História Dreaming - Imagine BTS(Hot) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Tags Bts, Got7, Hentai, Hot
Visualizações 164
Palavras 3.114
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá Sweeties lindas do meu kokoroo...
E aqui estamos, mais um dia, mais um capítulo...
Não esqueçam de deixar seu favorito e aquele comentário bacaninha que me inspira tanto e me ajuda muito a melhorar cada vez mais...
E claro, não deixem de me seguir para ficarem sabendo das novidades e das novas fics... pq é claro que essa é só a primeira...

Beijoooss e boa leitura!

Capítulo 8 - Realeza (Pts.1 e 2)


Fanfic / Fanfiction Dreaming - Imagine BTS(Hot) - Capítulo 8 - Realeza (Pts.1 e 2)

 

Dreamer P.O.V

 

 

     Acordo com o barulho dos pássaros cantando e com uma irritante dor no pescoço. Olho ao redor e percebo que estou num quarto, sentada em uma poltrona próxima a janela. Olho pela mesma e vejo que devo estar em um castelo. Ouço passos e vozes no corredor vindo em direção à porta, quando ela de repente se abre revelando uma mulher um tanto apressada.

 

???? – Vamos minha filha, o príncipe finalmente chegou e hoje vocês irão se conhecer.

(s/n) – Príncipe? – Pergunto confusa.

Mãe – Oras, não se faça de boba, o Rei Park foi muito gentil em nos deixar aguardando seu filho aqui enquanto o mesmo estava em missão diplomática. Então não o deixe esperando e se apresse. Yunha, leve-a para o banho, sim?

Yh – Sim senhora! – Diz a garota me fazendo um sinal para que a seguisse, e assim o fiz. Ela me banhou e me ajudou a me vestir. Olhei-me no espelho admirando o belo vestido azul que vestia. – Essa é a cor favorita do príncipe. Foi ele mesmo quem o escolheu para a senhorita.

(s/n) – Vejo que ele tem bom gosto.

Yh – Com certeza senhorita, principalmente por escolher uma dama tão bela e gentil como a senhorita.

(s/n) – Escolher?

Yh – Sim, o rei mandou-o selecionar a dama que mais lhe agradasse. Trouxeram diversos retratos de belas moças, e o da senhorita foi o que mais chamou a atenção dele.

(s/n) – Isso é.. é.. Encantador. Fico feliz que meu retrato tenha ficado tão bom ao ponto de chamar a atenção do príncipe. – E será que ele era do mesmo jeito que eu o conheci? Ou assim como Jungkook, ele tinha uma outra personalidade?

M – Está pronta filh... Ó, mas está tão linda!! Tenho certeza que o príncipe cairá de amores por você. Agora vamos, o príncipe lhe espera.

 

        Saí do quarto seguindo minha mãe por um longo corredor até chegarmos à escadaria que dava para o grande salão de entrada. Descendo as escadas, já pude ver ele me esperando. Ele estava tão belo quanto me lembrava, seus cabelos estavam num tom de cinza prateado, que o deixava tão lindo quanto o tom loiro de antes. Ele estava de costas e minha mãe fez sinal para que eu terminasse de descer as escadas, e assim o fiz. Ao chegar perto dele, ele ainda continuava virado de costas para mim, não notando minha aproximação.

 

(s/n) – Meu príncipe? – O chamei e logo ele se virou para mim, fazendo nossos olhares se cruzarem. Um sorriso se formou em seus lábios carnudos e o mesmo tomou minha mão depositando um beijo molhado ali.

Jm – Minha princesa. – Diz ele com sua voz rouca que fez meu corpo todo se arrepiar. Ele corre seus olhos em meu corpo, mordendo seu lábio inferior, me fazendo ficar vermelha e ter os pensamentos mais devassos. – O vestido lhe caiu tão bem quanto imaginei. Espero que tenha gostado.

(s/n) – Ah, sim. Amei, devo admitir que fiquei surpresa com sua boa escolha de vestido para uma dama.

Jm – Vejo que não foi apenas o vestido que escolhi bem. – Ele diz, mantendo seu olhar fixo no meu. – Vamos? Creio que nosso jantar já esteja pronto. – Assenti e, cruzando meus braços aos dele, fomos em direção ao local onde iríamos jantar. Para minha surpresa, uma mesa havia sido preparada no jardim, uma iluminação fraca tornava o ambiente ainda mais romântico. – Me disseram que a senhorita adora olhar para o jardim, então imaginei que seria perfeito se jantássemos no seu lugar favorito.

