História Dream Life (SASODEI) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Deidara, Itachi, Itadei, Itasaso, Naruto, Sasodei, Sasori, Yaoi
Exibições 181
Palavras 2.303
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Comédia, Escolar, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shounen, Universo Alternativo, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


A um tempo atrás eu tinha uma conta em que eu começava fanfics e NUNCA terminava, mas aqui vai ser diferente! Mesmo que demore, eu irei postrar!

Boa Leitura!

Capítulo 1 - Me Dê Sua Mão


Fanfic / Fanfiction Dream Life (SASODEI) - Capítulo 1 - Me Dê Sua Mão

Deidara bateu a porta do quarto com força, havia acabado de ter uma discussão com seus pais adotivos. Ele deitou sob sua cama bagunçada e se cobriu com o lençol dos pés à cabeça. De repente, ele sentiu algo quente escorrer de seus olhos, eram lágrimas. O loiro se perguntava o porquê de estar chorando, odiava aquela família, então por que estava ficando cego pelas lágrimas?

- Você não vale nada! NADA! É um idiota! – A voz de sua mãe adotiva ecoava em sua cabeça, fazendo-o chorar mais e mais.

- Não deveríamos ter te adotado! – Agora a voz de seu pai adotivo ecoara em sua mente, o fazendo chorar mais ainda.

De tanto chorar, o loiro acabou adormecendo, mas na verdade, ele só queria morrer.

...

Sasori observava a carteira do colega de classe vazia. Já se fazia uma semana que Deidara não ia a escola, e mesmo sem conhece-lo direito, o ruivo estava preocupado.

O sinal de saída tocou, tirando Sasori de seus devaneios. Ele arrumou o material e saiu da sala.

Sasori saiu da sala e caminhou pelos corredores ainda um pouco lotados, e quando estava chegando no portão principal, acabou esbarrando em alguém.

- Ugh... – Resmungou e ergueu um pouco a cabeça para ver melhor em quem havia esbarrado. – Ah, Itachi. – O ruivo suspirou.

- Olá Sasori! – O moreno sorriu.

- Achei que já tivesse ido embora. – Sasori ergueu uma sobrancelha enquanto caminhava até a saída ao lado de Itachi.

- Estava esperando você. – Itachi sorriu gentilmente.

- Esperando por mim? – Sasori o encarou.

- Sim! Está chovendo, e você vai para casa a pé! Então decidi te dar uma carona. – Itachi riu.

Sasori só percebeu que estava chovendo quando saiu da escola.

- Vamos! – Itachi guiou o menor até o carro.

Os dois sentaram nos bancos de trás do carro e Itachi mandou o chofer partir para a casa de Sasori.

- Hey Itachi. – Sasori quebrou o silêncio.

- Sim? – Itachi encarou o ruivo.

- Você sabe por que Deidara não está indo para a aula? – Sasori perguntou.

- Hm? – Itachi ficou surpreso com a pergunta, mas logo surgiu uma expressão séria em seu rosto. – Não. Por que?

- Curiosidade. – Sasori desviou o olhar.

A viagem seguiu silenciosa, até o carro parar na frente da casa do ruivo. Ele saiu do carro e se despediu, em seguida entrou em casa.

Sasori jogou sua mochila no sofá e subiu para o quarto, estava cansado, o dia havia sido puxado.

...

Deidara acordou, já era tarde, ele não queria sair do quarto, mas estava com fome. O loiro suspirou pensando se ia ou não, ficou uns minutos pensando, até que sua fome apertou de verdade e ele levantou quase que no automático.

Deidara se dirigiu até a porta e a abriu, mas antes de sair, verificou se não havia ninguém nos corredores, e para sua sorte, não havia. Ele suspirou aliviado e saiu do quarto em passos calmos, evitando fazer qualquer barulho que fosse.

O loiro entrou na cozinha e abriu o armário, procurando algo para comer.

