História Don't go again, Loki. - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Vingadores (The Avengers), Thor
Personagens Darcy Lewis, Frigga, Heimdall, Jane Foster, Lady Sif, Loki, Odin, Personagens Originais, Thor
Tags Fanfic, Loki, Romance, Thor
Exibições 103
Palavras 4.514
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Fale sobre você.


– Onde ela está? – Thor perguntava aos "juízes".

– Deve estar vindo, Senhor – um deles respondeu timidamente.

– Vá busca-la – Thor ordenou um pouco irritado.

– Não precisa! – Loki praticamente gritou sentado em uma das cadeiras.

– Desculpa, Senhor – ele disse mais amedrontado ainda – mas eu... Não posso seguir ordens suas.

Thor então sorriu e Loki também. Apontou para a direção em que Thor estava virado de costas e ele então a viu vindo com uma faca em mãos. Loki estava sentado ao lado dos juízes e então cruzou os braços. Ele sabia que seria divertido, ele sabia também que o irmão iria perder, ele já lutou contra Kyra, ele sabia do que ela era capaz. Foi quando Thor riu e então resolveu perguntar:

– Vai usar uma simples faca?

Ela deu de ombros – Eu gosto da minha faca.

– Tudo bem – Thor disse pegando um escudo e o empurrando até ela – melhor de três. Se você me deixar sem saída três vezes, você ganha. Se eu te deixar sem saída três vezes, eu ganho. Certo?

– Certo – ela empurrou o escudo para o lado.

– Sinto muito, princesa – Thor então riu orgulhoso – mas são regras. Escudo e arma.

– Você vai lutar com seu martelo. Acha mesmo que um escudo vai segurar sua força? – ela perguntou – eu não preciso de escudo e você também não.

Ele então a encarou jogando o escudo para o lado.

– Bom garoto – ela então deu alguns passos para trás.

– Sem truques – ele olhou para Loki em seguida para ela.

Loki então gargalhou – Não use-os Kyra, ele sempre caí nos truques mais bobos.

– Eu não tenho truques – ela disse.

– Ótimo – Thor sorriu – pronta?

– Sim – ela se posicionou e então lançou um breve olhar para Loki.

Thor também se posicionou – Vou ser legal com você.

– Oh, por favor... – ela transformou a faca em um tridente - ... Não seja.

Loki pode sentir a fúria da garota no momento em que os raios dentro do tridente começaram a ficar vermelhos. Thor então se manteve estático, parado no mesmo lugar e Loki então riu ao lado dos juízes, fez questão de se ajeitar em sua cadeira e ela então deu um único salto em direção á Thor, a única coisa que o deus do trovão fez foi rolar para o lado, o cabelo loiro jogado em todo seu rosto fora a única coisa que ele conseguira enxergar. Assim que tirou o cabelo da frente dos olhos, ele então percebeu que estava sem saída. Seu martelo estava muito longe de si, e o tridente da garota estava parado no seu pescoço.

– Uma mexida pra tentar trazer o martelo até aqui e eu afundo o tridente em você.

– Sem machucar, lembra?

– Desde que seja um desafio honesto – ela disse saindo de cima de Thor.

– Um a zero – Loki gritou rindo.

Ela voltou a sua posição, depois de sorrir vitoriosa para Loki. Os juízes fizeram uma anotação e então Thor se pôs de pé fazendo com que seu martelo voasse até si. Ele se pôs de pé sem dar um sorriso e se estressou mais ainda quando percebeu que Kyra sorria assim como Loki, ambos satisfeitos de verem Thor caído. Mas ele pretendia mudar isso.

– Pronta? – ele perguntou.

