História Doces Intenções - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Dallas, Harry Styles, Justin Bieber, Kaya Scodelario, Nash Grier, One Direction, Sabrina Carpenter, Shawn Mendes, Skam (Vergonha), The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Cameron Dallas, Caroline Forbes, Christoffer "Chris", Harry Styles, Isobel Flemming, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Kaya Scodelario, Klaus Mikaelson, Liam Payne, Louis Tomlinson, Mikael Mikaelson, Nash Grier, Niall Horan, Personagens Originais, Sabrina Carpenter, Shawn Mendes
Tags Shawn Mendes
Visualizações 180
Palavras 3.816
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chorei um pouquinho nesse capítulo espero que gostem ❣

Ahhhhh, antes que eu me esqueça, as personagens que mais me inspiraram quando "criei" A Ash foram: a Blair, um pouco de Serena (gossip girl), e um pouco de Katherine também (the vampire diaries). Apenas rainhas❤

Capítulo 19 - NINETEEN


Fanfic / Fanfiction Doces Intenções - Capítulo 19 - NINETEEN

Manuel sorri largamente como eu nunca o tinha visto sorrir antes, ele olha para ela que retribui com um sorriso tímido. Shawn permanece calado, se eu o conheço bem o suficiente, sei que nesse momento ele está tendo uma overdose de sentimento: surpresa, medo, raiva e talvez até um pouco de magoa. Aalyah olha para o irmão surpresa, mas também fica sem expressão alguma quando percebe a situação de Shawn.

— É um prazer. — ela sorri envergonhada e eu me sinto mal por não receber resposta alguma.

— É um prazer... Lisa. — sorrio e me levanto para cumprimentá-la. — Eu sou Ashley, mais precisamente Ash.

— Você é linda. — ela diz gentilmente e e eu sorrio.

— Obrigada. — respondo sorrindo e me sento novamente.

— Você nem me disse que tinha duas filhas, Manuel. — Lisa se vira para Manuel.

— Ah, não. — rio. — Eu não sou filha... Só uma convidada.

— Ela é uma Salvatore. — Manuel avisa.

— Uma Salvatore? — Lisa pergunta surpresa. — Eu deveria ter lembrado... Conheço seus pais, são pessoas gentis demais.

— Obrigada. — sorrio. — Você também é muito gentil. 

— Eu sou filha... — Aalyah diz ainda atônita e se levanta. — Eu sou Aalyah... Aaly.

— Prazer Aalyah. — ela sorri e cumprimenta Aaly. — Manuel disse coisas muito boas de você.

— Espero que sim.— Aaly ri.

— Uma moça realmente linda, como você havia dito amor... — ela diz e Manuel sorri.

— Linda até demais... — Manuel responde e logo em seguida repreende Shawn com o olhar que apenas revira os olhos.

— Shawn... — ele começa. — Meu nome é Shawn.

— É um prazer te conhecer também Shawn. — Lisa sorri.

— Pois é. — Shawn dá de ombros.  

— Vamos comer? — Manuel propõe para melhorar a situação e eu sorrio.

Nós vamos até a sala de jantar e nos sentamos na mesa. Manuel puxa a cadeira para que Lisa se sente, e ele se senta bem ao lado dele. O jeito que ela sorri para ele e que ele olha para ele é com certeza muito bonito. Eu e Shawn nos sentamos lado a lado e Aaly se senta em nossa frente. Manuel faz questão de servir todos nós, principalmente Lisa, ele recebe muitos elogios merecidamente pela comida maravilhosa que fez.

Nós conversamos sobre diversos assuntos, Aaly, eu, Manuel e Lisa. Shawn se mante calado durante todo o tempo, apenas fitava a comida e o seu suco. Eu percebo o quão desconfortável ele estava e resolvo por minha mão cima da sua, em baixo na mesa, já que ele pediu que Manuel não soubesse sobre "nós". Não sei decifrar muito bem o que Shawn está sentindo, mas sei que é desconfortável para ele. Pelo lado de Manuel acho certo que ele viva, ele é novo e merece viver, Shawn deveria entender isso. 

