação ou quebra do silêncio constrangedor, ou talvez ela realmente estivesse interessada em saber como fora seu dia. -- Devem me achar muito imprudente. Começo a trabalhar e falto, marco com você e furo horas antes, isso é falta de palavra.

     -- Teve seus motivos. -- Ela sorriu vendo o mesmo sorrir debochado com o que dissera. Estava tudo muito silencioso, até mesmo os corredores do prédio, coisa difícil de ocorrer levando em conta a vizinhança bastante animada. Contudo, quando o inverno chegava a interação costumava diminuir, as pessoas saíam apenas para trabalhar ou estudar, dificilmente passavam horas na rua como nas demais estações.



  Continuou bebendo enquanto observou as pernas dela cruzadas e tremendo enquanto batia os pés, visivelmente ansiosa. Era um gesto que o deixava meio intrigado, ainda mais por ser tão repetitivo. Sorriu enquanto subia gradativamente o olhar, as pernas de Hinata eram bem atraentes, ainda mais cruzadas daquela forma. Se não bastasse isso, tinha de virar o olhar ao subir um pouco mais, afinal queria muito passar os próximos minutos admirando aqueles lindos cabelos caídos sobre a camisa violeta que mal sustentava aqueles seios fartos e pele perfeita. Caso continuasse assim, acabaria parecendo um pervertido ou aproveitador.

  Se levantou pegando a caneca da mesma, agora devidamente vazia e colocou na pia. Realmente não era uma boa idéia estar tão sozinho e próximo de Hinata, não que fosse ruim tê-la por perto, mas era horrível para sua sanidade. Jamais tocou uma mulher dessa forma, o que era até mesmo motivo de comicidade caso falasse para alguém. Fora extensos dez anos de cadeia, quando entrou era apenas um garoto de quinze anos, o máximo que experimentou em sua vida fora um beijo, dado em Ino quando ainda garoto. Mesmo que costumeiramente conseguisse manter sua postura imponente, era evidente sua falta de habilidade e certa segurança ao estar sozinho, ainda mais diante de uma mulher linda e tão curvilínea. Dona de um talento soberbo e olhos que o fazia se derreter apenas por encarar.

  Respirou fundo lavando rapidamente a louça. Colocaria as coisas em seu devido lugar e deixara Hinata dormir em seu quarto, ao menos assim poderia manter a mente fresca nas próximas horas dessa noite. Limpou as mãos e a gargante quando voltara até a sala se deparando com a menor em sua típica pose de garota tímida e assustada. Mais pareciam dois matutos totalmente despreparados.



     -- Hinata. -- Obteve um sorriso atrapalhado da menor, como aquilo era lindo. Percebeu que a mesma permanecia a divagar em pensamentos, até assim conseguia ser atraente. Hiaishi era realmente um homem maldito, ainda mais por colocar tamanha tentação no mundo. -- Está nervosa com alguma coisa?

     -- Por... Por quê? -- Sussurrou meio envergonhada com uma possível descoberta por parte dele. Ruborizou tendo os olhos dele sobre os seus nesse momento, nem mesmo imaginava que ele partilhava do mesmo nervosismo nesse instante.

     -- Está tensa. Desde que saímos do hospital. -- O moreno indagou vendo a mesma se levantar um tanto atordoada. Em parte lembrava da conversa bestial que tivera mais cedo com Hanabi, bem naquele restaurante. Tudo isso unido a sua preocupação interna de realmente poder voltar a orquestra, com um toque de caos ao escutar Mikoto sussurrar aquilo em seu ouvido.

     -- Só cansaço.



  Sussurrou passando os dedos pelos cabelos os levando até atrás da orelha, tentava não olhar nos olhos dele e até mesmo falhava com o rosto ardendo em rubor. Sua mente parecia uma espécie de armadilha, agora que ele tocara no assunto todas as coisas corriam em sua mente. Os dedos tremulavam ao afagar os próprios cabelos e as pernas emtiam tremores atrapalhando o andar, quando enfim fora parada pelas mãos dele segurando as suas. Parado. Bem frente ao seu corpo com um olhar direto e sem qualquer receio de negar a intensidade sobre os seus.

