História Don't Go - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Monsta X
Personagens I'M, J-hope, Jimin, Jin, Joo Heon, Jungkook, Rap Monster, Show Nu, Suga, V
Tags Angst, Bangtan, Bts, Flex!yoonmin, Hoseok, Jeogguk, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Long-fic, Menção Namjin, Menção Taekook, Menção Vkook, Monsta X, Morte, Namjoon, Rap Monster, Suga, Suspense, Taehyung, Yoongi, Yoonmin
Visualizações 533
Palavras 2.669
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura :]

Capítulo 7 - Eu estou sonhando?


Fanfic / Fanfiction Don't Go - Capítulo 7 - Eu estou sonhando?

O resto da semana parecia se arrastar, não vi Park nesses últimos dias. Ele dizia estar ocupado com algumas coisas, e estava chegando muito tarde em casa. Nos falávamos por mensagem, e às vezes, por ligação. Os pesadelos que eu tinha voltaram a me assombrar, eu sinto como se a presença do Jimin fosse uma cura para a minha agonia, e agora, eu estava sem ela. Eu não sei dizer qual é a sensação, eu não o conheço há tanto tempo, mas me sinto enfeitiçado.

Como eu trabalho apenas meio período, estou tendo muito tempo para pensar, e isso está destruindo mais a minha mente transtornada. Voltei a pensar em minha mãe com a frequência de antes, e se eu não estou pensando nela, a expressão do Park com o revólver em sua testa assombra meus pensamentos. Eu queria confrontá-lo e perguntar o que tinha acontecido naquele beco, mas, eu não sabia como. Eu estava estressado, a ansiedade tinha me abraçado e parecia não querer me soltar mais. Os maços de cigarros que antes estavam esquecidos no meu quarto, agora eram apenas embalagens vazias e amassadas no sofá. O último cigarro mal tinha acabado e eu já estava ansiando por mais, me levantei do móvel desgastado e sai pelas ruas em busca do meu vício.

Era fim de tarde, folhas secas caiam das árvores e eram embaladas pelo vento antes de pousarem suavemente no chão, me permiti apreciar a visão que o outono proporcionava. Por alguns segundos eu me esqueci da minha mãe, do Jimin, esqueci-me de Min Yoongi. Um suspiro pesado fluiu pelos meus lábios secos, umedeci os mesmos com a saliva de minha língua. Caminhei por um bom tempo, até me sentir menos ansioso e entrei na loja mais próxima.

Comprei mais três maços, e assim que voltei para a rua, coloquei o cigarro entre meus lábios, tragando profundamente e apreciando a sensação de conforto que a nicotina me proporcionava. Encostei-me em um muro ali perto e continuei fumando tranquilamente. Quando notei, já havia anoitecido e algumas estrelas começavam a brilhar no céu, era sexta feira, mas eu não estava com vontade de fazer nada, decidi apenas que iria voltar para minha casa.

Assim que entrei em meu lar, joguei a sacola esbranquiçada em cima da mesa e subi para o banheiro, tomei um longo e escaldante banho e tentei manter meus pensamentos apenas na água que relaxava meus músculos. Não demorei muito, me sequei e fui para o meu quarto, me vesti com uma camiseta branca e um moletom velho.

Olhei-me no espelho trincado de meu guarda roupa, meu cabelo estava começando a crescer e vestígios de castanho apareciam na raiz do mesmo. Passei meus dedos entre os fios, procurando deixá-los menos bagunçados, e desci para a sala. O relógio em cima da televisão mostrava ser 19h32, peguei outro cigarro do maço já aberto e o acendi com o isqueiro escuro, assim que dei a segunda tragada batidas urgentes na porta me fizeram levantar.

Caminhei lentamente até a mesma, deixei o cigarro preso entre meus lábios e abri a madeira maciça. Deparei-me com Jimin, seus fios negros estavam bagunçados, um olhar atemorizado brilhava em minha direção, eu não tive tempo nem de olhar o moreno direito, e ele passou por mim, entrando na casa. Olhei o mais novo surpreso, tirei o cigarro da boca e o joguei no chão, pisei no mesmo o apagando e fechei a porta.

— Jimin? – Olhei o menor, ele corria os olhos rapidamente pelo ambiente inteiro, mas seu corpo estava estático. — Jimin!

