História Don't Speak ( Imagine Short Jin ) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Personagens Originais
Tags Amor, Jin
Visualizações 98
Palavras 1.754
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Por favor quando acabarem de ler, leem as notas finais.
Desculpa ter demorado.
Estou atualizando todas e vindo com mais umas não vou revelar quantas histórias novas. ❤❤

Amo-tes❤
Esse capítulo não tem música.

Capítulo 2 - Tudo o que importa é você.


Fanfic / Fanfiction Don't Speak ( Imagine Short Jin ) - Capítulo 2 - Tudo o que importa é você.

"Oh-oh, tão certo como as estrelas no céu 

Eu preciso de você pra me mostras a luz

Não só por agora 

Por um longo tempo 

Pode acreditar". 

Em meu quarto chorando ainda sobre a noite passada, eu penso. E me pergunto, como eu lhe considerava "melhor amigo" se você me fazia sofrer. Nós tínhamos aquelas noites maravilhosas, a qual eu sempre caía em seu truque e me entregava a ti. Eu realmente me pergunto, por que eu ainda te amo acima de tudo. Por que eu sou besta, tudo que importa pra mim é você. Eu não sei o que seria de mim sem a ti, acho que seria sem vida, quero dizer, o mundo perderia as cores sem você. Eu sinceramente não sei por que com você ao meu lado fica tudo mais bonito, por que eu sou apaixonada a ti. 


As vezes me pego pensando, como você sabe que vou suicidar. Sempre que vem estes pensamento a minha cabeça, ou quando vou fazer qualquer besteira. Não sei se um dia você irá realmente chegar a tempo. 


Estou trancada em meu quarto e não quero ver ninguém, e não deixo ninguém entrar em meu quarto. Com todos os móveis escuros o qual não enxergo nada por conta da escuridão. Minhas amigas só faltam arrebentar a porta de meu quarto, mais mesmo assim, eu teimo em abrir a porta. 

Com elas gritando meu nome - Abre a porta, nós precisamos conversar. 

Ainda chorando, eu nego com a cabeça, mesmo sabendo que elas não iriam me ver negando com a cabeça. 

Com elas gritando meu nome - Abre a porta! Nós precisamos conversar, não quero que fique assim por ele, mais você tem que entender que não é assim que funciona. Você não pode ver só seu lado. Veja o lado de ambas. Escute o que ele tem a dizer, escute cada detalhe, análise cada detalhe para depois saber se você realmente conseguirá o amar. 

Meu choro se torna mais forte, ao ponto de eu gritar. Abro a porta para a mesma a qual me abraça forte. Me acabando em seu ombro, e logo ficando mais calma. Eu estava começando a me acalmar e logo percebo que outra de minhas amigas estava em seu celular, ela parecia enfurecida ao olhar pra tela do celular. 

Minhas amigas tentavam me acalmar, eu tentava me acalmar, mais sempre vem sua imagem em minha mente, seu rosto, seu cabelo, e o que mais me deixa presa a você, seu olhos e seus lábios, os quais sempre quero tocar. Mais eu me proibo de ir atrás de ti. 

Me pergunto como eu o considerava meu melhor amigo. 

Penso nos momentos em que passamos juntos. E eu sempre fui troxa a ti. 

Pois isso é dês da época da escola, já namorei com tantos só pra te fazer ciúmes, e você fazia eu terminar ou me influenciava a trair eles. 

Eu cansei de você Kim SeokJin. 

Eu realmente me pergunto. 

Por que nós éramos amigos? 

Por que eu te amo? 

Por que, seu toque faz com que meu corpo vai a loucura? 

Por que tudo que importa é você? 

Por que não consigo amar outros? 

Já se passaram cinco anos e eu ainda te amo! 

Os seus mínimos detalhes faz com que meu corpo não saiba se comportar. 

Eu não queria mais ficar em casa e ficar lembrando de você. Então eu resolvi ir na balada. Eu não queria mais, pensar nele. Eu não aguentava mais acabar com meu psicológico. 

Coloquei uma calça que ia até a canela, com uma bota cano alto e uma blusa preta com a manga mediana, a blusa continha algumas caverinhas. E meu cabelos estavam solto. Dando uma nova sensação. 

Estava indo a uma boate, só pra mim beber e ficar com alguns caras. 

Eu queria esquecer meus problemas, eu não aguentava mais, ter de sofrer por um cretino daquele.

Se ele vai atrás dela, eu não vou atrás dele. Meus pêsames a ele. Eu não aguento mais, é como se o mundo tivesse ficado mais leve no momento em que desisti daquele canalha. 

Eu já me encontrava na boate, eu pensei tanto que nem me toquei que caminhei até aqui. 

Me sento nos banquinhos do bar. Vários olhares, são trocas de olhares a todo momento. 

Homens observando homens, mulheres observando mulheres, mulheres observando homens, e homens a mulheres. 

E eu não observava ninguém, eu observava aqueles que se observava. Era tão bonito, a musica no máximo, e a mulher e o homem se caminhavam, era como se os dois estivesse marcado que seria assim. 

Foi tão bonito a cena, ambas caminhando um para o outro. Até que chegam um ao outro e aparenta que eles se perdem um no outro até que os olhos de ambas encontram os lábios do outro, se transformando em um beijo intenso, um beijo necessitado, um beijo lindo de se ver. 

Até que o garçom me chama, fazendo que eu perdesse o casal de vista.

- A senhora vai querer alguma coisa? - O homem de cabelos escuros pergunta

- Me trás whisky. - Ele arregala os olhos, como se não fosse normal, achando que eu iria pegar totalmente leve. 

