História Draco Queen - Drarry - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Astoria Greengrass, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Narcissa Black Malfoy, Ronald Weasley, Rose Weasley, Scorpius Malfoy
Tags Alvo Potter, Draco Malfoy, Drag Queen, Drarry, Harry Potter, Hogwarts, Romance, Scorbus, Scorpius Malfoy
Exibições 641
Palavras 1.851
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Desculpem-me, acho que tem muitos erros. Não tive de revisar.

Capítulo 10 - Segredos e Planos


Algumas semanas se passaram desde que eles chegaram a Hogwarts. As pilhas de deve  res ficavam cada vez maiores e o primeiro torneio de Quadribol da temporada se aproximava.

“A Corvinal está liderando a taça das casas.” Rose disse, num dia nublado em que estava na biblioteca na companhia de Scorpius. “Não me surpreende que estejamos quase em último pela quantidade de pontos que meus primos perdem para a Grifinória.”

Scorpius estava quieto. Já estava assim a algum tempo, desde que Alvo decidiu dedicar mais tempo para Nix para ser mais exato.

“Tem falado com Alvo?” Rose perguntou, vendo a carinha tristonha do menino debruçado sobre a constelação que possuía o nome do pai dele.

“Ele nem olha mais para mim, diz que eu o cobro muito e que ele odeia cobranças.” Ele se lamentou, tentando copiar o desenho que professora pedira na aula de astronomia.

“Não ligue para ele, Scorpius. O importante é que você está fazendo a sua parte estudando.”

 O menino fechou o pergaminho e o colocou dentro do livro, esse em seguida ficou em baixo do seu braço.

“Estou com dor de cabeça, acho melhor ir me deitar.” E se despedindo da amiga com um beijo na testa, ele se foi, descendo as escadas em direção as masmorras. 

Passou por alguns alunos mais velhos que lançavam para o ar as botas de um menino da Lufa-lufa. “Eu preciso delas para a aula de Herbologia, eu preciso delas para a aula de Herbologia.” O garoto implorava entre soluços.

Teve que se enfiar por um corredor mais comprido para chegar à sala comunal. Achava que estava perdido quando ouviu vozes vindas de uma das salas. “Precisamos fazer isso à noite, você sabe, para não levantar suspeitas.” A menina cochichava.

“Estou com medo de virar um animal para sempre, já te falei, não vou fazer isso.” E a voz que Scorpius já tinha decorado em sua memória o fez apurar mais os ouvidos para descobrir quem conversava com Alvo Potter.

“Eu já sei que você é medroso.”

“Mas já expliquei a outra parte também, não temos pratica direito em Magia e se eu ficar peludo para sempre?” Uma nota trêmula pode ser ouvida na voz do moreno.

“Seu avô fez isso e deu certo. Mas eu farei você fazendo ou não. Se eu fizer e der certo, você poderá fazer em seguida e assim terá um grande feito no primeiro ano assim como seu pai teve.”

“E quando vai ser isso?” Ele perguntou ainda amedrontado.

“No fim do mês, assim que tudo ficar pronto.” A voz da menina, que Scorpius já conhecia como sendo a de Nix, parecia decidida.

“Vamos trocar um pouco de assunto. Eu não vim até aqui falar disso, vim te beijar também.” As borboletas que Scorpius possuía no estômago deviam estar se debatendo, pois o loirinho sentiu uma forte pontada nesse ao ouvir barulhos estalados como duas bocas tendo contato.

“Não vejo a hora de virar uma animaga.”

Quando o sonserino que ouvia do lado de fora da sala ouviu a fala da menina, deixou cair, sem querer, o livro que carregava sob o braço.

“Que barulho foi esse?” Alvo perguntou.

“Não sei, mas eu também ouvi.”

E Scorpius achou que nunca mais seria tão rápido na vida quanto foi naquele momento. Apanhou seu livro do chão e alguns segundos depois estava se espremendo em uma escada que encontrara numa porta ao fim do corredor. Subiu correndo os degraus em meio ao breu que estava lá dentro e esperou, tentando controlar a respiração, naquela escuridão que afundava tudo e dava calafrios no pequeno.

