História Domínio (Imagine Kim Taehyung - BTS) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Personagens Originais, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Imagine, Jimin, Kpop, Leminski, Sobrenatural, Taehyung, Universo Alternativo, Vampiro
Exibições 1.016
Palavras 4.368
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Antes de tudo queria pedir desculpas pela demora. Eu realmente não pretendia, Enfim, atualizarei com mais frequência e haverá novos capítulos para vocês desfrutarem.

E olá.

Espero que gostem, tenham uma boa leitura!

Capítulo 2 - II. Arco e Flecha


Fanfic / Fanfiction Domínio (Imagine Kim Taehyung - BTS) - Capítulo 2 - II. Arco e Flecha

2

Rose inclina sua cabeça para frente e segura levemente o arco, então a flecha deslizou e foi diretamente ao círculo colorido à sua frente. Deixou escapar um resmungo frustrada e partiu para outra flecha, ajeitando no arco e semicerrou os olhos, tentando mirar a flecha bem no meio do círculo, aonde deveria acertar. Novamente falhou, fazendo com que Rose batesse duas vezes o pé no chão. Ela não podia perder a prática tão fácil assim.

Já ajudou a preparar o café da manhã; limpou a cozinha e trouxe novas cargas de comida para à mesa. Por isso, foi livre dos seus afazeres da tarde, deixando suas amigas com uma pontada de inveja, pois iriam passar o dia preparando o banquete para os Reis. Mas era sempre o que Rose fazia, se esforçava ao máximo para então, poder ficar livre a tarde toda, ela sabia que os chefes da cozinha deixariam.

— Merda! — resmungou Rose, após sem querer cortar seu dedo na ponta da flecha.

— Não permitimos palavras de baixo calão, serva — Rose vira rapidamente para trás vendo Príncipe Taehyung se aproximar, com os braços para trás e andando com passos retos até Rose. Ele para próximo à ela, e olha para o alvo. — Primeiro corrija sua postura, e em seguida, levante mais seu cotovelo para acertar o alvo e obter sucesso — ao terminar de explicar, olhou novamente para a garota esperando a mesma responder.

Rose bufou e tentou novamente, do jeito dela, acertar o maldito alvo. Mas errou miseravelmente em frente ao Príncipe. Não ousou olha-lo, apenas pegou outra flecha do saco e posicionou no arco. Então, sentiu o Príncipe se mover e ficar atrás de si, logo pegando em seu cotovelo direito e levantando mais para cima. Prendeu a respiração e depois sentiu o braço do Príncipe se esticar, e arrumar a flecha no arco. Podia soltar a flecha e arrancar o dedo do Príncipe pra fora, mas resolveu se manter parada e quieta. Após os ajustes da alteza, Rose deixou a flecha deslizar e ir direto ao meio do alvo. Revirou os olhos. Ela conseguia fazer isso, era apenas falta de prática.

— Repita do jeito que eu fiz sucessivamente, e não terá mais erros — Rose viu Príncipe Taehyung sorrir, o que era estranho, pois desde a sua chegada, ela não viu um sorriso do mais velho. E nem sabia se aquilo era mesmo sincero. Decidiu parar de praticar, Rose se sentia nervosa demais com a presença da alteza perto dela. Principalmente do ocorrido de ontem. — Você não tem língua? Eu posso providenciar pra você — brincou o Príncipe.

— Tenho — respondeu Rose, como um criança birrenta. Continuou a guardar as coisas na sacola, e depois fechou, colocando em cima de seu ombro e deu às costas para o Príncipe, que imediatamente correu até a mesma e segurou em seu ombro. Rose virou-se assustada.

