História E se os Monstros de Undertale fossem Humanos? - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Personagens Originais
Tags Human, Humantale, Sans X Frisk, Undertale
Exibições 237
Palavras 1.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - The Diary


Fanfic / Fanfiction E se os Monstros de Undertale fossem Humanos? - Capítulo 6 - The Diary

Frisk abre os olhos e quando se acostumou com a claridade se sentou em cima da cama, mas para sua surpesa Sans estava sentando em cima da cama na sua frente.

- Eaí? - Disse Sans abrindo aquele sorriso bobo que quase levou um tapa de susto pela mesma, e que logo desviou. 

- S-SANS, VOCÊ ESTAVA... ME OSERVANDO!? - Disse Frisk constrangida

- É claro, ainda mais você tem a possibilidade de roncar mais que eu... - Disse Sans se desviando de um travesseira que a garota tinha jogado em sua direção

- Por Quê está constrangida? Não é como se eu realmente fosse tirar proveito de seu corpo enquanto estivesse dormindo... - Disse Sans sorrindo maliciosamente e dessa vez levando uma travesseirada na cara, que logo se transformou em uma guerra de travesseiros sem fim.

- EI! PAREM DE FAZER GUERRA DE TRAVESSEIROS, ELES CUSTARAM MUITO CARO! - Gritou Papyrus do lado de fora os repreendendo.

Logo Sans saiu do quarto, e a garota foi logo tomar banho no banheiro da suíte, ela se despiu e entrou na banheira, e logo começou a esfregar por todo seu corpo, mas aonde estaria sua roupa? Papyrus havia levado para lavar pois estava imunda, mas era a única roupa que tinha. A garota enrolou a toalha pelo seu corpo e saiu do banheiro indo pelos corredores da casa, mas não podia ir lá em baixo daquele jeito.

- CADÊ MINHA ROUPA?- Gritou Frisk do lado de cima

- Que roupa? - Disse Sans esparramado no sofá comendo salgadinhos e assistindo televisão com uma expressão calma.

- A MINHA ROUPA! - Gritou a menina

- Aquela roupa? Papyrus ainda está a lavando, estava tão imunda que teve que ficar de molho. Por quê? Era a única roupa sua? - Disse Sans abrindo um sorriso sarcástico

- SANS! - Gritou Frisk

- Não temos nenhuma outra roupa feminina por aqui, então acho que vou ter que ceder as minhas. - Disse Sans se levantando do sofá e indo em direção à escadaria

Logo ele ficou frente a frente com Frisk que apertava fortemente a toalha que cobria seu corpo nu, e com o rosto extremamente vermelho, Sans então ia calmamente e lentamente ao seu quarto, logo então pegou uma outra blusa sua, e um short para ela, a garota se retirou e foi em direção ao quarto aonde estava.

As roupas eram realmente largas, pelo menos Sans não teria mais que olhar para seu corpo sendo que não marcava nenhuma parte de seu corpo, estava parecendo uma moleca, mas era melhor do que ficar de toalha. Desceu as escadarias indo em direção à cozinha, e logo se sentando à mesa junto com Sans

- Até que você ficou bonita assim.. - Comentou Sans - Mas eu acho que você ficaria melhor sem isto.

Papyrus que estava cozinhando quase deixou cair o ovo no chão pelo comentário de seu irmão,  já odiava suas piadas, e odiava ainda mais suas cantadas, realmente estava fazendo isso de propósito só para provocar seu irmão caçula.

- S-Seu Idiota... - Disse Frisk se encolhendo na cadeira

- Era brincadeira, heh. - Disse Sans com o seu clássico sorriso bobo

Logo depois de fazer um omelete, Papyrus os serviu e logo se juntou à mesa junto com eles, mas porém teriam que agir rápido, pois deveriam matar o cientista antes que houvessem mais vítimas.

- Eu perguntei dele para os novos moradores da casa que ele morava, e eles disseram que nunca ninguém foi proprietário da casa a não ser eles mesmos... - Disse Sans fazendo uma expressão séria - Eu também perguntei para os amigos dele e todos eles disseram que nunca o conheceram. Será que ele sabe que estamos indo atrás dele? Alguma espécie de suborno para não darem informações sobre ele?

- OLHA SANS, EU FIZ COMO HAVIA PEDIDO, FUI INVESTIGAR TODOS OS BENS DELE, MAS ELE NÃO TEM CERTIDÃO DE NASCIMENTO, PROCUREI EM TODOS OS LUGARES E NADA. - Disse Papyrus

- Estranho... Então ele fez algo para que ninguém nunca soubesse que ele existiu a não ser a gente - Disse Sans - Pivete, ainda não investigamos o laboratório dele, depois da guerra que ocorreu ele foi destruído, mas deve ter algo importante por lá, quero que investigue com o Papyrus enquanto eu vou ver outras coisas sobre isto.

.                                                                                            .                                                                                          .

 

Frisk e Papyrus depois de muitas horas a pé finalmente avistam seu antigo laboratório todo despedaçado pelo ocorrido e pelo visto abandonado, os dois logo entram no local para investigar. Tudo estava destruído, e era um lugar enorme, havia várias folhas de papel caídas no chão, vários líquidos esparramados contando com aqueles tubos aonde as vítimas ficaram pelos experimentos. 

- A G-GENTE JÁ PODE IR EMBORA? ESTE LUGAR ME TRÁS MÁS LEMBRANÇAS... - Disse Papyrus se encolhendo

- Mas foi ordens de seu irmão, você quer vê-lo feliz não quer? - Disse a garota fuçando nas gavetas até que algo cai em sua cabeça, era uma espécie de diário, Frisk se ajoelho no chão e o abriu, tinha várias páginas escritas, que por sinal, seriam dele.

- ONDE ENCONTROU ISTO? - Disse Papyrus se ajoelhando ao seu lado

- Naquelas gavetas - Respondeu a menina

- ACHO QUE JÁ TINHA VISTO ISTO ANTES, EM ALGUM LUGAR... - Disse Papyrus se aproximando mais dela, tentando ver melhor o tal diário, mas não tinha percebido que tinha chegado tão perto que seus rostos quase estavam se encontrando.

Frisk delicadamente vira o seu rosto para o lado e agora o dois estavam realmente muito próximos, quase fazendo seus lábios se encontrarem.

- Eaí, encontraram alguma coisa? - Disse Sans logo aparecendo no local e se deparando logo com a cena e logo sorriu maliciosamente pensando o que estariam fazendo sozinhos e no meio do nada. - Ah, entendi, não queria atrapalhar o momento, foi mal.

- N-NÃO É ISSO QUE ESTÁ PENSANDO!! - Disse Papyrus logo se afastando de Frisk todo envergonhado

- Sans... Por quê você só aparece nas horas erradas...? - Disse Frisk batendo sua mão em sua testa

- Eu não sabia, heh. - Disse Sans mantendo seu sorriso bobo

- A HUMANA ACHOU O DIÁRIO DO PAPAI! - Disse Papyrus

- Sério? Pode conter muitas informações nele, me dê. - Disse Sans estendo sua mão fazendo-na se levantar e logo pegando o diário

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...