História Don't Damage My Brain With My Heart - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol
Tags Chanhun, Chanyeol, Sehun
Visualizações 20
Palavras 1.321
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom... chegamos ao último capítulo eeeee
Como eu disse nas notas do primeiro capítulo, a fanfic ficou bem menos triste do que deveria ser e, mesmo com algumas alterações que eu fiz, ela continua não tão triste quanto eu queria
Espero que vocês gostem
Até as notas finais
^^

_não betada_

Capítulo 3 - Última Carta


Para: Oh Sehun

De: Park Chanyeol

Local: Hospital Psiquiátrico de Seoul, Seoul, Coréia do Sul

Data: 10 de junho de 2017

Horário: 05:38 pm

~*~

Bom… olá.

Sentiu minha falta?

Eu não sei como começar isso.

Não sei nem por que estou escrevendo isso mais.

Só queria te dizer que eu não me importo mais.

Mesmo sendo mentira.

Como você deve lembrar, esses dias, desde a última carta, eu passei em casa. Queria tanto poder dizer que foi ótimo passar um tempo com a família, mas não consigo. Não quando eu vivia praticamente dopado pelos remédios. Foi horrível se quer saber.

O que eu não faria para poder passar meus dias contigo de novo? Mesmo que poucos.

Me contaram o que você fez. O que aconteceu contigo.

Você se matou, não é mesmo? Me disseram que não faz tão pouco tempo. Encontraram minha primeira carta aberta na sua casa, então eu sei que você a leu.

Você não sabe o quanto eu estou chorando desde que soube disso. Minhas vozes, quando os remédios permitem que elas apareçam, dizem que é culpa minha. Culpa da minha carta. Dizem que elas avisaram de tudo isso.

E elas estão certas. Sinto que, se eu não tivesse escrito a carta, você poderia estar do meu lado de novo. Vivo, no caso.

Sua mãe apareceu aqui em casa esses dias. Elas me contou tudo o que aconteceu com você durante esse tempo.

Eu soube que você conseguiu se formar na faculdade que queria. Soube também que você conseguiu um bom emprego no campo que queria. Soube que você ficou feliz morando com sua mãe de novo.

Ela me contou como você estava alto, bonito, magro. Que você tinha descolorido os cabelos de novo. Eu tento imaginar a cada momento o quão bonito você estava.

Ela me disse tantas coisas boas sobre você, que me senti levemente feliz por você. De verdade.

Mas, assim como coisas boas, ela me disse coisas ruins.

Ela me disse o motivo de você ter me deixado. Ela disse você não aguentava meu sofrimento, achava que você que o causava, achava que você me trazia momentos tristes. Ela me disse que você dizia todos os dias que estava arrependido, que queria voltar para mim. Disse que você não aguentava mais ficar sem mim.

Por que você não voltou então? Por que você simplesmente me deixou?

Você se matou porque não aguentava me ver sofrendo, mas você só conseguiu piorar o meu sofrimento.

Você foi um covarde.

Mas eu não consigo te odiar.

Você pisou em meus sentimentos para se sentir melhor, dizendo que não queria me ver mal, mas só acabou piorando tudo.

Mas eu sinceramente espero que, no lugar que você esteja agora, você esteja feliz.

Eu não lembro o que aconteceu depois de que eu comecei a chorar quando sua mãe me contou sobre você. Eu só sei que eu apaguei e que agora estou de volta à clínica. Não me disseram também o que aconteceu.

Eu estava de volta ao meu quarto da clínica. Tanto tempo se passou e eu ainda não me acostumei com esse quarto. As paredes são todas brancas e os móveis tem tons azulados ou esverdeados.

Perdi a conta de quantas noites eu fiquei sem dormir por estar pensando em você. Essas cores me lembram você. Eu odeio essas cores, mesmo amando você.

Meu psiquiatra já me visitou mais de três vezes hoje para ver o meu estado. Ele diz que eu apaguei por conta da quantidade de remédios, mas eu não acredito nisso.

Bateram na minha porta novamente, mas, ao invés do meu psiquiatra ter entrado no quarto, era uma enfermeira. Ela estava com um bilhete na mão e me disse que vinha de “um tal de Oh Sehun”. Eu congelei.

Comecei a chorar, a enfermeira até se preocupou, mas eu disse que não era nada. Peguei o bilhete e senti meu coração acelerar, com medo do que estaria escrito lá.

Era um papel de bilhete igual ao que você deixou para mim quando me abandonou. Eu cheirei o bilhete. Tinha o seu cheiro ainda. Tão bom.

No bilhete, estavam escritas palavras como de uma despedida.

