História Doces Intenções - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Dallas, Harry Styles, Justin Bieber, Kaya Scodelario, Nash Grier, One Direction, Sabrina Carpenter, Shawn Mendes, Skam (Vergonha), The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Cameron Dallas, Caroline Forbes, Christoffer "Chris", Harry Styles, Isobel Flemming, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Kaya Scodelario, Klaus Mikaelson, Liam Payne, Louis Tomlinson, Mikael Mikaelson, Nash Grier, Niall Horan, Personagens Originais, Sabrina Carpenter, Shawn Mendes
Tags Shawn Mendes
Visualizações 59
Palavras 2.340
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - TWO


Fanfic / Fanfiction Doces Intenções - Capítulo 2 - TWO

Acordar cedo depois de dormir tarde é a pior sensação do mundo. Minhas pernas doem, tenho a sensação que mil tratores passaram pelo meu corpo no mínimo 200 vezes, cada célula do meu corpo pede socorro e meu subconsciente implora por mais 5 minutos.

Mas sabe o que é pior do que acordar cedo? Acordar cedo com Elisabeth Walls pulando em cima de você, na maior animação, como se acordar cedo fosse a coisa mais alegre do mundo.

— Sai de cima e me deixa dormir, ainda está de madrugada. — digo puxando meu cobertor como proteção.

— Já são 7:30 Ash, você tem que se arrumar, é nosso último ano. — ela puxa o cobertor e dá risada de meu pijama. — ANIMAÇÃO GAROTA!

— Como eu disse... Madrugada. — reviro os olhos. — Vou tomar um banho rapidão e passar o dia esperando pra chegar em casa e dormir.

— Tudo bem, o importante é você ir. — ela diz. — Nem parece que está louca pra ver o Harry.

— E não estou. — me levanto, vou até meu closet e pego minhas roupa. — Não vivo em função de macho, prefiro minha cama.

— Não é sua cama que você vive beijando. — ela ri.

— Não é o Harry que me proporciona noites incríveis. — entro no banheiro.

— Porque você não deixa. — ela grita.

— Não vou discutir isso à essa hora. — fecho a porta.

Tomo meu banho, que por incrível que pareça consegue me deixar plena como nunca pensei. Escovo meus dentes, e tento dar uma ajeitada em minhas olheiras. Coloco uma legging preta, meu tênis da nike favorito, uma blusinha solta branca e minha jaqueta vermelha. Não dá pra usar meus saltos na escola, uma pena. Amarro meu cabelo em um rabo de cavalo e termino de me maquiar, nada muito pesado, só o básico.

— Você está linda. — Beth me abraça — Pronta para o último ano?

— Eu sou linda, meu amor. — nós duas rimos. — Pronta eu sempre estou.

— Harry vai se apaixonar assim. — ela diz.

— Vira essa boca pra lá, nosso lance é só amizade com benefícios. Ele é meu melhor amigo, desde criança. — reviro os olhos. — Agora vamos. — pego minha mochila e a puxo para descermos as escadas.

— Vocês não vão comer? — Richard pergunta olhando Beth de cima a baixo. Nojinho.

— Sim. — digo. — Mas você não.

— Não vou o que? — ele pergunta confuso.

— Comer. — falo simples.

— Hãm? Vou comer sim, estou com fome. — ele diz ainda mais confuso.

— Não estou falando de comida, mas sim de alguém. — olho para Beth que cora na hora e em seguida para Richard que entende e balança a cabeça envergonhado. — Agora vamos Beth, preciso te proteger.

— Constrangedor. — Beth diz.

— Só estou devolvendo os pulos de hoje cedo em mim. — rio.

— Bom dia meninas. — meus pais dizem em uníssono.

— Bom dia. — eu e Beth dizemos em uníssono também.

— O motorista vai levar vocês. — meu pai avisa. — Animadas?

— Eu estou bastante, apesar de sentir um pouco de medo do último ano. — Beth desabafa.

— Eu estou animada, nada me causa medo. — beijo meu ombro e pisco.

— Isso é verdade. — meu pai ri. — Aproveitem o último ano, passa rápido e deixa uma saudade gigantesca.

Depois de alguns minutos Richard se junta a nós e se senta na frente de Beth, o clima é cômico, claro que meus pais não percebem nada, tenho que segurar meu riso várias vezes. Minha mãe permanece calada o tempo todo, algo certamente deve ser acontecido, ou talvez não. Minha mãe sempre foi mais próxima de Richard e é perceptível a preferência dela por ele, não só dela, mas de meu pai também, porém meu pai ao menos tenta disfarçar e até consegue.

Depois de algum tempo e de tomarmos o café da manhã, eu e Beth pegamos nossas mochilas e vamos até o Rodolfo, que é meu motorista. Quando eu era criança meu pai sempre colocava um segurança para ir comigo, mas depois de um tempo isso parou, não era tão legal chegar na escola acompanhada de um armário.

O caminho não é tão longo e calmo, Dolfo nos deixa escolher as musicas e da umas risadas enquanto nós cantamos loucamente as 8 da manhã. Até faço uma piadinha sobre preferir o uber pois lá tem balinhas e então Dolfo abre o bolso e retira várias balinhas de lá. Eu sabia que ele faria isso.

