História Dois Corações - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Ash Ketchum, Bonnie, Brock, Clemont, Daisy, Dawn Hikari, Delia Ketchum, Drew, Gary Carvalho, James, Jessie, Jigglypuff, Max, May, Misty, Paul, Pikachu, Professor Carvalho, Serena
Tags Ashmisty, Daml, Família, Fanfic Muito Legal, Insinuação De Adultério, Jessiejames, Mejeras, Pokeshipping, Rocketshipping, Vilas
Exibições 63
Palavras 7.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


A - LE - LU - IA !!!!²²² Enfim o seu sininho de notificação mostrou que adicionamos um novo capítulo! Fiquei fazendo este kapi de Dezenas de milhares de palavras (ou quase isso) com todo amor por vocês! Olhos ficaram inchados, dedos queimados e com tiques nervosos por semanas! Tudo para adiantar o máximo possível para melhor parte aparecer no próximo capítulo!

Este kapi já começou com a ajuda do ~KBlader, fiz modificações neste kapi para melhorar a leitura de todos, inclusive a minha, E... diante de tudo que falei, espero que gostem.

E se não gostarem, nem avise! Por favor! *Fogo nos olhos*

~KBlader: Vamos ler a fic logo porque sua bipolaridade autoral está atacando de novo!

~Emanoel2711: Apreciem o capítulo com moderação!

Capítulo 13 - Novos planos, novos desafios, novas aventuras!


Fanfic / Fanfiction Dois Corações - Capítulo 13 - Novos planos, novos desafios, novas aventuras!

— Nos conhecemos da forma mais esquisita! — Misty sorriu, observando os amigos reunidos.

— Era meu primeiro dia como teinador Pokémon. Pikachu estava muito rebelde comigo, ainda nem sei o motivo. — O rato elétrico ficou sem graça, mas tudo bem! — Eu acertei um Spearow com uma pedra, e do nada milhares deles apareceram, todos com fúria correndo atrás de mim. Eu fugia deles feito doido, até que não vi outra solução a não ser pular na cachoeira.

Bonnie ficou surpresa com tudo que o moreno relatava. Imaginar Pikachu desobedecendo Ash era muito... inimaginável.

— Eu tinha acabado de fugir de Ceruleam, já não aguentava mais minhas irmãs me fazendo de empregada, mas tudo o que eu tinha eram pokébolas vazias. A maioria dos meus pokémons estavam no ginásio, então, para poupar meus únicos Staryu e Starmie, resolvi pescar Pokémon e peixe para comer, nisso eu já tinha capturado um Goldeen. Estava tão feliz que resolvi ficar mais tempo, vai que eu conseguia um Margikarp, sei que são ruins, mas ter um Gyarados é muito, muito incrível! Eu pensei que tinha fisgado um Margikarp enorme, estava toda feliz, dei toda a minha força para puxar da água... Mas tudo que tinha era um garoto com um Pokémon ferido.

— Eu estava tão desesperado que nem quis saber, perguntei onde ficava o Centro Pokémon de Viridian, joguei o Pikachu meio inconsciente no cesto da bicicleta dela e peguei ela para o salvar.

— Corri atrás dele! Estava chovendo muito. Mais na frente eu vi ele, o Pikachu mais fraco e os Spearows caídos no chão. Foi o primeiro choque do trovão. Constatei quando observei minha bike torrada. Ash já estava correndo para salvar o Pikachu, e eu levei a bicicleta até o CP... — E assim eles foram revesando a história, animados, para o encanto de todos, ou quase isso, se contar a cara emburrada de Rudy e Serena.

Assim que desligaram, a reportagem pela TV ainda estava rolando, ambos foram alvo de piadas, sobretudo Ash, que era a estrela do show!

E pela primeira vez na vida da fanfic Dois Corações, uma quebra de tempo!

@MingMoon: Ou algo parecido com isso.

A noite passou vagarosamente, todos dormiam tranquilos, menos Ash, que pensava muito sobre a ruivinha e o tempo que ficariam juntos quando voltassem a viajar. O problema era Rudy, que faria de tudo para ficar perto de Misty. E Serena, pois o moreno tinha ciência de que ela o amava. Mas não sabia se nutria o mesmo por ela. Serena é uma garota adorável, mas hoje ela se mostrou insegura quando conheceu Misty. Ash se sentiu mau por estar criando e se metendo nesta confusão.

Quando resolveu dormir, passava das duas da matina.

*****

Enfim o dia amanheceu no Japão. O homem estava sentado numa poltrona, abrindo algumas cartas. Estava numa enorme casa cedida pelos pais, só enquanto procuram um bom lugar para viver. Sua noiva estava sentada ao seu lado, num dos braços do assento, repousando seus leves olhos azuis sobre a cabeleira da mesma cor, apreciando o aroma do cabelo sedoso.

— Mô, escuta essa. Recebi agora do carteiro. Pelo visto foi escrita ontem.

— Ainda enviam cartas hoje em dia? Como descobriram tão rápido onde você estava? — A ruiva ria do próprio comentário, olhando nos verdes olhos do noivo.

— Bem, eu já morava aqui, mesmo que há poucos meses, e parece que ainda enviam sim, e parece ser importante. — O azulado começou a leitura em voz alta:

•"Caro James Waterflower. Por meio desta, nós, os líderes de ginásio de Kanto juntos com a Elite 4 de Kalos, vinhemos propor-lhe um convite.

Em evidência, expomos o seguinte: Siebold, elite aquático de Kalos precisa se afastar do cargo por motivos pessoais por um tempo indeterminado, resolvemos em nossa última reunião enviar Misty para esta nova etapa, entretanto a liga índigo precisa de oito cidades com ginásio.

Enquanto reconstruímos Ceruleam Gym, adiaremos a liga, para os treinadores conseguirem as insígnias necessárias, e, em vista que apenas você tem capacidade para batalhar e pertence à família dos líderes de Ceruleam, aceita fazer parte da família da liga kanto?

