História E se eu estivesse com a sua vida? - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Blásio Zabini, Draco Malfoy, Fred Weasley, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lucius Malfoy, Narcissa Black Malfoy, Pansy Parkinson, Personagens Originais, Ronald Weasley
Tags Draco Malfoy, Drarry, Harry Potter, Lemon, Orange, Pamione, Theony, Yaoi, Yuri
Exibições 251
Palavras 2.579
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Slash, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Eu achei que iria postar antes...
Ei tentei cats ;-;
Mais a inspiração faltou de novo \o/
But, eu postei né :3
Ai está amores!
E Sorry qualquer erro ou falta de coerência que possa ter...
( vcs sabem que eu bugo legal vez ou outra né?)
Boa leitura :3

Capítulo 36 - E então? Me perdoa?



Não tinha sido fácil achar aquele maldito e maravilhoso lugar na Floresta Proibida, não foi fácil montar aquele maravilhoso piquenique lá, mas foi divertido treinar como ir de vassoura para lá e foi divertido ver a reação de Blaise quando lhe pediu para que comprasse os anéis e os ingressos.

Mas tudo valeu a pena agora que o loirinho está vendo a cara de confusão e raiva de Rony.

E no momento pensou que uma coisa era certa, Theo amava irritar ruivinho tanto quanto amava o próprio.

Flashback on

- Ok, o plano é bem simples. - começa Theo após todos já terem trazido o que ele havia pedido - Hermione, Draco, Harry e Pansy, quero que vocês me ajudem achar um lugar bem legal que tem lá na Floresta proibida. Eu só fui uma vez lá, mas creio que ainda sei onde é, e que ainda está bem bonito.
- De que lugar você tá falando? - pergunta Harry.
- É um que tem um campo de rosas? - pergunta Hermione.
- Ah, um que tem rosas de todas as cores? - pergunta Pansy sorriso nostálgica.
- É esse sim! - diz Theo - Como sabem?
- Eu e a Mione fomos lá uma vez por engano e agora vamos lá sempre! - diz a loira sorrindo.
- Lá é perfeito Theo! - diz Hermione.
- Por isso mesmo que eu o escolhi. O piquenique vai ser lá, e eu quero que me ajudem a chegar lá só que de vassoura, e quando chegar temos que arrumar tudo e colocar em volta um feitiço de preservação.
- Certo. - dizem os quatro.
- O feitiço vai ser para o caso de o Rony e eu demorarmos. Antes de irmos para lá tenho de convencê-lo a ir, e Gina me disse que nada seria melhor do que uma disputa pelo pomo. Então teremos a disputa e depois o piquenique e se tudo der certo, todos nós iremos ao Show das Esquisitonas hoje a noite!
- Espera, - começa Hermione - como assim? Todos nós?
- Blaise, - se vira para o mesmo - trouxe tudo o que eu pedi? - o moreno assentiu, lhe entregou a sacola de uma joalheria e de lá o loirinho tirou 10 ingressos - Perfeito. - diz o Theo sorrindo.

Flashback off

- Mas o que está havendo aqui? - pergunta Rony confuso.
- Surpresa ruivinho. - diz Theo sorrindo.
- Gina, - diz Rony se virando para a irmã - me explica de novo o que eu faço aqui.
- Ai sua anta, pergunta pro Theo! É ele quem quer falar com você, não eu. - diz sorrindo e indo para perto de Blaise que observava a cena junto aos outros.

Rony olha em volta e começa a reparar em detalhes, o ruivo não está muito confiante de ir para perto de Theo, mas dessa vez, só dessa vez ele decidiu que deveria deixa o loirinho falar e simplesmente escutar. Com esse pensamento Rony vai para mais perto de Theo e repara que ele tem duas vassouras na mão, e não são quaisquer vassouras, são as vassouras de Draco e Harry.

