História Don't go again, Loki. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers), Thor
Personagens Darcy Lewis, Frigga, Heimdall, Jane Foster, Lady Sif, Loki, Odin, Personagens Originais, Thor
Tags Fanfic, Loki, Romance, Thor
Exibições 85
Palavras 4.445
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Não peça desculpas.


– Eles estão aqui – ela sentou-se na tenda.

– O que? – ele acordou assustado com o modo como ela se levantou.

– Eles estão aqui, Loki – ela disse – não sei quem, mas eu posso sentir.

Foi quando Loki pegou seu cetro e colocou rapidamente sua armadura, ela pegou somente seu facão e então ela saiu da tenda na frente, ele nem tinha notado quando ela saiu porque ele estava terminando de pegar suas coisas, mas foi correndo logo atrás, assim que escutou um barulho de duas laminas batendo, como se fossem duas espadas, ele então girou seu cetro e antes que a Criatura 1 pudesse perceber, ela já estava do outro lado da floresta, nem Loki sabia ao certo como tinha feito aquilo, mas foi de grande ajuda. Kyra sorriu e então voltou sua atenção para a Criatura 2, ele tentou acertar a garota com uma espada, mas ela era boa em luta de espadas e coisa e tal, pelo fato de sempre ter sido a filha numero um, fazia aulas de qualquer coisa, só para adquirir bastante conhecimento.

Mas antes que pudesse aplicar algum golpe percebeu que Loki não estava conseguindo cuidar muito bem da Criatura 3 e então, por causa de sua dispersão, antes que pudesse fazer algo, sentiu uma pancada em seu maxilar fazendo-a voar diretamente pro mar, Loki então aproveitou a distração e imediatamente cortou o peito da Criatura 3 e foi direto para a Criatura 2 quem jogou Kyra em direção ao mar, ele se defendeu com seu cetro quando a Criatura tentou acertar sua cabeça, ele sabia que não podia deixar aquilo encostar em si porque estava mais frágil do que imaginara, tinha acabado de se recuperar e ficar intacto era necessário desta vez. Foi quando ele estava praticamente preso contra e pedra e tentando empurrar o peso de seu corpo contra o da Criatura, mas ele estava bem mais vulnerável.

Foi quando a criatura parou de fazer força e ele então jogou o corpo para trás. Segundos depois percebeu que bem ao seu lado direito estava Kyra com seu facão e então a encarou. A cabeça da Criatura 2 estava agora nas mãos da garota, ela então jogou a cabeça no chão e os dois fora até a Criatura 1 quem estava desacordada perto de uma das árvores. Loki então levantou o corpo da criatura e a deixou no tronco e antes que pudesse escorregar ele a partiu no meio, cerca de três segundos depois uma parte do corpo caiu de um lado e a outra, do outro lado.

– Eca – ela disse.

Ele só lançou um olhar pra trás com um fraco sorriso. Abaixou-se mexendo nos bolsos da Criatura em seguida e então achou uma faca, Kyra estava tirando suas botas molhadas enquanto ele mexia para ver se achava alguma coisa. Na faca, estava escrito "O justo libertará o poder". Ele leu baixo e então Kyra foi andando até ele para ver o que ele tinha achado, foi quando ele mostrou a faca e leu a escritura de ouro logo em seguida.

– "O justo libertará o poder" – ele leu e a encarou. Foi quando percebeu que ela estava estática, nunca a vira tão pálida desde o dia em que ela estava cuidando dele pela segunda vez – você está bem?

Ela então estendeu a mão pedindo para que ele entregasse a faca e foi o que ele fez, ela rapidamente deu dois passos para trás e ele a encarou. A faca que estava com ele á segundos atrás agora não existia mais, imediatamente ela tinha se transformado em um tridente repleto de raios por dentro, ele pode perceber que a cor dos raios que estavam dentro do tridente transparente eram da cor dos olhos dela no momento, vermelhos.