— Não és permitida sair sem a ordem de alguma Alteza — Praticamente cuspiu tais palavras no rosto de Rose, que por alguns instantes fechou os olhos de medo, mas novamente os abriu. — Você só saí quando eu quiser que saía....— Príncipe Taehyung parou, e começou a observar novamente o rosto de Rose, cada detalhe. Rose fez o mesmo. Como de esperado, a pele do Príncipe brilhava como diamante, por conta do Sol. Perguntou-se se isso não era prejudicial para um vampiro, mas ficou ocupada demais observando como sua pele brilhava. A cor de seus olhos mudaram para um castanho mel, bonito. Ontem à noite, sua pele parecia morta e seus olhos eram negros, porém, hoje ele parecia uma pessoa mais normal, se não fosse pelo brilho de sua pele. Ao pegar no ombro de Rose, ela sentiu o quão forte ele era, e por isso não desobedeceu a ordem do Príncipe. — Poderia ficar te admirando o dia inteiro, serva — Príncipe Taehyung quebra o silêncio. — És idêntica a uma boneca de porcelana. Mas me parece ser tão...intocável.

Mas Rose não conseguia sentir nada a não ser repulsa, por tudo que o governo fez com sua família. Então sem ao menos pensar direito, preparou seus lábios e cuspiu no rosto brilhante do Príncipe, que recuou, dando alguns passos para trás. Príncipe Taehyung soltou um grito frustrado, e limpou rapidamente a saliva de Rose em sua face. Rose ficou novamente com o coração a mil, e estava pronta para dar largos passos e ir embora dali,  mas não dera tempo.

— Sua imprestável, como ousa desafiar a sua Alteza? — Príncipe Taehyung gritou, enfurecido. — Irei te mostrar quem dita as regras aqui, sua serva imunda — se aproximou então de Rose, e a pegou fortemente pelos braços, a guiando para dentro do Castelo. 

Rose se contorceu nos braços do Príncipe, mas ele era forte demais para deixa-la escapar. Com passos rápidos, recusou a oferta dos guardas para segurarem Rose, e a caminhou para onde parecia ser a sala onde os Reis se alimentavam. Após fazer sinal para que os outros guardas abrissem a porta da sala, Príncipe Taehyung adentrou segurando Rose e depois a jogou no chão frio. Rose colocou os braços na frente, para não bater o rosto diretamente ao chão e se machucar.

— Eu quero essa serva como minha propriedade agora. — exclamou Príncipe Taehyung para os Reis, que almoçavam tranquilamente. Os dois se entre olharam.

— O que você quer dizer com propriedade? — Perguntou a Rainha, um pouco brava. Ela os olhava, parecendo furiosa enquanto o Rei continuava a comer. Eles estavam sozinhos na sala, se não fosse pelos guardas em todas as portas e Rose e o Príncipe.

— Essa serva precisa de algumas lições, e não vejo melhor opção a não ser poder dar alguns serviços à ela — o Príncipe explica e Rose estremece só de pensar.

O Rei limpa a boca no guardanapo e começa a rir; uma risada grossa e feia. A Rainha continua com o olhar furioso, e agora se dirige ao Rei, fazendo caretas como se fosse para ele dar a sua fala.

— Não temos, e não precisamos, de uma escrava...particular — o Rei diz e se encosta na cadeira, confortável. — Se ainda quiser dar algumas lições, então acho melhor preparar o tronco.

Os olhos de Rose se arregalaram e uma onda de desespero começou a surgir. O tronco era onde todos os servos recebiam punições por meio de um chicote, na praça pública, como uma forma de todos verem o castigo; e nunca cometerem o mesmo erro. Rose já presenciou várias punições no tronco, e rezou para que isso nunca acontecesse. Príncipe Taehyung a olhou pelo canto do olho. Parecia pensar no destino de Rose, enquanto a mesma tremia no chão.

— Então ela se tornará minha amante.

A Rainha se inclina pra frente, tossindo como se tivesse alguma comida entalada em sua garganta. A mesma se levanta da cadeira e ajeita seu vestido longo de cor vinho.

— Basta! — ela esbraveja olhando furiosamente para Rose e Príncipe Taehyung. — Não queira decidir assuntos delicados agora. Se quer uma amante antes da sua coroação, que seja alguém de porte. 

— A coroação não me interessa — Príncipe Taehyung dispara, fazendo até com que os guardas prestassem atenção na discussão. — Muito menos a Seleção da futura Princesa, isso não me preocupa agora. Ainda há bastante tempo até tomar esses assuntos, e por enquanto, eu ordeno ter alguém ao meu lado; principalmente para satisfazer meus desejos. 

