História Don't trust me - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dylan O'Brien, Holland Roden, Teen Wolf
Personagens Allison Argent, Lydia Martin, Scott McCall, Stiles Stilinski
Tags Stydia
Exibições 177
Palavras 2.440
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - Me Fala


Terça-feira, 13 de novembro

 — Você não está pensando direito, querida... — Esta foi a primeira frase que Stiles conseguiu ouvir com clareza.

 O moreno havia parado um pouco antes da porta de entrada da cozinha sem chamar a atenção delas. Apenas observava as mulheres conversando – ou melhor, discutindo. Lydia estava de costas em relação a ele, encostada em uma parte do balcão, enquanto Elsa sentava em uma das banquetas em frente à ruiva. Stiles não podia ver o rosto dela, porém pelos braços cruzados e os punhos cerrados, sabia que Lydia não estava muito feliz.   

 — Não — diz a ruiva com firmeza, ainda enfatizava balançando a cabeça de um lado para o outro em negação. — Eu não vou mais fazer isto. E eu não quero mais que você venha aqui no meu apartamento sem avisar, Elsa. Aliás, nem avisando quero que venha aqui, por favor.

 A mulher mais velha abre a boca para dizer algo, mas por algum motivo se interrompe fechando a boca novamente. Fica por alguns breves segundos em silêncio até retomar a falar.

 — Não fala isso, eu só quero te ajudar, Lydia, como eu sempre te ajudei — fala Elsa, com um fundo de tristeza na voz.

 — Eu não quero mais nenhuma ajuda sua, dispenso todas, como eu deveria ter feito desde o início.

 — Minha Lydia, eu amo você... — pronuncia Elsa com uma voz fraca, seus olhos rapidamente ficaram marejados prontos para chorar.

 — Mas que merda você está dizendo? — exclama Lydia em um tom extremamente grosseiro que Stiles nunca tinha visto sair da boca dela antes.

 — Tudo bem, você está brava agora, eu entendo. Eu vou embora, quando se acalmar eu volto — Elsa diz ao limpar umas lágrimas que ousaram em escorrer pelo seu rosto. — Posso te dar um abraço antes de eu ir? — pede a mulher mais velha.

 — Não — responde Lydia de forma curta e cheia de frieza.

 — Vou dar mesmo assim.

 Elsa se levanta e se aproxima da ruiva que recua dando alguns passos para trás, mas isto não faz com que Elsa desistisse do abraço. Dá mais passos para frente acompanhando a jovem. Envolve-a em seus braços com força, impedindo que Lydia voltasse a fugir, mesmo que a ruiva ainda tentasse com as mãos empurrar a mais velha e afastá-la. Vendo que não conseguiria apenas permaneceu imóvel, sem nenhuma reciprocidade ao afeto. Contava os milésimos para acabar isto que ela considerava como um incomodo.

 — Stiles — diz Elsa com um sorriso triste nos lábios se afastando de Lydia assim que finalmente percebe a presença do homem de olhos castanhos parado ali. A ruiva mais jovem olha para a mesma direção que Elsa olhava. Seus olhos verdes assustados encaram Stiles, os lábios grossos ficam entreabertos e sua respiração falha por um segundo.

 — Está tudo bem aqui? — pergunta Stiles para elas.

 — Tudo ótimo — responde Elsa. Pega sua bolsa em cima do balcão e anda em direção à Stiles para ir embora. A mulher mais velha para na frente do moreno. — Talvez ela esteja só um pouco estressada por causa do excesso de trabalho. Mas, não se assuste... — Elsa sorri. — Ela é uma excelente menina e um amor de pessoa. Até as pessoas boas têm dias ruins, não é mesmo? Se acostume com isso, depois do casamento só piora. Tchau, Stiles, tenha um bom dia e faça minha filha feliz.

 Elsa dá um abraço em Stiles se despedindo dele e vai embora.

 Stiles se aproxima de Lydia que ainda estava encostada no balcão, sua cabeça baixa deixava as madeixas ruivas caídas tamparem seu rosto, os olhos estavam fechados e a respiração controlada.

