História Don't Go - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford
Tags 5 Seconds Of Summer, Ashton Irwin, Calum Hood, Drama, Luke Hemmings, Michael Clifford, Romance
Exibições 100
Palavras 2.121
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bem, essa é o primeiro capítulo da minha fic. Espero que vocês gostem de verdade.
Também vou estar postando ela no wattpad.
Boa leitura!

Capítulo 1 - 1. I don't know how to say goodbye


Fanfic / Fanfiction Don't Go - Capítulo 1 - 1. I don't know how to say goodbye

É verão em Sydney, mas hoje o céu amanheceu nublado. Parecia que o mundo ia desabar em água. Algo um pouco estranho já que a cidade era conhecida pelo céu incrivelmente ensolarado.
O avião em que Michael e seus amigos estavam acabara de pousar, tinham acabado de voltar da primeira parte da turnê (que tinha acontecido na Europa) e o menino não teve outra reação a não ser pegar o celular e ver se tinha alguma mensagem de sua namorada. A reação do garoto foi de decepção ao ver que na tela do celular não tinha nenhuma notificação com o nome que te causava uma explosão de sentimentos todas as vezes que o via. Apenas uma foto dela (talvez a preferida do garoto) sorrindo e tentando cobrir o rosto com as mãos enquanto estava deitada com cara de quem acabou de acordar. Ele era do tipo que colecionava fotos do casal em todos os pequenos momentos do dia para quando estivesse com saudade durante a turnê. Desde uma foto tirada na praia até uma tirada na frente do espelho enquanto escovam os dentes juntos.

Michael's POV

"Será que ela esqueceu que ia vir me buscar no aeroporto hoje?" Foi o primeiro pensamento que passou pela minha cabeça quando não vi nenhuma mensagem de bom dia ou algum tipo de aviso falando que ela já estava lá fora me esperando. Bem, eu decidi não ligar e deixar assim. Eu podia pegar um táxi até o apartamento dela ou pedir carona para o Luke ou Calum. Ambos iriam alugar um carro para passar uns dias por aqui.
Assim que pegamos nossas malas na esteira decidi tentar ligar para ela. Liguei uma... duas... cinco vezes em seu celular e nada.

- Droga, Natalia! Por que você não atende? - falei em um tom impaciente.

- Ei nervosinho, o quê foi? - disse Ashton se aproximando.

- Tô tentando ligar pra Nah e ela não atende, a ligação mal completa e já cai na caixa postal. - eu disse colocando o celular no bolso da minha calça.

- Por que você não liga no telefone fixo? Às vezes o celular dela pode estar no mudo, ou ter descarregado... - disse Ashton tentando me acalmar e mostrar que estava tudo bem.

Eu concordei, apesar de achar toda aquela situação muito estranha. Ela nunca foi de ignorar ligações, principalmente as minhas. Mas Ashton poderia estar certo, talvez o celular dela descarregou ou só estava no mudo.
Então tentei ligar no telefone fixo. Tentei uma... duas... cinco vezes e de novo ninguém atendia. Já estava entrando em pânico com toda aquela situação.

###

Depois que todos nós pegamos as malas e alugamos o carro, fomos até o estacionamento onde decidimos quem iria com quem:

- Eu e Sophia vamos parar em algum lugar pra comer, vocês querem ir? - disse Luke depois de ter fechado o porta malas do carro.

- Não, cara. Eu vou com o Calum e Ashton até a casa da Nath ver se está tudo bem. Ela ainda não me respondeu, nem um sinal de vida.

- Tudo bem, cara. Boa sorte lá - disse Luke dando alguns tapas no meu ombro - Então, amor, vamos? - completou enquanto abria a porta do passageiro para Sophia.

- Obrigada, querido - disse Sophia depositando um beijo na bochecha de Luke- Tchau rapazes!

- Tchau Sophy! - falamos todos juntos em um coro.

Depois que foram embora, eu, Ash e Calum entramos no carro para ir até o apartamento da Natalia. Estávamos no meio do caminho, Cal e Ash estavam no banco da frente cantando alguma música que tocava na rádio quando senti meu celular vibrar. Era uma mensagem

"Oi, meu amor. Me perdoe por não atender. Me perdoe também por todas as coisas ruins que eu fiz. Agradeço por você fazer parte da minha vida. Muito obrigada por tudo o que você fez até agora por mim. Eu te amo demais..."

"Eu também te amo, meu amor. Já estou chegando aí. Vamos passar a tarde toda juntos"

Respondi a mensagem e levantei minha cabeça. Nesse instante, Calum virou pra trás e falou:

-Ei, você recebeu essa mensagem estranha da Nath também?

