História Don't go again, Loki. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers), Thor
Personagens Darcy Lewis, Frigga, Heimdall, Jane Foster, Lady Sif, Loki, Odin, Personagens Originais, Thor
Tags Fanfic, Loki, Romance, Thor
Exibições 63
Palavras 3.450
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Nós queremos você de volta.


– Está bem melhor, não está?

– Totalmente – ela sorriu tirando a toalha sem sangue – não precisa mais de toalha.

Ele sorriu – Ótimo, isso apertava meu braço e...

– Você ficava todo enjoado – ela riu.

Ele sorriu e então olhou para seu braço, logo em seguida encarou Kyra que estava com seus olhos ainda azuis turquesas. Loki estava começando a pensar que essa era a verdadeira cor de seus olhos.

– Você não vai trocar de blusa?

– Por que eu deveria? – ele perguntou.

– Está suja de sangue – ela apontou para uma rodela suja no tórax.

Ele então puxou a blusa pra cima, mas sentiu uma fisgada em seu braço e o abaixou imediatamente. Ela então o ajudou a tirar a blusa e ele a agradeceu ficando de pé e indo até o outro lado da tenda, deixou sua blusa naquele canto e ela ficou somente o observando, cruzou os braços segurando o riso, mas ele percebeu a cara dela de deboche e então resolveu perguntar:

– O que foi?

– Você acha que sua blusa irá se limpar em um passe de mágica? Não se esqueça que não estamos em Asgard, Loki.

Ele somente a encarou em entender.

– Esquece – ela disse ficando de pé e dando uma pequena risada.

E eles então se encararam nos olhos. Aquilo era constante, mas naquele momento era diferente, eles estavam com outro tipo de desejo no fundo dos olhos, nem ela, nem ele sabiam explicar. Nenhum dos agiu primeiro, os dois foram no mesmo compasso, no mesmo momento. Os dois selaram seus lábios no mesmo instante e pela primeira vez depois de dias, eles tornaram a se beijar. Ela deu passagem a língua de Loki e ele afagava suas mãos nos longos cabelos pretos de Kyra, ele estava com o braço machucado, mas isso não o impediu de abraça-la pela cintura e a puxar para mais perto de si. Para falar a verdade, dor era o que ele menos sentia naquele momento. Ela então desceu uma de suas mãos pelas costas dele e ele arrepiou. Jamais em toda sua vida havia se sentido daquela maneira, e ele sabia o que queria, só não sabia se era certo. Mas nada do que ele pensava que era certo acabava sendo.

Ela não fazia nada a não ser ceder, ela não era tola e queria era perceptível, mas quando percebeu que aquilo tudo começou a tomar uma intensidade diferente, ela quebrou o beijo o pedindo pra esperar, ela não queria misturar as coisas.

– Espera...

Ele a soltou e a encarou.

– Eu...

– Você nada – ele disse – eu posso ver nos seus olhos que você quer isso mais que eu. Eu salvei você aquele dia, você estava dormindo e a única coisa que fiz foi tentar matar aqueles caras, mas eu não sabia que estava vulnerável. Na primeira que eu tomei – ele a encarava – eu me ferrei. Não sei que poder você tem sobre mim, se é algum tipo de bruxaria – ele riu, ela fechou a cara – mas pare de resistir, porque eu quero você.

– Você não me quer – ela o empurrou.

– Tem certeza disso? – ele perguntou furioso.

– Absoluta – ela o encarou, seus olhos pretos.

– O que há de errado com você? – ele perguntou balançando a cabeça – por que está inconformada com alguma coisa?

– Você é simplesmente o de...

– Eu sei quem eu sou... Quem eu era até um tempo atrás. É tão difícil de acreditar?

– Não adianta fugir. Está em sua natureza.

– Eu já ouvi isso antes – ele riu – e não foi nada bom. Não estou dizendo que mudei, eu nunca vou deixar de ser o que eu sou, eu... Merda!

– Você o que?! – ela gritou.

Ele a encarou.

– Nem você sabe não é?

– Eu sou o único aqui – ele apontou para ela e para si mesmo – que sabe o que quer! – ele estava exaltado – você que não quer acreditar, por que não? Você não vai voltar para seu Reino, eles querem te matar e você mata-los. Por que insiste na burrice?