 — O que aconteceu? O que sua mãe fez para você trata-la daquele jeito? — questiona ao ficar em frente à ela.

 — Nada, eu sou uma pessoa horrível mesmo — murmura. Abre os olhos e encara Stiles por alguns segundos, uma expressão séria, porém ainda indecifrável para Stiles.

 — Lydia, por favor... — sussurra Stiles.

 — E por eu ser uma pessoa horrível, não posso mais ficar com você.

 — Lydia, nem pensa na ideia de tentar fazer com que eu me afaste de você — pede Stiles com uma voz doce. Leva suas mãos para o rosto dela, mas antes que ele conseguisse tocá-la, ela desvia o rosto. Sai da frente do moreno, mantendo uma distância maior dele.

 — Acontece que eu não quero mais, entendeu? Eu tenho esse direito, não é? Ou sou obrigada a ficar com você para sempre agora mesmo não querendo?

 — Você não quer? — pergunta Stiles com os olhos castanhos perdidos e confusos sobre ela.

 — Não — ela diz simplesmente e se abraça. — Agora por gentileza você poderia sair do meu apartamento?

 

 

Quarta-feira, 14 de novembro

 Stiles não teve nenhum contato com a mulher ruiva desde o momento que ela pediu para ele ir embora. Tentou ligar várias vezes depois disso mais suas ligações foram todas rejeitadas com sucesso.

 Hoje já era tarde e ainda sem conseguir falar com a Lydia, Stiles foi até a empresa do Derek a pedido da agente Erica. Fazia algum tempo que ele não tinha uma conversa com alguém do seu trabalho referente a missão.  

 Erica se senta em umas das cadeiras ficando de frente para o moreno e apoia os cotovelos na mesa principal da sala. Estralava os dedos das mãos e olhava-o esperando pelas novas informações que ele havia conseguido – ou pelo menos deveria.

 Stiles continua em silêncio. Batucava os dedos na mesa e evitava o contato visual com a agente Erica.

 — Stiles! — a loira chama a atenção do moreno, quando viu que o silêncio permaneceria se ela não fizesse nada. — Quais são as atualizações sobre o caso?

 — Não tenho nada — ele murmura já esperando pelo esmurro da mulher. Ela dá uma risada forçada, não acreditando no que acabara de sair da boca do moreno.

 — Você só pode estar brincando comigo, não é? — diz Erica quase intimidando-o. Stiles apenas dá os ombros e espreme os lábios. A loira de olhos cor de mel, fecha os olhos e respira fundo – uma, duas, três vezes. Procurava se manter calma, ou melhor se obrigava a isso, já que sua personalidade explosiva a acompanhava desde a infância. — Eu não irei me estressar... — sussurra para si mesmo antes de abrir os olhos novamente. — Ok, Stiles, não é possível que passou todos esses dias com ela, dormindo na casa dela e não percebeu absolutamente nada de diferente, nada de suspeito, nada. Eu não acredito nisto. — dizia com uma voz calma, embora qualquer um fosse capaz de perceber que essa calmaria era falsa e forçada. Stiles continuou sem dizer uma palavra. Erica se levanta da cadeira e anda de um lado para outro, pensativa. — Então, já que você não está sendo eficiente, terei que pedir para o chefe te substituir na missão, para não acabarmos perdendo ainda mais tempo e dinheiro que perdemos com você. Talvez o agente Peter, ele queria vir, né? Ele é bonito, extrovertido, simpático, acho que consegue o coração da nossa suspeita.

 — Não! — berra Stiles alto demais ocasionando até um susto na agente loira. O “Não” escapou involuntariamente da boca dele assim que a imagem de outro homem conquistando o coração da ruiva passou em sua mente.

 — Por que diabos devemos continuar gastando tempo e dinheiro com você, para você ter a incompetência de não conseguir absolutamente nada que nos ajude? Não devíamos ter confiado em um novato qualquer, esse foi o nosso maior erro.

