História Dramione - Vingança do Prazer - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Luna Lovegood, Personagens Originais, Ronald Weasley, Theodore Nott, Viktor Krum
Tags Draco, Dramione, Emma, Fanfic, Felton, Gina, Granger, Harry Potter, Hermione, Luna, Malfoy, Nott, Ronald, Tom, Weasley, Zabine
Visualizações 316
Palavras 2.008
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Chegueeeeeei com mais um capítulo e meu Merlin chegamos a 104 Favoritos e 129 comentários COMO ASSIMMMMM???
ADOROOOOOOOO!!

Só tenho a agradecer todos vocês que estão me acompanhando ♥

Agora chega de enrolação e
bora capítulo ♥

Capítulo 15 - Capítulo 15 - Você agora é minha.


Fanfic / Fanfiction Dramione - Vingança do Prazer - Capítulo 15 - Capítulo 15 - Você agora é minha.

Draco Malfoy

* Juro Solenemente Não Fazer Nada de Bom*

 ________________________

Hermione se aproximava da mesa que Malfoy estava sentado. Seu coração estava acelerado. Queria perguntar o porque ele ter agido daquela forma em Hogsmead mais cedo, mas estava com medo, porque sabia que estava em divida com Malfoy e tentava conversar com ele o mínimo possível, como uma tentativa inútil de fazer ele esquecer.

Contornou Malfoy e sentou a sua frente encarando o menino. Ele não a olhou, apenas continuou lendo seu livro.

— Está atrasada de novo Granger!

— Desculpa eu...

— Eu não quero saber. – A interrompeu fechando seu livro. Encarou a menina, ele estava sério. – Falei com Madame Pince, ela me deu a chave daqui! Quando os quartanistas saírem ela irá sair e fechará a biblioteca, falei que o trabalho era grande. Não precisamos ter pressa.  – Ele deu de ombros. - Nós não vamos ficar nessa mesa, me segue, vamos à mesa do ultimo corredor. – Foi á única coisa que Malfoy falou, já se levantando e indo a direção do ultimo corredor.

Hermione respirou fundo, a última prateleira era onde ficavam os livros mais antigos, os livros que quase ninguém buscava e do outro lado estava á grade para a seção reservada. Era um lugar escondido, e de súbito entendeu. Malfoy planejava algo.

Não ousou falar nada, apenas seguiu o menino. A mesa ficava encostada a parede, era o único corredor que não havia janela. Na verdade não havia nada. Olhou para mesa que Malfoy se acomodava e lá já estavam todos os materiais, junto com o livro que havia ido buscar aquela noite na seção reservada.

Sentou a frente de Malfoy, e não falou nada, apenas puxou o livro para si e continuou a preparar a poção. Não podia negar a cara carrancuda que ele estava só a deixava mais curiosa com o que ele pretendia. Estava ainda assim devido a Simas? Não, não podia ser Malfoy sempre agira assim com ela, se bem que não conseguia não reparar os poucos momentos que Malfoy ficava descontraído ao seu lado.

Uma hora se passou e ouviu que o barulho dos outros corredores havia cessado, e logo Madame avisou que estava se retirando de seus aposentos, dizendo que havia avisado A diretora que eles continuariam lá. “E ela permitiu?” – Hermione perguntou. McGonagall era a pessoa mais rigorosa que conhecia e quando Madame falou que sim, seu queixo quase foi ao chão e no segundo seguinte se viu sozinha com Malfoy.

Não podia negar seu coração estava a mil, mas tentou não parecer nervosa e continuou seu trabalho como se ainda houvesse milhões de pessoas lá.

Malfoy levantou seu olhar, olhava a menina concentrada jogando o Bezoar dentro do caldeirão. Seu plano já estava bolado e McGonagall sendo boazinha só o ajudou ainda mais.

Jogou seu corpo para trás e continuou a encarar Hermione descaradamente. Ela estava com uma calça eu escondia tudo que ela tinha de melhor, porem aquela camisetinha com aquele decote...

Mexeu-se tentando tirar esses pensamentos da cabeça.

— Tem como você parar de me olhar e continuar o trabalho escrito?

Malfoy fechou mais ainda sua cara. Aquele ar de superioridade dela... De repente se lembrou do porque estava fazendo aquilo...

 

Flash Back ON

6 meses havia se passado após a guerra. A cidade estava se reerguendo rápido e a felicidade voltando aos poucos nos olhares das pessoas, exceto de Malfoy que se encontrava em um lugar que jamais pensara que estivera.

