História Dumb and Dumber - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias IKON
Personagens B.I, Bobby, Chanwoo, Donghyuk, Jinhwan, Junhoe, Personagens Originais, Yunhyeong
Tags Double B
Exibições 109
Palavras 1.986
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Fluffy, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oioioi
então pessoas, acho q eh agora q o enredo da fic realmente começa rsrs não me odeiem
ah, e tem uma personagem nova agora, e ela eu dou toda a razão pra vcs d odiarem rsrsrsrs

não revisei, já estou tendo d largar o pc e não tive tempo, sorry os erros
ba leitura

Capítulo 8 - Get outta my house


cabeça de Jiwon doía, se sentia como se estivesse de ressaca, mesmo não estando. Mas, por algum motivo não se incomodava, já que se lembrava de absolutamente tudo da noite passada.

Se lembrava de quando buscou Hanbin, lembrava de quando começaram a se beijar, se lembrava de seus olhos sobre si, lembrava da sua voz o chamando, de suas mãos possessivas sobre si, e principalmente, lembrava de sua resposta.

Ah, acima de tudo o que aconteceu naquele dia, aquele simples 'Sim' valeu mais do que tudo. Sonhava com aquele momento a dias, desde que percebeu estar apaixonado, era tudo o que mais queria. 

Hanbin era perfeito ao seu ver; bonito, adorável, engraçado... Jiwon não pedia por muito mais, nunca foi exigente. E, quem sabe, tenha sido isso que mais o derrubou em muitos relacionamentos, inclusive no que tinha acabado de sair.

Apenas de lembrar já lhe dava nojo.

Seus olhos abriram-se lentamente, sendo perfurados pela luz que vinha de fora. E, surpreendeu-se ao ver que seu amado não estava ali. No mesmo instante se levantou; era sua primeira noite dormindo juntos e Hanbin já havia levantado cedo? De fato era um ex virgem sem compreensão sobre as coisas.

Jiwon vestiu seu roupão, descendo as escadas e indo para a cozinha, onde finalmente encontrou o taxista arrumando alguma coisa. Por sinal, estava apenas com uma camiseta sua, que ficava maior em si. Não podia mentir, achou aquilo extremamente fofo.

Foi até ele silenciosamente e o abraçou pelas costas, encostando seu queixo no pescoço alheio, sentindo os pelos dali se arrepiarem. Sorriu por conta disso, ah ele é tão adorável; -- Bom dia.

-- B-bom dia... -- respondeu meio envergonhado, já com as bochechas levemente rosadas.

Hanbin preparava alguns sanduíches com presunto, mas pouco sabia Jiwon o que se passava em sua cabeça. Ele também lembrava da noite passada, e diferente do médico, ele não estava acostumado.

Para si era extremamente constrangedor. Fora sua primeira noite, e mais, com outro homem. Não era pouca coisa, mas precisava se acostumar com esse tipo de coisa, porque agora, provavelmente isso aconteceria muito mais frequentemente, logo que fechou um relacionamento com o mais alto.

E queria cumpri-lo, como queria.

Aquela noite apenas serviu para provar o quanto estava apaixonado. Faria qualquer coisa para agradar o gosto do outro, já que agora eram companheiros. Isso, é claro, incluía aprender a ser bom de cama. Nem queria imaginar o quão horrível devia ter sido para Jiwon aquela curta transa.

Por algum motivo, sabia que ele não era do tipo que passava dias sem transar com ninguém. Com o namorado, provavelmente isso era frequente, e solteiro, também sempre daria um jeito de ficar com alguém em qualquer festa. Ficar no teor mais erótico, é claro.

Mas agora, sabia que Jiwon era seu e ele só transaria consigo. 

Finalmente terminou os dois sanduíches, e olhou de canto para Jiwon, que retribuiu e se afastou. Levou os pratos para a mesa, e colocou cada uma na frente de um lugar, tendo cada um em cada extremo.

Jiwon não iria mentir, não havia gostado daquela configuração; ficaria mesmo de frente para Hanbin? Queria ficar ao seu lado.

E assim logo tratou de pegar o seu prato e caminhar para a cadeira do lado do taxista. De início esse último apenas aceitou, deixando que o mais alto ficasse ali. Era visível em seus olhos como estava envergonhado, quem sabe por estar apenas com uma blusa, ou pela noite passada, ou até mesmo a simples presença de Jiwon.

Enquanto comia seu sanduíche, não conseguia parar de observar Hanbin. Até com os movimentos mais simples, o simples ato de mastigar, já era o suficiente para Jiwon querer o analisar e apenas concluir mais e mais vezes como ele era bonito.

