História Drug Of Love - Capítulo 55


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Pattie Mallette
Exibições 382
Palavras 2.905
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, meus amores. E aí? Bom, ontem sem querer eu fui postar um capitulo mas acabei postando dois repetidos, peço desculpas para quem ficou sem entender nada.
Tenho uma novidade pra vocês que já leram a fanfic e estão tão agoniadas quanto eu pra chegar na tal parte
É NO PROXIMO CAPITULO.
Dependendo, posto o capitulo esse final de semana ainda.
Boa leitura ♥

Capítulo 55 - Cante Para Mim


Fanfic / Fanfiction Drug Of Love - Capítulo 55 - Cante Para Mim

Stratford/Canada

16:23 PM

Jennifer P.O.V

 

Eu nunca fui uma pessoa de desistir fácil das coisas que mais me agradava, nunca fui de desistir de pessoas por causa de erros cometidos. Quando eu amo uma pessoa, eu a amo por inteiro e amo até mesmo seus defeitos. Pode ser o mais insuportável que for. Eu nunca desisti de ninguém que eu amasse.

A vida consegue ser mais imprevisível do que pensamos. Hoje nós iremos dizer uma coisa mas amanhã faremos ao contrário. Passamos a desistir de várias coisas mas amanhã se realiza. Os seus sonhos só parecem se realizar quando você está perto de cair, quando você já não tem mais força pra lutar por nenhum deles.

Hoje você pode não gostar de alguém mas amanhã talvez essa pessoa possa se tornar muito importante pra você, talvez ela possa ser uma amiga bem próxima, se tornar uma melhor amiga ou até mesmo você a considerar como um parente de sua família. 

A vida é assim... imprevisível. 

E hoje eu sou o exemplo disso. Eu odiava Anne, ela fez tanta coisa ruim pra mim. Ela tentou roubar a pessoa que eu mais amava, riu de mim enquanto me via sofrendo e eu não tive piedade. Tyler que me ajudou tanto quando eu estava presa sumiu quando eu estava perto de ter meu filho e Anne ficou, a vida é realmente imprevisível. Quem você acha que irá estar com você nos momentos difíceis vai ser a pessoa que vai mais te colocar pra baixo e acabar com a sua vida.

Na minha vida muitas pessoas veio e foram,Tyler, Tracy principalmente. Na minha vida muitas pessoas já me abandonou pelo meu ponto de vista, por meu jeito, pelos meus modos, pelas minhas atitudes. Eu nunca mudei por ninguém, eu sempre tentei ser cada vez melhor para Justin, mas eu nunca mudei minha personalidade por ninguém. 

Se eu nasci assim, se eu escolhi ser desse jeito eu seria até o fim.

Eu nunca imaginei que ficaria tão acabada por ver Anne naquela situação. Eu acho que eu tive compaixão dela, eu consegui abortar todos os meus rancores por ela, porque ela me ajudou no momento mais difícil. Eu sei, sei muito bem que ela foi causadora de tudo que aconteceu nos dias que eu estive presa, mas ela poderia me largar ali mesmo e fugir da policia. Mas no ultimo minuto ela se arrependeu por todos os erros cometidos e me ajudou.

A pessoa que eu mais odiei em minha vida tinha feito meu parto.

O que deixava Justin mais intrigado era que eu não conseguia dizer o que estava acontecendo, eu só achava de chorar cada vez mais... porque aquela dor estava me matando, eu queria tira-lá dali. Eu queria tirar Anne dali porque eu sei que se eu deixasse ela lá, ela morreria nas mãos daquele monte de mulheres nojentas que cometeram muitos crimes.

