História Drug Of Love - Capítulo 54


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Pattie Mallette
Exibições 706
Palavras 2.950
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, tudo bem? Espero que gostem ♥
Beijinhsssss

Capítulo 54 - Eu Prometo


Fanfic / Fanfiction Drug Of Love - Capítulo 54 - Eu Prometo

Stratford/Canada

01:25 AM

Justin Bieber P.O.V

Eu olhei pra Jennifer tentando processar as palavras que ela tinha acabado de me dizer. Comecei a rir e me sentei ao lado dela que se afastou um pouco me dando espaço para se sentar. Toquei seu cabelo e ela suspirou fechando os olhos. Me aproximei dela selando nossos lábios. Foi apenas um selinho longo.

-Eu nunca me apaixonaria por outra mulher que não fosse você. -Beijei sua testa.

-Mas meu pai disse que...

-Eu disse aquilo porque ela estava insegura de entrar. É logico que eu queria que fosse você que estivesse ali.

-Nunca me deixa. -Ela se jogou nos meus braços.- Eu sei que sou insuportável, chata e só faço merda. Mas promete me amar pra sempre e nunca, nunca me trocar?

-Eu te prometo. Eu te amo, e ei... -Toquei seu queixo e ela me olhou.- Você a insuportável mais suportável de aturar. -Ela abriu um sorriso e se jogou em cima de mim.

-Vamos dormir porque eu estou com sono.-Ela disse e levantou indo apagar a luz.

-Vou tomar um banho, já volto. -Dei um selinho em seus lábios e ela assentiu.

Fui pro banheiro tirando a roupa no caminho enquanto ouvia os gritos dela me xingando. Ri coçando minha nuca e por ultimo tirei minha box entrando de baixo da ducha. Passei sabonete por todo o meu corpo e fiquei mas um tempo com a cabeça encostada na parede. 

Mas que droga de pergunta era aquela? eu jamais seria capaz de trocar Jennifer por outra mulher, eu amava essa mulher mais que tudo em minha vida, já suportei tanta coisa por ela, já aturei vários bocados por ela e porque diabos eu iria a trocar a essa altura do campeonato deixando pra trás tudo que construímos? não, nunca. Agora com Anne presa que eu achei que iriamos ter um pouco mais de paz e oque na verdade é um fato. 

Eu sabia que aquela pergunta tinha sido por causa do que eu tinha a dito no hotel, não foi porque seu pai contou aquilo pra ela, eu conheço a mulher que eu tenho. Só não achei que aquelas palavras fossem a atingir tanto assim. A ultima coisa que eu queria agora era magoar Jennifer, ela é a mulher da minha vida e eu não posso suportar perder ela por as merdas que digo e faço. Tudo que eu menos quero é perde-lá, aquela mulher é o motivo de tudo. 

Percebi que já tinha ficado muito tempo de baixo do chuveiro e decidi sair logo queria dar boa noite para Jennifer. Sequei meu cabelo e enrolei uma toalha na cintura indo até o quarto. Ela já dormia tranquilamente, ela era com certeza a mulher mais linda que eu já tinha visto em toda a minha vida. Sorri com meu próprio pensamento e fui andando até o closet, peguei uma box da Calvin Klein branca. Voltei até o quarto e quando estava pronto pra dormir escutei o choro do Math. Respirei fundo e levantei. Jennifer levantou em um pulo só quando a baba eletrônica alertou.

-Deixa que eu vou lá. -Beijei seus lábios.- Eu já volto.

-Tudo bem, tem uma mamadeira pronta em cima da comoda, ta morna na temperatura certa, checa a fralda dele ok? Obrigada amor. -Ela arqueou seu corpo me dando um selinho.

-Boa noite anjo.

-Boa noite amor. -Ela murmurou antes de voltar a dormir.

 

Caminhei até o quarto de Math que era ao lado do nosso e entrei e ele esperneava. Peguei ele no colo e já o deitei no apoiador checando sua fralda, ele estava mijado. Troquei ele com um pouco de dificuldade mas mesmo assim consegui. Dei mamadeira para ele e bati nas costas dela até que o mesmo arrotasse e em seguida o balancei até ele dormir. Me sentei na poltrona e comecei a observar meu filho dando um sorriso, céus ele era a coisa mais linda. Um dos motivos de eu ama-lá era por ela me dar filhos preciosos, por ela ser a mulher verdadeira que ela é. Eu sou totalmente louco por essa mulher.

Coloquei Math no berço e fui até o quarto de Liv, me sentei na ponta de sua cama e acariciei seus cabelos depositando um beijo em testa. Me deitei ao seu lado e fiquei fazendo carinho.