— Os Salvatore podiam estar aqui também. — Manuel diz e eu sorrio.

— Verdade. — ela sorri e tomo mais um gole de sua bebida. — Eu conheço o seu pai de longa data, já trabalhei com ele... Como ele está?

— Ele está bem. — sorrio. — Ele foi para o Brasil resolver alguns negócios por lá.

— Brasil? — ela pergunta. — Lembro-me que era um dos lugares favoritos de seu pai.

— Sim... Meu também. — digo. — É um país com praias incríveis.  

— Nunca fui lá. — Aaly diz. — Mas parece ser realmente lindo.

— E é, um dia nós vamos lá. — proponho e ela concorda com a cabeça. 

— Ash, conte a história de seus pais? — Aaly pede. — Eu só sei por alto, mas parece tão linda... Você pode?

— Posso sim. —rio. — Meu pai nasceu no Brasil e morou lá por anos, a vida dele lá não era tão boa quanto é agora, minha mãe era vizinha dele. Ele sempre foi muito apaixonado por Marie, sabe esse negócio de namoro de infância? Então... — sorrio. — Eles passaram por altos e baixos, os meus avós por parte de pai eram separados. Minha avó acabou morrendo e meu pai teve que ir para o Canadá morar com meu avô. Antes de ir ele jurou que iria para voltar para buscar minha mãe. Foi exatamente o que fez, com 16 anos meu pai veio para New York terminar os estudos. Depois de muita luta ele conseguiu tomar a frente da Diamonds e assim que conseguiu, voltou para o Brasil e buscou a minha mãe. — digo. — Ele trouxe ela para New York e se casaram, não demorou muito para Richard nascer.

— Eles realmente passaram por muita coisa. — Lisa diz. — Eu lembro que depois de seu irmão, a probabilidade dela engravidar era mínima, você foi um milagre.

— Serio? — pergunto.

— Sim... Ela nunca te contou? — Lisa pergunta e Shawn fica atento a conversa. — Ela passou 1 ano e alguns meses longe de New York fazendo tratamento e com muita luta conseguiu você. Quando ela retornou você ainda era muito nova, a gravidez foi toda acompanhada.

— Eu não sabia...   

Apenas tento forçar um sorriso, eu não sabia desse fato, eu era um milagre? Provavelmente esse é o grande motivo da minha mãe me odiar tanto, de eu ser para ela "um projeto que não deu certo", talvez ela queria outro menino, mas veio uma menina... Eu não sei, se ela foi atrás de me ter por que ela me odeia tanto? Shawn apenas continuava calado e isso estava incomodando. Ele segura minha mão firme e sorri com o meu apoio, deve ser difícil para ele ter que ver a mãe ser "substituída", ainda mais pelo fato de Shawn ser alguém com o temperamento muito forte.

— Mas então... Por que o senhor não conta a sua historia com a minha mãe? — Shawn propõe com os olhos semicerrados, meus olhos quase saltam, não muito diferente de Aaly e Manuel que chegam até a engasgar.

— Shawn... — Aalyah o repreende com o olhar.

— O que? — Shawn se faz de desentendido. — Foi só um pedido.  

— Me desculpe, Lisa... — Manuel olha envergonhado para Lisa que lhe responde com um sorriso acolhedor.

— Está tudo bem... — sorri. —Pode contar... Se quiser.

— Serio? —Shawn pergunta erguendo uma sobrancelha, Lisa apenas confirma com a cabeça e Shawn aperta minha mão por baixo da mesa, sua irritação era evidente.