  Respirou fundo, ou melhor, ao menos tentou. Seu peito pesava assim como sua cabeça ao tê-lo a centímetros de seu corpo. Esmagava seus dedos de maneira gostosa em sua mão, passando lentamente o polegar em um carinho acolhedor olhando diretamente no rosto dela. Rosto que agora ardia em uma febre vergonhosa por perceber finalmente na situação em que estavam. Parados, hipnotizados, silenciosos e visualmente desejosos.



     -- Sa... Sasuke.

     -- Eu preciso fazer isso, desculpa. -- O sussurro rouco banhou a face da menor que de maneira iminente sentiu a mão grossa. Um carinho tímido por parte dele, apenas um deslizar calmo e que ela não entendia. Ele brincava com sua face até finalmente chegar ao queixo elevando sorrateiramente a região para que ficassem com os olhos mais conectados que nunca. Seus lábios entreabertos ansiavam pelos dele, enquanto sua mente sequer fazia ideia do impulso frenético que bambeava o corpo dele, apenas em olhar aqueles lábios rubros e molhados a batom. O calor da pele dela, o cheiro, a quentura facial que misturava ao seu rosto por estar tão perto. Tão entregue e linda. -- Eu... Eu realmente... preciso.



  O sussurro perdido e atordoado chegava pouco a pouco mais perto, apenas enquanto seus olhos se mantinham ligados e a mão dele segurando o queixo fino da menor. Passou a outra mão calmamente pela face dela até afagar a cabeleira azul empurrando cuidadosamente até fazê-la arrepiar com a mão fria roçando na nuca sensível e nua. Respirou o ar dela ao enfim afundar seus lábios quentes naquela região macia e avermelhada que a Hyuuga tanto pressionava entre os dentes. Sem pressa, queria aproveitar, tinha fome e sabia degustar cada tecido labial quente que estragava no seu vagarosamente. Sua outra mão desceu cuidadosamente pelas costas dela fazendo a mesma agarrar os dedos trêmulos em sua camisa.

  Um leve grunhido a tomou quando mordiscou lentamente o lábio inferior, seguido apenas da passagem da língua quente e úmida adentrando toda a mucosa acalorada e macia que ela escondia dentro da boca. Seus dedos entravam pela camisa fina violeta até fazê-la arquear empurrando os seios contra ele, a pele quente e coberta sentia a mão fria espalmar toda a carne em busca da região mais sensível. Tateou tudo, esfregava a mão e acariciava enquanto devorava os lábios da menor, pressionava os dedos ao afundar as costas lisas da pequena enquanto, desesperadamente arrepiada, apenas agarrava a camisa dele empurrando os seios sobre o corpo forte dele.

  Suas línguas enrolavam e trocavam toda a saliva possível, exploravam a boca e mordiam os lábios, grunhidos e gemidos sôfregos sobressaíam as carícias labiais que transbordavam saliva quente quando viravam os rostos buscando um posição mais satisfatória. O ambiente era quente, mas não tanto quanto o calor que a fez tremer quando Sasuke afundou lentamente as mãos grossas por dentro de sua saia apertando a carne de suas nádegas de maneira lenta e insaciável. Passou os polegares por dentro da calcinha fazendo a menor contornar sua nuca afundando a língua dentro dele. Um tapa seco. Estalou ganhando um sorriso safado da menor em meio as carícias labiais, sentia as mãos dela tremendo em sua nuca e ao afagar os cabelos negros.



     -- Você é real? -- Sussurrou emitindo um sorriso carregado de desejo, ganhando um sorriso ainda mais tímido da menor que agora ardia num calor absurdo. Suas mãos subiram lentamente a cintura dela apertando de maneira possessiva até finalmente espalmar as costas e retirar as mãos olhando nos olhos dela.

     -- Eu nunca... nunca senti isso. -- Seus dedos subiam os cabelos dele tremendo ao agarrar com precisão, tentava manter o equilíbrio ao sentir a língua quente e impiedosa melar todo o seu pescoço em beijos e carícias de língua. Roçava os dentes e o hálito ganhando olhares revirados da menor em meio a sucção que ele iniciou circulando a língua até ganhar gemidos baixos e iminentes dela.

