História Dragon Ball - Para além do infinito - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Babidi, Bulma, Cell, Chichi, Dende, Goku, Goku Black, Goten, Kuririn, Majin Boo, Mestre Kame, Personagens Originais, Piccolo, Trunks, Vegeta, Videl
Tags Dragon Ball, Goku, Goku Black
Visualizações 59
Palavras 3.602
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sei que demorei um pouco mais, mas este capítulo era importante ficar assim longo. Espero que gostem! Boa leitura.

Capítulo 32 - Os meus dias sem ti- Parte 1


Narrador Kaya

Continuo de olhos bem cerrados, enquanto Hunio percorre meu pescoço com beijos. Noto a sua erecção roçando na minha coxa, mas continuo prostrada na cama, inerte. Ele insiste em beijar-me, mas pouco depois pára, bufa e me olha frustrado:
- Nunca nenhuma mulher me resistiu! O que se passa com você?? Grrrr!
Não falo nada, deixo-o descarregar a raiva. 
- Sabe o que mais? – Ele sai de cima de mim bufando.- Desisto! Não vou força-la a ter relações comigo. Não quer, é você quem perde. Ainda vou fazer-lhe mudar de ideias, e quando isso acontecer, implorará para que a tome como minha. Agora... enfim, não vou gastar minhas energias tendo sexo com uma parede!!
Ele está notoriamente zangado, e bate com a porta ao sair do quarto. Me visto aliviada. Ao menos este não era tão crápula quanto Gorval. 

Narrador Goku

Eu e Vegeta perdemos a noção do tempo. Não sei há quanto estamos aqui, deitados no solo, mas ainda nenhum de nós se conseguiu mover. Vai ser duro...


Narrador

O dia amanhece em Vegeta, e Kaya se levanta ainda cansada. Fora uma noite desgastante. Ela sai do quarto para encontrar um café da manhã digno da realeza. Hunio olha Kaya, que continua com o mesmo vestido da noite anterior, pois não tinha roupa para se trocar.
- Bom dia princesa.
- Bom dia...
- Sente-se por favor, e me acompanhe no café da manhã. Iremos depois ter com seu avô, para saber da decisão dele. Espero que tenha sido a acertada.
Kaya não diz nada e se senta, realmente estava com fome.
Pouco depois, os dois partem para o palácio.


Narrador Kaya

Meu avô e seu fiel conselheiro Bardock nos aguardavam na sala real. Eles olham para mim com tristeza, devem imaginar que fui abusada.
- Hunio... Onde está Gorval?- Questiona o rei.
- Eu o matei. – O rei o olha com os olhos arregalados. – Mas não se preocupe. O acordo que teria feito com ele, fará comigo, as condições são as mesmas. Já tem a sua resposta?
- Nós trabalharemos para você... Não temos outra escolha. E minha neta? Ela está livre?
- Não! Ela é parte do acordo. Eu me casarei com ela, será minha rainha, assim também solidificamos a união entre os nossos dois povos.
- O que??? – O olho em assombro. Casar?? Mas está completamente louco??
- Sim princesa, nos casaremos! – Ele beija minha mão.
- Eu não vou casar com você! Prefiro me matar!!
- Ahaha princesa, não seja tão dramática! Nos casaremos sim. Se se matar, será a causa da morte de todos os saiyajins e da destruição do planeta Vegeta. É mesmo isso que quer?
Bufo, desesperada, pensando em minhas opções... meu avô e Bardock se sentem impotentes.
- Porque você quer tanto se casar comigo? Qual o interesse de casar com uma mulher que não o ama?
- Por dois motivos princesa. Primeiro porque ficará solidificada a união entre saiyajins e o meu povo, os Gobis. E depois, porque mal a vi, soube que tinha de a ter. Mais tarde ou mais cedo você vai-me amar!
- Nunca!! – Grito, saindo da sala, subindo para os meus aposentos. Chego à cama e choro, desesperada com o destino que me espera. Batem na minha porta, sinto o ki de Hunio.
- Princesa, posso entrar?
- Não!
- Bem, vou dar-lhe tempo. Queria dizer-lhe que gostaria de jantar com você mais logo. Por favor coloque um vestido bem bonito, a levarei para jantar. Até logo. 
Continuo chorando, olhando para o meu anel de noivado. Quanto tempo mais vais demorar amor?


