História Dois Mundos - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Taegi
Exibições 284
Palavras 6.023
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha gente não sei se esse capítulo fará sentindo pois não tive tanto tempo de revisá-lo, mais espero que esteja bom e que vocês gostem dele. Boa leitura.

Capítulo 5 - Capítulo V


Acordei sentindo um peso sobre as minhas costas e uma respiração na minha nuca. Eu estava de barriga pra baixo e Taehyung está literalmente em cima de mim, eu conseguia sentir seu braço e perna em cima de mim.
  Com muito custo e dificuldade consegui sair de baixo dele, me levantei e vi que ele estava dormindo que nem uma criança, com os lábios entre abertos e todo esticado na cama. Meu Deus, me diz como fui deixar isso acontecer?. Resolvo parar de pensar nisso, vou até o meu guarda roupa pego uma roupa bem quente já que percebo que o dia está bem frio. Vou para o banheiro e me troco, vocês estão pensando e o banho? Pra que tomar outro banho se ontem a noite eu tomei um e logo após fui dormir, pelo que eu saiba não suei nem me sujei, então não vejo motivo pra gastar minha água e nem minha luz, com um banho totalmente desnecessário.
  Acabo de trocar de roupa vou pro meu quarto passo o meu perfume de sempre, arrumo mais ou menos meu cabelo, só pra não parecer que eu acordei e não penteie e já me vejo pronto.
  Caminho até a cama e encontro Taehyung ainda dormindo.
  -Taehyung. O balançava e o chamava, ele apenas resmungou e virou pro outro lado da cama. E difícil de lidar com ele até dormindo. -Taehyung, acorda logo. O balancei mais rápido e com certa agressividade, porque eu não tenho paciência pra isso.
  -Mais cinco minutos. Pegou o cobertor e se cobriu.
  -Kim Taehyung não me estressa não tem nada de cinco minutos levanta daí antes que eu te jogo da cama. Disse puxando o coberto dele.
  -Aí tá bom. Ele se sentou na cama e se espreguiçou, coçou os olhos que nem aquelas crianças fofas dos filmes.
  -Anda logo Taehyung. Ele está conseguindo tirar minha paciência logo cedo.
  -Não me xinga logo cedo Hyung. Ele se levantou e foi até o banheiro. Eu o deixei ali, peguei minha pasta e desci pra cozinha, pra ver se tinha alguma coisa pra ele comer, porque mesmo que eu não tome café pela manhã ele deve tomar certo? Bom eu acho que sim.
  Não sei o que farei pra ele de café da manhã. Abri a geladeira e fiquei olhando pra ver se eu tinha alguma idéia é não é que deu certo, resolvi fazer o mesmo sanduíche que fiz pra ele o primeiro dia que ele veio aqui pra casa.
  Peguei tudo que era necessário coloquei em cima da bancada e comecei a preparar. Rapidamente o sanduíche dele estava pronto juntamente com um copo de suco, assim que coloco na mesa ele aparece na porta da cozinha.
  -É pra mim?. Perguntou quase pulando.
  -É agora senta e come. Ele se sentou e começou a comer.
  -Sábia que o seu sanduíche é o melhor?. Disse de boca cheia.
  -Eu já falei pra você não falar de boca cheia. Revirei os olhos e me sentei a sua frente.
  -Desculpa. Disse assim que engoliu. -E você não vai comer nada?.
  -Eu não como nada de manhã.
  -Há para com isso toma morde. Disse enfiando seu sanduíche em minha cara.
  -Não Taehyung.
  -Não vou para até você da uma mordida. Nesses dois dias que ele passou aqui em casa eu percebi que ele é muito teimoso então é perigoso nós ficarmos a manhã inteira discutindo sobre isso, então resolvi morder logo. Dei uma boa mordida.-Pronto, não doeu. Disse animado.
  -Come rápido que nós temos que ir. Ele engoliu o resto do sanduíche e bebeu rapidamente o suco, e logo já tinha acabado.
  -Pronto podemos ir. Foi caminhando na frente. Peguei a minha pasta que tinha deixado em cima de uma cadeira, caminhei até a sala e peguei as chaves do meu carro.-Hyung está chovendo. Disse olhando pela janela.
  -Pega o guarda-chuva ali. Apontei para a estante da sala, ele rapidamente pegou. Saímos pra fora de baixo do mesmo guarda-chuva, tranquei a porta e fomos caminhando até o carro, onde eu o levei até a porta do passageiro e logo depois dele entrar, fui até a minha. Entrei no carro coloquei o guarda-chuva no banco de trás e logo comecei a dirigir.
  -Pode ligar o rádio Hyung?.