— Bom... — Manuel começa. — Nós nos conhecemos quando tínhamos 13 anos, foi amor a primeira vista, sabe? — ele ri e seus olhos brilham. — Mas ela demorou para perceber isso, eu me apaixonei primeiro... Sempre foi ela... Nós eramos da mesma escola, ela tinha todos aos pés dela, e tenho que dizer que foi muito complicado conquistar ela. Eu tive que morar na Alemanha por 2 anos, e quando voltei ela já namorava um outro garoto. Ele era um babaca com ela, e com muita luta nós conseguimos ficar juntos pela primeira vez... E aí veio a segunda... Terceira... E então já estávamos apaixonados, só tinha um problema: Nossas famílias eram inimigas. Era um amor proibido, ninguém poderia saber. Assim que terminamos o ensino médio ela descobriu que estava gravida. — ele respira fundo. — Eu não sabia bem o que fazer, mas eu a amava e iria assumir. Nós resolvemos contar para nossas famílias que nos nós amávamos, mas ela acabou sendo expulsa de casa, meu pai também me mandou embora, mas a minha me entregou um grande quantia em dinheiro. Foi o suficiente para pagar nossas passagens para o Canadá, a situação era um pouco pesada e ela acabou perdendo o bebê, nós estávamos quase sem esperança, então eu peguei o resto do dinheiro e investi na minha própria empresa... O resto vocês já sabem. Shawn veio em menos de 1 anos após ela ter perdido o outro.

— É uma historia realmente linda. — digo. — E triste... Sinto muito.

— Obrigada Ash. — ele sorri.

— Era para eu ter um irmão ou irmã... — Aaly diz desapontada.  

— Eu imagino o quão difícil deve ter sido perder ela. — Lisa diz acariciando a mão  de Manuel e Shawn aperta minha mão com força, sinto como se ele fosse uma bomba prestes a explodir.

— Não imagina, não... — Shawn começa irritado. — Você ainda a ama, pai?

— Eu sempre vou... — Manuel responde. — Você está sendo inconveniente Shawn... E sim Lisa, foi muito difícil.

— Estou? — ele pergunta debochado.

— Sim, você está. — Manuel responde.  

— Não, eu não estou sendo. — Shawn grita e se levanta de uma vez me deixando assustada. — Você é quem está... Ela está sentada onde minha mãe deveria estar. Eu, sinceramente, não vou ficar aqui assistindo isso.

— Shawn... - Manuel tenta o repreender. — Também é difícil para mim...

— Não parece - Shawn o interrompe. — Está sendo fácil demais para você colocar essa mulher aí, ninguém vai substituir minha mãe, eu não vou deixar.

— Shawn, por favor... — Manuel pede abaixando a cabeça.

— Não, não vou compactuar com essa merda. — Shawn grita impaciente.  

Shawn sai da sala nesse mesmo instante e é possível ouvir os passos fortes dele no piso, e enquanto sobe as escadas. Ele bate a porta com uma força sub-humana, tenho certeza que rachou a parede. O silencio toma conta de tudo e só o que se escuta são os gritos de raiva de Shawn e o barulho de coisas se quebrando e sendo jogadas. Eu permaneço estática, assim como Lisa. Eu nunca havia visto Shawn dessa forma, tendo um ataque de fúria, eu já o vi com raiva... Mas não assim.

— Acho melhor eu ir falar com ele. —Manuel diz.

— Não... Deixa que eu vou. — Aalyah diz e se levanta indo até as escadas.

— Tente acalmá-lo. — Manuel pede com o semblante triste.  

— Eu sinto muito... — Lisa diz.— Não queria causar problemas.

— A culpa não é sua. — Manuel respira fundo e Lisa tenta consolá-lo. — Eu não sabia que ele iria reagir assim.

— Ele vai se acostumar com isso... Ele só é, cabeça dura. — digo e lhe dou um sorriso acolhedor.— Acho melhor eu subir... E eu sinto muito.

— Obrigada Ash... — Manuel diz. — Se puder conversar com ele, seria útil, acho que ele te escutaria.  

— Por que? — pergunto surpresa.

— É só um palpite. — Manuel responde.

— Posso tentar... — digo. — Você é muito gentil Lisa, espero que tenha oportunidades melhores...

— Obrigada querida. — ela agradece.  