Eu sabia que não chorava só por causa de Anne, mas eu havia juntado tudo que tinha acontecido nos últimos dias, desde minha prisão no cativeiro até agora. Eu chorava por ter perdido Carla, eu chorava por estar assustada pensando na possibilidade do que poderia acontecer comigo ali dentro, eu chorava pelo o que Justin tinha me dito no hotel, cada palavra. Eu chorava por Carla ter me substituído tão rápido, eu sabia que eu tinha pisado muito na bola com ela, tinha feito muitas coisas que a magoaram bastante mas não era motivo pra acabar com a nossa amizade desse jeito. Sei que errei muito em não estar ao lado dela no dia feliz da sua vida que era seu ultimo dia de solteira mas eu estava no casamento, e ela simplesmente colocou outra pessoa em meu lugar como se eu fosse um nada. E era assim que eu me sentia agora, um nada.

Eu fungava cada vez mais tentando me recuperar do choro e me manter calma, mas estava difícil. Eu estava assustada, tinha acontecido muitas coisas nos últimos dias e isso me deixava cada vez mais assustada.

-Respira, calma... me conta o que foi amor. -Justin disse passando a mão sobre meu cabelo. -Eu estou ficando assustado, o que aconteceu anjo?

-Justin... Cante pra mim.

-Don't you worry, cause everything's is gonna be alright. -Ele sussurrou no meu ouvido me fazendo ficar mais calma.

-Essa musica... -Não consegui terminar de falar.

-Que eu fiz pra você quando a gente começou a namorar. -Ele disse sorrindo e se sentou de frente pra mim. -Você precisa me contar o que aconteceu, ok? não vou te forçar a contar nada agora. Vamos subir, vou colocar pra deitar e você descansa um pouco. -Ele disse me pegando no colo.

-Não precisa disso. -Disse baixo.

-Precisa. -Ele disse indo em direção as escadas.

-E Math e Liv?

-Math e Liv sairám com seus pais. -Ele disse me colocando na cama. Ele deitou ao meu lado. -A casa está vazia e só tem nós dois aqui. -Ele disse baixinho no meu ouvido.

-Canta pra mim? -Disse e ele negou rindo- Sua voz me acalma, por favor.

-Tudo bem... -Ele respirou fundo. -Eu só tenho Be Alright. -Ele disse mordendo o lábio inferior.

-Exatamente essa que eu quero. -Disse e ele assentiu.

-Across the ocean... Across the sea -Ele disse baixinho no meu ouvido- starting to forget the way you look at me now -Ele começou a cantarolar- over the ocean and across the sky, starting to forget the way you look in my eyes for you i would walk a thousand miles, to be in your arms. Holding my heart, oh i, oh i, i love you. everything’s gonna be alright be alright, be alright through your sorrow, through the fights don’t you worry cause everything’s gonna be alright. All alone in my room waiting for your phone call to come soon and for you i would walk a thousand miles to be in your arms, holding my heart oh i, oh i love you, everything’s gonna be alright, be alright, be alright. -Ele respirou fundo. -Eu estou com vergonha. -Ele disse e eu ri.

-Apenas continue. -Eu disse mantendo meus olhos fechados. -Sua voz me acalma.

-Tudo bem. -Ele respirou fundo- you know that i care for you i’ll always be there for you, promise i will stay right here i know that you want me too. Baby we can make it through anything. -Abri os olhos e ele mantinha os seus fechados enquanto sua boca estava perto da minha e ele cantava calmamente. - Cause everything’s gonna be alright, be alright,through the sorrow, through the fights...everything’s gonna be alright, be alright.

-Eu te amo tanto. -Disse roçando meus lábios nos dele.

-Eu te amo muito anjo, te amo demais. -Ele disse.

Subi em cima de Justin tomando seus lábios em um beijo lento. Justin se sentou na cama encostando suas costas na cabeceira e ele puxou minha cintura mais pra cima dele me fazendo sentar em cima de seu órgão. Justin apertou minha cintura e subiu uma mão até meu pescoço onde enfiou a mão nos meus cabelos dali fazendo todo meu corpo esquentar e se arrepiar na mesma hora. Arranhei sua nuca lentamente e ele mordeu meus lábios durante o beijo, comecei a fazer movimentos circulares em sua nuca com o meu dedão e eu já conseguia sentir seu membro dando sinal de vida. 