- Você pode me explicar o que está acontecendo aqui? - pergunta Rony cruzando os braços.
- Eu queria falar com você, mas antes - lhe entrega a Firebolt - que tal uma disputa pelo pomo? - pergunta tirando o pomo do bolso e o deixando voar pra longe.
- E o que eu ganho se eu pegar o pomo? - diz o ruivo subindo na vassoura e levantando vôo.
- Se você ganhar, te deixo em paz. - grita o loirinho ainda do chão, e depois levantando vôo - Agora se eu ganhar, você vem comigo e sem questionar. - diz perto do ruivo e logo em seguida acena para os amigos lá em baixo.
- Ok, não tenho nada a perder mesmo. - diz Rony também acenando - E quando começamos?
- Agora! - diz o loirinho vendo o pomo perto de uma árvore e indo para lá.
- Ei! Não valeu volta aqui! - diz Rony irritado mas logo depois vai atrás de Theo sorrindo - Me espera!

     ~

"Depois de todo esse tempo finalmente eu falei com ele! Estou orgulhosa de mim! Mas aquele filhote de Comensal tinha que ter se metido na conversa... Sabe o que é mais estranho? Ele parecia com ciúmes. É, Draco Malfoy parecia com ciúmes de Harry Potter, isso é verídico, estava óbvio pra qualquer um que estivesse lá no momento. E eu estava lá no momento...

Será que eles tem alguma coisa? Não. Harry não é gay, eu tenho uma leve suspeita que é mais nada concreto. Enfim, mesmo que ele seja não importa, ele vai ser meu! Pronto e acabou.

Se bem, que se eles estiverem juntos isso dificulta um pouco as coisas... Tenho que investigar isso."

Com um plano na mente, a chinesa sai pelo castelo a procura de Harry, ou melhor, Draco.

Mas só depois de ter dado duas voltas por todo o castelo que a garota finalmente encontrou o loiro junto a seus amigos. E sorrateiramente se aproximou para escutar a conversa deles.

- Theo! - escuta Granger chamar - Já mandou a mensagem pra Gina? Eles estão demorando.
- Sim Hermione, - diz Nott - eu mandei, não precisa ficar mais nervosa que eu. - debocha e a chinesa revira os olhos junto com a castanha que depois da um sorriso divertido.
- Não precisa ficar nervoso Theo. - diz Parkinson - Não é como se você tivesse o magoado e agora está tentando conquistá-lo, ah não espera, é isso sim. - diz debochando e recebe uma cotovelada da castanha, os Sonserinos riem.
- Pansy! Não desencoraja o menino.
- É Pansy. - escuta Malfoy (Harry) dizer - Se ele já está assim sem lembrar disso, imagina com você lembrando. - e agora e o moreno quem ganha uma cotovelada agora do loiro - Ai, Draco! Eu só tava brincando. - Zabine ri.
- Não tem graça Harry, deixe-o em paz, vocês dois. - apontou para Parkinson e Malfoy.

"De novo essa coisa de trocar os nomes? Eles fizeram isso antes se não me engano. Seria um desafio ou uma brincadeira?"

Os pensamentos da garota foram interrompidos por dois ruivos, mais precisamente Gina e Rony.

E só depois de Nott e Weasley irem atrás do pomo que os outros desceram e a garota pode se aproximar mais do grupo.

- O que faremos agora? - perguntou Granger.
- Eu não sei vocês, - começa a Weasley - mas eu vou me arrumar para o show. - diz animada.
- Quê show? - pergunta Parkinson.
- Pelo que Blaise me contou, - e se agarra ao braço do mesmo - Theo comprou ingressos para o Show das Esquisitonas! - bate palmas quase pulando - Depois de convencer o Rony a namorar, e isso vai acontecer, - acrescentou a ruiva quando viu o namorado abrir a boca - nós vamos ao Show, pelo que Blaise me disse, ele comprou 10 ingressos e o show começa as 20:00 horas!

"Então eles vão a um show, hm, interessante."

- E que horas são agora?! - pergunta Granger preocupada.
- São 16:30 agora. - diz Malfoy.
- Merda. - dizem as meninas e correm em direção ao castelo.
- Onde vocês vão? - Grita Harry.
- Nós arrumar oras! - grita a ruiva de volta.
- A essa hora? - pergunta Zabine.
- Sim! - grita Parkinson.
- Senão não da tempo de estarmos arrumadas quando chegar a hora! - grita Granger.