Eu subo as escadas e sento no corredor, escorada na parede de meu quarto, de frente para o de Shawn. Aqui o barulho era muito mais alto, os seus gritos, os pedidos de Shawn para que Aalyah saia, os pedidos de Aalyah para que Shawn parasse e coisas e mais coisas sendo quebradas. O desespero e a raiva na voz de Shawn eram evidentes, me deixavam inclusive, arrepiada. Shawn xingava todos os nomes possíveis do mundo. Eu conseguia até ouvir os soluços de Aaly. 

Minutos se passam e Aaly sai do quarto totalmente desolada, suas bochechas estavam vermelhas e o rosto coberto de lágrimas. Ela se senta ao meu lado e eu a abraço, deixando que ela chore em meu ombro. Longos minutos de silencio se passam, só o som do quarto de Shawn e os soluços de Aaly.

— Ele não vai parar até quebrar tudo, ou ate cansar. — funga.

— Vai ficar tudo bem, Aaly. — faço carinho no cabelo dela e tento consolá-la.

— É desesperador ouvir os gritos dele Ash, e nem parece ele. — ela diz secando as lágrimas. — Ele já teve outras crises, mas essa é a pior.

— Eu acho melhor eu tentar conversar com ele. - Manuel diz e para do nosso lado.

— Não... — digo. — Ver você só vai piorar... Não quero me meter Sr. Mendes, mas talvez ele precise ter esse acesso de fúria, e se você entrar lá, ele vai ficar pior ainda...

— Mas...  

— Ela tem razão pai... — Aaly diz. — É melhor o senhor tentar dormir, deixa que nós resolvemos. Isso já foi muito para você por hoje.

— Ok.. — Manuel responde triste. — Diga a ele, quando melhorar, que não era essa minha atenção.

— Ele sabe... — afirmo. — Só está com raiva demais no momento.    

Sr. Mendes apenas sorri e  vai até o seu quarto que ficava no andar de cima. Aaly e eu ficamos em silêncio, apenas os soluços dela e o barulho do quarto dele. Depois de longos minutos o barulho diminui.

— E se... E se eu tentasse falar com ele? — proponho.

—Não, Ash... Eu acho melhor não. — ela diz. — Ele está grosso e violento.

— Ele não faria nada comigo, eu sei disso. — digo. — Aaly, eu posso tentar. Você vai para o seu quarto, toma um banho, tenta dormir e relsxar, deixa que eu tento lidar com ele, ok?

— Eu não sei Ash... — Aaly diz. — Você não está acostumada com isso.

— Você confia em mim? — pergunto.

— Sabe que sim. — ela diz.

— Então apenas descanse e me deixe fazer algo... Por favor. — peço.      

— Tudo bem. — ela concorda e eu a ajudo a se levantar. — obrigada por tudo Ash... E boa sorte.

— Obrigada. — agradeço e a abraço.

— Você é um anjo.  

Eu apenas sorrio e Aaly entra em seu quarto. Eu me sento novamente no corredor, tento buscar algum tipo de coragem, o barulho estava baixinho e eu resolvo que é a hora certa para entrar. Eu bato na porta três vezes e ele não responde, então decido apenas entrar. Ele estava sem blusa e de costas para a porta, apoiado na varanda que havia em seu quarto.

— Eu não quero conversar, Aalyah. — ele diz frio.

— Não é a Aaly. — ele se assusta e vira na mesma hora. — Sou eu, Ash.

— Saia daqui, Ashley. — ele diz se aproximando e eu me encosto na porta.

— Não vou sair. — respondo firme.

— Sai. — ele grita com o rosto colado ao meu. — Você deveria ter medo de mim.

— Eu não tenho. — afirmo e ele se vira jogando outras coisas no chão. 

— Eu quero quebrar tudo, deixar exatamente como o meu coração está. — ele grita.

— Eu posso te ajudar. — dou de ombros e jogo outras coisas no chão enquanto ele me olha assustado.  

 — Eu posso te machucar. — ele diz frio.