  -Não. Disse seco.
  -Por favor. Porque ele sempre tem que fazer essa pequena birra?.
  -Não.
  -Não seja chato comigo, vai Hyung. O moleque insistente e chato.
  -Tá liga o rádio. Ele pulou no banco. Até hoje eu me pergunto se ele realmente tem 16 anos, e até hoje não sei a resposta exata para tal pergunta. Ele ligou o rádio e estava passando uma música que eu não sei o nome(Adele Someone like you) e ele começou a cantar. E por incrível que possa parecer ele canta muito bem, sério a voz dele entra em perfeita harmonia com a letra e melodia da música, achei incrível. O que eu estou pensando? Para com isso Min Yoongi. Tentei me focar no meu caminho, o que até que deu certo.

_____

  Estou chegando na escola, o caminho todo foi com um Taehyung cantando que nem doido. Paro o carro uma rua antes da escola.
  -Desce Taehyung.
  -Porque?. Perguntou confuso.
  -Você não acha que seria estranho um professor chegar na escola com seu aluno.
  -Mais Hyung está chovendo muito você quer que eu fique gripado depois de ontem?. Cruzou os braços e fez aquele bico. Eu revirei os olhos.
  -Taehyung mais você tem que ir.
  -Por favor não faz eu caminhar na chuva de novo, vai Hyung não seja mal comigo. Porque eu não consigo negar quando ele faz essa pequena birra de sempre? Eu queria me matar por isso.
  -Tá bom Taehyung. Comecei a andar de novo.
  -Obrigado Hyung.
  -Olha aqui, você tem que parar de chamar assim, você não pode fazer isso na sala entendeu?.
  -Sim senhor.
  -E também tem que me tratar como antes.
  -Porque que?. Jesus será que ele não percebe a situação.
  -Taehyung, todo mundo da sala via que você não ia com minha cara e que eu ficava te xingando todas as aulas, então se isso mudar de repente todo mundo vai estranhar, então é bom você me tratar como antes.
  -Há entendi.
  -Há mais pode parar de conversar na minha aula, isso não precisa ser igual antes. Ele apenas riu. E só foi ai que percebi que eu já estava no estacionamento da escola.
  -Viu você já está me tratando um pouco melhor.
  -Não estou não, estou te tratando do mesmo jeito.
  -Tá bom sei, mais eu gosto assim, tchau Hyung. Disse tudo rapidamente nem me dando a chance de responder e saiu do carro. Eu apenas peguei minhas coisas e sai também. Percebi que o pátio da escola estava vazio o que significa que o sinal já bateu, apresso meus passos pra chegar logo na minha sala.
  Chegando na mesma percebo que eles estão sentados em seus lugares, muitos mechendo em seus celulares, outros conversando baixinho com seus colegas.
  -Bom dia classe. Todos rapidamente me olharam e pararam o que estavam fazendo.
  -Bom dia. Todos responderam em uníssimos. Coloquei minha pasta sobre a mesa e peguei meu livro rapidamente.
  -Livro página 87. Todos abriram seus livros e eu logo comecei minha aula. Se vocês não sabem essa não é a sala do Taehyung, hoje a turma dele tem aula comigo, somente no último horário.

_____

  Já estamos no terceiro horário e agora é meu horário vago. Vou explicar pra vocês, na segunda e na sexta eu dou aula em todos os horários, na terça e na quinta eu tenho um horário vago e na quarta eu não dou aula e minha folga, entenderam? Eu espero que sim.
  Vou para sala dos professores, onde toda quinta eu fico sozinho pois todos os professores estão em suas salas. Eu geralmente fico vendo o conteúdo que eu já dei ou que tenho que dá, muitas vezes preparo aulas e várias outras coisas que professor faz.
  Chego na mesma me sento no mesmo lugar de sempre, coloco minha pasta em cima da mesa. Tiro meu materiais e começo a fazer o que eu falei pra vocês. Logo ouço a porta abrir, nem olho porque provavelmente é algum professor, então continuo concentrado no que estou fazendo.
  Mais logo em seguida sinto uma mãos cobrindo meus olhos
  -Adivinha quem é. Disse baixo e com sua voz grave, bem próximo do meu ouvi que deu pra eu sentir sua respiração o que novamente me causou aquele típico arrepio pelo corpo.
  -Taehyung. Peguei a mão dele e tirei dos meus olhos, vejo o mesmo se sentando na cadeira ao meu lado. -O que faz aqui?.
  -Aula de matemática é muito chata.
  -E só por isso acha que tem o direito de matar aula?.
  -Há Hyung, só uma vez não faz mal.
  -Taehyung todos os dia você mata pelo menos um horário de aula.
