História Draco Queen - Drarry - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Astoria Greengrass, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Narcissa Black Malfoy, Ronald Weasley, Rose Weasley, Scorpius Malfoy
Tags Alvo Potter, Draco Malfoy, Drag Queen, Drarry, Harry Potter, Hogwarts, Romance, Scorbus, Scorpius Malfoy
Exibições 663
Palavras 1.675
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Essas crianças as vezes me da trabalho, mas é prazeroso escrever a história deles.

Capítulo 8 - A novata da Sonserina


A mesa do café da manhã da Sonserina estava quase vazia quando Scorpius entrou, acompanhado de Alvo e de mais três novatos com os quais dividiam o quarto. A mesa da Grifinória estava cheia de cabeças ruivas quando Alvo mirou ela. Rose, sua prima, se divertia com seu irmão James, e ele imaginou como seria se ele tivesse ido para lá.

“Essa manhã você precisa comer, Potter.” Scorpius disse, pegando umas tortinhas de abóbora e colocando sobre o prato do moreno.

Pietro Sandwell, um dos novatos, concordou com Scorpius. “Dizem que a aula de voo é maçante e se você não se alimentar bem, talvez caia da vassoura no primeiro dia.”

Uma menina morena, assim como Alvo, se aproximou deles. Era uma novata da Sonserina também. “Não ligue para o que os outros dizem, Potter, a nossa casa está muito orgulhosa de ter você nela. Ouvi alguns meninos do quarto ano comentarem isso.” Ela roubou uma das tortinhas de Alvo, que estava boquiaberto olhando para a menina. “Me chamo Nix Stockwood.” Ela se apresentou esticando a mão para Alvo que a apertou de prontidão. “Agora preciso ir, minhas novas amigas estão me esperando. Nos vemos na aula.” E se despedindo do moreno, ela se foi para um grupo de meninas que ocupava a outra ponta da mesa.

“Wow!” exclamou Eurico Tipton, o único menino de pais trouxas que havia entrado para a Sonserina em anos. “Ela é muito linda!”

“Muito mesmo!” Alvo exclamou olhando para ela.

“Quer um paninho antes de babar sobre as tortinhas?” Scorpius perguntou secamente.

“Não enche, Malfoy.” Alvo disse com um tom brincalhão na voz e começou a comer as tortinhas com tanta pressa que se engasgou.

A duas mesas dali, no lugar onde os Grifinórios ocupavam, uma menina ruiva que Scorpius conheceu no beco diagonal, acenou as mãos para ele.

O loiro pegou o prato de tortinhas de abóbora e colocou algumas de caramelo antes de ir para lá.

Antes mesmo de conseguir sentar, ouviu a pergunta que esperava receber. “Como foi a primeira noite de Alvo na Sonserina?” Mas a pergunta não partiu da garota e sim de um menino ruivo que estava ao lado dela.

“Esse é James.” Rose explicou assim que viu o olhar intrigado do loirinho. “Acho que você sabe que James é filho de Harry, não sabe?”

Scorpius afirmou com a cabeça. “Ele está se saindo bem, levando em conta que até agora nós só dormimos.”

“Isso é verdade.” Rose confirmou com a cabeça. “Mas daqui a pouco teremos aula juntos, James, já te falei, eu vigiarei seu irmão caso ele tente reproduzir a cena do tio Harry e queira se tornar o mais jovem apanhador dos últimos, o que? Vinte anos?”

O garoto ruivo beijou a testa da prima e se juntou aos outros primos para conversarem.

“É verdade que ele está bem?” Rose cochichou, espiando para ver se nenhum dos primos a ouvia. “Ele entrou muito abatido essa manhã.”

“Mas aposto que já se animou. Uma das garotas novatas da nossa casa já foi consola-lo.” Ele disse, dando de ombros.

“Isso me anima um pouco.” Rose disse, beliscando uns biscoitinhos de chocolate.

“O correio está chegando!” Louis disse, apontando para cima.

Scorpius olhou para o teto e viu uma nuvem de corujas de todos os tipos sobrevoarem sua cabeça. Rose ganhou alguns pacotes e Scorpius ficou meio tristonho.

Quando ia dar uma mordida na tortinha de maçã que tinha na mesa da Grifinória, um grande pacote caiu a sua frente.

“Um grande presente, hein, loirinho.” Victoire disse, acariciando os cabelos do sonserino.

“Um grande presente.” Dominique concordou com a irmã.

Scorpius, sem esperar sequer mais um minuto, abriu o mais depressa possível o pacote. Sua boca caiu quando se deu conta do que tinha dentro.

Uma pilha de livros sobre quadribol dos mais diversos tipos estavam empilhados e amarrados por um barbante dourado.

Passou os olhos rapidamente na lateral para ver os livros que tinha ganhado. Fora os livros necessários para o ano letivo em capas novas, haviam outros que o deixaram boquiaberto. Os assombrosos vagamundos de Wigtown; Faça a manutenção de sua vassoura; Um louco no ar e O nobre esporte dos bruxos.

Sua vó me disse que você amava Quadribol. Espero que faça bom uso. Também tem os livros atualizados dos quais irá precisar. Devolva os antigos para a Floreios e Borrões pela coruja mesmo e eles te devolverão o dinheiro.

Parabéns por ter entrado na Sonserina,

Astória Greengrass.

“Minha mãe me enviou esses livros.” Scorpius disse, desamarrando-os com rapidez.

“Sua mãe é mesmo muito rica.” Fred II disse, se servindo de gelatina.

Elena, foi uma das últimas corujas a entrar. Com duas cartas amarradas as pernas, ela deu beliscões nas tortinhas de Scorpius.

Ele rapidamente desamarrou as duas cartinhas. Quando ele começou a desenrolar uma delas, a coruja começou a bicar seu dedo.

