História Dois Lados - Capítulo 8


Escrita por: ~

Exibições 199
Palavras 1.642
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa Leitura!!!

Capítulo 8 - Meu celular sumiu!


Fanfic / Fanfiction Dois Lados - Capítulo 8 - Meu celular sumiu!

UMA SEMANA DEPOIS...

- Você deveria ser considerado o maior traidor da Alemanha! - sorri abraçando Mario.

- Vou sentir falta de vocês! - ele disse abatido.

- Também sentiremos sua falta! - minha Mãe disse já emocionada.

- A Ann não veio mesmo... - Mario estava visivelmente decepcionado.

A questão era que Ann não conseguia entender porque ele resolveu mudar de time uma hora para outra e sem ao menos deixar a mesma ir junto. Eu sinto que ela estava disposta a larga toda sua carreira para ficar ao lado dele.

- Pra ela está aqui só depedia de
você.

- Não é tão simples Olívia... Eu não podia deixar ela sacrificar a carreira por minha causa! - ele disse desapontado.

- Isso não justificou vocês interromperem um amor tão intenso!

- Tá agora deixa eu ir indo antes que me bata um arrependimento. - falou indo em direção ao táxi.

Mario era um dos meus melhores amigos e saber que daqui pra frente ele viveria em outra cidade me partia o coração.

- Tchau seu bobo! - acenei com às lágrimas escorrendo.

- Até em breve! - acenou pela janela do táxi.

- Ele é um rapaz muito legal! - Mamãe  me abraçou.

- Sim.

Naquela manhã depois da despedida de Mario. Passei horas falando com Cris, que já estava em Madri com sua família.

- Conversando com quem? - Papai disse entrando de surpresa em meu quarto.

- O senhor podia ter batido na porta
né! - desliguei o celular.

- Não importa! Eu só quero saber com quem você estava falando? - perguntou mais nervoso ainda.

- Pai eu tenho a minha privacidade!

- Pois saiba que enquanto viver debaixo do meu teto, você me deve
explicações! - ele sabia como humilhar as pessoas.

- O que está acontecendo aqui? Eu não acredito que já estão brigando novamente! - Mamãe entrou no quarto.

- Não se meta Melina! - ele foi rude até com ela.

- Eu não sou um dos seus jogadorzinhos que o senhor põe no cabresto! - sorri irônica.

- Menina não brinca comigo! - ele sugurou forte em meu braço.

- Vai. Me bate! - pedi segurando as lágrimas.

- Solta ela Joachim! - Mamãe se meteu em minha frente.

- Vou pra casa da Lisa! - peguei minha bolsa e saí.

(...)

- O que houve Liv? - Lisa disse assim que abriu a porta.

- Me deixa ficar aqui? - pedi limpando as lágrimas.

- Claro! - ela me deu passagem.

- Lisa meu Pai está pasando de todos os limites. - sentei no sofá.

- Amiga você sabe como o Joe é... Ele acha que as  coisas tem que ser do jeito dele! - Lisa disse me abraçando.

- Ele só faltou me por pra fora de
casa! - começei a chora novamente.

- Você não quer ficar essa noite aqui para por as idéias no lugar? - sugeriu me entregando um copo com água.

- O Thomas não vai se importa?

- O Thomas vai acha o máximo isso sim! - sorriu lembrando do marido.

- Então eu fico! - sorri.

- Vamos então fazer um jantar para ele? - perguntou.

- Sim, mais tem que ser macarronada, é a comida favorita daquele magrelo! - falei e Lisa me mostrou a língua.

Seguimos para a cozinha. Eu fiquei na preparação do molho e Lisa na da massa.

- Amor cheguei! - escultamos um grito vindo da sala e claro que era o do desesperado do Müller.

- Estou na cozinha! - Lisa respodeu e eu fui me esconder na área de serviço para dar um susto nele.

- Que cheiro bom é esse minha
amada? - ele chegou abraçando Lisa por trás.

- Macarronada! - sorriu empurrando ele.

- É por isso que eu te amo sua linda! - ele lascou um beijão nela.

- Me arrumem um remédio para diabetes porque acabei de vira com toda essa melação de vocês! - sorri fazendo cara de nojo.

- MINHA OLÍVIA! - ele "pulou" em mim assim que entrei na cozinha.

- Thomas você é magrelo, porém, pesado! - sorri, empurrando ele.

- Que surpresa você aqui na minha casinha! - ele me abraçou de lado.

- Vamos jantar? - Lisa disse pegando os pratos.

- Vamos! - respondi puxando Müller para a mesa.

(...)

- O jantar estava ótimo! - comentei assim que sentamos na sala.

- Realmente, comi muito! - Thomas disse se jogando no sofá.

- Ann tá convidando a gente para ir a um barzinho! - Lisa disse mostrando a mensagem no celular.

- Ela sabe que estou aqui? - perguntei.

- Sim, avisei ela!

- Então vamos lá tomar uns drinks! - Müller que já estava todo empolgado disse.

- Tá vamos! - eu e Lisa falamos juntas.

Ann havia mandado o endereço do bar por mensagem e como não era tão longe fomos a pé mesmo.