(s/n) – Ficou lindo. Realmente é perfeito. – Digo abrindo um sorriso apaixonado. Pelos Mestres, como esse homem pode ser assim tão perfeito, um verdadeiro príncipe.

Jm – Fico muito feliz em saber que minhas escolhas lhe agradam. Assim saberei que iremos formar um belo casal.

 

        O jantar foi realmente encantador, conversamos sobre o reino, e sobre a guerra que estava por cair. Parecia estar sendo difícil manter a paz com os rebeldes do reino inimigo. Eles pareciam querer causar uma guerra a qualquer custo, sempre procurando uma fraqueza no reino para acabar com o mesmo. Terminamos a refeição e ele me levou para andar pelos jardins.

 

Jm – Venha, vou lhe mostrar o labirinto. – disse com um sorriso divertido.

(s/n) – Mas agora no escuro? Não é perigoso?

Jm – Não se preocupe, conheço ele com a palma da minha mão. Corro por esses corredores floridos desde pequeno. – Pega na minha mão e me guia até o enorme labirinto. – Vamos deixar mais interessante. Eu vou pela direita e você pela esquerda. Encontramos-nos no centro.

(s/n) – O que tem lá?

Jm – É surpresa. – diz e um sorriso malicioso se forma em seus lábios.

(s/n) – Não sei não, eu não conheço esse labirinto como você.

Jm – Não é difícil, se você se perder é só me chamar que eu vou te socorrer.

(s/n) – Tudo bem! – Nos separamos e eu começo a andar por aqueles corredores enormes, quanto mais eu entro no labirinto, mais escuro fica e o medo toma conta Jimin (tá, parei). De mim. Passaram-se alguns minutos e me dei conta de que devia estar andando em círculos naqueles corredores escuros. Com frio o com medo, não aguentei e comecei a gritar por ajuda. O silêncio havia tomado conta daquele labirinto. Será que ele havia me deixado ali sozinha? Será que ele estava me fazendo de boba? Deve ter sido isso, e eu caí igual uma tonta. Senti as lágrimas invadindo meus olhos enquanto inúmeros pensamentos tomavam conta da minha mente. Sentei encostando-me em uma parede daquele enorme labirinto e abracei minhas pernas apoiando minha cabeça em meus joelhos. Logo sinto dois braços me envolvendo num abraço caloroso.

Jm – Hey, não tenha medo, eu estou aqui contigo. – Puxa minhas mãos erguendo meu queixo para que eu olhasse para ele. – Não chora, minha babygirl. – Fala enxugando minhas lágrimas. – Eu disse que não ia lhe deixar aqui sozinha. – Em um movimento rápido, ele passa seu braço por baixo de minhas pernas, e me segurando com o outro, me ergue, carregando-me em seu colo.

 

           Chegamos em uma enorme clareira, rodeada de tulipas azuis. Jamais tinha visto flores como estas. Eram lindas e perfumadas. Calculei que aquele deveria ser o centro do labirinto. Ele continuou andando até um manto grosso cheio de almofadas. Um cesto, creio que com lanches, descansava ao lado do manto. Notei então que havia mais alguém ali. Aproximando-se mais, vi que se tratava de um padre.

 

(s/n) – O que é isto? – Pergunto o olhando curiosa.

Jm – Sei o quanto gosta de discrição, e por ser também mais discreto, pedi ao meu pai que autorizasse eu realizar nosso casamento com uma cerimônia simples, somente nós dois, à luz das estrelas. – Ele disse aquilo de maneira tímida, mas ao mesmo tempo decidido. Não pude conter um sorriso bobo e apaixonado, fazendo o mesmo suspirar aliviado por eu não me opor. E assim foi. O padre realizou nosso pequeno casamento e se retirou em seguida.

(s/n) – Isso foi perfeito! Você é perfeito. Como consegue ser assim?

