História Drug Of Love - Capítulo 57


Escrita por: ~

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Pattie Mallette
Exibições 414
Palavras 2.305
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Gente sei que vocês estão bolados comigo, mas isso não é motivo pra comentar a história toda. É sacanagem comigo. Se eu quisesse que todo mundo soubesse, postava um relatório contanto o que acontece, mas eu escolhi repostar. Então vamos ter mais respeito! ♥
Bom, espero que goste desse capítulo, vai ser mais voltado pra morte da Anne, então... Nada sério.
Boa leitura ♥

Capítulo 57 - Último Adeus


Fanfic / Fanfiction Drug Of Love - Capítulo 57 - Último Adeus

Stratford/Canada

16:25 PM

Jennifer P.O.V

Eu trajava uma calça jeans preta, uma bota também preta de cano baixo, jaquetas de couro e uma blusa branca por baixo. Óculos pretos e cabelos solto. Eu me olhava no espelho me perguntando se eu teria forças o suficiente pra ver Anne naquele caixão e a resposta era: não. Eu não seria forte o suficiente, eu iria chorar e abaixar minha cabeça, eu não iria conseguir enfrentar aquilo sozinha.

As vezes eu me perguntava se todas as pessoas de quem eu amo iria partir? Eu não aguentava mais, eu não tinha mais ninguém comigo. Carla, Ryan, Justin, Jared, Rose, Chaz, Liza, Chris, Alex... E droga. Sequei uma lágrima que caiu. Qual é Jenni? Reaja, você precisa ser forte e enfrentar todos os problemas. Mas como ser forte quando a unica pessoa por quem você se importava simplesmente morreu? Morreu sem você conseguir se despedir, sem dar um ultimo abraço.

Peguei minha bolsa e respirei fundo tomando coragem pra sair daquele quarto e enfrentar o mundo lá fora. Respirei fundo antes de descer as escadas.

E uma parte do meu sofrimento estava ali, usando roupas de frio. Eu me perguntava porquê de ele estar arrumado. Claro Jennifer, ele agora tinha uma mulher, uma mulher que por acaso não é mais você e nunca mais será.

Lembro-me da reação dele quando eu lhe disse que Anne tinha morrido, eu tinha sido seca o suficiente para lhe dizer apenas "Anne morreu, ela foi morta. Ela nunca mais vai aparecer na sua vida" lembro-me de em seguida sair do quarto e ir até o IML. Eu reconheci o corpo e foi horrível ter de ver aquela cena, era como se meu mundo inteiro estivesse desabando. 

Engoli a seco depois de ter descido a ultima escada. 

-Eu vou com você. -Ele disse e eu o olhei indignada.

-Eu irei com você ao enterro.

Só haveria o enterro por causa do jeito que foi a morte dela, o corpo não poderia ficar espoto muito tempo porque se não federia. O olhei irônica e soltei uma risada sem humor e fria, afinal, fria era o jeito que eu seria daqui pra frente.

-Depois de tudo que você fez ela passar?

-O que eu fiz com ela? -Ele disse intrigado.

-Deixa eu ver... Deixou ela apodrecendo na cadeia, não se importou nem ao menos ir visita-lá enquanto ela perguntava sempre sobre você. Ignorava ela quando tinha algo com ela, tratava mal e traia... Acho que se eu ficar aqui falando eu vou ter que me sentar. -Disse sendo sarcástica.

-Eu quero ir. -Ele disse engolindo a seco.  -Eu preciso vê-lá pela ultima vez.

-Se eu pudesse impedir eu juro que impediria. Anne não merece alguém que fez ela sofrer tanto no enterro dela. -Disse ríspida.

Andei até a porta sem lhe dar mais ouvido. Eu estava sendo ignorante? É claro que eu estava, mas ignorância era pouco pra quando uma pessoa simplesmente termina com você pra ficar com outra.

