História Doces Intenções - Shawn Mendes - Capítulo 40


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Cameron Dallas, George Clooney, Harry Styles, Justin Bieber, Nash Grier, One Direction, Pretty Little Liars, Sabrina Carpenter, Shawn Mendes, The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Barbara Palvin, Cameron Dallas, Caroline Forbes, Ella Montgomery, George Clooney, Harry Styles, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Klaus Mikaelson, Liam Payne, Louis Tomlinson, Nash Grier, Niall Horan, Personagens Originais, Sabrina Carpenter, Shawn Mendes
Tags Shawn Mendes
Visualizações 228
Palavras 6.434
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu estava muuuito animada para postar esse capítulo, verdadeira fucking salvatore sim ❤

Capítulo 40 - Welcome to my NY


Fanfic / Fanfiction Doces Intenções - Shawn Mendes - Capítulo 40 - Welcome to my NY

Point Of Views - Ashley Salvatore.

Nova York, Manhattan - EUA - 20 de outubro, 2017.

— Seis dias. — eu bufo levando o copo de achocolatado até a boca enquanto Haz e Dylan me olham com uma cara engraçada. — Exatamente seis dias que ele não fala comigo.

— Ashley... — Dyl me olha sorrindo. — Ele só estava com ciúmes.

— Vocês são muito complicados. — Haz bufa e Dylan concorda com a cabeça.

— Eu não sei como ela ainda não jogou um Lubutin nele. — Dyl sussurra fazendo Harry rir.

— Louboutin. — corrijo. — Ele não merece meus Louboutins na cara dele.

— Isso porque está quase chorando de saudade.  

— Eu gostei de você. — Harry diz sorrindo e da um toque nas mãos de Dyl.

— Sabe Ash... — Dyl começa. — Você tem muito machos.

— Me respeita garoto. — eu empurro o ombro dele. — São poucos ainda... Você não conhece o Justin nem o Cam.

— Meu Deus... — ele bate com as mãos na testa. — Eu entendo perfeitamente bem o Shawn.

— Ainda bem que eu saí dessa... — Haz solta uma risada e Dyl o olha.

— Você também já gostou dela? — Dylan pergunta e Haz concorda com a cabeça. — Eu também.

— É sério? — Haz solta uma risada gostosa me fazendo rir também.

—Sim, até ela não aceitar algodão doce, eu não me apaixonaria por alguém que nega meu algodão doce... — ele bufa cruzando os braços e eu sou obrigada a abraça-lo.

— Você tem 5 anos. — digo assim que termino de tomar todo o meu achocolatado.

— Seis. — ele corrige bufando. — E eu sou um homem já.

— Dylan... — eu bagunço seu cabelo. — Nem pelo nas axilas você tem ainda.

— É por que eu tiro. — ele cruza os braços me fazendo rir.

— Homem mesmo sou eu... — Haz diz orgulhoso. — Tenho quatro mamilos.

— Serio? — Dylan olha para ele enquanto eu rio e Haz confirma com a cabeça. — Me mostra.

— Tudo bem...

Haz sobe a blusa até seus ombros revelando seu abdômen, mesmo que ele fosse magro, ainda assim era definido e gostoso. Eu observo cada parte peitoral de Harry até mesmo a borboleta que havia ali, era a minha favorita.

— Isso é irado... — Dylan diz tocando os mamilos de Haz. — Ciclope no peito.

— Ciclope tem um olho só. — eu corrijo e ele revira os olhos.

— Tanto faz. — ele bufa. — Se eu fosse você ficaria com Haz, os olhos dele são mais bonitos e ele tem 4 mamilos.

— Dylan. — eu bufo revirando os olhos.

— Se eu fosse você também teria ficado comigo. — ele sorri. — Mas bem... Estamos em outra.

— Você e Lou estão numa boa? — eu pergunto o olhando.

— Eu e ele... — ele parece pensar um pouco e logo em seguida o celular dele apita. — Falta menos de 2 horas para o jogo, precisamos ir... Você ainda tem que repassar os passos.

— É verdade... — digo. — Tenho que te deixar em casa Dyl, se não a sua mãe te mata e eu vou junto.

— Ela te ama. — ele revira os olhos. — Ela te da chocolate, ela não me da chocolate.

— Isso por que você é chato.

Seguro na mão de Dylan e nós vamos até o carro, mais especificamente a minha Ferrari, enquanto Haz vai no carro dele. Passei o domingo inteiro aprendendo a dirigir com Richard e Justin, eles são dois chatos, insuportáveis. Justin pegava mais leve comigo, digamos que eu acho que ele tem um pouco mais do que uma queda por mim, já Richard era um porre, só sabia brigar por eu dirigir mal. Segunda não foi diferente e o resto da semana também não, mas eu já estou bem melhor nisso. Não há nada nesse mundo que Ashley Salvatore não seja capaz de fazer.