Narrador

No planeta Terra, Bulma preparava uma nave para que pudessem partir. Ela e Luany partiriam no dia seguinte para o planeta Vegeta, em busca de respostas, caso eles não dessem notícias.


Narradora Kaya

Me olho uma última vez no espelho. O meu vestido azul escuro corte de sereia é muito mais elegante do que aquele verme merece. Mas não tenho escolha, ele já me aguarda do lado de fora do palácio.
Chego até ele, que me admira, me devorando com os olhos. 
- Princesa, está linda! Você é uma visão divina, não há dúvidas!
Não digo nada, mas ele também está elegante, cabelo loiro preso, farda oficial do seu exército.
Entramos para uma pequena nave de dois lugares que nos aguardava, e partimos rapidamente. Pouco tempo depois chegamos num planeta movimentado, cheio de prédios altos, automóveis voadores, naves, e muito movimento nas ruas.
- Veja princesa, este próspero planeta é a imagem do que acontece a um planeta que colabora com o meu império. Eles são um dos vários fornecedores de tecnologia que temos, somos povos aliados. A sua espécie é pacífica mas eles são extremamente inteligentes. Venha, vou levá-la ao melhor restaurante deste planeta. Vai adorar, é chique como você.
Entramos no restaurante e realmente Hunio não mentiu. O local é do mais chique que eu já vi, as pessoas estão extremamente bem vestidas, existe um pianista no centro tocando e cantando ao vivo. Olho em meu redor e vejo iguarias sendo servidas às mesas. O empregado nos encaminha para uma mesa no segundo piso do restaurante, onde subimos por uma escadaria de vidro, em direcção ao terraço, com uma bela vista sobre aquela cidade. Tudo à nossa volta é envidraçado e outro pianista está neste espaço. A nossa mesa fica mesmo junto a um dos vidros delimitantes do restaurante, na zona com melhor vista.
Nos sentamos e os empregados tratam Hunio por “capitão”, ele deve ser bem conhecido por estas paragens. As entradas são servidas, mariscos, mini pizzas, e outros pratos que eu não consigo identificar. Kakarotto iria amar toda esta comida... 
- Está gostando princesa? – Hunio me nota dispersa. 
- Não posso dizer que não goste. É realmente muito chique, você não mentiu. Pena a companhia...
- Ahahaha – Hunio solta uma gargalhada. – Preferia estar aqui com o seu namoradinho? Mas ele não pode lhe mostrar estes locais como eu posso. 
- Porque me trouxe aqui?
- Precisamente para que tenha uma amostra do que é a vida comigo. Você viverá sempre rodeada do maior luxo, me certificarei disso. Aprecie a sua refeição princesa.
Continuo comendo, calada e resignada, mas devo dizer que realmente este é um dos melhores restaurantes onde já estive, sem dúvida. 
- Você ainda não vê isso. Mas você vai aprender a gostar da minha companhia. -Hunio fala confiante, enquanto limpa sua boca e me lança um olhar sedutor. Eu apenas suspiro. Se ele soubesse o quanto eu preferia trocar todo o luxo do mundo por estar com o meu amor...


