História E se eu disser que sim? - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 6
Palavras 984
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Ficção, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 8 - Capitulo 8


Muitas pessoas falam em perdão, mas poucas sabem o que o perdão significa, ele é como uma porta que devemos aprender a abrir para podemos ser livres.

Mas infelizmente muitas pessoas preferem se fechar e se aprisionar no ódio e na mágoa.

Quando perdoamos as pessoas nos sentimos mais leves e a nossa alma se cura, e como se a vida nos desse uma nova oportunidade de sermos felizes sem nenhum sentimento que possa nos aprisionar.

***

Chego à escola bem calma, hoje só quero ficar sozinha, às vezes prefiro me afastar, me excluir isso me ajuda a pensar mais na minha vida, no que é melhor para mim...

Hoje minhas amigas estão bem animadas e o "Marcos" também, eles estão falando sobre um NAMORADO dele, Isso mesmo ele é GAY, e quando soube fiquei paralisada, até que ele é bonitinho, mas não tenho preconceito com isso, é só que eu não estou acostumada com esse tipo de coisa, isso ainda é bem estranho, mas as meninas pareceram lidar bem com isso, eu não queria participar desse assunto, na verdade não estou com a cabeça no lugar hoje.

Então vou para um banco, coloco meus fones de ouvido e começo a escutar música, afinal eu amo a música, ela me acalma e às vezes é o que eu preciso para me sentir bem, eu amo cantar também, meus amigos dizem que eu tenho uma voz muito bonita coisa que não acho.

Tenho muita vergonha de cantar para os outros, então o meu "talento" fica bem escondido só para mim e para alguns dos meus amigos, nem mesmo minha família sabe, na verdade minha família não é daquelas que se importam, não estou dizendo que eles não estão nem ai pra mim, eles até se importam mais bem pouco, bem pouco mesmo.

Começo a me distrair com a música, então eu o avisto, ele está sentado sozinho, ele me vê e sorrir e retribuo o sorriso, e então sinto uma mão em meu ombro.

- Oi Isa? - me viro com o susto, Paulo está sentado bem ao meu lado- Podemos conversar? - Ele me pergunta como se estivesse com medo da minha resposta.

- Nós não temos nada para conversar, o que você tinha para dizer, você já disse. -Digo calma.

- Isa, por favor...

- Por favor? Você me trata com a maior arrogância do mundo, é falso comigo, e ainda tem a coragem de me pedir para conversar?-Me irrito – QUAL O SEU PROBLEMA?

- Isa só me escuta está bem? - Fico em silêncio

- Eu sinto muito por tudo, pelo que eu te disse por ter te magoado, por pensar que você ia misturar o que você sente por mim... –Ele começa a falar, mas eu o interrompo.

- O que eu sinto por você? Ah por favor. –Falo com sarcasmo - Eu não sinto mais nada por você Paulo, você achou que depois de tudo o que você me disse e depois de todo esse tempo eu ainda gostaria de você? Claro que não!

-DÁ PARA VOCÊ ME ESCUTAR? – Ele diz firme e eu reviro os olhos e fico em silencio... Ele se acalma e diz – Olha para mim Isa! – Dou de ombros- Desculpa por tudo, eu não queria te dizer aquilo, eu fiz de propósito, eu fiz isso para que você pudesse me esquecer, para você seguir em frente e ter alguém que te mereça...Eu não pensei que isso fosse te deixar tão...

- Tão o quê?- Interrompo.

- Tão diferente.

- Quer saber? Muito obrigado Paulo, você me fez perceber o quanto precisava mudar, o quanto eu precisava me Amar, muito obrigada mesmo.

- Me perdoa, por favor, Isa, eu sinto sua falta, sinto falta da sua amizade, por favor, vamos tentar de novo me dá mais uma chance, eu prometo que não vou te magoar de novo... Me perdoa - Essas palavras me fizeram acreditar que ele estava arrependido, e eu apesar de tudo ainda sentia a falta dele afinal, era muito próxima dele, ele era como um irmão, um irmão que eu nunca tive.

- Ok... Eu te perdoo...

- Muito obrigada... - Ele me dá um abraço e um beijo na minha bochecha - Muito obrigada mesmo...

- Eu te perdoei, mas eu não consigo, mas confiar em você como antes... - precisava dizer isso para ele, afinal quando ele me disse aquilo, ele rachou meu coração e aquela confiança que tinha nele se acabou...

- Tudo bem, eu entendo, mas isso vai ser por pouco tempo... - Ele sorrir, e me lembro de como sempre gostei daquele sorriso.

Ficamos conversando um pouco e sinto que ele mudou de verdade, que ele está tentando reparar o que ele fez, ele está tentando restaurar a nossa amizade e isso me deixa bem feliz, resolvo contar sobre Will, afinal de qualquer maneira ele iria saber de tudo.

- Isa isso é muito bom, você deveria dar uma chance para ele, pode ser que vocês deem certo...

- É pode ser...

- Você gosta dele? – Ele me pergunta.

- Eu não sei, ele é diferente e muito legal, me faz sentir especial, e me aceita como eu sou, e apesar de ter dito para ele que talvez não pudesse correspondê-lo, ele está sendo paciente.

- Você parece feliz com isso.

- Eu estou só tenho medo de que tudo isso seja mais uma brincadeira idiota do destino, para me fazer quebrar a cara de novo - dou um sorriso forçado e tento disfarçar minha preocupação.

- Eu te entendo... - Ele me abraça de novo e tenho a sensação que talvez tudo volte a ser como antes...

-Para mim... Você está APAIXONADA – Ele dá um empurrãozinho no meu obro.

-NÃO... Nunca mais irei me apaixonar de novo! –Sorrio

-Tudo bem... Mas eu acho que vai sim – Ele sorrir e me abraça.

“ISSO SÓ COM O TEMPO IREI SABER”.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...