– O que...? – ele encarou Kyra assustado.

– Essa é minha faca – ela riu e piscou os olhos, os raios dentro do cetro transparente mudaram para verdes – eu... Alguém do meu Reino mandou me matar, Loki. Alguém sabe que estou aqui.

– Ou veio te buscar.

Ela então o encarou com um olhar irônico – Você realmente acha isso?

– Não tenho ideia – ele disse fitando o cetro da garota – como isso é seu? Você não trouxe o que mais precisava?

– Eu trouxe o que estava á meu alcance – ela bufou – minha mãe mandou me matar, eu só... Não acredito nisso.

Ele então tentou mudar de assunto – Você está bem? Machucada? Alguma coisa?

– Não – ela balançou a cabeça e então o tridente com raios verdes voltou a se transformar em uma faca com letras douradas em sua borda – e você?

– Estou bem – ele deu um fraco sorriso – han... Mas se eles fossem do seu Reino você os reconheceria, não?

Ela balançou a cabeça – É. Mas com certeza ela contratou alguma criatura de outro lugar. Ela não iria sujar as mãos e muito menos o Reino em si só para me matar.

Loki então apontou seu cajado para ela. Ela o encarou sem entender.

– Vamos, eu te desafio.

– Me desafia? – ela arqueou uma sobrancelha – para que?

– Um duelo – ele riu – você precisa treinar mais. Eu posso te ajudar.

– Você quase morreu duas vezes, Loki – ela riu.

– Mas estou vivo agora, não estou? – ele fez uma pergunta retórica – então tudo bem. Vamos.

A faca tornou a se transformar no cetro de Kyra, agora os olhos dela estavam azuis turquesa e os dois sorriram juntos quando se colocaram em posição de ataque. Kyra ergueu o tridente e antes que Loki pudesse raciocinar uma rajada de raio voou em sua direção, ele pulou para o lado caindo no chão, completamente assustado. A árvore repleta de sangue agora estava partida ao meio, mas ainda firme á sua raiz. Ele então riu e se colocou de pé atirando nela em seguida. Com o próprio cetro ela fez com que o ataque de Loki fosse inútil, pois ela o mandou novamente para a árvore que caiu em seguida. ela fez uma careta e ele aproveitou a distração da garota, foi quando ele quase acertou-a e por um momento ele se preocupou, mas sorriu aliviado quando a viu caída no chão somente com seus cabelos pretos jogados na cara, ela só tinha sido descabelada.

– Vamos lá! – ela riu rodando seu tridente em mãos – sei que pode fazer muito mais do que isso, Loki.

– Está anoitecendo e começando a esfriar, estou cansado.

– O deus das travessuras está cansado? – ela provocou segurando o riso.

– Certo – ele segurou seu cetro em mãos e se colocou em posição de defesa com seu sorriso desafiador – vamos mudar um pouco, venha.

Ela então foi andando até ele e então ergueu seu tridente, quando abaixou para acertá-lo percebeu que na verdade não era ele. Ele tinha deixado seu "clone" e então antes que ela pudesse se mover ele estava a impossibilitando, ele colocou seu centro na direção do pescoço dela a prendendo em si. Ele deu uma risada vitoriosa e ela então balançou a cabeça.

– Claro, claro – ela riu – como caí neste truque novamente?

– Todos caem. Thor, por exemplo...

Ele parou de falar e ela então se virou para olhá-lo, ele não soltou seu cetro, porém a manteve presa, mas dessa vez ela estava de frente para ele. Ela até tentou, mas não conseguiu lê-lo naquele momento, e achou até melhor assim. Ele tirou Thor do seu pensamento e somente se focou naquele momento em que estava presenciando. Ela então ficou completamente séria, seus olhos ficaram cinza e ele não soube o que fazer. Ela então se soltou e deu uma risada um pouco desconcertada.

– Está com fome? – ela perguntou piscando os olhos diversas vezes, eles rapidamente voltaram a ficar verdes como a cor natural – porque eu estou faminta.