Tudo dependerá de sua resposta.

Um bom dia.

Equipe Kanto."•

James observava a carta sério, mesmo não acreditando. Jessie perguntava se estava tudo bem, e este afirmou que precisaria pensar antes de responder ao remetente.

Seria a chance dele por em dia seu relacionamento com sua prima querida. Precisaria conversar com ela e sabia onde a encontrar, então se despediu da noiva e seguiu para Cerulean's D'or.

*****

Eram sete horas da manhã, Misty estava dormindo quando Ash apareceu lá. Tudo para provar a Rudy que ele não estaria babando na cama ao meio-dia!

— Bom dia, senhor Makimoto!

— Bom dia, Ash! Pelo jeito, está animado para voltar a viajar com Misty! — O médico apertou a mão do moreno, que sorriu vermelho com o comentário.

— Sim! Quando ela poderá ir embora?

— Assim que ela acordar, tomar café e trocar as bandagens. — Ash ficou vermelho quando lembrou da duplinha de Misty que "sem querer" Pikachu fez questão de fazê-lo contemplar.

O rapaz avermelhado mudou a expressão quando o doutor à frente o chamou mais sério.

— Eu queria te fazer um pedido. — O homem dos cabelos azuis escuros prosseguiu quando o rapaz, voltando ao normal, assentiu. — Darei esta caixa com remédios para você tomar conta. São comprimidos anti-inflamatórios e analgésicos, devem ser dados para ela tomar assim que acordar, são dois por dia, e devem ser dados por cinco dias. Eles vão ajudar na recuperação dela.

— Sim senhor. — Ash já os pega das mãos do doutor.

— Mas tome bastante cuidado, estes comprimidos são fortes, e causam efeitos colaterais muito esquisitos se dar apenas um. E será normal caso ouvir ela falar enquanto dorme.

— Entendido!

Assim que descobre que pode acompanhar a menina até sua saída, ele corre para o elevador e sobe para o andar em que ela se encontra.

.

Os lindos olhos que mesclavam tons de azuis com verdes se abriram vagamente. A princípio, sua visão turva mostrava um ser com silhueta familiar e confiável, mas a outra, nem tanto.

@MingMoon: Mas ela acordou uma hora depois que a mula de Pallet impacou no quarto dela. Então vamos continuar a fic como se fosse 7h!

@Você: Que cena desnecessária! ㄱㄱ

Ash chegou no quarto, admirava a quase infinita variedade das flores que o ruivo de Trovita a dera, rosnando por isso. Se tivesse dinheiro como ele... Nem assim o gastaria com algo que durasse pouco tempo. Ele, pelos anos juntos dela, sabia que mais do que flores, Misty apreciava uma boa conversa, um passeio com quem ama, afinal, de acordo com Ash, Que amigo não amaria outro?

@MingMoon: "Amigos"... Sei ㄱㄱ

A sereia de Cerulean não era superficial por parecer uma princesa e se vestir melhor que antes. Assim ela o faz devido sua fama. Quem não sabe que a fama do ginásio é a fama do líder?

@MingMoon: Eu.

Affi! É como se todo bichin de estimação tivesse características de seu dono. O que é verdade.

@MingMoon: Entendi, ça parada dos bichin é verdade mesmo.

Ash observou o rostinho delicado da melhor amiga, e afirma consigo mesmo o fato de ter sentido falta dos momentos que vivia ao lado dela.
Pikachu, seu amigo inseparável, estava observando o novo comportamento de seu dono.

— Pipipi...! "Ash...!" — o rato elétrico sorriu bem safadin! - Pikachupi pipi kapi kachupi Pikapi! "Confessa logo que você gosta da Misty!" — Pikachu deu "pikakakakakakarrisadas" quando Ash deu um grito constrangido, ainda mais quando viu a ruiva se mexer.

Seus cabelos soltos estavam na cara, levando o rapaz a tirar os ruivos cabelos da face macia e clara da garota, sem antes de fazer um gostoso carinho no rosto da moça, que sorriu com o toque, mesmo dormindo.

— Ash... — A laranjinha de Cerulean balbuciava algumas palavras, que, como Makimoto disse, seria normal a expressão do subconsciente surgir mais forte enquanto a mocinha dorme, é um dos efeitos colaterais.

— Pikapi picha kapi, Pipipi! "Misty gosta de você, Ash!" —  Sardinhochu, quer dizer, Pikachu, estava falando muitas coisas da ruiva, de momentos juntos que romanticamente Ash ainda não tinha percebido.

O moreno teve sua atenção dobrada voltada para Misty, que mesmo dormindo, falava.

— Eu sempre quis dizer isso...! — A sereia sussurrava. Ash estava muito atento à boca dela, tentando ler seus lábios. — Eu te ...

Toc toc toc!

@MingMoon: MALDITOS ALADOS! Nunca saberei o que ela ia dizer!

@Você: Se nem a autora sabe, quanto mais eu. „ㄱㄱ„

Um ser bateu na porta (DÃÃ), tanto o Pokémon quanto seu mestre mostraram-se frustrados com esse repentino toque.

@MingMoon: Também fiquei bastante frustrada.

@Você: Eu também!

Assim que se identificou, o bichin entrou, e, após o cumprimento, foi direto ao ponto.

— Ash, eu preciso falar com Misty, ela já acordou?

— Ainda não, James.

— Preciso muito falar com ela algumas coisas antes dela partir com vocês.

— Vai contar a ela?

— Sim. — O dono dos cabelos azuis suspirou. Afinal, não sabia como ela reagiria, conversando e ensaiando com o mulato de Pallet como falar. Ele estava ficando nervoso, e, quanto menos queria, ela acordou.

*****

— Viram o Ash? — Serena perguntou preocupada. Ela procurara em todo o C.P ao lado de Clemont (ainda calado perto dela), Bonnie e Max até chegarem no refeitório, onde os demais degustavam um maravilhoso café da manhã.