E antes que ela pudesse sequer responder ele jogou o martelo contra a garota que parou seu tridente na frente. Foi a única coisa que ela conseguiu fazer e para sua surpresa ela não caiu ou voou longe, ela somente foi arrastada para bem longe. Seus pés estavam ardendo como se tivesse andado em cima de brasas. Ela então saiu de perto do martelo, agora caído no chão e percebeu que Thor estava ali, em frente a garota pegando o martelo, ela então o atacou com o tridente, mas ele se defendeu com o braço, ele era forte, mil vezes mais forte do que ela, mas ela era rápida. Ela então rodopiou e acabou rindo de si mesma, seus longos cabelos pretos bateram na cara de Thor, quem também riu com o inesperado. Com seu cetro ela o empurrou para o chão, mas ele se virou e então a acertou a fazendo voar.

Por sorte, ela deixou o cetro na frente, fazendo com que ela não se machucasse. Ela era rápida. Loki então ficou de pé e Thor então sorriu se sentindo vitorioso. Estava errado. Ela se pôs de pé depois de ficar ajoelhada alguns segundos, desta vez não foi rápida, precisava de enxergar normal para ganhar o segundo ponto. Ela então fechou os olhos por três segundos e o tridente ficou sem cor alguma, como se estivesse apagado. E logo em seguida os raios ficaram pretos. Loki percebeu que ela estava bem e então voltou a se sentar. Ela balançou a cabeça e Thor escondeu seu sorriso, ela apenas correu, sem medo, correu em direção á Thor e antes que novamente ele pudesse fazer qualquer coisa ela rodou seu tridente, fazendo-o soltar um raio pela ponta do meio, fazendo com que Thor caísse de costas e novamente, longe de seu martelo. Antes que ele pudesse levantar novamente ela colocou seu pé direito em cima do tórax do deus e novamente apontou o tridente para seu rosto.

Loki então riu e olhou ao redor para ver se tinha feito algum estrago, mas estava tudo em seus conformes. Ele então percebeu que Odin estava observando-os mais ao alto, na janela de um dos cômodos. Ele não parecia muito contente, mas era raro saber quando ele estava. Ele olhava atentamente para Thor e Kyra e Loki preferiu não falar nada aos dois, queria saber onde isso ia dar. Talvez Odin desse um pouco de crédito á ela por estar humilhando Thor.

Kyra então voltou para sua posição inicial e Thor mais uma vez – porém mais exausto – se manteve em posição de ataque.

– Pronto? – ela perguntou dessa vez.

– Sim – ele disse ofegante.

Foi quando recebeu um estouro no tórax. Não fez nenhum estrago e sequer o machucou, ele somente voou até os pés dos "juízes". Loki então encarou o irmão com uma sobrancelha erguida, não imaginara que seria tão fácil, mas era nítido que Thor já estava cansado. Ele então se pôs e pé e pegou seu martelo indo direto para cima da garota, ela tentou se defender, mas o martelo voou em cima de si de uma maneira que ela sentiu. Desta vez, ela pode sentir o poder do martelo de Thor muito mais do que da vez passada. Desta vez, Loki se preocupou de verdade, ela não levantava. Loki então encarou Thor e segurou seu cetro, mas ela então lançou uma carga fraca em cima de Loki, ela não enxergava nada por causa da pancada, mas muito bem podia lê-los. Ela estava enxergando tudo embaçado, cinza, e não sentia muito suas pernas, mas sabia que ia ficar bem, afinal, não estava ferida nem nada do tipo. Ela se sentou no chão e percebeu que seu tridente não estava em suas mãos, Thor então foi caminhando lentamente até ela e pegou o tridente da garota que estava há metros de distancia da dona. Ele apontou o martelo para ela e ela então estava voltando a ver nitidamente.

– Dois á um – Thor gritou.

Ela balançou a cabeça e então se pôs de pé depois de muita dificuldade, ela percebeu que a armadura estava rachada, por causa do impacto. Ela então pode ver a preocupação nos olhos de Loki e deu um fraco sorriso. Deixou seu tridente no chão e então tirou a armadura. Thor então riu e resolveu perguntar:

– O que está fazendo?

– Você a quebrou – ela apontou para a armadura presa somente por um fio. Literalmente um fio.