– Não exatamente – ele respondeu parado no mesmo lugar.

Ela então transformou o seu tridente verde em a simples faca com a frase em ouro, jogou-a dentro da tenda e então foi caminhando até a árvore onde possuía uma fruta estranha e sem gosto. Loki sabia disso, Loki percebeu como ela tinha ficado completamente amedrontada quando eles ficaram mais perto do que algum dia tinha ficado durante todo esse tempo que passaram juntos em harmonia ou não. Ele deixou seu cajado dentro da tenda e então foi até ela embaixo da árvore. Ela então sorriu e lhe entregou uma, mas ele negou.

– Elas não são tão boas assim, mas dão para o gasto – ela disse.

Ele então a viu se virar e a puxou pelo pulso. Ela não soube o que fazer a não ser ceder.

– Pare de fugir.

– Eu não...

– Seus olhos – ele disse – estão cinzas. Você está com medo de mim?

– Não.

– Não tem como você mentir para mim – ele disse colocando uma mão no rosto dela.

Ela o encarou – O que você quer de mim?

Ele não respondeu. Os olhos dela então ficaram verdes, normais e ela pode sorrir. Nem ele sabia o que queria dela.

– Você não sabe.

– Claro que sei – ele selou seus lábios nos dela.

Ela não esperava aquilo e nem ele sabia que era capaz de fazer algo como aquilo. Os dois ficaram se encarando por alguns segundos e quando ela percebeu que ele não ia fazer nada, ela fechou os olhos, a mão dele foi parar em sua nuca e ela somente pousou uma mão sobre o rosto dele, mas foi a língua que pediu passagem. E ela não foi capaz de negar, deu passagem á língua do deus e ele então a puxou para mais perto de si sem tirar sua mão da nuca da princesa. E nenhum dos dois sabia explicar o que estava acontecendo ali, o porquê daquele beijo, a única coisa que sabiam era que eles realmente não queriam parar.

Mas Kyra quem quebrou o beijo depois de um tempo, ela tentava manter o ar normalizado, mas assim como não conseguia falar não conseguia manter a respiração normal.

– Não se desculpe – o encarou, ele percebeu que os olhos da garota estavam azuis turquesa, ela não tinha ficado furiosa por causa do beijo, ele sorriu. Ela entendeu. Piscou os olhos diversas vezes e então eles voltaram a ficar verdes – Han... – Ela disse olhando para o horizonte – está anoitecendo e eu estou muito cansada... Eu vou dormir, pra recuperar minhas forças, não sei por quanto tempo, mas você...

– Estarei aqui quando você acordar.

– Certo – ela riu sem graça – certo... Boa noite.

– Boa noite – ele sorria vitorioso.

Ela então entrou na tenda e ficou paralisada ali por alguns minutos. Dessa vez sem pensar em nada, sem se mexer, sem demonstrar uma única expressão, ela somente sorria. Seus olhos agora estavam azuis turquesa novamente, já estava se tornando constante naqueles dias ela não conseguir controla-los. Ela então tirou sua armadura e suas botas e se deitou, estava realmente cansada, há dias não dormia.

E ela dormiu por dias mais até que tinha imaginado. Abriu os olhos e o dia ainda estava amanhecendo, estava um pouco escuro, mas ela podia ver uma pontinha do Sol nascendo. Ela então viu que o capacete e o manto de Loki estavam no canto da tenda, ela pode dizer que se sentiu aliviada por ele não ter sumido. Bem, pelo menos se ele sumisse, ele voltaria por seu capacete e seu manto verde.

Ela se levantou e depois de se vestir saiu da tenda, dessa vez sem seu sobretudo azul turquesa ao fundo. Ela então foi andando até a beira do mar depois que não viu Loki aos arredores. Esfregou os braços, pois ainda estava frio e então escondeu o sorriso quando lembrou da ultima coisa que fez antes de dormir dias atrás: beijou Loki. Ela balançou a cabeça e piscou os olhos diversas vezes quando percebeu que eles estavam prestes a ficarem azuis turquesa, nem ela sabia explicar porque gostou daquele beijo, ela apenas gostou.