Rose teve vontade de vomitar. Não se imaginava na cama com o Príncipe, pelo contrário, queria se manter longe dele. Mesmo que Príncipe Taehyung não fosse da Realeza, não fazia o tipo de Rose. Se ela realmente tivesse um tipo. Sempre fora ocupada demais com seus afazeres na cozinha, e quando era muito nova para trabalhar, ficava brincando no parque dos camponeses. Diversão e trabalho era o que ocupava a mente de Rose, e não se esfregar com alguma pessoa, ainda mais quando é vários níveis acima de sua classe social.

— Pois bem — o Rei se pronuncia novamente, também se levantando da cadeira. — Faça o que quiser, só tenha em mente que, se for para decidir até sua futura Princesa, ela terá que ter algum porte, como sua mãe disse. Não queremos uma serva qualquer ao nosso lado — Rose podia perceber que, o Rei carregou um tom de desprezo ao falar sobre servos, e isso fez com que novamente o sangue dela fervesse.  O Rei deu uma pausa para nos olhar, e depois virou-se novamente para o Príncipe. — Temos assuntos a tratar, quero você em minha sala imediatamente — Depois deu a volta e seguiu seu caminho, para outra porta do fundo da sala de jantar. Príncipe Taehyung olhou para Rose, e ela não conseguiu identificar a expressão em seu rosto. Então, ele seguiu o pai e desapareceu da sala. 

— Levante-se do chão — a Rainha ordenou e Rose se levantou rapidamente. Ergueu suas costas e tentou manter uma postura adequada em frente da mesma. Embora sua imagem já esteja comprometida quando Príncipe Taehyung a jogou no chão. A Rainha se aproximou mais e segurou no queixo de Rose. Ela podia sentir suas unhas enormes e afiadas fincando em sua pele, e a causando um certo incômodo. — Você pode ser a futura Princesa desse país, então aja como tal — Disse com desprezo. — E sugiro que não fique muito tempo no chão, quem fica no chão é porco. 

— Não darei o luxo de ser uma Princesa — Rose deixa escapar e a Rainha ergueu as sobrancelhas. — Eu não estou aqui por dinheiro ou simplesmente por crescer na classe social. Eu quero ter o direito de viver em paz, por favor. 

A cor dos olhos da Rainha mudou de verde, para a cor negra; e Rose pode sentir um arrepio correr em seu corpo. E ela teve certeza que, Príncipe Kim Taehyung não era o único ser sobrenatural do Castelo.

— x —

Rose cambaleava de volta para seu aposento, totalmente atordoada com o que aconteceu. Passava pelos corredores bem iluminados mas Rose estava tonta. Nunca passava pela sua cabeça que a Família Real era composta por vampiros, e parar pra pensar que agora Rose seria a nova amante do Príncipe, a deixava enjoada e tremendo de medo. Ela com certeza não sabe o que o Príncipe viu nela, havia várias garotas belas como servas, e principalmente, milhares de meninas jovens na nobreza, sendo elas filhas de amigo do rei; primos e parentes próximos a Família, e todos eram ricos. Por que justo uma serva?

Abriu a porta então, aliviada por estar novamente em seu aposento, mas deu de cara com três mulheres. As três, eram criadas, empregadas domésticas que sempre limpavam os quartos dos Reis. Rose as encarou confusa.

— Com licença? — perguntou. As empregadas domésticas apenas arrumavam os quartos dos Reis e das damas de honra. — Estão no quarto errado.

— Tu és Rose Eleanor? — uma delas pergunta e Rose confirma com a cabeça. — Então estamos no lugar certo, lady.

— Eu não entendo — ela gagueja, e uma outra empregada ri baixinho.

— Vossa Alteza nos mandou arrumar seu quarto, já que é a nova amante do Príncipe, temos que te tratar como superior, lady Rose — a mulher explica.

Rose pisca algumas vezes até processar que agora, ela era um lady. Como essa informação tinha chegado tão rápido nos ouvidos das empregadas e servos? "Certo", murmurou e caminhou lentamente até seu guarda roupa, pegando uma roupa velha disposta a voltar a trabalhar.