  -Tá eu sei prometo que hoje vai ser a última vez.
  -Não, não vai e você sabe disso. Disse voltando a aprestar atenção nas minhas coisas.
  -Hyung conversar comigo. Disse com uma voz manhosa.
  -Taehyung eu tenho mais o que fazer, ninguém mandou você matar aula, então não enxe minha paciência. Disse sem olhar pra ele.
  -Mais Hyung, eu vim pra conversar com você.
  -Problema é seu, aliás como sabia que eu estava aqui?. O encarei.
  -Eu sei todos seus horários. Disse e deu de ombros.
  -Como assim sabe todos os meus horários?. Perguntei arqueando uma sobrancelha.
  -Aí Hyung não é nada demais.
  -Taehyung volta pra aula.
  -Não Hyung aquela professora é muita chata, não tô afim. Cruzou os braços e fez bico.
  -Tá bom mais fica quieto.
  -Eu vou ficar Hyung.
  -Para de me chamar assim, que saco.
  -Mais porque eu não posso te chamar assim?.
  -Porque eu não quero. Voltei a aprestar atenção no que eu estava fazendo.
  -Mais eu gosto de te chamar assim, porque se eu te chamar de Yoongi e meio estranho, se eu te chamar de professor é muito distante, então eu te chamando de Hyung é no meio termo que me agrada.
  -Sábia que você é estranho?.
  -Eu sei, mais ser estranho é bom. O encarei. -Porque assim você sabe que é diferente das demais pessoas, e ser diferente é bom pois mostra que você tem qualidades que te fazem ser uma pessoa única, fazendo assim você ser feliz do jeito que é, talvez não tenha feito sentindo, mais é assim que eu me sinto. O Taehyung pode ser criança na maior parte do tempo igual eu já disse mais de mil vezes, mais ele pensa quando é preciso, e os argumentos dele chega a me surpreender.
  -Você tem razão.
  -Eu tenho?. Perguntou surpreso.
  -Sim. Ele começou a bater palmas freneticamente feliz. E eu ri soprado pelo seu ato.
  -Você deveria rir mais vezes Hyung sorri faz bem além do mais que seu sorriso é bonito.
  -Tá que seja. Abaixei a cabeça fingindo está aprestando atenção nas minhas coisas, mais na verdade eu fiz isso pois fiquei com vergonha, eu não costumo receber elogios, então eu não quero que ele me veja corado.
  -Hyung. Disse manhoso de novo.
  -O que?.
  -Olha você pode fazer isso depois conversa comigo. Eu nunca vi alguém tão carente de atenção igual o Taehyung.
  -E eu posso conversar com você lá em casa.
  -Não mais eu quero agora.
  -Taehyung querer não é poder sabia. O encarei.
  -Sabe Hyung conversar faz bem.
  -Taehyung eu juro que se você não calar a boca eu vou te levar de volta pra sua sala. O olhei com o olhar mais mortal que eu consegui.
  -Tá Hyung eu fico quieto. Ele apoiou a cabeça no braço e ficou me encarando que nem uma criança quando fica observando o pai trabalhar.
  -Porque está com minha blusa?. Só agora fui perceber que ele está usando a blusa de frio que eu emprestei ontem.
  -Porque eu gostei de usar ela.
  -Isso não é motivo pra está usando minha blusa de frio.
  -Eu não levei roupa de frio pra sua casa, então usei a que você me emprestou pra dormir.
  -Podia ter me pedido.
  -Mais Você que me emprestou.
  -Ontem a noite.
  -Isso não muda o fato de ter me emprestado.
  -Você me irrita sabia?. Perguntei e ele assentiu. Depois de ele finalmente ter calado a boca, nós ficamos algum tempo em silêncio.
  -Hyung você acha que eu sou uma pessoa ruim?. Ele perguntou de repente me pegando de surpresa.
  -Porque essa pergunta?.
  -Porque eu sou uma pessoa ruim Hyung e também suja, eu sinto nojo de mim as vezes. Disse a última parte baixo e afundou a cabeça nos braços. Eu não sei o que dizer do porque ele se sentir assim, eu não acho ele uma pessoa ruim.
  -Você não é uma pessoa ruim Taehyung e não é suja, para de falar isso. Ele levantou a cabeça novamente e se encostou na cadeira, me encarando.
