História Dust in the Wind - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Criminal Minds
Personagens Aaron Hotchner, Derek Morgan, Dr. Spencer Reid, Emily Prentiss, Jason Gideon, Personagens Originais
Tags Bullying, Criminal Minds, Cyberbullying, Hotchniss, Novela, Romance, Suspense
Exibições 64
Palavras 2.165
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá, meus amores!

Capítulo sendo postado hoje. Ontem não deu para postar.

Espero que curtam!

Capítulo 19 - Orgulho ferido


Fanfic / Fanfiction Dust in the Wind - Capítulo 19 - Orgulho ferido

Washington — DC

 

Assim que chegou ao hotel, Emily tirou o casaco e foi tomar um banho. Passou horas debaixo do chuveiro refletindo. Ela sabia o que tinha que fazer, mas seu orgulho a impedia de levar essa decisão a adiante. Mas quando chegou à conclusão de que seria a única forma de salvar a vida da filha, resolveu engolir seu orgulho.

Ela saiu do banho e vestiu uma camisola de cor coral pink. Estava bastante exausta e por isso foi logo deitando na cama. Pegou o celular no criado-mudo, respirou fundo e fez uma ligação. A cada toque, o coração dela acelerava e parecia que falta-lhe ar nos pulmões. Mas logo atenderam.

— Alô — disse a voz feminina assim que atendeu o telefone. Emily ficou calada tentando criar coragem, enquanto a pessoa ficava perguntando quem estava falando.

— Mãe — falou Emily criando coragem.

— Emily? É você filha? — perguntou a Senhora Elizabeth Prentiss — aconteceu alguma coisa?

— Ainda não — os olhos de Emily já lacrimejam e sua voz estava chorosa — mas eu preciso da sua ajuda.

— Me conta logo, Emily, o que está acontecendo? — perguntou a Senhora Prentiss já muito preocupada — é alguma coisa com o bebê?

— Não, mamãe. O bebê está bem... é a Wendy.

— O que tem minha neta?

— Eu preciso da sua ajuda para protegê-la — disse Emily — eu deveria ter pedido isso há 10 anos...

— Filha, se acalme — pedia Elizabeth — você está grávida, não pode se exaltar.

— Eu sei, mas eu me sinto tão culpada por tudo que está acontecendo com a Wendy. Eu a coloquei nisso tudo e agora ela está em perigo por minha culpa. E só você pode salvá-la.

— Me diz o que tenho que fazer para ajudar minha neta, que farei — disse Elizabeth — mas por favor, querida, se acalme. Lembre-se que também tem outro filho para se preocupar.

— Tudo bem — respondeu Emily se preparando para contar a história para a mãe.

 

***

 

Hotch assim que terminou de falar com o irmão foi imediatamente para o aeroporto. O tempo que ele levaria para chegar lá, era praticamente a mesma duração do voo de Sean. Hotch insistia ligando para Wendy, mas o celular estava desligado ou fora de área, como ele não quis preocupar a esposa, preferiu ligar para Elle e pediu que ela fosse no hotel averiguar se a filha estava lá.

Aaron chegou ao aeroporto e teve que aguardar alguns minutos até Sean chegar, o que pareceu uma eternidade. Mas ele logo chegou, e estava com um cara bastante preocupada.

Sean apareceu no portão de desembargue segurando apenas uma bagagem de mão. Ele vestia uma camisa manga longa de linho na cor magenta e uma calça preta. Ele estendeu a mão para o irmão e abraçou e pode sentir a tensão em que o mesmo se encontrava.

— Cadê a Wendy? — perguntou Hotch — ela me disse que havia ido para Nova Iorque.

— Ela disse? — indagou Sean surpreso.

— Eu recebi uma mensagem do celular dela dizendo isso.

— Vamos nos sentar — pediu Sean.

— Não vai me dizer logo onde está Wendy.

— Sim, quando estivermos sentados — falou Sean que também estava bem tenso.

Os dois sentaram-se em uma cadeira longarina cromada de três lugares que havia no aeroporto. Sean pegou sua mochila, abriu e tirou um envelope amarelo de dentro.

— Eu recebi esse envelope — disse Sean entregando a Aaron — e a pessoa que me entregou, me deu instruções.

— Que instruções? — perguntou Hotch enquanto tirava o lacre do envelope.

— Ele disse para conversar com você pessoalmente, nada de ligar para seu celular ou conversar com você nas dependências do FBI ou qualquer outro Órgão do Governo, sob pena de eles matarem Wendy.

— Quem falou isso? — perguntou Hotch desesperado — eles pegaram Wendy? Me descreva essa pessoa?

— Por favor, acalme-se. Ele disse que nem a polícia e nem o FBI podem saber disso, senão eles matam Wendy.

— E por que eles te procuraram?

— Por que eu sou o parente mais próximo que não tem ligação com nenhum Órgão do Governo — respondeu Sean prontamente.

Aaron abriu o envelope e ficou desnorteado por alguns segundos lendo o que estava lá.