O lugar que milhares de bruxos deveriam ocupar estava ocupado por poucos, muitos dali representantes da Ordem da Fênix ou antigos funcionários do Ministério. Como o caso de Draco Malfoy havia sido diferente a pedido de seu advogado optaram por uma audiência privada, Kinsgley, que escutava o penúltimo depoimento.

Draco rodou seu olhar pelo lugar, tentava não fazer muito isso, alias, não queria ver o olhar de medo ao rosto de sua mãe, mas foi inevitável quando olhou a sua volta novamente e Narcisa a encarava. Desviou logo o olhar e olhou para seu Advogado. Ele escutava tudo atentamente, apenas concordando e fazendo anotações.

“Obrigado senhor Weasley” Kinsgley falou.

Malfoy acompanhou o menino até ele sair da sala.

“Por favor que tragam a ultima testemunha” – Uma mulher baixinha falou ao meio daquela multidão. Draco como todos olhou para a porta, mas no lugar de Granger, um menino magricela e com um raio na testa entrou, indo até Kinsgley e falando algo ao seu ouvido.

Malfoy se remexeu desconfortável. Potter ja havia testemunhado.

Harry afastou-se do ouvido de Kin, porém não saiu mais da sala, e sentou-se ao lado de Ronald Weasley.

“Bom a Senhorita Hermione Jean Granger não pode comparecer, pois está na Austrália como todos sabemos com o Ministério, sendo assim... Podemos começar a votação...”

“PROTESTO!” – o Advogado de Malfoy levantou. “Senhor não acho correto o meu cliente continuar a pagar sua pena devido ao descomprometimento de uma das Testemunhas!”

Kin ficou em silêncio e olhou para Potter que o mais discreto possível acenou com sua cabeça, não passando despercebido por Malfoy.

“Aceito! Não iremos colocar em risco a liberdade de qualquer cidadão! Devido à falta da Senhorita Granger o Reu está absolvido  por ora de suas acusações... Até o próximo julgamento!” – Kin bateu seu martelo.

“ O QUE?” – Malfoy falou em voz baixa, seu advogado o olhou já levantando, pelo seu olhar sabia que aquelas palavras não eram coisas boas. Todos começaram a levantar e se retirar. “ O que ele quis dizer com is...” – Mas Draco foi interrompido, um dos guardas estavam ao seu lado.

“Braço por favor” – Draco o olhou sem entender.

“Draco de seu braço esquerdo para ele!” – seu Advogado falou. Draco fez o que ele mandou e logo em seguida uma dor rápida o ocupou, uma agulha enorme havia entrado em seu braço e quando saiu uma luz fraca piscava em sua pele.

“Draco você foi absolvido agora, mas não completamente porque eles precisam da ultima testemunha, você pode ficar em casa, porém esse é seu chip de rastreamento” – Draco o olhou sem entender. “Qualquer coisa que você fizer, o ministério irá saber”

Draco abriu sua boca para falar, ia começar a xingar todos e principalmente o cara a sua frente, mas parou quando sua mãe o abraçou.

“Vai dar tudo certo querido, marcaremos o julgamento logo!” – foi a única coisa que ela Falou E eles já se encaminhavam para saída. Malfoy não conseguia prestar atenção em anda que sua mãe e seu advogado falava, seus pensamentos corriam longe.

Então não estava completamente solto porque Granger estava viajando? Sim, todos sabiam que ela havia mandado os pais para a Austrália, mas porque não avisaram antes? E porque Kin precisou escutar isso depois de Potter? Ele era o Ministro da Magia!

Eles pararam na entrada do Ministério, Malfoy ia interromper a falação de seu advogado, as algo chamou sua atenção. Uma menina chorando saia da lareira e ia a direção de Harry Potter, que apenas segurou a amiga e a levou em direção a um dos elevadores do Ministério.

Balançou a cabeça, achou que estava louco, mas Rita Skeeter tirou todo o sinal de loucura dele quando no dia seguinte a principal matéria no profeta diário era “Hermione Granger e Ronald Weasley terminam namoro de um ano”.

Naquela hora se sentiu idiota e puto! Estava na cara de Granger não estava viajando, ela deveria estar devastada com o termino de namoro deles, e graças a essa besteira teriam que marcar outro julgamento.

Seu advogado passou os meses seguintes tentando falar com a última testemunha, mas sem nunca conseguir, até que então deixaram para resolver isso no meio no ano. Enquanto isso havia sido obrigado a retornar seus estudos porque assim "parecia que estava tentando recomeçar". 

Ah mais Granger iria pagar, iria mesmo!

Flash Back OFF

 

— Você ainda me deve Granger. – falou tentando tirar toda a raiva que aquelas lembranças de traziam.

Hermione o encarou. Sabia que aquele assunto chegaria.