— Bom dia também, Serena. — May respondeu calma e ao mesmo tempo saturada de tanto grude. A mesma soprou e engoliu o líquido escurecido de sua xícara de café.

— Serena, esqueça um pouco Ash, logo ele volta. Aproveita e conheça os amigos dele, são muito legais. — Bonnie disse com cautela, quando observou sua amiga queimar a coordenadora com os olhos. — Não é, Max? — A mocinha sorriu para o branco dos cabelos negros, que sorriu vermelhinho, deixando o dono dos óculos fundo-de-garrafa completamente enciumado pela irmã.

— Serena, por favor.

Clemont quebrou o silêncio de quase uma semana. A loira virou para o rapaz surpresa e com brilho no olhar, outrora apagado.

— Me acompanhe. Bonnie, vá tomar café, nos vemos depois.

— E vocês dois? — Brock perguntou por Bonnie, estando tão preocupado quanto ela.

— Não se preocupe, Brock. Voltaremos logo. — Recebendo o concentimento do mais velho, partiram para o fundo do CP, mais calmos.

— Esses dois, hein? — Rudy comentou. — De tanta ignorância e briguinha, no final acabarão juntos!

— Como a Misty e o Ash. — Brock novamente respondeu por alguém, mas dessa vez, falou pelos sardinhos pokeshippers do local. May, Dawn e Drew sorriram com a comparação feita pelo amigo mais velho, diferente do líder de Trovita, que tentou manter a calma num sonso sorriso.

— É como dizem... "Brock", não é? — O moreno de tirinhas fechou a cara para o moço, agora entendera o desprezo e raiva que Ash e Pikachu sentem deste cara.

As palavras antes ditas pelo roedor elétrico vieram em peso na cabeça do mulato só de olhar o nativo do arquipélago laranja.

— ...Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. — O ruivo se levantou teoricamente vitorioso

— Então, neste caso, Serena e Clemont jamais ficarão juntos, pois Ash e Misty vivem neste "chove não molha" há sete anos. — Brock sorriu de volta, apagando o cínico sorriso do ruivo, que, sem pedir licença, se retirou da mesa com sua irmã, que nada tinha a ver com o rolo, coitada.

— TURN DOWN FOR WHAT! — Max berrou para todo centro Pokémon ouvir, onde May, Dawn e Bonnie gritavam o "OOOOO!" entre muitas gargalhadas.

— Vocês são muito bobos! — O esverdeado comentou, terminando de comer. Ele mirou a jovem ao lado e ficou sem graça e triste. Não falava com May por causa do incidente na casa das Waterflowers.

Uma atitude diferente de Drew despertou a atenção de todos, incluindo vocês, e essa atitude se chama Quebra de Orgulho.

— May, se não for i-incômodo, gostaria de conversar à sós com você. — Drew se levantou, mirou as safiras que tanto gosta e estendeu uma de suas mãos para ajudar a morena a se levantar.

Após a saída da dupla, Dawn começou com os comentários bobos que faziam o moreno de Pewter e a pequenina de Lumiose rirem.

.

— Clemont, antes de tudo eu queria dizer que... — A loira olhou para baixo, suspirou, e o encarou novamente. — Olha, eu sei que você está bravo comigo pelo que eu falei, mas por favor, me perdoe, eu não disse na intenção de te ofender, mas para fazer Bonnie se calar. Por favor, me perdoe. — A moça, só agora, percebeu que o rapaz trajava uma nova vestimenta: calças jeans, tênis preto e camisa xadrez verde e preta.

O loiro, frustrado, ajeitou seus óculos, suspirou, e encarou as orbes marejadas pela tristeza. Sua frustração deu lugar à compaixão.

— Serena... Pára. — O comentário fez a loira encará-lo agora com maestria em entender vários nadas. — Chega. Parece uma menina mimada que só pára de chorar quando te dão as coisas que você quer!

— Como assim, Clemont?!

— Serena, fiquei mudo, não cego! Eu vi tudo, todas as suas reações perto do Ash e dos amigos dele. De como ficou desapontada quando ele afirmou lembrar de uma garota que sequer conhecemos, mas que foi a primeira acompanhante de viagem dele... — Serena encarou o rapaz engolindo a raiva, mas em contrapartida, liberando algumas lágrimas que se aglomeraram em seus olhos. — Eu percebi sua reação quando viu Misty pela primeira vez, agarrando Ash como se fosse propriedade sua. Coisa que não é!

— Mas não é dela também! — Serena passou pelo loiro, como estavam no canto do local, o líder de ginásio de Lumiose a puxou pelo braço, sem a machucar, e a prendeu contra a parede.

Atitude assim do loiro tímido é uma vez na vida, outra na morte.

— Eu não acabei de falar, e desta vez, você vai me ouvir. — A dona dos sedosos cabelos curtos e ondulados fitou, um pouco amedrontada, o rapaz que a encarava sério, há poucos centímetros de distância.

*****

— Acel, conseguiu achar os rastros dele? - Uma morena de cabelos lisos, pretos e soltos que batiam nos ombros perguntou aflita. Esta, com um boné na cabeça, trajava uma regata preta e uma jaqueta azul marinho de gola e mangas brancas, uma curta bermuda jeans e tênis vermelhos.

Eles estavam na rota que dava para Pallet. Um grupo de cinco pessoas, todos adolescentes. Pareciam que procuravam algo ou alguém.

— Calma, Jazz, Vamos encontrá-lo! — O rapaz, branco dos cabelos vaidosamente rebeldes e castanhos claros, outrora citado, abraçou a jovem, que logo após o abraço, sentou-se numa rocha que servia de banco e mirou uma das várias fotos dobradas que guardava numa pokébola comum: havia quatro pessoas na foto com um ginásio no fundo. Eram seus pais e seu irmão.

A menina lacrimejou ao lembrar do desaparecimento do irmão mais velho.

— Jasmine, pare de chorar!