“Chanyeol hyung, me desculpe por tudo. Me desculpe por te fazer sofrer. Me desculpe por ter te abandonado. Me desculpe. Eu te amo e sempre te amarei.”

Era isso o que estava escrito. Tantos pedidos de desculpa. Você não voltaria mais para mim. Você se foi de vez.

"Sempre te amarei" você escreveu. Mas o quanto dura esse sempre, pois o seu "sempre" durou até um tempo depois desse bilhete ter sido escrito. Mas eu não te culpo por isso, nem meu amor por mim durou muito tempo, se é que durou algo. Não te culpo por você não conseguir me amar como eu te amava.

Eu estava sozinho. De novo.

Queria poder me juntar à você. Queria tanto passar mais tempo ao seu lado. Queria ser feliz de novo. Queria amar de novo. Queria me importar de novo.

Parece que tudo acontece tão rápido, não é mesmo? Parece que a felicidade é efêmera, não é mesmo? Igual ao amor. Minha felicidade durou tanto tempo para se acabar tão rápido. 

Assim como minha felicidade se acabou quando você foi, minhas cartas também vão se acabar.

Essa será minha última carta para você.

Sabe, eles me deixam ir ao terraço daqui da clínica de vez em quando. Dizem que eu sou um dos mais lúcidos lá, por isso tenho essa permissão.

Gosto bastante de ir lá. De sentir o vento, o sol, a chuva. Me acalma. Me lembra você. Você sempre me acalmou. 

Você me bagunçava e me agitava, igual ao vento. Você me acalentava e me acolhia, igual ao sol. Você me trazia sentimentos calmos e ao mesmo tempo agitados, igual à chuva.

Ma igual o vento pára de repente, igual o sol vai embora durante a noite e durante os dias nublados, igual a chuva passa, você se foi. Só que, diferente desses, você se foi para sempre. Me dói tanto pensar nisso, falar sobre isso ou ouvir sobre isso.

Minhas vozes ficam te chamando de covarde e de fraco, mas eu só consigo pensar em como a culpa disso tudo foi minha. 

Me disseram que eu melhoraria um dia. Sonhava que nesse dia, eu sairia da clínica com um sorriso no rosto e você estaria me esperando do lado de fora. Sonhava que nós nos abraçaríamos com toda a saudade do mundo. Mas isso nunca vai acontecer. Agora eu tenho certeza.

Eu não sei quanto tempo mais eu vou aguentar sem você. Parece que a única pessoa pela qual eu ainda tenho sentimentos, é você e isso me machuca.

Eu estou sentado em um banco aqui do terraço da clínica, apenas observando o dia. Você amava dias assim, com o céu aberto, o sol brilhando não tão forte e com o clima fresco, enquanto eu sempre preferi os dias nublados, frios e chuvosos.

Eu pedi para o meu psicólogo me encontrar aqui no terraço daqui a 30 minutos, enquanto isso, estou me levantando e me alongando um pouco. 

Me aproximei mais da beirada do terraço. A grade estava quebrada e eles ainda não tinham trocado, mas desde quando eu cheguei estava assim.

Olhei para o céu e depois para baixo, vendo o movimento nas ruas de carros e pessoas. Havia pouco movimento hoje. Um dia perfeito. Pensei mais um pouco em você enquanto me distraía com a visão. Senti uma ou duas lágrimas caindo dos meus olhos, mas não me importei. 

A luz nunca me pareceu tão bonita, igual a morte nunca me pareceu tão atraente, quanto agora.

Minhas vozes estão mais agitadas que o normal. Elas estão com medo. Medo do que eu faria a seguir.

Olhei para trás, pensei em todos. Pensei na minha família, nos amigos que eu já tive. Pensei sobre a nossa última noite juntos e cheguei a uma conclusão.

Um silêncio tomou conta da minha mente. Senti o vento bater mais forte em meu rosto. 

Daqui a poucos minutos, meu psiquiatra estará aqui para me encontrar.

Mas ele apenas encontrará essa minha carta aqui encima do banco no qual eu estava sentado.

Sabe por quê?

Porque eu vou me juntar a você.

Com mais amor do que eu gostaria,

Chanyeol


Notas Finais


E foi isso :')
Espero do fundo do meu coração que vocês tenham gostado
Eu fiquei muito insegura em relação ao tema esquizofrenia, pois não conhecia muito sobre e, mesmo com as pesquisas que eu fiz, eu fiquei com medo de escrever alguma besteira ou algo ofensivo a quem tem a esquizofrenia ou a quem conhece alguém que tenha

Muito obrigada mesmo pra quem leu até aqui, sou muito grata mesmo.

Um beijão pra todos vocês, meus amores ^^ :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...