Jm – Não sei. Admito que nem sempre fui assim. Mas depois que vi seu retrato, algo dentro de mim mudou e eu decidi que faria de tudo por você. Eu sou capaz de qualquer coisa para ver esse seu lindo sorriso. – Ao ouvir suas palavras fiquei profundamente apaixonada por aquele homem. Enlaçando meus braços em seu pescoço o puxei para um beijo calmo e apaixonado. Ele pediu passagem com a língua, e eu sem hesitar cedi. Aos poucos o beijo foi se aprofundando, e quando dei por mim estávamos deitados em meio às almofadas. – Não sei se seria pedir muito, mas, me deixe te fazer minha, só minha.

(s/n) – A partir de agora eu sou apenas sua. – Ao ouvir minha resposta, o mesmo abriu seu sorriso, aquele de tirar o fôlego, o transformando em seguida num sorriso malicioso e cheio de desejo.

 

“Serei sua por toda a eternidade.”

 

 

 

 

 

Realeza (Pt.2)

 

 

Dreamer P.O.V

 

 

       Park Jimin conseguia se transformar de um homem romântico e delicado em um homem feroz e cheio de desejos. Ele me olhava com luxúria enquanto tirava aquele vestido de mim. Quando finalmente ele me deixou nua, se levantou e ficou me olhando, analisando cada curva do meu corpo, mordendo seu lábio inferior e alisando o volume já visível em sua calça. Logo ele lentamente se desfaz de suas vestes, ficando nu, expondo seu corpo bem definido e sem membro grande e pulsante. Pelos mestres, que homem é esse. Eu só devo estar num sonho (A: mas você está num sonho sua anta.). Não quebra o clima.

       Vai até a cesta e pega um pote de mel, me dando a certeza que ele já sabia exatamente o que aconteceria ali. Ele abre o pote e começa a derramar aquele líquido doce e melado sobre meu corpo, concentrando nos seios e na minha intimidade. Definitivamente, hoje ele ia sentir meu mel. Quando ele se deu por satisfeito, fechou o pote e o guardou de volta pegando dessa vez uma bandeja com morangos e os depositando em algumas partes do meu corpo.

      Segurando um morango maior entre os lábios, ele se abaixa em direção à minha boca e logo eu entendo o recado, lentamente, abocanho o morango encostando nossos lábios, e iniciando um maravilhoso beijo com o sabor daquela fruta em nossas bocas. Ele começa a descer seus lábios pelo meu pescoço e começa a lamber o mel que ele havia derramado em meu corpo.

        Quando ele finalmente alcança o primeiro seio, abocanha o pequeno morango que ele havia depositado ali, e começa a lamber o mesmo, chupando, mordendo, sua língua fazendo movimentos maravilhosos, que me faziam gemer cada vez mais. Eu já estava louca só com aquilo, imagina quando ele descesse até minha intimidade.

 

(s/n) – Aaaww meu príncipe...

Jm – Tá gostando?

(s/n) – Sim, estou amando...

Jm – Eu só estou começando minha princesa. – Diz voltando ao trabalho lambendo todo o mel de meu seio. E assim se direcionando ao outro repetindo os movimentos.

 

        Ao terminar com meus seios, ele volta a trilhar o caminho por minha barriga até minha intimidade, onde havia mais um morango. Ele segura o morango entre os lábios, e, afastando minhas pernas, começa a alisar ele por minha intimidade, desde a entrada até meu clitóris. Logo ele sobe e me dá o morango na boca fazendo eu sentir o misto de sabores do morango, o mel e o meu próprio gosto.

       Ele volta a minha intimidade, onde o mel já havia escorrido completamente, me deixando toda meladinha, e começa a lamber e chupar a minha entrada, indo em direção ao meu clitóris, que ele segurou levemente entre os dentes passando a língua em movimentos circulares. Logo ele começa a chupar toda minha intimidade como um filhotinho faminto por melzinho, o movimento de seus lábios e sua língua quente logo me fizeram alcançar meu ápice.

        Mais que depressa sentei e tomei seus lábios, louca pra sentir o mel em sua boca. Nosso beijo foi feroz, uma forma de dizermos um ao outro o quanto pertencíamos a nós e a mais ninguém. Paramos o beijo por falta de ar e eu me inclino em direção à cesta, pegando o pote de mel.

 

(s/n) – Também quero melzinho.

Jm – Quer mel com leite é? – Assinto manhosa e ele sorri malicioso. – Então seu príncipe vai te dar.