- Tá fazendo o que? – Deidara congelou no lugar ao ouvir uma voz atrás de si, ele se virou e encarou a garota de olhos azuis.

- Hunf... Ino... – O loiro suspirou aliviado, Ino era sua irmã postiço e não era como seus pais adotivos, muito pelo contrário, ela gostava dele.

- Está com fome, não é? – Ino riu baixo para não acordar os pais.

- Uhum... – O loiro fez um sim com a cabeça.

- Volta para o quarto, eu vou fazer alguma coisa para você. – Ela sorriu docemente.

- Hai! – Deidara sorriu e voltou para o quarto como Ino disse.

Não demorou muito, até que Deidara ouviu batidas gentis na porta, ele foi correndo abrir.

- Aqui. – Ino mostrou um prato com alguns dangos.

- Obrigado, obrigado! – Deidara controlou o tom de voz para não gritar e pegou o prato.

- De nada! Durma bem! – Ela sorriu e em seguida foi para seu quarto.

Deidara fechou a porta do quarto, trancando-a, e em seguida sentou-se em sua cama para comer.

...

Deidara finalmente terminou de comer e “guardou” o prato embaixo da cama, deitou-se e fechou os olhos, e mesmo já tendo dormido bastante, acabou pegando no sono outra vez.

O loiro dormia tranquilo, até sentir o incomodo da luz do sol entrando pela janela. Ele abriu os olhos e encarou o teto, lembrando da noite passado e suspirando pesadamente. Ele pegou o celular que estava jogado em algum lugar da cama e olhou as horas, ótimo, eram seis e meia, todos ainda dormiam, ele poderia ser rápido em se arrumar e sair.

E assim fez, foi ao banheiro, escovou os dentes, se arrumou e saiu.

Deidara decidiu que iria comer algo na lanchonete que ficava perto de sua casa, então, foi andando para lá, enquanto escutava uma música em seu fone de ouvido. Quando chegou lá, escolheu uma mesa e se sentou, logo a garçonete veio anotar o que ele queria.

Deidara pediu um sanduiche e um suco, e não demorou muito até a garçonete levar seu pedido junto com a conta. O loiro comeu e foi pagar a conta, mas quando remexeu os bolsos, percebeu que havia esquecido a carteira em casa.

- E-Eu... – Deidara gaguejou nervoso.

- Então...? – A garçonete ergueu uma sobrancelha.

- ... – Deidara mexia nos bolsos, mesmo sabendo que a carteira não ia aparecer em um passo de mágica.

O loiro estremeceu ao sentir alguém tocar seu ombro.

- Eu estou com ele, deixa que eu pago. – O loiro olhou para trás e viu um semblante um pouco familiar; Sasori.

- S-Sasori? – Deidara encarou o ruivo confuso, sabia quem era, mas não eram nem amigos, Sasori era um aluno dedicado e era exemplo para quase todo mundo, e Deidara era totalmente o contrário.

No final, Sasori pagou para Deidara e os dois saíram da lanchonete juntos.

- Por que pagou para mim? – Deidara encarou o ruivo, confuso.

- Não me aguentei ver você nervoso daquele jeito, estava na cara que tinha esquecido o dinheiro. – Sasori continuou andando sem olhar para Deidara.

Deidara sorriu e voltou a olhar para frente. – Obrigado.

- De nada. – Sasori também sorriu.

Os dois andaram até Sasori parar na frente de sua casa.

- Daqui a pouco tenho aula, então, até mais, Deidara. – Sasori acenou.

- Certo... tchau! – Deidara acenou de volta e seguiu seu caminho.

...

O loiro suspirou pesadamente antes de girar a maçaneta, mas a pessoa do outro lado fez isso antes dele.

- Onde você estava? – O pai de Deidara o encarou com o cenho franzido.

- Eu...Eu fui comer na lanchonete aqui perto, hn. – Deidara respondeu, desviando o olhar.

