História Dream - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Elizabeth Gillies, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Elizabeth Gillies, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camila Cabello, Camren, Lauren G!p, Lauren Jauregui
Visualizações 1.427
Palavras 3.791
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Luta, Mistério, Orange, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que estejam gostando da fic, o apoio de você é muito importante pra mim ❤ Muitos erraram o que vai acontecer na introdução da fic, e poucos acertaram. Não vou falar quem acertou, porque eu quero manter o suspense, vocês só vão saber mesmo quando lerem o capítulo, eu acho que antes do capítulo 10 vocês vão finalmente descobrir. Acho que essa fic vai ter poucos capítulos, vou pensar em mais coisas pra colocar, pra ela não ficar com tão poucos capítulos e eu quero manter os capítulos grande, sempre mais de 2 mil palavras. Enfim, vou parar de pegar o tempo de vocês, podem ler o capítulo agora ❤

Capítulo 8 - Coffee


      Pov Lauren 

Depois que Dinah saiu da minha sala eu começei a fumar, tentando relaxar. A porta se abriu e Elizabeth entrou 

- Ual, a dinah saiu daqui soltando fogo, o que fez pra ela? - ela se sentou na cadeira de frente pra mim 

- Eu não fiz nada pra ela - puxei a fumaça e soltei pelo nariz - e nem pra Camila, todos estão contra mim 

- eu não estou contra você, estou aqui para o que precisar, você sabe que pode contar comigo sempre. Tem algo que eu possa fazer por você? - ela deu um tipico sorriso safado, fingi que não vi isso e continuei fumando 

- não tem nada que possa fazer, se você for achar onde a Camila está e convencer ela a voltar pra casa, seria uma boa - puxei a fumaça mais uma vez com força e soltei pra cima - mas isso é impossível, você não conseguiria - deixei o cigarro no cinzeiro e acendi mais um 

- aposto que consigo - puxei a fumaça e quando ela disse isso começei a rir - do que ta rindo - não respondi e continuei fumando - não vai dizer? 

- você não vai conseguir fazer isso, Camila não gosta de você 

- isso eu já sei, mas mesmo assim eu iria conseguir, mas eu não quero

- por que? 

- eu não gosto da sua esposa, quero que vocês se separem, para eu finalmente conseguir ficar com você. Se eu procurar ela e convencer ela a voltar pra sua casa, ela com certeza fará isso, porque tudo que eu quero eu consigo, mas eu não quero fazer isso. Eu quero você, e agora com a sua esposa fora, eu terei mais chances - ela se levantou, deu a volta na mesa e veio até mim - sei que você me quer - ela ficou atrás de mim - mas não fica porque não quer ficar com a consciência pesada, porque traiu a sua esposa - ela começou a fazer massagem nas minhas costas

- Eu amo a minha esposa 

- aposto que acha que ama, mas na verdade não ama - ela segurou no meu pulso, levantou a minha mão e tragou um pouco da fumaça do cigarro, voltei a abaixar a mão, ela se aproximou ainda com a fumaça na boca e disse: - sei que se você transar comigo, não irá se arrepender - a fumaça bateu no meu rosto, Fechei os olhos e suspirei. Abri os olhos e encontrei a minha amiga Veronica parada na porta 

- eu não queria atrapalhar - ela disse e se aproximou 

- não está atrapalhando nada, a Elizabeth já está de saida - olhei pra cima e vi um sorriso nos seus lábios 

- OK, depois eu volto pra continuar o que estavamos fazendo - ela saiu de trás de mim, logo depois saiu da minha sala, Veronica ficou me olhando com um olhar 

- Você e a Elizabeth estao...

- não! não mesmo! 

- foi o que pareceu - ela me entregou alguns papeis e eu peguei - são dois currículos, os melhores até agora. Se você gostar vamos contratar, eu já mostrei pra Dinah ontem, e ela gostou 

- ta bom, vou dar uma olhadinha 

- o que foi? - apaguei o cigarro no cinzeiro - você parece tão acabada 

- talvez eu esteja, não consegui dormir essa noite. 

- insônia? 

- não, eu nunca tive insônia, não sei porque isso ta acontecendo comigo 

- a Lucy teve alguns problemas em dormir, ela não tem mais isso, mas ainda tem alguns comprimidos lá em casa, se isso continuar você me fala que eu te dou 

- hoje eu vou consegui dormir, não preciso de remédio, mas caso eu não consegui, o que eu tenho certeza que não, eu pego esses comprimidos com você - Quando eu chegar em casa hoje, eu irei encontrar a minha esposa lá, e vou dormir hoje com ela, e irei conseguir dormir. Ontem eu não dormi porque senti falta do corpo dela ao meu lado. Bateram na porta e vero foi abrir 

- oi penelope - penelope é uma das minhas dançarinas, ela é transexual, e agora ela se afastou um pouco daqui, Dinah me contou o porquê e eu achei muita frescura. 