 

       Ele se deita na manta e começa a estimular sem membro, o mantendo rígido. Abro o pote de mel, e assim como ele fez, derramo por seu corpo. É hoje que eu me acabo nesse abdômen (A: faz isso por nós amiga). Após derramar o mel por seu corpo, fecho o mesmo e o guardo de volta na cesta, tento vasculhar pra ver se encontro algo mais de importante ali dentro e vejo um pequeno cacho de uva. Pego o mesmo e levo até seus lábios. Ele abocanha uma uva e eu faço o mesmo, logo juntando nossos lábios para um beijo delicioso.

        Começo a trilhar o caminho de mel por seu corpo, lambendo e chupando cada gota de mel, cada pedaço daquele corpo maravilhoso, até que chego em seu membro. Decido torturar ele e começo a lamber suas pernas e suas bolas. Escuto ele gemer arrastado, o que me faz rir satisfeita, e finalmente abocanho seu membro de uma vez, enfiando até minha garganta soltando em seguida para lamber toda a sua extensão melada de mel.

      Seus gemidos começam a ficar mais altos à medida que aumento os movimentos de minha boca em seu membro. Ele segura meus cabelos de maneira desajeitada ditando meus movimentos cada vez mais rápido e fundo.

 

Jm – Aaaww minha princesa... Que boquinha deliciosa... Quer leitinho quer? Ham? – Ele dá um tapa em meu rosto. – Diz que quer!

(s/n) – Eu quero mestre.

Jm – Humm... mestre é? Me chame sempre assim então... E agora toma o leitinho que o mestre vai te dar com todo amor e carinho. – Ele diz e sinto seu membro pulsar em minha boca derramando todo o seu leitinho que eu logo tratei de engolir, sem deixar uma gota se quer. Volto a lamber seu membro, limpando qualquer vestígio de mel e do leitinho. – Agora vem aqui vem. Vem com o mestre.

 

            Ele me puxa fazendo-me deitar na manta enquanto ele se ajeita entre minhas pernas, me penetrando devagar, já me levando a loucura. Ele começa com movimentos lentos, tirando todo seu membro pra colocar tudo de volta numa única estocada forte e funda, me fazendo gemer alto. Ele enlaça minhas pernas em sua cintura e começa a aumentar os movimentos, cada vez mais rápido e mais fundo. Cravo minhas unhas em suas costas o fazendo arfar e morder meu pescoço, logo em seguida o chupando freneticamente.

          Foram necessárias mais algumas estocadas e chegamos ao nosso ápice. Caímos exaustos na manta e ele puxou uma fina coberta que tinha ali, cobrindo nossos corpos, e me puxando para perto dele, ele coloca minha cabeça sobre seu peito e começa a acariciar meus cabelos. Logo sinto algo apertando meu peito, como se estivesse me afogando, e ambos começamos a nos contorcer de dor. Acabo caindo na escuridão. Acordo no dia seguinte e vejo que ele não está mais ali. Ao meu lado vejo um pequeno bilhete que dizia:

 

“Bom dia minha princesa, espero que tenha dormido bem, fui buscar algo para comermos e vestes novas para você. Creio que queiras vestir algo mais confortável depois da noite maravilhosa que tivemos. Não se preocupe, já estou voltando. Lembre-se, jamais te deixarei, você é minha.”

 

     Fiquei lendo e relendo aquele bilhete como uma boba. De repente escuto gritos vindos do castelo e barulhos de explosões e tiros. Será um ataque? Ouço sons de passos vindo entre os corredores do labirinto. Me encolho cobrindo meu corpo, que ainda estava desnudo, quando um homem alto surge e vem em minha direção. Reconheço seu rosto, era o mesmo homem que apareceu na visão do Kookie, o soldado que estava se teletransportando com Kookie. Ele se aproxima de mim e percebo que o mesmo carrega uma adaga em sua mão direita. A mesma que Jb usou em mim.

 

???? – Me desculpe por isso, mas você precisa morrer. Um dia irá me entender. – Sem ao menos me dar tempo de responder, ele me empurra e crava a adaga em meu peito e desaparece. Escuto um grito e vejo Jimin se aproximar, seus olhos cheios de lágrimas.

Jm – Minha princesa, quem fez isso com você? Por favor, aguente firme. Não morra. Por favor, não me deixe. Lembra? Minha para sempre. Minha princesa.