Shawn não apareceu desde então, nem mesmo na janela e nem na escola. Segunda, terça e quarta, quinta e hoje sem ir para escola e dar sinal de vida. Eu até cheguei a ir na casa dele perguntar o porquê disso tudo e principalmente por sumir depois de todo aquele draminha por causa de uma dança, mas tudo o que Aaly me disse é que ele havia viajado, eu suponho que ele tenha ido com Sr. Mendes para Toronto, e pior, Bella havia ido junto, o que só serviu para me deixar cada vez mais enfurecida. Ele e a desgraçada da Bella no mesmo ambiente era como uma faca no meu coração. Sem contar as intermináveis ligações que foram foram para a caixa postal, ele sem sequer se dava ao luxo de recusar a ligação, deixava a chamada acabar só para acabar com qualquer resquício de esperança. Eu só espero que nesse tempo que passamos longe ele tenha pensado em como passou dos limites na nossa última discussão, como se eu fosse a merda de uma escrota, que sai dando moral para qualquer um... Sendo que ele sabe muito bem que não sou assim, ao menos não sou quando estou com ele. Quando não estou já é outra historia.

Sem contar com o fato dele nunca ter realmente dito o que sente por mim.

"Eu acho que gosto de você..." as palavras dele voltam a minha mente me trazendo de volta para a realidade, mesmo que isso tenha me feito ficar, não acho que seja suficiente para sempre. Eu tenho plena certeza do que sinto por ele, literalmente tudo... Não é a toa que Shawn Mendes foi o primeiro. Ele deveria se sentir lisonjeado, primeiramente por poder me tocar — o que é uma coisa muito mais do que valiosa — e segundo por ter sido o meu primeiro. Ele sabe a importância que ele tem para mim, nem mesmo para Dan eu consegui chegar onde chegamos e muito menos contar aquele maldito segredo.

Dirijo até a cada de Dyl e o deixo com sua mãe que o abraça com carinho e me lança um sorriso em agradecimento, é claro que ela passa minutos dizendo o quão bonito Harry é e obviamente ele solta aquele sorriso convencido e galanteador que só ele sabe dar. Ela chega a nos convidar para entrar, mas como Harry havia dito faltava pouco para o jogo e dessa vez eu dançaria sem ninguém para atrapalhar... Assim espero.

E nesse tempo todo que Shawn esteve "sumido" eu finalmente conheci a mãe de Dyl. Ela é um amor de pessoa, e como eu já suspeitava, ela tem câncer, mais especificamente no pulmão... Digamos que ela era fumante, muito viciada, hoje em dia eles levam uma vida muito difícil, o pai de Dyl o abandonou alguns anos atrás, mas felizmente os ajuda com pensão, é obvio que isso não é suficiente. o que Ellen — mãe de Dyl — e o próprio Dylan precisam nesse momento é de apoio, a situação na casa deles não é melhor e por mais que ela não aceite, eu posso ao menos ajudar com as compras, não seria nada para mim... O estado dela é um pouco critico, não existe muitas chances de melhora, mas ela segue fazendo o tratamento e quem a ajuda é uma de suas vizinhas, a qual era amiga dela desde a infância.

Eu não sei o porquê de Dyl ser importante para mim, ele é um pestinha, rabugento de vez em quando, chato e chega a ser irritante, mas é como se ele representasse algo para mim. Eu me importo com ele, me preocupo, ainda mais sabendo as dificuldades que ele passa na vida, ele só tem 6 anos, e caramba, a vida dele está desmoronando, ele nem ao menos consegue ter noção da dimensão das coisas, que sua mãe está quase em estagio terminal, e caso isso aconteça, ele será alguém sozinho no mundo. Não consigo nem imaginar, isso parte o meu coração, não quero pensar em Dyl segurando uma barra dessas nessa idade, queria poder protege-lo ou mudar as coisas. Salvar a mãe dele, ou então ir até o pai dele e chuta-lo com o meu Louboutin do bico mais fino e mostrar o quão especial o filho dele é.

— No que está pensando? — Emma pergunta se sentando ao meu lado enquanto eu amarro meu cadarço.

— Nada. — dou de ombros e Beth se ajoelha em minha frente olhando firme.

— Seus olhos estão marejados Ashley. — ela diz séria e eu passo as costas das minhas mãos para secar.

— Não é nada demais. — reviro os olhos.

— É Shawn? — elas perguntam juntas e eu faço careta.

— Não... Ele quem tem que estar chorando. — reviro os olhos. — É por causa de Dylan.

— O garotinho? — Emma pergunta e eu balanço a cabeça. — Você realmente gosta dele não é?

— Sim... — sorrio me levantando e indo até o espelho para passar um batom vermelho. — Ele é especial... Diferente, não sei dizer.