Narrador

Um novo dia amanhece na Terra e nem notícias dos 4 saiyajins. Bulma e Luany estavam mais do que decididas, partiriam para Vegeta. Bra e Trunks ficariam com os pais de Bulma enquanto ela viajava. Tudo estava pronto e as duas entram na nave.
- Destino: planeta Vegeta. Chegada estimada em duas semanas.- Avisa a voz robótica.
- Você acha que se passa algo de errado com eles? – O semblante de Luany era preocupado.
- Eu não sei... mas acho estranha esta falta de notícias. Não se preocupe, iremos descobrir. – Bulma fala e Luany acena com a cabeça. A nave deixa rapidamente a terra para entrar no espaço. Serão duas longas semanas.


- Kaya, esta noite dormirá no palácio, pois quero que reúna suas coisas para poder ficar comigo na nave.
Kaya não diz nada, apenas vira as costas e entra no palácio para dar de caras com Tarble.
- Então Kaya, como se está sentindo?
Kaya olha para Tarble com ódio.
- Não fale comigo!! Eu odeio você, odeio! – Tarble deu dois passos atrás, não esperava essa reacção e certamente não queria despertar a raiva da saiyajin.
- Mas... o que eu fiz com você?
- Ainda tem o descaramento de perguntar?! Bem, vejamos, por onde começar... por sua causa a minha vida acabou! Você chegou na Terra, nos trazendo para este maldito planeta, nos colocando no meio de uma guerra que não era nossa e que não podemos ganhar. E eu perdi a chance de casar com o amor da minha vida, para ter de casar com um extraterrestre qualquer, para que ele não nos mate a todos! Vocês vão poder continuar com as vossas vidas e eu tenho a minha completamente destruída. Portanto me diz, ainda tem dúvidas sobre o que fez comigo? Ou preciso de ser mais clara?
Tarble engole em seco. As palavras da sobrinha eram duras mas verdadeiras e carregadas de raiva. Ela tinha razão. Ele era a culpa da destruição da vida dela, e não sabia o que podia fazer para o corrigir.
- Kaya, eu... eu peço desculpa... não sei o que fazer.
- Melhor não fazer nada mesmo! Porque o que você faz normalmente dá em merda! – Kaya sai bufando para o seu quarto, deixando Tarble com os seus pensamentos. 


Os dias se passam em Vegeta, com Hunio e Rei Vegeta solidificando e acordando termos do acordo comercial entre os dois povos. À noite, Hunio sempre procurava Kaya mas ela continuava sem dar a menor chance para o capitão. Ele não a forçava, pois considerava que não teria nenhum gosto em tomar uma mulher pela força. Hunio queria que Kaya estivesse com ele de livre vontade. 