– Sinto muito – ele disse irônico – e Loki, pode se sentar, irmão. Ela está bem – ele rodou o martelo em mãos – ela não é tão inofensiva assim.

– Ainda estou ganhando – ela rodou o ombro que estava dolorido.

– Por enquanto – Thor retomou a sua posição de ataque – pronta?

Ela balançou a cabeça de leve e então se posicionou – Sim.

Foi quando ela desviou. O martelo de Thor novamente tinha ido em sua direção, mas ela fora mais esperta. Então se virou para trás quando ouviu um ruído, o martelo estava voltando para Thor e novamente estava vindo em sua direção, ela se jogou no chão segurando firmemente seu cetro e Thor então correu até a garota que com a ponta do cetro bateu em seu queixo, ele apenas cambaleou. Ela então se pôs de pé e ele novamente tentou acertá-la com o martelo, mas ela colocou seu cetro na frente, ela não sabia que seu cetro era tão forte a ponto de conseguir segurar a força de Mjolnir. Mas ela não estava aguentando muito mais e o que fez foi rolar para o lado, Thor então a puxou pela manga da blusa e ela riu batendo nele mais uma vez com a parte debaixo de seu cetro, porém, desta vez ela usou toda sua força o que fez Thor voar e o martelo ficar. Ela então foi andando até o deus do trovão e completamente ofegante apontou seu tridente para o rosto dele. Loki então sorriu e os juízes anotaram.

– Isso significa – ela tentava se recuperar – que eu venci.

Ele então riu e balançou a cabeça totalmente exausto e caído no chão. Ela então riu e em seguida olhou para Loki. Seus olhos passaram de vermelho fogo para azuis turquesa. E Thor pode perceber isso. Ele então empurrou o cetro dela de leve para o lado quando se levantou, seu martelo veio parar em sua mão novamente e ele ergueu a mão direita para a garota que o encarou sem entender.

– Foi uma boa luta, um bom desafio – ele disse – parabéns.

Ela sorriu fraco e então ergueu a mão aceitando pela primeira vez algo vindo de Thor.

– Foi uma luta justa.

Os dois se viraram para trás e então viram Odin parado com os braços cruzados, Loki então tirou o sorriso da cara e foi andando até Kyra e Thor, Odin percebeu que os olhos da garota ficaram verdes e então olhou para Loki que estava com o ar de preocupação.

– Thor, sua mãe está de procurando.

– Certo, pai – ele fez uma reverencia e saiu dali.

– É Kyra, certo? – ele perguntou.

– Sim – ela respondeu.

– Pegue sua armadura e venha comigo. Precisamos conversar.

– Ela não...

– Quieto Loki – Odin ordenou – eu preciso conversar com ela.

Ele então saiu andando e ela passou por Loki para pegar a armadura. Ela pegou sua armadura que soltou-se por completo, estava presa por um fio e no momento em que ela a segurou ela soltou. Loki então a puxou pelo braço quando ela ia até Odin.

– Está tudo bem – ela o tranquilizou.

– Você está cansada, posso pedir...

– Do que você tem tanto medo, Loki? – ela perguntou – ninguém gosta de mim aqui e eu não me importo. Seu pai quer falar comigo, ele não vai me banir, eu não dei motivos. Está tudo bem.

Ela se soltou dele e ele então encarou o pai que continuou andando á frente da garota. Ela não lançou nem um olhar para trás e fez com que seu cetro deixasse de ser um tridente e voltasse a ser uma simples faca. Ela guardou a faca e então segurou os pedaços da armadura com as duas mãos. ela seguia Odin até o enorme Salão, acima das escadas estava o trono dele e ela não pode deixar de perceber o quão dourado era, ela piscou os olhos diversas vezes depois que sentiu seus olhos arderem. Era bastante chamativo. Enquanto ela observava o lugar, Odin se dirigia até seu trono e então a privou:

– Não leia minha mente.