“O que você quer, Elena?” Ele perguntou furioso.

Ela apontou com o bico para a outra carta.

Scorpius largou a que tinha em mãos e abriu a que Elena bicava.

Pequeno Malfoy,

Gostaria que fizesse um grande favor para mim, a outra carta amarrada ao pé da sua coruja é para Alvo Potter. Coloque-a sobre a cama dele e não o deixe saber que foi você.

Obrigado,

Harry Potter.

E assim que ele leu o nome do bruxo a carta se desmanchou na mão dele, não restando nem o pó.

“Ué!” Ele exclamou confuso. “Como ele me mandou uma carta por você, Elena?”

“Ele quem?” perguntou Rose frente a curiosidade do garoto.

“Ah, ninguém, esquece.” Ele disse, colocando a carta no bolso. “Vou levar esses livros para o meu quarto. Encontro você no gramado para a aula.”

E correndo até as masmorras, ele entrou rapidamente no quarto e deixou a carta sobre a cama do moreno, se contendo a curiosidade de abri-la. Voltou correndo para o gramado e viu todos já posicionados perto de suas vassouras.

“Vamos, Malfoy.” Uma mulher de cabelos brancos e olhos de gato disse ao menino. “Fique ao lado de uma vassoura.”

E obedecendo as ordens da professora, ele ocupou a última vassoura disponível na Sonserina, ficando de frente para Rose.

“Agora, estiquem sua mão direita sobre ela e digam suba.” Madame Hooch ordenou.

“Suba!” Gritaram todos juntos.

A vassoura de Scorpius e Rose foram as primeiras a subirem e um sorriu para o outro ao verem que tinham conseguido fazer a primeira tarefa com sucesso.

Já Alvo olhou com raiva para os dois. “Minha vassoura só pode estar com defeito.” Ele reclamou ao ver a vassoura se debater no chão de modo brusco.

“Suba.” O menino repetiu e a vassoura bateu em seu rosto e voltou para o chão, levando muitos a gargalhada.

Ele ficou irritado e se abaixou para pegar a vassoura no chão com as próprias mãos.

“Ótimo.” Disse Madame Hooch que se distraiu com um aluno da Lufa-lufa que havia se perdido para o caminho até as estufas e não viu o que Alvo tinha feito. “Agora subam em suas vassouras e quando eu apitar, vocês darão um impulso, tirarão os pés do chão por alguns segundos e voltarão em seguida.”

A aula de voo transcorreu normalmente, apesar de Alvo ter simulado uma forte dor no tornozelo para não praticar, mas de brinde acabou ganhando a companhia de Nix Stockwood.

Na aula de Poções o professor era Horácio Slughorn, diretor da casa Sonserina e muito diferente do que Draco descrevera sobre Snape.

“O que dizia a lista de compras, menino Potter?” A voz baixa, mas firme fez os outros em volta pararem para prestar a atenção na conversa.

“Estanho, padrão tamanho 2, senhor.” Alvo respondeu, sua voz quase um sussurro.

“E por que o caldeirão sobre sua bancada é de ouro?” ele disse, batendo os dedos no caldeirão. “Vou ser obrigado a tirar vinte pontos para a Sonserina por isso, Potter. De todo modo, isso é bem melhor do que qualquer detenção.”

E virou-se de costa. “Faça dupla com o senhor Malfoy para conseguir fazer as misturas simples de hoje e dê um jeito de conseguir um caldeirão certo para a próxima semana.”

Alvo bufou e jogou os pergaminhos e algumas penas automáticas para o lado de Scorpius.

“Se existem pessoas aqui achando que nome é tudo, estão muito enganado.” Seus olhos miraram Rose e Scorpius também. “Eu particularmente prefiro alunos exemplares.”

Scorpius e Rose se entreolharam.

“Bezoar é uma pedra retirada do estomago de cabra e seu uso é muito útil sendo ela utilizada para salvar de quase todos os tipos de veneno. Já a Ararambóia...” E com a voz baixa e falhando ele continuou a aula.

**

Assim que acabou a aula, todos se retiraram muito silenciosamente. Quando alcançaram o saguão principal, Rose foi a primeira a falar.

“Que simpático esse professor, bem, ele é melhor do que o Snape que minha mãe havia me dito.”

“Minha mãe vai brigar comigo quando souber sobre o caldeirão.” Alvo abanou a cabeça.

“Eu avisei, avisei que não aceitariam caldeirão de ouro.” Rose o lembrou, mas o primo a ignorou. “Bem, eu e Scorpius vamos para a biblioteca para nos aprofundarmos na matéria de Poções antes do almoço, quer vir conosco?”

“Marquei para conversar com uma pessoa, não posso.” Alvo disse, ficando ruborizado.

“Marcou?” Rose perguntou, boquiaberta. “Mas só estamos em Hogwarts a dois dias.”

“É só para conversar, Rose, além do mais eu sou famoso, não tem porque ficar surpresa.”

“E quem é a menina? Eu conheço?” Rose perguntou curiosa. “É a que te ajudou quando você fingiu torcer o pé na aula de voo?”

Alvo confirmou com a cabeça. “Nix Stockwood, uma novata da Sonserina assim como eu.”

“Ela é bonita?” Rose perguntou. “Só a vi de longe, não posso tirar muitas conclusões.”

“Por que não pergunta a Scorpius?” Alvo desconversou.

“Eu?” Scorpius disse, pela primeira vez se intrometendo na conversa dos primos.

“Sim, você, ou acha que eu não vi você a todo instante olhando para nós dois do outro lado do gramado?”

Dessa vez foi Scorpius que assumiu um rosado no rosto.

Rose riu da cena.


Notas Finais


Scorpius interessado na Nix?
Acho que não, hein?!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...