— Como um irmão? — Beth pergunta me olhando e eu a olho pelo espelho.

— Não... — digo. — Não para tanto... A vida dele é difícil.

— Haz nos contou. — Beth diz e eu entrego o batom para Emma. — A mãe dele tem câncer não é?

— Sim... — suspiro. — Eles não tem a mesma vida que eu, são simples... Sabe? Não precisam de muito para ser feliz, a mãe dele está quase em estado terminal, não quero um menino de 6 anos tendo o mundo dele desmoronando assim... Tão cedo.

— Não quer ele sem uma mãe... — Emma diz ligando as coisas. — Acertei?

— Sim. — digo. — Quero dizer, eu tenho uma mãe, mesmo que ela não me ame e muito menos me dê atenção. Dyl não tem nada, só a mãe dele... Ele não pode a perder.

— Não vai. — Beth solta um sorriso reconfortante e eu concordo com cabeça. — Tudo vai dar certo.

— Amém... — suspiro balançando a cabeça. — Vamos mudar de assunto... Como anda Liam? E Richard?

— Richard e eu estamos mais perto de assumir... — Beth sorri de orelha a orelha. — Tenho quase certeza, ele tem me feito bem.

— A pulseira que ele te deu é linda. — Emma diz e eu concordo com a cabeça.

— Fui eu que escolhi. — mando um beijo para ela. — Ao menos ele tem me deixado em paz nesse últimos dias, e eu vi ele tentando se aproximar dos deus pais... Foi fofo.

— Ele nem precisava. — Emma diz. — Qualquer mãe de Manhattan daria de tudo para ter sua filha namorando Richard Salvatore.

— Só podia ser meu irmão. — sorrio amarrando os cabelos.

— Não vai falar de Liam? — Beth pergunta para Emma que fecha os olhos respirando fundo me fazendo a olhar.

— Não estamos mais juntos...

— Por quê? — eu pergunto perplexa. — O que ele fez? Caralho.

— Acho que ele não gosta de mim tanto quanto eu pensei que ele gostava... — ela diz balançando a cabeça como se quisesse esquecer de outra coisa.

— Estava tudo tão bem no jantar... — digo. — Eu vou chutar a merda do pênis dele.

— Não Ash... — ela suspira deixando uma lágrima descer e Beth corre para abraça-la e secar a lágrima. — Não faça nada.

— Agora vamos nós duas. — Beth bufa.

— O que ele fez? — eu pergunto e Emma nega com a cabeça.

— Diga... Emma, somos amigas, não precisa mentir. — Beth a conforta.

— Eu acho que ele está ficando com outra garota... — ela suspira. — Eu já sabia como ele era...

— Emma. — Beth segura o rosto dela e seca as lagrimas. — Liam pode ser lindo e gostoso, mas você é bem mais... Sem contar com a pessoa incrível que você é, ele certamente vai se arrepender...

— E aí você tem chutar o pinto dele. — digo e ela ri. — É sério, use um salto pontudo, e chute com tudo... Dê o troco, o imbecil não te merece.

— Quer saber? — ela respira fundo e nos olha decidia. — Eu não vou deixar barato... Nem que eu tenha que pegar um amigo dele.

— É assim que se fala... — eu sorrio, só de pensar em vingança os meus olhos brilham, mesmo que não seja minha.

— Scott está aí, e ele beija bem... — Beth diz. — Niall, Lou, Haz.

— Niall. — Emma estreita os olhos. — Eles são muito amigos, ou Scott.

— Scott é uma boa, ele está cada dia mais bonito... — eu digo e aponto com a cabeça para a porta, precisávamos ir. — Os olhos dele são uma perdição... Se bem que Niall também tem olhos lindos.

— Na minha opinião Scott beija melhor. — Beth diz e se vira para mim enquanto caminhamos. — E para você Ash?

— Eu acho que... — paro um pouco realmente avaliando qual dos dois tinha sido melhor, Scott tinha muita pegada, mas Niall não ficava por menos. — Os dois foram bons, mas prefiro Niall, ele tem uma pegada forte, me deixou arre...

— Te deixou o quê? — aquela voz que não era de Beth e muito menos de Emma me faz virar na mesma hora.

— Shawn? — a minha voz sai eu em um tom fino e Shawn me olha sério.

— Eu mesmo. — ele responde quase abrindo um sorriso de lado, mas trata de guardar quando eu estreito os olhos.

— A gente te espera lá... — Beth sussurra e ouço os passos dela e Emma se distanciando.

Duas falsas.

— A princesa resolveu aparecer? — eu bufo cruzando os braços.

— A princesa aqui é você. — ele solta um risinho com a minha raiva e se aproxima.