Inspirei e respirei o ar sentindo o leve vento de Stratford bater sobre o meu rosto me dando uma esperança de paz, por alguns segundos. Fui até a garagem e entrei no carro tentando não desabar ali mesmo, era muita coisa pra um mesmo dia e eu já tinha chorado muito. 

Com os olhos marejados incapaz de segurar algumas lágrimas eu dirigi até Calvary Cemetery. Era ruim pensar que daqui a alguns minutos eu iria enterrar Anne, a pessoa que mais me atormentou em toda minha vida, mas a unica que cuidou de mim e se importou comigo nos últimos anos. 

Parei na floricultura próxima ao cemitério e vi o carro de Justin logo atrás do meu. Comprei um buque de flores e agradeci entrando no carro. Adentrei o cemitério e estacionei meu carro. Sai de dentro do meu carro e vi o carro de funerária entrando. Meu corpo se apertou e eu respirei fundo tentando não chorar. Parei próximo a igreja e entrei vendo-a vazia. Bando de canalhas, não vieram nem mesmo ao enterro da filha. Me sentei no primeiro banco e vi alguns homens carregando o caixão e colocando ali sobre o suporte engoli a seco. Eles abriram o caixão e em seguida saiu me deixando ali sozinha. Senti as lágrimas caírem e me aproximei do caixão. Flores eram cobertas até seus seios. Ela estava ali diante mim morta.

E eu fiz o que eu jamais acharia que iria fazer um dia. Eu me debrucei sobre o caixão e comecei a chorar. Droga, droga... Se Anne estava morta a culpa disso tudo era minha. Eu fui uma idiota em atender seu pedido de não tira-lá de lá. O barulho do meu choro e do meu soluço era escuto por toda a igreja no completo silêncio. 

Senti mãos na minha costa e eu não queria virar eu não queria ter que olhar naqueles olhos, aqueles olhos que tanto me machucaram um dia e me fizeram sofrer. 

-Anne, por favor. -Eu suplicava apertando sua mão de leve. -Eu não vou ser capaz de suportar esse mundo sem você. Eu não vou ser capaz de ser forte, você era a unica que me segurava por todo esse tempo. E AGORA? -Eu gritei sentindo as lágrimas caírem mais uma vez.

-Jenni...

-Cala a boca pelo amor de Deus, eu não quero te ouvir. Eu não quero ter que ouvir sua voz.

Ele se calou finalmente respirando fundo. Ele me puxou e me abraçou, era estranho porque eu não me sentia mais segura, era como se ele fosse o próprio perigo. Talvez seja tantas decepções que ele tenha me feito passar.

Eu amava Justin mais do que amava tudo, amava mesmo mas nesse momento nojo era a unica coisa que eu conseguia sentir dele.

-Eu não me sinto mais segura nos seus braços, me solta. -Eu disse e vi ele engolir a seco.

-Você precisa de alguém agora.

-Exatamente! Eu preciso de alguém que não seja você. -Eu disse fria.

Ele abaixou a cabeça e vi duas lágrimas saltarem de seus olhos. Eu o olhava com desgosto. Revirei meus olhos voltando meu olhar para Anne. Eu segurei suas mãos tentando sentir-me uma calma mas eu não conseguia. Eu queria Anne comigo, ela tinha sido a unica amiga pra mim e eu necessitava dela nesse momento.

-Eu vou sentir muito a sua falta ruivinha. -Disse com um leve sorriso em meus lábios.

A porta da igreja fazendo eu e Justin olhar para trás, vi uma garota baixa correr chorando até o caixão e se debruçando nele chorando pedindo Anne de volta. Eu olhava para aquilo tentando não chorar eu não queria ter que ser mais fraca do que eu estava sendo. 

-Anne irmãzinha, por favor volta. -Ela dizia chorando. 