Preguiçosamente eu tirei sua camiseta e ele me puxou ainda mais pra frente. Justin adentrou sua mão em minha camiseta me fazendo olhar pra ele. Ele olhava pra mim mordendo os lábios enquanto apertava meu seio esquerdo. Ele enfiou a sua outra mão por dentro da minha blusa e desabotoou meu sutiã. Ele o tirou por baixo já que era tomara que caia. Me deitei por cima dele e ele sorriu pra mim dando um beliscão no meu mamilo por cima da blusa o que me fez quase gritar. Justin sorriu e eu arranhei sua barriga inteira e passei minha linguá sobre os pelinhos abaixo do umbigo dele o fazendo puxar meu cabelo. Sorri e enfiei a mão dentro de sua bermuda começando a brincar com com seu pênis. Acariciei a suas bolas e ele mordeu os lábios me jogando na cama. Rapidamente ele tirou a bermuda e a cueca junto e ele arrancou minha calça e minha calcinha. Justin entrou dentro de mim rapidamente enquanto eu tirava minha blusa me fazendo gritar e olhar pra baixo. Seu pênis estava na minha vagina e ele fazia movimentos de vai e vem aceleradamente. Joguei minha blusa no chão e comecei a arranhar seus braços enquanto gemiamos e ele fazia movimentos rápido. 

Sua testa franzida, seus olhos semicerrados e um pingo de suor descendo sobre seu rosto. Ele estava completamente sexy. Subi minha mãos para o cabelo do Justin e puxei seu rosto contra o meu fazendo ele me beijar, coloquei meu cotovelo nos ombros dele enquanto beijava ele, só que, estava impossível continuar beijando-o já que eu precisava gemer. Agarrei a bunda dele apertando recebendo um sorriso dele. Justin fez cara de sofrido e começou a fazer movimentos mais rapido e logo gozou, dentro de mim. Gozei em seguida.

Ele caiu sobre o meu lado encarando o teto e eu fazia o mesmo e...

-PUTA QUE PARIU.

-O que foi? -Ele disse me encarando.

-Você gozou dentro de mim porra.

-E dai?

-Eu posso engravidar de novo...

-As possibilidades disso acontecer são poucas... e se acontecer, ótimo. -Ele disse sorrindo.

-Eu não quero mesmo ter meu terceiro filho.

-Você disse isso antes do Math ir pro seu utero mas hoje vive grudada nele.

-Ué, meu filho. -Dei de ombros.

-Aonde você foi e por que voltou chorando? -Ele disse me fazendo lembrar de tudo. Me sentei e olhei pra ele.

-Fui visitar Anne. -Disse olhando para baixo.

-OQUE? -Ele sentou na cama me olhando- O QUE VOCÊ DISSE?

-Justin...

-JUSTIN? -Ele disse segurando meu queixo. -MULHER MINHA NÃO VAI PRA PRESIDIO JENNIFER.

-Eu fui ver como ela estava. -Mordi os lábios.

-FODA-SE COMO ELA ESTAVA, ela poderia até morrer que eu não iria me importar. 

-Não fala assim. -Disse sentindo as lágrimas caírem.

-Ela te bateu? por que você voltou chorando daquele jeito.

-Não, ela não me bateu. Estão batendo nela Justin, vão mata-lá.

-Mais que merecido você não acha?

-Não. -Eu disse firme o olhando- Não acho porquê foi ela que me salvou.

-E ela que te aprisionou, engraçado né?

-Justin...

-Nada de Justin, eu não quero mais você visitando ela.

-Ela disse que te ama. -Eu disse olhando pra baixo e ele apenas saiu e bateu a porta do banheiro.