— Eu tenho que ligar para o Reid — falou Hotch pegando o celular e fazendo a ligação.

 

***

 

Emily contou toda a história para a mãe que havia contado para Elle mais cedo.

— Filha — disse Elizabeth — por que não contou para mim e seu pai na época. Nunca teríamos permitido que se arriscasse tanto e ainda mais envolvendo Wendy nisso.

— Eu não queria ficar te pedindo favores a vida toda — respondeu Emily ainda com a voz chorosa — e também não queria me separar da minha filha. Ela já sofria tanto por causa das ausências do Hotch.

— Eu vou falar com seu pai e ver o que faremos — respondeu Elizabeth Prentiss — ainda hoje te dou um retorno.

— Obrigada, mãe.

— De nada... mas Emily, sempre que tiver esses problemas que envolvam riscos à sua família, não hesite em me procurar. Eu sempre vou fazer de tudo por você, pelo Hotch e pelos meus netos. Todas as pessoas que são importantes para você são importantes para mim.

— Tudo bem, eu aprendi a lição. Tchau, mãe. E obrigada!

— Tchau, filha.

Emily desligou o celular e de certa forma, ficou mais tranquila. Deitou-se, ficando relaxada e resolveu ficar esperando Wendy e Hotch voltarem.

 

***

 

A avenida Independece estava bastante movimentada. Uma ambulância e carros da polícia e perícia criminal averiguavam o que parecia ser um acidente. Um carro de passeio na cor preta havia batido numa árvore.

Logo que retiraram o corpo das ferragens, perceberam que o rapaz havia sido baleado.

— Ele ainda está vivo — disse um dos paramédicos verificando o pulso e os batimentos cardíacos.

— Tem alguma identificação? — perguntou um detetive. Ele era bem alto, magro atlético, cabelos castanhos escuros e vestia uma casaco azul marinho por cima da sua camisa de linho amarela e uma calça preta.

— Achei a carteira — disse o mesmo paramédico após colocar a mão no bolso do rapaz enquanto os outros prestavam os primeiros socorros. Ele entregou para o detetive.

— O nome dele é Daniel Parker, britânico, 20 anos — disse o detetive — não possui residência fixa aqui nos Estados Unidos.

 

FLASHBACK ON

 

Wendy e Daniel saiam do FBI. A garota ainda estava se sentindo muito mal pela Senhora Baxter e por isso chorava bastante.

— Wendy — disse Daniel quando entravam no carro, percebendo o mal estar da garota — quando isso tudo acabar, a Senhora Baxter vai te perdoar.

— Eu não sei — respondeu Wendy tentando conter o choro — eu acho que nem eu me perdoo pelo que eu fiz. Eu fui muito má não só com a Rachael, mas com todo mundo e eu não me orgulho disso. A Ravenna estava certa quando disse que eu só me aproximei da Vanessa por sentir pena dela.

— Mas e agora? — perguntou Daniel enquanto dirigia.

— Agora o que? — indagou a garota sem entender o que o rapaz quis dizer.

— Continua sendo amiga dela por sentir pena?

— Não — respondeu Wendy firme — a Vanessa é muito legal, divertida e verdadeira. Eu gosto muito dela.

— Se te serve de consolo, eu confesso que também virei seu amigo por pena — disse Daniel.

— Por pena? — indagou Wendy — como assim? Pena?

— Lembra do que os garotos fizeram com você no primeiro dia de aula? Pois é, eu fiquei com pena de ver você correndo para pegar seu caderno enquanto os garotos ficavam jogando para um e outro.

— Claro que me lembro disso — respondeu Wendy já estando mais relaxada — mas eu sempre imaginei que você tivesse se apaixonado à primeira vista por mim, por isso foi me defender.

— Voltou a ser a Wendy convencida de sempre — disse Daniel sorrindo e arrancando uma risada dela.

— Sinto falta disso, sabia? — falou Wendy.

— De ser convencida — brincou Daniel.

— Não, seu bobo — falou Wendy sorrindo — de como as coisas eram antes, quando erámos adolescentes... antes de eu ser a garota convencida.

— Eu também sinto — disse Daniel — só que eu nunca entendi o que aconteceu de verdade para você ter mudado tão drasticamente — continuou o rapaz — o que seu padrasto te fez?

Nem deu tempo de ela pensar responder, quando somente ouviu-se um tiro que acertou bem no peito de Daniel. Na mesma hora, ele perdeu o controle do carro, mas ele conseguiu apertar o freio, o que fez com que ocorresse uma desaceleração brusca da velocidade do carro, mas mesmo assim não evitou a colisão com uma árvore.

O airbag foi ativado, o que evitou danos maiores. Mas Wendy viu o “mundo” a sua volta girar. Estava tonta devido ao grande impacto. Sentiu a porta do seu lado abrir, mas não conseguia ver quem era... aos poucos foi perdendo a consciência.