Dei a volta no caixão e a puxei lhe dando um abraço. Ela correspondeu meu abraço chorando fazendo suas lágrimas molharem minha camiseta, mas isso era a ultima coisa que eu me importava no momento. Justin a trouxe um copo de água e ela tomou enquanto suas mãos tremia. Puxei-a para se sentar no banco e deixei minha bolça de lado. A garotinha estava de cabeça baixa enquanto as lágrimas caiam sobre seu rosto. 

-Quem é você? -Ela perguntou agora me olhando.

-Jennifer.

-Você era o que da minha irmã?

-Uma amiga próxima.

-Hum... -Ela assentiu. -Sou Anna. -Ela disse e eu sorri.

-Qual sua idade?

-Quinze anos. Vim escondida.

-Sim... E seus pais?

-Minha mãe e meu pai estão triste só não admite. Eles não vão vir. -Ela disse agora chorando.- Anne não merecia isso de jeito nenhum. Ela que sempre ajudou meus pais.

-Eu entendo...

-Ela tinha tudo... Tudo.

-Eu também tinha tudo a algumas horas atrás, mas agora eu também não tenho nada.

Dei um leve sorriso sentindo todas as minhas lágrimas que eu segurava finalmente cair. Senti o olhar de Justin em mim.

-Por que diz isso?

-Sua irmã era tudo que eu tinha. 

-Entendo... Ela era tudo pra mim também. -Ela abaixou a cabeça. -E você? -Ela disse olhando para Justin.

-Sou Justin.

-Ah... você é o famoso Justin. 

-Famoso?

-Anne me falava muito de você... Ela era muito apaixonada por você. -Ela disse dando um sorriso fraco. -Vocês são o que?

-Casa... -Justin ia dizendo.

-Nada! -Disse rápido. -Eu era uma amiga e ele era o ex.

-Entendi. Eu preciso voltar pra casa -Ela disse e as lágrimas voltaram a cair. -Meu pais vão me matar mas eu sei que o que eu fiz foi melhor pra mim. Obrigada por estar fazendo isso pela minha irmã Jennifer. Eu sei tudo o que ela te fez. -Ela me deu um abraço.

Engoli a seco vendo-a caminhar até Anne e lhe depositando um beijo. Ela deitou sua cabeça sobre os peitos de Anne e começou a chorar e eu decidi respeita-lá. Era o ultimo momento dela com a irmã. Ela me deu um tchau com a mão e saiu da igreja.

-Elas são parecidas. -Ele disse.

Permaneci em silêncio olhando para a frente. Senti a mão de Justin na minha mas tudo que eu fiz foi tira-lá de lá eu não queria a compaixão dele, eu não queria a pena e nada mais dele. Eu não precisava de Justin pra nada.

Passou-se alguns minutos e logo vi dois coveiros avisando de que iria ter que fechar o caixão. Apenas assenti indo em direção a seu caixão. Beijei sua testa.

-Você estará pra sempre na minha memória Anne... Você foi tudo pra mim. 

Me desaproximei do caixão vendo Justin ir até lá e analisando seu corpo no caixão. Ele estava com os olhos semicerrados e marejados, presumi que ele deveria estar lembrando dos momentos com ela e isso não me incomodava, o que me incomodava era ver a unica pessoa que se importava comigo morta.

♀♀

Me joguei na cama sentindo as lágrimas molharem meu rosto novamente. Tinha sido horrivel ter que ver aqueles homens tamparem seu caixão. Estava sendo horrível ver Anne ser mantida a sete palmos a baixo da terra. Abracei o caixão incapaz de ter alguém comigo pra mim abaixar agora. 

Senti mãozinhas em mim e olhei pra trás vendo Liv que carregava o irmão com dificuldade. Ela me olhou tentando entender o porquê de eu estar chorando. Peguei Math no colo e coloquei de um lado da cama.

-Vem ca meu anjo, vem abraçar a mamãe vem. 

Ela subiu na cama e veio até mim me abraçando. Eu desmoronei no colo da minha filha de cinco anos.