- Até que fim chegaram! - Ann veio ao nosso encontro.

- Andamos muito para chega até aqui! - Thomas bufou.

- Não exagera Thomas! - revirei os olhos.

- Tá, entrem logo! - Ann já estava levemente alta por conta do álcool.

O bar era temático. Aquela noite era somente músicas eletrônicas.

- O que o Mats tá fazendo jogado naquela mesa? - perguntei me aproximando dele.

- Cathy você não... Vale nada! - ele parecia está muito alcoolizado.

- Mats sou a Olívia e não a Cathy! - bati em seu ombro.

- Olívia me tira daqui... - pediu babando e todo molhado de vodka.

- Cara você passou da conta! - falei tentando levanta-lo.

- Ta precisando de ajuda? - Thomas se aproximou.

- Ele tá bem mau, vou levá-lo em casa e volto!

- Te ajudo a carregar ele até no táxi. - Thomas segurou Mats, enquanto eu ligava para um.

- Gente a Ann também tá muito
bêbada! - Lisa disse segurando a doida da Ann, que nem em pé tava se aguentando.

- Amor vou só deixa o Mats no táxi e já volto para ver o que fazemos com
ela! - Müller disse.

- O táxi chegou, vamos! - falei caminhando em direção a saída.

- Obrigado Thomas, agora deixa que eu me viro com esse bêbado aqui. - sorri apontando para Mats.

- Cuidado e quando estiver voltando me liga! - alertou- me assim que entrei no carro.

- Pode deixa! - sorri e o motorista deu partida.

Mats pegou em um sono pesado. Chegamos na casa dele, paguei o táxi e com a ajuda do motorista consegui tira ele de dentro do carro.

- Que palhaçada é essa!? - Cathy que estava com a maior cara de sono, perguntou ao abrir a porta.

- Seu marido resolveu tomar todas e esqueceu de te avisar! - revirei os olhos.

- Tem certeza? Ou vocês dois estavam juntos e agora que já se "divertiram" você resolveu esfrega na minha
cara!? - ela disse vermelha de ódio.

- Garota olha bem pra mim e ver se eu tenho cara de quem tem casinho com hemem casado! - sorri de ver o quanto Cathy tinha uma mente enpoclita.

- Você não passa de uma vadia! - apontou o dedo na minha cara.

- Eu não vou ficar ouvindo ofensas de pessoas ingratas. - empurrei Mats para os braços dela e saí em seguida.

(...)

- Péssima noite essa minha hein! - resmunguei assim que cheguei na porta da casa de Müller.

- Porque não ligou!? Ficamos preoculpados! - Müller atedeu a porta meio zangado.

- Desculpa, nem lembrei!

- Liguei e seu celular chamou
que caiu! - falou.

- Deixa eu ver se descarregou! - abri minha bolsa.

Revirei a bolsa e não achei o celular.

- Que foi? - Thomas perguntou vendo meu despero.

- Meu celular sumiu! - falei revirando mais uma vez minha bolsa.

- Fala sério?

- Tou falando sério!

- Cara, será que você deixou no táxi?

- Fala isso nem brincando!

Não teve jeito, perdi mesmo meu celular.

- Ann tomou um calmante e durmiu! - Lisa desceu as escadas.

- Olívia perdeu o celular, amor. - Thomas disse.

- Tem certeza?

- Absoluta! - respondi suspirando cansada.

Realmente aquela não era uma boa noite para mim.

(...)

DIA SEGUINTE...

P.O.V.S Cathy

- Cathy para de fazer escândalos! - Mats pediu calçando as chuteiras.

- Olha que se eu descobrir que você está me traindo e ainda por cima com a filha do Joachim... - suspirei - Eu mato vocês dois!

- Para de loucura que eu nem lembro de nada! - Mats consegue sempre me tira do sério com esse jeitinho calmo dele.

- Aquela vadia ainda me paga!

- Chega. Deixa a menina em paz! - falou agora mais sério.

- E você ainda defende a sua amante!

- Quer saber, fica aí com essa tua paranóia, que eu tenho mais o que fazer! - saiu batendo a porta.

- Idiota! - gritei tacando um vaso de platas no chão.

- Dona Cathy a senhora está bem? - a empregada disse vindo ao meu encontro.

- Não é da sua conta! Agora limpa essa bagunça aí! - falei subindo as escadas.

Mats não perde por espera.

Tomei um banho bem relaxante. Em seguida fui escolher uma roupa bem elegante.

- Dona Cathy? - bateram na porta.

- Fala logo menina!

- Eu encontrei isso lá no Jardim! - era um IPhone dourado.

- Me dá isso aqui! - tomei de suas mãos.

liguei o tal aparelho e a foto da Olívia apareceu na tela de fundo.

- Então, a senhora já sabe se esse celular tem dono?

- O que você ainda está fazendo aqui na minha frente, some criatura! - ordenei e a mesma saiu correndo.

Muita sorte esse celularzinho cair justo em minhas mãos.


Notas Finais


O que vocês acham que a Barbie falsificada vai fazer com o Celular da Olívia? Digam aí nos comentários, quero saber.

Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...