 

2 Semanas depois

 

Depois daquele dia Justin nunca mais quis tocar no assunto Anne e logo depois que saiu do banheiro ainda brigou comigo dizendo que não me queria mais lá a visitando, eu não iria mesmo... mas não iria porque Justin mandou eu não iria porque eu prometi a Anne. 

Nós tínhamos chegado de viagem a dois dias. Tínhamos ido a todos os lugares que planejamos, inclusive levamos Liv para a Disney. Era visível em seu olhar o quanto ela ficou feliz em estar ali, dançando com todos aqueles personagens que marcará a infância dela. Até mesmo eu com vinte anos quase implorei pra que o pateta dançasse comigo. Era engraçado lembrar do quanto Justin tinha ficado irritado quando o príncipe me puxou para dançar com ele. Gerando uma brincadeira de ciumes do Justin e da Cinderela. 

Justin tinha saído de manhã e até agora não tinha voltado, isso porque é sábado. Mas eu resolvi não ligar porque talvez ele devesse estar em algum lugar importante.

Stratford/Canada

21:22 PM

Justin Bieber P.O.V

 

-Ju, você tinha que ver como foi incrível. 

Eu contava para ela sobre a viagem de família que tínhamos feito. Estávamos no shopping, tínhamos ido no cinema, no MC Donald's e agora estávamos tomando sorvete. Ju, como tinha a apelidado é uma garota incrível. Eu estava fascinado pelo jeito dela. Eu tinha medo do que podia acontecer daqui pra frente já que eu estava totalmente viciado nela. Não era a primeira vez que tínhamos saído juntos, claro, como amigos. Nós fazíamos passeio de casais mais na verdade estávamos ali como amigos.

O que mais eu achava maneiro na Ju era que ela não ligava se ia engordar, ela comia mesmo sem vergonha e eu amava garotas assim. Ju pra ficar bonita não precisava de maquiagem e quando eu tinha falando a ela sobre isso ela corou. Eu sei que posso estar tendo pensamentos impróprios sobre estar fascinado por ela, eu sou casado é claro e amo minha mulher mas eu não sou cego. 

-Eu imagino. -Ela disse sorrindo.

-Eu queria que você estivesse lá. -Eu disse e ela sorriu com vergonha enquanto sujava sua boca de sorvete. -Esta sujo -Eu disse me aproximando dela e limpando com a mão.

E só ai eu olhei para os olhos dela. Nós estávamos a milímetros de distância e eu estava a ponto de cometer um absurdo. Eu não queria ter que fazer isso com a Jennifer, eu prometi pra ela que nunca mais a trairia e nem mesmo eu queria fazer isso... mas ver Ju ali tão perto de mim me chamando cada vez mais pra perto dela me fazia esquecer de tudo isso. 

-Justin. -Ju me chamou fazendo olhar em seus olhos e tirar a atenção de sua boca. -Não... -Ela disse negando sem parar.

-Mas...

-Você é casado, não. -Ela disse parecendo estar assustada com tudo aquilo. Apenas assenti envergonhado. 

-Me desculpe. -Eu disse me desaproximando dela.

-Eu... só não quero cometer erros. Não quero que ela sofra. 

-Tudo bem... Me desculpe.

-Tudo bem. -Ela sorriu- Acho que é melhor irmos, tudo bem?

Apenas assenti e peguei uma sacola de sua mão. Ela sorriu pra mim enquanto ajeitava a bolça em seu ombro. Fomos caminhando e rindo até o estacionamento, assim que achei meu carro -o que foi uma dificuldade- entramos. Fomos rindo o caminho inteiro de coisas que ela me contava de sua faculdade. Deixei ela na casa dela e fui em direção a minha casa com um sorriso enorme no rosto. Olhei no relógio e era quase oito horas da noite, puta merda. Cheguei em casa e assim que entrei vi Jennifer andando para lá e para cá segurando um telefone.

-O que ta acontecendo? -Eu disse e ela veio correndo na minha direção.

