História Double Eyes - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Guns N' Roses
Personagens Axl Rose, Dizzy Reed, Duff Mckagan, Gilby Clarke, Izzy Stradlin, Matt Sorum, Slash
Tags Anos 90, Axl Rose, Dizzy Reed, Duff Mckagan, Gilby Clarke, Guns N' Roses, Hard Rock, Izzy Stradlin, Matt Sorum, Metallica, Slash, Tatjana Patitz, Trash Metal, Turnes, Use Your Illusion
Exibições 28
Palavras 1.391
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


BOA TARDE ESTRELINHAS, A TERRA DIZ OLÁ HEHEHE

Então, é o famoso capítulo tapa-buraco, não tenho muito a dizer sobre ele, achei até meio fraco. </3

Desculpem qualquer erro HEUDHEJ, nas notas finais está a roupa da Daphne.

Sobre a foto de capa: RINDO IGUAL UMA BESTA KKKLLLLLKKKKKKKKKKKK , ia ter a mesma reação se o Jon saísse de um poster pro meu quarto (isso se eu tivesse um poster dele c': )

Capítulo 4 - Fuck You!


Fanfic / Fanfiction Double Eyes - Capítulo 4 - Fuck You!

POV — Daphne

Você está em minhas mãos, Double Eyes. 

Eu não queria, mas meu coração estava extremamente acelerado e a minha respiração estava ofegante. Eu não queria estar sentindo aquilo, ainda mais, estar sentindo aquilo por ele. Era como se... Talvez um choque físico tivesse acontecido, e eu tentava disfarçar a carga elétrica, que possivelmente apenas eu estaria sentindo. 

Você está em minhas mãos, Double Eyes.

O que raios eram todas essas coisas que eu estou sentindo, justamente por Slash? E para piorar, nada saia de minha boca, nenhuma palavra, nenhum suspiro, nenhum som. Eu fiquei simplesmente calada, e ele simplesmente continuava como se nada tivesse acontecido, continuava ali sentado olhando para o nada.

— Respiração descompassada, não é mesmo? — ele se pronuncia. — É a reação que eu causo nas pessoas, sabe por quê? — tento sair de cima dele, mas Slash me segura com mais força. — Quero que pergunte o porquê, Daphne.

— Eu não sou obrigada a ficar aqui e passar por isso, me solta! — falo.

— Você vem sem dinheiro de um país para outro, veste roupas claramente antigas e surradas, e só tem uma mochila, uma mala e um violão. Deduzo então que precisa do emprego e como mesmo disse, está por gratidão. Não vai querer cuspir no prato que comeu do Alan e da senhora que cuidava lá na puta que pariu, seja uma boa protetora e me pergunte o que eu lhe pedi. — claramente rendida, suspiro profundamente. 

— Por quê? — ele encosta sua boca em meu ouvido, deixando-me ainda mais ofegante.

— Eu sou Slash, sou um dos melhores guitarristas do mundo, eu faço parte da maior banda do mundo, tenho tudo o que quero. Os homens querem ser iguais a mim, as mulheres querem foder loucamente comigo, e você é apenas uma segurançazinha. Uma pau-mandada, e advinha de quem? Minha pau-mandada, você vai fazer tudo o que eu te ordenar e sem reclamar. — Ele solta minhas mãos. — Você entendeu? 

Levanto-me em silêncio, dando as costas para ele, dou alguns passos e me viro. E lá estava, parado em pé me encarando, como se eu fosse uma qualquer. Retiro meus óculos e o encaro. 

— Eu estava errada sobre você, Mr. Slash... Você é um babaca tanto por fora... Quanto por dentro. — recoloco os óculos e subo as escadas em direção novamente ao meu quarto. 

Adentro o aposento e me jogo contra a cama. O que eu tinha na cabeça em aceitar este emprego? Tudo bem que era uma ótima oportunidade de emprego e de mudança de vida e uma forma de agradecer Mrs. Bridget por tudo, mas se era para ficar neste inferno, prefiro a morte. 

— Não dê um soco na cara dele, Daphne. Não dê um soco na cara de seu chefe. — repito o mantra novamente coçando meus olhos. 

◇◇◇

Uma semana depois...

Não acredito que já haviam se passado apenas uma semana desde que eu cheguei em Los Angeles. Uma semana extremamente tediosa e infernal, eu tentava evitar o cabeludo o máximo que eu podia e ele depois do nosso incidente vivia trancado dentro do quarto. Elizabeth é obrigada a levar comida para ele, a qual na maioria das vezes, volta intocada.  As únicas coisas que me preocupavam eram, essa tal mega-turnê que estava em todos os veículos midiáticos sobre música e afins, e se a minha sanidade iria sobreviver àquele homem extremamente bipolar. 

Apenas uma notícia boa viera esta semana, finalmente Slash livrou-se do gesso, porém iria começar a fisioterapia. E quem seria a responsável por levar ele até o consultório? Isso mesmo, eu. 

◇◇◇

— Estou tão preocupada com Slash, Daphne... — Elizabeth falou enquanto preparava a bandeja com o almoço dele, um big mac, batatas fritas e uma coca cola de 700ml.  — Ele anda recluso demais! Tenho medo que Saul esteja se drogando novamente.

— Então Mr. Slash está limpo? — eu sabia que limpo completamente, ele não estava por causa dos vários saquinhos que encontrei. Mas decidi proteger Elizabeth de saber a verdade. 