- Oi penelope , entre fique à vontade - ela entrou - sente-se - ela se sentou, vero me olhou 

- bom, eu vou sair, nos vemos depois - vero saiu e janet me encarou 

- Jauregui, eu vim aqui para falar sobre o meu futuro nessa boate 

- Dinah me contou porque você deu uma pausa aqui. Eu não gostei nada disso, você tem um trabalho aqui, não pode ficar faltando, eu estou trabalho o dobrado pra achar alguém que fique no seu lugar, os clientes estão reclamando, querem você de volta 

- Eu sei que eu tenho um trabalho, mas eu tenho um filho, e não quero perder nada da gravidez - revirei os olhos e respirei fundo. 

- faça me o favor, não é você que está gravida. 

- Mas o filho é meu, e eu não quero perder a gestação, mesmo estando na barriga de outra mulher, eu já o amo

- Toma vergonha na cara e venha trabalhar, se não aparecer aqui hoje, considere-se desempregada

- Ele não vai nascer de mim, mas eu sinto que ele é meu, ele não vai se parecer nada comigo, porque o sêmen não é meu, e sim do meu parceiro. Mas nos amamos e esse bebe também é o meu filho. Quando ele nascer eu vou ser a pessoa mais feliz do mundo, ele vai me trazer tantas alegrias - ouvia tudo aquilo calada - quando ele começar a andar eu sei que vou chorar, e quando ele me chamar de mamãe eu sei que eu vou chorar, eu vou ficar atrás dele 24 horas porque eu não quero que ele caia e se machuque. Ele nem nasceu e sinto que já o amo, sinto que ele já é meu, o meu filho o meu pequeno - eu não sei o que está acontecendo mas ouvir tudo aquilo me deixou com lágrimas nos olhos - sei que ele não vai nascer de mim, sei que ele não vai se parecer comigo, mas sinto que ele é meu, que ele é o meu filho. E o sangue não me importa. Lauren, sei que você é mais que isso, não sei o que aconteceu com você, quando eu te conheci você não era assim, eu começei a trabalhar aqui quando você também começou, e quando eu te conheci você não agia assim. Agora você só está me fazendo ficar o mais distante possível de você, você está muito ignorante. Se quiser me demitir vai em frente - ela se levantou - olha quer saber... eu que não quero mais trabalhar aqui, eu me demito - ela saiu da sala batendo a porta com força, lágrimas cairam tratei de limpa-las 

- Por que eu estou chorando? - perguntei pra mim mesma - preciso beber 


             Pov Camila 

Acordei com uma enorme dor de cabeça, me levantei e sai do quarto. Havia dormido na casa da minha amiga, ela disse que eu posso ficar aqui o tempo que eu quiser. Não pretendo ficar aqui por muito tempo, não quero dar trabalho para as minhas amigas, mas para o meu apartamento eu não volto mais. Desci as escadas e encontrei normani, ela estava fazendo café pois senti o cheiro. 

- hmmm, que cheiro bom - falei quando fui até ela na cozinha 

- bom dia, Mila, dormiu bem? 

- não, eu fiquei virando na cama muitas vezes, não consegui dormir praticamente nada 

- pode voltar a dormir se quiser 

- não, eu não vou conseguir dormir, é difícil dormir sem a companhia da minha esposa 

- café ?- assenti com a cabeça, e ela colocou café em uma xícara pra mim - já decidiu o que vai fazer? 

- ainda não sei, preciso de um tempo pra pensar, não sei quando vou me decidir, eu amo a minha esposa mas de um tempo pra cá ela não está sendo mais a mesma. Ta chegando bebada em casa, sendo carregada pelo irmão ou pela dançarina, quando ela não está bêbada ela está gritando comigo. Sinto que ela não é mais a mesma à anos atrás, quando começamos a namorar 

- acho que vocês tem que conversar, tem que contar a ela como você se sente quando ela grita com você, como você se sentiu quando viu a garota que vive dando em cima dela, levando ela pra casa. Ela tem que saber como você se sente, talvez ela caia na real. 

- Será? - começei a beber o café 

- esse café não é igual o seu mas eu tento - sorri quando ela falou isso 

- não está igual, está muito melhor. 