Estava absorta em pensamentos quando ouviu passos, pensou de ser Loki – claro – mas como não tinha certeza olhou atenta para o lado direito da floresta, onde os passos estavam cada vez mais próximos, ela pousou a mão sobre o facão preso em sua perna e então a primeira coisa que viu foram os olhos verdes de Loki, ela pode ficar mais tranquila, quando ele a viu ele deu um sorriso, foi um pequeno sorriso, mas sendo sincero e vindo de Loki já era um grande progresso.

– Achei que tinha entrado em sono profundo – ele disse saindo da escuridão, o pouco Sol que já tinha aparecido o iluminou e deu uma breve risada.

– Quanto tempo eu dormi?

– Cinco dias.

– Esse é o certo – ela riu fraco.

– Da ultima vez você dormiu três.

– Eu posso dormir todos os dias se eu quiser, assim como posso dormir menos ou mais, mas o normal para me deixar descansada é cinco dias – ela sorriu fraco e voltou a olhar para o horizonte depois que ele parou ao seu lado.

– Está recuperada? – ele perguntou a fitando.

– Totalmente – ela riu fraco sem olhá-lo – você dormiu esses dias também?

– Um pouco.

Ela somente sorriu. Evitava olhá-lo, pois sabia que seus olhos estavam azuis turquesas e eles só ficavam assim quando ela conseguia algo que queria ou quando falava com Loki e ela sabia que ele entendia que aquilo era bom.

– Vejo que está sem suas armaduras – ela riu apontando para ele e lhe lançando um rápido olhar – Por quê?

Ele riu e se olhou – Não sei. Não há mais necessidade de ficar com a armadura por aqui.

– Tem certeza? Porque mesmo com a armadura você foi atingido e quase morreu.

– Não sei como isso aconteceu. Eu não me machuco tanto, tão facilmente.

– Talvez aqui seja diferente – ela disse dando de ombros.

– Ainda temos nossos poderes.

– Não sei explicar – ela disse.

– Posso pedir um favor? – ele perguntou.

– Claro – ela continuou fitando o horizonte.

– Olhe para mim! – ele disse um pouco irritado.

Ela tentou pensar em alguma coisa que lhe desse medo ou a deixasse irritada, mas não era assim tão simples. Ela então se virou para Loki e ele deu um breve sorriso quando viu os olhos dela completamente azuis turquesa, ela piscou os olhos diversas vezes, mas de nada adiantou.

– O que foi? – ela perguntou.

– Seus olhos.

– Eu sei, eu sei – ela bufou – não consigo controla-los e isso é a pior coisa que tem.

– Não ter controle? – ele perguntou.

– Não poder camufla-los.

Ele então sorriu fraco e chegou o rosto perto do dela, ela sentia seu rosto queimar, mas seus olhos se mantiveram na mesma cor, Loki então se sentiu em parte, aliviado por não terem mudado para a cor cinza. Não gostava da ideia de deixa-la com medo, ele ainda sorrindo fitou-a no fundo dos olhos e então sussurrou – Eu gosto dessa confusão nos seus olhos.

E então saiu de perto indo para dentro da tenda. Ela permaneceu parada no mesmo lugar olhando para a mesma direção. Que diabos estavam acontecendo ali? Por que de repente Loki estava completamente simpático e até galante com ela? E porque ela estava gostando de tudo aquilo? Bufou e então o viu sair de dentro da tenda com a faca dela em mãos, ele jogou para o alto e ela pegou no ar, de imediato se transformou em um tridente e ela ficou fitando Loki, esperando ele dizer algo. Ele então abriu os braços e parou na frente dela, ela lançou um olhar confuso e ele então gargalhou.