— Pelo amor de Deus Shawn, não toca em mim porque eu estou puta de raiva com você. — fecho os olhos e tento acalmar os nervos.

— Você está gostosa nessa roupa. — ele muda de assunto repentinamente e eu sou obrigada a segurar o sorriso que iria se formar.

Maldito poder que Shawn mendes tem sobre mim. Tento controlar o arrepio que sobe o meu corpo, inutilmente.

— Odeio quando tenta mudar de assunto para não conversar sobre coisas serias. — cruzo os braços e ele olha diretamente para os meus seios. — Será que tem como parar de olhar para os meus seios Shawn Peter Raul Mendes? Seu tarado desgraçado.

— Você está muito mal educada. — ele bufa revirando os olhos e se aproxima para me beijar.

— Não Shawn... — eu me afasto. — Me fala onde estava.

— Porra... — ele xinga alto me fazendo o olhar com os olhos semicerrados.

— Não gri...

— Vocês dois. — o treinador nos olha com uma cara feia. — Vai para o campo Shawn já que você faltou os últimos treinos, e a senhorita, já está perto sua apresentação. Sem namorico.

— Sim senhor. — eu respondo olhando serio para Shawn.

Passo olhando firme em seus olhos e quase esbarrando em seu ombros. Eu fervia de raiva, por ele ter ciúmes bobo, por ele me deixar sozinha naquele dia no quarto, por que ele ter gritado comigo naquela noite, por ter gritado comigo hoje, por ter sumido todos esses dias sem ter dado sinal de vida, me deixando atordoada, por voltar do nada e querer fingir que nada aconteceu, sem dar explicação nenhuma. E principalmente, por mesmo me deixando tão preocupada, todos esses dias, sem dormir direito e com ligações perdidas, ainda assim, ele tem conseguir ter tanto poder sobre mim. 

Que droga.

Respiro fundo e vou em direção ao canto do campo onde os meninos estavam. Shawn jogaria hoje, vou até Haz e o abraço, desejando boa sorte para ele e os meninos. Pego os equipamentos necessário e converso com as meninas antes de entrarmos. Nos posicionamos bem ao meio do campo e quando a luzes se acedem a musica "bitch better have my money" começa, eu estava lá atrás, e então elas abem espaço para eu ia até a frente. O time de futebol americano estava bem a nossa frente e digamos que Shawn estava em um lugar favorável para eu olha-lo enquanto fazia os passos, principalmente aqueles que eram mais sensuais. A plateia gritava e naquele momento eu conseguia sentir uma energia tão boa, os únicos minutos em que realmente não faz diferença se Jeremy está ou não em Nova York, o meu foco é somente o som. Eu e a música. Meu corpo se movia tão facilmente, era tão boa a minha intimidade com as batidas, o jeito que meu corpo conseguia reagir a música sem dificuldade nenhuma. O barulho da galera indo a loucura me deixava sorridente. A parte mais sensual da música, fiz questão de olhar fundo nos olhos de Shawn, sei que ele estava em um lugar ótimo para ver qualquer mínimo detalhe do meu corpo, e é claro que eu não perderia essa oportunidade de provocar.

Afinal, eu sou Ashley Salvatore.

Assim que a música acaba, nós pegamos os pompons, fazemos aqueles passos clichês de líderes de torcidas enquanto soletrávamos o nome do time de futebol e saltávamos. Assim que terminamos, vou em direção ao vestiário e coloco meu vestido branco rendado, o sobretudo preto, minhas botas de cano alto de cor marrom, e minhas luvas que iam ate o cotovelo feitas de renda. Volto até a arquibancada e pego a touca azul de Haz que estava ali, solto meus cabelos e a coloco, estava um tanto quanto frio. Beth, Emma e Daniel se sentam ao meu lado e digamos que eu estava começando a voltar a simpatizar com Daniel, ele me diverte com as piadas e palhaçadas enquanto o jogo rola, e literalmente me zoa por pirar tanto a cada passo, e cada vez que fazemos ponto. Mesmo que ele me deixe um pouco envergonhada todas as vezes que me elogia ou me olha diferente, é óbvio que eu não pude deixar de reparar no quão lindo ele está. Daniel é bem mais velho do que eu, mas ele ainda continua com uma carinha de bebê, apesar de querer deixar a barba dele crescer, seus olhos azuis e sua boca vermelha é algo atrativo até demais, e o jeito que ele trava o maxilar chega a ser sexy.

Shawn jogava muito bem e chegou a fazer bons pontos para o time, mas parecia um pouco perdido as vezes. O jogo foi bom, nós ganhamos, mesmo quase perdendo, ainda assim conseguimos virar o jogo. Eva correu que nem uma louca até o Shawn o abraçando forte me fazendo retirar o óculos só para constatar que aquilo estava acontecendo mesmo. Bufo internamente com a cena, mas continuo plena por fora. A galera combina de comemorar o rendimento no jogo no five guys burger, aquele lugar era literalmente a minha perdição.