— Eu sei que não. — digo e ele se vira de costas indo até a cama. — Eu sei que não faria nada comigo, você não é mal.

— Você não me conhece. — ele diz e eu me sento atrás dele na cama. — Sai daqui Ashley.

— Conheço o suficiente. — digo e ele respira fundo.

— Me deixe. — ele pede escondendo as lagrimas.  

— Não. — abraço ele por trás e ouço os seus soluços. — Você não precisa ter vergonha de chorar Shawn.

— Eu odeio você. — ele diz. — Eu odeio o mundo, eu odeio meu pai, eu odeio o fato da minha mãe ter morrido, eu odeio a Lisa e principalmente o fato dela ser uma pessoa legal... E mais ainda você Ash, por que você me faz querer sentir, e sentir é perigoso.

— Não é, Shawn, não é. — o abraço mais forte e encosto a cabeça na curva de seu pescoço. — Você precisa sentir, e jogar tudo para fora.

— Ele não pode trazer uma mulher para substituir minha mãe... Não pode Ash. — diz tentando controlar as lagrimas.

— Ninguém vai substituir ela Shawn. — ele se deita na cama e eu continuo o abraçando. — Ela vai continuar sendo sua mãezinha, sempre vai ser. E seja lá onde estiver, ela te ama e sente orgulho de quem você é... O seu pai só precisa voltar a viver.

— Mas é estranho Ash, era o lugar dela, eu sinto que isso é errado. — ele chora. — Eu a quero de volta, eu quero minha mãe de volta.

— Se eu pudesse, juro que traria ela de volta agora mesmo. — beijo o topo de sua cabeça e deixo as lágrimas rolarem pelo meu rosto também. — Mas não funciona assim Shawn... Ela nunca vai, realmente, morrer, por que ela existe dentro de você.

— E se um dia eu esquecer o rosto dela? Eu tenho tanto medo. — ele assume.

— Você não vai. — acaricio seus cabelos. — Você a sente, você a ama, ela é parte de você.

— Você tem razão. — ele se vira e coloca sua cabeça apoiada em meu peito. — Eu não quero pensar em outra pessoa no lugar dela.

— Ela não vai deixar de ser sua mãe. — o consolo. — É difícil Shawn, mas o seu pai merece ser feliz.    

 — Lisa deveria ser chata, assim eu teria razão. — ele reclama.

— Talvez ela não seja. — sorrio e seco algumas lágrimas dele. — Vai ficar tudo bem, ok?

— Obrigada, Ash. — ele diz e ri ao ver algumas lágrimas minhas, as secando logo em seguida. — Você é sentimental.

— Só as vezes. — sorrio e lhe dou um selinho, mas ele abusa e me puxa para um beijo calmo.

— Desculpa se te deixei com medo. — ele diz de olhos fechados.

— Eu nunca teria. — sorrio e volto a acariciar seus cabelos.

— Por que? — pergunta.

— Porque eu sei que coração é bonito. — ele sorri e eu beijo o topo de sua cabeça.— Agora durma, você precisa.

— Eu não te mereço Ash. — ele diz e seca uma outra lagrima. — Não mereço.

— Apenas durma Shawn...   

Shawn apenas concorda com a cabeça e fecha os olhos logo em seguida. Ele não demora muito para dormir em meus braços. Assim que ele cai como uma pedra — com muita dificuldade — dou um jeito de sair da cama. O quarto estava uma verdadeira zona. Deixo o meu salto ao lado da cama e começo a arrumar toda a bagunça, tentando fazer o mínimo de barulho possível. Arrumo o máximo que posso, mas ainda sobra algumas coisas.

Eu me sento na cama e olho para Shawn, ele parece sempre tão forte e fechado, mas é tão vulnerável. Os seus olhos fechadinhos, sua cara amassada e a boca semiaberta o tornavam um pouco amável nesse momento. É tão difícil lidar com ele, mas quanto mais eu o conheço, mais interessante tudo isso se torna. Ele se mexe na cama e acaba acordando.