Um dia, Hunio decide levar Kaya a um dos planetas que ele queria conquistar. Ao aterrarem, Kaya vê montes de areia preta sem fim, o planeta parecia deserto.
- Que lugar é este?
- Este é o planeta WPR. Não é um planeta muito agradável à vista, mas tenho informações que aqui existe muita coisa interessante para nós.
- Não vejo o que possa ser... 
- Logo o verá princesa.
Hunio ordena aos seus soldados que se espalhem em equipas de 2, ele e Kaya iriam explorar o planeta juntos. Bardock também fazia parte da missão, e sempre que via Kaya com o capitão, era como se uma faca afiada se espetasse em seu coração. Ele sabia que seu filho a amava profundamente e que eles se pertenciam. 
- Princesa, sei que se sabe defender. Os seres que vamos encontrar são cruéis e têm um potencial de luta muito elevado, mas nada que se compare com o seu. Nós os dois venceremos facilmente qualquer adversário. Sei que está cansada de estar na nave... Penso que um pouco de acção vai aguçar seu apetite... – Hunio sorri maliciosamente, enquanto Kaya revira os olhos.
Do nada, vários alienígenas começam a ataca-los. Kaya consegue defender-se bastante bem, mas eles eram realmente muitos, estava a ser difícil para os dois lidarem com todos eles. 
- Princesa, vou solicitar reforços.
- Nem pense nisso! Ambos conseguimos vencê-los. A menos que não queira sujar sua roupa, claro... – Diz Kaya com ironia.
- Ahaha, está me desafiando? Eu sabia que um pouco de luta traria ao de cima o melhor de você!
Os dois continuam lutando lado a lado,  Hunio eleva seu poder, e Kaya faz o mesmo, se transformando em ssj3. Após algumas horas combatendo duramente, eles conseguem vencer os alienígenas que os atacaram. No final da luta, Kaya sai da sua transformação e olha o cenário de destruição em seu redor. Vários seres jaziam mortos e feridos, e Kaya engole em seco. Porque motivo ela fez aquilo? Claro, eles a atacaram, mas... a verdade é que Kaya era uma invasora. Se fosse na Terra, a reacção não seria a mesma? Ela estava lutando interiormente com várias questões, e não podia sentir-se pior naquele momento. Hunio se apercebe da luta que Kaya travava consigo própria e lhe diz:
- Não se sinta mal por eles. Todos os que matamos são criaturas vis.
- Como pode saber isso? É verdade que eles nos atacaram, mas nós somos os invasores do planeta deles! Eu sou uma pior pessoa ao seu lado, você desperta em mim tudo o que há de negativo! – Ela diz com raiva.
- Ah você acha que estes que matamos são os habitantes deste planeta? Quanta inocência! Estes seres escravizavam os habitantes deste planeta há anos! Nós livramo-los destes tiranos!
- Apenas para você os poder escravizar ao invés destes que matamos!
- Princesa... esperava melhor! Você já deveria saber que eu não escravizo ninguém! Não acredito na escravidão. Acredito que se for um líder justo, os nossos povos podem prosperar juntos, que é exactamente o que eu vou propor aos habitantes deste planeta.
- E se eles não aceitarem o acordo?
- Eles irão aceitar. Acredite. Os habitantes deste planeta passaram anos terríveis, irão com toda a certeza agradecer o que fizemos por eles.
- Não tenho tanta certeza assim.
- Você verá.
- De qualquer das formas, o que tem este planeta assim de tão interessante que mereça ser disputado? Tudo o que eu vejo é poeira!
- Venha princesa, vou mostrar-lhe. – Hunio encaminha Kaya para um caminho entre a terra, e ambos voam para chegarem a um local de difícil acesso. Uns passos mais à frente, Kaya não consegue esconder o seu espanto perante o cenário que observava.
- Ah! São minas e minas a perder de vista! 
- Sim princesa, esta terra é cheia de minério de ouro e todo o tipo de pedras preciosas. Os habitantes deste planeta trabalham dia e noite nas minas para providenciar a extracção. Percebe agora o nosso interesse neste planeta?
Hunio contacta por scouter os vários membros da sua equipa, que lhe confirmam que os alienígenas invasores tinham sido vencidos na sua totalidade.
Hunio não se enganou. O líder do povo do planeta WPR ficou feliz em estabelecer uma aliança com Hunio e os saiyajins, que afinal os tinham livrado da escravidão. Em troca, apenas precisavam de providenciar 30% de toda a extracção para o império. 
- Estou surpreendida. – Kaya fala para Hunio, enquanto entram na nave para regressarem a Vegeta. – Pensava que você era mais cruel... É claro que 30% é muito, mas... enfim, pensava que seria diferente.
- Gorval tinha intenções de pedir 90% da extracção do minério. Eu não acredito nessa forma de se fazer negócios. Eu penso que assim, aquele povo tem mais incentivo em trabalhar porque grande parte do que irão produzir será para eles. Eu apenas ficarei com parte, aliás, nós. Uma parte do que é meu, é também do seu povo. Só assim consigo ter os povos motivados para engrandecer nosso império.
Kaya permaneceu calada. Hunio não era assim tão idiota quanto ela inicialmente pensava.


Entretanto, em Vegeta...