- Eu acho que depois que você conversar ela vai mudar com você, é só ela ter uma noção do que faz 

- vou pensar nisso, mas acho que ela ta nem ai, até agora não veio me procurar. Cadê o pequeno Noah? - foi só falar dele que o pequeno começou a chorar 

- ele acabou de te responder, vou pegar ele 

- deixa que eu vou, quero ver meu afilhado - fui até o quarto do pequeno, quando entrei fui até o berço, peguei ele no colo e começei a balançar o pequeno em meus braços - shi... ta tudo bem pequeno. - ele parou de chorar - hey pequeno - levantei o pequeno fazendo ele me olhar, um sorriso formou nos seus lábios e eu sorri, voltei a ninar o pequeno - daqui à alguns meses, você vai ter um amiguinho pra brincar, ou uma amiguinha. 

{…}

As horas se passaram, Dinah voltou do trabalho e foi tomar banho, mani estava fazendo o jantar e eu estava na sala com Noah em meu colo, estava fazendo ele dormir, ele já havia dormido e eu não percebi 

- mani - chamei minha amiga e ela olhou pra mim - o Noah já dormiu, vou levar ele pro quarto 

- OK, depois desce pra jantar, já está quase pronto - subi as escadas e fui até o quarto do Noah, deixei ele no berço e suspirei olhando o pequeno dormir 

- mal vejo a hora de ter o meu - disse para mim mesma, mas Dinah escutou 

- ele vai ser lindo - olhei pra trás e vi minha amiga sorrindo - esse bebê, com certeza vai ser parecido com você tanto no caráter quanto na beleza 

- obrigada, cheechee. Quero logo ter meu bebê nos braços, sentir que ele é meu sabe... 

- Sei sim, os dias antes dele vir pra mim - ela se referiu à Noah - pareciam uma eternidade. Posso conversar com você à sós? 

- claro, pode falar 

- aqui não, talvez o Noah acorde 

- ta bom. - sai do quarto e fomos até o quarto onde eu estava dormindo, me sentei na cama e Dinah se sentou ao meu lado 

- A sua esposa nao presta Camila, ela se casou com você prometendo pra mim que iria te fazer feliz. Mas já faz meses que você só anda triste e chorando pelos cantos. Eu odeio te ver assim, e agora você está por culpa de uma idiota que não te merece, ela não merece o seu amor. Segue a sua vida, sem ela você vai estar mais feliz 

- Eu à amo tanto... e sinto que é com ela que vou estar feliz 

- se olha no espelho, olha pra si mesma, você não está feliz. Felicidade não é isso que está passando, ela não te merece, ela não merece o seu amor, e creio que ela nunca vai merecer. - Dinah me deu um beijo na testa - eu te amo e só quero o seu melhor 

Dinah e eu, sempre fomos muito apegadas, somos como irmãs, ela sempre me protegeu, e com muito custo deixou a Lauren me namorar, depois de muito tempo tentando ela finalmente conseguiu, fazer a Dinah deixar ela me namorar. A opnião da Dinah sempre me importou, crescemos juntas e ela é como uma irmã pra mim. 

- Ela disse algo sobre o bebê? ela perguntou de mim? perguntou se o bebê está bem - Dinah abaixou a cabeça e suspirou - pelo visto ela não perguntou nada 

- eu sinto muito, sinto muito por você ter uma esposa que pensa de uma forma tão tosca e ignorante e egoísta. Ela não perguntou nada sobre você, ela não quis saber onde você está, se você estava aqui ou se estava nas ruas, passando fome ou frio. - lagrimas cairam dos meus olhos e Dinah limpou - vai ficar tudo bem, você vai achar alguém que te ama de verdade, e não alguém que não liga para os seus sonhos, e que não se importa com você - encostei minha cabeça no peito da minha amiga e começei a chorar, e ela me abraçou - vai ficar tudo bem 


           Pov Lauren 

Depois de um longo e cansativo dia de trabalho, resolvi voltar pra casa. Minhas costas doiam eu queria logo chegar em casa, encontrar a minha esposa e esperar uma massagem relaxante, que só ela sabe fazer. Quando entrei no meu apartamento estava tudo escuro, tudo do jeito que eu deixei. Será que a camz chegou com dor de cabeça? por isso deixou a casa toda escura. A minha camz sofre de enxaqueca, e quando a dor de cabeça ataca ela quer tudo apagado e um silêncio total. 