     -- Eu também não. Quero aproveitar com você, só nós dois. -- Passou lentamente as mãos até a barra da camisa violeta subindo calmamente até a medida da barriga. Parou esperando que ela atrapalhasse, jamais faria aquilo sem o consentimento dela, era sua primeira vez e nitidamente a dela também. O olhar dela era pedinte enquanto o rosto ardia febril, sentiu o aperto em seus cabelos como um sinal e continuou até retirar a camisa a deixando ainda mais vermelha naquela sala. -- Vou cuidar de você essa noite, é somente minha.



  Suas mãos acariciaram o ombro dela causando enfim uma carícia na descida dos braços sensíveis dela, olhava o sutiã farto e de cor preta enquanto olhava aqueles seios lindos, se perguntando também como ela sentia vergonha naquela situação, era perfeita da cabeça aos pés. Percebia o encolhimento da mesma em seu corpo, até mesmo sorria a abraçando e acariciando os cabelos azulados até formar uma amarra sem qualquer segurança naqueles fios. Passou o nariz pelo rosto dela apalpando as costas agora nuas naquela noite fria.

  Hinata tremia, soltava leves espasmos enquanto estava arrepiada da cabeça aos pés. Se pudesse morrer de vergonha acabaria caindo naquela sala, mas de certa forma, aquele olhar direto que ele lançava causava uma confiança gostosa, um calor acolhedor. Era esse o mesmo homem que lhe fez sentir medo no vagão do metrô? Se há duas semanas dissessem para ela onde estariam essa noite, acabaria rindo e pensando na possiblidade inexistente disso acontecer.



     -- Também sou seu essa noite. -- Sasuke sussurrou no ouvido da menor fazendo a mesma tremer apenas com a afirmação. Seus olhos alarmados e o rosto ardente, apenas tremia se apertando no corpo dele e sentiu o mesmo guiando sua mão até a barra de sua camisa. -- Espero que saiba aproveitar, porque eu to tremendo de vontade de entrar com você, Hime.

 

  Sua respiração se tornava audível, o peito acelerado com o que acabara de escutar. Sua saliva parecia grossa ao cruzar a laringe enquanto subia a camisa dele de maneira atrapalhada, ganhou a ajuda dele sobre suas mãos, subiu lentamente até enfim admirar aquela obra-prima bem a sua frente. Ganhou até mesmo um sorriso convencido do maior, coisa que apenas aumentou a timidez da garota.

 

 

   -- E... Essas marcas... -- Hinata sussurrou assustada ao passar os dedos finos e trêmulos pelos ombros dele. Eram mais evidentes agora que estava sem camisa. Três marcas profundas, como se a pele fosse arrancada da região, quase que buracos cicatrizados. -- Isso... O que...

 

     -- Hime, outra hora falamos disso. -- Deslizou o nariz pelo rosto da menor que sentia as marcas nas costas dele, como marcas de agressões de chicotes. Seus dedos bambos deslizavam por toda a região, a pele parecia ter sido bastante machucada. -- Quero você, aproveitar esse momento. Só isso.

 

     -- Isso dói? -- Sua garganta travou sentindo os beijos descendo seu pescoço, ganhou um olhar estreitado por parte dele e apenas gelou com o encarar sério. O silêncio a fazia temer enquanto sentiu as mãos dele tocando sua pele e um simples pressionar labial no selinho seguido de uma mordida erótica.

 

    -- No momento a única coisa que dói, é o meu cacete desejando você, Hinata. -- O sussurro rouco causou um tremor corporal completo na menor que ruborizou tentando quebrar o contato visual após escutar isso. Tremia sentindo o queixo dele passar em seu lóbulo até finalmente morder seus lábios e sugar seu pescoço.

 

 

  Engatinhou os dedos pela barriga da garota espremendo lentamente os seios fartos causando um tremor que quase a fizera cair, enchia os dedos no aperto gostoso até enfim afundar os polegares na região dos mamilos ainda cobertos pelo sutiã.