-Que mensagem estranha cara? -falei tentando não parecer preocupado

-Essa aqui - falou me entregando o celular.

"Hey, Cal. Obrigada por ter me aturado todo esse tempo. Por ter falado de futebol comigo. Você é um ótimo amigo que sempre me fez rir. Eu te amo, cara. Você é como um irmão mais velho pra mim"

Acabei de ler a mensagem e estava com tantas dúvidas, eu não estava entendendo o porque dela enviar essas mensagens. Ashton estava dirigindo, mas disse que também recebeu uma. Ele não a abriu, mas pelo o que pôde ler no visor dizia algo sobre ele sempre ter sido um irmão mais velho para ela. Luke me mandou um print do que a Nath tinha mandado para ele e para a Sophia. Ela estava agradecendo aos dois por terem ajudado ela com os sentimentos que tinha por mim.

####

Mais alguns minutos no carro e chegamos no prédio dela. Sai do carro e os meus amigos disseram que iriam esperar ali para saber se tudo estava bem. Andei em direção ao portão e toquei o interfone. O porteiro já me conhecia, então abriu no primeiro toque.
Subi alguns degraus que separava o portão da portaria e o moço de cabelos grisalhos me chamou:

- Michael, quanto tempo não te vejo aqui!

- Sim, Robert, estava em turnê. Voltei hoje e vim dar um oi pra Nah - respondi tentando me afastar para pegar logo o elevador.

- Você pode entregar essas cartas pra ela? Chegaram ontem, mas eu não a vi pra entregar-las.

- Ok, tudo bem - falei pegando as cartas- Agora tenho que ir, até mais!

- Obrigado, até.

Entrei no prédio e me dirigi ao elevador. Apertei o botão e esperei. Esperei e esperei. O elevador estava demorando tanto que parecia uma eternidade.
Olhava no celular na esperança de ver alguma mensagem, mas nada. Nenhuma resposta, apenas mensagens estranhas a todos os nossos amigos. Estava perdido em meus pensamentos quando o barulho da porta do elevador se abrindo me despertou. Entrei rapidamente e apertei o "10" algumas vezes.
Enquanto o mesmo subia, fiquei tentando ligar os pontos. "Será que ela fez algo e não quer contar? Será que ela me traiu? Será que ela vai voltar para o Brasil?".
Milhares de perguntas me invadiam e minha dúvida só crescia, assim como a minha preocupação. Finalmente, décimo andar.
Sai do elevador e fui até a porta de seu apartamento. Fiquei com medo de abrir e me deparar com ele vazio. E se ela tivesse ido embora? Mas sem ao menos dar adeus?
Reuni a pouca coragem que tinha e abri a maldita porta. Minha garganta fechou, meu peito estava apertado. Mal conseguia respirar. Algo ali estava errado e eu não sabia o que era.
Dei um passo para dentro e chamei-a:

-Nah? Nah, sou eu o Mike. Estou entrando.

Esperei por uma resposta, mas foi em vão. Olhei para a cozinha que parecia estar intacta. Na sala, só havia um copo com água na mesa de centro. Decidi me dirigir até o quarto dela. Fui andando devagar tentando ouvir murmúrios que vinham de lá. Entrei no quarto e o mesmo estava um caos. Roupas, calçados, papéis espalhados pelo chão. O telefone estava em pedaços em um canto do quarto. Estava assustado, parecia que alguém tinha revirado aquele cômodo procurando por algo.
Por um momento me esqueci dos barulhos que eu estava escutando, que agora, podia ouvi-los melhor. Era Natália e ela dizia "por que?" várias vezes. Deduzi que estava no banheiro, pois a porta estava fechada.
Me aproximei, bati na porta a abrindo:

-Natalia? - Disse enquanto a procurava no banheiro.

Meus olhos se encheram de lágrimas com o que eu vi. Ela estava ali. Jogada no chão apenas com uma de minhas camisetas. Estava coberta de sangue que escorriam de seus braços e pernas cheios de cortes.
Me atirei no chão e a abracei tentando fazer o sangue parar com as minhas mãos.

-O que aconteceu, porra? Por que você fez isso? - estava gritando enquanto lágrimas escorriam de meu rosto.

- Mi..Mike, m...me desculpa - ela soluçava de tanto que havia chorado. Mal tinha forças para pronunciar uma palavra.

- O que aconteceu, meu amor? Por que fez isso?

Ela não respondeu, ela estava quase desmaiando. Só deu tempo dela apontar para alguns frascos laranjas de antidepressivos que tomava. Estavam vazios. Quando me virei pra falar com ela, já estava desacordada. Tirei o celular do bolso e liguei para o Ashton.