Ela conseguiu lê-lo.

"Me machuque"

– O que? Não! – ela riu transformando o tridente azul turquesa em uma simples faca.

"Me machuque!" ele disse como se estivesse ordenando.

– Você está me ordenando?

– Me machuque agora princesa... Se você realmente for uma. Ainda não consigo acreditar em toda aquela baboseira de que você matou sua irmã, você é tão inofensiva, você quase apanhou daqueles caras ali – ele riu – e depois os queimou com o maior nojo possível.

– Eu não queimei-os com nojo.

– Princesa, han? – ele riu abaixando os braços – ainda espero ver você no seu reinado algum dia... Se é que você é princesa mesmo.

Ela então deu uma leve risada e então tampou a faca sem mirar em Loki. Ele não teve muito tempo de desviar, mas quando deu por si seu braço estava preso em um dos grossos troncos de árvore perto da praia, Kyra olhou-o e percebeu que tinha o machucado, exatamente como ele tinha pedido, ou ordenado. Não importava. Ele não conseguia de soltar da árvore porque rapidamente tinha ficado fraco, ela então foi correndo até ele e então tirou a faca do tronco, o braço direito de Loki estava sangrando mais que o normal, Kyra o encarou e ele então riu vitorioso, completo de dor, porém vitorioso.

– Obrigado – ele agradeceu.

Kyra lhe deu um soco.

Ele caiu de joelhos do chão e mais uma dor para a sua coleção, e mais um arrependimento dela. Ela então se abaixou ao lado de Loki e ele a encarou furioso.

– Por que...? Por que fez isso? – ele gritou.

– Porque você me fez te machucar. Eu não queria – ela gritou de volta.

Ele então riu e se jogou no chão. O Sol agora já tomava conta de grande parte da praia e da floresta.

– Não tem graça – ela disse ficando de pé.

– Você é bem estressada quando tem que ser – ele continuou rindo a encarando – e bem manipulável.

– Eu não... – ela se ofendeu, seus olhos ficaram pretos – seu idiota.

– Obrigado – ele repetiu ainda jogado no chão, continuou rindo.

Ele não sabia se aquilo era bom ou não. Sua pele não era mais tão impenetrável como antes, ele parecia um humano, um frágil e estupido humano. Ele olhou o sangue em seu braço, o sangue que não parava. Ele então se perguntou como iria fazer para aquilo parar de sair de seu corpo, ele se sentou no chão e então enfiou os dedos dentro da ferida. Uma dor que ele jamais tinha sentido, ele soltou um grito, mas quando percebeu fechou a boca abafando-o. Tirou os dedos de dentro da ferida e sentiu seu braço todo latejar. Quando ele tentou ficar de pé ele recebeu a ajuda de Kyra que o levou para dentro da tenda, ela simplesmente o empurrou para a "cama" que ele dormia sempre que estava cansado, e ele olhou para seu machucado.

Ela não disse nada. Somente pegou duas toalhas e uma bacia de água. Mais uma vez ela iria cuidar dos ferimentos de Loki, e sem a mínima vontade para isso, os olhos dela permaneciam pretos e ela sequer o encarava. Ele então revirou os olhos e deixou tudo quieto por alguns instantes, ele precisava que ela o curasse e tudo o que menos queria naquele momento era que ela não o ajudasse. Ele somente a fitava, observava tudo o que ela fazia em silêncio, foi quando ela parou a toalha branca em seu braço por alguns segundos, a toalha ficou vermelha e ele então percebeu que depois de mais algumas vezes com aquele procedimento seu braço já não sangrava mais tanto quanto antes. Ela espremeu a toalha na bacia e então prendeu a outra toalha limpa e seca no braço dele, saiu da tenda sem falar uma única palavra e levou consigo a bacia e a toalha suja. Loki então se levantou e foi atrás dela, não estava se sentindo muito bem, mas se sentia pior ainda vendo-a irritada daquela maneira.