  -Sabe Hyung quantas pessoas eu precisei humilhar pra está onde eu estou hoje? Eu precisei ferir muita gente pra ser o "popular" dessa escola, e pra que fazer tudo isso, se nós ganhamos apenas um bando de amigos falsos que estão atrás de você só por causa do dinheiro que você tem, esse tipo de pessoas não se importa com você, eu feri o sentimentos de outras pessoas pra nada, eu me sinto um lixo quando me lembro disso. Disse tudo de uma vez, acho que ele precisava desabafar e eu apenas escutava. Eu não sabia que Taehyung se sentia assim ou que ele tinha feito algo ruim só pra ser o "popular".-Hyung eu sou ruim e sujo. Vi uma lágrima solitária cair dos seus olhos.
  -Taehyung você não é uma pessoas ruim, para de dizer isso, posso te dizer que eu te achei o adolescente mais criança e inocente que eu já conheci. Ele deu um sorriso sem humor. Fui com minha mão até seu rosto e comecei a enxugar suas lágrimas com o polegar, que a cada vez caia mais e mais.
  -Mais como justifica o que eu fiz?. Vi ele fechando o olho por causa do meu toque em seu rosto.
  -Você se arrependeu isso o que importa, as pessoas que comete o erro e permanece nele que são as ruins, mais as pessoas que comete e se arrepende são as que têm bom coração igual a você Taehyung.
  -Pode ser que você esteja certo. Senti uma corrente elétrica por todo meu corpo e foi aí que percebi que nós dois estávamos com a testa um colado no outro, ele ainda está de olhos fechados e minha mão não estava mais em seu rosto e sim no seu pescoço. Não sei como tudo isso foi chegar a esse ponto, mais vou deixar esses pensamentos de lado só por agora.
  -Eu sei que estou certo. Disse e também fechei meus olhos. Nós estávamos muito próximos que até nossos narizes estavam encostando um no outro e eu não sei porque de estarmos assim.
  -Hyung. Disse em um sussurro, senti que a respiração dele ficou pesada, e estava mais acelerada, não sei porque eu me arrepiei dos pés a cabeça quando ele disse Hyung.-Eu...quero.... Na hora que ele iria dizer o sinal bateu denunciando que era hora do recreio.
  -Taehyung é melhor você ir. Me separei de vagar dele e abri meus olhos vi que ele estava me encarando, posso dizer que ele estava até meio pasmo, mais com o que ou porque ele ficou assim?.
  -Tá bom eu já vou Hyung, tchau. Disse rapidamente já se levantando e praticamente correndo pra ir pra fora. Não entendi o seu desespero mais qualquer coisa eu pergunto pra ele mais tarde.
  Eu realmente me surpreendi com ele agora, nunca imaginei que viria Taehyung chorando, porque pra mim ele só demonstrava aquele lado irritante e sorridente dele. Não sabia que ele se sentia mal por ter feito algo, na verdade eu nunca pensei que ele já tivesse feito algo ruim pra alguém. Aí eu tenho que parar se pensar no Taehyung, depois eu me preocupo com ele.
  -Yoongi. Vi que Jin estava ali do meu lado e que as sala dos professores já se encontrava cheia.
  -O que foi?.
  -Eu já estou te chamando a muito tempo, e você está aí viajando.
  -Atá desculpa, pode falar. De repente eu senti um calor dentro de mim, que eu não sei explicar.
  -Eu quero falar sobre a peça que nós faremos.
  -Há claro. Tirei meu casaco pois juro que não sei o porque de eu ter ficado com tanto calor e tão quente de repente. -Eu pensei em um clássico da literatura que eu gosto muito. Comecei a me abanar com as mãos pra afastar isso que eu estou sentindo.
  -Você está bem?. Perguntou preocupado, pois lá fora tá quase congelando de frio e eu aqui me abandonado, eu entendo ele.
  -Não sei, acho que estou. Mais não se preocupe vamos falar sobre a peça. Ele assentiu meio desconfiado sobre o meu estado mais mesmo assim não falou nada. -Eu pensei no clássico mil e uma noites, como eu estou estudando sobre o amor com os meus alunos, achei legal fazer uma peça sobre, você conhece?.
  -Na verdade não, mais eu gostei de nós fazermos algo sobre o amor, me conta um pouco.
  -A história conta a vida de um homem, que na verdade é o rei, que tem uma esposa que um dia o trai com o escravo do palácio, quando ele descobre manda matar ela e ele, depois disso ele fica com medo de ser traído de novo então apartir desse dia ele dorme com a mulher apenas uma noite e manda a matar no dia seguinte e isso se repete durante um ano, até que ele conhece uma mulher esperta que pra não morrer no dia seguinte, conta histórias que intrigam ele. Então ela só permaneceu viva pra continuar contando suas histórias e no final eles tiveram três filhos, e quando ela não tinha mais o que contar o rei mandou matar ela, e quando estava perto da execução ele mandou cancelar, pois ele não conseguiu, ele achou que não conseguiria ver ela morrendo e no final descobriu que amava (autora: a história realmente é assim mais eu fiz uma pequena adaptação no final, pois ele não se apaixona por ela apenas não a mata por causa dos filhos, não sei se podia fazer isso, mais é isso aí).