— Não, não, não! — a senhora entrou na frente do guarda roupa, impedindo que ela o abrisse. Rose mordeu o lábio inferior, tentando não ficar irritada com as moças. — Você é uma lady agora. Não usará mais esses trapos. A partir de hoje, um novo estoque de roupa será entregue à sua porta, lady Rose. 

— Mas eu preciso voltar a trabalhar, não posso continuar mais com essa roupa — Rose tenta explicar mas outra mulher balança a cabeça negativamente.

— Não trabalhará mais, lady Rose. Agora sua única função é ficar ao lado do Príncipe, e atender tudo o que for pedido — Rose entorna os lábios. Como assim "tudo"?. Como se lesse a mente da menina, a mulher chega mais perto e sussurra em seu ouvido. — Exatamente tudo.

Outro arrepio percorre em seu corpo e Rose suspira. Sua classe social e vida tinha mudado tudo em uma simples manhã. Como diria agora para suas amigas? 

— Lady Rose — a mulher que ainda não tinha se pronunciado, a chamou. — O príncipe mandou informá-la que daqui a pouco começará um jogo de cavalos na pista real. É para você comparecer e assistir também. 

O jogo dos cavalos não era nada menos do que, homens treinados para entreter os Reis, subir em cavalos e lutar. Muitas vezes ocorria em morte, apesar da proteção, não era o suficiente para sobreviver. O antigo Rei adorava esse esporte e o ódio do sangue de Rose aumentava ao ouvir sua risada sarcástica ao ver um ferido. Ninguém gostava desse esporte, nenhum servo era capaz de enaltecer um esporte que só arrecada feridos. Mas por algum motivo, esse esporte vem crescendo de gerações em gerações.

— Aqui está seu vestido, Lady Rose — a mulher pega da cadeira um grande vestido, cor lilás e cheio de detalhes em renda. Era um vestido digno da nobreza, onde todas as mulheres e damas de honra usavam no seu dia a dia. Rose só vira esses tipos de vestido de longe, e nunca usou um na vida. Os servos eram obrigados a vestir calça e blusa que mais pareciam sacos de batata. — Vamos te ajudar a colocar, se nos permitir Lady Rose.

— Por favor, não me chame assim — sussurrou após um suspiro. Ia ser muito difícil se acostumar com isso. As três se desculparam, se curvando e Rose sentiu um aperto no peito. Agora ela uma deles, uma da Realeza e ela nunca iria se adaptar com isso.

Todos os Reis e Príncipes tinham pelo menos uma amante, era muito raro ver alguém da Família Real que não tinham uma. E Rose sabia como elas eram tratadas, basicamente, como Princesas. Porém, quando o Rei e um Príncipe já arranjam uma princesa, as amantes não eram nada menos do que tratadas como despachos; aquelas que os Reis só procuravam para sexo.

Rose tirou sua blusa e sua calça, permitindo que as empregadas a ajudassem a colocar o belo vestido. Após colocar, as empregadas começaram a fazer um ajuste para ficar bem colocado no corpo de Rose. Uma delas puxou uma parte do vestido, e fez com que Rose prendesse a respiração. Era como um golpe em sua barriga, e como se tivesse algo pesado em cima de seu peito. Era apertado demais. As empregadas disseram que isso era algo comum nas mulheres de honra, e Rose não quis pensar como seria se acostumar com isso.

Depois a entregaram um pequeno guarda sol, pois o sol muito forte lá fora. Abriram a porta, e a acompanharam até fora do Castelo, onde faltava pouco tempo para o grande jogo começar. Por isso, Rose não estranhou o vazio do Castelo, todos sem exceção, aguardavam para assistir a luta. Rose estalou seu salto de alto, apressadamente para fora do Castelo; ela queria acabar logo com isso.

Logo após os guardas permitirem a saída, Rose colocou o guarda sol sob sua cabeça e semi cerrou os olhos, a procura dos Reis. O guarda apontou para uma grande escada de pedregulho, onde no alto, havia as cadeiras dos Reis. Tinham um pequeno teto sob suas cabeças também, e fazia com que o lugar aonde eles estavam, não ficassem tão claro assim. E isso ela não se surpreendeu, todo mundo sabia o que acontecia quando vampiros ficassem no sol. O Rei não tirava os olhos dos servos arrumando o campo, enquanto a Rainha conversava com suas damas de honra de longe, e o Príncipe estava focado em Rose, que subia as escadas cuidadosamente.

