História E o inferno se transforma - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Alfa, Ômega, Sadomasoquismo
Exibições 343
Palavras 1.386
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


primeiramente espero que gostem dessa capítulo e agradeço pela quantidade de favoritos que já atingimos. vocês são demais.

Capítulo 6 - Depois daquilo


Sei que ele é só meu mestre e eu não devia sentir nada por saber que ele estava... (como vou falar isso não soando uma pessoa vulgar?!) ... introduzindo seu pênis na vagina dela (acho que não soou vulgar, que bom). Mas em vez de não sentir absolutamente nada, eu senti um misto de repulsa, raiva, angustia, tristeza. Me senti como se estivesse sendo traído. Será que estava? Obviamente não. Ele me comprou. Sou apenas seu brinquedo satisfatório e sua “empregada”.

Pensar isso me dói. Pensar que só sou sua posse. Sem amor.

 

~4:50 do dia seguinte~

Ontem consegui dormir apenas as 3:00 horas da manhã e acordei agora.

Na verdade, mal dormi porque acordava de 20 em 20 minutos com um pesadelo em relação a mais cedo.

Aproveitei que não estava conseguindo voltar a dormir e já me levantei para fazer as coisas.

Vou fazer tudo que faço pela manhã (café da manhã, limpar algumas partes da casa) até dar mais ou menos 5:30 da manhã e voltarei a dormir.

 Não quero ver ele tão cedo.

Acho que seria capaz de começar a chorar só ouvindo ele falar um simples “bom dia”.

Tomei uma ducha rápida, quando digo rápida, é literalmente rápida. Demorei apenas 3 minutos.

Desci a escada em silencio.

Comecei a preparar um café, dois sanduiches naturais e um potinho de salada de fruta.

Arrumei isso na bancada só para ele e terminei de limpar a cozinha.

Quando estava organizando as coisas da sala, encontrei a calcinha daquela mulher de ontem a noite.

Respirei fundo pra não chorar, peguei aquele minúsculo tecido e joguei no lixo da lavanderia.

Olhei o relógio da cozinha e vi que já era 5:28.

Ótimo.

Hora de voltar pra cama.

Voltei para o meu quarto em silencio e me deitei em minha cama.

Alguns minutos depois ouvi o despertador do meu dono tocar e um ranger de cama.

Logo depois barulho de passos na escada e o silencio.

Achei que ele tinha ido tomar seu café da manhã, mas não, logo depois ouvi passos na escada de novo.

Quando ouvi ele vindo em direção ao meu quarto, fechei meus olhos e fingi que estava dormindo.

Logo ouvi minha porta se abrindo bruscamente e ele vindo em direção a minha cama.

Bruscamente ele segura meus ombros e me senta na cama

-“por que você não estava na cozinha no momento que me levantei?” falou com raiva

-“ eu aproveitei que tinha acordado mais cedo e aproveitei e preparei seu café da manhã e organizei algumas coisas, então voltei a dormir e arrumarei o resto das coisas depois que o senhor for trabalhar” falei com um falso tom de sono em minha voz.

-“quero você lá em baixo agora” falou autoritário

-“mas por que senhor? Seu café já está pronto, já organizei a cozinha e terminarei de arrumar a casa depois” falei com uma certa duvida

-“você irá me fazer companhia como você faz toda manhã. Estou pouco me fudendo se você já fez meu café e já arrumou algumas coisas, quero você lá em baixo agora” falou já se levantando e me puxando pelo pulso.

Me desvencilhei das cobertas e o segui para a cozinha ainda sendo puxado por ele.

Chegando ao nosso destino, ele soltou meu braço e se sentou no banco da bancada já começando a comer.

Me sentei também e fiquei olhando para minha mão enquanto brincava com meus dedos.

-“já terminou de ler O Senhor dos Aneis?” me perguntou tentando puxar assunto.

Apenas neguei com a cabeça

-“e Harry Potter?” confirmei com a cabeça.

-“gostou da historia” fiz o mesmo processo de confirmar com a cabeça.

-“qual é o seu problema?!” falou com certa raiva que me assustou.

-“me responda caralho!” suspirei

-“apenas não estou disposto para conversar” ele riu da minha resposta

-“ foda-se, eu sou seu mestre. Você me deve respeito. Ou você me responde corretamente e com o ânimo que tem toda manhã, ou irei te punir. E fique sabendo que minhas punições não são nada agradáveis”

-“okay mestre” sussurrei derrotado e logo suspirei –“achei a história de Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban muito enigmática mas ao mesmo tempo muito óbvia. Adorei saber do novo casal da história e fiquei com mais raiva do Snape” respondi sua pergunta anterior.               