  Sasuke passou os dedos pelos lábios dela enquanto a mesma sentia a região formigar de maneira gostosa. Grossos e com sabor de café, estranhamente esse era o sabor do moreno, cafeína misturada a cacau, uma delícia luxuriante e inebriante. O sorriso tomava os lábios dele até enfim guiar os dedos da pequena até o botão de seu jeans. Seu peito subia roçando no peitoral dele conforme sua respiração desalinhava mostrando seu medo e hesitação. Sua mão tremulava temendo abaixar aquilo enquanto admirava o volume que crescia cada segundo mais, sua garganta travava e o peito batia rápido. Correu os dedos pelas coxas dela adentrando a parte posterior da saia até enfim cravar a mão nas nádegas fartas da Hyuuga que arqueou as costas, mordia os lábios sentindo o membro dele esfregar em sua pelve aos poucos. Estava absolutamente anestesiada.

  Seus dedos falharam, mas conseguiram desatar aquele botão metálico vendo a calça abrir. Contraía as pernas sentindo sua intimidade protestar querendo atenção, sentia a quentura aflorando aos poucos e engolindo o tecido de renda em seu corpo trêmulo. Olhou nos olhos dele, um sorriso contornava aqueles lábios lindos, acabava descendo abruptamente até encarar o membro coberto pela boxer branca abaixo da calça. Seu corpo tremia, o tesão esquentava seu corpo até sentir a mão dele forte em sua nuca unindo ambos os rostos. Era arrebatador, sentir aquele volume contraindo em sua saia até enfim roçar a pele melando cada pedaço de sua carne, umedecia os lábios e apenas tremia quieta.

 

  Seu corpo fora puxado rapidamente até que cobrisse o chão espalhando a cabeleira azulada por todo o tapete. Olhava o corpo dele sobre o seu respirando com dificuldade, seus dedos subiam as costas dela sentindo a carne quente dar espaço aos primeiros indícios do suor úmido nas costas. Um simples segundo separou tudo, Sasuke passou o dedo pelo botão do sutiã abrindo de maneira calma enquanto olhava aquilo quase que desacreditado.



    -- São lindos. -- Sussurrou passando os dedos molhados a saliva nos mamilos a fazendo se contorcer ao chão. Era extremamente sensível nessa região, além de jamais ter sido tocada dessa maneira. Ele abocanhava devagar cada mama sugando os mamilos e enchando as mãos por todo os seios, massageava e apertava ao beliscar os mamilos duros e mais rígidos a cada toque e escorrer de saliva ardente. -- Tudo em você... tudo é lindo.


  Gemia o nome dele em forma de protesto deliciado, queria admirar aquela cena mas seus olhos insistiam em fechar pelo excesso de lágrimas que a tomava. Sentia a mão dele entrando em sua saia até desenhar a fenda vaginal pela calcinha molhada ao próprio líquido, gemia desesperada em meio ao prazer nunca sentindo e lanhava as costas dele de cima abaixo quando ele penetrava o indicador esfregando a superficialidade de sua intimidade, friccionava os dedos causando calor e quentura nos grandes lábios.

  Seus lábios se encontraram em meio a tudo isso ganhando um apertar forte aos cabelos, ela sentia o gosto do moreno ansiando por mais, percorria toda a língua pelos lábios dele afundando o próprio corpo na mão do maior, observava a maneira como ele sugava seus mamilos e enfim subia até seu pescoço de maneira insaciável. Quente, infernal. Sasuke se posicionou entre suas pernas após deslizar a saia até seus tornozelos. Passou os dedos pelas coxas da menor vendo a mesma arquear as pernas envergonhada, mas ainda deliciada em vê-lo naquele lugar. O moreno deslizou a língua lentamente pela pelve da Hyuuga que a essa altura empurrava a cabeça arqueando as costas.

  Os dedos dele espalmavam sua calcinha encharcada até enfim esfregar os detalhes dela arrancando bem devagar. Como se sentisse prazer em vê-la daquela forma, totalmente desesperada em se livrar de tais tecidos. Os olhares esquentavam enquanto suas costas arqueavam sobre o tapete, Sasuke deslizava a língua de maneira lenta até enfim passar os dedos na pele lisa descendo as laterais daquele tecido molhado. Hinata levava os dedos até os lábios mordendo enquanto o observava lentamente arqueando suas pernas e alojando o dorso entre as coxas da pequena.

  Seus braços sustentaram lentamente a cintura da menor passando os ombros pelas pernas, sentia os arrepios, notava os tremores e espamos involuntários que percorriam aquele corpo perfeito e indefeso. Seus olhos se uniram meio segundo até enfim afundar os lábios no gosto quente da Hyuuga, apertada, ardente, banhada pelos fluídos que lentamente a fazia se tremer mais e mais, além de arquear as costas o puxando pelos cabelos.