  -Nossa gostei, acho que vai dá uma boa peça.
  -Então vai ser esse mesmo?.
  -Vai sim, agora você tem a missão de escolher os alunos da sua turma de segundo ano para fazer a peça. O calor em mim foi diminuindo aos poucos.
  -Porque eu?.
  -Você conhece melhor os alunos, então eu acho que se você escolher vai ser melhor.
  -Tá bom eu escolho os alunos que irão participar da peça.
  -Obrigado pela ajuda Yoongi.
  -De nada Jin. Ele se levantou e foi pro outro lado da sala.
  O calor que eu estava sentindo felizmente passou, mais eu estou sem entender o porquê de ter acontecido isso, foi uma coisa estranha que nunca tinha acontecido antes, eu nunca tinha sentido antes não sei como explicar, só sei que me senti quente.
  O sinal tocou e eu não tive nem tempo de comer, na verdade meu horário vago e o intervalo passaram-se tão rápido que eu mal vi. Juntei minhas coisas rapidamente e fui caminhando para minha sala que agora eu daria aula pro terceiro ano, e logo depois daria para a turma de Taehyung.
  Cheguei na mesma e me sentei, esperando que todos os alunos chegassem e se sentassem em seus devidos lugares. Assim que todos estavam presentes e já sentados, prontamente me levantei e comecei.

_____

  Todas as aulas já acabaram inclusive a de reforço e eu estou juntando minhas coisas pra ir embora e Taehyung está em seu lugar me esperando. Uma coisa que eu estranhei foi o seu comportamento durante a minhas aulas, todo o tempo ele ficou calado e quando eu olhava pra ele, ou estava no mundo da lua ou desviava seu olhar do meu. Eu juro que não entendi seu comportamento agora, mais como ele é o Taehyung não vou questionar.
  -Vamos Taehyung?. Perguntei.
  -Vamos. Se levantou colocou a mochila nas costas e começou a caminhar do meu lado.
  -O que você tem?. Perguntei o olhando.
  -Eu não tenho nada Hyung.
  -Taehyung você não é assim, e sei que você está assim porque tem alguma coisa te encomendando, vai me contar o que é?. Perguntei e percebi que já havíamos chegado em meu carro, logo nós dois entramos no mesmo.
  -Há Hyung eu não sei como te contar isso. Arranquei com o carro rumo a minha casa.
  -Aí Taehyung menos drama é só fala. Ele respirou bem fundo.
  -Eu acho que estou gostando de alguém. Quando ele me disse essas pequenas palavras me subiu um arrepio na espinha.
  -Isso é bom não é?.
  -Não sei se é bom ou não. Ele me encarava.
  -É alguém da escola?.
  -Sim.
  -É alguma menina popular?.
  -Não.
  -É uma menina mais nova tipo do nono ano ou do primeiro?.
  -Não.
  -Então é mais velha que você?.
  -Sim.
  -Você tem que falar com ela Taehyung.
  -Esse é o problema eu já falo. Eu o vi bagunça os cabelos em sinal de nervosismo.
  -Então tenta falar que você gosta dela.
  -Não é tão fácil quanto parece Hyung.
  -Então demonstra de todos maneiras possíveis que você gosta dela.
  -Acho que assim será mais fácil. Nesses dois dias em que estou conversando com Taehyung, eu não vi ele conversando com nenhuma garota, mais também nem tem como eu vê já que foi uma aula pra ele e depois tenho que dá em outras salas.
  -Você a conhece a muito tempo?.
  -Não muito.
  -Então como que você sabe que gosta dela?.
  -Eu não sei, mais me sinto bem em sua presença, sinto que poderia passar o resto do dia ali que não me cansaria, nunca pensei que gostaria tão rápido de alguém. Sorriu sem mostrar os dentes.
  -Eu disse que isso também iria acontecer com você. Falei me referindo a aula de segunda onde eu disse que todos nós já sentimos ou vamos sentir o amor.
  -Mais eu não amo, apenas gosto, nossa é muito estranho falar essas palavras em voz alta. Percebi que havíamos chegado em minha casa, logo descemos do carro e entramos logo em casa, já que o tempo estava esfriando cada vez mais, tenho a pequena impressão que vai chover e acho que não será pouco não.
  -Mais o gostar pode evoluir para o amar.
  -Amar sozinho deve ser ruim Hyung, o que adianta eu gosta se não tiver retorno. Disse se sentando em meu sofá.