 — Eu vi a Lydia discutindo com a mãe dela ontem, eu acho que elas não se dão bem, talvez eu consiga algo aí — ele cospe as palavras sem pensar. Sua mente trabalhava em achar uma solução rápida para que Erica não desistisse dele, não queria ser visto como um novato inútil e também não queria ir embora, além disto a ideia de afastar dela agora e para sempre não permitia que ele raciocinasse – talvez este seria um problema, não pensar. Não pensar em como deveria agir para sair ileso, para não decepcionar nenhum dos dois lados: o trabalho e a Lydia. Por esta pressão que sentiu, sem lhe dar nenhum tempo para encontrar um caminho, ele continuou a dizer tudo o podia parecer ajudar com a missão para a agente Erica, o que ouviu da discussão de ontem, o desgosto da Lydia pela mãe e todas as vezes que a ruiva mandou ele se afastar dela, inclusive da vez do dia anterior, posterior a discussão mais recente com a mãe.

 — Entendi. Então, eu preciso que você vá atrás dela e consiga mais informações, informações mais profundas, o porquê desta discussão com a mãe, o porquê ela pediu diversas vezes para você se afastar dela, enfim.

 — Como eu vou fazer isto? Se ela não quiser me falar?

 — Não sei, mostre sua competência, agente, mostre que nosso investimento em você valeu a pena. Mas, se não conseguir nada até sexta feira, vamos ter que tomar outras medidas — avisa Erica.

 

 

Quinta-feira, 15 de novembro

 Quando já era noite e ele tinha a certeza que Lydia já estaria em casa, Stiles foi até o apartamento dela. Com o acesso permitido pelo porteiro do prédio já acostumando com as visitas frequentes do moreno para a ruiva, ele apenas subiu sem avisá-la. Parou em frente a porta dela, fechou o punho e deu três batidas na madeira branca. Aguardou e a porta permaneceu fechada, sem sinal da mulher. 

 Não sabendo se ela não ouviu ou estava propositalmente ignorando-o, mas apostava na segunda opção, ele resolve ligar para ela. Saca o celular do bolso, desbloqueia, vai nos contatos e telefona para ela. Após alguns toques, ela atende.

 — O que você quer? — questiona Lydia.

 — Que você fale comigo.

 — Eu não tenho nada para dizer — ela diz com um tom calmo na voz.

 — Lydia... — resmunga Stiles. O moreno deixa seu corpo escorar na parede ao lado da porta.  

 — Stiles — ela resmunga de volta o nome dele.

 — Você não vai abrir a porta para mim? — pergunta.

 — Eu já te disse que não quero mais ficar com você, Stiles.

 — Tudo bem, eu só quero te ver, não posso nem ser seu amigo? — Ele espera pela resposta da ruiva, mas ela não vem. Lydia permanecia em silêncio. A respiração dela era o único som que ele escutava vindo do outro lado da linha. — Eu vou sentar aqui, ficarei te esperando, se você não abrir a porta para mim terei que passar a noite inteira no corredor sozinho, mas tudo bem, você que sabe. Vou desligar, porém estou aqui...

 — Stil...! — tenta gritar, no entanto o homem desliga antes mesmo que ela conseguisse terminar de pronunciar o seu nome.

 Stiles se encosta na outra parede e senta no chão, ficando bem de frente para a porta, na espera da mulher ruiva. Alguns minutos se passam e ele começa a se preocupar. Esta demora significaria que ela realmente não queria mais vê-lo? A única coisa que ele sabia é que não iria desistir de conversar com ela, mesmo que estivesse que dormir no corredor e apenas acordar quando ela saísse para trabalhar pela manhã.

 A maçaneta da porta enfim se mexe, ocasionando um sorriso involuntário nos lábios finos do homem. A porta se abre e Lydia aparece com os fios ruivos presos em um rabo de cavalo, sem maquiagem no rosto e vestindo uma calça legging preta e uma blusa de moletom.  

 — Entra — ela fala e abre espaço para ele passar. Stiles se levanta, entra no apartamento dela, indo direto para o sofá. Lydia fecha a porta e senta no mesmo sofá que ele, porém com alguns assentos de distância.