— Gostou do vestido, lady Rose? — Príncipe Taehyung diz, e Rose podia ter certeza que tinha um tom sarcástico em sua voz quando falou "lady".

— É sufocante — ironizou Rose, enquanto se sentava na poltrona ao lado do Príncipe. 

A visão da onde eles estavam sentados era ampla, eles podiam ver exatamente tudo. Ao olhar para baixo, podia ver que se algum deles caísse, certamente iria se ferir gravemente pois a altura era enorme. A cadeira do Rei era no meio, a da Rainha era em seu lado direito, e ao lado esquerdo havia a cadeira do Príncipe e de Rose. Os Reis perceberam a presença de Rose nos assentos. A Rainha a encarou furiosamente, idêntico ao seu olhar na cozinha, e depois revirou os olhos vendo o campo novamente. Já o Rei não fez muita questão, apenas se virou para o campo também. Rose se remexeu na cadeira, confortável, mas seu corpo todo estava tenso. "Você é parte da Realeza agora Rose, é parte da Realeza", repetiu sucessivamente em sua mente. Ela não podia acreditar, não conseguia.

— Vejamos como sou um bom Príncipe, não? — Príncipe Taehyung sorriu orgulhosamente enquanto observava o campo também. — Escolhi justamente você, uma serva, para se tornar uma classe alta. Você possui um certo poder agora, Rose, devia me agradecer. 

— Por que me escolheu? Por que eu Vossa Alteza? Eu sou só uma serva entre milhares, tinha tanta mulher de honra e...— Rose se conteve em continuar a falar, com medo do que Príncipe Taehyung podia dizer; mas o mesmo não se importou.

— Prostitutas? — ele completou a frase, soltando uma pequena risada abafada. Depois, se virou olhando profundamente nos olhos de Rose. — Porque eu sinto que você me trará muitos benefícios um dia, lady Rose — Príncipe Taehyung deu de ombros e voltou a olhar pelo horizonte. — Porque quando você teve a audácia de cuspir em meu rosto, eu tive certeza de que você era corajosa e determinada para ser uma Princesa um dia. É isso o que o povo quer, Rose; Poder, coragem, determinação para lutar. Quantas mais servas teria coragem de cuspir no rosto de seu Príncipe? — Príncipe Taehyung voltou a olhar e sorriu. — E claro, sua beleza é estonteante. — piscou.

 Uma buzina tocada pelos guardas os fez despertar. Toda a atenção se virou para frente onde os cavalos entravam no campo, junto com seus respectivos cavalheiros que iriam lutar.

Rosalie, Lucy e Beth eram as únicas que não estava prestando atenção. As três estavam sentadas na sombra de uma árvore. Lucy estava com os braços cruzados e a sobrancelha cerrada; Rosalie estava com as pernas cruzadas e mexia em sua trança e Beth roía as unhas.

— Aquela ali é a Rose? — perguntou Rosalie enquanto brincava com os fios de sua trança loira.

— Pois é ela mesmo — Lucy respondeu. — Bem como você disse, Rosalie. Rose foi correndo para o trono Real já. 

— Eu nem acredito que ela está lá — Beth deu uma risadinha. — Ela precisa nos contar urgentemente o porquê de estar sentada ao lado do Príncipe — suspirou então, sonhando que um dia fosse ela naquele lugar. — Ora, Rose é tão sortuda.

— Não acho — Lucy bufou. — Suas orelhas devem ter ficado maiores quando Rosalie disse que ela teria chance. Não perdeu tempo, sua sede Real falou mais alto. Mas como conseguira tão rápido? — perguntou e as três se entre olharam, até chegar em uma conclusão.

— Bom, vocês acham que ela teria mesmo coragem de fazer isso? — Beth perguntou surpresa.

— Qualquer serva ofereceria seu corpo para ficar ao lado do Príncipe — Lucy revirou os olhos. As três não conseguiram parar de pensar nisso enquanto o jogo acontecia. — Rose é realmente surpreendente. Ela é quieta, vocês sabem. Meu palpite é que quando ela achar ser a oportunidade certa, abrirá suas presas e vai atacar e devorar tudo o que estiver no caminho para se tornar a próxima Princesa. Até a gente.