  -Demonstra a ela que você gosta dela só assim você saberá a resposta. Já estou cansado dessa conversa, não quero mais saber sobre de quem Taehyung gosta ou deixou de gostar.
  -Farei isso Hyung, agora vamos mudar de assunto. Agradeci mentalmente por isso. -Hyung estou com fome.
  -Taehyung para de ser folgado. Comecei a subir as escadas indo em direção ao meu quarto.
  -A Hyung eu só quero comer. Veio atrás de mim.
  -Começa a trazer algo aqui pra casa porque eu não sou obrigado a ficar fazendo algo pra você não. Cheguei em meu quarto coloquei minhas coisas em seu devido lugar, fui até o guarda-roupa, peguei uma roupa mais confortável e fui até o banheiro me trocar.
  -Há Hyung não seje mal comigo por favor. Ouvi ele reclamando lá do quarto, porque ele sempre diz essas palavras, já estou ficando cansado disso.
  -Taehyung para de fazer manha você não é criança. Sai do banheiro e vi ele deitado na minha cama em baixo das cobertas. -Sai daí agora Taehyung.
  -Qual é o problema de eu ficar aqui Hyung? Eu dormi aqui essa noite. Continuou do mesmo jeito. -Hyung me empresta uma calça de moleton sua?.
  -O que? Porque? Já não basta eu ter te emprestado minha blusa de frio você ainda quer minha calça?.
  -E que Hyung está frio e eu não quero ficar de calça jeans o dia inteiro é desconfortável e você sabe que eu não tenho roupa confortável aqui, vai por favor Hyung. Disse se levantando e se ajoelhando em minha cama juntando as mãos daquele jeito que vocês já conhecem.
  -Tá vai até o meu guarda-roupa e escolhe a calça. E sabe o que eu odeio? É que toda vez que ele faz essa mini birra dele me pedindo alguma coisa eu não consigo dizer não. Só tem dois dias que ele está vindo aqui em casa e nesses malditos dois dias eu descobrir que nunca vou conseguir dizer não pra isso que ele faz. Eu me odeio muito por isso.
  -Obrigado Hyung. Pulou da minha cama e foi até o meu guarda roupa, pegou uma calça de moleton preta e foi até o banheiro. Não demorou muito para já está de volta vestindo a mesma e posso dizer que minha calça ficou muito boa nele.
  -Está feliz por está usando a minha calça e minha blusa?. Perguntei já saindo do quarto e indo em direção a cozinha.
  -Estou sim Hyung. Ele me seguiu. -Você vai fazer alguma coisa pra nós comermos?. Perguntou animadamente.
  -Vou Taehyung, mais nós vamos fazer um trato, eu cozinho e você lava a louça.
  -Mais Hyung lembra o que sua mãe disse ontem eu sou a visita.
  -Você visita? Você está quase se mudando aqui pra casa, já até dormiu aqui lembrar? Então para de manha, porque se quiser comer vai ter que lavar depois. Disse já pegando algumas coisas na geladeira, eu estou pensando em fazer uma sopa pra nós dois já que o tempo está muito frio vai ser uma boa.
  -Tá eu lavo. Revirou os olhos. -Acho que eu vou ter aprender a cozinhar urgentemente.
  -Você é tão dramático Kim Taehyung. Eu ri da cara que ele fez. Ele ficou me encarando, não entendi mais também não quis questionar o porquê dele esta fazendo isso. -O que foi?.
  -Ham o que?. Ele parecia está perdido em pensamentos.
  -Eu perguntei o que foi?.
  -Há nada não, Hyung eu vou ver TV tá bom?. Eu assenti, ele rapidamente foi, eu não sei o porque dele ter ficado assim de novo, ele está agindo do mesmo jeito que hoje de manhã quando saiu da sala dos professores. O Taehyung é todo estranho e eu desisto de tentar entender ele.
  Comecei a preparar a sopa, não iria ser bem elaborada, apenas alguns legumes e macarrão.
  Depois de aproximadamente 30 minutos a sopa estava pronto, eu coloquei em dois pratos, um pra mim e outro pra ele e levei pra sala.
  Chegando lá encontro Taehyung sentado com o meu cobertor em seu colo assistindo desenho animado.
  -Taehyung quem te deu permissão de ir pegar meu cobertor?.
  -Há Hyung está muito frio hoje, para de reclamar e vem aqui. Andei até ele, entreguei o seu prato e me sentei ao seu lado e me cobri também. -Hyung você cozinha bem, isso aqui está muito bom.
  -Obrigado Tae. Só depois fui perceber a burrada que eu fui fazer de chamá-lo assim. Olhei pra ele e o mesmo me encarava com um sorriso enorme no rosto, eu juro que pude ver seus olhos brilhando.
