História Dumb - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 59
Palavras 1.351
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Espero que gostem dela <3
Indico que escutem com a música Training Wheels da Melanie Martinez, e caso já conheçam a música, desculpe-me pelas viagens que fiz com ela.

Capítulo 1 - Fucking Dumb - ú n i c o


[email protected] para [email protected]

14 de Setembro de 2016 – Quarta-Feira, 15:37 pm.

 

Querido Taehyung,

Querido é o caralho, porque no momento eu só tenho vontade de arrastar esse seu rosto no meio do asfalto.

Essas últimas semanas tem sido terríveis, minhas notas caíram, eu tenho andado de mau humor e ninguém me suporta. Nem a minha mãe. A culpa disso é tudo e exclusivamente e unicamente sua, e se eu estou jogando esta merda na sua cara, você sabe que é verdade; ficamos nesse relacionamento terrível e poucas eram às vezes em que eu falava tudo o que eu sentia.

O acaso é que, esses dia, ocorreu algo engraçado. Trágico, na verdade.

Eu estava na internet procurando músicas quando achei uma que me fez lembrar de você na hora – isso por si só mostra a tragédia que foi –. Eu chorei para porra, isso não foi legal. Eu não sabia que eu ainda estou tão afetado com tudo isso até então. Não espere uma coisa totalmente fofa, ou uma declaração digna; as coisas nunca funcionaram assim entre nós.

Basicamente, a música, que é foda pra caramba e sei que você vai gostar dela mesmo que se odeie por isso, retrata uma garota que está fodidamente apaixonada por um cara. Ela se mostra extremamente fodidamente apaixonada no que ele faz. Fodidamente apaixonada no que ele diz – incluindo as palavras que machucam. Fodidamente apaixonada nele.

Falando assim parece que ela é bonitinha, em parte é, mas quando uma pessoa que se enxerga como ela, na situação dela, de bonitinha ela não tem nada. Ela vira uma puta história depressiva. E é isso que eu vou falar pra você nessa merda de e-mail. Como eu enxergo essa merda toda: essa música, essa situação, eu, você, nós. O nome da música é Training Wheels da Melanie Martinez.

Pedalando, pedalando
Minhas mãos estão no seu assento
Por todo o caminho
Eu carrego band-aids comigo agora
Para quando suas mãos maciais
Baterem no chão irregular

 

Começo de namoro, eu tenho band-aids para quando você cair, consequentemente me levando junto, poderemos nos recuperar e seguir em frente. Brigas no começo são normais, afinal.

 

 

As rodas não estão nem tocando no chão
Estou com medo de tirá-las, mas elas estão tão quentes agora
Eu prometo não te empurrar direto para a terra
Se você prometer que irar tirá-las primeiro

 

As rodas são o que sustentam o relacionamento, aquilo que nos dá segurança de que nosso namoro será bonito como dos outros. Bonito e comum. Elas não estão tocando o chão. Estão desequilibradas, estão errôneas, e diferentemente da Cry Baby, a personagem da música, eu quero enxergar o que está dando errado nas rodinhas com você, e tirar este erro com você também.

 

Eu amo tudo o que você faz
Quando você me chama de burra pra caralho pelas merdas que eu faço
Eu quero pedalar em minha bicicleta com você
Completamente despida, sem rodinhas para você
Eu irei tirá-las para você

 

Eu amo tudo o que você faz, quando você me chama de burro pra caralho pelas merdas que – nem sempre – eu faço. Dispensa palavras esse trecho é o que eu disse. Eu quero seguir nosso namoro, completamente despido – sem malícia, eu quero dizer sem máscaras, sendo eu mesmo – e sem as merdas das rodinhas. Eu não quero que este namoro seja como os outros. Foda-se o equilíbrio.

 

Deixando ir, deixando ir
Te contando coisas que você já sabe
Eu explodo, eu explodo
Perguntando aonde você quer que a gente vá

 

Primeira briga séria. Você se lembra dela, Taehyung? Eu me lembro, mais do que gostaria.

Quando nós brigamos de verdade pela primeira vez... Eu falei tanta coisa pra você, reclamei dos seus ciúmes extremo e desnecessário, de como você reclamava de absolutamente tudo o que eu dizia e como era irritante você descontar o estresse de seus problemas em cima de mim. Você apenas olhou pra mim e disse: “Tá, agora me diga coisas que eu ainda não saiba”. Eu sei que aquilo foi um “me desculpa”, que você fez questão de me pedir depois.

Mas as brigas voltaram rapidamente, e essa era a pergunta que eu me fazia: “Onde é que vamos parar?”