– Eu precisava disso – ele disse.

– Não, você não precisava – ela jogou a água na areia.

– Olha para mim.

– Não Loki, eu não quero olhar para você.

– Seus olhos estão pretos.
Ela balançou a cabeça e o imitou – "Eu gosto dessa confusão nos seus olhos".

– Eu gosto. Mas quando isso acontece em relação á outras pessoas, é divertido... Não comigo.

Ela então o encarou em silêncio e permaneceu assim enquanto andava até ele, ela o virou em direção a tenda e o empurrou para dentro indo junto com ele.

– O que foi? – ele perguntou.

– Vá descansar – ela disse, seus olhos então ficaram verdes – vá descansar e nunca, nunca mais me irrite de novo. Eu fui uma princesa, a melhor princesa que um dia você conheceu. Não duvide disso.

Ele então a encarou com as sobrancelhas erguidas, deu um sorriso e então se deitou na sua "cama" com o braço esticado, ele não estava cansado só não estava se sentindo muito bem. Acabou adormecendo, coisa que ele não imaginou. Ela ficou a noite inteira acordada, ás vezes ia vê-lo dentro da tenda, mas ele parecia estar estável. Ela então ficou olhando o Sol pela tarde inteira, e Loki dormiu a tarde e a noite inteira, acordou somente na manhã seguinte queixando-se de fome o que a fez rir porque ele não era bem humorado normalmente, quando acordava era pior ainda e com fome era bom nem comentar. Ele era um poço de mau humor, mas ela não se queixou de pegar comida para ele, ela tinha acabado de caçar um ótimo javali.

Ela então fez companhia para ele na barraca enquanto ele comia. Ele quem pediu para que ela não saísse dali, e foi o que ela fez, ela atendeu o pedido de um doente. Mas eles não conversaram muito, ela ainda estava furiosa com ele por ele ter feito o que fez, mas na verdade, ela estava mais furiosa consigo mesma por ter caido na trapaça dele. Mais uma para sua lista, afinal, ele era o deus das travessuras e o que ele tinha de melhor era suas trapaças. Ela comeu um pouco com ele, o suficiente para manter sua energia em um estado agradável.

– Desculpa – ele disse em um tom baixo, quase inaudível.

– Como? – ela perguntou fitando-o.

– Não vou repetir.

– Então eu vou continuar furiosa – ela disse ficando de pé.

– Espera – ele pediu olhando-a. Ela então ficou parada olhando para baixo, onde ele estava sentado, ele olhou para todos os lados tentando achar um modo de não repetir aquilo, foi quando ele olhou no fundo dos olhos dela e eles ficaram azuis turquesas, ele esperava que aquilo funcionasse.

"Não posso sair daqui" ele pensou "me desculpa pelo que fiz você fazer e pelas coisas que falei. Não me mande falar isso você sabe que eu não sou capaz. Apenas me desculpa".

Ela sorriu – Claro – e então se sentou do lado dele, tirou a toalha banhada de sangue e então a molhou na bacia, tirou o excesso de sangue e então colocou outra no lugar. A ferida estava bem melhor, sempre que ele dormia e acordava sua recuperação ficava mais rápida, ela sentou-se do lado dele e ficou fitando suas botas ele então sorriu.

– Ainda bem que você lê pensamentos.

Ela riu – Isso é útil as vezes.

– As vezes? – ele perguntou.

Ela balançou a cabeça e então o encarou – Quando eu quero saber de algo e não me contam.

– Mas você não disse que é incontrolável? – ele a olhou.

– E é – ela sorriu – mas tem vez que funciona.

Ele então riu e fitou os seus pés.

– O que foi? – ela perguntou.

– Eu não sei. Não sou mais o Loki de antes.

– Para mim, você continua o mesmo.

Ele balançou a cabeça negativamente e deu um fraco sorriso, voltando a fita-la – Não sou não. Eu... Eu detestava tudo e todos e aqui... Eu gosto daqui, eu gosto de dividir as coisas com você.