  -Você me chamou de Tae?.
  -Não foi você que entendeu errado. Parei de encará-lo e comei a olhar a TV como se fosse a coisa mais interessante do mundo.
  -Eu entendi muito bem o que você disse, mais eu gostei Hyung, você poderia me chamar assim mais vezes.
  -Eu não vou te chamar mais assim.
  -Vai sim por favor Hyung. Quando ele começa com esses por favor já vi que vai acabar sendo do jeito dele.
  -Nem continua Taehyung, não e ponto, aceita isso.
  -Vamos ver se não. Disse baixo.
  -O que?. Questionei porque eu realmente não entendi o que ele disse.
  -Nada não Hyung. Depois disso comemos nossa sopa em silêncio, a única coisa que ouvimos era a voz irritante dos personagens do desenho.
  Quando a sopa acabou dei o prato para Taehyung e disse pra ele lavar tudo que tinha na pia, ele foi mais claro que tinha que reclamar muito antes de finalmente poder ir.
  Eu me deitei no sofá e pude perceber que parecia que iria cair o mundo lá fora de tanto que estava chovendo, o frio só ia aumentando, pra vocês terem idéia o dia nem estava parecendo dia de tão escuro que estava. Ouvi o telefone tocar me levantei contra a minha vontade do sofá e fui atender.
  -Alô.
  -Olá professor Yoongi aqui é a diretora da escola.
  -Oi diretora o que a senhora deseja?
  -Eu estou ligando pra todos os alunos e professores pra avisar que amanhã as aulas serão canceladas por causa do tempo.
  -Há tudo bem, obrigado.
  -De nada Yoongi até segunda.
  -Até diretora.
Desliguei o telefone e voltei pra de baixo das cobertas, logo vejo Taehyung voltando da cozinha.
  -Pronto Hyung lavei tudo. Ele também se cobriu.
  -Viu você não morreu.
  -Quase morri aquela água estava muito fria Hyung, quase que eu congelo.
  -Exagerado. Revirei os olhos.
  -Não sou não. Fez um bico.
  -Há diretora acabou de ligar dizendo que amanhã não vai ter aula por causa do tempo.
  -Sério?. Ele ficou tão animado do jeito Taehyung de ser que até pulou no sofá. Mais na mesma velocidade em que ficou animado ele ficou triste, não entendi, que novidade, nunca entendo ele mesmo. Na mesma hora o celular dele toca e ele rapidamente atende. -Oi pai...sim eu estou na casa do professor tendo as aulas que senhor pediu...não pai...sim eu sei a diretora ligou pra cá também...não pai eu não quero mais isso...tudo bem aqui eu posso ficar na casa do meu amigo nesse final de semana?...sim pai eu juro que não...sério? Obrigado...sim eu sei...tchau. Depois dessa conversa confusa na qual eu não entendi absolutamente nada ele desligou o celular e se virou pra mim todo sorridente.
  -O que foi?. Tá eu já estava ficando com medo dele me olhando desse jeito.
  -Eu vou passar o fim de semana todo aqui com você Hyung.
  -O que?.
  -É isso mesmo.
  -Não Taehyung eu vou te expulsar tô falando sério.
  -Há por favor Hyung vai ser divertido, além do mais que você não teria coragem.
  -Quem disse que eu não teria coragem de colocar agora você pra fora?. Ele é mesmo abusado não? Quem deu o direito dele se enfiar aqui em casa o final de semana inteiro.
  -Há Hyung tá eu sei que você é mal mais não faz isso comigo, vai por favor. Começou o drama diário de Kim Taehyung.
  -Taehyung você é muito abusado sabia?.
  -Eu sei disso você já me disse umas quinhentas mil vezes, mais isso é um sim?. Perguntou esperançoso.
  -Que seja. Comecei a aprestar atenção na TV.
  -Você é o melhor Hyung sabia?. Ele se deitou para um lado do sofá e eu me deitei para o outro lado, como a coberta era grande cobria ambos e assim continuamos a assistir o desenho que em dois dias assistir mais do que na minha infância inteira. -Hyung essa coberta não está esquentando, ainda estou com frio.
  -Taehyung daqui a pouco esquenta é só você ficar quieto e esperar um pouco.
  -Mais está muito frio Hyung.
  -Eu sei que está mais não posso fazer nada pra mudar isso.
  -Me esquenta Hyung?. Perguntou se sentando no sofá e me encarando.
  -Te esquentar?. Me levantei também. Como eu vou esquentar ele?.
  -Sim Hyung.
  -Como eu vou fazer isso Taehyung?.