“Acha que a pessoa ouviu algo da nossa conversa?” Nix perguntou, sua voz bem fraca.

“Não, acho que não, mas de qualquer modo é melhor sairmos daqui.”

Alvo respirou fundo depois que se passou alguns minutos em silêncio.

“Lumus.” Ele disse assim que conseguiu tirar a varinha do bolso.

Quando uma luz se acendeu ele vislumbrou coisas das quais ele não queria ver. Um cachorro gigante de três cabeças ocupava o topo da escadaria.

O menino disparou escada a baixo e correu para a biblioteca na esperança da amiga ruiva ainda estar lá estudando.

**

Rose andava de um lado para o outro, pensativa. Prestou atenção em cada palavra que Scorpius havia lhe dito minutos antes.

“Mas nada disso faz sentido, ou faz?” Rose se perguntou. “Meu primo querer virar um animago faz sentido, e podemos investigar isso mais a fundo, agora, o cão de três cabeças.”

Ela foi até uma pilha de livros sobre a mesa e pegou um com o título “Acontecimentos Fantásticos do Harry Potter.” 

“É meu tio, mas eu confio mais nos livros... Nascimento, pais, infância trouxa, aqui, achei!” Ela virou o livro para poder ler junto a Scorpius. “Em seu primeiro ano no Castelo de Hogwarts, acompanhado por Hermione Jean Granger e Rony Abílio Weasley.” Rose fez uma pausa emotiva ao ler o nome dos pais. “Encontrou grandes desafios na Escola, onde descobriu que tinham forças ocultas querendo roubar a Pedra Filosofal. Entre os muitos desafios que enfrentaram, está um cão de três cabeças que guardava o alçapão...”

“É isso!” Scorpius disse, animado. “O cão está guardando a Pedra Filosofal.”

“Não, Scorpius. Só existia uma Pedra e Dumbledore disse que Nicolau Flamel a destruiu, sem contar que não existe nenhum Voldemort por aí querendo beber o elixir da vida.”

Scorpius franziu os lábios.

“Eu não consigo pensar em nada que aquele cão possa estar escondendo.” Rose disse, relendo o mesmo parágrafo. “Além do mais, se fosse algo importante que os alunos não pudessem saber a diretora Minerva teria nos avisado para não nos metermos em encrencas. Minha mãe me disse que o corredor do terceiro andar, onde o cão estava quando ela estudou aqui, era terminantemente proibido para alunos que não quisessem ter uma morte violentamente terrível.”

“É óbvio, Rose.” Scopius disse, se colando de pé. “Depois que seu tio recuperou a Pedra, muitos lugares que eram terminantemente proibidos para alunos devem ter sido explorados por alunos que tentavam fazer o feito do Harry Potter, então ela pode não ter avisado para não levantar suspeitas.”

“Agora começa a fazer sentido, mas eu ainda não tenho ideia do que pode estar sendo guardado aqui que não possa estar em Gringotes.”

Uma ruiva alta e magra se aproximou deles.

“Eu posso saber o que a minha priminha preferida está fazendo aqui com o Malfoy e sem Alvo?” Lucy, filha de Percy, perguntou. “Lendo as histórias da carochinha do Potter?”

Rose fechou o livro com força. “Isso não é da sua conta, Lucy.”

“Sabia que você era bem mais fofinha quando era um bebê?” Ela disse, rindo de Rose.

“Vamos, Scorpius, já deve estar na hora do almoço.”

E ignorando a prima, Rose saiu da biblioteca acompanhada por Scorpius.

**

Algumas semanas a mais e o jogo de Quadribol já estava mais próximo que nunca. Uma forte chuva caía nos terrenos de Hogwarts, o que impedia os alunos de passearem nos terrenos de Hogwarts e os obrigavam a permanecer nas dependências do castelo. Nix e Alvo andavam de mãos dadas para cima e para baixo nos corredores enquanto Scorpius e Rose entre estudos e pesquisas, armavam um jeito de tirar a namorada do sonserino da escola.