— Isso aí, não fique desanimada! — Duas das cinco pessoas eram irmãs gêmeas, porém, sabiam que pelo menos uma delas pintou o cabelo, porque uma tinha o cabelo roxo, a outra, vermelho. Elas aparentavam ser as mais velhas do grupo.

— Yandra, Dandara! — A jovem abraçou elas.

— O almoço está pronto. — um jovem, que acabara de preparar o rango, tinha maturidade para ser o mais velho da turma. Observou a familiaridade do grupo e se juntou para degustar da maravilhosa sopa que havia feito com tanto esmero.

— Se o Professor Max estiver certo, Jason passará por aqui ou hoje ou amanhã. — O mesmo que preparou a comida quebrou o silêncio. Ele era branco, tinha cabelos espetados e tirinha nos olhos, mas quando queria, revelava suas orbes azuis, um traço típico de sua família.

— Thomas, estou torcendo para que o Prof esteja certo. Vamos ter que tirar aquele bracelete dele de novo e, de preferência, sem que nossos pais saibam de nossa existência. — Jasmine respondeu, mas olhava para a tigela, mirando a sopa sem muita fome.

— Jiggly? "Jazz?" — Jigglypuff, o mais querido e o primeiro Pokémon da garota. Por ser filha de um líder de ginásio e sucessora do mesmo, seu primeiro poke não necessariamente deve ser um dos iniciais de Kanto, mas sim aquele que gostar dela e este foi o caso.

Jasmine pegou o Pokémon no colo e o acariciou. Ela não o guarda na Pokébola como os demais.

— Calma, Ji. Vai ficar tudo bem.

— Estamos vinte e cinco anos no passado, e se a gente se encontrar com nossos pais, seremos considerados mais uns no mundo, a não ser que a gente fale quem somos. — Dandara, veterana no mundo dos coordenadores pokémon, sem ser uma top ainda, respondeu. — Tem uma equipe maléfica querendo nos destruir, o professor Clemont está desaparecido, desistimos de nossos sonhos para vir atrás de um amigo possuído por um bracelete do mal... está certa em dizer que VAI ficar tudo bem.

Se instalou um pressão clima.

— Quando ver nossa mãe mais nova que a gente, quero pregar uma peça nela! — Yandra, dona dos sedosos cabelos vermelhos depositou sua tigela no chão, observando seus migos.

A mocinha que abandonou o concurso de Rainha de Sinnoh para vir atrás do ruivo perdido respondeu bem alegrinha, dando um high five na mana ao lado.

As duas tinham dezoito anos de idade, assim como o possuído Jason. Thomas tem dezessete, Acel, dezesseis e Jasmine, quinze.

— Jazz, se você não comer, eu vou te amarrar naquela árvore ali e te proibo de procurar seu irmão! — Thomas ameaçou a jovem brincando, mas no fundo tinha umas meias verdades sim.

— Ver Jasmine sem comer como um snorlax dá até vontade de perder a fome! - Acel respondeu, depositando a louça suja numa pia improvisada por eles e entregou uma rosa a ela, achada magicamente.  — Pena que já comi tudo!

— Vocês são muito idiotas! Os melhores idiotas que já conheci! — Jasmine sorriu.

*****

May e Drew caminham calados, até acharem um lugar relativamente seguro dos amigos encrenqueiros, zoeiros e fofoqueiros.

— Drew... Eu sei que por causa do incidente a gente parou de se falar, mas...

— Shiii! — O esverdeado sussurrou para a morena, levando a pétala de uma linda rosa tocar seus lábios. — Esqueça isso. Só vamos voltar ao que éramos antes, vamos? Ser apenas os bons e velhos amigos e rivais.

May pegou a rosa, que mesmo não sendo tão enorme quanto as que Rudy dera, estas eram mais importantes. Ela resolveu abrir o jogo, lançar suas cartas na mesa da sinceridade.

@MingMoon: Já estava na hora!

— Não podemos ser como antes, Drew. — Ela sorria e olhava para a rosa. Não viu a cara de tacho dele, se visse, riria muito! Após um pequeno surto, May riu um bocado das perguntas dele como "O quê?!", "Por quê?!". — Eu...

" — Não desista! — A mini-May do bem torcia juntamente com a May do mal.

— Já que é pra tombar, tombei! "

@MingMoon: VAI, MAY!

@Você: VOCÊ CONSEGUE!

May imaginava aqueles "bichin de goiaba mental" torcendo por ela e via o esverdeado sorrir e dando sinal para progredir com o discurso.

— Eu gosto muito de você para ser apenas amiga! — A morena dos olhos safira sorriu vermelhinha — Depois do nosso primeiro beijo eu não paro de pensar em você! Mesmo com suas infinitas fãs, e sabendo que jamais chegarei ao nível de beleza delas, eu...! — May foi interrompida pelo rapaz que a abraçou forte.

— Elas jamais devem ser comparadas com você, por que sua beleza se destaca dentre a multidão. Eu gosto muito de você, May. E aquilo que rolou na casa das meninas nem foi um beijo! — O esverdeado a olhou sensualmente, a segurou pela cintura e tascou-lhe um beijão! Bem de novela e muito correspondido pela maluca que ia aos céus e voltava.

@Você: LOL

@MingMoon: \\(^w^)//

— Isso é um beijo! — Drew respondeu ofegante, assim como a morena, que, também ofegante, concordou.

— Eu não me importaria de dar mais desses em você! — Ela disse tão aliviada que surpreendeu o rapaz

— May! — Ele estava com os olhos bem abertos, estava vermelho. — Não sabia que você era dessas!

Sua expressão mudou para o lado mais malicioso da vida. Ela, por sua vez, ruborizou rude, rindo sem graça.

— Eu também não me importo de iniciar um relacionamento amoroso secreto com você! Só pra ninguém encher o saco no momento! — Drew deu um largo sorriso ao ver a May como um chibizinho de olhos brilhantes e enormes com uma boquinha toda fofinha como se quisesse gritar, mas sem voz, em resposta à sua proposta. — Mas vai depender da sua resposta.

