História Dois Mundos - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Taegi
Exibições 290
Palavras 3.260
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Nunca tenho nada pra escrever aqui em cima então, como sempre boa leitura.

Capítulo 2 - Capítulo II


Fanfic / Fanfiction Dois Mundos - Capítulo 2 - Capítulo II

  Já estou no meu carro indo direto para a escola, estou um pouco (muito) atrasado hoje. Eu fiquei até tarde ontem preparando as minhas aulas de hoje que fui dormir tarde, que nem o despertador conseguiu me acordar.
  Cheguei na escola desço do carro rapidamente, e em passos rápidos e largos vou pra minha sala que exatamente a do segundo ano. Eu dou aula pra eles quatro vezes na semana sendo duas vezes no primeiro horário e duas vezes no último, e o único dia que eu não dou aula pra eles é na quarta ou seja amanhã.
  Chego na minha sala e todos já estão sentados aguardando, que milagre é esse deles não está conversando ou quase destruindo a sala? Eu juro que estou estranhando eles ontem e hoje, acho que eles foram trocados.
  -Bom dia turma. Disse colocando minhas coisas em cima da mesa.
  -Bom dia. Todos disse juntos. Eu estava procurando meu livro dentro da minha pasta, eu juro que estou entrando em estado se desespero com medo de não tê-lo trazido hoje. Pode parecer besteira mais eu nunca, nunca mesmo esqueci algo, isso me faz achar que eu sou desorganizado, e eu não quero nem chegar perto de parecer isso.
  -Não acha que está um pouco atrasado professor?. Nem precisei olhar pra saber quem era, eu sabia que ele iria comentar algo, ele não consegue ficar quieto mesmo. Achei meu livro, fui para frente da mesa, comecei a folhear o livro em busca da página que eu havia marcado ontem.
  -Eu sei que estou atrasado, não precisa me dizer o óbvio. O encarei por breves segundos, depois voltei a minha atenção para o livro novamente. -Abram seus livros na página 90. Todos pegaram seus livros e abriram. -Quem quer ler hoje?. Jimin levantou a mão, ele é o amigo do Taehyung mais diferente do mesmo ele é estudioso e sempre presta atenção nas minhas aulas, e ainda por cima só tira notas altas, realmente um bom aluno, acho que ele deveria ensinar o amigo dele a ser igual a ele, iria ser de ótima utilidade para mim.-Pode ler Jimin.
  -Se sou amado
   Quanto mais amado
   Mais corresponde o amor.
   Se sou esquecido
   Devo me esquecer também
   Pois o amor é feito de espelho
   Deve ter seu reflexo.
  -O que vocês acham que isso significa?. Perguntei passando o olho pela sala, Tina levantou a mão, eu assenti com a cabeça pra ela começar a falar.
  -Eu acho que ele está querendo dizer que o amor tem que ser igual para as duas partes, igual o reflexo do espelho.
  -Sim mais ainda falta algo na resposta, mais alguém?. Jimin levantou a mão. -Pode falar Jimin.
  -Ele está dizendo que as duas pessoas tem que ser igual, por isso cita o espelho, mais ele está dizendo isso pra ele não sofrer, porque se uma metade segue em frente à outra também tem que seguir, pois se uma continuar lá ela irá acabar sofrendo, e isso não será o reflexo, igual ele cita. Meu queixo caiu no chão porque eu não esperava isso do Jimin, não que ele não seje inteligente, como eu já citei anteriormente ele é, mais não nesse nível, de conseguir interpretar um poema desse jeito. Eu realmente tô literalmente de boca aberta.
  -Parabéns Jimin está correto. Eu disse me recompondo desse pequeno baque temporário que eu tive.
  -Então isso tudo pra dizer que o amor é igual para as duas pessoas?. Tina perguntou.
  -Basicamente. Respondi e ela pareceu ficar pensativa.
  -Isso significa que o amor é igual para as duas metades mais o sofrimento também pode ser, não é só porque ele seguiu em frente que não esteja sofrendo ainda, e a outra metade achando que ele se foi tenta ir também, mais no final os dois podem estar sofrendo igual. Vou falar, desde que eu comecei a dar aula nessa escola, que foi no começo desse ano o Taehyung sempre, sempre mesmo conversava, me respondia e me desobedecia. Mais eu não sei o que deu nele ontem e hoje pra ele começar a conversar mais dessa vez sobre o assunto e ainda por cima discuti-lo e com argumentos que estão me deixando sem respostas plausíveis. Eu juro que está me deixando agoniado.
  -Como diz o poema, o amor é feito de espelho e tem o seu reflexo. Foi o que eu conseguir pensar nesse momento, eu não pensei que Taehyung algum dia iria me deixar sem resposta. Eu só olhei pra ele e vi o mesmo sorri, um sorriso que diz eu venci. Aí que raiva disso.
  Depois disso a aula seguiu normalmente, eu passei matéria no quadro e expliquei o conteúdo. Logo após a matéria passei um trabalho para cada um fazer individualmente. O trabalho consistia em cada um fazer um poema, do assunto de seu interesse e recitá-lo na frente da turma. Não é uma coisa tão difícil assim.