Assim que chegamos lá, nos sentamos de forma que meu grupo ficasse em uma mesa e o de Shawn em outro, eu conseguia ver ele perfeitamente bem pelos ombros de Niall, ele encarava com raiva O Dan que por sorte estava ao meu lado. Mas quem é ele para reclamar? Eva estava ao seu lado também.

— Você lembra? — Dan pergunta aos risos enquanto os outros tentam recuperar o fôlego.

— O quê? — pergunto confusa.

— Quando viemos aqui e você estava bêbada... — ele diz recuperando o fôlego. — Você começou 3 hambúrgueres e liberou tudo na camiseta de Lou.

— Foi nojento. — Lou faz careta e eu também. — Não engraçado.

— Concordo. — digo. — Foi nojento... Eu evolui.

— Isso é estranho. — Niall diz e meu olhar se cruza com o de Shawn. — Quer dizer... A última vez que viemos todos aqui, você e Dan estavam juntos.

— Faz tempo. — respondo repousando meus cotovelos na mesa a minha frente e apoiando minha cabeça em minhas mãos , aquele sofá era até confortável. — Muito tempo.

— Verdade... — Dan suspira.

— Pensei que vocês não iriam voltar a se falar nunca. — Scott ri. — Desculpa os socos, cara.

— Eu mereci. — Dan da de ombros.

— Verdade. — dou dois tapinhas nos ombros dele e o olhar de Shawn novamente queima sobre mim. — Dois anos chutando seu pênis todas as vezes que te via foram suficientes.

— Foram sim. — ele faz careta. — Eu pretendia ter filhos.

— Você pode adotar. — eu sorrio levando o meu milkshake que havia chegado até a boca. — Mas seria legal ver um mini Daniel por aí, com os seus olhos.

— Sai para lá Ashley. — ele se benze me fazendo rir. — Cedo demais.

— Nunca se sabe Dan... — coloco minhas mãos em seu ombro e ele sorri.

— Única coisa que eu aprendi com isso tudo foi a odiar saltos.

— É o que acontece quando se magoa Ashley Salvatore. — eu enfatizo e vejo que o olhar de Shawn ainda está em mim e Eva fazia de tudo para chamar atenção.

— Está sujo aqui. — ouço ela dizer enquanto limpa a maionese do canto da boca de Shawn e encarando seus lábios com desejo.

— Obrigada... — ele sussurra a olhando e ela sorri.

Desgraçada.

— Eu acho... — aperto minhas mãos no copo quando ela se aproxima dos lábios de Shawn e só consigo voltar a respirar quando ele se afasta dela.

— Não... — ele sussurra e eu desvio o olhar para Scott.

— Você quer. — ela diz e fecho os olhos enterrando o rosto nas mãos.

— Não quero. — ele diz seco.

Ainda bem mesmo.

— Ashley? — Niall me chama e eu viro o rosto para encara-lo. — É verdade que Haz chora assistindo diários de uma paixão?

— É claro que não porra. — Haz bufa me fazendo rir.

— Haz, não precisa ter vergonha. — eu acaricio sua mão com se estivesse o apoiando. — É fofo.

— Não... Eu não choro. — ele cruza os braços.

— Sempre ruim em assumir as coisas Styles. — Lou diz em um tom um pouco arrogante e Harry vira na mesma hora.

Ouch.

— Só assumo as que são verdadeiras... Ou as que são importantes. — Haz devolve no mesmo tom e Lou parece se abalar um pouco.

Mas que diabos?

— Bem... — eu falo para diminuir a tensão. — Acho que vou fazer uma tatuagem.

— O quê? — Shawn pregunta sorridente do outro lado, como se estivesse prestes a rir, me fazendo semicerrar os olhos.

— Essa é a minha garota. — Liam diz bagunçando meus cabelos, mas eu sabia que ele estava magoado em ver Emma e Niall tão juntinhos.

— É serio? — Haz pergunta me olhando atento.

— Sim. — digo. — Estava pensando em...

E eu sou interrompida pela porta que se abre com força e todos olham com cara de espanto, e logo em seguida desviam o olhar novamente para mim.

— Mas que diabos? — eu pergunto me virando e logo em seguida é como se eu tivesse sendo derrubada daquele próprio sofá . — Ah, não.

— Ashley Salvatore. — ela sorri de forma descarada me fazendo levantar na mesma hora e me posicionar de frente para ela. — Quanto tempo.

A maior parte dos alunos que estavam ali olhavam com atenção.

— Taylor Momsen. — eu a olho com ódio. — Muito tempo... Não o bastante.

— Escuta Ash, eu...