(s/n) – Meu Chimchim. Meu.... meu príncipe... Eu... eu... te... eu te amo! – E novamente a escuridão toma conta de mim, e aquela sensação de ser sugada volta.

 

                                                          [...]

 

       Acordo ainda na banheira, me levanto e tento sair. Quando coloco o segundo pé no chão, acabo escorregando, mas sou segurada antes mesmo de cair no chão. Olho para o dono daqueles braços fortes e vejo Jimin.

 

Jm – Vou sempre te proteger.

(s/n) – Chimchim, meu príncipe. – Vejo um largo sorriso se formar em seus lábios fazendo seus olhos virarem dois risquinhos (A: aquele eye smile que todas amamos né ARMYS?). – E eu serei sempre a sua princesa. – Selo nossos lábios num beijo calmo e apaixonante.

Jm – Venha preparei um lanche para você. – Ele disse me puxando até uma escada que levava até uma varanda com a vista para o jardim. De lá pude ver o canteiro das rosas vermelhas e ao lado um novo canteiro que não havia notado ali antes, cheio de tulipas azuis.

(s/n) – São lindas. – Digo olhando para as flores.

Jm – São pra você. Tudo aqui é pra você. – Diz e cora.

(s/n) – Chimchim. Me tira uma dúvida. Vocês conseguem ver o mesmo que eu vejo nessas visões? – Ele arregala os olhos e fica pensando, como que tentando se decidir se responde ou não.

Jm – Nessas primeiras visões não. Apenas sentimos quando você chega ao fim delas. Mas não precisamos, afinal, é a nossa história. Sabemos de tudo o que aconteceu.

(s/n) – Tudo? Você sabe quem me matou?

Jm – Não. – Admite e abaixa a cabeça, envergonhado. – Isso eu nunca consegui descobrir, me desculpe meu amor, tentei vingar sua morte, mas nem sabia quem poderia ter feito algo assim, logo concluí que fosse algum rebelde do reino inimigo e a guerra se iniciou, mas nunca encontrei o verdadeiro culpado de sua morte. Me desculpe minha princesa. Por isso e por não ter sido um homem capaz de te proteger. – Ele diz e começa a chorar indignado.

(s/n) – Chimchim, meu príncipe. Você não precisa se desculpar, não tinha como saber que me encontrariam naquele labirinto. – Estendo minha mão até seu queixo, fazendo-o erguer a cabeça e me olhar. – Eu te amo, e pra mim, você é o melhor homem que eu já conheci. – Dei um selar calmo e me levantei. – Acho que já está na hora de eu ir aos meus aposentos me preparar para a próxima visão, né?

Jm – Sim, é claro. Pode ir. Lembre-se minha princesa, eu te amo! – Sorrio e saio dali. Vou caminhando pelo jardim e paro ao lado dos canteiros floridos.

Mk – Sabe, se você quiser eu preparo um vaso com as flores para você tê-las sempre perto de você.

(s/n) – Mas elas sempre acabam murchando.

Mk – Essas não, elas são especiais. São flores cultivadas pelos próprios mestres. Não murcham.

(s/n) – Sendo assim, eu adoraria que você preparasse um vaso com elas para mim.

Mk – Já levarei para seu quarto.

 

     Continuo caminhando em direção aos meus aposentos, quando me deparo com aquela estátua em frente à porta do meu quarto. Fico a olhando com a sensação que já vi aquele homem em algum lugar. Mas como estava muito cansada, decido subir logo e tomar um banho relaxante para descansar. E cuidar de Kookie também, ele deve estar faminto.


Notas Finais


Estão vivas??
Espero que sim hein... tudo bem que treinei tiro ao alvo pra fazer esse hot... mas acho que vcs já estavam bem treinadas com os tiros deles né... euheuheueh
Espero mesmo que estejam vivinhas pra continuar lendo minha fic... ueheuhe
Quero aproveitar e convidá-los para entrar num grupo que criei no Whats pra interagir melhor com vcs amoras de minha vidaaa....

https://chat.whatsapp.com/2HRnxzZJN1lDHWr3kTy78B

Não esqueçam de deixar aquele comentário delicinha que eu tanto amo e que tanto me alegra...

Beijos que até o próximo amoras... :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...