 — Ainda está nervosa? — pergunta. Ela olha-o com os olhos estreitos, mas logo nega com um movimento com a cabeça. — Então, posso chegar mais perto de você? — questiona se podia eliminar o espaço que ela deixou entre os dois.

 Lydia apenas balança os ombros como se não se importasse e deita sua cabeça no encosto do sofá, encarando o teto.

 Stiles se aproxima sentando ao lado dela, em uma proximidade o suficiente para suas pernas se encostarem.

 Ele deixa sua mão repousar na coxa dela coberta pelo tecido da calça, acariciando ali. Foi um movimento que Stiles fez sem pensar, mas ao perceber que sua mão se encontrava acarinhando a coxa da ruiva e ela não havia recuado ou reclamado, apenas continuou com o carinho naquela área.

 — Você não quer me falar porque está fugindo de novo de mim?

 — Eu já te falei, Stiles, eu quero o seu bem, porque eu gosto de você. Você é definitivamente um dos caras mais incríveis que eu conheci em toda a minha vida, se eu te magoar ou se eu te decepcionar eu não vou me perdoar, então é melhor acabar antes que isso aconteça.

 — Por favor, me fala porque você diz essas coisas, por que eu me magoaria com você? Por que você não seria boa para mim? Você é tão maravilhosa, para mim não faz nenhum sentido essa sua justificativa.

 — Ás vezes a vida não te dá opção e você acaba sendo obrigado a fazer o que não queria, e infelizmente, lhe traz consequência. A minha parece ser essa, ter que me afastar de pessoas como você.  

 — Lydia, seja mais clara, ainda não consigo entender porque tenho que me manter longe de você, tem a ver com o seu ex-marido? Com a sua mãe?

 — Se está se referindo a Elsa, quero pedir primeiro para parar de chamá-la assim, ela não é e nunca será a minha mãe. Ela é irmã da minha mãe apenas. E segundo, eu não quero que você fique de conversa com ela, entendeu?

 — O que aconteceu entre você e sua... tia? — ele pergunta com curiosidade. — Lydia, me fala.

 — Quer saber, eu cansei! Não quero falar sobre mim, nem sobre a Elsa! — Ela se levanta bruscamente e caminha de um lado para o outro enquanto falava. — Eu te avisar que não sou a melhor pessoa para você, já é o suficiente. Agora se quiser ser pelo menos meu amigo ou não, a escolha é sua e eu não me responsabilizo por nada.

 — Vem aqui... — ele chama, com os braços abertos. Ela olha para de caminhar de um lado para o outro e olha para ele. — Amigos se abraçam, não é? — Stiles fala com um sorriso contido no canto dos lábios. Lydia resiste por um momento, mas se rende, volta a sentar aonde sentava anteriormente, mas desta vez os braços de Stiles a envolviam. Ela deita a cabeça no peitoral dele. — Você não vai me falar mesmo? — ele ainda murmura tentando fazer com que a ruiva resolvesse finalmente falar o que ele tanto queria saber.

 — Stiles, se quiser ficar insistindo nisso é melhor você ir embora agora mesmo — diz com firmeza não se mostrando flexível.

 — Está bom, desculpa, mas se quiser desabafar saiba que eu sempre estarei aqui para você.

  


Notas Finais


– Stiles não queria inicialmente, no entanto sobre pressão contou para a Erica o poderia ser suspeito da Lydia. Bom para a missão, mau para a Lydia. Mas, ele está realmente dividido, não querendo decepcionar nenhum dos lados, será que consegue? hmm.
– Elsa é tia da Lydia e não mãe. E como perceberam a nossa ruiva não gosta muito da tia. Por que ela não gosta da Elsa? Onde está a mãe verdadeira/biológica da Lydia? Por que a Elsa se apresenta como a mãe da Lydia? Em breve irei explicar tudo, *cof cof no capítulo de 22 cof cof*, o quê? :O
– Esta discussão entre as duas também fará sentido, logo logo.

Beijo, beijo :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...