Assim que Hanbin terminou sua refeição, colocou as mãos sobre suas coxas, tentando puxar a camisa, e respirou fundo.

-- Você se sente bem? -- perguntou receoso, e Jiwon se perguntou o por quê daquela pergunta.

É claro que ele se sentia bem, como não se sentiria? Havia, finalmente, depois de tanto tempo, a pessoa que queria ali, naquele instante, o correspondendo da forma que sonhara. Não havia como estar melhor.

-- Claro, por quê? Você não?

Hanbin abanou a cabeça negativamente: -- Estou bem também... era só pra, ah nem sei. -- respondeu envergonhado, sorrindo torto muito corado. Da onde vinha aquilo tudo? Não sabia responder, eram coisas demais.

Jiwon segurou seu queixo, o fazendo ficar na sua altura e aproximou-se, juntando seus lábios num selo longo, sem se aprofundar mais, mas já o suficiente para confortar e relaxar o taxista. 

Os lábios de Hanbin eram doces e macios, perfeitos na visão do médico, e não podiam desgrudar dos seus, era um crime o fazer. Na verdade, era um crime ferir o mais baixo, um crime fazer, dizer, ou até mesmo pensar algo de ruim sobre ele. Hanbin era um pecado.

Se separaram e Jiwon olhou profundamente nos olhos do outro. Já Hanbin, continuava confuso. O outro lhe deixava perdido, sem saber o que pensar ou fazer, apenas queria desfrutar de todos os momentos ao seu lado.

-- Não precisa ficar inseguro dessa forma comigo, está tudo bem.

Hanbin assentiu, sorrindo torto e depois sendo abraçado pelo outro. Ah, aquele abraço quente e confortante, Jiwon tinha um cheiro tão bom, sua pele era tão macia, seus cabelos a mistura dos dois, poderia ficar ali para sempre. E seus braços fortes e quentes ao redor de si, nem se falava.

Se o paraíso existe, era nos braços de Kim Jiwon.

E, enquanto estavam daquela forma, o médico sente um pequeno desconforto de Hanbin. De início achou que fosse consigo, o contato, mas depois percebeu a inquietude de suas pernas.

-- Doí algo? -- questionou.

-- Sim, um pouco...

Jiwon rio pelo nariz com a resposta do outro, já sabia o que havia sido, e até se tachou de idiota por ter esquecido. Era a primeira vez de Hanbin, logicamente doeria um pouco, e quem sabe até na segunda vez iria o acontecer.

O médico levou sua mão para o fim da coluna do outro, e acariciou ali, arrancando um arrepio longo do outro, mas logo se ajeitou melhor no outro, aproveitando o perfume que esse lhe proporcionava.

 

 

 

-- Nos vemos amanhã então?

Hanbin estava conversando com Jiwon pela janela aberta do carro do último. O médico já havia o levado para sua casa, logo que o taxista ainda tinha um turno noturno para fazer, e precisava descansar pelo resto do dia.

Não que ele quisesse descansar daquele jeito, preferia ficar ao lado do outro.

-- Pode ser, eu te busco para irmos ao cinema. -- Hanbin sorriu com a resposta do outro, o dando um último beijo rápido e se afastando em seguida.

-- Até amanhã, amor.

E Jiwon deu partida, deixando o namorado. Já Hanbin, observou o carro desse ir até virar numa rua. Nem sequer parecia que havia sido um dia e uma noite na casa do outro, apenas algumas horas, na verdade.

Entretanto, Jiwon não voltou para sua confortável residência, e sim, seguiu para o Centro Medicinal Militar. Não, não estava trabalhando, ao menos até ir para a 'guerra', mas de qualquer forma, possuía coisas para resolver, mesmo que não envolvessem diretamente o seu emprego.

Assim que parou na frente desse, não precisou rodar muito os olhos que já encontrou quem queria, parado em frente à porta de vido fechada. Bonito, como sempre; pensou, destrancando o carro e deixando que o outro entrasse e sentasse-se ao seu lado. 

Cabelos negros, olhos semelhantes, com traços delicados, um sorriso arrogante no rosto e pouca coisa mais baixo que Jiwon. Vestindo roupas completamente pretas, percebe então o desgosto no olhar de Jiwon sobre si, se divertindo com aquela situação.

E o médico da partida, ainda sem o fitar ou dizer qualquer coisa. Um silêncio teria se instalado ali, se o rapaz não fosse tão extremamente mimado: -- Bá, vamos lá Jiwon, você sabe que não gosto desse silêncio todo.