— Saul tem suas recaídas, mas, andou se controlando ultimamente. Oh céus! — ela olhou no calendário. — Hoje tem sessão com o fisioterapeuta. Daphne, você pode levá-lo? 

— Poder eu posso, porém não sei andar por Los Angeles, o máximo que sei é andar por perto da casa.

— Slash sabe onde fica, nem que eu force-o, ele vai e ainda vai lhe guiar. — Elizabeth sai e sobe as escadas com a feliz refeição dele e em poucos segundos a gritaria iria começar.

 — EU NÃO VOU PARA O MÉDICO, BETTY!

— VOCÊ VAI SIM, SAUL HUDSON! VAI TOMAR UM BANHO E SE ARRUMAR AGORA QUE A DAPHNE IRÁ LHE LEVAR. — precisava citar meu nome?

— EU JÁ CONSIGO CAMINHAR, PARA QUÊ IR AO MÉDICO?

— COMO É QUE VOCÊ VAI PARA A TURNÊ? O MÁXIMO QUE VAI PODER FAZER SERÁ PASSAR DUAS HORAS E MEIA SENTADO! E EU LHE CONHEÇO, SAUL, VOCÊ É A PESSOA MAIS ELÉTRICA DO MUNDO!

— EU NÃO VOU, BETH! E AINDA POR CIMA NÃO VOU COM AQUELA MALUCA DA DOUBLE EYES! — agora ofendeu. 

— SAUL HUDSON, PODERIA PELO MENOS COMER? — logo depois, Elizabeth desceu apenas com a bandeja vazia. — Pelo menos desta vez, ele aceitou comer. 

— Beth, ele já é um homem crescido. Não é mais um menino, você vai acabar sofrendo um infarto.

— Eu sei Daphne... Mas Slash... Ele é como se fosse um filho para mim, acho que é esse amor maternal que me faz continuar com ele. — ela deu um riso fraco, porém eu entendia  perfeitamente o que Elizabeth queria dizer. — Bom, hoje eu fico apenas meio período, deixei o jantar pronto para você Daphne e se Saul aparecer, tem Big Mac e McRib na geladeira... Até amanhã, querida!

— Tchau Beth. — com uma extrema preguiça, vou subindo os degraus e paro em frente a porta do quarto. — Mr. Slash? Já terminou de comer?

— TÔ OCUPADO. — ele grita dentro de seu aposento. 

— VOCÊ VAI MORRER POR CAUSA DO PESO DESSA SUA BUNDA GORDA! TÔ SÓ ESPERANDO O DIA QUE ELA VAI TE FAZER PERDER O EQUILÍBRIO E CAIR NO QUINTO DOS INFERNOS. — grito de volta, definitivamente, com paciência zero. 

— QUER PARAR DE DESEJAR MINHA MORTE?! 

— É MEU PAPEL COMO TRABALHADORA ASSALARIADA INSATISFEITA COM A VIDA. 

— ENTÃO SE MATA! 

— MORRE VOCÊ PRIMEIRO, MR. SLASH! 

— PARA DE FALAR MERDA, GAROTA!

— OLHA QUEM FALA. A HIPOCRISIA É MESMO UM NEGÓCIO ESQUISITO. 

— FALOU A RAINHA DA VERDADE. 

— EU JURO QUE VOU ARROMBAR ESSA PORTA E PUXAR VOCÊ PELOS CABELOS ATÉ O FISIOTERAPEUTA.

— DUVIDO QUE TENHA CORAGEM DE ARROMBAR! 

POV — Slash

De repente tudo fica em silêncio, provável que a psicopata da Double Eyes tenha desistido de tentar me irritar. Não havia garota mais irritante no mundo do que ela e olha que a garota mais irritante que eu já conheci, antes de Double Eyes aparecer na minha vida, era minha ex-namorada Yvonne. 

— Ela deve ter ido em..— de repente, Double Eyes cai contra o chão em meu quarto, o que me faz ter o maior susto, e a porta havia sido quase arrancada pelo peso dela. — QUE MERDA É ESSA?

— Porta pesada do caralho. — ela fala se limpando ainda sentada no chão. — Eu sou mais forte do que pensa, Slash.

— Mr. Slash! 

— Ah vá pra puta que pariu com essa porcaria de “Mr. Slash”. — ela se levanta e deixa amostra uma tatuagem de cobra em seu abdômen, o que de certa forma deixou-me instigado. Espera aí, Double Eyes estava usando uma blusa do Aerosmith? 

— Deixe-me ver sua tatuagem. 

— Que tatuagem?

— Não se faz de desentendida, você tem uma tatuagem de cobra na sua barriga e ainda está usando uma blusa do Aerosmith. Cadê aquela garotinha marrentinha trash metal que não gosta da música americana, hein? Parece que temos uma M-E-N-T-I-R-O-S-A! 

— Em primeiro lugar, não sou obrigada apenas a gostar de trash metal ou de qualquer outra vertente do metal, eu gosto de música e a música do Aerosmith é uma das que mais aprecio e desde que a música seja boa, não me importo de onde ela venha. Em segundo lugar, essa tatuagem... — ela levanta a camisa. — Não é da sua conta, agora levanta, toma um banho por quê está fedendo, vou te esperar na garagem não importa onde fica. — Daphne abaixa a camisa, sai do quarto e fecha a porta.

— INFERNO! — pego qualquer objeto e o jogo na parede, fazendo quebrar em pedacinhos. — VAI SE FODER, DAPHNE!

— VAI VOCÊ E SE ARRUMA LOGO! — o eco da voz dela adentra o quarto. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...