Ela voltou sua atenção á ele – Eu não posso controlar.

– Sei que pode. Você pode mentir e enganar qualquer um, mas não á mim.

– Eu tenho que discordar de você, Odin – ela o encarou, seus olhos estavam ficando vermelhos – eu não sou uma mentirosa. Eu não consigo controlar meus poderes, queria poder, mas não posso.

Ele então percebeu a mudança nos olhos dela mais uma vez. Ele balançou a cabeça e então apontou para ela – Por que seus olhos mudam de cor?

– Eles expressam meus sentimentos – ela disse, não queria explicar com os olhos vermelhos e então respirou fundo, mas ela não tinha muito controle sobre eles ali em Asgard, nem ela sabia o porquê.

– Eles estão vermelhos, o que significa?

– Estou... Com ódio – ela disse.

– Ódio? – ele perguntou – de mim?

– Acabei de sair de uma luta e fui chamada de mentirosa – ela então o encarou com os olhos verdes, antes que ele pudesse perguntar, ela explicou o que significava cada cor. Ele então a encarava como se ela fosse uma garota interessante. Ninguém sabia decifrá-la e Odin muito menos.

– Fale sobre você.

– É necessário? – ela perguntou em voz baixa.

– Você está no meu Reino, dormindo no quarto do meu filho, você...

– Sei que Loki não é seu filho.

Ele então a encarou e ela permaneceu parada no mesmo lugar – Entenda princesa. Eu não tenho nada contra você, se eu achasse que você é perigosa eu jamais deixaria você permanecer e por alguma razão Loki acha você incrível – ele se ajeitou no trono – então vamos, fale sobre você, tenho o dia todo.

Ela então balançou a cabeça, ela sabia que não tinha escolha. Ela contou sua história toda e Odin sequer a interrompeu ela resolveu ser sincera e falar a verdade, antes que piorasse mais as coisas. Assim que terminou Odin não disse nada, e aquilo a deixou sem saber o que fazer, ela não sabia se era positivo ou negativo todo aquele silêncio. Os guardas que estavam no Salão a encaravam como se ela fosse uma assassina. Odin então ficou de pé e desceu as escadas lentamente, ela somente ficou encarando-o enquanto ele sequer a olhava.

– Você é uma bruxa? – ele perguntou.

Ela revirou os olhos, não estava acreditando que logo ele tinha feito aquela pergunta estúpida – Não – ela respondeu – eu achei os livros no quarto de minha irmã, eu li todos eles, eu sei os feitiços, mas nunca os usei. Só para cura.

– Cura? – ele a encarou.

– Quando Loki caiu onde eu estava, eu tinha que salvá-lo de alguma maneira. Não usei nada além de ervas e água doce. Não precisa me acusar.

– Eu não iria fazer isso – ele então foi andando até ela – eu trouxe Loki de volta e consequentemente você. Então, não faça nada que eu me arrependa de ter tomado essa decisão, não estou ameaçando você, isto é apenas um aviso.

– Então não tenho que lhe agradecer – ela foi ríspida.

– Não, você não tem – ele disse – eu trouxe Loki de volta porque eu preciso dele.

– Ele não é nada seu. A não ser um troféu que você adora exibir.

Odin então deu uma breve risada – É engraçado como vocês dois são parecidos. Se eu não tivesse acabado com Laufey e todo seu povo naquele dia, eu podia jurar que além de Loki você é a única filha dele na qual teve a graça de sobreviver. Mas você é mais nova, eu sei – ele então fez uma pausa – você pode ir. Não vou mandar ficarem atentos á você, porque não creio que vá fazer algo contra nós.

Ela então o encarou por poucos segundos depois que ele terminou de falar, os olhos dela ficaram pretos e ela fez questão de mostra-los. Ela deu as costas para Odin e então saiu do enorme Salão, logo do lado de fora estava Loki sentado em uma das poltronas olhando para a parede dourada, assim que ouviu o barulho da porta se abrindo, ele se virou para ver quem era. Ficou de pé assim que a porta se fechou e Kyra então o encarou.

