História Draw Your Swords. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 127
Palavras 1.692
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boatos de que uma tal de Emma Naomi ama uma pessoa chamada Kauany Voz Da Razão Borges Park.

Boatos confirmados.

Essa fanfic é para minha princesinha: @Killercypher, o ser que sorrateiramente entrou na minha vida e, sem permissão, tornou-se prioridade em minha vida.

2cherries nas tags, porque 2cherries é otp.

Aproveitem a fofura que Vkook é <3

Ps: Aquany, seu nome tá cravado no meu coração. Te amo pra sempre, Cereja do meu bolo.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Draw Your Swords. - Capítulo 1 - Capítulo Único

Taehyung chorava alto, escondido no armário. Pôs as mãos na boca e gritou alto. Não aguentava guardar toda a dor pra si. Sua garganta ardia. Encolheu-se ainda mais, estava tremendo, e podia sentir que havia um nó em sua laringe. Respirou fundo. Mas aquela vontade de chorar ainda persistia.

Agarrou-se a jaqueta de couro de Jeongguk, sentindo aquele cheiro que invadia suas narinas, o acalmando um pouco. Mas o choro saia sem sua permissão. Kim sentia a todo o momento a vontade de chorar. Sentia-se inútil em um mundo como aquele.  Havia pessoas melhores no mundo.

E pra piorar, sentia falta de Jeon Jeongguk. Seu melhor amigo não estava ali, queria vê-lo e abraçá-lo mais que tudo. Aproveitar da sua companhia, esquecer um pouco do que passava em sua cabeça, porque às vezes podia sentir que iria desistir de tudo. Que poderia jogar tudo no ar a qualquer momento.

Uma ligação.

Jeon Jeongguk.

Taehyung diminuiu o volume e decidiu não atender. Sua voz estava embargada, o que denunciaria seu choro, o que preocuparia Jeongguk, consequentemente. Então, não, não iria atender. Mas o choro parecia não acabar, então acabou saindo do seu esconderijo. Irritado, empurrou sua pequena mesinha pro canto, deixando cair objetos de vidro, fazendo um ruído alto. Tirou os quadros da parede, os atacando na janela fechada. Estava irado, chorando alto, queria destruir todo seu quarto, descontar sua frustração em algo.

Atacou seu celular na parede, jogou seu notebook no chão. Pouco se importava se quebrou ou não; precisava descontar sua frustração em algo. Pegou o porta retrato que deixou na cama e iria atacar na parede, até que viu a imagem de si em cima de Jeongguk no dia do aniversário do mesmo, que estava lambendo a faca que foi usada para cortar o bolo. Sorriu.

Mas sem querer deixou o porta retratos cair no chão com o baque da porta. Virou-se.

– Jeongguk... – Sussurrou.

E antes que pudesse agir ou pensar direito em como diabos ele chegou a sua casa, sendo que Taehyung morava sozinho, sentiu um abraço caloroso.

Ele precisa desse abraço mais que tudo.

– Eu fiquei preocupado. Você não atendia minhas ligações e nem respondia minhas mensagens. Você sempre responde, sempre atende. – Abraçou Taehyung mais forte.

– Desculpa. – Disse baixinho.

– O que aconteceu?

– Eu explodi de novo. Eu quebrei tudo.

– Por que, meu anjo?

– Porque tudo voltou. Achei que minha depressão tinha abandonado de vez, mas voltou muito forte. Eu comprovo isso a cada dia que passa. Eu só me sinto esgotado, acho que vou desistir em algum momento da minha vida, de tudo.

Ao ouvir aquelas palavras, Taehyung sentiu-se mais triste e voltou a chorar. Jeongguk o abraçou mais forte. Beijou o topo de sua cabeça. Não sabia como lidar com um assunto tão delicado como aquele, mas tentaria.

Por Taehyung, Jeongguk faria tudo.

Porque quando Jeon estava em um momento difícil, era Kim que o ajudava com seus problemas, que trazia alegria aos piores dias, mesmo sem saber.

– Não chore. Meu anjo.

– Como eu posso ser um anjo sendo que não faço nada certo? – Taehyung encarou Jeongguk com os olhos marejados e com uma voz quebrada; ao que Jeon o afastou e segurou seu rosto.