-“que bom pra você que voltou a falar comigo, agora só falta a animação” falou –“estou indo, minha hora já deu” falou se levantando e vindo em minha direção.

Segurou meu queixo e aproximou seu rosto pronto para me dar um beijo.

Desviei meu rosto e ele ficou com uma cara de indignação.

Segurou meu rosto agora mais forte e me beijou.

Não o correspondi.

-“quando eu chegar em casa espero que você não faça isso de novo, ou será punido” falou já na porta.

Logo bateu a porta e eu corri para o meu quarto.

Me joguei em minha cama e chorei. Chorei como nunca.

~11:12 da manhã~

Já terminei de arrumar a casa, já tomei meu banho e o almoço já está pronto.

Estou sentado na minha cama e mexendo no meu celular.

Me conectei nas minhas antigas redes sociais e comecei a conversar com um antigo amigo virtual.

Ele também é ômega e se chama Justin.

Ele também tem um dono, mas este agora o trata como um namorado, eles já estão até noivos.

No começo ele me dizia que o mestre dele era um merda pra ele, mas deixava ele mexer em um tablet que ele ganhara de seu mestre.

~conversa on~

Eu: oi Justin, aqui é o Michel

Ele: Michel, quanto tempo pequeno
Como vai sua vida? Faz tempo que
você não fala comigo ;-;

Eu: não vou dizer que está boa
porque meus pais me venderam ;-;

Ele: me conta isso direitinho

Eu: bom, nós estávamos com muita necessidade
então meu pai me vendeu pro filho de seu chefe.
Ele já de inicio queria transar comigo mas o
convenci de esperar meu cio, mas ele quis em troca
que eu fizesse um tal de boquete nele sempre que
ele quiser.

Ele: mas você gosta dele?

Eu: não sei, ontem peguei ele transando com sua
secretaria na nossa cozinha e confesso que fiquei
triste mas sei lá, não deve ser nada

Ele: hm, entendo.
desculpa amorzinho mas tenho que ir, meu
noivo chegou ;)

Eu: depois você que irá me contar essa história
todinha. Beijos

Ele: mais tarde te conto, beijos

~conversa off~

Conversar com ele sempre me faz bem.

Logo escuto o barulho da porta de entrada, respiro fundo e desço as escadas

-“bom dia mestre” vou até ele e lhe dou um selinho, afinal não quero ser castigado

-“bom dia bichinho” confesso que esse apelido que ele me deu me deixa bem triste pois diz como ele me vê, apenas como um bichinho. –“ hoje não estou com fome, pode comer sozinho que irei para meu escritório. Depois que você terminar a almoçar e arrumar as coisas, vá até meu escritório” falou e logo em seguida subiu as escadas

...

Depois do almoço e de arrumar tudo, fui até o banheiro do meu quarto e escovei meus dentes e fui para seu escritório.

Dei três batidas na porta e entrei quando ele me permitiu.

Ele se encontrava sentado em sua cadeira e logo que me viu disse apenas um “você sabe o que deve fazer agora”.

Me dirigi até sua frente e me ajoelhei.

Abaixei sua calça e tirei seu membro de sua cueca box preta.

Coloquei aquilo em minha boca e comecei a fazer movimentos de vai-e-vem.

Ele segurou em meus cabelos e me deu um puxão forte no mesmo.

-“eu quero que você olhe em meus olhos enquanto está fazendo isso” disse autoritário.

Voltei a chupa-lo, mas dessa vez olhando em seus olhos.

De vez em quando ele gemia um pouco e seu olhar transmitia luxuria.

Logo ele começou a ditar os movimentos e rapidamente senti aquele liquido descer minha garganta. Engoli.

-“você foi ótimo, já terminei o que estava fazendo aqui. Que tal você se deitar comigo para descansarmos um pouco?!” ele mais mandou do que perguntou, então tive que ir.

Nos deitamos na sua cama e ele me abraçou.

Eu me aconcheguei em seus braços e me permiti dormir abraçado ao meu dono pois sabia que não tinha outra escolha.


Notas Finais


O que achou desse capítulo?
Até o próximo seus lindus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...