Assim que chegamos lá, mesmo que meio atrasada, as aulas não haviam começado, mas eu já suspeitava, todo ano letivo se inicia com um discurso de Sra. Hudson, e só então cada um pode ir para sua sala de acordo com seus horários, o primeiro dia é sempre muito tranquilo, talvez dessa vez não por ser o me último ano.

Não preciso nem dizer que assim que chegamos lá a doida da Beth já me puxa em direção aos meninos. Harry está encostado em seu Porsche que tanto se orgulha, eu tenho certeza de que é a coisa da qual ele mais tem ciúmes. Ao seu lado estava Niall que como sempre provavelmente estava fazendo piadinha sobre algo, o que não me surpreende. Liam também estava lá, como sempre, rindo de tudo que Niall falava. Gosto muito deles, mas sei os vagabundos que eles são. Scott estava tão concentrado olhando para Beth que nem sequer sabia do que seus amigos estavam rindo.

Beth me puxou pra cá com a desculpa de me fazer ver o Harry, mas Deus tá vendo que ela veio aqui unicamente e exclusivamente para ver o senhor gótico Scott, e eu também estou vendo.

— Oi meninos. — digo e eles respondem em uníssono. menos Harry que claro me puxa para um abraço.

Beth cumprimenta todos eles e posso até dizer que os olhos de Scott brilharam um pouco. Ainda assim prefiro ela com Niall, uma pena ele ser vagabundo.

— Você está linda. — Harry sussurra em meu ouvido e me da um beijo na bochecha.

— Você também não está nada mal. — abraço ele de forma que fico com minha cabeça encostada em seu peito enquanto seus braços me envolvem.

Ontem Shawn me perguntou se eu nunca havia visto tatuagens, sim Shawn, já vi e muito bem, pois Harry tem várias.

— Eu estava com muita saudade. — beija o topo de minha cabeça.

— Nós nos vimos há 3 dias atrás. — damos risada e eu aspiro seu aroma delicioso. — Perfume novo?

— Sim, gostou? — Ele me olha.

— Você tem bom gosto. — sorrio e lhe dou um beijo na bochecha. — Agora tenho que ir procurar o resto de minhas amigas.

— Tudo bem. — ele revira os olhos enquanto me solta, mas logo em seguida sorrir.

Eu puxo Beth que provavelmente vai me matar pois estava numa conversa super envolvente com Scott, sou uma péssima amiga mesmo, mas e daí?

Quando estamos prestes a sair sinto Harry me puxar com cuidado e me botar de frente a ele.

— Demonstração de afeto em público é clichê. — ele diz e acaricia meu rosto e cola nossas testas. — Mas eu estou com tanta saudade, não fique brava comigo.

Brava é a ultima coisa que vou ficar. E então ele me beija, uma de suas mãos estava em minha nuca e a outra em meu rosto. O beijo é suave e lento, nada desesperado, apesar da "saudade", Harry é bom no que faz e eu fico muito grata por isso. Acabo sorrindo no meio do beijo por causa das piadinhas de seus amigos. O beijo é finalizado por que ele também sorrir. Encosto minha cabeça em seu pescoço e balanço levemente.

— Agora é sério, preciso ir. — me solto e dou um curto selinho.

— Não está brava? — ele pergunta alto enquanto me distancio.

— Jamais ficaria. — grito em resposta.

— Pra quem não tava com saudade... — Beth ri.

— Cala a boca viu, eu sei muito bem que você me fez ir lá só pra ver o Scott. — cruzo os braços.

— Olha aqui... — ela começa mas eu a interrompo.

— Eu não vou falar pra ninguém. — reviro os olhos. — Todo mundo já sabe mesmo. Enfim, vou deixar claro que prefiro o Niall.

— Você já pegou o Niall. — Beth diz.

— E daí? A baba já saiu. — eu digo.

— Você é ridícula. — ela ri.

Saímos a procura das meninas que já estavam na quadra onde aconteceria o discurso. Sarah e Emma já estavam nos esperando e guardando nossos lugares. Eu sou mais próxima de Emma, apesar de andar com Sarah o clima entre nós nem sempre é tão bom, mas eu gosto dela.

Nós nos sentamos e eu fico entre Emma e Beth, o papo flui e Emma me conta que ficou com Liam nas férias, mas que foi só uma vez e não acontecerá de novo.

— Alunos e alunas da escola Constance Billard School, sejam bem-vindos. Mais um ano letivo se inicia e com ele mais responsabilidades. Para alguns será o último ano e espero que esses aproveitem ao máximo todas as oportunidades disponibilizadas por essa querida escola e mais conceituada de LA. Aos que chegaram agora espero que gostem daqui e que todos os alunos sejam extremamente receptivos. Aqui estão os melhores professores, que fazem de tudo para que vocês tenham um belo futuro pela frente. As inscrições para as aulas complementares serão abertas amanhã e todos poderão fazer os testes. Desejo a vocês um ótimo dia de aula e um ano letivo repleto de realizações. Obrigada.

