História Dragon City - Os Segredos de Deux - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon City
Tags Dragões, Enviados, Família, Guerreiros, Invocação, Lendários, Poder, Runa, Traição
Exibições 4
Palavras 1.037
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Capítulo 8 - O Senhor da Ganância


''Que sonho esquisito. Estou correndo com algo preso na minha asa... o que é isso?'' Pensa Tank enquanto está sonhando. Sons externos começam a perturbar a imaginação do dragão, até que alguém começa a chamar seu nome.

- Tank Acorde! Acorde!

Tank: Que?

O azul desperta de seu sono. Sideral está encarando com uma expressão desesperadora enquanto gritos podem ser escutados por todo lado. Os dois dragões saem da toca e olham imediatamente para o templo de Tsu, que no momento estava em chamas. Tank corre em busca do senhor da paz, que ainda parece estar lá dentro, deixando Sideral para trás. Chegando na sala principal, o dragão encontra Tsu no chão, protegendo a pintura dos pais de Zen do fogo.

Tank: Tsu! Você está bem? O que houve?

Sho Tsu: Zen... ele... não posso acreditar...

Sideral: TANK! Não corra assim! O que? Mestre Tsu!

Sho Tsu: Zen traiu todos... seus pais... seu futuro... me traiu...

Tank: Onde ele está?

Sho Tsu: Na caverna do abismo, perto da Ilha dos Sombrios... ele.. roubou seu livro... não pude impedi-lo.. argh

Sideral: Tsu, temos que tirá-lo daq- Tank!

Sem responder, o dragão levanta voo atras de Zen. Tank nunca sentiu tanta fúria na vida e nunca achou que iria sentir. Pensar na crueldade que Zen fez deixava as chamas de seu corpo violentas e quentes, suas asas tremiam os galhos das árvores onde passava. Não demora muito para o azul achar uma caverna no alto mar, logo abaixo do reino. O dragão não pousa, indo diretamente para o fim da caverna, porém é surpreendido por Zaith, que o acerta de maneira bruta com a cauda.

Zaith: O que faz aqui, dragão de ontem? Procurando seu livrinho? Hmhmh, ou melhor... meu livro...

O enviado da paz começa a gargalhar enquanto Tank se recupera de sua queda.

Zaith: Assista, fracasso da vida. Assista o poder que você não vai ter. Assista seu novo rei surgir. Weheheh...

Tank: Isso... O que é isso...?

Zaith: Essa é minha fonte de poder, wehehahaha. E está prestes a nascer. Sabe, meu querido pai e eu sempre procuramos por coisas ruins e poderosas, mas nunca encontramos algo comparado à essa maravilha. Mas não... ele, todo tolo, pensando na paz do nosso mundo... quis destruir essa fonte poder incrível... então eu... tive que matá-lo. 

O dragão gargalha mais uma vez, como se estivesse em pleno estado de loucura. Zen abre o Livro dos Dragões e começa a falar uma língua estranha. Círculos negros começam a surgir do chão, como se aquilo tudo fosse uma espécie de ritual. Preocupado, Tank se levanta para lutar e impedir Zaith.

Tank: Zaith! Eu não deixar você fazer isso!

Tank investe para cima de Zen, que desvia com facilidade. Rápido como a sombra, o dragão roxo golpeava Tank com destreza em lugares vitais. Em sua última tentativa, o dragão azul tenta tirar o livro das mãos de Zaith.

Zaith: FRACASSADO! NÃO FIQUE ME ATRAPALHANDO!

Zen para Tank no ar, deixando o dragão azul em estado de choque. Os olhos de Zaith agora eram negros e amedrontadores, como se chegado em um estado de frenesi. Ao abaixar sua mão com força, o dragão azul é violentamente arremessado no chão e, quando tenta se levantar, Zaith mira uma de seus círculos, atirando um lazer poderoso que atinge sem piedade a asa direita de Tank, fazendo o dragão agonizar de dor.

Zaith: Talvez você fique quieto agora, dragão de ontem. Não quero que você morra agora, quero ver você morto quando eu me tornar um heroico. 

Tank tosse sangue e quase não respira. Mesmo em estado de desespero, questiona o enviado da paz.

Tank: Po..r que i..isso tudo? O que vo...cê v-vai gan..har com is..so?

Zaith: Eu me tornarei um heroico com a alma daquele dragão. Eles são a espécie suprema que Deux criou para esse mundo. Eu escutei sua voz quando nasci, ele me tornou o pecado da ganancia. Eu sempre quis poder e não ser um mísero fracasso da paz.. ou alguém inferior como você.

Tank: Você n-não tem amor n...nem por quem... Ugh... E o Tsu? Ele... con...fiava em você...

Zaith: Você é mesmo um erro da vida. Como conseguiu ser Guia dos Lendários? Aquele velho era outro peso morto no meu caminho, sempre vendo bondade e pureza em todos. Tsk. Não me interrompa com essas coisas sentimentais de novo, ou eu termino com a sua única asa.

Zaith começa uma nova invocação. O ovo que se encontrava ali começa reagir de maneira estranha. Todos os círculos invocados estão direcionados à ele, trocando de cor entre azul e preto. Zen gargalha, mirando todos os círculos e disparando freneticamente contra aquele inocente, mas algo estranho acontece. O ovo racha e então surge um enorme dragão, emanando uma aura que Tank jamais viu na vida. Aquilo fazia com que o azul se sentisse pior, enquanto Zaith, enfurecido, luta contra a fera. Corrompido pela ambição, Zen deixa cair o Livro dos Dragões no meio da luta. Por causa de sua distração, a enorme fera robótica o acerta violentamente, arremessando o dragão roxo contra a parede. Enquanto caminha lentamente até Zaith, Tank aproveita para se arrastar para pega o Livro dos Dragões. Quando finalmente alcança o livro e volta seu olhar para os dois dragões novamente, Zen estava petrificado, com a pior expressão de agonia possível. Seu inimigo invoca uma esfera sombria e o atinge, destruindo de vez a existência de Zaith.

Tank: ZAAITH!

O dragão de olhos azuis brilhantes, se volta para Tank furiosamente, caminhando lentamente em sua direção. ''E...ssa coisa... vai m-me... matar'' Pensa o dragão azul que não consegue permanecer em pé, muito menos voar. Como última tentativa de sobreviver, Tank rola para dentro da aguá da caverna, sendo puxado violentamente pela correnteza do mar. Não demorou muito tempo para que Tank acordasse, já na areia. O dragão arrastou seu corpo até o Lago da Paz, e depois nadou contra a correnteza para chegar na montanha. Os totens da montanha, que procuravam freneticamente, encontraram o desorientado dragão azul tentando escalar as raízes da Árvore Sagrada e o levaram até Sideral, que chora em desespero ao ver o estado grave de Tank. O dragão aos poucos vai perdendo a consciência até desmaiar de vez.


Notas Finais


Ufa, esse capítulo foi difícil e demorado. Só uma pequena observação: ''Dragão de ontem'' é uma espécie de palavra de baixo calão no mundo dos dragões.
Espero que gostem! Obrigado o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...