- Camz, cheguei - falei alto para ela ouvir, mas ela não me respondeu - fui até o quarto e ela não estava, procurei na casa toda e ela não estava - pelo jeito ela ainda vai ficar bravinha - joguei a chave na mesinha de centro da sala. Peguei meu celular para ver se tinha alguma mensagem ou ligação perdida da minha esposa, mas não tinha nada. Coloquei o celular na mesinha e começei a tirar as minhas roupas, fui até o banheiro e tomei banho. Depois de tomar um longo banho, fui até o mercado, coloquei uma roupa confortável, voltei pra sala e nada da minha esposa está ali 

Camila por acaso acha que eu vou implorar pra ela voltar pra casa? é isso que ela quer? me ver se humilhando pra ela? não mesmo, se ela quiser voltar pra casa as portas estão abertas, mas se ela não quiser isso é problema dela, ela não vai me ver triste rastejando pelos cantos, implorando pra ela voltar pra mim, isso é o que ela quer, e isso é o que eu não vou fazer. Liguei a TV e estava passando um programa de culinária, era uma competição, uma garota apresentou uma lasanha para um chefe experimentar, ele disse que estava muito ruim, estava super salgado, se fosse a minha camz ali, eles iriam amar a lasanha dela, simplesmente é a melhor que existe. Com esse pensamento eu sorri, lembrar da minha esposa sempre me faz sorrir, por mais que temos as nossas brigas as vezes, eu à amo. 

Por falar em lasanha, ainda tem a lasanha dela aqui. Me levantei do sofá, fui até a cozinha, abri o microondas e encontrei a lasanha que deixei ai ontem, por mais que ela estava no microondas desde ontem ela deve estar boa. Esquentei o pedaço da lasanha, peguei um garfo tirei a lasanha do microondas, voltei para o sofá e começei a comer 

A minha mulher cozinha tão bem...

Depois de comer a lasanha, fui procurar mais e tinha acabado, suspirei e resolvi fazer um lanche pra mim.Voltei a assistir o reality culinário que tava passando na TV. 

As horas se passaram, e o sono ainda não havia chegado, estou ficando com muito mal humor por causa dessa insônia, eu preciso da minha esposa ao meu lado na cama, sinto que só com a presença dela eu irei conseguir dormir. 

{…}

A Noite se foi e a manhã chegou, tentei dormir, mas, mais uma vez eu não consegui. Resolvi levantar da cama e ir trabalhar, já que eu não estou conseguindo dormir. Fui até a cozinha tentando achar alguma coisa pra comer, eu amo panquecas e todos os dias a minha esposa preparava pra mim, mas hoje não tem nenhuma panqueca me esperando, agora vou ter que me virar sozinha, mas hoje estou sentindo que a minha esposa vai voltar pra casa. Resolvi tomar uma xícara de café, mas quando eu fui ver se tinha café, descobri que não tinha mais nada, eu não sei fazer café, nunca fiz café na vida. Deve ser fácil fazer, a Camila faz em menos de meia hora. 

Abri o armário e procurei o pote onde tem café, encontrei o café, peguei a minha caneca, coloquei o pó de café dentro da caneca, peguei a caneca e coloquei agua da pia dentro, peguei uma colher e começei a mexer. 

- Não está quente...então, o microondas vai me ajudar - coloquei a caneca dentro do microondas, coloquei pra esquentar e esperei. Quando o microondas apitou, tirei a caneca de lá, mexi mais uma vez com a colher - acho que agora ta bom - bebi um grande gole, e quando o líquido desceu pela minha garganta senti vontade de vomitar, então tudo veio pra fora, corri para o banheiro levantei a tampa da privada e vomitei - que negócio ruim! - fui até a pia joguei agua no meu rosto, escovei os dentes pra tirar o gosto daquilo que eu acho que não é café. Terminei de escovar os dentes e sai do banheiro, olhei para a caneca de café e fiz uma cara de nojo - com certeza não é assim que se faz café - joguei o liquido na pia, fui até o meu quarto, coloquei uma calça jeans, uma blusa social feminina da cor branca, coloquei um blaiser preto, vesti uma botinha da mesma cor. Olhei para o espelho, meu cabelo estava bagunçado, esqueci que não tinha penteado ele. Penteei o cabelo joguei pra trás, sai do quarto, peguei a chave do carro e sai do meu apartamento. Apertei o botão para sair de casa, a minha vizinha chegou perto de mim.