Rosalie e Beth se arrepiaram. Rosalie parou de mexer no cabelo e encarou Rose bem; ela parecia apreensiva, pelo menos de longe.

— Não parece — Rosalie comentou. — Só espero não ser verdade. 

— Parem de bobagem — Beth reclamou. Pela primeira vez, suas amigas a viam brava, Lucy sempre foi muito doce com todos. — Até parece que não conhecem nossa amiga já faz anos, Rose nunca seria capaz de fazer uma barbaridade dessas. Vocês vão ver.
Lucy revirou os olhos novamente e Rosalie respirou pesadamente.

— A grande pergunta é, se por um acaso, se tornar Princesa, quais seriam suas primeiras medidas? — Príncipe Taehyung pergunta e Rose entorta os lábios. Ah ela gostaria de mudar tanta coisa...

— Primeiro satisfaria as vontades do povo. Tais como, o rebaixamento dos impostos e mais guardas em cada esquina de rua para evitar os ataques aos Burgueses. Traria mais oportunidade de emprego para os mais pobres, e mais comida para os necessitados. Além de expandir as terras de plantio de algodão e açúcar, pois vive em falta. Por último, acho que gostaria de trazer confiança ao povo e principalmente ao Rei, e claro, sempre opinar quando algum problema acontecer e fazer de tudo para resolvê-lo. — Rose explica enquanto imaginava as cenas em sua mente. Ela faria de tudo para uma vida melhor.

Príncipe Taehyung ergueu as sobrancelhas, surpreso. 

— Boas escolhas — disse. — E enquanto às trocas de ferramentas e guardas com a Inglaterra? Talvez a lady saiba que Rainha Elizabeth não terá muito tempo em seu governo. Muitas coisas irão mudar.

— O que quer dizer? — perguntou Rose confusa. Príncipe Taehyung suspirou.

— Rainha Elizabeth está falecendo, e quem assumirá seu trono será James II, filho de Maria Stuart. Acontece que o canalha é um péssimo governante, ele só trará desgraças para a Inglaterra, e principalmente para nós — Príncipe Taehyung diz, depois de bufar e se ajeitar no trono. 

— O que eles querem de nós? — Rose perguntou um pouco aflita.

— Rainha Elizabeth, você sabe, é conhecida como a Rainha Virgem. Nunca casou-se com ninguém, por isso não teve uma segunda opinião quando foi anunciado que James II iria assumir seu trono. Nós...temos uma pequena dívida com a Inglaterra. Quatro anos atrás, a Rainha Elizabeth cedeu vários homens de confiança para participar do nosso exército coreano. Nessa época você viu, ocorreu a guerra contra os Protestantes e infelizmente perdemos muito homens. Acontece que, quando James II herder seu trono, ele já deixara avisado que quer todos os homens vendidos, de volta. Mas se devolvermos, qualquer ataque será fatal para nós.

— Os Protestantes só atacaram por causa da injustiça da nova Lei — Rose justificou. — Se o antigo Rei coreano não tivesse assinado o acordo de que, Católicos seriam mais privilegiados e Protestantes seriam proibidos de muitos lugares, nada disso teria acontecido. Além do mais, a guerra apenas se cessou. Duvido muito que o resto dos Protestantes desistiriam.

Príncipe Taehyung virou sua cabeça para olhar Rose melhor, e ela fez o mesmo.

— E você estaria preparada para isso? — perguntou, e ela não conseguiu muito identificar sua expressão.

— Quando selecionarmos guardas confiantes, conseguir com que James II espere por mais algum tempo indeterminado, até pelo menos acabar com essa guerra dentro de nosso País...creio que estarei. Tudo precisa ser feito com a maior cautela possível. 

— O que sugira que façamos? 

— Precisamos trazer confiança aos Protestantes, precisamos que Vossa Majestade assine a ausência dessa nova lei. Eu discordo totalmente, afinal, nenhum Protestante trouxera algum problema ao governo. Foi por puro egoísmo e preconceito. Depois, quando tudo estiver calmo, temos um certo tempo até Rainha Elizabeth falecer para conseguir novos guardas. E isso, bom, acho que é a Vossa Majestade que resolve — Rose suspirou.