"Mas é claro, com esse cabelo! Deve demorar umas quatro horas pra arrumar."

Cho ri com o próprio pensamento e escuta os garotos rirem também. Blaise volta para o castelo deixando Harry e Draco sozinhos, a garota os vê sentando na grama do campo um ao lado do outro e darem as mãos.

"Certo, isso diminui un pouco minhas suspeitas.", pensa Cho irritada. Mas a irritação aumenta ainda mais quando ela começa a escutar a conversa.

- Você acha que eles vão se resolver hoje? - pergunta o loiro apontando para os dois voando nas vassouras, "se resolver em que sentido amor?" pensa a chinesa como se estivesse fazendo uma pergunta a Draco.
- Eu espero que sim, - diz o moreno abraçando a cintura do loiro - já está mais do que na hora disso acontecer.
- Concordo, mal vejo a hora deles começarem a namorar assim como nós. - diz virando e dando um selinho no moreno.

Cho estava prestes a sair de onde estava e ir tirar o moreno de cima do loiro aos tapas, mas pensou que aquilo iria ser estupidez e não se rebaixaria a tanto. Tinha que bolar um plano para ter o loiro de volta, mas isso, não ia ser nada fácil.

      ~

- Dadas as circunstâncias, - diz Theo abrindo um sorrizinho e brincando com o pomo entre os dedo - parece que você vai comigo ruivinho. - sorri e o ruivo bufa.
- Ah tanto faz. Tá onde vamos então?
- Eu disse sem questionar. - diz o loirinho sorrindo - Só me segue.
- Saco. - reclama olhando em volta e seguindo o loirinho.

Demorou alguns minutos para que os dois chegasse, e antes de pousarem já dava para ver as rosas de diversas cores que cobriam aquele campo. Pousaram do lado de colcha violeta que estava no chão debaixo da sombra da árvore, e acima da colcha uma cesta grande e simples. Theo, que foi o primeiro a chegar, desceu da vassoura e a encostou na árvore, gestos que foram repetidos por Rony.

O ruivo então virou-se dando de cara com o campo de flores. Elas pareciam ainda mais bonitas de perto, e haviam várias, de todas as mais belas cores. Rony sentou-se na colcha ainda admirando a paisagem quando ouviu a voz de Theo lhe tirando de seus pensamentos.

- É bem legal aqui, não?
- É... É lindo! Como achou esse lugar? - perguntou o ruivo sorrindo.
- Eu me perdi. - riu - No primeiro ano, aconteceu uma coisa e bem... Eu sai do castelo em direção a Floresta, e acabei encontrando esse lugar. Eu só tinha vindo aqui daquela vez. - o ruivo tenta segurar o risoz.
- Se perdeu? - riu.
- Ah me deixa. - fez bico - Eu só tinha onze anos, ok?
- Ok, - ri novamente - então, o que tem aí na cesta?
- Vamos ver. - sugere o loirinho.

Dentro da cesta havia só iguarias deliciosas, umas coisas da Dedos de Mel, coisas que os elfos prepararam e até mesmo duas garrafas Cerveja Amanteigada.

- Olha quanta coisa! - diz Rony sorrindo e com os olhos brilhando.
- As meninas realmente capricharam. - diz Theo começando a tirar as coisas da cesta.

Quando o loirinho terminou de colocar todas as coisas em cima da colcha, olhou para o ruivo que admirava a paisagem. Theo podia sentir que as coisas estavam tomando um bom rumo, o loirinho via Rony olhar a paisagem sorrindo, olhava-o sentir o cheiro maravilhoso das rosas, o vento que batia levemente em seu rosto e balançava as madeixas de seu cabelo ruivo, não soube quanto tempo ficou ali adimirando o de cabelos alaranjados, só soube que naquele momento e naquele lugar tudo daria certo, pois eram perfeitos para que ele fizesse o que queria fazer...

