História Drag me down - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais, Sango
Tags Amor, Cammy, Hayato, Hentai, Ikeda, Inuyasha, Kami, Maldição, Romance, Sango, Sexo, Shoujo, Street Fighter, Tragedia
Exibições 22
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oiiii pessoas do meu kokoro!!!! Espero que estejam gostando dessa história. É minha primeira e quem sabe mais pra frente faço outras !
Bjs de luz ! 💟💟💟💟💟

Capítulo 3 - Capitulo 3 - Lembranças


Fanfic / Fanfiction Drag me down - Capítulo 3 - Capitulo 3 - Lembranças

      Acordei ouvindo vozes ao fundo... Me senti sendo sacudida diversas vezes por mãos femininas. " quem está encostando em mim?" pensei...

       - Sango! Acorda! Hayato! Chame alguém... Um médico! - essa pessoa chorava e gritava por minha causa, mas porquê ela se importa comigo?.... Abri meus olhos lentamente e me deparei com ela, Cammy, com os olhos cheios de lágrimas, o rosto vermelho e os olhos inchados de tanto chorar. Ela me agarrava como se eu nunca mais fosse vê-la.
     
       - O-o que houve? - disse me levantando aos poucos com a ajuda dela.

      - Você desmaiou novamente Sango. Precisamos fazer alguns exames periódicos em você para vermos se esta tudo bem com a sua saúde, somente hoje já foram dois desmaios - Hayato se aproximou de mim e me ajudou a ficar de pé - você está grávida por acaso? - ele me olhou com certa raiva - desmaios são bem comuns na gravidez - ele segurava meu braço com força e eu o encarava incrédula.

       - Hayato, se fosse possível eu engravidar sozinha, por meio de pensamento, sim eu até poderia, mas não, não estou gravida. - puxei meu braço - você mais do que ninguém sabe que eu não posso gerar uma vida, mesmo se eu quisesse - desviei meus olhos dos deles e dei a mão para Cammy se levantar. " como ele pode me perguntar isso?" eu pensei. Senti lagrimas nos meus olhos e evitei olhar para ele.

     - Me desculpe Sango, eu... - ele tentou encostar em mim, mas não permiti.

     - Não precisa se desculpar - de cabeça baixa, levei Cammy para meu quarto e senti os olhos de hayato nas minhas costas, olhos de pena e tristeza. - Não olhe assim para mim Hayato, não sou digna de sua piedade e angústia - o alertei sem olhar para trás e entrei em meu quarto.

      O silêncio era grande no meu quarto, Cammy olhava maravilhada para todos os meus 7.439 livros. As estantes cobriam todas as paredes, do chão ao teto, nada além de uma cama queen size tinha no meu quarto. O closet era mediano pois não me atentava muito a roupas e sapatos. - você dormira aqui essa noite. Tem outros quarto na casa porém estão todos vazios. Dentro do closet tem roupas, sapatos e mais cobertores caso fique com frio. - peguei um travesseiro da minha cama e uma colcha para dormir na sala.
 
      - Mas, e você ? - ela perguntou demonstrando vergonha - Aonde irá dormir?

      - Não se preocupe comigo, irei dormir na sala, o sofá de lá é bem confortável. Mas, ainda esta cedo, vou preparar o almoço, se quiser pode dormir um pouco antes dele. - a vi observando meus livros - pode ler qualquer um, mas depois coloque no lugar aonde achou, eles estão por ordem cronológica - saí do quarto antes dela me agradecer. Meu coração ainda doía pelas palavras de Hayato, eu sempre quis ser mãe, mas não tinha o necessário para isso. Encostei na porta do meu quarto e senti um aperto forte no peito e algumas lagrimas caírem. - merda... - limpei o rosto e me senti sendo observada, na minha frente, parado na porta de seu quarto estava ele, olhando pra mim com olhos de compaixão. O encarei e virei o rosto. - já disse para não olhar assim pra mim.

      - sim... Você disse - ele desviou seu olhar e abaixou a cabeça - me desculpe, eu sou um otário mesmo. Não deveria ter tocado nesse assunto.

      - sem problemas Hayato, acontece... - me desencostei da parede e segui em direção a cozinha pelo corredor dos quartos, ao passar por ele , Hayato me puxou pelo braço, fazendo com que eu o encarasse.

      Ele fiquei alguns segundos me olhando nos olhos, me fazendo arrepiar de uma maneira da qual eu não queria. Senti minhas mãos soarem e minha respiração falhar. - o que foi? - perguntei. De repente ele me puxou para dentro do seu quarto e fechou a porta. Nesse momento meu coração parou " o que ele pretende fazer " eu pensei, tentava falar algo, mas somente observava enquanto ele se aproximava cada vez mais me encostando na porta.

      - só de pensar em você com outro homem eu fico furioso - ele coloca as mãos no meus rosto - tenho um sentimento de propriedade sobre você Sango ... - ele colou sua testa na minha e fechou os olhos - e me dói ver que eu sou o motivo das suas lágrimas - ele passou os dedões nas minhas bochechas secando minhas lágrimas.

      Deus, eu quero beija-lo...
      - me beija ... - pedi para ele num tom de voz baixo, quase inaudível.

    Ele me puxou pela nuca e me beijou, o que começou como um selinho prolongado foi de intensificando para um beijo profundo e profano. O puxei mais para perto de mim fazendo com nossos corpos se unissem. Ele pediu passagem para a língua e eu cedi, sugando seu lábio inferior e mordendo o mesmo. Senti sua mãos descendo para minha cintura e me levantando para que eu cruzasse minhas pernas na cintura dele. Paramos de nos beijar pois ar nos faltava.

     Ficamos alguns segundos nos encarando e respirando com dificuldade. " o que eu estou fazendo? " - Hayato... - ele segurou minhas coxas e desceu a boca até meu pescoço, senti ele mordiscar - lo e lambe-lo somente com a ponta da língua. Gemi fraco e arranhei suas costas por cima da camisa.

     - você tem um sabor maravilhoso Sango - ele sussurrou em meu ouvido com rouquidão. Ele se aproximou para me beijar novamente, mas o barulho de alguém batendo na porta me fez sair daquele transe.

      Desci do seu colo e me arrumei, meu rosto queimava e meu coração disparava. Bati com as duas mãos no rosto para tentar " acordar " daquela fantasia. - me desculpe - falei sem olhar para ele e sai correndo batendo a porta atrás de mim....

.
.
.
.

     


Notas Finais


Eeitaaaa sango nem perde tempo em ! HAHAHAHAHAH
ESSA É DAS MINHAS. GENTE ESPERO QUE ESTEJAM GOSTANDO!
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...