O homem segurou o queixo de Deidara e virou sua cabeça, obrigando-o a olhar para ele.

- Não me toque! – Deidara por instinto, deu um tapa na mão do pai, que o encarou. – E-Eu... – O loiro tentou dizer algo, mas sentiu sua cabeça latejar, ele havia levado um soco no rosto e se apoiado na parede.

- PAI! – Ino gritou irritada.

- Não se meta nisso Ino. – O homem se aproximou de Deidara, que apenas se encolheu contra a parede.

- Querido, não fique aí perdendo tempo, vá para o trabalho se não você vai se atrasar. – A mãe de Ino e Deidara falou na maior calma possível enquanto lia o jornal.

- Certo, quando eu voltar eu dou um jeito em você. – O homem falou, se afastando e indo dar um beijo de despedida na mulher e indo pegar suas coisas.

- Deii... – Ino se abaixou do lado de Deidara.

- Eu sou uma vergonha, eu não consigo nem me defender, hn. – Deidara falou entre alguns soluços, abraçando os joelhos.

- Pare Deidara... – Ino o abraçou.

Deidara levantou a cabeça. – Eu vou dar uma volta, hn... – falou cabisbaixo e se levantou com o auxílio da irmã.

- Deidara...Seu rosto... – Ino cobriu a boca com ambas as mãos.

- Eu estou bem, hn. – Deidara sorriu na tentativa falha de animar a irmã.

- Não está não! Vamos cuidar dessa sua cara! – Ino segurou as laterais do rosto do irmão.

Deidara suspirou e deixou a irmã tratar de seu rosto.

...

- “ Ele não veio de novo... “ – Sasori pensou e suspirou, ele sabia que Deidara não estava doente por ter o visto nesse mesmo dia, então por que ele não estava indo a aula?

...

- Prontinho! – Isso sorriu para o irmão que agora tinha um curativo no rosto.

- Obrigado, Ino! – Deidara sorriu e contorceu um pouco o rosto por causa da dor. – Eu vou tomar um ar então, hn. – O loiro se levantou da cama.

- Ok! Combinei de ir com Hinata numa loja nova que abriu, tem umas camisetas fodas de anime lá! – Ino falou animada e Deidara fez um esforço para sorrir.

- Tchau, mana! – Deidara acenou e saiu de casa, ainda bem que sua mãe não estava, se não ela começaria a encher seu saco como sempre fazia.

Deidara caminhou pelo bairro sem rumo, até que se cansou e sentou-se na frente do portão de seu colégio. Ele ouviu várias vozes diferentes e percebeu que os alunos já estavam saindo da escola. O loiro observou os alunos mais dedicados que ele conhecia e então, perguntou a si mesmo: “ Se eu fosse assim, meus pais sentiriam orgulho de mim? ”. Ele sentiu seus olhos arderem com esse pensamento, estava chorando novamente.

Deidara abraçou os joelhos e escondeu o rosto entre eles, quando de repente sentiu gotas grossas de água caírem sobre si, estava chovendo. Mesmo com a chuva, ele não levantou, ficou ali sentado na frente do portão, abraçando os joelhos.

O loiro não percebeu na hora, mas logo se tocou que a chuva não estava mais caindo sob seu corpo, ele levantou a cabeça e viu que ainda chovia, mas as gotas não o acertavam. Ele ergueu mais a cabeça e viu uma pessoa familiar, baixinha, de cabelos rubros e olhos castanhos, estava se molhando, pois estava segurando o guarda-chuva sob Deidara.

- S-Sasori... – Deidara esfregou os olhos com as mãos.

- Baka, levanta daí! Desse jeito você vai ficar doente! – Sasori disse com uma expressão séria.

- Não me importo, hn... – Deidara desviou o olhar.

- Anda logo Deidara! – O ruivo revirou os olhos e esticou o braço na direção do loiro. – Venha, me dê sua mão.