♀♀

Sem abrir meus olhos já prevendo que uma claridade me atingiria. Sentia um peso em cima de mim e pequenas mãos me envolverem, Jennifer. Sorri. Abri meus olhos e olhei pra baixo e era Liv, eu tinha dormido no quarto da pequena, ri baixinho. E fiz carinho em seu cabelo até que ela acordasse. 

-Papai, é cedo. -Ela resmungou. -Papai? -Ela levantou e olhou pra mim- O que ta fazendo aqui?

-Eu vim ver como você estava e acabei dormindo. -Ri e ela riu- É cedo ainda. 

-Eu sei. -Ela sorriu e deitou na minha barriga. -Como fui ontem?

-Maravilhosa. -Disse mexendo em seus cabelos.

-Mamãe ficou brava?

-Você sabe que aquela ali eu se domar rapidinho. -Disse e ela riu mesmo que não tivesse entendido nada do que eu tinha dito.

-Podíamos ir no shopping.

-Eu queria fazer algo diferente. -Eu disse e ela respirou fundo.

-Você podia levar eu e o Math no parque, o que acha?

-Eu acho bom.-Disse sorrindo.

-Da qui algumas semanas é meu aniversario. -Ela disse sorrindo- Você vai fazer festa? Eu não tive festa de quatro anos. -Ela entortou a boca fazendo uma expressão triste.

-Iremos fazer uma festa enorme aqui no jardim de casa e chamar todos seus amigos, o que você quiser. O que acha?

-Eu vou amar -Ela disse rindo- Por que você 'tá legal comigo?

-Eu sou legal. -Disse dando de ombros.

-De vez em quando. -Ela respirou fundo e apoiou seu queixo em meu peito me olhando- Mas você não irei querer fazer uma festa do nada.

-Ano passado você não teve, esse ano você merece. -Eu disse e ela abriu um sorriso enorme. 

-É. -Ela disse sorrindo. 

-Eu nem acredito que meu bebê vai fazer cinco anos. -Eu disse respirando fundo.

-Eu nem sou tão bebê assim pai. -Ela resmungou.

-É meu bebê, só meu. -Eu disse abraçando ainda mais sua cintura e ela soltou um risinho. 

-Eu te amo muito papai. -Ela disse e eu sorri. Meu sorriso ia se alargando ainda mais em meu rosto. Eu amava quando ela dizia que me amava mesmo eu não passando muito tempo com ela.

-Eu também, também te amo muito filha. -Eu disse e ela se aconchegou em meu peito.

Depois de uns minutos senti sua respiração pesada. A porta do quarto abriu lentamente e lá aparece Jennifer com o rosto branquinho e amassado, o cabelo desgrenhado de camisola e pés no chão. Ela sorriu e veio até mim tirando Liv de cima de mim e colocando deitada normal em sua cama. Levantei e segurei sua cintura enquanto a beijava e andava para frente fazendo ela andar para trás. Fechei a porta do quarto da Liv e caminhava com Jennifer até nosso quarto. Deitamos na cama e ela abraçou minha cintura depositando um beijo em meu peitoral me fazendo sorrir. 

-O que tava fazendo lá? -Ela falou baixinho.

-Fui ver como ela estava e acabei dormindo. -Disse rindo. 

-Tipico de Justin. -Ela murmurou com uma voz engraçada me fazendo rir. 

Comecei a acariciar seu cabelo enquanto ela fazia linhas imaginarias em meu peitoral me fazendo olhar seu rosto. Coloquei ela deitada pra cima fazendo nós ficarmos um olhando para o outro. Ficamos assim um bom tempo até ela colocar a mão na minha nuca me puxando para frente e me dando um selinho.

-Eu te amo. -Ela murmurou contra meus lábios.

-Eu te amo. -Disse sussurrando em seu ouvido e subi em cima dela.

♀♀

Eu olhava Jennifer enquanto ela arrumava as coisas e colocava na mala, todas essas vezes que ela arrumava as malas eu odiava mas agora eu estava amando já que ela viajaria comigo. Jennifer aceitou meu pedidos de desculpas pelas coisas que eu tinha lhe dito no hotel e aceitou viajar comigo. Ela exibia um sorriso lindo em seu rosto enquanto colocava as coisas nas nossas malas. A agarrei por trás a fazendo levar um susto.

-Senti sua falta. -Disse mordendo a sua orelha.

-Eu estive aqui todo o tempo.

-Você sabe bem do que eu estou falando. -Disse sorrindo malicioso.

-É, eu sei. -Ela mordeu os lábios e sorriu maliciosa se virando pra mim, pós suas mãos em meu pescoço. -Mas estamos atrasados para arrumar nossas malas.

Bufei e comecei a ajudar ela a arrumar as malas.

-Nós só vamos viajar amanhã. -Resmunguei. 

-Por isso mesmo estamos arrumando as coisas hoje. -Ela disse sorrindo vitoriosa- Será que as crianças ficaram bem?