– Você mudou minha vida. Traz tanta coisa boa na minha vida que não tem ideia. Você é um anjo, Taehyung, em minha vida. Mas às vezes anjos se machucam com toda dor que o mundo traz. E eu quero proteger mais que tudo meu anjo da guarda.

– Como consegue ser tão bom pra mim? – Jeongguk sorriu. Sabia dos sentimentos de Taehyung por si. Mas queria que seu melhor amigo deixasse de sentir tudo isso, afinal, Jeon não estava pronto para um relacionamento, estava receoso caso magoasse Kim alguma vez. E se o magoasse, iria se culpar pra sempre.

– Eu não sou. Só tento o bastante porque você merece todo amor do mundo; todos os corações do mundo. Mas o mundo não te merece. Porque você é incrível demais.

Taehyung não podia acreditar nas palavras que ouvia. Chorava mais alto ainda. Jeongguk podia causar um turbilhão de sentimentos dentro de si; provocar um caos, mas também era a paz. A paz que fazia falta no seu dia a dia.

Kim se afastou um pouco de Jeon para sentar-se. A bagunça daquele quarto refletia seu estado mental, emocional e principalmente de sua vida. Mas só a cama estava intacta. Não estava bagunçada. Por um momento, sentiu vergonha do seu melhor amigo ver toda aquela bagunça. Parou um pouco e começou a recolher cada objeto jogado, com a ajuda de Jeon. Não falaram nada.

E quando Taehyung foi pegar o porta retrato, sentiu a mão de seu companheiro. Sentiu um calafrio. Deixou que ele o pegasse, o que Jeon fez, e colocou na mesinha.

Taehyung sentou-se no carpete do quarto, Jeon estava ao seu lado. Jeongguk puxou o queixo de Kim pra perto de si. Sentir a respiração de Guk tão próximo de si; deixa as borboletas em seu estômago agitadas, pedindo para ser libertas, causava dor no peito, rápidos batimentos cardíacos. Sentia que ia morrer por um simples beijo.

Jeongguk encarou mais uma vez os olhos de Kim, o que fez os dois terem um encontro de olhares, o que deixou Taehyung mais nervoso, com as mãos suando. Desceu o olhar para os lábios, e lá se prendeu, não percebendo quando finalmente beijou seu amigo.

Os lábios de Taehyung tinham gosto de cerejas.

Parecia que estava tendo uma forte nevasca no estômago de Jeongguk.  Um simples beijo causava tanta coisa. Seu coração parecia querer sair da boca. Mas comprovou que não sairia por duas coisas: primeiro; porque é improvável; segundo; quando abriu os lábios para receber a língua de Kim, nada aconteceu. Suas mãos faziam um leve carinho nos ombros de seu amado.

Por sua vez, Kim sentiu tudo em si tremer. O frio no estômago passava aos poucos. O desejo de ter aquele gosto só pra si aumentava cada vez mais. Rondou os braços em volta do pescoço de Jeon, sentando em seu colo. Ao provar mais daqueles lábios, sentia seu mundo parar. Estar com Jeongguk era como se flutuasse em uma nuvem longe dos problemas.

O ar fez falta, infelizmente, separando os dois. Mas Taehyung queria continuar, assim como Jeongguk, mas não se importaria. Por Jeon, morreria de faltar de ar só por conta daqueles lábios com gosto maravilhoso.

– Tae... – Taehyung sentiu seus pelos arrepiarem com a voz grossa de Jeongguk em seu ouvido.

– Eu te quero há tanto tempo...

– Eu sei. Me desculpa por não ter falado nada. Eu só tenho medo de acabar te magoando.

– Você não vai me magoar. Não me magoou nesses anos de anos de amizade, por que faria agora?

– Eu só tenho receio de não ser suficiente pra você.

– Nem parece que o medroso sou eu, Jeongguk. – Aproximou-se de Jeon, fazendo com que as testas se colassem, assim como os narizes. – Eu te amo tanto, Jeongguk. E, acredite, você não é inútil, não se sinta assim, você é uma das pessoas que me mantém em pé todo o santo dia. E o jeito que você me faz me sentir, é único, é um dos melhores sentimentos de minha vida.

Jeongguk sorriu.

– Obrigado por afastar meu medo e secar minhas lágrimas, foi tudo o que eu sempre quis. – Taehyung finalizou.