— Drew, eu aceito! Claro que aceito! - Logo, selaram a abertura do namoro secreto com um beijo romântico, num lugar público, mas longe dos migos.

*****

— Serena, tudo que te falo é para seu bem, os amigos do Ash são muito legais, deveria conhecê-los melhor antes de julgar. Você parece que esquece que é doce e acaba se tornando arisca! Você está muito chata! É esse tempo que você passa com Miette... — O loiro e a loira estavam mais distantes e mais calmos. Serena deu seu ponto de vista, afirmou que May e Dawn a encararam primeiro, e que viu em Misty uma má influência para Bonnie.

— Elas não são confiáveis! — Serena aplicou seu dedo indicador sobre o peito do rapaz surpreso. Logo ele a mirou sorrindo.

— São sim, para Ash gostar de cada uma delas, é porque são confiáveis sim!

— Definitivamente não estou mais te entendendo, Clemont! Agora, com licença, devo alimentar a Sylveon. — A dona dos cachos loiros se mandou e deixou o loiro sozinho, que arrependera de ter quebrado seu silêncio.

Alguns segundos depois uma azuladinha de Kalos apareceu toda toda.

— Parece que alguém aqui têm um obstáculo amoroso! — Miette começou as provocações.

Clemont, mais esperto que antes, respondeu:
— Sim, esse obstáculo se chama "Misty" e impossibilita seu improvável relacionamento com Ash ou Rudy porque ambos são apaixonados por ela. — Miette fechou a cara quando ouviu a resposta do loiro. — Agora com licença, devo tomar meu café e me juntar ao pessoal. Até mais, Miette, divirta-se dando um tour em Cerulean! — O loiro caminhou pacificamente para dentro do centro Pokémon.

*****

— James?

— Misty, posso falar algo com você? É bem sério. — O azulado olhou para a ruiva, que por sua vez fitou o moreno, que portava a mesma expressão facial que o ex-Rocket, dando assim, créditos ao que James iria dizer. — Eu nem sei por onde começar... — Ele olhou de soslaio, tímido.

— Mostre as fotos para ela, James. — Ash deu seu papite, passando mais confiança para o homem do outro lado da maca.

Assentindo, James passou a contar sua história familiar para ruiva, que a cada frase e foto mostrada, ficava mais boquiaberta, ainda mais quando ele afirmou ser primo dela, e que o casal que estava no ginásio fazendo negócios era seus pais.

Quando James afirmou ter saído com Jessie da Equipe Rocket e que casariam, a moça parabenizou o velho novo primo. Ficou furiosa por suas irmãs esconderem isso dela e afirmou com todo ódio possível o quanto odeia pessoas que enganam ela.

Ash se sentiu mal, pois ele ainda não contou sobre o pai dela e tampouco da morte de seu poke favorito, então a abraçou, pediu perdão até ela o perdoar, o que demorou, já que ela não sabia o motivo. Ele apenas sorriu e disse que ela é a melhor.

James tomou a carta que recebera pela manhãzinha e deu para Misty ler, o que ficou bastante contente.

— Quer dizer que você vai assumir o ginásio?! — A felicidade dela estava tão na cara que nem dava para disfarçar! Ash ficou tão contente quanto ela! — Claro, né, se você aceitar! — a ruiva sorriu vermelhinha com vergonha.

James apenas assentiu.

— Acredito que Jessie não verá problema em morar por aqui. — Essa resposta afirmou a alegria dos dois jovens mais novos, sobretudo do moreno.

— Myst, você voltará a viajar comigo!

A ruiva confirmou, mas sobre a substituição em Kalos, ficou um pouco insegura. Ash, por sua vez, a animou, afirmando que batalharia contra ela pelo título de Mestre Pokémon.

Entre tantas comemorações, o azulado se despediu, dizendo que enviaria a resposta para a conferência dos líderes de Kanto e à sua futura esposa.

— Bom dia, senhorita Misty! Vim trocar as faixas do curativo! Apenas tome seu café primeiro. — Uma mulher simpática entregou uma bandeja com a refeição mais importante do dia para Misty.

— Já ia esquecendo, tome estes remédios, Myst! Vão te ajudar a melhorar. — O moreno de Pallet entregou dois comprimidos com um copo de água.

— Senhor Ash, por favor, pode me ajudar novamente? — A enfermeira sorriu para os jovens, que ruborizaram mais ainda quando lembrou da tarde passada e do Pikachu malandrinho.

Durante o café, Ash não se segurou, tinha que perguntar:

— O que você vai fazer com essa floricultura?

— Nem sei. Eu não vou levar nenhuma delas comigo. Que dispersivo de dinheiro! — Ash comemorou internamente por ter acertado o que ela acha disso. — Hmmm... — Pensou até uma lâmpada em formato de Pikachu se acender sob sua cabeça. — Enfermeira...?

— Alysson.

— Pega essas flores e dê um buquê para cada mulher enferma. E pegue um para você também, já que têm me ajudado muito!

— Que gentileza, senhorita Misty! Muito obrigado!

— Que ótima ideia, Myst!

— Pika Pikachu! "Concordo!"

Horas se passaram e tudo estava pronto: as bandagens, as mochilas, os remédios para os próximos dias...

Agora, do lado de fora do hospital...

— Ash, obrigada! — A ruiva sorriu. Ash, normalmente, entendeu muitos nadas, e perguntou o motivo. — Por deixar seus outros amigos e vir por mim.

O moreno ficou vermelho e tentou desmentir, para gargalhada da sereia de Cerulean

— E nem adianta mentir! Brock me ligou ontem e contou tudinho!

— "Brock, maldito! Você me paga!" — Ash xingava o moreno internamente.

Misty aproveitou o momento de bug no rapaz e o abraçou alegremente. O mulato, mais vermelho ainda, retribuiu o abraço caloroso e confortável.