Me encontrava deitada olhando para o teto. Math dormia ao meu lado me abraçando. Liv me abraçava e mexia no meu cabelo. 

-Mamãe...

-Sim querida? -Disse baixo.

-Você terminou com o papai não é?

-Anjo...

-Pode falar mamãe, eu vou ficar muito triste mas eu vou tentar entender.

-Infelizmente tivemos que dar um ponto final na nossa relação. -Ela me olhou como se não entendesse. -Sim meu anjo, nós terminamos. 

Ela assentiu e eu vi lágrimas caírem de seu rosto. Eu queria explicar mas tudo que ela fez foi deitar na minha barriga e me abraçar enquanto eu ouvia seu choro baixinho.

Stratford/Canada

22:25 PM

Justin P.O.V

Eu me sentia o cara mais covarde da face da terra por não estar lá com Jennifer a abraçando, não era orgulho, longe disso! Eu já tinha perdido muita coisa por orgulho e idiotice. Eu não estava lá porque ela mesmo me disse que não se sentia mais segura em meus braços, confesso que ouvir aquilo me doeu até o fundo mas foi eu que causei essa raiva dela em mim, foi eu o causador de tudo isso então a unica coisa que eu podia fazer agora era apenas lamentar. 

Eu não entendia o porque que eu estava arrependido em ter acabado tudo que eu tinha com Jennifer, droga até umas horas atrás meu coração não clamava por Julia? Droga, droga. 

Ver ela daquela forma vulnerável chorando naquela igreja me fazia sentir um aperto no meu peito. Era horrível ter visto Anne daquela forma... eu nunca imaginei que passaria por isso. Eu sentia muito pela morte dela, Anne foi uma namorada e tanto mas agora eu já não tinha mais o que fazer.  

Sai do meu quarto indo até o quarto ao lado em que Jennifer estava. Abri a porta e me deparei com uma cena fofa. Math abraçava Jennifer enquanto dormia, alias todos dormiam. Liv estava com a cabeça deitada na barriga de Jennifer e a mão de Jennifer estava nas costa de Liv. Liv estava com o rosto vermelho denunciando que havia chorado assim como Jennifer.

Era ruim pensar que Liv tinha chorado por causa da minha separação com Jennifer. Respirei fundo olhando aquela cena e senti meu celular vibrar. Rapidamente sai dali indo até meu quarto e me sentando na cama.

-Oi Julia. 

-Oi Jus... Tudo bem?

-Medida do possível e você?

-Medida do possível. Como foi por ai?

-Horrível. -Disse amargurado.

-Ela chorou... Muito?

-Sim... Ainda mais quando soube que Anne morreu.

-Aquela sua ex?

-Sim, ela mesma.

-Nossa Justin, que horrivel... Meus sentimentos.

-Obrigada. 

-Posso ir ai?

-Acho melhor não Ju... Eu nem sei se fiz o certo em termina com Jennifer.

-Por quê? -Ela disse com a voz baixa.

-Eu percebi que ainda sinto algo por ela. -Disse baixo. -Mas eu gosto muito de você. A gente passou muitos anos juntos, é claro que eu ainda sinto algo por ela.

-Eu entendo amor... E eu vou sempre estar aqui.

-Obrigada Ju. -Disse dando um leve sorriso.

-Vou te deixar dormir... Sonha comigo.

-Pode deixar. Beijos!

Desliguei e joguei meu celular na escrivaninha me. Talvez eu teja sido um pouco grosseiro com Ju mas é que eu não sabia mais de nada.

Me deitei na cama pensando se eu tinha feito o certo em ter terminado com a mulher que eu mais amei na minha vida toda. 


Notas Finais


Quer entrar no grupo? 011 9 77481970
Beijos ♥

FAVORITEM MINHA NOVA FANFIC
https://spiritfanfics.com/historia/os-gemeos-bieber-6843616


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...