— É Ashley. — eu a corrijo em um tom nervoso. — Ashley Salvatore, você não deveria esquecer.

— Eu não esqueci... Eu só... — ela olha através de meu ombro e parece perder as palavras. — Daniel? Uau.

— Taylor... — ele diz envergonhado e eu lhe lanço um olhar apenas para dizer que se aquela garota continuasse ali eu iria ter que chutar o pinto dele muitas outras vezes.

— Vocês dois aqui, e eu também... — ela sorri e os meus olhos fervem. — Isso lembra tantas coisas, não é? Por que nós não as contamos aqui?

— Isso não é necessário Taylor. — Emma a olha.

— Vocês ainda estão juntos? Nossa, eu não... Uau, isso é... — eu dou mais um passo para frente, agora estávamos cara a cara.

Fecho meus punhos sentindo a minha respiração se acelerar.

— Isso é?

— Nada. — ela recua limpando a garganta.

— Quer contar Taylor? Tem certeza? — eu pegunto a olhando de cima. — Você sabe que perde com isso.

— Não. — ela controla a respiração. — É desnecessário.

— Assim eu pensei. — digo em um tom duro. — Está de passagem?

— Não... — ela sorri. — Eu estou aqui para ficar... Terminar o ensino médio.

— Você está brincando com a minha cara garota? — eu pergunto em um grito vendo que o silêncio na lanchonete era para prestarem atenção no que estava acontecendo.

Isso só pode ser brincadeira.

— Ashley... — a voz do Shawn atrás de mim tentando me controlar.

— Agora não, Shawn... — eu puxo o meu braço. — Eu deixei bem claro Taylor, muito claro, você só poderia voltar depois do ensino médio.

— Você sabe que eu nunca gostei de seguir regras. — ela se vira para pegar uma batatinha no prato de Dan possibilitando que eu veja seus saltos.

Louboutin.

Isso só pode ser brincadeira, na moral.

— Tira isso. — eu digo entredentes e ela se vira na mesma hora, se assustando com o olhar que eu lancei. — Tira essa droga.

— O quê? — ela pergunta cínica. — Meus saltos? Você não gostou? São seus favoritos... Louboutin.

— Taylor, não brinque comigo... — tento controlar minha respiração.

— Qual é Ashley, podemos ser amigas. — a insinuação dela esgota minha sanidade. — Dividirmos os gatinhos.... Shawn, não é? Ele é gosto...

— Olha aqui, garota... — me exalto e grito a puxando pelo braço com força, ela mal consegue se segurar em cima dos saltos. — Você saiu há muito tempo, e ninguém nem ao menos sentiu sua falta... Eu não faço a mínima ideia do porquê de você ter voltado, mas acho melhor te lembrar algumas coisas: Eu sou Ashley Fucking Salvatore, eu mando nessa droga, você fica se eu quiser que você fique. Não tente usar Louboutin achando que vai se igualar a mim. Mulheres de classe usam Louboutin, menininhas birrentas não.

— Eu só vim para terminar o ensino médio... — ela diz se acalmando tentando me deixar controlada. — Só isso, ok? Não quero brigas... Só, deixe eu ficar.

— Peça.

— Ashley, não precisa disso... — Shawn sussurra.

— Fica na sua. — oriento Shawn e me viro novamente. — Peça Taylor... Eu pareço estar brincando?

— Isso é desneces... — ela começa e eu aperto seu braço a lançando um olhar furioso. — Por favor, me deixe ficar Ashley Salvatore.

— É assim que se faz. — ela puxa o braço com força e eu controlo minha respiração, Taylor tenta sair, mas eu dou duas tossidas fazendo-a se virar para mim e me olhar atentamente, puxo minha mochila com rapidez.

— Não vou fazer isso. — ela nega com a cabeça. — Isso é de mais Ashley, chega.

— Anda. — jogo meus tênis na frente dela. — Agora.

— Calma, Ash... — Haz sussurra. — Calma.

— É Ash... — Dan me olha. — Calma.

— Não se mete Daniel, pelo amor de Deus.... Não se mete, se não quiser levar chute no pênis pelo resto da eternidade... — me viro para ele. — Isso é culpa sua.

— Sinto muito, não vou fazer isso. — Taylor diz me fazendo soltar uma risada dura.

— Agora. — eu me exalto. — Agora Taylor... Ou eu juro por Deus que amanhã de manhã a porra do seu segredinhos vai estar espalhado por toda Nova York, e não há Cristo que faça sua mãe deixar você ficar aqui. Sabia que ele ainda é de lá?

Ela me olha com os olhos fervendo, e respira fundo se agachando logo em seguida para tirar os saltos, algumas lágrimas descem involuntariamente de seu rosto, e isso não chega nem perto de me comover. Ela coloca meus tênis. Taylor me lança um olhar de raiva e se vira para sair.

