História E Quanto Às Borboletas? - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Astro, Borboletas, Drama, Romance, Superação
Exibições 5
Palavras 1.325
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 8 - Capítulo 7


- Poxa cara! Sai desse celular, se eu soubesse que você iria ficar nele o tempo todo nem teria te chamado.

Hoje faz 4 dias que Abby têm me ignorado, já liguei várias vezes no número que ela havia salvo e nada. Fui sem falta ao borboletario nesse dias, mas nada dela.

Eu não sei o motivo dela ter sumido assim. Repassando todos os momentos que tivemos desde que ela caiu em mim, não consegui achar nada que fosse razão suficiente para ela se afastar.

Pode parecer estranho, um cara como eu estar tão incomodado por ser ignorado, admito que isso nunca aconteceu antes e talvez se fosse qualquer outra garota eu não me importaria, mas não é qualquer outra garota.

- Para de gracinha Steve, você parece uma daquelas garotas histéricas indo comprar o primeiro presente para o namorado. E olha que a Brooke não é nem a ficante da vez.

- Bem, se você quer que a Brooke saía do seu pé poderia se empenhar mais em me ajudar. E não ficar desaparecendo todo dia depois das aulas. - Steve reclamou ainda olhando as prateleiras.
- Eu tenho de admitir que Brooke deu uma sumida do mapa depois que briguei com ela. - Nós estávamos andando no shopping há umas duas horas em busca de um presente para Steve dar à Brooke de aniversário, e eu já estava ficando cansado e irritado - Você tem certeza de que vai achar o presente em uma livraria? Vamos combinar que Brooke e livros são duas coisas que não combinam. - Ele me olhou com uma cara nada boa por conta do meu comentário totalmente inocente.

- Brooke é uma garota legal, a casa dela fica na mesma rua da minha casa, crescemos praticamente juntos. - Meu Deus, ele gosta dela.

- Humm, alguém aqui parece apaixonadinho!

- Cala a boca Tim. - Steve seguia concentrado olhando as prateleiras. - Olha esse, acho que ela pode gostar.

Ele pegou um box de filmes 'Jornadas nas Estrelas' e estava lendo a sinopse.

- Eu não vou dar mais palpite nenhum. A vizinha é sua, a amiga é sua, então é você quem decide. - Ele me olhou com uma cara azeda e eu não segurei a risada.
- Como você é inútil James, pra que você veio mesmo?
- Você me obrigou Steve, não se esqueça desse pequeno detalhe.
- Vai ali se foder enquanto eu vou no caixa pagar. - Ele não me deu atenção enquanto enquanto ia para o caixa segurando o box.
- Quem vai se foder é você amiguinho, prevejo um bad boy se apaixonando.

Ele me mostrou o dedo do meio enquanto eu voltei rindo para os corredores da livraria. Foi inevitável pensar em Abby quando passei na seção de livros didáticos e vi vários sobre natureza e bichos.

Peguei alguns e os folheei antes de decidir se ia ou não comprar algum para ajudar no seminário. Estava tão concentrado em o índice do livro que quase o derrubei quando meu celular tocou, a possibilidade de ser Abby me deixou afoito, e quase acabei derrubando o celular no chão junto com o livro.

Nem me preocupei em olhar o visor antes de atender e colocar o celular na orelha.

- Abby #! - uma risada masculina tomou conta da linha e eu franzi um pouco a testa me sentindo confuso, será que Abby estava tomando algum hormônio#

- Você tinha que ver a sua cara Tim. Foi hilário!

-Cadê você Steve# Eu vou socar a sua cara seu viado!

- Bem atrás de você mocinha.

Desliguei o celular, e o vi assim que me virei. O infeliz parecia ter um ataque de tanto rir, e riu mais ainda quando viu a minha cara.

- Eu queria ter gravado isso. Foi realmente hilário!

- Nossa, como você é engraçado Steve! Pode não parecer mas eu tô gargalhando por dentro

- Maravilha, já paguei o presente, vamos embora

- Eu só vou pagar uns livros que eu separei.