_____

  O sinal bateu e todos começaram a juntar seus materiais para sair, eu me sentei em minha mesa já que agora eu não tenho aula pra dá, como posso dizer é um horário vago.
  Vi que todos tinham saído, eu comecei a pensar no que o Taehyung disse, ele tem razão de certa forma. O amor é uma coisa boa porque se fosse tão ruim assim nós não amávamos nossa família, mais tem seu lado ruim porque nós podemos acabar sofrendo com ele. Aí eu juro que entrei em uma confusão interna agora, que eu não sei exatamente o que pensar.
  Resolvo afastar esses pensamentos me levanto pego minhas coisas e vou, pra qualquer lugar, já que agora é o meu horário vago e eu já estou com todas as aulas prontas, então não tenho nada pra fazer.
  Vou caminhando lentamente até o pátio da escola, digo onde não tem ninguém a não ser as árvores e o canteiro de flores, não sei exatamente qual é o nome.
  Chego por lá e me sento de baixo de uma das árvores. Coloco minha pasta no chão e apoio minha cabeça no tronco da árvore, fechando os olhos em seguida. Consegui sentir o vento um pouco frio bater em meu rosto e bagunça meus cabelos, é uma sensação boa até mesmo relaxante.
  Abri meus olhos peguei minha pasta e tirei de lá um livro. Eu gosto de lê, além de distrair a mente faz a gente imaginar coisas e pessoas em determinado lugar e hora. Eu gosto disso de me perder no mundo da leitura.
  Abri o livro na página que parei, quando iria começar a ler, um pouco longe do lugar onde eu estava, eu consegui ver Taehyung, ele estava sentado no chão, com a cabeça apoiada na árvore, estava com os fones de ouvido e se eu consegui enxergar bem ele estava de olhos fechados. Eu poderia muito bem ir lá e questionar o porque dele está matando aula, mas isso irá gerar mais bagunça e conversar na minha aula ou até mesmo ódio da parte dele, e eu não quero isso então vou deixar pra lá, fingi que eu nem vi ele ali. Coloco o livro em frente meu rosto e começo a ler.

_____

  Sou obrigado a largar meu livro quando ouço o sinal tocar, guardo ele na pasta e me levanto rapidamente. Como a escola é bem grande eu apresso meus passos pra não chegar atrasado na minha sala novamente. Felizmente deu tudo certo, cheguei e ainda tinha alunos entrando, prontamente espero, quando estão todos ali começo a minha aula.