— Feliz aniversário Ashley. — ela sorri com as lágrimas descendo e joga seus saltos próximo a mim.

— Lembre-se... — eu começo e ela para em frente a saída. — Se você está aqui, é porque eu deixei que assim fosse... Viva cada segundo em Nova York sabendo que tudo isso é por minha causa. Tudo por minha causa. Ashley Salvatore. Nunca esqueça.

Taylor sai de pressa fazendo força com a porta que faz um barulho estrondoso. Respiro fundo apoiando minhas mãos na mesa, tentando me controlar, e logo em seguida recebo o olhar duro dos meus amigos. 

Qual é? Isso era necessário.

— Não precisava de tanto... — Lou sussurra e Beth concorda com a cabeça.

— Isso ainda foi...

Meu celular toca no mesmo instante e o número do visor não era salvo, eu atendo no mesmo instante.

— Gostou do presente? — a voz do outro lado me faz fechar os olhos de raiva.

— Sarah Lindson. — respondo com a voz carregada de raiva.

— Estou longe, mas isso ainda não acabou... — ela ri. — Feliz aniversário.

— Fico surpresa de ter internet em uma clínica de tratamento para usuários de droga, Sarah... — eu digo. — Tenho certeza que seu pai vai aceitar de bom grado um outro cartãozinho de uma clínica lá na puta que pariu... Quero dizer, na África, longe o suficiente.

Desligo o celular no mesmo instante e eles novamente me olham, mas dessa vez confusos.

— Taylor só está aqui por causa de Sarah. — digo. — A queridinha de vocês.

— Para de drama. — Niall diz e eu semicerro os olhos. — Quer dizer, é que deu pena né.

— De mim, eu espero. — digo.

— Você poderia ter aliviado um pouco. — Scott diz.

— É verdade... — Beth concorda. — Você fez ela tirar os sapatos dela.

— Ashley Salvatore nunca alivia.

— Vem comigo... — a voz de Shawn me faz virar. — Por favor.

— Shawn...

— Vem Ashley... — ele toca o meu braço.

— Pensei que estava com Eva. — provoco.

— E você com Daniel. — ele revira os olhos. — Vamos... Amor.

— Amor. — enfatizo revirando os olhos e me viro para o pessoal. — Já vou gente, podem ficar com esses saltos aqui, eu tenho a coleção completa.

Pego meu hambúrguer e me despeço de todos eles, mesmo que ainda me olhassem com aquela cara de "você foi longe demais Ashley", mas não fui, isso tudo foi obra da Sarah e se Taylor acha que vou facilitar para ela, então está muito enganada. Aproveito para pegar minhas batatas e meu milkshake, Shawn me olha de uma forma brincalhona e eu reviro os olhos, estava morrendo de fome, só hoje passei raiva duas vezes, o minimo que posso fazer é comer e ser feliz.

— No meu carro. — eu aviso. — Pega as chaves aqui e vai dirigindo, eu estou com fome.

— Ok. — ele pega a chave e vai até o outro lado e me olha já que eu estava parada ao lado da porta do passageiro. — Serio isso Ashley?

— Você deveria se acostumar. — dou de ombros e ele vem até mim abrindo a porta e esperando eu entrar para logo em seguida dar a volta e sentar. 

— Vai sujar seu carro todo. — ele faz careta e eu bufo.

— Exatamente... Meu.

— Tudo bem. — ele da de ombros. — Não sou eu quem limpa mesmo. 

— Onde esteve? — eu pergunto olhando para ele enquanto como, mas ele permanece em silencio. — E que porra foi aquela com a Eva?

— E que porra foi aquela com Daniel? — ele repete minha pergunta me fazendo bufar. 

— Ela estava se esfregando em você Mendes, bem na minha frente... Daniel estava somente do meu lado. — eu explico logo em seguida entupindo minha boca de batata.

— Ah você sabe, a carne é fraca. — ele solta um risinho me fazendo gruir um soma agudo e tomar meu milksake. — Ela é gostosinha. 

— Você só pode estar de brincadeira. — dou um tapa no braço dele e ele faz careta pela dor. 

— E ela é lin...  

— Para com isso porra... — ele bufa me deixando mais irritada ainda. — A carne também fraca para mim e os olhos de Daniel são lindos, quase me perco neles.

— Eu deveria... Eu deveria. — ele começa furioso. — Tê-la beijado, já que não temos merda nenhuma.

— Não temos? — eu pergunto encarando ele. — Pensei que tínhamos passado da porcaria dessa fase.

— Para de comer que nem uma porca... Depois diz que tem classe. — ele diz se referindo a forma que eu estava mastigando o hambúrguer.

— Foda-se. — reviro os olhos. — Não mude de assunto Shawn Mendes.

