História Dominique - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Duquesa, Medieval, Princesas
Exibições 13
Palavras 700
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Ahhhhhhh me sinto muito amorzinho e então saiu capítulo com meu shipp favorito dela. Thomas <3

Capítulo 4 - Dominique e Thomas Fontaine


Fanfic / Fanfiction Dominique - Capítulo 4 - Dominique e Thomas Fontaine

Sempre gostei de livros de romance, desde de criança e aprendi a ler... Mesmo não sendo do tipo adepta do romantismo. Gostava da maneira poética de como dramas e tragédias eram retratadas, as trocas de olhares, o mais perto que eu chegava de “amor”.

Mas creio que tive uma chance de experimentar isso, mesmo que por apenas um momento. Por muitos anos me considerava uma pessoa apática, que não poderia nutrir nada por ninguém. E não acreditava em amor a primeira vez. Mas quando eu o vi... Não tenho explicações para o tal sentimento, mas gosto de acreditar que foi o tal “amor a primeira vista”.

Thomas me fazia sorrir e rir, mas de verdade. E não aquela maneira bem ensaiadas horas no espelho, um sorriso perfeito. Não... Era sempre verdadeiro, todo sorriso que ele me tirou, eram dele. Por um dia e meio, meu peito ficou quente e eu não me sentia sozinha.

Por um dia e meio eu senti... Que estava num livro de romance. Conheci Thomas no corredor próximo ao meu quarto, outrora eu havia saído para comprar meus próprios chás, já que escolho pelo cheiro de cada um. Ele procurava sua irmã que parecia lhe pregar uma peça de pique-esconde. Ingenuidade.

No momento que meus olhos se encontraram com o dele, meu primeiro pensamento foi “Quem é você?” e não daquela maneira de escárnio que sempre pensava quando conhecia alguém. Dessa vez, o tom em minha, foi diferente... Foi curiosidade e verdadeiro interesse.

Aquela noite eu sonhei com ele.

Foi um sonho simples e mudo. Era verão e caminhávamos, apenas isso, caminhávamos. Logo o dia chegou, eu tinha afazeres que no qual não tinha interesse em fazer, logo, decidi ficar no lado parado do castelo, no pátio eu observava ela ser coberta pela neve. Eu odiava neve, mas naquele momento, estava gostando.

 

Thomas... Ele se juntou à mim, também fugia das responsabilidades, tínhamos algo em comum. Eu estava tão boba, uma tola já apaixonada por um rapaz que mal conhecia. Apesar de não poder ter sido eu mesma, por medo que ele me achasse estranha, meus sentimentos eram dos mais puros...

 

Fomos tomar vinho, não costumo tomar pois sou fraca à bebidas, uma vez quando mais jovem, bebi tanto que pensei que ia morrer, decidido que nunca mais iria beber novamente, não demonstrar aquela fraqueza. Ele me fez mudar de ideia, pelo simples fato de que eu queria mais da companhia daquele rapaz.

Meu íntimo se questionava o que ele pensava, eu não conseguia ler ele! De todas as pessoas, eu estava cega por não conseguir ele... E estava ficando cada vez mais em ruína por isso. Infelizmente, nos despedimos, mas eu fui o convite à ele.

 

Meu convite se remetia à um par para a festa. Algo novo até para mim mesma, acostumada a dizer não sempre, inventando uma desculpa, ou simplesmente ficando nas sombras para não ser notada. Nos braços dele, ele me conduzia, me girava, trocava olhares silenciosamente, eu me perdia naquele olhar dele.

 

Sua boca me atraía.

 

Ele parecia ser um imã que me puxava sempre para mais, talvez a bebida que já havia tomado aquele momento, estava mexendo com a minha cabeça. Mas me senti feliz quando ele demonstrou os mesmos pensamentos que o meu. Naquela varanda, naquele dia, eu tive meu primeiro beijo, com o meu primeiro amor.

 

Por certos momentos achava que iria derreter naquele mesmo momento, meu coração acelerava como se fosse saltar do meu peito, pela primeira vez, eu sentia aquilo tudo e demonstrava e era tudo tão verdadeiro e tão perfeito. Mas em como a maioria dos meus romances, eles terminavam... Em tragédia.

 De pé em frente ao túmulo dele, segurando algumas orquídeas, nunca tive a oportunidade de perguntar qual era as flores favorita dele, ou comida, ou... Lugar. Nada. Perdê-lo bem em frente aos meus olhos, tocar a sua pele já fria.

 

De todas as dores que já havia experimentado aquela foi a pior...

 

Hoje já não dói mais.

 

Já nem sinto mais a falta dele, como sentia nas primeiras semanas.

 

Mas ele é e sempre será meu único e primeiro amor.

 

O único que fez meu coração palpitar de felicidade.

 

Te amo, Thomas Fontaine.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...