– O que ele disse?

– Odin é divertido – ela riu com seus olhos voltando ao normal.

– Não me diga que ele te contou piadas e disse que você é linda.

Ela riu e o encarou – Não Loki. Ele me ameaçou... Ok, me deu um aviso.

– Um aviso?

– Sim – ela deu de ombros – vamos para se quarto? Eu... Estou exausta.

– Certo, vamos – ele disse andando – mas continue me contando.

– Ele disse que se eu fizer algo de que ele se arrependa por ter-nos trago de volta, eu vou arcar com as consequências.

– Ele disse isso? – Loki sorriu ao vê-la tranquila.

– Sim. Eu expliquei o porquê dos meus olhos mudarem de cor e o que significa cada uma delas, expliquei porque fui parar naquele abismo e então ele perguntou se eu era bruxa. Depois que fiquei um tempo falando a única pergunta que ele fez foi essa – ela riu fraco – eu só usei algumas coisas daquele livro, como o veneno em minha irmã e Thomas e algumas receitas de cura com ervas naturais e água.

Loki deu de ombros – Ele está bem. Se ele achasse mesmo que você era um perigo, ele tinha te banido.

– Por isso você estava com tanto medo? – ela parou no corredor, cruzou os braços e o encarou.

– O que? – ele parou na frente dela – não estava com medo.

– Eu podia lê-lo.

– Não minta para mim – ele sorriu vitorioso – tinha uma parede enorme nos separando. Nem que você quisesse.

Ela riu – Certo, mas eu pude ver que você queria se meter quando ele me chamou.

– Claro, eu sequer sabia o que ele ia fazer.

– Ficou com medo – ela o encarou andando pelo corredor.

– Talvez – ele admitiu abrindo a porta do quarto para ela.

– Eu sabia – ela ria.

– Espera – ele pediu a puxando pela mão, fechou a porta e logo em seguida a beijou. Foi tão rápido que só deu tempo dela rodopiar, ela então sorriu em meio ao beijo e ele afundou sua mão na nuca da garota o que a fez arrepiar de leve, era um arrepio bom. Ela passou os braços em volta do pescoço de Loki e então se entregou completamente àquele beijo. Foi um beijo que ele quis, ele demonstrou e ele quem teve que, enfim, pará-la para consegui-lo. Foi quando os dois assustaram pelo modo como alguém esmurrou a porta, eles quebraram o beijo e Loki foi atender, por ser o quarto dele. Foi quando o guarda disse que Odin queria falar com Loki e que tinha mandado outra armadura para Kyra. Ele então deixou a armadura em cima de cama, e com uma completa má vontade saiu do quarto.

Kyra aproveitou para tomar mais um banho, tinha suado e estava exausta. Seu único problema é que ela não dormia mais dias, como antes. Em Asgard era tudo diferente. Ela não conseguia controlar muito seus poderes e suas necessidades, porém, dentro do Salão com Odin, ela pode perceber que conseguia controlar a cor de seus olhos, fazendo-o acreditar que ela estava inconformada com algo. Ela só não queria transparecer tranquilidade, ela queria deixa-lo desconcertado, apenas isso, ela queria respeito. Mas ele se sentiu no mínimo ameaçado, chamou Loki também, com certeza ele iria falar com Loki algo para ele tomar cuidado com a garota. Ela somente riu.

Despiu-se dentro do banheiro e tomou um banho rápido, como sempre. Saiu do banheiro e vestiu a nova armadura, ela percebeu então que Odin teve o cuidado de escolher uma boa armadura para ela desta vez, e com um bônus: a capa. Da primeira armadura, ela preferiu retirar a capa porque estava em más condições, desta vez a capa era em um tom próximo ao azul turquesa, ela então sorriu e vestiu a armadura, sentiu a capa ir até seus pés e então colocou a calça de couro, riu de si mesma porque nunca usara uma calça de coro, mas até que tinha caido bem em si. Ela calçou suas botas e então deixou a faca em cima da mesa, não tinha porque carrega-la naquele momento, Asgard era tão calma quanto o abismo em que ela caíra e ficara antes de Loki chegar.