– Como se eu fosse a única! – os olhos dela então ficaram verdes, mas em um tom mais escuro que o normal.

– E você é. Se eu realmente quisesse dar um fora daqui eu estaria procurando a merda do portal incansavelmente – ele vestiu a armadura.

– O que está fazendo?! – ela perguntou.

– O que eu deveria ter feito muito antes de continuar com toda essa loucura – ele vestiu o manto em seguida, ela o encarou e ele colocou o capacete – vou procurar esse maldito portal.

Ela então o encarou.

Ele passou do lado dela e parou na porta da tenda, então virou-se para trás dando uma breve risada – Você ainda ama ele. Parabéns, você amou alguém e o que aconteceu mesmo?

Ficou um silencio, ela não virou para trás.

– Você se tornou uma pessoa má. Cheia de solidão e frieza. E sim, eu estou reclamando ao invés de ficar feliz – ele balançou a cabeça – esquece. Que diabos é a felicidade afinal?

Ela então ficou paralisada de costas para a porta da tenda fitando a outra parte. Foi quando as palavras de Loki fizeram peso e ela sentiu a cor dos seus olhos mudarem, estavam vermelhos, em um tom vermelho que jamais tinha ficado, foi quando ela gritou:

– NÃO ME COMPARE COM VOCÊ, SEU IMBECIL!

Ele escutou quando já tinha dado alguns passos para longe, mas resolveu ignorar. Ela tinha dito aquilo pelo fato dele ter dito que ela era cheia de solidão e frieza, e ele era, por isso se tornou quem é agora. Na verdade, nem ele sabe mais quem ele é. Ele a pediu para lhe machucar para ver se ele ainda conseguia manipular alguém pelo menos, e como ela era facilmente manipulável, ele queria começar por baixo. Mas o que menos queria pensar agora era nela. Ele tinha que achar o maldito do portal para sair dali. Ele não sabia nem por onde começar, mas ele sabia que não estaria em algum lugar muito obvio.

Ele foi caminhando á beira da praia que parecia infinita. Seu braço estava doendo, mas depois de uma ultima descansada ele sabia que estaria tudo bem. Pelo menos fisicamente. Ele limpou sua boca e continuou caminhando em rápidos passos em uma direção bem oposta e bem distante daquela. Ela permaneceu na tenda, agora sentada no chão olhando para a blusa ensanguentada de Loki que estava logo no canto, apenas fitando-a. Não sabia o que fazer e muito menos se tinha o feito certo, mas ela sabia que pelo menos daquela maneira ela não ia se machucar e nem machucar ninguém.

Estava errada.

Ela particularmente já sabia que tinha machucado a si mesma, mas não queria aceitar. Que diabos eles estavam pensando? Não se conheciam há nem um mês e as coisas já aconteceram extremamente rápidas, e ela ficava mais furiosa ainda de saber que agora tudo tinha acabado por culpa dela e ela não queria ficar sozinha de novo, não depois de tudo. O que tornava as coisas mais difíceis. Ela balançou a cabeça e então pegou sua coroa dentro da bolsa, ficou de pé e então a colocou sobre sua cabeça, posicionou-a corretamente e sentiu um forte vento ao seu redor. O vento bagunçava seus cabelos e ela então fechou os olhos, por eles passavam todas as boas e más lembranças que teve em seu reino, ela podia sentir suas roupas automaticamente mudarem. Essa era a magia da coroa. Sua armadura havia se soltado e seu shorts agora estavam por baixo de uma longa e grossa camada de seda da cor azul turquesa, ela esticou os braços e então abriu os olhos, cansada das lembranças do passado. Sua blusa branca se tornou um corpete da mesma cor da barra do vestido, com as mangas e o colo de renda também azul. Foi quando dentro de si sentiu como se estivesse faltando alguma coisa. Ela não era mais aquela princesa, se é que ela ainda podia ser considerada uma. Ela pegou a faca dentro de sua bolsa e então cortou a saia do vestido para acima do joelho, largou o pano pela barraca e então pegou sua faca saindo de lá.