- Devemos contactar com o rei imediatamente! – Fala um saiyajin na sala de controlo.
- Sim, concordo!
Os painéis gritavam “nave não identificada a aproximar-se do espaço aéreo de Vegeta, nave não identificada.”
- Rei Vegeta, desculpe incomodar, mas uma nave não identificado se aproxima!
Rei Vegeta franze o sobrolho. – Questione quem são!
- Por favor identifique-se, ou será abatida!
- Daqui nave civil pertencente a Bulma Briefs e Luany, viemos em paz! Tarble, Vegeta, Goku e Kaya sabem quem somos!
O soldado saiyajin questiona imediatamente o rei:
- Alteza, elas são duas e dizem conhecer seus filhos e sua neta. Posso deixar aterrar?
Rei Vegeta se surpreende mais ainda. Quem seriam?
- Pode sim! Encaminhem-nas para o palácio!

Bulma e Luany aterram em segurança e são encaminhadas para falar com o Rei. Na sala, Tarble aguardava com impaciência, e rapidamente agarra e beija a esposa ao vê-la. Bulma se decepciona um pouco ao perceber que Vegeta não estava presente. Aliás, nem Goku nem Kaya...
- Alteza... – Bulma faz uma reverência a rei Vegeta, que era quase uma cópia do seu esposo.
- Quem são vocês?
Tarble fala entusiasmado:
- Esta é Luany, minha esposa. E a outra é Bulma, esposa de Vegeta!
- Ora, que prazer finalmente conhecê-las! – Rei Vegeta beija as mãos de Bulma e Luany. – Mas me digam, o que fazem aqui?
- Ora, meu marido, Kaya... onde estão eles?
- Sobre isso... temos de conversar. -Fala rei Vegeta bem sério. – Vegeta e Kakarotto se encontram num planeta longínquo para se treinar, e quanto a Kaya, irá vê-la em breve, ela deve estar chegando. 
- Mas porque foram eles repentinamente treinar? E Kaya, onde está? – A cabeça de Bulma estourava com perguntas. O rei decidiu contar a Bulma tudo o que se tinha passado, perante a sua esptupefacção. Era muita informação para digerir.
- Eu ainda não acredito que você deixou sua neta nas mãos de um monstro! – Bulma gritava.
- Não foi certamente porque tenha tido escolha! Além do mais, ela me garantiu que ele não abusou dela. Vamos esperar que continue assim!
- Temos de organizar um plano, minha sobrinha não se pode casar com o capitão! Ela e Goku, quer dizer, Kakarotto, têm um vínculo!
- O que?!? Está me dizendo que eles já formaram o vínculo saiyajin?! – Rei Vegeta bufava preocupado. – Não pode ser!!!
- Não tenho a certeza... penso que sim... mas porque todo esse escândalo?
- Sabe de nada terráquea!! Quando dois saiyajins fazem o vínculo, o mesmo é para sempre, nada nem ninguém se pode interferir entre eles. Ao estarem separados, quer física quer emocionalmente, sobretudo se algum dos saiyajins estiver com uma terceira pessoa, tal desperta nesse saiyajin instintos incontroláveis e na maior parte dos casos, negativos. É como se de repente Kaya passasse a ser outra pessoa, não controlando os seus instintos básicos, cedendo a tudo o que de negativo existe dentro dela. Um saiyajin separado do vínculo pode tornar-se muito instável e perigoso. Ela não poderá mais estar com Hunio!
Bulma assente e os 4 começam a pensar num plano para separar Kaya de Hunio.
Entretanto, a nave da missão chega a Vegeta. Os soldados se encaminham para suas casas, e Kaya, Bardock e Hunio seguem para o palácio.
Kaya sente de imediato o ki de Bulma e Luany, e vai correndo para encontrá-las, perante o olhar confuso de Hunio.
- Tia!! – Kaya corre a abraçá-la. – Tive tantas saudades! – As duas se abraçam.
- Eu também!
- Que estão fazendo aqui? – A expressão de Kaya era preocupada. – Imagino que já saibam de tudo... devem partir imediatamente!
Sem que Bulma pudesse responder, Hunio aparece:
- Kaya não me apresentou, mas eu faço questão. Sou Hunio, capitão e imperador do exército! – Diz, imponente, beijando a mão de Bulma.
Bulma estava admirada com a aparente gentileza e a beleza daquele personagem. Kaya dá de ombros e refere:
- Pois é, este é o meu pretendente. Imagino que já saiba.
- Sim... – Bulma responde fitando o chão.
- Princesa, eu já lhe disse! Você vai me amar! Ahaha! Vou dar-lhe tempo para a sua reunião familiar. Aliás, melhor, porque não jantamos os três? Adorava conhecer sua família! Afinal em breve também será a minha! – Hunio ri divertido e Kaya revira os olhos. Toda essa história de casamento já a enjoava. Ela queria casar sim, mas com outro guerreiro. 

