História Dreams [Or Not] - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Aventura, Família, Festa, Ficção, Magia, Mistério, Novela, Romance, Suspense, Violencia
Exibições 4
Palavras 1.125
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olar, demorei?
Espero que gostem..
Boa leitura ♥

Capítulo 3 - Aquela noite


Fanfic / Fanfiction Dreams [Or Not] - Capítulo 3 - Aquela noite

— Ei, senhorita?

— Huh? — Me assustei e olhei para trás.

— Eu sou novo na cidade, poderia me informar aonde fica..? — Ele lia um papel. Olhei e logo identifiquei o endereço.

— Estou indo para lá agora.

— Ah..é mesmo? Poderia ir junto?

— Claro, aliás, não vai ficar resfriado com essa chuva?

— Ah, eu não costumo ficar doente.
Ofereci o guarda-chuva para ele ficar debaixo, segui caminho com ele ao meu lado. Ele é exatamente quem eu tinha visto naqueles pensamentos.
Eu acho que é o destino, ou o "fruto do acaso". O lugar que ele estava procurando era justamente minha casa.
Eu não entendi, mas assim que minha mãe o viu, ficou feliz.

— Leonard, como está crescido. Essa é a Clöe.. Sua.. Prima... – Ela sorriu fraco e olhou para Jason que acabara de chegar.

— Prazer, Leonard, eu sou a... Clöe, como minha mãe disse.. Eu não conhecia essa parte da família, mãe.. – Sorri e a olhei.
— Bom, acho que ele pode ficar no quarto de hóspedes. – Jason interrompeu.

– Fico onde for necessário, ah.. Tia Maya, meu pai mandou lembranças. – Ela suspirou e sorriu. Só eu acho que minha mãe está estranha?

— Querem comer? – Ela cortou o clima e eu assenti.
Pedimos uma pizza e logo chegou. Colocamos um filme para passar, nem sei o nome. Logo depois dormimos e recebi uma mensagem no meio da noite. O que me acordou.

" Eu sei o que está acontecendo com você – Desconhecido.

Comigo? – Eu.

Sim, com você. – D.

Quem é você? O que é que acontece comigo? – Eu.

– Seus sonhos, eu sei. Eu sou um conhecido. – D.

– Conhecido? Sonhos? Do que está falando? Que sonho? – Eu

– Conhecido. Sonhos. Esses seus sonhos que se tornam realidade. – D.

– Realidade?.. – Eu

– Seriam mais pesadelos, do que sonhos. – D.

Suspirei e voltei a responder.

– Como faço isso parar? – Eu

– Segue meus passos. – D

– O que quer que eu faça? – Eu

– Você vai descobrir sozinha. – D

– Como vou saber? – Eu

– Você vai descobrir sozinha. – D

– Mas, eu.. – Eu.

– Você vai descobrir sozinha – D "

Quem será o desconhecido? Como vou saber? Eu, não sei nem oque ele quis dizer com aquilo, não entendi nada do que ele me disse. Mas, ele sabe o que acontece comigo. Agora, eis a questão "O que acontece comigo?"
Peguei a foto de meu pai do bolso e a admirei, guardei o celular e comecei a olhar aquela foto.
Pensei em jogar aquela foto fora, mas para quê? Para esquecer do meu pai? Foi Quando recebi uma mensagem.

" — Primeira coisa que você deve fazer – D.

— O que? – Eu.

— Você sabe – D "

A foto do meu pai.. Jogar ela fora? Como assim? Não vou fazer isso, nunca.

" – Vai sim, ou eu não te indico o próximo passo – D

– Mas..  "

Deixei uma lágrima cair e amassei a foto a jogando fora.

" — Parabéns – D "

Voltei a dormir e logo começou tudo de novo. Eu via vultos no sonho.
Alguém dizendo "Shh" outro dizendo "Calada" com a mão em minha boca.
Me mexi para o outro lado e vi pior. Minha mãe sendo torturada em minha frente. "Socorro" Ela gritava "Socorro" e eu não podia fazer nada.
"Filha" eu escutava choro e alguém dizendo "filha".

— Acorda dorminhoca. – Minha mãe dizia.

— MÃE – Acordei gritando.

— Calma, estou aqui – Ela riu. — Pesadelo?

— É.. – Disfarcei e vi Jason entrar no quarto.

— O café está na mesa.

{…}

— Bom dia – Sorri olhando para todos que estavam a mesa.

Me sentei e fui pegar o pão, logo me deparei com uma mão por baixo da minha. Vi um sorriso de Leonard.

— Desculpe – Tirei a mão.

— Pode pegar – Ele tirou a mão

— Eu pego – Jason disse cortando o clima.

{…}

— Mãe, eu vou sair um pouco..

— Para onde? Chovendo?

— É, vou andar um pouco.

" – Você sabe onde ir. – D"

E eu realmente sabia, uma lojinha aqui perto, que vende bijouterias.

" — Compre uma. – D"

Suspirei e fui até lá, comprei uma jóia qualquer e saí da loja indo para uma cafeteria perto dali.

" — E agora? - Eu

— Deixe aí – D "

Deixei encima da mesa e saí de lá, voltando para casa.

— Onde esteve? — Minha mãe perguntou.

— Respirar é bom.

— Chuva?

— Gosto de cheiro de asfalto molhado.

— Então, amanhã a gente pode sair para fazer alguma coisa na Ci... – Minha mãe foi interrompida pela campainha.

Ela foi até a porta e pegou uma caixa, a abriu e viu exatamente a jóia que eu comprei.
Tinha um bilhete.

" Com todo o carinho... "

— Só pode ter sido sua tia..

— Minha tia? – gaguejei um pouco – L-liz?

— Sim, o que foi?

— Não, nada. Continue o que estava fazendo.

— Huh, vou guardar. Mas, é que a gente podia dar um passeio pela cidade para o Leonard conhecer melhor.

— Ah, claro. – Sorri fraco.

— O que foi filha? – Me assustei e a olhei.

— Nada, mãe.. Nada.. – Ela olhou em meus olhos e fui para meu quarto

" — Gostou do presente que sua mãe ganhou? – D

— Quem é você? – Eu

— Sou alguém que te ama muito – D

— Então porquê se esconde? – Eu

— Porque se não, não tem graça – D

— Afinal, o que você quer? – Eu

— Não sou eu que quero, é você – D."

— Pff, o que é que eu quero? Se nem eu sei..

Fui pegar a foto do meu pai ao meu bolso.

— Ué, ca.. Droga.. Eu não acredito. Eu, não acredito. Maldito..

Lembrei que a foto estava muito longe daqui, no lixão. Porquê mesmo que eu obedeci aquele D e afinal, quem é ele? Já não chega o que eu passo em casa sabendo que meu padastro pode nos achar e fazer pior do que fez aquele dia?

" — Talvez, deveria me chamar de maldita – D. "

— Maldita, maldita..

— O que filha? – Minha mãe interrompeu.

O que eu falo agora? Como vou contar para minha mãe que tem um desconhecido arruinando minha vida? Bom, não arruinando, mas é isso, ele não me deixa respirar.

— É que..

Congelei na hora, o que eu ia dizer?

— É que..?


Notas Finais


Obrigada por lerem ♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...