Ela era acostumada a agir por impulso, e provavelmente era isso que ela estava fazendo, porém ela queria, dessa vez ela queria, depois de tantas negações ela percebeu que ela não podia mais fugir ou então ficaria aprisionada naquilo para sempre. Ela olhou para todos os lados e então começou a correr para onde as pegadas de Loki estavam indo, ela não sabia o quão longe ele já tinha ido, mas sabia que iria atrás não importava o quanto. Ela começou a gritar e ele escutou e ficou paralisado, exatamente onde estava de costas para a praia, já tinha entrado na floresta para procurar o portal lá por dentro, de onde ele podia sentir uma pontada de energia, ele ainda sim tinha esperanças. Ela não era de correr atrás de ninguém, simplesmente trocava pessoas por livros quando ainda era uma princesa, e agora estava correndo atrás do deus das travessuras. Ela parou diversas vezes no meio do caminho se sentindo uma tola, ela foi completamente grosseira com Loki e provavelmente ele não pouparia xingamentos quando a encontrasse. Mas ela percebeu que não se importava com isso, ela precisava daquilo.

Foi quando a voz de Kyra foi ficando cada vez mais próxima, e ele queria fugir, mas ele não conseguia. Ela parecia estar implorando-o de volta e ele estava gostando daquilo, foi quando ele ouviu um estalo de gravetos atrás de si e então se virou para ter certeza de quem era. E ele viu que era ela, porém ela estava com a coroa nesse momento e com um vestido que parecia muito mal cortado um pouco acima dos joelhos, os olhos dela e o vestido estavam da mesma cor e ele então entendeu o porquê da cor azul turquesa quando ela gostava ou ficava contente com alguma coisa. Ele então a encarou.

– Eu...

– Você o que? – ele gritou.

Ela se assustou e então o encarou.

– Se você veio me procurar sem nem saber que diabos você quer da sua vida, dê a volta – ele apontou para o outro lado – eu já te falei tudo o que tinha para falar, eu falei coisas que nunca imaginei que seria capaz de falar para alguém, e você simplesmente ignorou tudo o que eu disse. Então, dê um fora daqui que vou achar esse portal e você nunca mais na sua vida inteira precisará lidar comigo.

– Eu vim atrás de você – ela disse, não aumentou o tom de voz – eu percebi que mais que nunca eu quero você.

Ele então a encarou, ainda com o olhar furioso.

– Não me olhe desse jeito – ela pediu – você não me assusta mais. Esse é o lado negativo de realmente conhecer a fundo alguém, e no seu caso, te conheço.

Ele então ajeitou sua postura.

– Me desculpa, tá legal? Eu não queria te machucar, nem te ferir. Eu só fiquei apavorada – ela balançou a cabeça – eu não sabia o que dizer, eu nunca sei o que dizer em momentos sérios, por isso sou melhor agindo, mas mesmo assim você me deixou sem ação, eu não tive como me mover, estou nessa ilha – ela bufou – ou seja lá o que este lugar seja, há mais de dois anos e não sei o que é ter uma alma viva por perto e de repente você chega, nós brigamos, depois você me salva e quase perde a vida por isso... Então ficamos cada vez mais próximos e...

Ele somente a encarou ela respirou fundo e prosseguiu:

– Nos beijamos... – ela deu um fraco sorriso, foi involuntário – quanto tempo eu não beijava alguém. Eu... Apenas estou dizendo que fiquei apavorada, eu sinto muito. Mas eu... Vim correndo até você – ela revirou os olhos rapidamente, mas voltou a encará-lo logo em seguida – porque eu me dei conta que preciso de você, não quero ficar sozinha de novo e não quero que você vá.

Ele então cruzou os braços e sorriu. Ela ficou parada no mesmo local esperando que ele pelo menos dissesse algo, ele então foi andando em direção á ela e segurou seu rosto com uma das mãos livres, deixou o cetro do lado dos dois e ela então pulou em seu pescoço, Loki assustou, mas não era capaz de reclamar. Os dois então se beijaram pela primeira vez sem resistência alguma, e foi quando a terra começou a tremer. Eles sentiram um enorme balanço sobre seus pés e Kyra então quebrou o beijo, Loki manteve os olhos fechados por alguns segundos e então olhou para trás, para onde Kyra olhava completamente perplexa.