Deidara arregalou um pouco os olhos e fitou o ruivo, que continuava sério. O loiro desviou o olhar e segurou a mão de Sasori, que o ajudou a se levantar.

- Vamos para a minha casa, você está encharcado. – Sasori bufou, cobrindo ele e o loiro com o guarda-chuva.

- Hai. – Depois de dizer isso, Deidara ficou quieto e os dois foram para a casa do ruivo.

Por algum motivo, Deidara estava se sentindo bem ao lado do ruivo, mesmo sem conhece-lo direito.

...

Os dois chegaram na casa de Sasori e entraram.

- Oh... – Deidara agora estava boquiaberto, a casa era realmente arrumada e limpa, não havia nada, NADA, fora do lugar, e quem precisava de espelho com aquele piso?

Sasori riu da expressão impressionada do loiro. – Eu vou pegar uma roupa e uma toalha para você. – Sasori sorriu e se dirigiu a um corredor com algumas portas.

Não demorou muito e Sasori voltou com uma toalha e algumas roupas um pouco largas. – Aqui, o banheiro fica ali. – O ruivo apontou uma porta branca. – Eu vou fazer o jantar.

Deidara acenou com a cabeça e foi até o banheiro.

...

Deidara saiu do banheiro já vestido com uma camiseta branca e uma bermuda preta, com o cabelo amarrado em um rabo de cavalo. O loiro foi para a cozinha e sentiu um cheiro ótimo, ele se aproximou da mesa e puxou uma cadeira para se sentar.

- Fiz panquecas para a gente. – Sasori sorriu, enquanto colocava sob a mesa o prato recheado com algumas panquecas.

- Obrigado... – Disse Deidara, um pouco tímido.

- Não fique tímido. – Sasori pegou um suco na geladeira e dois copos no armário.

- Eu nunca estive assim na casa de ninguém, hn... – Deidara coçou a cabeça.

- Oh... – Sasori se sentou. – Temos algo em comum então. – O ruivo sorriu, e Deidara retribuiu com um sorriso tímido.

...

Quando terminaram de comer, Sasori e Deidara sentaram-se no sofá e o ruivo ligou a televisão, então começaram a conversar.

- Hey Deidara, posso perguntar uma coisa? – Sasori encarou o loiro.

- Claro, hn. – Deidara sorriu.

- Por que não está indo para a escola? – Sasori percebeu o nervosismo do loiro e isso aumentou sua curiosidade.

- É que assim, eu não me dou muito bem com meus pais adotivos... – Deidara contou tudo que estava acontecendo, ele não estava indo muito bem na escola por causa das brigas com seus pais adotivos, então com o tempo parou de ir pois não tinha um “objetivo”, não tinha ninguém para impressionar.

- Deidara, pare de besteira! – Sasori fez uma expressão decepcionada. – A única pessoa que você precisa impressionar é você mesmo!

- ... – Deidara fico em silêncio.

Sasori cerrou os olhos e se aproximou do loiro que estava deitado no sofá.

- O-O que está fazendo? – Deidara tentou se afastar, sem sucesso.

- Deidara...O que aconteceu com seu rosto? – Sasori passou a mão pelo rosto um pouco inchado do loiro, que estremeceu.

- Nada demais...eu caí, hn. – Deidara não queria admitir que havia apanhado de seu pai adotivo, era vergonhoso para ele. – Estou com sono, onde vou dormir? – O loiro mudou de assunto rapidamente.

- Seu colchão fica no meu quarto... – Sasori respondeu, desconfiado.

- Obrigado. Boa noite... – Deidara se levantou e foi para o corredor onde ficava o quarto de Sasori.

O ruivo suspirou e se ajeitou no sofá e voltou a prestar atenção na TV, não estava com sono...


Notas Finais


O que acharam desse primeiro capitulo? Deidara finalmente conseguiu alguém que goste dele que não seja sua irmã!
Até o próximo capítulo! Vejo Vocês lá em baixo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...