_____

  Minha aula acabou e eu fiz o mesmo que na outra turma, passei o trabalho pra eles fazerem o poema. Posso dizer que eu estou realmente animado com a idéia de eu ler um poema feito por eles, chego a dizer que até um pouco ansioso, pra que chegue semana que vem, que foi quando eu marquei a data da entrega.
  Agora e o intervalo e eu estou indo, para a sala dos professores, como de costume. Chego na mesma e me sento no mesmo lugar de sempre. Pego uma xícara de café e começo a comer. As moças que trabalham  aqui na cantina da escola, na hora do intervalo elas sempre vem e trazem um lanche para os professores. E posso dizer que é muito bom.
  -Bom dia Yoongi. Admito que me assustei um pouco, pois não vi ele se sentando ao meu lado.
  -Bom dia Jin. Sorri pra ele sem mostrar os dentes. Kim Seokjin e outro colega de trabalho, não digo amigo porque o jeito feliz da vida dele me irrita, então mantenho um certa distância, ele é o professor de teatro aqui da escola.
  -Eu vim aqui falar com você pois estava pensando em uma coisa e gostaria de sua ajuda.
  -Que seria?.
  -Na próxima apresentação de teatro com os meninos do segundo ano, eu queria apresentar um clássico da literatura e pra isso eu preciso da sua ajuda.
  -Ainda não entendi em que exatamente precisa da minha ajuda.
  -Eu quero que me ajude a escolher a peça que eles irão apresentar e se possível quero que você assista eles ensaiando pra ver se está tudo correto, o que me diz?.
  -Eu aceito. Eu acho bem legal o Jin está abordando esse tema com os meninos, acho que irá ficar uma apresentação bem legal.
  -Então podemos começar amanhã?.
  -Não Jin amanhã é minha folga, podemos começar na quinta?.
  -Claro que sim. Obrigado Yoongi.
  -Por nada. Logo ele se levantou me deixando aqui sozinho novamente. Eu realmente gostei da idéia de os meninos apresentar uma peça dos clássicos da literatura.
  Mal deu tempo de fazer nada e o sinal já bate indicado que o intervalo acabou e que tenho mais duas aulas pra dá, então melhor eu me levantar, pois igual dizia minha mãe nada se resolve sentado. Fui rumo a minha sala pra da minhas últimas duas aulas desse horário, pois ainda hoje tem as aulas extras.