-Ela estará nas mãos dos nossos pais e nós iremos ver elas daqui a uma semana.

-Não quero ficar longe do crescimento do meu filho. -Ela disse triste.

A agarrei pela cintura e colei nossos corpos, ela olhou pra mim e deu um suspiro longo.

-É só uma semana, isso não quer dizer que ficaremos sem vê o crescimento de Math. -Disse sorrindo e ela bufou-Se você não quiser ir tudo bem. -Disse decepcionado sentando na cama.

-Nós só... deveríamos ficar.

-Ta Jennifer, ta. -Bufei impaciente e peguei o telefone.

-O que vai fazer?

Não respondi apenas disquei o numero depois de o checar na agenda e esperei alguém atender.

-Cosmopolitan hotel Las Vegas, posso ajudar?

-Olá, eu queria desfazer uma reserva. -Disse sentindo o olhar de Jennifer em mim.

-Hm... qual seu nome Sr.?

-Justin, Justin Bieber.

-Ah claro, suite?

-Exatamente.

-Hum, ok sua reserva foi desfeita. Espero que mude de ideia, Obrigada Sr.Bieber.

-Obrigada. -Disse e desliguei.

Coloquei o telefone no gancho e me deitei na cama colocando os braços no rosto.

-Eu só quero ficar perto dos meus filhos. -Ela falou baixo.

-É a segunda vez que eu desfaço algo por sua causa. -Disse sorrindo sem humor.

-Ahn?

-A alguns meses atrás quando você me traiu -eu disse sentindo uma dor me corroer e ela percebeu- E voltamos ao normal, no dia em que cheguei tarde eu reservei a ilha para ficarmos juntos, só nós dois mas você falou todas aquelas coisas e bom...

-Foi por isso que Ryan e Carla foram a ilha?

-Sim, eu já tinha pago tudo e ele precisava se reconciliar com ela.

-Me desculpa.-Ela disse abaixando a cabeça.- Nós vamos, ok?

-Jennifer agora é...

-Não é tarde, Justin. Liga e refaz a reserva. -Ela disse e saiu pulando.

Dei risada e fiz o que ela me disse. Terminei de arrumar nossas coisas e deitei na cama e acabei pegando no sono.

Stratford/Canada

15:45 PM

Justin Bieber P.O.V

Depois de ter visto Justin dormindo eu me arrumei e decidi ir no atelie verificar umas coisas e conversar com as meninas. Depois eu decidi passar no shopping e fui diretamente pra uma loja da victoria's secrets provei algumas lingeries e acabei comprando uma de cada cor. Tudo naquela loja me deixava louca. Decidi ir fazer umas compras em algumas lojas. Por mais que eu fosse estilista e fazer a roupa que eu quisesse eu era apaixonada por algumas roupas da coleções de outros estilista. Passei no MC Donald's e rapidamente me recordei de algumas coisas de a um mês e meio atrás. Rapidamente peguei meu lanche e coloquei dentro da bolça. Fui para o estacionamento correndo e coloquei minhas coisas dentro do carro dando partida até o local. Estacionei meu carro e desci entrando naquele lugar, nunca na minha vida eu imaginei que estaria em um presidio um dia, mas aqui estava eu. Depois de passar por várias burocracias me sentei em uma cadeira na sala de espera. Depois de uns dez minutos escutei o barulho da porta se abrindo e então entrou ela. 

Seu cabelo ruivo perfeito -que agora estava ressecado e quebrado- estava jogado contra seu rosto pálido. Ela tinha emagrecido um pouco, trajava um macacão laranja e por baixo uma blusa branca que estava imunda. Ela levantou o rosto e tomou um susto ao me ver. Seu rosto estava totalmente pálido e magro, seus olhos estavam roxos e com alguns machucados no supercílios, sua boca roxa e ressacada era o que mais destacava seu rosto. Suas mãos estavam para frente presar por uma algema que apertava seu pulso o deixando roxo, vi algumas marcas de machucados e cortes no seu pulso e conclui que ela teve um surto qualquer e tentou tirar as algemas. Bom... era o que eu achava. 

O estado dela era deplorável. Eu sentia pena dela e por mais que ela devesse ela não tinha que estar aqui, eu não queria que ela estivesse aqui de jeito nenhum. Ela me salvou, ela salvou a vida do meu filho enquanto poderia ter fugido igual aqueles filhos da puta. 

Ela engoliu em seco depois de alguns minutos me encarando e se sentou com a cabeça baixa.

-Oi? -Disse. Eu não sabia nem o que falar.

-Oi. -a voz dela estava mais rouca que o normal- Veio me humilhar? já não é tão humilhante me ver dessa forma? -Ela disse com a voz fraca e falhada e em seguida tossiu várias vezes cuspindo sangue no chão.

-O que estão fazendo com você? -Eu disse assustada.