- Já pagou a multa - revirei os olhos quando aquela chata falou isso, ela adora me irrita. À alguns dias atrás, eu recebi uma multa por jogar a maçã no chão do elevador, eu já paguei essa multa 

- se eu paguei ou não paguei, isso não é da sua conta. Se mete na sua vida - olhei pra ela - e deixa a minha em paz - o elevador chegou e eu entrei, e a chata da minha vizinha entrou junto 

- faz um tempo que eu não vejo a sua esposa aqui, a última vez que eu vi foi semana passada. O que foi? ela finalmente caiu em si, e viu que se casou com alguém que não presta?

- Ela não é casada com você - a porta do elevador se abriu, sai e fui até meu caro, a minha vizinha não deixou isso barato e ficou falando várias coisas no meu ouvido

- Vou fazer um abaixo assinado - tirei a caixinha de cigarro do bolso, tirei um cigarro me lá, voltei a colocar a caixinha no bolso, coloquei o cigarro na boca - vou fazer você sair daqui, você não presta garota - tirei o isqueiro do bolso, acendi o cigaro, traguei a fumaça com força - todos iram assinar, e você vai ir embora daqui - soltei a fumaça no seu rosto e ela ficou irritada - QUEM VOCÊ PENSA QUE É - ela gritou, eu nem liguei, coloquei o cigarro na boca, abri o meu carro, entrei e Fechei a porta, tirei o cigarro da boca e soltri a fumaça, a velha ficou batendo na janeta do meu carro, nem se quer olhei pra ela. Liguei o carro e dei partida, ela estava vindo atrás de mim, sai do estacionamento do prédio, foi ai que ela parou de vir atrás de mim, parei o carro e coloquei o cinto, abri a janela e depois voltei a dirigir. 

Estacionei o carro do outro lado da rua que ficava a cafeteria. Eu preciso que um café de verdade, aquele café que eu tomei, com certeza não é café. Sai do carro tranquei a porta e atravessei a rua, entrei na cafeteria e me sentei em uma mesa nos fundos da cafeteria. Uma garçonete veio até mim, pedi um café tradicional, ela anotou o pedido e se retirou. Tirei o celular do bolso, verifiquei se tinha alguma ligação perdida da minha esposa, mas não tinha nada, nem ao menos uma mensagem. Um som me fez tirar a atenção do celular, quando a porta da cafeteria se abre um sino toca, olhei para a porta e vi a minha esposa entrar, eu conheço ela de longe. Ela entrou e foi até o balcão, ela estava linda como sempre, mas parecia cansada. Ela falou alguma coisa para o balconista, ele sorria pra ela e eles conversavam de algo que não dava pra ouvir, não estou gostando disso. O sorriso que ele dava em meio da conversa estava me irritando, sobre o que eles estavam conversando? Da onde eles se conhecem 

- Moça - desviei o olhar e olhei para a garçonete ao meu lado, ela estava com o meu pedido em mãos - o seu café - ela deixou o café na mesa, voltei a olhar para a palhaçada que estava acontecendo bem debaixo do meu nariz. O balconista deu uma sacola para a minha esposa, ela tinha comprado pão e bolo, ele sorriu pra ela. Ela quis pagar mas ele não queria aceitar o dinheiro, não aguentei ver mais nada daquilo, peguei o meu café e me levantei 

- Não precisa pagar, Mila, ta tudo bem - ouvi ele falar isso pra ela, e ela continuou insistindo que queria pagar 

- me deixa pagar, eu quero pagar

- oi, queria esposa - ela olhou pra mim e o seu sorriso morreu - esqueceu que tem uma esposa? 

- não - ela foi curta e grossa, olhei para o balconista e ele olhava tudo calado 

- então, não acha que está na hora de voltar pra casa? olha onde eu tive que vir pra tomar um café, porque a minha esposa deu a louca e não quer voltar pra casa - Ela olhou nos meus olhos.

- você quer café fresquinho todos os dias?

- sim 

- contrate uma empregada. - ela deviou o olhar e olhou para o balconista - depois a gente se vê, Josh - ela se virou e saiu da cafeteria


Notas Finais


Lauren, você realmente não sabe fazer café kkkkkkk

Isso mesmo Camila, se ela quer café e não sabe fazer, contrate uma empregada pra fazer pra ela, você não é obrigada a nada, isso mesmo bota moral ai que eu sei que você tem.

Voltei antes do esperado, porque gostei que vocês no capítulo anterior, e não fiquem preocupados se o comentário é grande ou pequeno, eu amo comentário grandes. Pretendo voltar esse final de semana, isso depende se eu terminar o capítulo, só tenho metade dele, e tem que terminar o capítulo e editar, então não sei ao certo se volto ou não. ❤Até breve ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...