_____

  Minhas últimas duas aulas foram tranquilas como sempre. Agora estou aqui em minha sala, revendo as coisas que vou da hoje nas aulas extras, que por sinal começam daqui 15 minutos.
  -Professor Min?. Ouvi uma voz vindo da porta da sala, direcionou meu olhar e vejo um homem ali parado.
  -Sim sou eu, o que o senhor deseja?. Me levantei e fiz sinal para que ele entrasse. Sabe eu tenho a impressão de conhecer ele de algum lugar mais não estou recordando de onde exatamente.
  -Eu sou o pai de Taehyung. Ok vamos dizer que eu congelei um pouco.-E estou aqui pra conversar com você. Ele tinha a expressão séria e a voz grave o deixava mais medonho. Ele não parecia ser velho ele trm por volta de 40 a 43 anos tenho certeza que não mais que isso.
  -Pode falar senhor Kim. Tentei controlar minha voz pra ela sai firme e não trêmula, eu não sei sobre o que ele quer falar, mais ele está me dando medo.
  -Eu gostaria de saber porque Taehyung vai mal em sua matéria? Ele é um bom aluno nas outras e sempre tira ótimas notas, mais na sua sempre é baixa. Engoli em seco agora.
  -Olha senhor Kim eu não sei, sempre faço o possível pra todos os meus alunos entenderem a minha matéria, tento explicar da melhor forma possível, portanto que todos eles aprendem, mas eu não entendo porque Taehyung não aprende. Olha isso é meio estranho porque? Pense comigo, ontem e hoje mais cedo o Taehyung conseguiu me deixar sem resposta para os questionamentos que ele fez, eram respostas sábias como se ele soubesse o que iria falar e expressar. Eu não entendo porque ele é ruim na minha matéria se tem repostas e críticas tão boas sobre os poemas.
  -Quantos anos você tem?. Eu sei que ele é rico e coisa e tal, mais custa tratar os outros com o mínimo de respeito, eu acho que não vai doer nele fazer isso. E além do mais que intromissão é essa na minha vida?.
  -Eu tenho 24 senhor.
  -Não acha que está muito novo para lecionar? Talvez isso interfira na sua capacidade de ensinar. Vejo que não é só Taehyung que tira a minha paciência, o pai dele também, consegue. Respira Min Yoongi, não voe no pescoço dele.
  -Senhor Kim, eu não acho que minha idade interfira, no meu modo de ensinar, pois não é ela que vai medir o meu conhecimento em literatura, então uma coisa não tem nada haver com a outra. Falei da forma mais calma que consegui, juro que nunca pensei que seria tão difícil falar normal com alguém.
  -Que seja, como vai fazer para ajudar Taehyung a melhorar?.
  -Daqui a pouco começa as aulas extras de literatura e Taehyung está nela, não se preocupe, ele vai aprender.
  -Olha eu sou muito rígido quanto a isso, quero que Taehyung aprenda tudo que a escola tema oferecer, pois só assim ele será um incrível empresário e advogado como eu. Quase que eu vomito na cara dele quando escuto isso. -Então eu quero que depois das aulas extras proposta pela escola eu quero que Taehyung tenha aulas extras sozinho com vocês, assim acho que ele irá aprender mais rápido, pode cobrar o quanto quiser, eu pago dinheiro não é problema, o que me diz?. Eu sinto que eu não deveria aceitar, mais eu vou, não por causa do dinheiro e sim pela necessidade que tenho de ver todos os meu alunos aprendendo minha matéria, eu quero que todos saiam da escola sabendo tudo que eu ensinei.
  -Tudo bem eu aceito.
  -Claro onde vai ser melhor para você?.
  -Não poderá ser aqui na escola, porque a diretora só disponibilizou o horário certo das minhas aulas extras com todos os alunos. Se o senhor quiser pode ser em minha casa.
  -Sim pode ser, está tudo certo então?.
  -Sim senhor Kim.
  -Pai?. Taehyung está parado na porta, com a boca aberta e com os olhos arregalados, porque ele ficou tão assustador em ver o pai dele aqui?. -O que o senhor faz aqui?.
  -Taehyung, preciso falar com você venha. O pai dele saiu pela porta, passando por ele e o Taehyung o seguiu.
  Pela porta eu fiquei observando os dois, claramente não dava pra mim escutar a conversa mais eu conseguia ver as ações deles. Taehyung somente escutava enquanto seu pai falava, ele parecia tão assustado, que diria que ele está com medo, mais porque ele teria medo do seu próprio pai? Também não sei. O senhor Kim chegou próximo ao ouvido de Taehyung é cochichou algo, eu só vi o mesmo engolindo em seco e balançando a cabeça de um lado pro outro freneticamente, negando. Depois o homem foi embora, deixando Taehyung ali que nem uma estátua no meio do corredor. Eu juro que esse homem deu medo até em mim.
  Me sentei novamente e logo o sinal toca indicando o começo das minhas aulas extras. Vejo o Taehyung entrando e se sentando na primeira carteira, o corpo dele estava ali mais parecia que ele mesmo não estava, eu acho que essa conversa com pai dele realmente foi tensa.
  Quando dou por mim todos os alunos que precisam de reforço em minha matéria estão ali sentados. Prontamente me levanto e começo a minha aula.

_____

  Rapidamente o horário de aula extra acaba, todos os alunos se levantam e sai rapidamente todos animados que finalmente vão embora pra casa, menos Taehyung que parece que está no mundo da lua. Pego minhas coisas e paro em sua frente, ele nem percebe minha presença ali.
  -Taehyung. Dizia e estralava meus dados em frente ao seu rosto.
  -Hum. Murmurou saindo de seus pensamentos.
  -Vamos?. Me virei e comecei a andar.
  -Pra onde?. Ele se levantou rapidamente e começou a andar do meu lado.
  -Minha casa.
  -Há e mesmo as aulas extras com você. Não sei se ele ficou feliz ou decepcionado com isso.
  Nós caminhamos em silêncio até meu carro, e só durante o trajeto da sala até o carro que percebi que ele é maior que eu. Que injusto um moleque de 16 anos ser maior que eu fiquei um pouco revoltado com isso admito.
  Entramos no carro e eu comecei a dirigir em direção a minha casa. O caminho todo ficamos em silêncio, claro pois o que eu iria conversar com ele se esse é o ser que consegue tirar toda minha paciência, não faz muito sentido certo?.