O mais alto revirou os olhos: -- Eu sei, mas já que se incomoda tanto assim, me diga uma vez; o que você quer?

-- Ora, não é lógico? -- aguardou Jiwon parar numa vaga, e abraçou seu braço, aproximando seu rosto do outro, que recuou. -- Eu quero me desculpar, quero voltar, recomeçar.

Jiwon fez uma cara de desgosto, afastando o mais novo de si. Recomeçar? Ele estava zoando com a cara do médico. Jiwon não era louco de voltar com alguém que fez o que fez, e mais, não parecia possuir um pingo de arrependimento.

-- Não, Hongseok.

Hongseok, esse o ex namorado de Jiwon, aquele que Hanbin questionara quem era. O cara que Jiwon se sentiu apaixonado como nunca antes, aquele que mesmo arrogante e mimado, continuava a encantar o outro com sua extrema carisma.

E Hongseok seria perfeito, se não fosse tão mentiroso.

Ele mentia bem, e como mentia. Fazia isso tão bem, que fora capaz de esconder coisas para Jiwon pelos seus 3 anos de relacionamento. Ele tinha a confiança de Jiwon e seus amigos, tinha a confiança até mesmo da família do médico, mas conseguiu perder tudo isso de uma hora para outra. 

-- Por que não, Jiwonnie? Você me ama, não ama? Eu estou me humilhando vindo aqui, pedir de joelhos para que me perdoe e recomece comigo. Por favor.

-- Não, Hongseok, eu já disse. Cagada assim mesmo perdoando, não dá para simplesmente ignorar e voltar como se nada tivesse acontecido. -- Jiwon dizia sem muita paciência. Essa já havia se esgotado a muito tempo com Hongseok.

-- Mas você me ama, não ama?

Jiwon travou. Não, ele não amava, não tinha o direito, ele estava apaixonado por Hanbin, e como estava. Hongseok era passado, apenas uma lembrança ruim, é, com certeza.

Já eram meses, ele não guardava mais nenhum sentimento pelo outro, absolutamente nada. Quem sabe, ao lembrar desse ao seu lado, viesse algum aperto no peito, mas no instante que lembrava do sorriso de Hanbin, tudo isso sumia e era substituído pelo seu desejo ao taxista.

-- Não... -- respondeu com um tom mais baixo, e essa fora a gota d'água para Hongseok.

-- Não? Como assim, 'não'? -- disse com um tom de voz mais alto. -- Você já achou outro, é isso?

-- Sim, é isso. -- respondeu com o mesmo tom de autoridade do outro, fazendo-o arregalar os olhos. Para Hongseok, contraí-lo daquela forma era o mesmo de um crime terrível.

-- Tudo bem então, vai lá com a sua nova 'putinha'. -- fez feições sarcásticas, juntamente do tom semelhante.

Entretanto, Hongseok já estava passando dos limites, ao menos para Jiwon. Eles eram opostos, e quem sabe por isso tenham se dado tão bem de início, e agora viam o inferno que era conviver um com o outro.

-- Não chame Hanbin dessa forma!

E acabou por deixar escapar, percebendo apenas depois que viu um sorriso se formar nos lábios do outro. Merda merda merda merda, eu não devia ter dito isso; apedrejou-se.

-- Hanbin, huh?

-- Saia agora do meu carro. -- falou Jiwon num tom ameaçador, e Hongseok ignorou. -- Anda logo, saia! -- gritou, e a esse nível, o mais novo se pôs em seu lugar, deixando o carro do outro.

Jiwon deu a partida, deixando aquele lugar, sem ao menos olhar para o rosto de Hongseok uma última vez. Entretanto, porém, contudo, esse não conseguia parar de sorrir e rir do outro.

-- Hanbin, é Jiwon?! Não se preocupe, seu relacionamento será perfeito agora! -- gritou, mesmo sabendo que o outro não o ouviria. E fechando o punho, abriu um sorriso de orelha a orelha, soltando as palavras que, se o taxista tivesse ouvido ou soubesse da existência, temeria o mais novo como nunca achou que algum tia temeria a alguém.

 

Você vai me pagar tanto por isso, eu juro Hanbin, eu juro...


Notas Finais


tANTANTAAAAAAAAAAAAAAN
gent apoiem bastant o hongseok no pentagon, keep calm. ele debutou lá, se não me engano, né? só odeiem ele aqui na fic mesmo UAHSAUHSAU
e se vcs nao se lembram do hongseok, eh o trainee q entrou junto do chanwoo e do jinhyeong, laaaa no mix and match

well, comentários?

tt; @ihbinnie


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...