O tom mais grave da minha voz pareceu chamar sua atenção, o moreno finalmente focou seu olhar em mim, um misto de raiva, confusão e alívio formavam sua expressão.

— Hyung. – A voz que saiu de seus lábios soava extremamente cansada, o menor se aproximou de mim e me abraçou com força, me surpreendendo.

— Você está bem? – Retribui o abraço, sentindo o aroma agradável do cabelo do mais novo.

O moreno se afastou vagamente, sem descolar seu corpo do meu. Seus olhos dançavam de um lado para o outro em meu rosto, ele parecia focar em cada detalhe ali, e por fim, parou em meus lábios. Havia desejo em seu olhar, minha boca se abriu morosamente e um ruído alto saiu da garganta do mais novo, vi seus olhos se fecharem e suas sobrancelhas se franzindo.

— Jimin, me diz o que ‘tá acontecendo. – Minha voz beirava desespero, eu não sabia qual era o problema, mas ver o menor daquele jeito estava me deixando agoniado.

O moreno abriu os olhos, eles demonstravam pesar. Por um segundo pensei ter visto o brilho de uma lágrima tomando forma ali, mas assim que a notei, os lábios avermelhados do menor se colaram aos meus. Diferente da outra vez, Jimin se apressou em pedir passagem com sua língua quente, me senti confuso com toda a situação, mas eu cedi mesmo assim. Esse beijo foi diferente do primeiro, sua boca buscava a minha com urgência, sua língua envolvia a minha em movimentos agitados e provocantes. Um gemido baixo saiu pelos lábios do menor, e suas mãos apertaram a lateral da minha cintura, sua boca se separou da minha com um estalo alto, seus olhos procuravam os meus.

— Hyung.. – Jimin respirava com dificuldade, e eu me sentia atordoado.

— Você pode conversar comigo, Jimin. – Elevei minha mão para tocar o rosto do mais novo, mas ele segurou meu pulso, e em um piscar de olhos, me empurrou contra a parede mais próxima, sua mão apertava meu pulso com força e estava começando a doer, antes que eu pudesse dizer algo, seus lábios estavam de volta aos meus.

Ele soltou meus pulsos e desceu as mãos novamente para minha cintura, seu corpo se pressionava ao meu, como se ele de alguma forma, quisesse se fundir a mim. Toquei os fios macios de sua nuca e os puxei levemente, Jimin interrompeu o beijo bruscamente e desceu seus lábios para o meu pescoço, sua língua trilhava um caminho imaginário levemente pelo mesmo, disparando arrepios pelo meu corpo. Park alcançou minha clavícula e a beijou delicadamente, sua língua deixava um rastro úmido pela minha pele. O menor roçou seus dentes entre meu pescoço e clavícula, e chupou o local. Eu podia imaginar o vermelho que iria se formar ali, mas eu não encontrava palavras pra pedir para o moreno parar.

— Jimin.. – Sussurrei seu nome com dificuldade.

— Hyung.. Você cheira tão bem. – O moreno contornava meu pescoço com a ponta de seu nariz, ele se moveu rapidamente, colocando a coxa entre minhas pernas. Senti o toque dela em meu membro, que já estava duro. Como isso é possível? — Eu quero você. – Jimin subiu seus lábios pelo mesmo caminho que havia descido, seus dentes capturaram meu lábio inferior com força e eu gemi de dor. Ele pressionou sua coxa contra o meu membro, que pulsou em resposta.

— Jimin-ah, tá doendo.. – Senti meu lábio arder e ele o soltou rapidamente, havia preocupação em seu olhar.

— Eu te feri? Me desculpa. – Seus dígitos tocaram meu lábio dolorido, e um gemido escapou pela minha boca. — Não faça esses sons, Yoongi.

Encarei o moreno, senti meu membro pulsar mais uma vez, e Jimin também. O menor pressionou sua coxa contra minha virilha mais uma vez, aproximou seus lábios avermelhados da minha orelha e mordeu o lóbulo da mesma, sua respiração pesada estava me deixando fora de si.

— Eu queria te fazer meu aqui, agora.. – Jimin sussurrava em meu ouvido. — Mas não vou fazer isso.

Senti o choque e a decepção inundando meu corpo, tirei as mãos da nuca do menor e esperei ele se afastar para me encarar.

— Eu quero que seja especial. – Jimin sorriu, e seus olhos se tornaram aquela meia lua que eu tanto gostava.