Príncipe Taehyung sorriu convencido e se virou para frente. O jogo tinha acabado, e felizmente, sem nenhum ferido. O Rei e Rainha estavam falando com os jogadores longe, enquanto Rose e Príncipe Taehyung conversavam ainda sentados no trono.

— Foi o que eu disse, lady Rose. Mesmo com pouco tempo, vejo que seria uma ótima Princesa e futura Rainha para esse País — disse sem a olhar, dessa vez. O coração de Rose deu um pulo.

— Você está querendo dizer indiretamente que eu vou ser a nova Princesa? — ela pergunta esperançosa. 

Nunca se imaginou sendo uma Princesa, nem governando um País ao lado de um Príncipe. Mas se isso de ato realmente acontecesse, ela poderia deixar sua vingança de lado e focar em melhorar o País....algo que seus pais sempre quiseram. Era uma nova forma de ver o Castelo. E pensando melhor, Rose queria mesmo ser a nova Princesa. Ela traria tudo melhor novamente, principalmente a igualdade de todos os direitos. Rose estava preparada para mudar Coreia do Sul, mesmo que fosse ao lado de Príncipe Kim Taehyung.

— Não sei — Príncipe Taehyung provocou. Depois se levantou, e deixou Rose sentada sozinha.

Rose nunca teve tanto desejo de lutar. E tinha certeza que, nem mesmo o vampiro iria mudar isso; principalmente a Rainha que evidentemente a odiava. O desejo de mudar o governo e o País era mais alto do que o medo dos Reis vampiros.


                                                                 — x —

Rose não ia se acostumar tão cedo com as novas roupas. Sua camisola de dormir era tão delicada, branca como neve e refrescante para a noite de calor. Rose se perguntou como diria isso para suas amigas, mas resolveu deixar isso de lado por enquanto. Ela ainda nem mesmo é Princesa, apenas uma amante qualquer de Príncipe Taehyung.

Ela estava preparada para dormir, até tinha sentado em sua cama, se não fosse por várias batidas frenéticas em sua porta. Levantou assustada e pegou uma vela, para iluminar mais e ver quem era. Após abrir a porta, encontrou Joseph.

Joseph era o aliado da Rainha, seu braço direito, não amante. Joseph era conhecido mundialmente por suas visões do futuro, inacreditavelmente se tornarem realidade. Era o vidente mais conhecido, e quem a Rainha mais confiava. Estranhou sua presença. Joseph falava com pouca gente, por medo. Não sabia se era assim desde nascença, mas Joseph nunca gostou de contato humano, nem muito mesmo de falar. Só abria a boca para falar alguma visão que teve no Castelo, ou para responder às ordens da Rainha.

— Joseph? — Rose sibilou.

— L-lady Rose?  Tu és a nova amante de Vossa Alteza? — ele perguntou, com a voz falha e as mãos tremendo. Rose estava começando a ficar assustada.

— Sim. O que deseja? — respondeu estranha e Joseph ergueu os olhos.

— Fuja, fuja minha cara. Não tens tempo a perder — Joseph falou rapidamente, assustando Rose que deu alguns passos para trás. 

— Como assim? Joseph...o que você viu? — Rose perguntou deixando a vela de lado, em sua mesa.

— Lady Rose corre em perigo nas mãos de Principe Taehyung. Se ficar, tu irás sofrer. 


Notas Finais


~~Dasi run run run

Queria pedir para vocês estejam preparadas para os próximos capítulos, porque eles terão mais ação. E também porque a autora, quem vos fala, não tem pena de seus leitores hsuadhau Essa série é inspirada em Reign, uma das minhas séries favoritas e eu estou amando escrever ^^ Oh, peço também para que lembrem de cada acontecimento e personalidade dos personagens, nem tudo que eu escrevi é em vão, tem muita coisa vindo pela frente. Estejam preparadas, sim? <3

{Minhas redes sociais}

- Twitter: /jeontides
- Tumblr: /princekookk
- Wattpad: /jaesewn

Até mais, reinadas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...