Pegou as mãos de Kim e fez um carinho.

– Taehyungie, eu estou com medo. Você se isolou no quarto e explodiu mais uma vez. Vamos sair, vamos a uma consulta. Mesmo que não acredite, só tente uma. Depressão é doença, precisa ser tratada, não quero ver você se destruir sozinho. – Ajeitou os fios de cabelo de Kim, que caiam em seu olho, tapando sua visão. –Você é a pessoa que ocupa o primeiro lugar de pessoas mais importantes na minha vida. E eu te amo tanto, por favor, fique comigo, porque se você for eu estarei acabado, sem chão. Eu sei que posso não estar aqui todo o tempo pra você, e, sinceramente, me desculpe por não estar. Mas, toda vez que sentir que irá explodir, ou prestes a jogar tudo no ar, quero que feche os olhos e agarre algo que te lembre de nós.  Ainda estarei aqui, está bem? Mesmo longe, eu ainda estou aqui pra te dar todo o carinho o possível e te mostrar o quão importante você é na minha vida. Me ligue, me mande mensagem, eu só preciso saber de você e de como você está. Largo tudo só por você.

Jeongguk sentia-se que tinha se livrado de um grande peso em suas costas. Taehyung era seu precioso, precisava cuidar de si. E Taehyung voltava a chorar alto. Não sabia se era porque estava frágil ou se era o efeito Jeongguk.

Já estava tão cansado há tanto tempo de tudo que nem sabia mais. Mas por Jeon faria o esforço. Afinal, vale tudo à pena por Jeongguk.

Jeongguk levantou-se, alongando suas pernas. Taehyung sorriu ao ver a mão que o ajudaria a levantar.

– Eu vou pegar sua mão e irei segurar todos os seus problemas como se fossem os meus, estarei aqui pra te ouvir. Segure minha a mão e não me solte, porque eu farei qualquer vendaval, voltar a ser uma brisa de novo.

– Você promete?

– Prometo.

– Para sempre?

– Para todo o sempre. – Deu um selinho em Kim.

Naquele dia, Jeongguk dormiu na casa de Taehyung. Os dois se enroscaram no edredom. Compartilhavam abraços, beijos e até assistiram dois filmes juntos: 500 dias com ela e De repente 30. Kim não podia deixar de reclamar do quão a primeira película citada era ridícula. Ele não tinha gostado da personagem principal. Já o segundo filme o fez ficar cada vez mais carente de atenção. As caricias não pareciam ter fim, mas esse é só Jeon mimando seu namorado.

Finalmente poderia chamar Taehyung de seu.

A chuva estava gostosa do lado de fora, a brisa passava pelo quarto, já que a janela estava aberta para que o quarto ficasse fresco de novo. Jeongguk desligou a televisão e dando um ultimo selinho no topo da cabeça de Taehyung.

É, pelo visto ele faria tudo para ver seu namorado dormindo em paz de novo.

 

 


Notas Finais


CUIDA BEM DE MIIIIIIIIIIIIIM
ENTÃO MISTURE TUDOOOOO DENTRO DE NÓSSSSSS
PORQUE NINGUÉM VAI DORMIR NOSSOS SONHOOOOOOOSSSSSSS.
AMO ESSE COVER DO NANDO!!!

Ah, o Jeongguk entrou pela chave que Tae deixa debaixo da pedra para caso de emergências (o que poderia ser, né). O notebook e o celular estão bem. Não quebrou nem a tela. Taehyung é sortudo.
Só esclarecendo.

Campanha #TaehyungMereceTodosOsCoracoesDoMundo

Te amo pra sempre @Killercypher.

Espero que essa fanfic tenha sido uma luz na sua vida.

E obrigada por me mostrar esse lado gay, fluffy, lindo, colorido que é Taekook. Obrigada pelas mensagens. Pelas coisas que compartilhou comigo. Você é anjo.

E espero que tenham gostado dessa fic fluffy vkook <3 

A foto do Tae e do Guk:

https://d.wattpad.com/story_parts/126315243/images/13db189a62c80cfe.jpg

Ah, e a música é da Angus & Julia Stone. Leiam sô a tradução. Acho que combina com algumas coisas na fanfic.

O que vocês acharam? Tô apaixonada por essa estória.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...