Havia uma luz brilhando. Kyra então deu alguns passos para frente e o que era apenas luzes – como o cosmo – estava se transformando em algo maior, em uma enorme luz azul. Os dois se encararam.

Era o portal.

– Isso é...?

– Sim – ela respondeu olhando fixamente para dentro do portal – eu não consigo ver nada.

– E nem vai conseguir – ele disse andando até o lado dela – como... Como isto funciona?

– Não faço ideia – ela o encarou.

– Temos que testar.

– Não podemos – ela rebateu – não sabemos para onde isso vai, ou o que isso vai fazer conosco, nós...

Ele então segurou o rosto de Kyra com as duas mãos – Não tenha medo. Estarei com você – ele deu um fraco sorriso – você está nessa ilha há quase três anos e é a sua chance de sair daqui depois de tanto tempo. Eu também não tenho para onde ir, mas estou correndo o risco.

Ela entrelaçou seus dedos das mãos nos dele e ela pode sentir um apertão de leve. Loki então deu o primeiro passo e acabou levando-a junto para o portal. Eles não sabiam se ia dar certo, se iam permanecer vivos, aonde iam parar e o que fariam depois daquilo. Eles entraram de corpo inteiro no portal e não era explicável aquela sensação, era como se tivessem levando um soco no estomago, mas Loki manteve suas mãos juntas da de Kyra e ela então fechou os olhos.

A sensação passou por completo. Ela estava enjoada, mas nada demais.

Quando abriu os olhos sentia a mão de Loki segurando a sua e então se levantou. Loki também fez o mesmo depois de perguntar se estava tudo bem. E estava. Mas ela não sabia onde estavam e Loki então bufou. Foi quando ela percebeu que ele conhecia aquele lugar melhor do que qualquer um. Não era possível que eles estavam em Asgard, não podia ser. Era extremamente perigoso para Loki estar lá, depois de toda traição e de tudo que fez.

– Me diga que não estamos em Asgard.

Ele a encarou com os olhos arregalados, ele parecia tão surpreso quanto ela.

– Não pode ser! – ela então virou-se, parecia que estavam em uma sala – você... Eles vão mandar te prender, te matar, eu não sei!

– Eles não vão me prender – ele a encarou.

– Depois de tudo o que fez, como tem certeza?

– Esse não é um portal que apareceria lá. Alguém quis me trazer de volta.

– O que?

– Não me pergunte – ele disse erguendo a mão para ela – e de qualquer modo, eles não me pegarão.

Ela então segurou a mão de Loki e os dois saíram de onde estavam, eles estavam em algum lugar do subterrâneo, Loki então subiu as escadas na frente, para evitar qualquer tipo de surpresa, ou algo do tipo. Quando ele passou pela ultima porta seu coração saltou. Ele tinha tanto ódio daquele lugar, do lugar onde cresceu, onde viveu a sombra de Thor toda sua vida e principalmente onde viveu afogado em mentiras. Ele então apertou a mão de Kyra e ela pode sentir a raiva de Loki. Ela então soltou sua mão quando percebeu que estava machucando e não foi capaz de dizer nem uma palavra, não tinha o que dizer e apenas dizer para ficar calmo não iria funcionar.

Ele então foi caminhando até o centro do enorme salão, parecia ser o local onde tinham festas, pois havia uma enorme mesa com algumas comidas em cima. Loki encostou na mesa e então virou-se para Kyra. Ela somente o encarou enquanto ele dizia:

– Aqui eu vivi os melhores momentos de toda minha vida.

Ela continuou o encarando, ele passou os dedos pela toalha de seda que cobria a mesa.

– Vivi as maiores mentiras, vivi as piores coisas que alguém podia viver. Não vou mentir – ele voltou a olhá-la – tive bons momentos na infância, enquanto eu não compreendia o quanto Thor era mais importante do que eu...

– Ele não...

– Ele não era – Loki corrigiu com um pequeno sorriso irritado – ele é.