- Hey, Theo! - chama Rony estalando os dedos em sua frente, o tirando de seus pensamentos.
- Fala. - murmura ainda olhando o ruivo.
- Tem algo de errado em mim? Meu nariz tá sujo? - pergunta o ruivo passando a mão pelo mesmo.
- Ah, não.
- Então porque você tá olhando assim pra mim?
- Porque eu te amo. - sorri e Rony bufa.
- Você sabe que eu não acredito nisso. - cruza os braço e olha para Theo com um olhar triste - Não depois de tudo que você fez.
- Eu sei, e é por isso que eu trouxe você aqui. - diz cortando um pedaço do bolo de chocolate, entregando ao ruivo e pegando outro para si.
- Acha mesmo que me trazendo pra comer eu vou voltar a acreditar em você? - perguntou fingindo estar irritado e Theo tentou se explica.
- Não, mas, é que...
- Achou certo. - interrompe o ruivo rindo e pegando um morango. - Mais você sabe que só a comida não vai ajudar, não é?
- Um pedido de desculpa ajuda?
- Um pouco quem sabe. Faça o teste. - respondeu Rony pegando um pedaço da torta.

O loirinho foi se aproximando de Rony sentando ao lado deste, o ruivo vendo a aproximação procurou se afastar mas Theo foi mais rápido e agarrou o pulso o ruivo o fazendo virar-se para si.

- Eu sei que um simples, me desculpe, não iria resolver toda a situação. - começa Theo olhando bem fundo nos olhos de Rony que  estava um pouco atônito - Mas eu juro pra você que se eu pudesse voltar ao passado para mudar as minha palavras naquele fim de tarde, eu já teria feito. Rony, eu sei que um simples me desculpe não é o suficiente pra mim e muito menos a você, eu sei que eu mereci todas aquelas patadas da Pansy, que eu mereci todos aqueles seus insultos, toda a ignorância e desprezo que eu vi nos seus olhos. Eu tentei de várias maneiras me desculpar, várias vezes, Merlin sabe o quando eu tentei! E toda vez que eu estava a ponto de desistir, eu simplesmente olhava pra você, via você conversando e rindo com outras pessoas e mudava completamente de ideia, porque... Eu começava a pensar que se eu te conquistasse, então esses sorrisos e essas palavras poderiam ser finalmente dirigidas para mim, seus sorrisos maravilhosos e as suas palavras doces, sendo elas doces ou não. - sorriu fraco - E eu entendo Rony, se não quiser nada comigo pode me dizer, mas pelo menos me perdoe, por favor, e então poderemos tentar ser amigos. Porque viver sendo seu amigo e estar sempre ao seu lado é uma coisa, agora não receber nem um bom dia seu e só um olhar frio ou triste de vez enquando dói Rony, não poder estar nem perto de você dói e muito.

A essa altura o ruivo já derrubava algumas lágrimas, as quais Theo fez questão de secar com as pontas dos dedos ou as costas da mão de vez enquando. Rony estava começando a compreender, pois nas palavras do loirinho, o ruivo via sinceridade, sofrimento e arrependimento.

- Sabe ruivinho, estas semanas eu aprendi que amar dói. E dói tanto quanto um crucio, só que é uma dor diferente, - riu fraco - acho que você deve imaginar.
- Você acha? - diz sarcástico com a voz falha - Não sabe como eu sofri aquele dia Nott, acho que foi o pior momento da minha vida se quer saber. Eu não... E-eu...

Rony não conseguiu terminar sua frase, mais lágrimas rolaram pelos seus olhos e Theo o abraçou. Um abraço reconfortante, como o de quem diz que tudo iria ficar bem, que tudo iria se resolver.

- Você me perdoa Rony? Por tudo o que eu fiz? Eu me arrependo e juro que nunca mais te machucarei de novo. Você me deixa cuida de você ruivinho? Por favor, dá mais uma chance?


Notas Finais


Acho q ficou curto...
E então?
Theo merece ser perdoado?

P.S.: Me digam tbm o q acharam :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...