 

FLASHBACK OFF

 

***

 

Hotch falou com Reid pedindo que ele fosse para o aeroporto. Assim que desligou o celular, ele ficou calado e com ar de muito preocupado.

— O que tem ai? — perguntou Sean percebendo que Hotch lera algo grave.

— Sequestraram a minha filha — disse Hotch — eles querem que eu liberte Phillip em troca da minha filha.

— Phillip? O ex-marido da Emily? — perguntou Sean.

— Esse mesmo!

— E você vai fazer o que estão pedindo, não vai? — perguntou Sean preocupado.

— Eu não tenho poder para isso — respondeu Hotch estando bastante zangado — e nenhum promotor ou juiz vai concordar com isso.

— Mas Hotch... é a sua filha que está risco. A filha de um agente especial do FBI que dedicou a vida em benefício do bem estar do povo — retrucou Sean — está na hora de eles fazerem algo por você, já que você já fez tanto para o bem da população.

— Porém a matemática de um juiz e promotor é simples — respondeu Hotch — Phillip é um assassino, soltar ele em detrimento a uma vida seria condenar várias outras. E eu concordo com eles quanto a isso.

— Então o que será feito? — perguntou Sean.

— Eu não sei — respondeu Hotch — mas eu vou na Califórnia com Reid.

— E por que levar esse rapaz?

— É uma exigência de Phillip.

— Eu vou com vocês — disse Sean.

— Não — respondeu Hotch — você vai para o hotel ficar com a Emily. Ela está grávida. Você vai dizer a ela que eu viajei para Quantico e que Wendy foi para um jogo em outra cidade, para ela não se preocupar.

— Não vai ligar para ela avisando? — perguntou Sean.

— Ligo quando chegar na Califórnia — respondeu Hotch prontamente.  

Um clima pesado se instaurou.

— É impressão minha ou você e a Emily estão tendo uma crise?

— Não é da sua conta — respondeu Hotch ríspido.

— O que foi dessa vez? — insistiu Sean.

Não deu tempo de Hotch responder, Reid acabara de chegar. Ele se aproximou lentamente com seu jeito tímido. E logo cumprimentou Hotch e Sean. Os três ficaram em pé.

— Reid, eu preciso da sua ajuda — disse Hotch.

— Claro, mas como posso te ajudar? — perguntou Reid.

Hotch respirou fundo levando as mãos à cabeça.

— É a Wendy — disse Hotch.

— O que aconteceu com ela? — perguntou Reid preocupado.

— Leia você mesmo — falou Hotch entregando o envelope que recebera.

Reid então leu: “Estamos com sua filha e queremos trocá-la por Phillip Froster. Você não pode contatar a polícia ou FBI ou qualquer outro órgão do Governo sob a pena de receber a cabeça da sua filha numa bandeja. Para a realização da troca, exigimos também a presença do Doutor Spencer Reid. Voltaremos a contatá-lo para informar data e local da troca”.

Spencer ficou por alguns segundos desnorteado, tentando juntar as ideias. A ficha não caia e ele se imaginava num pesadelo e que a qualquer momento poderia acordar. Wendy mais uma vez foi colocada em perigo e mais vez por Phillip Froster.

— O que vai fazer? — perguntou Reid tentando conter sua preocupação — sabe que mesmo que levemos Phillip, não é garantia que eles não vão soltar Wendy. Ele precisa dela para realizar a movimentação do dinheiro dele.

— Eu sei, mas eu não consigo pensar em nenhuma alternativa — disse Hotch — e como eu vou fazer para tirar Phillip da cadeia?

— Eu tenho uma ideia — disse Reid.

— Pois me diga quando estivermos no avião — falou Hotch — nós vamos agora para a Califórnia.

 

***

 

Sean saiu do aeroporto e pegou um táxi para o hotel que Emily estava conforme Hotch sugeriu. Assim que chegou ao hotel, fez o check-in e logo após foi para seu quarto, guardou suas coisas e em seguida foi procurar a cunhada. Chegando lá, ele tocou a campainha e logo Emily veio atender.

— Sean — falou Emily surpresa ao vê-lo. Ele olhou para dentro do apartamento e viu Elle — o que faz aqui?

— Eu vim visitar minha família — respondeu Sean — mas Hotch teve que viajar a trabalho e a Wendy também viajou para um jogo.

— O que vocês estão escondendo de mim? — perguntou Emily exaltada.

— Nada — respondeu Sean.

— Primeiro veio Elle perguntar por Wendy e depois vem você com essa história mal contada — disse Emily.

— Mal contada por qual motivo? — perguntou Sean.

— Desde que fiquei grávida, Hotch e Wendy nunca me deixaram sozinha, é um trato que os dois tem e nenhum dos dois quebraria — respondeu Emily — por isso eu exijo que me digam onde está minha filha e meu marido.


Notas Finais


E agora? O que vai acontecer? Qual será a ideia do Reid?

Palpites e sugestões são sempre bem-vindas. A opinião de vocês é muito importante.

O próximo capítulo será postado no sábado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...