– Temos pensamentos em comum.

– Temos? – ele perguntou confuso.

– Detestamos nossos irmãos – ela deu de ombros – a única diferença é que eu consegui finalizar meu trabalho e você não.

Ele riu e balançou a cabeça – Obrigado por me lembrar.

– Não há de que – ela disse – você acha que está mudado?

– Não eu... – ele a encarava nos olhos agora – apenas acho que estou sendo eu mesmo.

Ela o fitava com um pequeno sorriso, os olhos dela ainda permaneciam na cor azul turquesa.

– Eu não tenho porque chamar a atenção aqui, somos apenas nós dois. Não tenho Thor para roubar a cena, nem Odin para me ignorar e fazer de conta que sou apenas um pobre coitado.

– Quando eu estava sozinha aqui – ela virou-se pra frente contando a história – eu não podia estar mais feliz, mas ao longo do decorrer dos meses eu fui me sentindo sozinha... Quanto eu te vi caído bem ali – ela apontou para onde o achou todo machucado e voltou a olhá-lo – eu não sabia se era bom o fato de você estar aqui ou se era ruim. Eu não aguentava mais ficar sozinha, mas também, não queria sair daqui e voltar para meu Reino, ser apontada como assassina.

– Mas você sabe que você não está livre disso pra sempre não sabe?

Ela somente balançou a cabeça e voltou a olhar para o mar.

– Você não tem como fugir da sua natureza.

Ela o encarou ainda em silêncio, ele deu um fraco sorriso quase imperceptível e ela sorriu balançando a cabeça – Mas nem eu sei a minha natureza.

– Você é uma princesa – ele disse arqueando uma sobrancelha – certo?

– Eu nasci uma princesa, mas acredito que minha natureza nunca foi essa. Loki, eu não me contentava – e não me contento – com pouco.

Ele deu uma gargalhando voltando a olhar para frente.

– Qual é a graça?

– Eu devia detestar você.

– Você não gosta de mim – ela riu fraco.

– Você realmente acha que se eu não gostasse de você eu estaria aqui – ele a encarou – sentado nessa mesa conversando sobre sua vida? E ainda mais: percebendo o quanto somos parecidos?

Ela não disse nada.

– Por isso falei que deveria detestar você.

– Ainda não vejo sentido – ela balançou a cabeça olhando-o.

– Você é boa, eu sou bom. Você realmente acha que duas pessoas como agente se daria bem se tivéssemos que fazer alguma coisa em dupla?

– Tipo dominar o mundo?

Ele riu.

– Eu acredito que sim, porque você sozinho quase conseguiu dominar a Terra, então nós dois juntos dominaríamos um pedacinho.

Ele gargalhou, ela o acompanhou na risada.

– Entende o que estou falando agora? – ele escondeu o riso quando percebeu seu exagero.

– Sobre?

– Eu mudei. Você me fez mudar. E pelo fato de sermos tão iguais, isso é completamente estranho.

Ela somente o encarou e deu um fraco sorriso. O silêncio resolveu ficar ali por alguns minutos, eles ficaram fitando o mar e sua calmaria enquanto Kyra tentava não ler os pensamentos de Loki, ela não queria estragar nada, e ele, tentava não pensar em nada além de "como o mar está calmo" ou "uau, o mar". Ele então murmurou algo sobre seu braços, era normal, ele estava ferido, ela resolveu perguntar:

– Está cansado?

– Um pouco – ele disse.

– Vou deixar você dormir mais uma vez, certo?

– Não estou com sono, se quiser ficar por aqui conversando não tem problema.

– Eu prefiro conversar com o lúcido Loki, se você não se importa – ela riu fraco e ficou de pé em seguida – bom descanso, quando acordar sei que estará melhor.

– Certo – ele disse se deitando.

Ela então sorriu, as coisas pareciam estar dentro dos conformes. Pelo menos por enquanto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...