  -Vou te mostrar Hyung. Ele se levantou, caminhou até mim. -Arreda mais pro canto Hyung.
  -Taehyung isso é um sofá não tem como.
  -Tem sim arreda logo. Fiz o que ele pediu e logo ele se deitou do meu lado. -Hyung me abraça.
  -O que?. Eu quase que dou um grito.
  -Me abraça por favor Hyung. Ele pegou minha mão e puxou pra si fazendo assim eu o abraçar, minha cabeça foi pra curvatura do seu pescoço, nós estávamos deitados de "conchinha".
  Mais por incrível que possa parecer eu consegui me aconchegar mais, ficando assim super confortável com Taehyung ali. Mesmo nós estamos em um sofá e nos espremendo nele eu consegui me senti a vontade e confortável ali, senti o corpo do Taehyung tão perto do meu me faz sentir bem, senti o seu perfume e o cheiro de seu cabelo é bom me traz um sensação por dentro que não sei explicar.
  -Agora sim eu não estou mais com frio Hyung.
  -Taehyung você sabe que isso é errado não sabe?.
  -O que é errado?.
  -Tudo isso, você vir aqui em casa sem motivo aparente, dormir aqui, vestir minhas roupas, está abraçado com seu professor, tudo isso é errado.
  -Mais não estamos fazendo nada demais, não vejo nada de errado nisso. Taehyung é mesmo muito inocente, ele tem uma coisa dentro dele que o torna assim uma pessoa tão boa.
  -Pra você não pode ser errado mais pra todo mundo lá fora é uma coisa absurda. O pior que é verdade o que os pais diriam se soubesse que tem um aluno que vem na casa de seu professor pra isso, ver desenho e dormir na cama dele e no final está abraçado com ele em um sofá, acho que não seria uma coisa boa.
  -Eu não ligo pra eles, eu gosto de ficar aqui na sua casa Hyung, me faz sentir bem. Não sabia o que dizer pra ele, mesmo que ele goste de ficar aqui não sei se seria bom ele continuar aqui desse jeito. -Tem um poema Hyung que é assim:
A vida é feita de muitos erros e alguns acertos.
Para chegar na resposta certa, no resultado esperado, haverão muitas tentativas frustradas.
Se há um único conselho que eu possa dar a você, eu digo:
Faça o que você acredita que tem que ser feito, mesmo que contrarie os outros, mesmo que digam que esta errado ou é impossível... siga o seu coração e durma certo de que se deu errado foi uma escolha sua.
Nós não precisamos de ajuda para cometer enganos... até porque só aprende quem arrisca, erra ou acerta. 
Se a decisão não foi fruto de uma certeza sua, você nem saberá o motivo da falha. 
Acredite, tudo o que você precisa saber esta dentro de você! Vá em frente!
Eu acredito que você pode e você?.
  -Isso significa Hyung que mesmo que pra outras pessoas seja errado, eu está aqui, pra mim não é, e mesmo se for um erro no final nós acabamos aprendendo com eles. Eu juro que eu fiquei boquiaberto com o que Taehyung acabou de fala, é incrível a maneira que ele ver as coisas é diferente do meu ponto de vista de ver. Pra ele tudo é fácil e não tem consequências, quanto pra mim é a pior das coisas. Nós dois vemos as coisas de uma maneira totalmente diferente eu só não sei se isso é bom ou ruim.
  -Eu não sei o que dizer. Admiti.
  -Não precisa dizer Hyung, vamos apenas continuar assistindo TV. Ele pegou o meu braço e puxou mais como se quisesse se aconchegar mais. E assim ficamos abraçados em um sofá assistindo desenho animado, não sei porque mais eu não achei ruim, como eu disse anteriormente eu me senti muito confortável abraçando ele. Não sei se isso é uma coisa boa ou ruim, mais acho que eu não preciso me preocupar com isso, pelo menos não agora, está tudo tão bom aqui e assim que eu não quero pensar no que vai acontecer amanhã ou depois. Eu acho que pela primeira vez na vida não estou preocupado com isso, as palavras de Taehyung fizeram total sentindo para mim, e ele tem razão em relação a isso. Resumindo tudo isso e aproveitando e deixando um recado pra vocês, vivam o agora não se preocupe com o amanhã, não faça amanhã o que você pode fazer agora, porque talvez pode ser tarde e você se arrependa depois. Confuso talvez mais é assim que eu me sinto desde que Taehyung pisou aqui a dois dias atrás. Só não sei como vai ser daqui pra frente.
 





Notas Finais


Obrigado pra quem leu, espero que tenham gostado. Beijinhos e até amanhã.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...