— Myst, senti muito sua falta... — Ash falou entre sussurros inaudíveis para ela.

Ainda sem se desprender do gostoso abraço, o moreno de Pallet faz uma vídeo chamada para o Moreno de Pewter, que estava com uma galerinha no CP.

— Oi Brock!

— E aí, ruivinha! Pikachu! Fala, grande amigo!

— Pika! "Oi!" — Pikachu teve de pular para aparecer na tela.

— Hey, Brock! Espera pela gente na entrada do Centro Pokémon, reúna todos aí!

— Ok. Mas todos mesmo, Ash? — Brock perguntou e sorriu, observando o moreno com cara de poucos amigos.

— Todos menos Rudy! — A careta do rapaz fez Misty e Brock rirem, foi então que o médico Pokémon reparou na forma que os dois estavam: abraçados, de modo que ambos aparecessem na tela do celular.

— E vocês dois, hein? Hmmm! — Brock sorriu junto com Pikachu, e o casal vermelho não viu outra opção a não ser desmanchar o abraço.

— Cala a boca, Brock! Nós já estamos indo, vamos passar no ginásio para pegar algumas roupas minhas e... — A própria deu um tapa na testa. — Caramba! Com o ginásio destruído eu perdi tudo! Até as roupas!

— "Não me importaria de vê-la sem elas... "— Ash pensou e sorriu. Depois de ver a duplinha maravilha da amiga, ele nunca mais foi o mesmo. — Daremos um jeito nisso, Myst. Agora vamos desligar, Brock. Se cuida!

— Digo o mesmo para vocês e vigiem! Ash, não esqueça de usar a roupa de baixo!

— Eu já estou de cueca, Mãe, não se preocupe! ㄱ_ㄱ

— Quem falou de cueca, mano, estou falando de camisinha! — O alto gargalhou ao ver os do outro lado da linha ruborizarem muito mais. Misty ficou muito encabulada e com raiva.

— BROCK, SEU PERVERTIDO! QUANDO EU TE VER EU VOU...!

— Tô passando pelo túnel, tchau!

O celular desligou. Ash e Misty se encararam vermelhos, mas logo foram interrompidos por uma mulher loira e muito bonita chamando a ruiva pelo nome.

— Toma, Misty. Leve estas roupas com você. — Dayse entregou uma sacola que a ruiva colocou na mochila e saiu sem dizer mais nada, apenas olhou para Ash preocupada.

E assim partiram para o Centro Pokémon, onde as saudações pessoais foram feitas fora da grande estrutura. Estava tudo interessante: Os surtos de May sobre Misty e Drew para tentar controlá-la; Bonnie dizendo "Se já não tivesse dois pretendentes no seu caminho, pediria para se casar com meu irmão!", deixando Ash e Misty vermelhos e Rudy com um sorriso confiante; Estava tudo legal, menos a saudação de Serena que exitou ao apertar a mão da ruiva e de Rudy, que, de acordo com o moreno de Pallet, foi desnecessária, junto com as outra dúzia de buquês de rosas estocadas numa sala-depósito do centro Pokémon para dar a ela em instantes.

— Misty! Querida Misty! Logo chegarão as rosas mais belas que cultivei em meu coração perto de ti, contudo, nenhuma delas se comparam com sua beleza infinita! Oh, Misty, me perdoe pelas tulipas... Não foi minha intenção destratá-la!

— Eu te perdoo, Rudy. — Misty disse sem jeito. Ficava cada vez mais desconfortável quando Rudy segurava sua mão.

Ash observava tudo e gostou nada disso. Sabendo que Misty não gostava de pimenta por causa de outra alergia (N/A: primeiro ou segundo episodio da vida de Pokémon, bem na primeira temporada, a mocinha diz não gostar de cenoura, pimenta e insetos, então, vamos considerar uma alergia!), decidiu perguntar para Marie onde as rosas vermelhas estavam e saiu rapidamente para atacar o condimento ardido em pó em cada pétala dos muitos buquês.

— "Vamos ver quem vai se dar mal!" — o Ashzinho do mal sorriu juntamente com o jovem e seu Pikachu.

Retornou correndo, a tempo de observar cada detalhe da cena.

O resultado desastroso, claro, garantiu à mula de Pallet umas boas gargalhadas junto com seu melhor pokémon, claro, na surdina.

— RUDY! Atchim! Atchim! TOMA ISTO! — A ruiva jogou o buquê que segurava no rosto, voltando a ficar perto do treinador mais famoso dos animes. — Vem, Ash! — Misty puxou o homenzinho pela mão, entrando no CP.

@MingMoon: E não se misture com esta gentalha!

Serena não curtiu muito não.

O ruivo de Trovita entendeu vários nadas, cheirou as pétalas e viu nada, só observou o erro que não estava certo quando sacudiu o buquê e viu um pózinho preto caindo no chão. A mando do mesmo, seus funcionários chacoalharam as rosas, e de todas, caíram o mesmo pó negro.

Max levou sua mão e pegou um pouco. Estando sem cheiro, levou à boca.

— É pimenta do reino! Ai! Tá queimando! — O menino ficou correndo em círculos, preocupando Bonnie e Marie.

— MOLEQUE IDIOTA! ISSO QUE DÁ POR TUDO NA BOCA! — May gritava com fogo nos olhos, ela sabia que tudo que acontecesse com Max seria culpa dela, mas se ela o matasse, não iria se arrepender.

Max não conseguiu encarar "Mayarados" e correu atrás de Drew e Dawn pedindo socorro.

— Ih, se vira, Max, eu não te defenderei de sua irmã. — Drew cruzou os braços e impinou o nariz. — Não quero apanhar também.

— Estou de mãos atadas, Max! — Dawn comentou, ficando atrás de Clemont, tocando nos ombros do mesmo. O loiro, tadin, ficou vermelho.

— TENHA PIEDADE, MANA! ME DÊ SEU TODDYNHO!