Ter que aguentar Steve me imitando atender o celular até a hora do almoço não foi fácil, mas não falei nada, seria pior ainda ter que explicar sobre Abby. No instante de paz que eu tive quando Steve foi buscar nosso almoço, já estava com o celular em mão de novo para tentar falar com Abby.

O som da chamada me deixava ansioso e fazia com que minha expectativa aumentasse ao extremo... tudo só para me decepcionar novamente ao escutar a mensagem da caixa postal gravada pela mulher da operadora. Ignorado com sucesso, mais uma vez.

- Se você pegar nesse celular de novo, eu vou jogar ele na privada. Essa garota tá fodendo com a sua cabeça cara. - larguei o celular na mesa e passei as mão com força no rosto, já cansado.

- Me fala alguma coisa que eu não sei!

***

Por mais que fosse sábado e tudo que eu tenha feito no dia foi ir ao shopping com Steve, eu me sentia um zumbi. Ter ido dormir de madrugada e acordar às 7:00 da manhã não foi um bom negócio, mas o que eu podia fazer se era só me deitar que Abby já e vinha em mente, não que eu precisasse estar deitado para que isso acontecesse.

O cansaço já estava me vencendo e eu sabia que não adianta lutar contra ele, não queria, por isso só me acomodei melhor e me cobri com a coberta que estava na cama. Minha mente começou a trabalhar em imagens, todas com Abigail, e eu me deixei mergulhar nelas.

***

- Nunca pensei que eu, algum dia, viveria para ver essa cena sem ter que falar alguma coisa.

Acabei levando um susto com meu pai, que pareceu surgir do chão já que eu não escutei nenhum som dele se aproximando. Eu realmente me distrai com o seminário.

- Mas que coisa pai! Precisa aparecer assim# Você me assustou.

- Eu fico feliz de ter te assustado por você estar concentrado fazendo esse trabalho e não navegando em algum site pornográfico.

- É um seminário pai e não um trabalho, aliás você vai ter de concordar que eu não preciso de um site pornográfico, as meninas caem matando.

- Sabe... eu percebi que você não tem saído tanto à noite, e eu também não tenho visto aqueles seus amigos estranhos.

- Impressão sua pai.

- Eu acho que não. Se realmente estiver acontecendo o que eu estou pensando, então eu tenho que dar algum crédito para essa garota.

- De quem você tá falando?

- Da senhorita Willians Tim! De quem mais seria?!

- Sei lá, e quanto à Abby, - fiz questão e frisar seu nome, senhorita Willians não me parece legal se tratando de Abby - eu não sei o que você está pensando, mas saiba que ela não está falando comigo.

- E o que você fez pra garota# - Eu não acredito, meu próprio pai pensando isso de mim.

- Eu não fiz nada, essa é a questão. Nós estávamos conversando e do nada ela foi embora. - levantei da cadeira e me joguei na cama, fazendo meu pai reclamar um pouco. - E eu não consigo parar de pensar nisso.

O quarto ficou em silêncio, eu com a cabeça em uma certa ruiva e meu pai com a dele sei lá onde. E como já era de costume, o silêncio não durou muito tempo.

- Você tem que falar com ela filho.

- Mas ela não quer falar comigo. - meu pai caminhou até a porta e parou no batente, me olhando.

- E desde quando isso te impediu de alguma coisa#

Ele não esperou por uma resposta para sair, o que foi bom, já que eu não conseguiria responder de qualquer forma.

Eu não podia simplesmente deixar isso pra lá, meu pai estava certo, eu tinha que falar com ele. E eu vou conseguir, só preciso pensar como.

Notas Finais


"OLÁ amores, tudo bem# Mais um capítulo quentinho pra vocês! Espero que gostem. Comente o que acharam. Beijão e até o próximo com mais Timoty James.

Acompanhe minhas outras histórias:

* 50 Tons de Esperança.

* Neverland ( one ) "


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...