Assim que abriu a porta, um dos guardas estava parado em frente. Ele era enorme, mais alto que os normais e parecia nem se importar dela ter aberto a porta. Foi quando ela pediu licença e ele sequer se moveu.

– A Princesa Poison acha que vai em algum lugar? – ele se virou.

Foi quando ela se manteve estática. Ela o reconhecia. Era igual aos que a atacaram na floresta e da mesma espécie dos que quase mataram Loki. Ela então pulou para o lado quando ele tentou acertá-la com uma foice que devia pesar quase uma tonelada.

– Sério? – ela perguntou com seus olhos ficando pretos – tenha dó! Até aqui em Asgard?

– Estou cumprindo ordens, onde quer que seja – ele tentava tirar a pesada arma do chão. Tinha aberto um enorme buraco no mesmo.

Ela então pegou sua faca e a transformou no cetro, no momento em que ela ia atirar contra ele, ele soltou sua arma a empurrando para cima da cama. Ele não estava tentando bater nela, ou sufoca-la. Ele queria algo á mais, mais ainda que a recompensa prometida se a levasse onde era necessário.

– Eu quero a minha própria recompensa – ele disse a segurando com força contra a cama.

– Eu pude ler você, seu nojento – ela tentava o empurrar.

– Ah – ele a encarou nos olhos, os chifres agora se encolheram, parecia que tinham entrado dentro da pele – você é perfeita, literalmente uma princesa.

Ela tentava chutar, bater, gritar, mas ele era muito maior e mais forte do que ela. Foi quando ela só ouviu um estrondo e se sentiu mais leve. Não estava mais sendo forçada á nada e nem presa na cama pelas mãos nojentas de uma criatura. Ela então olhou para a porta e Loki a encarou com a cara mais furiosa que ela um dia tinha visto, o rápido olhar de Loki correu pelo seu quarto percebendo os poucos estragos ocorridos. Ele então abaixou o cetro e foi até a cama, ajudou-a a levantar e não disse nem uma palavra. Ela pegou seu cetro de volta e ele então foi andando até a criatura. Ela pode ler Loki. Era como se ele estivesse conversando com a criatura.

"Não sei o que farei com você." Ele fez uma breve pausa.

"Matar você vai ser muito fácil, simples e rápido." Ele então puxou a criatura inconsciente pelo quarto.

– Loki? – ela o chamou.

Ele não olhou para ela.

– Loki! – ela gritou parada no corredor.

– O que?! – ele gritou de volta.

– Não o mate – ela pediu – ele vai nos falar de onde veio, porque veio. É a mesma criatura que tentou te matar na floresta, minha mãe está por trás disso novamente.

– E ainda não quer que eu o mate? Eu não ia matar direto. Talvez o mutilasse, torturasse, alguma coisa – ele disse, porém não sorriu, não mostrou nenhuma expressão, estava falando sério.

– Faça isso depois – ela sugeriu – só me deixa falar com ele.

– Não – ele disse.

– Eu... – ela o interrompeu.

Ele interrompeu de volta – E se eu não tivesse chegado ali há um minuto atrás? – ele perguntou irritado – nós dois sabemos o que ele teria feito com você.

– Mas não fez.

– Mas iria. E não tinha intenção de parar. Se alguém vai perguntar alguma coisa para ele, esse alguém serei eu!