— NÃO! BEBA ÁGUA!

— MAS ÁGUA ESPALHA!

— BEM FEITO! — May gritou mais alto, acertando o recipiente de achocolatado vazio na cabeça do caçula.

Max continuou gritando feito louco. Bonnie correu até ele e o entregaria a bebida láctea favorita "das pirralhada"...

@MingMoon: E minha também!

@Você: E minha!

... Mas Marie empurrou a loirinha e entregou para o branquelo dos negros cabelos, bebendo tudo. Ele agradeceu e perguntou porque Bonnie estava no chão. Ela fitou a ruivinha com raiva, logo o encarou com vontade de chorar, então se levantou e correu para o quarto que dividia com Serena.

Clemont e May não gostaram da atitude de Marie. Pelo jeito, era de família.

— É... Pelo jeito Max vai ser tão idiota quanto o Ash... — Rudy comentou quando observava sua irmã e o pigmeu entrarem também. — Cuidado, Clemont, pelo visto ser um idiota na área amorosa é uma doença.contagiosa! Hahahaha!

O ruivo entrou também, o líder de Lumioss rangeu os dentes, frustrado.

O pessoal estava se preparando para começar a sair rumo à Pallet.

.

—  Myst, se acalma, respira fundo.

— Atchim! COMO POSSO ME ACALMAR SE EU ODEIO ESPIRRAR! Atchim!

Ela arrastou o rapaz amedrontado até a recepção do CP, relatando para enfermeira sobre a alergia.

— Oh, por Deus. Venha usar um antialérgico agora!

A jovem foi levada ao quarto do rapaz do Pikachu, que dividia com o moreno dos traços orientais, a enfermeira chamava sua Chansey para ficar em seu lugar enquanto pegava a medicação e levava ao quarto.

Assim que tomou o remédio, a respiração voltou ao normal.

— Está melhor? — Ash olhava a mocinha.

— Sim. — Ela estava sentada enquanto observava seu melhor amigo guardar seus pertences na mochila. — Conversamos tanto que nem te perguntei sobre os Pokémon que existem em Kalos... — Misty admirou a luz do sol bater no belo sorriso incontido do rapaz. — Então Ash, capturou muitos pokémons diferentes por lá? — Misty perguntou a ele.

— Sim Misty. — Ash agora falava olhando a menina. — Capturei um Greninja, Talonflame, Goodra, Noivern e um Hawlucha. — O mesmo sorriu ao observar a caatinga de surpresa dela. — E você, como tem ido no ginásio?

— Ah Ash, ser líder de ginásio é nada fácil! Antes eu pensava que nossa única obrigação era batalhar... mas percebi que poxa muita responsabilidade! É conseguir insígnias, treinar duro os Pokémon, batalhar pelo menos quinze à vinte vezes por dia de segunda à sexta... — Misty suspirou em cansaço — Mas quando se acostuma com a correria, não consegue se ver fazendo outra coisa!

— Então desistiu da ideia de ser mestre de pokémons aquáticos? — Agora Ash se sentou ao lado dela, a olhando.

— Nunca! Sabe muito bem que não sou de desistir, Ketchum! Mas já não é minha prioridade.

— Então você ainda é minha rival! — Ambos sorriram pela resposta. — E seus Pokémon? Como eles estão no quesito "comportamento"?

—Melhor que nunca! Agora o Gyarados me obdece o que é ótimo, ele se tornou meu pokemon mais poderoso. Além do lança chamas dele, uso a Hidro Bomba também e as batalhas estão acabando mais rápidas! — Misty fala fazendo uma pose de vencedora, para graça do mulato.

— Hehehe, para mim, o Greninja foi meu pokémon mais forte de Kalos. Um de seus ataques mais fortes é o Shuriken de Água que é um ataque de água diferente, ele também pode usar o Agilidade e o Cortar.

— Que fofo! *-* Quer dizer que além de ataques aéreos, Greninja é também um tipo aquático? — Seu melhor amigo assentiu.

Ash sentia saudades da amiga louca por todos os Pokémon aquáticos. Mal podia esperar para se enfiar numa floresta para ouvir os berros estéticos dela por ver um Pokémon inseto.

@MingMoon: Que desejo esquisito!

— E essa Shuriken de Água como que é? — Misty pergunta curiosa.

— Ah Misty, peraí que eu te mostro, Greninja eu escolho vo...!

Imediatamente Misty bota uma mão na pokebola de Ash e a outra na boca dele e fala:

— Seu doido tá afim de explodir o quarto, usando um ataque?! — Misty o encara. Era olho no olho.

Verde azulado no castanho mel.

— Só você mesmo! — Ela se vira vermelhinha, soltando o que segurava.

— Ih, é, esqueci deste detalhe! ^^' — Ash fica um pouco sem graça.

@Você: Até eu ficaria!

Ash segura as mãos da ruiva. Parece que a ficha não caiu ainda, que eles voltariam a viajar.

— B -bem, vamos? — Misty diz mais vermelha ainda.

— Vamos. — Ash confirma ruborizado também e os dois vão saindo do quarto, preparados para embarcar à pé nesta nova aventura!

*****

— Será que ele não chegará hoje?  — Perguntou a ruiva quando ouviu o Poképhone tocar.

Ao atender, apenas ouvia e via o homem meio abatido.

— Amor, desculpe minha demora,mas quando cheguei em Kanto eu deveria ir à conferência dos líderes de ginásio...

— Está tudo bem, Giovanni. Está tudo bem. Venha, estou te preparando sua comida favorita. Logo, logo nosso filho e seus amigos chegarão. — O homem sorriu com a notícia.

Assim que terminaram de conversar, desligaram. A mulher pegou uma grande caixa colorida e decorada com tecido, dentro dela, várias bolas de lã, com diversas cores. A mulher desatou a tricotar sapatinhos de bebê apenas como hobbie.