— Vai ficar me admirando? — pergunta ainda de olhos fechados.

— Na verdade, eu vou para o meu quarto... — digo. — Já são 2 horas.

— Dorme aqui. — ele propõe e da um tapinha ao seu lado na cama.

— Você está bem? — pergunto. — O seu pai vai perceber.

— Não estou nem aí. — ele se senta na cama. — Sério, não estou.

— É melhor não Shawn. — rio e me levanto, mas ele é mais rápido e chega na porta primeiro, girando a chave.

— Agora já era. — ele diz e joga a chave dentro de sua cueca. — Acho que você não vai querer pegar.

— Você é louco. — balanço minha cabeça. — Tudo bem, mas vou por uma blusa sua.

— Tudo bem. — ele vai ate o closet e joga um blusa larga em minha mão, mas antes olha em volta do quarto. — Você arrumou... Tudo?

— Arrumei. — respondo simples.

— Não precisava. — diz. — Merda Ash, você é boa demais para mim.

— Cala a boca, Shawn. — digo. — Não foi nada de mais... 

— Você não entende o quão melhor do que eu você é. — ele diz se sentando na cama.

— Você não entendo que eu não ligo. — me aproximo e beijo sua testa.

— Quando você perceber isso... — ele diz. — Você vai me odiar.

— Não vou. — garanto.

— Você promete? — ele pergunta serio.

— Prometo Shawn. — puxo seu rosto e lhe dou um selinho. — Agora vire porque vou colocar a blusa e sem gracinhas dessa vez.

Shawn concorda com a cabeça e vai até a cama se tampando por inteiro com o cobertor, eu dou risada e tiro o meu vestido, colocando sua blusa logo em seguida. Dobro meu vestido e o coloco em cima do criado mudo.

— Pronto? — pergunta.

— Sim. — sorrio e me sento na cama, ele tira a coberta do corpo e me olha.

— Acho que a minha blusa foi feita na medida certa para você. — sorri.

— Eu fui feita na medida certa para você. — me deito na cama e ele da risada da minha frase. — O que é isso?

— Isso? — ele pega o leão de pelúcia que estava em minha mão. — É leo, diga "oi" para o leo, Ash.

— É sério? — pergunto e ele confirma com a cabeça. — Oi leo.

— Muito bem mocinha. — ele ri e me da um selinho.

— Você dorme com ele? — pergunto.

— As vezes... Mas isso não é nada perto do seu pijama horroroso, e eu sei que você dorme com aquele ursinho que te dei. — ele diz.

— O nome é Dory... — empurro o seu braço e ele sorri. — Hoje vou dormir com Leo.

Eu puxo o leãozinho da mão dele e me viro de costas para Shawn. Ele era muito fofo. Shawn me puxa para perto de si e cola os nossos corpos, eu acabo me virando de frente para ele — estava estranho sentir o seu amiguinho ganhar vida — eu apoio minha cabeça em seu peito e jogo uma de minhas pernas por cima dele, ele passa um de seus braços por baixo de mim e acaricia meus cabelos. Coloco leo entre nós.

— Dessa vez sem barreira. — ele ri e acaricia minha coxa. — É bem melhor.

— Só hoje. — sorrio.

— Eu gosto de você Ash. — ele sussurra de olhos fechados.

— Eu também gosto de você Shawn. — sorrio e levanto meu rosto para beijar sua bochecha.— Boa noite.

— Boa noite.

Shawn apenas beija o topo de minha cabeça e acaricia meus cabelos. Em meio ao cansaço físico e mental, eu acabo pegando no sono. Em seus braços, sentindo seu cheiro e o seu toque.


Notas Finais


Entãaaaao, quero agradecer a todos que estão acompanhando, favoritando e até comentando. De verdade mesmo, obrigada!!! ❤ Eu escrevo cada capítulo com muuuito carinho e é bom demais saber que alguém gosta do que eu escrevo. Amo vocês, Ash e Shawn também 💌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...