Ele me serve um copinho, o qual eu viro com tudo, pedindo para que o mesmo trouxesse mais. 

Logo, foi um, dois, três, quatro, cinco, seis, até que eu perdesse a conta. 

De tando que eu o chamava ele me deixou a garrafa para mim. 

De tanto que eu o chamava ele deixou a garrafa aí. Para que ele pudesse atender outros clientes. 

Eu já me servia. 

Logo um cara se senta ao meu lado, eu simplesmente ignorei a ele. Ele parecia me observar. Eu sentia olhares. 

- Uou, vai de vagar - Ele ainda parecia olhar para mim. A voz dele me parecia familiar. 

- Por que eu iria? A pessoa que me fez ficar neste estado, eu quero que ele vá ao inferno. 

- Por que? - Ele me perguntou, em nenhum momento eu hesitei olhar para o lado. 

- Por que essa pessoa só me fez sofrer. - Eu disse tentando conter o choro. Missão completa, eu havia conseguido. 

- Quer me contar? - Eu nem havia pensado duas vezes, logo comecando a contar nossa história. A qual pouquíssimas pessoas sabem. E quando digo pouquíssimas quero dizer eu e o Kim. E agora mais uma pessoa saberia. 

- Eu o amo dês da primeira vez que eu o vi. Tudo. Tudo mesmo. Meu primeiro amor, meu primeiro beijo, minha primeira vez, foi com ele. Minha primeira vez à luz de velas, nada forçado. Estávamos na casa dele assistindo filme até que a energia do bairro inteiro havia acabado. E nós começamos a procurar vela pela casa. Até que achamos. Estávamos na sala conversando com as velas espalhadas pela casa. Até que ele começa a me falar como eu era pra ele. Me descrevendo. - Eu deixou uma lágrima solitária cair. - Rolou um clima e nós começamos a nos beijar - Logo vindo a cena daquele casal do ambiente antes do garçom - era um beijo necessitado cheio de desejo. Até então rolando minha primeira vez a qual foi perfeita. 

- Mais por que tem tanto ódio dele? - O homem me perguntou. 

- Por que, mesmo amando ele. Mesmo ele sabendo que eu o amo, ele ama outra vadia. - O homem apareceu apertar as mãos. E eu virei mais um copo. - Ele sempre me usa - Antes que eu pudesse terminar de falar, ele me interrompe. 

- Descreva como ele é. Igual ele fez a você. 

- Ele... Ele é um dos caras mais bonitos, eu sei que pareço uma idiota falando isso. Mais é que realmente o amo. É como se nós fôssemos ligados. Eu sinto o cheiro dele de longe. As vezes que eu sinto que ele não ama aquela vadia, eu sinto que ele a ama. O jeito dele foi a primeira coisa que havia me encantado. Ele era carinhoso, mais só comigo. Ele me fazia os melhor cafuné do mundo, quando eu estou em seus braços eu me sinto completamente segura. É como se fôssemos feito um para o outro, e nosso destino estivesse marcado. Eu fico ansiosa ao lado dele, eu dou tipo uma tremidinha, meu coração acelera, eu não sei explicar sentimentos me desculpa. 

- Você é uma mulher forte.  Solta essa onça que tem em você. Você precisa ter confiança em você, não deixem que os outros diga a você o que você tem que fazer. Faça aquilo que seu coração mandar. Talvez você se arrepende, mais decepções as vezes são preciso. Corra atrás do que é seu. Pois caso ao contrário, você não estará fazendo o que seu coração mandar. Estará fazendo o que sua mente mandar. Mesmo o coração sendo um músculo que nós dizemos que o amor se encontra nele. Faz aquilo que você sentir que realmente deverá fazer. 

- Licença. Com quem a senhora está falando? - O garçom me perguntou, ele parecia preocupado. 

- Eu estou conversando com o senhor - Quando finalmente olhei para o lado, ele não estava mais lá. 

Como eu já havia pagado a balada antes de entrar, eu já estava livre. 

Estava voltando pra casa. E pensando no que o senhor havia me contado. Aquilo havia realmente mexido comigo. 

Resolvo ligar para o Kim. 

- Precisamos conversar - Eu digo seca a ele. 

- Há, claro. Mais quando você quer conversar? 

- Hoje. 

- Hoje!? - Ele me pergunta espantado

- Sim. - Eu não esito em nenhum momento, lhe demonstrar meus sentimentos. 

- Tá, eu já saio. Me espere no hospital. Já estou de saída. 

- Tá.

- Tchau - Ele responde, achando que eu iria responder. Mais eu nem me liguei logo encerrando a ligação. 


Estava a caminho do hospital. 

Me pego pensando, eu não havia percebido no momento. Mais ele estava com outra. Eu havia escutado uma mulher gemendo. Foda-se não é mais problema meu. 

Cheguei em frente ao hospital. Entrando no mesmo. E dando de cara com o Kim. Ele estava de jaleco. E seus cabelos estavam suados. Lembrei da ligação e me deu um nojo. E logo vejo a vadia, de roupa de enfermeira saindo de sua sala. O que me enjoa fazendo com que eu vomitase em seus pés. 

Ele começou a gritar meu nome - Tá tudo bem? - Eu não respondia, havia ficado tonta. Se formou uma ronda de pessoas a minha volta. Fazendo com que eu caísse em seus braços, logo apagando de vez



Notas Finais


Vamos conversar sobre a história!
Tão gostando?
Quem era aquele cara no bar?
Por que suas amigas, não estavam com você?
Por que o Kim não fica com você?
Será que tem alguma ligação??
Comentem o que acham. Gosto de saber o pensamento de vocês.
Prometo, se vocês quiserem, terá hentai?
Amo ocês❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...