 

Num planeta distante, Goku e Vegeta se habituavam à terrível lei da gravidade. Eles ainda tinham muita dificuldade para se moverem, iria demorar bastante para que controlassem perfeitamente seus movimentos. Eles não conseguiam se aperceber quantos dias se tinham passado, apenas sabiam que era imperativo ficarem mais fortes.


- Porque não fica com a sua tia hoje? – Hunio sugere para Kaya. – Aposto que têm muito que conversar!
Kaya olhava algo desconfiada para Hunio, era estranho vê-lo  a preocupar-se assim com os seus sentimentos. Quase lhe causava sentimentos difusos.


- Não sei o que fazer... se Goku não vem depressa, Hunio vai obrigar-me a casar com ele e francamente não há ninguém que o possa impedir. – Kaya confidencia com Bulma, estando as duas já num quarto de hóspedes que fora providenciado para ela.
- É difícil dizer o que fazer. Goku precisa de voltar logo... Já sei!! Eu sou realmente brilhante! Ahahaha. – Bulma ria e se vangloriava com a sua própria ideia, enquanto Kaya a olhava sem entender, pois era complicado para si rir no meio de toda aquela situação.
- Quer partilhar?
- Claro! Ora... Hunio quer casar contigo, certo? – Kaya acena com a cabeça. – Mas eu não acredito que ele esteja apaixonado, é apenas uma questão de demonstração de poder, um capricho dele, o que lhe quiseres chamar... Mas para ele se desinteressar de ti, só temos que encontrar alguém por quem ele possa eventualmente passar a interessar-se! Alguma guerreira implacável, com pontos comuns... alguém que vejamos que Hunio se poderia apaixonar. Afinal ele não me parece assim tão terrível! 
- E onde vamos encontrar essa pretendente para Hunio?
- Teu avô conhece todas as famílias saiyajin de elite... De certeza que alguma saiyajin poderá ser bonita o suficiente para ele se interessar. Até porque como me dizes, ainda bem que ele não abusou de ti, por isso, mais tarde ou mais cedo ele terá de... se satisfazer, digamos assim. 
- Entendo! – Kaya fala com um brilho nos olhos, finalmente uma luz de esperança. O que ela não sabia é que Bulma estava seriamente preocupada com o que esta ausência de Goku significava, não pelo amor deles, que Bulma sabia ser à prova de tudo, mas sim pelo que a ausência poderia significar para Kaya e para a destabilização do seu poder, pois seria assustador alguém com o nível de poder de Kaya, completamente descontrolado...
- Amanhã mesmo falaremos com o meu avô. Hunio planeja umas novas missões, era o momento ideal para lhe apresentar alguém...

Kaya, Bulma, Rei Vegeta, Bardock, Tarble e Luany se reúnem no dia seguinte bem cedo. O plano tinha de ser posto em pratica e o rei sabia exactamente o que fazer para providenciar o momento e pretexto ideal: ele iria dar uma festa no palácio, para anunciar o acordo de cooperação entre os gobis e os saiyajins.


Notas Finais


Comentem! :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...