— Muito gentil da sua parte, mas o que eu faço com isso? – Murmurei e gesticulei com meu queixo na direção de sua coxa, onde meu membro pulsava clamando por atenção.

Jimin riu vagamente e tomou meus lábios mais uma vez, sua língua invadia minha boca de forma selvagem e excitante, ele tirou sua coxa do meio da minha perna e eu gemi em protesto, mas em seguida sua mão macia começou a massagear meu membro por cima do moletom.

Assim como no meu sonho, pensei.

O moreno não afastou seus lábios dos meus em nenhum momento, sua mão se infiltrou em meu moletom facilmente, juntamente com a cueca. Sentir a palma macia de sua mão pequena em meu membro sem nenhum tecido, era uma sensação indescritível. Ele rapidamente abaixou as duas peças que impediam os movimentos de sua mão, e começou a me masturbar lentamente. Gemi entre o beijo e ele afastou seu rosto do meu. Abri os olhos, Jimin me encarava com um sorriso descarado nos lábios, sua mão ia da base do meu membro até minha glande, lentamente me torturando.

— M-Mais.. – Eu mal terminei de falar e o moreno aumentou a velocidade, sua mão me tocava e deslizava facilmente por conta do meu pré-gozo, reprimi os gemidos que ameaçam fugir.

Jimin retirou sua mão, apenas para tirar o cinto de sua calça, e liberar seu próprio membro aprisionado nos tecidos. A ação foi muito rápida, em segundos senti a intimidade do menor roçando na minha. Park pressionou seu pênis contra o meu, e logo sua mão estava em volta nos dois, os mantendo juntos. Um gemido abafado saiu de sua garganta. Comecei a movimentar minha pélvis em direção ao seu membro, eu ansiava por mais toque, eu precisava senti-lo por inteiro.

Jimin pressionava cada vez mais sua intimidade contra a minha, a lubrificação era tanta que estava se mostrando uma tarefa difícil manter os membros juntos, senti a glande do menor percorrer meu falo inteiro devagar, abri a boca pronto para deixar um gemido alto escapar, mas os lábios de Park me impediram, ele movimentava sua pélvis do jeito oposto ao meu, um gemido abafado surgiu em seus lábios. Cravei meus dedos em seus braços ainda cobertos, sentindo o ápice chegando. Jimin percebeu e se afastou, olhei para ele com indignação em meu rosto, antes que eu tivesse a chance de perguntar o porquê, o menor segurou em meus braços e me deixou de costas para ele, senti meu membro pressionado contra a parede e gemi, eu não estava suportando mais.

— Hyung.. Tão bom. – Jimin colou seu corpo no meu, senti seu membro em minha nádega e suspirei, ele teria mudado de ideia?

Park puxou meu quadril mais para cima, fazendo com que meu corpo se curvasse levemente. Suas mãos apertavam e massageava minhas bandas com forças, senti a glande da sua ereção na minha entrada e ofeguei. Ele apenas o roçou ali, a sensação era maravilhosa. Rebolei em sua direção, pedindo por mais.

— Não. – Jimin desferiu um tapa com sua mão em minha bunda, e eu gemi com a dor.

O moreno roçava seu pênis com força em mim, seu braço me envolveu pela cintura, e sua mão capturou meu membro rapidamente. Senti a intimidade do menor tocar a base da minha, um misto de prazer e agonia tomava conta do meu corpo.

— Goze pra mim, hyung. – Jimin sussurrou baixinho em meu ouvido, enquanto sua mão se movimentava rapidamente em baixo.

Fechei os olhos e aproveitei a sensação do orgasmo que estava chegando, coloquei a mão para trás a fim de tocar no mais novo, encontrei seu membro e comecei a masturbá-lo também. O menor gemeu baixo em meu ouvido e passou seus lábios para minha nuca, beijando e mordendo levemente a mesma. Jimin começou a estocar em minha mão, arfei quando imaginei que poderia ser minha entrada ali. O masturbei com rapidez e força até sentir o líquido morno do mais novo preenchendo minha mão, seu gemido em minha orelha foi o suficiente para que eu me desfizesse em sua palma macia.

— Hyung.. Você me faz perder o controle. – Park suspirou em meu ouvido, derrotado.

Senti minhas pernas ficarem mole, o orgasmo tinha sido intenso e eu só queria deitar e relaxar.