  Os gemidos castos agora nem mesmo eram interrompidos, se sentia impura gemendo de maneira tão liberal, empurrando sua pelve contra a boca ávida do mais velho, nem ao menos conseguia manter uma linha correta de respiração quando Sasuke enfim acertava o movimento perfeito, parecia receoso, mesmo assim cuidava, mostrava afeto e calma para conseguir causar o prazer que seu corpo necessitava. Os dedos puxavam os cabelos dele um pouco mais forte quando errava os movimentos, ainda mais agora na situação em que estava, cerrava os dentes rasgando os lábios e empurrava a cabeça quando finalmente Sasuke afundava toda a língua em sua fenda molhada e tocava o órgão que nesse momento se fazia absurdamente rígido.



     -- Sasu... aaah... Sas... Sasuke!

     -- Shhh... melhor não fazer muito barulho, safada. -- Seu rosto ruborizou quando sentiu os lábios quentes e melados se pegando ao seu pescoço. Sasuke havia sussurrado em seu ouvido e usado aquela mordida em seu lóbulo para aumentar drasticamente seus tremores. Não sabia ao certo se arranhava as costas dele para amenizar sua tensão ou agarrava os cabelos sentindo os beijos no pescoço ao tórax.



  O moreno deslizou as mãos pela cintura da pequena enquanto descia vagarosamente a boca pelos mamilos, beijava e sugava a região obtendo os gemidos mais perniciosos e viradas visuais anestesiadas da Hyuuga que agora o puxava lentamente para sentir o sabor daqueles lábios uma outra vez. O jeans que usava fora retirado de maneira dificultosa, tentava escorrer as pernas uma na outra em uma busca incessante de retirar o tecido do corpo, sentia o calor do corpo abaixo do seu, o frio que entrava pela janela causando arrepios em suas costas suadas e arranhadas. Gemeu rouco no ouvido da menor quando a mesma deslizou as unhas por seu abdômen até acariciar sua pelve tocando a boxer quase transparente de tanto líquido expelido aos poucos.

  Seus olhos perolados vislumbraram o pênis rígido do Uchiha quando o mesmo lhe virou a colocando em posição de quatro na cama. O arrepio banhou sua espinha estremecendo as pernas que eram desenhadas pelo indicador dele, lentamente, de maneira deliciada, penetrava devagar a ponta do indicador causando tremores ao chegar na virilha acariciando. Queria sentir, tocar cada pedaço daquele corpo soberbo e tentador. Sua língua penetrou a intimidade da Hyuuga de maneira devagar até causar um urro alarmante na sala. Os dedos trêmulos da Hyuuga afundavam no tapete até que seus braços foram segurados para trás e seu rosto repousou suavemente ao chão. Estava imune. Seu corpo tremia de desejo enquanto Sasuke deslizou a língua devagar por suas nádegas lisas lambendo seu entrada avermelhada e apertada. Sugou a região observando a mesma protestar envergonhada. Uma carga absurda inundou a espinha de Hinata que gemeu baixinho quando o mesmo desceu a língua em sua carne até enfim penetrar a intimidade nevamente.

  Suas mãos abriam lentamente as nádegas suadas da pequena enquanto a mesma afundava o rosto totalmente ruborizado no tapete. Movimentava as mãos presas sentindo uma necessidade absurda de tocar a própria intimidade a medida que ele subia a língua lentamente por sua fenda causando inúmeros arrepios. Engoliu seco tentando morder a almofada ao canto do sofá. Sua cabeça doía, o sangue parecia pesar todo seu corpo, revirava os olhos e respirava com dificuldade quando sentiu a saliva quente dele escorrer de seu ânus como também da intimidade que fora severamente usada pelos lábios dele.



     -- Por acaso quer isso? -- Roçou lentamente seu pênis na entrada dela, sussurrou isso no ouvido da pequena enquanto suprimia a intimidade dela com seu membro, esfregava e distribuía beijos pelas costas lisas. Hinata somente tremeu gemendo baixinho.

     -- Faz... Faz logo, Sasuke... não aguento...