— Você sabe que não falo serio. — ele diz. — Que droga, você me deixa sem controle. 

— Onde caralhos você estava? — eu pergunto mais uma vez assim que termino meu hambúrguer.

— Não interessa. — ele diz e eu me viro para ele.

—  Você acha que eu perguntaria se não me interessasse? Fale logo onde estava, você acha que pode sumir do nada por cinco dias, me deixar preocupada, depois de ter uma crise de ciumes besta e não dar explicação alguma? — eu pergunto perplexa.

— Acho. — ele diz em um tom arrogante me fazendo encara-lo da pior forma possível.

— Você continua o mesmo grosso, mal educado e babaca... Está falando comigo da mesma forma que falava quando nos conhecemos. — eu o olho decepcionada e ele respira fundo.

— E você continua mesma patricinha, metida e que se acha... — ele diz e eu semicerro os olhos. — Vamos parar com isso, eu não gosto de brigar com você.

— Naquela noite você estava com vontade até demais de brigar comigo. — continuo comendo minhas batatas enquanto ele foca na pista.

— Eu estava com ciumes... — ele bufa. — Ele quer te tirar de mim.

— Que droga Shawn. — digo sem paciência. — Ninguém vai me tirar de você... Eu e ele só dançamos.

— Ele te quer, você entende isso? E ele é bem melhor para você do que eu. — ele bufa e eu vejo um ponta de autodepreciação nele.

— Odeio quando tenta dizer o que é ou não melhor para mim... — digo sincera em um tom ameno. — Se ele fosse melhor, estaria com ele e não com você. Se estou com você é porque é assim que eu quero que seja.

— Você diz isso porque ainda vê bondade em mim... — ele sussurra. — Não vou falar onde estive.

— Odeio os seus segredos também, o que há de tão errado? — eu pergunto. — Nada vai fazer eu me afastar de você, que droga, eu gosto de você.

— Ashley... — ele controla a respiração. — Segredos são segredos, foram feitos para serem levados até o caixão... Se eu não digo nada é porque eu quero te proteger, só isso.

— Mas é ruim. — falo terminando de mastigar minhas batatas. — É ruim, eu não sei se aguento isso... Queria poder te conhecer por completo.

— Ashley. — ele puxa o meu rosto assim que estaciona em frente a casa dele me fazendo o olhar. — Você não precisa me conhecer por completo se você já me tem por completo.

— Que droga Shawn... - eu reclamo fechando os olhos para apreciar seu toque e ele encosta a testa na minha. — Não faz mais isso comigo, não some, não fica sem dar explicação, não me deixa preocupada sem dormir direito, não tenha crise de ciúmes por besteira.

— Juro que vou tentar me controlar. — eu abro os olhos para encarar ele. — Me desculpe, ok? Me desculpe.

— Eu odeio o controle que você tem sobre mim.

— Eu odeio o fato de você ter acesso a partes de mim que ninguém nunca teve... — ele solta uma risada e passa dedo no canto da minha boca tirando um pouco de cheddar que havia ali e levando até a sua boca. Tão sexy — Porquinha.

— Eu estava com muita fome.

— E eu estou com muita saudade. — ele sorri me puxando para um beijo. — Tão linda.

Shawn me puxa até seu quarto e nos aproveitamos o fato do meu pai e minha mãe terem tirados 3 dias para ficar em Seattle aproveitando a vida e Manuel ter ido à Toronto para resolver alguns problemas e ainda estar lá. Aalyah estava com Nash. Então a casa seria só nossa e eu confesso que estava com saudade do quarto dele, já havia me familiarizado com cada partezinha dele — mesmo com algumas lembranças ruins — até mesmo com a bagunça constante que eu estava sempre arrumando.

Agradeço a Deus por Beth ter amarrado Richard de jeito, eles passariam a noite juntos, então obviamente ele não estava nem aí se eu passaria a noite com Shawn, mesmo assim eu mando uma mensagem avisando ele, que apenas pede para que eu tome cuidado e use preservativo.

Shawn coloca Harry Potter para nos assistirmos, e eu acabo aceitando já que ele estava me irritando mais do que tudo. Ele me envolve em seus braços me deixando aconchegada. Sem segundas intenções nenhuma. Só eu e ele aproveitando o outro. E por segundos sou capaz de esquecer que entre nos existe uma montanha de segredos que ele tanto teme.

É assim que funciona: enquanto estamos só nós, juntos, abraçados, transmitindo calor ao outro, aproveitando cada sensação, nada mais importa.

Só eu, ele e tudo o que nós sentimos.

Mas lá fora existe uma outra realidade, dura e cruel, onde a única coisa capaz de nos separar são os segredos.

Sempre eles.

Esperando o melhor momento para nos destruir.


Notas Finais


Espero que tenham gostado ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...