Assim que ela termina todos nós batemos palmas e nos levantamos para honrar o hino do nosso país.

— Hoje tem ensaio das cheerleaders? — Beth pergunta pra mim.

— Hoje não, mas amanhã tem e sexta as apresentações. — digo.

— Estou pensando em entrar. — Sarah diz.

— Seria uma boa, você vai gostar. — sorrio. — Bom meninas, agora tenho que ir, até mais.

Me despeço delas e vou até o banheiro apenas para me olhar no espelho. O sinal toca e eu corro para o meu armário e vejo meus horários. Belezinha, primeiro horário: física. A professora é rabugenta e eu ainda estou atrasada. Pego meus materiais e vou até minha sala que ficava no bloco B, tento subir as escadas o mais rápido possível e chego ofegante na sala. Bato na porta e abro-a.

— Me desculpa Sra. Lins, eu aca... O que você está fazendo aqui? — olho para frente e me deparo com Shawn Mendes ao lado da professora. Ótimo.

— Fala sério. — ele revira os olhos.

— A senhora está atrasada 5 minutos, mas está no limite. — ela diz. — Vocês se conhecem?

— Infelizmente. — nós dizemos em uníssono e alguns alunos da classe riem.

— Pois bem, a Srta. Salvatore irá te mostrar a escola. — ela sorrir, baixinha desgraçada. — É melhor irem logo e sem reclamar até porque você chegou atrasada hoje.

Eu apenas reviro os olhos e ela nos tira da sala e nos começamos a caminhar sem trocar uma palavra.

— Eu.. — ele começa. — Queria pedir desculpa por ser grosso ontem.

— Que bonitinho. — digo e ele revira os olhos.

— Já estou começando a me arrepender e não se acostume. — ele diz.

— Tudo bem... Me desculpe também, já que vamos ser coleguinhas de classe e nossos pais tem um contrato é melhor ficar em paz. — rio.

Mostro a ele a escola toda e nós conseguimos essa proeza toda sem brigar. Ele me conta que sua irmã também está no colégio, no caso ela é do primeiro ano. Eu o convido para passar o intervalo comigo e meu grupo, Aalyah também, mas ele recusa e diz que já tem amigos aqui, pois quando era criança já havia morado em LA.

O restante das aulas é calmo, tão calmo que eu chego até a dormir na aula de história, só não fui pega graças ao Harry que me acordou antes.

— De onde você conhece aquele garoto? — Harry pergunta.

— Qual? — pergunto confusa.

— Shawn mendes. — Ele responde.

— Meu pai e o pai dele são amigos. — digo sem mencionar o contrato.

— Não gostei dele. — Harry diz.

— Eu também não havia gostado, mas ele é até legal. — roubo uma de suas batatas e a como.

— Era minha. — Ele me olha de cara feia e eu dou um selinho. — O que nós temos?

— Amizade? — rio.

— Ash, isso é tudo, menos amizade. — ele ergue uma sobrancelha e coloca uma mecha de cabelo atrás de minha orelha.

— Amizade com benefícios, H. — dou um beijo em sua bochecha. — Você é meu melhor amigo.

— Você também é minha melhor amiga. — ele sorri.

— Agora tenho que ir, eu disse pra minha mãe que ia pra casa assim que a aula terminasse e olha onde estou. — me despeço dele e vou até Rodolfo que me leva para casa.

Quando chego em casa tudo que ouço são reclamações de minha mãe e por estar cansada apenas escuto.

Subo até meu quarto e tomo um banho relaxante e coloco meu pijama. Faço algumas tarefas e depois me deito. Deixo meu uniforme de cheerleader arrumado e passado, amanhã teria ensaio e amanhã eu passaria o dia todo de uniforme, assim como a maioria das garotas. Logo depois desço para jantar.

— Como foi o dia hoje filha? — meu pai pergunta.

— Foi bom pai. Shawn e Aalyah são da minha escola agora. — respondo e o vejo levantar a sobrancelha.

— É bom que vocês virem amigos. — minha mãe finalmente abre a boca. — Ontem vocês estavam quase brigando.

— Como assim? — meu pai pergunta surpreso. — Pensei que tivessem se dado bem.

— Não estávamos brigando. — lanço um olhar para minha mãe. — Apenas não concordávamos com a mesma coisa e nós já nos resolvemos.

— Se o Sr. Medes resolver quebrar o contrato por você se dar mal com o filho dele, você vai se ver comigo garota. — minha mãe diz.

— Cale a boca, Marie. — Meu pai se descontrola e todos nós nos calamos.

— Não Michael, essa garota não faz nada direito. — minha mãe diz e me lança um olhar raivoso.

— Eu não sei o porquê da senhora me tratar sempre assim, e nem quero. Faço tudo exatamente do jeito que você quer, mas me recuso a ouvir coisas das quais eu não mereço. — digo e me levanto.

Subo correndo e me tranco no quarto, a pior sensação do mundo é saber que não é amada pela própria mãe e não saber o motivo. Depois de algum tempo caio no sono devido ao cansaço mental e físico.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...