 

     -- Você quer isso, vou foder você com força. -- Estremeceu escutando outro sussurro até ele finalmente penetrar devagar o membro gemendo junto dela. Hinata sentia a agonia de ser preenchida pelo membro grosso, quente e úmido. Sasuke beijava a nuca dela e xingava alguns palavrões de maneira baixa dizendo incontáveis vezes o quanto ela era gostosa e apertada.



  Sentia as mãos dele sobre suas nádegas dando leves tapas que aumentavam aos poucos, estalavam ainda mais pelo suor que escorria em suas costas e cintura. Gemia tentando a todo custo agarrar algo para amenizar sua vontade, obtinha aos poucos os lábios dele sobre seus ombros, os dentes apertando sua carne, as mãos segurando sua cintura com certa força até finalmente retirar todo o membro grosso de dentro de sua intimidade. Gemeu novamente, o rastro que ele deixara parecia protestar por ter sido aberto. Lançava a cabeça para trás gemendo com a saliva quase escorrendo aos lábios, olhava a janela molhada e a neva caindo enquanto sentia o fogo suar todo seu corpo. Sua garganta seca e as pernas tremulando quando ele novamente penetrou a glande melada e extremamente quente.

  Outro urro, suas mãos tremiam e os olhos também.

  Rangia os dentes sentindo o pênis entrar devagar, Sasuke parecia preocupado consigo, acariciava seus cabelos e selava beijos lentos em suas costas. Enrolou devagar o punho em meio aos fios azulados que se perdiam colados nas costas suadas. Puxou suavemente ordenando que a mesma voltasse e engolisse todo o membro por vontade própria. Era doloroso, quente e aos poucos mais agradável. Se acostumava ainda gemendo, sua intimidade parecia escorrer mais e mais enquanto esfolava aceitando a grossura do membro. Sasuke aumentou o ritmo, fincou a glande esfregando as paredes vaginais aos poucos, o pênis parecia errar o movimento ao final da estocada, era delicioso quando finalmente batia de maneira errônea dentro do seu corpo.

  Ele abaixava até o limite seus ombros, estava com o rosto colado ao chão enquanto ele puxava seus cabelos de maneira gostosa ordenando que voltasse e sentisse o membro duro bombar novamente toda sua intimidade. Os gemidos saíam agora contra vontade, imaginava o quão imoral estava sendo soltando sons tão sugestivos e delirantes. Rebolava quando ele sussurrava em seu ouvido, buscava mais o pênis dele, ainda de maneira temerária por sentir certa dor ao limite do mastro. Sua espinha pareceu partir, suas pernas tremeram como nunca antes e teve as mãos fortes dele segurando sua cintura com a chegada avassaladora do orgasmo. Causou estrago no moreno, sua intimidade apertou ainda mais o fazendo xingar alto e com os olhos afogados em tesão e prazer.


  " Sasuke, mais... mais... isso "

  Somente isso era repetido pelos lábios dela, mordia os lábios deixando as lágrimas quentes caírem lentamente pelos orbes, as mesmas que ela segurava desde o momento em que experimtou a língua quente em sua intimidade. Arqueava as costas olhando a janela e deixando a cintura empinada em meio aos tapas estalados que soavam ao longo da casa silenciosa. Sua respiração soava ofegante e pela garganta, sentia seus cabelos sendo puxados até que os olhos fechados comprovaram o inevitável. Era quente. Grosso, quente e preenchia todo seu interior. Sasuke inundou sua intimidade de sêmen. Gemia sentindo agora a sensação de ter o mastro ainda mais quente, entrando e saindo de maneira mais bruta e frenética buscando os gemidos ainda mais altos.

  O tapa seco marcou sua nádega enquanto ele lançava a cabeça para trás gemendo alto e de maneira rouca, extremamente excitante aos ouvidos da Hyuuga que empurrava o próprio corpo sentindo o resquício do esperma deslizar por sua virilha quando ele enfim retirou o membro fazendo sua intimidade reclamar quando fora solta. Caiu totalmente sobre o tapete sentindo o corpo suado dele tombar sobre o seu.



     -- Muit... Quen... Muito quente... -- O sussurro da menor saía descompassado assim como os seios esfregando no tapete. Sentia o corpo dele sobre o seu se aninhando, o abraço do moreno seguiu aquilo causando um sorriso envergonhado em seus lábios. Suas mãos tremiam até serem seguradas pelas dele, passavam segurança, calma.