 

Você tem pedalado sobre duas rodas toda sua vida
Não é como se eu estivesse pedindo para ser sua esposa
Eu quero te fazer meu, mas isso é difícil dizer
Isto está saindo de uma forma extravagante?

 

Eu me perguntei muito se o meu tanto desejado “nós” existia. Parecia mais Jeongguk e Taehyung. Ou melhor: Jeongguk, Taehyung. Separados e distantes. Eu tinha – tenho – saudades para caralho de quando você era só meu e eu só seu, mas parecíamos mais distantes do que somos de um desconhecido na rua. O pior, eu pensava que era coisa da minha cabeça.

 

Eu amo tudo o que você faz
Quando você me chama de burra pra caralho pelas merdas que eu faço
Eu quero pedalar em minha bicicleta com você
Completamente despida, sem rodinhas para você
Eu irei tirá-las para você

 

E por mais que esse trecho já tenha se passado, quanto mais próximo do final da música ele chega, mais sufocante ele se torna. Eu não sei. Foi à primeira coisa quando eu escutei a música – li sua tradução –. Ela tem a mesma entonação. Diz a mesmas palavras, mas por que caralhos eu enxergo diferente?

Porque eu traço uma linha do tempo, Taehyung, é por isso.

Você se lembra daquela festa que você me viu conversando com Park Jimin? Você disse que eu era o que? Se lembra disso?

Você me chamou de burro para caralho, Tae. Burro. Para. Caralho.

E eu lembro que doeu para caralho, porque as suas palavras naquele dia estavam afiadas para caralho, mais do que o normal, e que eu tentei te perdoar na hora, chorando para caralho porque eu te amava para caralho. Foi do caralho.

A minha outra parte queria apenas te mandar para puta que pariu, eu estava esgotado Taehyung. Esgotado. E foi o que fiz. Eu terminei com você.

E isso tem um ano e alguns dias. Para ser mais exato, um ano e três dias. Terminamos no dia 11 de Setembro de 2015. Eu aposto que você não se lembra ou ao menos se importa, mas eu me importo.

Eu não te superei Taehyung. Porque mesmo com todas as brigas constantes e chatas para porra que tínhamos, eu te amava, e, aparentemente, ainda amo. Nem fodendo que eu gostaria de retomar o que já tivemos – ao menos eu acho –, mas, mesmo assim, gostaria que soubesse disso.

Então... Eu te amo, seu babaca dos infernos.

 

Observação: Te mandei um e-mail porque sei que é a ultima coisa que vai olhar. Agora sim, tchau, demoniozinho.
Obsservação²: Mandei com nome de corrente porque uma parcela minha quer que você leia – eu não escrevei esse texto pra nada né – e sei que tu sempre para para ler correntes. Acha idiota e fica rindo.
Observaçao³: Não se de o trabalho de responder se não quiser.

Agora sim, com carinho ou ódio,
Jeongguk.

 

 

[email protected] para [email protected]

14 de Setembro de 2016 – Quarta-Feira, 16:00 pm.

 

Jeongguk você fala – escreve – demais.

Eu gostei da música, e também sinto saudades.

Ah, não se preocupe, eu li tudo; e por favor, pare de me comparar a um monstro, merda! Eu sei que pisei na bola muitas e muitas vezes, hoje enxergo isso com muito mais clareza. Só queria se perdoado, perdoado de verdade.

Obs: Seria, mas eu li o seu email nas notificações e na hora saí correndo pra olhar no computador porque meu celular tá uma lentidão do caralho. Me senti um trouxa, mas tudo bem.
Obs²: ACHO MESMO E AINDA FAÇO ISSO DHYFUISDKOF... Eu deduzi que fosse isso mesmo, você odeia correntes.
Obs³: Por que eu não me “daria o trabalho” em te responder? Eu sou um babaca, mas tenho educação... E minhas mãos coçaram para eu te enviar algo.

Eu sinto saudades para caralho e te amo para porra. Espero que um dia possamos nos ver por acidente na rua, só para eu te olhar ao menos.

Então acho que é isso,
Taehyung.


Notas Finais


Alguém aí reparou e-mail xavosin? TOP demais, foi pra dar uma descontraída topzera .qqqq

Espero que tenham gostado!
Outras fics kookv minhas:

Galaxy [única que não é OS] > https://spiritfanfics.com/historia/galaxy-6649065
Pacify her > https://spiritfanfics.com/historia/pacify-her-7059248
What If > https://spiritfanfics.com/historia/what-if-7078078
Você se foi, mas minhas memórias não > https://spiritfanfics.com/historia/voce-se-foi-mas-minhas-memorias-nao-6810634
Protecting the Healer > https://spiritfanfics.com/historia/protecting-the-healer-6724959


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...