Toques na porta foram ouvidos, era Tracey com seu caderno de desenho, pedindo para que Mr. Mime o acompanhasse pois um Mime Jr. apareceu ferido e, talvez a companhia de alguém da mesma espécie o ajudasse a se recuperar mais rápido.

— E sua amiga, Tracey? Ainda está por aqui?

— Ah, não. A Jay se foi, mas logo faremos uma festa semana que vem, será a comemoração dos 75 anos do laboratório dafamília Carvalho. Ela estará conosco, assim como Ash e os demais! Gostaríamos de convidá-la para estar conosco.

— Ah, sim, irei com toda certeza! Terá problema do meu marido ir comigo também?

— Claro que não! Pode trazê-lo! Quanto mais gente, melhor! — O rapaz gentilmente sorriu, agradeceu pelo "empréstimo" do Mr. Mime e se despediu.

— Hey, Tracey! Espera! Pode me responder uma coisa?

— Claro, senhora Ketchum.

— É Délia! — A jovem senhora sorriu. — Como está o professor? Não o vi, está acontecendo alguma coisa?

O tom de preocupação nela afetou ele. O desenhista sabia que o velho professor estava mal, o contara da briga que tiveram.

— Bom, dona Délia... Eu não irei mentir. O professor ficou bem chateado dá briga que teve com a senhora. Não sei o que aconteceu, mas acho que se conversar com ele tudo estará resolvido. — O desenhista sorriu e se voltou para o trajeto que estava cursando.

Délia já sabia o que fazer.

*****

— Mas já marcaram o casamento?! James! Conheci sua noiva há poucos dias! Nem sei se ela tem o requinte necessário para ser uma Naragatsu!

— Mãe, de uma vez por todas: Não estou casando para ter o status de "casado rico da sociedade"! Casarei com Jessie porque a amo, e se no dia do casamento civil a senhora não aparecer, nem venha me importunar para casar numa igreja! — As  duras palavras do filho através do telefone fixo enchiam a mãe de nojo.

Não suporta esse lance de "amar sem dinheiro". Tentou diversas vezes na mesma ligação incluir as qualidades de Jessebelle, mas James de todas recusou.

— Além do mais, assim que o ginásio de Cerulean estiver reconstruído, eu serei o novo líder dele, logo não ficarei nesta casa por muito tempo.

— Que insolência! Deixamos o ginásio com seu tio Michael e sua falecida tia Kimberly para as filhas deles cuidarem daquele chiqueiro dágua! Onde está seu juízo, James? Até suas primas mais velhas tem mais ideais de socialyte do que você! E olha que elas não foram criadas da mesma forma chique do que você.

— Chega, mamãe! Basta! Devo desligar, estou cansado. Melhoras e tchau.

O telefone, que estava sendo grampeado por uma mulher que apenas ouvia no outro aparelho localizado no outro lado da sala de estar estava tão raivosa e revoltada quanto a mais velha, foi guardado em seu devido lugar e as mulheres retornaram para suas poltronas com flores vintage cor vinho com almofadas da mesma cor, porém sólida.

— Não se preocupe, sogrinha! Com meu plano imbatível, eles vão se separar antes do casamento! — A ruiva tomou de sua xícara de chá.

— Quando, norinha? Estou impaciente...

— Um amigo meu dará uma festa pelo quinquagésimo aniversário do laboratório onde trabalha. Se James assumir Cerulean, ele estará automaticamente convidado, assim como todo líder de ginásio.

— Interessante! Muito interessante! E onde será dado a festa?

— No rancho do laboratório, em Pallet.

— Pallet? Que cidadezinha mais rural! Eu que não vou! Deus que me livre! Agora, me conte mais sobre seu plano!

*****

@Você: Po, Ming, eu queria saber do plano!

@MingMoon: Jessebelle contará para ela, não para você! HUAHUAHUAHUAHUAH!

@Você: Mala!

*****

— TODOS PRONTOS?

— Estamos, capitão! — Bonnie recuperada e magoada respondeu junto de May e Dawn.

— EU NÃO OUVI DIREITO!

— ESTAMOS, CAPITÃO! — Novamente as três gritaram para o dono animado do Pikachu.

@Você: OOOOOOOOOO! Vive num abacaxi e mora no mar...!

@MingMoon: Mano, não se distraia! Volta pra Pokémon, volta.

— Ash, chega de boiolisse! — Misty captura o roedor elétrico e sai correndo, Ash vendo isso correu atrás dela.

Os outros não se viram na opção que estavam por fazer: correr atrás de dois idiotas secretamente apaixonados.

Pikachu, o segurador de velas, pulou fora de Misty quando viu seu mestre a segurar pela mão e correr mais ainda.

— Myst, vi um Caterpie ontem e queria te mostrar!

— ME SOLTA, ASH! ESQUECEU QUE ODEIO ESSE BICHO ASQUEROSO! — A falha tentativa de Misty se soltar foi motivo de gargalhar loucamente para Ash.

— BRINCADEIRA SUA TONTA! — Gargalhou mais alto.

— AAAAASH!

Narrador tradicional: E assim toda a turma parte para a floresta de Pallet, rumo à casa do amigo para saber da surpresa que Délia tinha para nos dar. Tudo isso e muito mais em Dois Corações, a fanfic mais Vid4L0k4 de Pokémon, com muita treta por vir.

@MingMoon: Continua no próximo kapi!

@Você: Vou deixar meu heart aqui para acompanhar até o fim!

@KBlader: Essa parada Que o @Você disse por "livre e espontânea vontade" se chama "mensagem subliminar", Ming.

@Emanoel2711: Eu diria nada, mas já que tocou no assunto...

@MingMoon: CALADOS!

A bipolaridade de MingMoon amedrontou os co-autores e você que está lendo.

@MingMoon: Tchau, gente!

@Você, @KBlader e @Emanoel2711: Até mais!


Notas Finais


O que vocês acharam? Gostaram? Comentem! Acham que podemos melhorar? Comentem! Curtiram os @Alguém? Comentem!

Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...