     -- Eu sou quente? Que menina safada. -- Sasuke sorriu beijando o ombro da menor que ruborizou escondendo o rosto. Sentiu as mãos dele virando seu corpo com cuidado para enfim outro selar labial lento e demorado naquele inferno quente. -- Minha safada.

     -- Su... Sua? -- Tentava não olhar nos olhos dele enquanto o mesmo apertava seu peito contra os seios da menor. Sorriu ainda com os lábios alinhados aos dela, suas mãos enrolavam nos dedos trêmulos da garota. Seu rosto estava vermelho, obviamente estaria envergonhada e um caco como estava, mas ainda mais ruborizada por escutar aquilo vindo dele. Inevitável não lembrar do que escutou de Mikoto no hospital. Seria verdade então?

     -- Vem, vou cuidar de você.



  Seu rosto duplicou o rubor ao ser levantada pelo moreno, estava de pé frente a ele enquanto sua intimidade escorria devagar. Abaixou a cabeça vendo o mesmo dar uma risada puxando sua mão de maneira calma até o banheiro. Tomaram um banho repleto de graças e provocações por parte do moreno, realmente gostava de se aproveitar da Hyuuga nesse ponto. Deitaram novamente no chão conversando sobre o que aconteceu no dia de ambos. Certamente agora estavam mais calmo, Hinata ainda bastante envergonhada, mas acabara dormindo em meio ao carinho que Sasuke fazia em seus cabelos enquanto inclinava a cabeça no peito dele.

  O braço do moreno parecia pesado, o horário era avançado ao longo da madrugada, assim que acordou sorriu tendo a Hyuuga dormindo sobre seu ombro, então o formigamento fora por uma boa causa. Retirou os cabelos azulados cuidadosamente enquanto o corpo da pequena era coberta apenas pela fina manta que puxaram do sofá enquanto conversavam. Todas as roupas deles ainda permaneciam caídas pela casa. Seus dedos correram pela marca avermelhada no tórax beirando ao seio, Hinata era linda, sorriu se colocando sentado com os olhos ainda pesados por acordar no meio da madrugada. O relógio na mesinha de centro marcava três e quarenta da manhã.



     -- Shhhhh... vem cá... -- Sussurrou cuidadosamente enquanto colocava a perolada sobre os braços. Seria uma cena cômica e trágica se Itachi acabasse aparecendo e os visse desse jeito na sala. Vagou cuidadosamente pelo corredor estreito sentindo o piso de madeira gelado resfriando seus pés. Não negou o riso labial bobo enquanto a mesma se mantinha manhosa entre as cobertas da cama tentando se esquentar finalmente.


  Sorria para si mesmo, fora a primeira vez que tiveram algo tão delicioso. Era indubitável que qualquer relação com Hinata era prazerosa, mas saber que ela o desejava tanto quanto seu corpo precisava dela, isso era incomparável. Passou os dedos pelo queixo dela lembrando do jeito como ela se manteve durante todo o ato se entregando e pedindo em troca, até mesmo os palavrões que sussurrava baixinho sentindo seu pênis estocá-la, os tremores naturais de sua debilidade, tais como aqueles ocorridos pela tensão corporal. Olhava os cabelos azulados quase caindo da cama, estavam enorme, sentia o corpo arder um pouco nas costas e no peito, ela havia o marcado finalmente e pelo visto havia usado todo seu prazer reprimido.
 

  Inclinou na cama apagando o abajur devagar para não fazer qualquer barulho, mas levando em conta a exaustão da perolada, poderia quebrar a casa que ela não acordaria. Levou os dedos até o celular o desligando, sem interrupções essa manhã. Beijou a testa dela a última vez enquanto se alinhou ao corpo dela abraçando devagar e a olhando, sentindo ainda relutar no sono, e ela inconscientemente enroscou a perna entre as dele. Suspirou diferente do que o costumeiro nesses últimos dias, estava feliz.


Notas Finais


Gostaram??? Hehehe, prometo não demorar para o próximo!! ♡

E espero que tentem ler a fic que recomendei, então é isso e até o próximo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...