“Eu já pesquisei mais de mil livros, Scorpius, todos eles falam que para virar um animago precisa ser muito avançado em Transfiguração. Você acha que ela está estudando bastante?” Rose perguntou, desconfiada, enquanto deixavam a sala de DCAT para terem uma aula excepcional de Trato das Criaturas Mágicas dentro do castelo.

“Acho que não, ela não desgruda do seu primo e está sempre com todos os deveres feitos, onde ela estaria achando tempo para treinar isso? Sem contar que ela marcou para o fim do mês e o fim do mês é amanhã para ser mais especifico. Eles devem tentar algo depois do jogo de quadribol.”

Rose concordou com a cabeça. “Aposto que ela está fazendo isso de um jeito errado e vai colocar Alvo numa grande enrascada.”

Scorpius desviou o olhar quando Alvo parou a centímetros da sala de aula para beijar a namorada. “Precisamos tirar ele dessa.”

“Quem você acha que vai dar aula de Trato das Criaturas Mágicas? Mamãe disse que Hogwarts nunca deixou uma turma de primeiro ano tanto tempo sem professor e veja, resta um mês para o Natal.”

Quando eles entraram na sala, não havia nenhum professor nela.

Alguns minutos depois, um homem moreno aparentemente jovem, entrou no local. “Animais Fantásticos e Onde Habitam em cima da mesa aberto na página cinco.”

“Você? Eu não quero ter aula com você.” Alvo se levantou irritado. “Esse homem destruiu a minha família.”

Richard Oldbury, namorado de Potter, ficou sem graça ao ouvir as palavras do menino. “Eu estou aqui apenas para dar aula.”

“Preferia não ter aula.” Ele disse e saiu de sala.

Scorpius observou Nix dar uma baixa risadinha.

“Vai atrás dele, eu faço as anotações para nós três.” Rose pediu, em tom de sussurro.

Scorpius não pensou duas vezes e se levantou, correndo atrás do moreno.

“Mas que inferno, Scorpius, você sempre está nos piores momentos.” Alvo protestou assim que o loiro alcançou seu campo de visão.

“Eu só vim pedir para você não abandonar a aula, eu sei que é um pedido quase impossível.”

Para a surpresa de Scorpius, Alvo o puxou para um repentino abraço.

Um choro foi iniciado.

“Eu tinha uma família estruturada. Acordava todas as manhãs com minha mãe fazendo ovos com bacon para o papai. Ele contava as aventuras dele como auror e mamãe brigava por Lily ainda ser muito pequena para ouvir alguns assuntos. E depois isso foi se desfazendo como fumaça e agora nem brasa há e tudo por culpa daquele homem.”

“Você já parou para ouvir seu pai?” Scorpius perguntou, afagando os cabelos do menino.

“Não e nem quero. Não agora, mamãe me disse.”

“E você vai acabar desfalcando uma matéria obrigatória por ele? Trato das Criaturas Mágicas é importante para todos os empregos no Ministério, até para ser segurança. Imagina não saber diferenciar um verme de uma minhoca trouxa? Volte para a sala, Potter”

“Mas é difícil.”

“E é o seu futuro que você pode estar arruinando. Mostre ao chapéu seletor que ele estava errado, mostre-o que você tem coragem.”

**

“Os tronquilhos são os guardiões das árvores que podem ser usadas para a fabricação de varinhas. Ele é inofensivo e se assemelha muito a troncos de árvores, só sendo por nós identificados devido aos olhinhos marrons. Se alimenta de bichos-de-conta, mas seu prato preferido e difícil de achar são ovos de fadas... Ah, Potter, que bom que voltou.”

Alvo estava sério e sequer levou os olhos até o professor.

“Bem, quando essa chuva passar nós veremos tronquilhos pessoalmente. Eles se locomovem com bastante lentidão...”

“Sabia que conseguiria trazê-lo de volta.” Rose cochichou para Scorpius assim que o loirinho se sentou ao seu lado.

“Eu não fiz nada demais, bem, ele teve apenas que pensar.” Scorpius disse, vermelho e encabulado.

“E fazer aquele cabeça dura pensar não é fácil.”

Eles riram e Scorpius começou a copiar as anotações de Rose.


Notas Finais


Alvo, Alvo, vou bater em você, hein?
E o cachorro de três cabeças?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...