-Ai amor, eu estava tão preocupada com você. -Ela disse me fazendo sentir culpa. 

Eu estava no shopping com Ju enquanto Jennifer morria de preocupação, belo marido.

-Tudo bem, estou aqui. -Disse tentando sorrir.

-Aonde você estava? eu morri de preocupação.

-Eu estava por ai.

-Por ai aonde? -Ela disse me encarando.

-No shopping com a Ju...

-Ju? -Ela me olhou com uma cara irônica.

-Julia.

-AI QUE ÓTIMO. -Ela disse e começou a bater palmas rindo irônica.- Colocar um par de chifres na idiota aqui não é?

-Para com isso.

-Nossa Justin, seria tipo super ótimo isso. -Ela começou a rir- Eu não posso acreditar.

-Jennifer...

-EU TO AQUI MORRENDO DE PREOCUPAÇÃO COM VOCÊ E O LINDINHO TA FAZENDO O QUE? ISSO MESMO SAINDO COM A GAROTA QUE ACABOU COM A MINHA MELHOR AMIZADE. -Ela disse e lágrimas soltaram de seus olhos.

-Não é pra tanto...

-Não? Faça-me o favor né Justin -Ela disse e continuou chorando- VAI FAZER O QUE AGORA? ME TROCAR POR ELA TAMBÉM? É SÓ O QUE ESTA FALTANDO. ELA É UMA VAGABUNDA QUE QUER ACABAR COM TUDO O QUE EU TENHO.

-NUNCA MAIS OUSE A CHAMA-LÁ DE VAGABUNDA. -Eu disse apertando seu braço fazendo ela parar e me encarar.

-Eu sabia... -Ela disse e seus olhos transbordavam lágrimas.

-O que?

-Você esta apaixonado por ela, ta escrito isso na sua cara desde que você conheceu essa garota.

-Não fala assim, não fala merda. -Eu disse sem ter certeza do que eu estava

Ela me olhou por mais alguns minutos e logo assentiu enquanto as lágrimas caiam. Ela subiu correndo e eu passei a mão sobre o rosto. Subi atrás dela e assim quando entrei no quarto me deparei com ela colocando tudo dentro de sua mala.

-Que merda você esta fazendo?

-Eu vou ir embora da qui, me deixa em paz. -Ela disse indo até o closet. Peguei sua mala e comecei a jogar tudo pra fora.

-PARA DE FAZER ISSO. -Ela disse chorando.

-Você não vai embora. -Disse calmo jogando a mala no chão.

-EU QUERO VER QUEM VAI ME PRENDER AQUI. -Ela disse secando as lágrimas.

-PARA JENNIFER. -Disse enquanto ela socava meu peitoral. -PARA SUA... -Disse levando o braço pra bater nela.

-BATE JUSTIN, BATE EM MIM. -Ela disse gritando- MAS DEPOIS O MEU PAI TE MATA. -Ela disse e eu abaixei minha mão percebendo a merda que eu iria cometer.

-Jenni.. -Tentei abraça-lá.

-Sai daqui. -Ela disse chorando. -Você fazia a mesma coisa... -Ela disse e sentou na cama.

-Jenni...

-Você me batia e depois vinha me abraçar como se a dor fosse passar. -Ela disse e uma lágrima saltou de meus olhos.

-Eu não vou te bater.

-E se você for me bater um dia? 

-Eu não vou fazer mais isso. -Disse segurando suas mãos e ajoelhando na frente dela.

-Você promete que nunca vai me trocar por nenhuma garota mais nova? Que nunca vai se apaixonar por outra mulher.

-A unica mulher que eu sempre vou me apaixonar é você, eu prometo me apaixonar todos os dias por você. 


Notas Finais


Quer entrar no grupo? 011 9 77481970
Beijos ♥

FAVORITEM MINHA NOVA FANFIC
https://spiritfanfics.com/historia/os-gemeos-bieber-6843616


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...