-Me batendo, me batendo todos os dias. -Ela disse e deu uma risada fraca.

-Por que?

-Por que? -Ela disse e riu- Porque eu tentei matar uma grávida e porque eu tenho cara de riquinha, mesquinha e idiota, como elas mesma falam.

-Anne... -Engoli a seco.-Você não tentou me matar.

-Tentei sim! -Ela disse exclamando alto. Olhei para o guarda que já entrou em alerta.

-Esta tudo bem. -Eu disse e toquei a mão dela- Eu não vim pra te humilhar, eu vim pra te agradecer por ter salvado meu filho.

-Tanto faz. -Ela disse fixando seu olhar na parede.-Ele esta bem? Como ele esta?

-O Justin? 

-Math, seu filho. -Ela disse e me analisou.

-Ele esta bem, graças a você. 

-Você sabe algo sobre Tyler?

-Não... -Eu disse.

-Minha pena foi maior. -Ela disse mordendo os lábios- Todos me odeiam. -Ela disse e riu- Meus pais, meus irmãos, minha vó. Todo mundo. O mundo me odeia.

-Mas...

-Mas nada, você já pode ir embora. -Ela disse fria.

-Eu quero te ajudar, quero te tirar daqui... você não merece.-Eu disse e ela me olhou imediatamente.

-Para de ser idiota, eu tentei matar o seu filho. Você é muito boa com as pessoas, por isso que você só se fode. 

-Você não é boa com as pessoas e quem se fodeu foi você, porque você que esta presa não eu. -Eu disse e ela me olhou, ela fechou os olhos e quando abriu ele estava marejados. -Me desculpa, não quis...

-Sim, você quis. Vai embora. -Ela disse e se levantou.

-Eu quero te tirar daqui Anne, me deixe te ajudar.

-Eu não preciso de você e nem da sua ajuda. -Ela disse voltando a se sentar. -Aceita, aqui é meu lugar é aqui que eu irei morrer. -Ela disse e tocou minha mão- Eu não quero sair daqui, eu preciso pagar pelo meu pecado cometido. Preciso pagar por todos os maus que cometido com você e com a sua família. Eu vou morrer aqui, aqui é meu destino.

-Você é nova... você não pode. -Disse sentindo o choro na minha garganta.

-Obrigada. -Ela tentou tocar minha mão e eu envolvi minhas mãos na dela apertando forte- Me desculpe por todas as coisas que já fiz com você, me desculpa mesmo. -Ela disse e uma lágrima caiu sobre sua face. -Diga ao Justin que eu o amo muito. -Ela disse e abaixou a sua cabeça.- Eu quero a felicidade de vocês. 

-Para de dizer essas coisas, eu vou te tirar daqui.

-Jennifer, me promete duas coisas?

-O que?

-Você não irá me tirar daqui e nem irá mais vir me visitar nesse lugar imundo, não quero te ver passar por tudo isso. Escutou? -Eu comecei a negar. -Jennifer. Escutou? -Ela reforçou.

-Sim. Eu prometo. -Eu olhei pro guarda- Por favor. 

Olhei apontando pra algema ele olhou por alguns minutos e tirou a algemas dela, ela passou as mãos pelo pulso e eu praticamente me joguei em cima dela a abraçando. No começo ela ficou sem reação mas me abraçou de volta.

-O tempo acabou. -O guarda disse.

-Obrigada por ser a unica a vir. -Ela disse e passou a mão pelo meu rosto. -Adeus. -Ela disse assim que o guarda colocou a algema.

Respirei fundo tentando recuperar meu ar quando vi a passando por aquela porta, era como se nunca mais eu fosse a ver. Ver Anne me deixou tão bem mas mesmo assim me deixou triste por ela não querer minha ajuda de jeito nenhum, ela tinha mudado tanto.

Entrei no meu carro e estava desnorteada enquanto as lágrimas caiam por meu rosto. Eu não sabia o porque estava chorando, eu não sabia porque não estava sentindo raiva dela. Ela já tinha feito tanto mal pra mim, ela já tinha feito o Justin me trair, ela me provocava e me prendeu por uma semana em um lugar sem comida mas a partir do momento em que ela fez meu parto, quando vi as lágrimas de arrependimento em seu rosto todo meu odio por ela tinha evaporado e eu sentia uma gratidão enorme e uma vontade de retribuir, mas eu não podia fazer nada. 

Cheguei em casa e me sentei no sofá. Justin apareceu do nada e se assustou quando me viu chorando e soluçando.

-Porque você 'ta chorando? -Ele perguntou se abaixando na minha frente. Eu comecei a soluçar enquanto tentava falar.

-Ela... Ela mandou avisa que te ama. 


Notas Finais


E aí, o que acharam da atitude da Jennifer?
Quer entrar no grupo? 011 9 77481970
Beijos ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...