Ela ficou parada no corredor, dois guardas passaram correndo pela garota e então foram em direção á Loki, o cetro em sua mão deixou de ser um tridente e voltou a ser uma simples faca. Ela então foi andando pelo corredor para onde Loki estava arrastando-o. Depois daquilo ela não sabia mais se Odin iria permitir a presença dela ali, ela estava ameaçando o Reino e o povo. Ela então chegou no enorme Salão novamente, onde Loki falava sobre a criatura caída ao chão. Odin então se pôs de pé quando a viu entrando no salão, Loki virou-se para trás para olhá-la e ela se arrependeu de estar ali naquele momento, mais ao canto estavam Thor e a mãe, foi quando ela sentiu seu coração saltar, ela seria banida.

– Você! – a mãe gritou, Thor a segurou.

– O que faz aqui? – Loki foi andando até ela, completamente irritado – eles vão...

– Eu não me importo – ela disse com os dentes trincados – acha que eu quero estar aqui em Asgard? – ela aumentou o tom de voz – algum de vocês acham mesmo que eu tenho algo a ver com isso? – ela apontou para a criatura no chão.

– Indiretamente você tem – Loki sussurrou com os dentes trincados.

– Cala a boca – ela sussurrou de volta e foi andando até Odin – eu não peço que o Senhor me deixe permanecer, peço que acredite que não fui eu quem mandei esse... Essa... Criatura para cá. Mas eu tenho uma breve suposição de quem seja, se eu puder arrancar as informações dele, eu poderia...

– Não! – Loki gritou, sua voz ecoou – ele tentou te matar e te maliciar, você sabe disso.

– Ele te maliciou? – Odin perguntou.

Ela balançou a cabeça – Loki chegou na hora.

Ele então olhou para Loki – Agora entendo tamanha fúria.

Ela então olhou para Loki que desviou o olhar dela. Ela então entendeu a mesma coisa, Loki estava irritado pelo fato da Criatura ter tentado arrancar suas roupas, não pelo fato de ter entrado em Asgard. Ela ficou encarando-o com a cara mais perplexa que pode, foi incontrolável. Ela não prestava atenção no que ele gritava para Odin, sua mulher e Thor ouvir, foi quando ela saiu andando até a Criatura caída no chão, estava aos pés de Loki e ele parou de falar com Odin para observar o que ela ia fazer. Ela se ajoelhou ao lado da criatura e então amarrou as mãos e as pernas.

– O que está fazendo? – Odin gritou.

– Eu sei que ele foi mandado por alguém do meu Reino, eu tenho certeza. Mais espécies desta criatura apareceram quando eu e Loki estávamos no abismo. Eles não vão parar de vir se não soubermos o proposito. É claro que indiretamente é minha culpa, ele veio atrás de mim, mas tenha certeza Odin, ele não entrou aqui sozinho e não está sozinho aqui também. É a única maneira de descobrirmos – ela olhou para Loki – o que ele realmente quer e porque quer.

– Thor – Odin chamou – amarre-o na cadeira de madeira.

– Isso é insano! – Loki se contrapôs – ele vai mata-la.

– Eu não sou uma garota indefesa, lembra? – ela o encarou – você disse isso. Você mentiu?

Ele então a encarou bufando, revirou os olhos e saiu de perto. Não era por mal, ele só estava se preocupando demais para perde-la por um simples descuido. Ele cruzou os braços e se encostou na parede mais próxima á cadeira onde estavam amarrando-o, apenas por precaução. Kyra o encarou e até tentou lê-lo enquanto ele fitava o chão, ela sabia que ele estava pensando em milhares de coisas, em como mantê-la longe da criatura, mas ela não podia fazer nada, inclusive lê-lo. Ela se esforçou, mas não conseguiu, quando Loki levantou o olhar furioso até ela, ela simplesmente desviou o olhar. Thor amarrava a criatura na cadeira e então percebeu que saíam chifres de dentro da pele da criatura. Ele estava acordando. Kyra segurou seu cetro e então pensou em alguma coisa que a deixasse com raiva. Seus olhos ficaram vermelhos e os raios dentro do cetro da mesma cor. Loki encarava a criatura, estava pronto para atacar e matar á qualquer momento.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...