História Duff - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bella Hadid, Cristiano Ronaldo, Gigi Hadid, Karim Benzema, Marcelo Vieira, Sergio Ramos
Personagens Cristiano Ronaldo, Gigi Hadid
Exibições 487
Palavras 1.161
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa Leitura!

Capítulo 8 - Capitulo 8


Fanfic / Fanfiction Duff - Capítulo 8 - Capitulo 8

Eu, Cris e Júnior fomos a um parque ali perto. Muita gente estava aproveitando o período do verão para viajar ou estavam ocupadas demais tentando manter o seu emprego em meio a crise, então o local estava calmo.

Nos sentamos no gramado e Júnior começou a tagarelar.

- Joana, a De... a De... a amiga do meu pai não gosta de sorvete, de refrigerante e não come açúcar nunca. – ele diz achando um absurdo.

Confesso que também acho, mais respeito.

- Ela também não come carne ou batata frita. Ela parece um palitinho de dente. – o pequeno comenta.

Me prendo para não ri.

- Júnior, o que eu te falei sobre respeitar as pessoas? – Cristiano reprime o pequeno.

Junior encolhe os ombros.

- Desculpa Papá, mais ela parece mesmo e também é chata. – o pequeno insiste.

Cristiano me olha.

- Jú... seu pai está certo, temos que respeitar todo mundo. Ela pode ser chata e parecer um palitinho, mais não é legal fazer isso, tá bom? – falo para o pequeno Ronaldo.

- Tá bom Joana. – ele concorda.

- Aquele ali não é um garoto da sua sala? – Cristiano pergunta apontando para um garotinho.

Júnior olha para onde o pai estava apontando e ri ao ver.

- É sim. – ele diz se levantando e saindo correndo.

Aproveito a ausência de Júnior para saber o que estava se passando.

- Quem é o palitinho? – pergunto rindo.

- A Desiré, a miss. – ele diz.

Dou mais risada ainda.

- O que ela fez para Júnior odiar ela? E por que você não me falou que iria levar ele também? – pergunto.

- Eu não ia levar ele, só que minha mãe disse que não estava interessada em conhecer ela e todas aquelas coisas que só ela é capaz de falar, então eu decidi levar Júnior comigo e ver se eles se davam bem... – ele começa.

Pelo visto não deu certo.

- Só que ela não tem jeito com criança. Tudo começou quando chegamos e ela questionou a presença da minha mãe, eu não ia dizer que minha mãe chamou ela de interesseira e um monte de outras coisas, mais Júnior falou e ainda queria saber o que significava. – ele diz.

Eu caio na risada e ele me acompanha. Como não ri da inocência de uma criança?

- Ela logo fechou a cara e Júnior ficou atazanando para saber o significado das coisas. Eu consegui contornar a situação e fazer Júnior esquecer de perguntar os significados, só que ele queria saber mais dela e ela estava sem paciência, então respondia de forma seca. – ele fala.

- Eu mandava ela se ferrar. – digo.

Ele ri.

- A melhor parte vem agora. Júnior começou a perguntar se ela gostava de um monte de comida e ela dizia não ou que não podia comer para manter o corpo, ai ele foi e soltou um “Joana é mais legal que você” – ele diz e começa a ri.

Dou risada.

- E ela? – pergunto curiosa.

- Só faltou espumar de raiva e queria saber quem era Joana, ai eu perdi a paciência e fui para a sorveteria com o Júnior. – ele explica.

- Júnior é que tá certo, palitinho é chato. – digo.

Cristiano ri e me abraça de lado.

- Já que eu te contei do meu desastre de encontro, agora me conta do seu. – ele diz.

- O meu foi legal... Gressy é ótimo. – digo.

- Só isso? – ele questiona.

- Bom, nós falamos dos nossos interesses e quase nos beijamos. – digo.

- Já? – ele pergunta.

Acho estranha a pergunta dele.

- Cristiano, eu posso até ser uma DUFF, mais eu não sou uma virgem que prefere esperar até o casamento. – digo rindo.

Ele arregala os olhos.

- Espera. Você não é virgem? – ele pergunta surpreso.

- Não e faz muito tempo. – digo.

- Como assim? Você nunca me contou isso. – ele reclama.

- Até porque eu não ando falando para todo mundo sobre a minha não pureza. – digo rindo.

- Me conta como foi isso? Quando foi? – ele pergunta curioso.

Acho estranho, mais começo a falar.

- Eu ainda estava na escola, tinha dezesseis anos quando um cara do time me chamou para sair... ele era gato e meus hormônios fervilhavam dentro de mim, ainda mais porque Bella já tinha transado e me contado que era bom e ainda tinha minhas colegas de sala que também não eram mais virgens... – começo.

- Você transou no primeiro encontro com o cara? – ele parece não acreditar.

- Na verdade não foi no primeiro, foi no segundo. Eu e ele ficamos juntos por algum tempo, sem qualquer compromisso, e depois seguimos rumos diferentes. – digo.

Cristiano fica boquiaberto.

- Para palhaço, até parece que isso é anormal. – digo empurrando o ombro dele.

Ele me encara.

- Eu jurava que você era virgem... tipo, você não parece que faz essas coisas... – ele diz.

Eu explodo na gargalhada.

- Qual é Cris? Eu sei que não sou a top model e que sou DUFF, mais eu tive minha época de atleta e aproveitei ela... – digo.

Ele fica me olhando.

- O cara valeu a pena? – ele pergunta.

- Não, nem um pouco. – digo dando de ombros.

- Não se arrepende? – ele questiona.

- Prefiro não pensar nisso, assim não fico criando possibilidades que nunca vão acontecer. – falo.

- Hum...

Ficamos calados.

- E você, resolveu o que? Vai ficar com palitinho mesmo ela sendo chata ou vai partir para próxima? – pergunto.

- Vou dar um tempo da vida amorosa. Desiré era a minha única opção agora e eu até estava empenhado em fazer as coisas darem certo com ela, mais me enganei. – ele diz desanimado.

- Não fica assim não amorzão, se eu consegui você também consegue. – digo abraçando ele de lado.

Ele ri.

- Então você está gostando daquele francês nerd, não é? – ele pergunta.

- Ele é legal e me deu uns conselhos bons... – digo.

- Perguntei se você gosta dele, não se ele dá conselhos bons. Além do mais os meus são bem melhores que os dele. – ele diz.

- Acho que é cedo para eu saber se gosto dele, mais eu acho que as coisas estão caminhando de maneira correta. Você é insuportável de tão ciumento. – digo beijando a bochecha dele.

- Claro, você está colocando a moral dele lá em cima. – ele diz.

Reviro os olhos e dou risada.

- Te. Adoro. Ciumento. Do. Meu. Coração. – digo enquanto beijo a bochecha dele repetidas vezes.

- Assim está melhor. – ele diz rindo.

Nos jogamos na grama e ele me puxa para perto.

- Se o Gressy fizer alguma coisa com você... eu juro que dou uma lição nele. – ele diz do nada.

- E se palitinho fizer alguma coisa com o meu neném eu parto ela no meio. – digo.

Ele ri.

- Neném? – ele pergunta.

- Júnior.

Ele revira os olhos.

- Você sabe se cuidar, mais se ela fizer alguma coisa com você eu dou uma lição nela. – digo rindo.

 


Notas Finais


Capitulo mais franco, but muito importante!
Desiré Cordero é a garota que a imprensa espanhola diz que Cris anda a ter um affair: http://www.elbalonrosa.com/wp-content/gallery/desire-cordero_2/dc-21.jpg
Espero que tenham gostado!
Bjss!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...