_____

  Chegamos em minha casa, pois como eu disse ela não fica longe da escola. Nós dois descemos do carro, eu passei em sua frente e fui abrir a porta, ele veio andando lentamente atrás de mim. Assim que a porta foi aberta eu entrei e dei espaço pra ele fazer o mesmo.
  Ele entrou meio lento demais, não sei se ele ainda estava pensativo ou se estava com vergonha, mais preferi não questionar. Fechei a porta e fiz a mesma coisa que ontem, tirei o casaco o sapato e coloquei a chave em cima da mesa de centro. Ele apenas observava parado no mesmo lugar.
  -Vai ficar parado aí? Senta aqui no chão e coloca o seu material aí em cima. Falei apontando pra mesinha de centro. Ele prontamente fez, ok eu já estou achando estranho esse comportamento dele, ele nunca foi assim então porque ele está assim?. -Quer comer alguma coisa?. Ele negou.
  -Aceito um copo de água.
  -Tá bom já volto. Fui até a cozinha peguei uma xícara de café pra mim e um copo de água pra ele e voltei rapidamente. -Toma. Entreguei a ele.
  -Podemos começar?.
  -Claro. Me sentei ao seu lado no chão, peguei minha pasta onde tinha o livro é resto dos materiais que precisamos. -Vamos começar com um poema, você vai lê-lo e depois interpretá-lo e eu vou falar se está certo ou errado e logo depois explicar entendeu. Ele assentiu. -Então pode começar.
  - Quando te vi pela primeira vez,
    eu já te quis.
    Tive a certeza de que ao teu lado
    eu seria feliz!
    Foi no momento em que 
    nossos olhares se encontraram 
    que eu entendi o sentido...
    É que tudo tem seu momento certo
    e     
    O nosso já estava escrito.
-Ele quis dizer que foi amor a primeira vista, que no momento que os olhos deles se encontraram eles já estavam apaixonados. E com isso eles sentiram que seus destino já estavam traçado e esctito. Agora eu quero muito saber como esse menino sabe interpretar um poema tão bem e ainda ir mal na minha matéria.
  -Você acredita em amor a primeira vista?.
  -Eu nem sei se o amor é real quem dirá ter ele a primeira vista com alguém. Eu sou o tipo de pessoa que precisa viver aquilo pra ver se é verdade, eu ainda não vivi o amor, então por enquanto não acredito que ele é real. Se um dia eu viver ele. Ele disse baixo a última parte se eu não tivesse perto realmente não escutaria.
  -Agora me diz porque você mentiu?. Eu perguntei e ele adquiriu uma expressão surpresa e confusa ao mesmo tempo.
  -Eu...menti...sobre o que?. Disse pausadamente, eu acho que era pra não gaguejar.
  -Você é bom na minha matéria, uma pessoa que interpreta o poema é tem uma crítica igual a que você fez ontem não precisa ter aula de reforço, então porque mentiu?.
  -É complicado. Abaixou a cabeça.
  -Então me explica.
  -Não posso.
  -Não pode ou não quer?.
  -Um pouco dos dois. Me encarou com uma expressão triste, eu nunca o vi assim.
  -Então me conta a base apenas o essencial do porque ter aula de reforço.
  -Tá bom é que...

CONTINUA.

 

   


Notas Finais


Obrigado pra quem leu espero que tenham gostado, é isso eu acho. Beijinhos e até amanhã 😘😘😘😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...