— Quanto você quer? – falou tentando manter o mesmo tom dele.

Malfoy então riu, uma risada tenebrosa fazendo Hermione arrepiar. Ele jogou seu corpo para frente encarando os olhos castanhos da menina.

— Você acha mesmo que eu quero dinheiro?

— E então...

Malfoy pegou sua varinha e em um movimento com as mãos tudo que estava na mesa desapareceu. Hermione respirou fundo, ele sorriu. Conseguia sentir a tensão que Hermione estava.

— Você! – falou por fim.

Ela arregalou os olhos.

— Você só pode estar...

— Não Granger! – ele a interrompeu se levantando e parando atrás da menina. Hermione, se era possível, ficou ainda mais tensa. – Você será minh propriedade, até segundas ordens... Enquanto isso... - Ele abaixou seu rosto e enfiou entre os cabelos e pescoço da menina. Sugou todo o ar que podia fazendo à morena se arrepiar. -... Nada mais de ficar se atacando com os garotos de Hogwarts. – ele então riu ao ouvido dela. -... Você agora é minha!

E em um movimento rápido ele levantou Hermione e sem deixar a menina entender aquelas palavras ele a encostou na parede com força e a beijou.

Seu beijo era rapado e feroz. Sua mão percorria todo aquele corpo que ele não sentia a dias. Hermione não conseguia raciocinar direito. Não ousou demonstrar que estava gostando, não daria aquele gostinho a ele, mas era impossível negar. Era como se houvesse drogas na boca daquele Sonserino e quando o beijava era incapaz de raciocinar.

Tentou empurra-lo, mas ele apenas apertou com mais força a cintura da menina encostando-se completamente a ela. Não negaria, beijar Granger liberava todo aquele monstro possessivo que ele tinha herdado meses atrás, e controlar esse monstro perto dela era perda de tempo.

Seu desejo era mostrar a menina quem era Draco Malfoy cada vez mais e mais. Ele desceu beijos ao pescoço dela e não pode resistir em deixar uma marca enorme ali. A mão que estava a nunca dela desceu também para sua cintura e esfregou suas intimidades fazendo Hermione gemer ao ouvido dele. Pronto! Ela estava entregue aos seus braços , e como se tira o doce de uma criança, Malfoy simplesmente a largou. Repeliu o desejo de agarra novamente a menina quando a observou com os olhos fechados, respiração ofegante e cabelos desgrenhados, mas não agarrou. Apenas pegou sua varinha e começou a andar em direção a saída.

Hermione respirava fundo e tentava entender as palavras do menino.

— E porque você acha... que eu vou obedecer você? – falou ao meio de sua respiração.

Malfoy parou e a olhou. O sorriso que ele lhe lançou jamais saiu da memória de Hermione.

— Porque Granger... Eu entrei em sua mente, eu sei tudo que se passa na sua cabeça... Alias, eu sei muito mais sobre você do que você imagina. – Ele apontou para sua própria cabeça e deu de ombros.   – Eu aviso quando for nosso segundo encontro. – E jogando a chave da biblioteca para Hermione, saiu daquela sala. Deixando uma menina boquiaberta para trás.

Sorriu vitorioso. Agradecendo a Merlin por Minerva ter deixado os dois sozinhos. Riu, a diretora nem sabia, mas cada vez mais colaborava com a Vingança dele.

*****

Minerva andava a passos rápidos pelos corredores de Hogwarts, havia acabado de falar com Madame Prince e ria com ela mesma. Virou a direita dando de cara com a gárgula, apenas balançou sua varinha e a escada logo apareceu. Subiu com passos rápidos e sentou enfim a sua mesa. Abaixou o rosto entre as mãos e respirou fundo três vezes.

— Minerva... Minerva... – Dumbledore falou atrás da nova diretora a fazendo pular de susto. – Com essa idade e está se enfiando em apostas? Logo você?

Minerva apenas o olhou e abaixou a cabeça. Tentando pensar em tudo que acontecera até ali.

Como um dia bebendo com todos os velhos amigos acabaria em um aposta para juntar logo Hermione Granger e Draco Malfoy? Dois alunos que nunca deixaram despercebido o quanto se odiavam? Mas não pode deixar de sorrir, há tempos que não se divertia, e essa aposta estava tornando seus dias cada vez mais engraçados.

— Eu vou ganhar Dumbledore. – Falou por fim sorrindo.

Que mal teria apenas uma brincadeira?

 ___________________

*MalfeitoFeito*


Notas Finais


TCHAN TCHAN TCHAN... MINERVA COMO ASSIM??

Me digam se estão gostando ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...