Ligação on

-Oi cara, tudo bem? Já podemos ir?

-Ash, vocês ainda estão aí? Vão ter que me ajudar.

-O que aconteceu?

-A Nath tentou se matar. Agora ela está desmaiada. Precisamos levar ela pro hospital AGORA!

-Cara, aguenta firme. O Calum já está subindo aí pra te ajudar.

Ligação off

Guardei o celular e a peguei no colo. Sai banheiro e Calum estava entrando no apartamento me procurando. Fui com ela nos braços até a sala e disse para ele pegar algumas roupas enquanto eu a levava até o carro. Calum assentiu e saiu em disparada até o quarto. O elevador ia demorar, então fui de escada. A adrenalina me fez descer 10 lances de escada em um piscar de olhos. Quando cheguei no térreo, tinham algumas pessoas conversando no portão que estava aberto, passei correndo entre elas pedindo desculpas. Nenhuma delas entendeu o que estava acontecendo. Calum veio logo atrás.
Entramos no carro e Ashton foi correndo até o hospital mais próximo. Eu tentava a acordar com leves tapas e chamando por seu nome.

-Natalia, não faz isso comigo. Por favor, não me deixe. Por favor. - falava chorando tentando acordá-la.

-Chegamos - Ash disse.

Sai do carro e a peguei no colo. Entrei no hospital pedindo ajuda. Alguns enfermeiros vieram com uma maca.

-O que aconteceu?

-Ela se cortou e tomou alguns comprimidos para depressão. Por favor, vocês têm que ajudar ela. - falei chorando ao ver o estado em que ela estava.

-Quantos? E a quanto tempo ela desmaiou?

-Muitos comprimidos. A uns 10-15 minutos.

Ele não disse mais nada, apenas a levaram para outra parte do prédio. E eu fiquei ali, parado. Chorando. As pessoas olhavam indignadas com a situação. Pude ouvir alguns "Não é aquele menino que pinta o cabelo e toca numa banda?" Mas a essa altura, eu já não ligava para nada do que ouvia. Eu só estava preocupado com a pessoa que eu amo.
Passava a mão na cabeça tentando me controlar, mas eu só queria gritar. Calum e Ashton entraram e perguntaram onde ela estava.

-Eles levaram ela. Ela não tava acordada. Eu a perdi!

-Michael, calma. Eles vão cuidar dela.- disse Calum

-EU A PERDI, EU FUI IDIOTA. UM ESTÚPIDO. TUDO ISSO É CULPA MINHA -estava gritando dentro do hospital

-Michael, para de gritar. Eles vão trazer sedativos pra você.

-TALVEZ EU PRECISE. TALVEZ ELES POSSAM ME DAR UMA DOSE TÃO ALTA DE SEDATIVOS PARA QUE EU MORRA.

- MICHAEL CALA A BOCA PORRA - gritou Ashton

Alguns enfermeiros vieram e pediram para que nós três esperássemos em outro lugar. O hospital já estava começando a ficar tumultuado por nossa culpa. Nos acompanharam até uma sala de espera. Luke e Sophia apareceram e esperaram por notícias com a gente. Depois de um bom tempo um médico apareceu.

-Você é o moço que trouxe a garota desmaiada?

-Sim, sou eu- Disse levantando da cadeira.

-Bem, ela acabou de sair da lavagem de estômago. Conseguimos tirar todos os comprimidos, pois ainda não estavam completamente digeridos. Agora estão dando pontos em seus cortes e logo ela será sedada e levada para o quarto.

- Então ela está viva? Como ela está?- Disse desesperado por uma resposta.

- Sim, rapaz. Ela ficará bem. Os sedativos são fortes, então ela vai dormir por um tempo. Se você tivesse demorado um pouco mais, talvez ela não estivesse aqui. Você salvou a vida dessa menina.

- Meu Deus, doutor, muito obrigado por essa notícia.

- Você só tem que dar entrada dela no hospital. Fazer a ficha e tudo mais.

- Ok, tudo bem. Muito obrigado.

O médico sorriu assentiu com a cabeça e foi embora. Eu me virei para meus amigos e respirei aliviado. Ela estava viva. Por um momento, eu achei que ia perdê-la para sempre. Que nunca mais iria vê-la sorrir ou ouvir sua risada estranha. Achei que nunca mais iria desperdiçar minhas tardes com ela jogando videogame. Por um momento, eu quase perdi o meu mundo inteiro. Por um momento, ela quase se foi para sempre.


Notas Finais


E aiiii? O que acharam?
O próximo capítulo vai ser com o POV dela, explicando como tudo aconteceu.

Até o próximo capítulo, beijinhos da tia Nath!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...