– Loki – uma voz veio de cima, como se fosse um trovão. Kyra tentou procurar de quem era a voz e de onde vinha, mas quando olhou para cima não viu nada nem ninguém, mas ela viu Loki estremecer. Ela então permaneceu parada no canto perto da porta e olhou na mesma direção de Loki. Do outro lado da porta um homem alto e loiro passava, ia andando em direção á Loki e ele então apertou seu cetro, Kyra pode perceber e tinha que fazer algo para interferir. Ela sabia que era Thor, mesmo se não reconhecesse, ela pelo menos suspeitava pelo modo como Loki o encarava. Era uma fúria sem fim, ela estava sentindo a pior energia possível. Seus olhos estavam pretos, não porque queria, mas porque não conseguia controla-los naquele momento.

– Como vai irmãozinho? – Loki disse em um tom irônico.

– Loki... – Kyra o chamou.

– Por que me trouxe até aqui?

– Nosso pai...

– Seu pai! – ele gritou, Kyra estremeceu.

– Nosso pai – Thor insistiu – até quando vai ficar com esse ódio dentro de você, irmão?

– Imagine para você, Thor – Loki riu dando a volta na mesa – como é achar que você é um Asgardiano e descobrir que na verdade, você não passa de um prêmio? De uma segunda opção? Tente imaginar! – ele gritou, Thor o encarou – não consegue não é verdade? Porque você sempre foi o idolatrado, sempre foi o primeiro... Por que ganharia uma desgraça dessas na sua vida, não é?

– Pare Loki – Thor pedia, ele não gritava, seu tom de voz grave não necessitava disso.

– Por que seu pai me quis de volta?

– Você pertence á Asgard. Você tem que pagar pelo que fez, e aprender com isso.

Loki somente riu.

Ele então levantou seu cetro e Thor posicionou seu martelo.

– Loki! – Kyra gritou.

Loki então paralisou. Se lembrou do que tinha se tornado, do que sentia pela garota que ele estava ignorando há um tempo. Mas ele simplesmente não conseguia se segurar, ele não conseguia suportar a dor de ser rejeitado. Ele então se virou para trás, e Kyra pode ver o desespero nos olhos verdes do deus das travessuras. Thor por sua vez, não tinha visto nem percebido a presença da garota até então, ele a encarou e ela encarava somente Loki. Thor percebeu pela primeira vez, que o irmão estava mudado, que Loki sentia algo pela garota, ele só não sabia quem ela era e como tinha feito aquilo sobre o irmão.

Kyra estava ofegante e seus olhos estavam cinzas. Loki então pode perceber que ela estava amedrontada e agora se sentia culpado por tê-la deixado assim. Ele realmente tinha perdido o controle. Kyra então tirou sua coroa, sua roupa se tornou na mesma quando conheceu Loki, shorts de cintura alta e uma blusa branca por baixo das armaduras do tórax. Ele então enrijeceu, ajeitou sua postura abaixando automaticamente o cetro e perdendo toda sua concentração e seu ódio. Ela jogou a coroa para o lado e foi quando Thor percebeu que ela era uma princesa, talvez, uma das princesas do Reino de Ezkeirdh. O Reino que não acreditava nos outros planetas.

– Não faça isso – ela disse, saiu como um sussurro, mas Loki pode ouvir e Thor conseguiu ler os lábios.

Loki não disse completamente nada, apenas ficou encarando-a.

– Pare com isso – ela tornou a sussurrar, somente Loki estava entendendo – você não quer ser banido novamente, posso ver isso em você. Posso ler você. E você sabe que eu posso – ela então olhou para Thor e aumentou o tom de voz – ele não quer te machucar. Ele não tem raiva de você, apenas... Mágoa. Não faça isso.

Ele então continuou encarando-a. Ela deu um fraco sorriso. Era tudo o que ele precisava. Ele ergueu o olhar e então tornou a ficar com cara de durão, ele tirou seu capacete e deixou-o em cima da enorme mesa junto com o cetro, ele olhou para Thor e então virou-se para olhar Kyra. Ergueu a mão para ela, e ela então foi andando até ele.

Ele então deu um fraco sorriso e voltou a olhar para Thor tentando controlar seu ódio, por mais que fosse quase impossível.

– Onde está o pai?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...