— Posso ficar essa noite? – O moreno se afastou do meu corpo e escutei o barulho da sua calça. Antes de me virar arrumei minhas vestes também, acabei manchando o moletom com o sêmen do mais novo, quando olhei para minha mão senti a vontade de experimentar o sabor dele, mas corei apenas por imaginar isso.

— Claro que sim. – Me virei para o moreno, quando nossos olhares se encontraram, senti meu coração pulando no peito, o menor sorriu em minha direção e colou seus lábios no meu, foi rápido, mas, carinhoso.

— Vou ir tomar banho, quer me fazer companhia? – O moreno alisava meu rosto com delicadeza.

— N-Não, pode ir. Você 'tá com fome? – Desviei o olhar envergonhado, para a mesa na cozinha.

— Sim, fome de você. – Jimin colocou a mão contra a parede e me prendeu ali, olhando fixamente para meus lábios e sorrindo. — Mas, é melhor pararmos por hoje, não sei até que aonde meu autocontrole vai. – Um suspiro pesado saiu dos lábios do mais novo, eles estavam levemente inchados pelos beijos intensos que trocamos.

Rapidamente o moreno subiu as escadas e eu escutei o barulho da porta do banheiro se fechando, soltei a respiração que não havia percebido que tinha prendido e subi atrás. Entrei em meu quarto e procurei no guarda roupa alguma veste confortável para o menor, separei um short que havia ficado muito grande para mim, e um suéter escuro. Sentei-me na cama e repassei cada carícia trocada entre nós na sala, senti meu rosto corar violentamente lembrando o quão insinuante eu fui. O que estava acontecendo comigo? Eu disse que queria, mas só de pensar em ir mais a fundo, me dá medo.

Meus pensamentos foram interrompidos com Jimin entrando no meu quarto apenas com a toalha amarrada na cintura. De seu cabelo molhado escorria gotas até seu peitoral, e elas se perdiam próximo a sua pélvis. Acompanhei o caminho das gotas e o moreno riu.

— A água 'tá gostosa. – Ele murmurou.

— Vou ir também. – Reprimindo a vontade de dizer “você também ‘tá gostoso”, apenas sorri levemente para o menor e caminhei em direção a saída do cômodo, a mão de Park segurou meu pulso e me puxou contra seu corpo, a força dele era algo que me surpreendia, seus lábios se chocaram contra os meus e sua língua contornou eles sedutoramente.

— Não demora. – Jimin sussurrou com os lábios aos meus, se afastou, e sorriu.

Assenti, e sai cambaleando meio desnorteado pela ação do mais novo. Entrei no banheiro e tomei o banho mais rápido da minha vida, apenas me certifiquei que estava limpo e desliguei o chuveiro. Desci as escadas, conferi se tudo estava trancado e apaguei as luzes, subi calmamente para o meu quarto. Jimin estava deitado, encostei a porta e me aproximei, seus olhos estavam fechados e seus lábios entreabertos.

Pensei no quão cansado o mais novo estava essa semana e suspirei, me sentei na beirada da cama suavemente, procurando não perturbar o moreno. Não resisti e toquei seu rosto com a ponta dos meus dígitos, Jimin tinha a expressão mais serena que eu já vi em seu rosto até agora, ele parecia tão calmo. Eu acho que seria capaz de ficar o olhando dormir a noite inteira, mas após algum tempo suas pálpebras tremeram e se abriram preguiçosamente.

— Yoongi? – Seus olhos focaram em mim depois de alguns segundos.

— Estou aqui. – Sorri para o mais novo e tirei o cabelo úmido de sua testa.

— Eu estou sonhando? – Havia dúvida na voz do menor.

Ri baixo com sua pergunta.

— Eu estou em seus sonhos? – A curiosidade preencheu minha mente.

— Você é o meu sonho. – O menor sorriu vagamente e voltou a fechar os olhos.

Senti meu coração falhar, minha boca se abriu e eu simplesmente não conseguia lembrar de como fechá-la. A respiração do moreno se aprofundou e ele havia adormecido novamente, depois dessa fala não sabia se eu iria dormir. Deitei-me ao lado do Jimin e tentei ignorar as batidas desreguladas do meu coração e as mariposas em meu estômago. Será que Jimin.. É o meu sonho também?


Notas Finais


Perdoem esse 'semi-lemon' ruim, e não desistam de mim
Nunca escrevi lemon, e quando for pra valer, vou chorar.
Até o próximo cap. :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...