História Efeitos de uma tragédia - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Álcool, Amor, Arrependimento, Chance, Droga, Internet, Mudar, Prostituição, Sexo
Exibições 37
Palavras 1.500
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 12 - Quer começar uma lista?


Fanfic / Fanfiction Efeitos de uma tragédia - Capítulo 12 - Quer começar uma lista?

...Depois...

   Ele não estava brincando quando disse que iria na minha casa todos os dias, já é o terceiro dia seguindo que ele vem jogar com...meu pai! Os dois nem se quer me convidam e eu tenho que ficar o tempo todo deitada, mas hoje o meu pai não está e ele foi jogar sozinho, eu me levanto e vou buscar alguma coisa para mim comer.

-Quer ajuda?- Perguntou ele aparecendo.

-Parou o jogo para vim dizer que sou incapacitada? -Falei.

-Não...- Ela me virou para ele- Pra roubar esses casaco de lá que deve estar uma delícia.

-De jeito nenhum Harrison!- Falei.

   Ele riu e não consegui impedir, ele entrou de baixo do casaco e quando ficou de pé o casaco subiu descobrindo minha barriga, como tinha subia eu pode ver ele , não claramente mais podia, sua respiração tão próxima da minha...não devia ser surpresa, mas fiquei quando ele me beijou, odeio admitir mais acho que fiquei esperando isso nos três dias que veio aqui, depois que terminou ele saiu de baixo da minha blusa e a arrumei direito.

-Você alargou ela!- Falei.

-Que casaco fraquinho- Falou ele que colocou os braços por cima do meu ombro, já que colocar na cintura não era uma opção- Porque não disse para sua mãe que não somos namorados?

-Ela sabe que não- Falei- Ela ta simplesmente shipando a gente.

-Melhor minha mãe não saber disso, se não ela mata você- Falou ele.

-Já matei três pessoas, duvido que ela encoste em mim- Eu falei rindo mais percebi a merda que falei e me soltei dele.

-É sério?- Perguntou ele.

-Eu sou o mal em pessoa Harrison, você disse que não vai atrás de coisas erradas, então fique longe de mim...- Falei.

-Não me interessa o que você já foi, porque sei que não é assim agora- Falou ele.

-Eu não tenho certeza! Sou uma pessoal totalmente instável- Falei.

-No Cemitério, você foi ver as pessoas que matou?- Perguntou ele.

-Fui- Falei-Todos da mesma escola e no mesmo ano.

-Acho que eu lembro disso...o meu pai tava dizendo que mortes assim só poderiam vir de um serial Killer- Falou ele.

-E nenhuma pista levava para mim, meu trabalho com cada um foi perfeito...- Falei.

-A Jen- Falou ele- Foi você?

-A primeira...- Falei -Eu...eu...ela era minha amiga! E eu surtei porque ela me chamou de vagabunda, eu era doente.

-Sim, era- Falou ele que chegou perto de mim e segurou nas minhas mãos- Enquanto estiver perto de mim, não vou deixar fazer isso de novo.

-Você é muito corajoso sabia?- Falei.

-Não procuro coisas erradas, mas também não sujo do perigo- Ele me beijou de novo-Por que não tornamos o shippe da sua mãe real?

-Porque tem outra pessoa na minha vida- Falei- E você sabe disso.

-Uma noite e faço você esquecer esse felizardo rapidinho- Falou ele com um sorriso malicioso nos lábios e eu ri.

- Preciso comer alguma coisa- Falei desviando dele.

-A sopa ainda ta quente- Avisou ele.

-Obrigada babá- Falei.

-Vou voltar...- Falou ele.

-Posso jogar com você depois?- Falei baixo, mas ainda bem que ele ouviu.

-Claro que pode- Falou ele.

    Depois de almoçar fui jogar com ele, eu não fui nada bem, mas mesmo assim foi divertido, tinha um jogo que era um de cada vez e tive a brilhante ideia de distrair , fui na sua frente e levantei minha blusa, é claro que ele se voltou para mim e esqueceu do jogo, o sutiã que eu estava era muito fácil de tirar e então tirei, ele ficou vidrado nos meus seios.

-Vai, manda ver- Falei e ele sorriu.

   Ele colocou a boca nos meus seios e se divertiu, depois que ouvi o som dele perdendo afastei ele de mim e abaixei minha blusa.

-Minha vez!- Falei.

-Nossa!- Falou ele indignado- Foi só uma distração?

-Claro- Falei.

   Peguei o controle e quando comecei a jogar os lábios masios dele vieram para no meu pescoço e sua mão no lei joelho, sua mão foi subindo de vagar me deixando arrepiada, e aqueles beijos no meu pescoço viraram mordidas muito gostosas, eu me entreguei a isso, ele percebeu, então tirou o controle da minha mão e veio ficar em cima de mim, levei minhas mãos para sua cintura e ele me beijou, uma das suas mãos entrou dentro da blusa e pegou no meu peito, estava tão bom...

-ECA!- Ouvimos e paramos, era a Karoline- Heteros...

-Vaza se não tem nada de útil pra dizer- Falei.

-Por que ta brava comigo irmãzinha?- Perguntou ela.

-Não to brava com você, estava curtindo o momento aqui...- Falei- E você atrapalha como sempre.

-Quando levaram o Fergus eu não te atrapalhei- Falou ela toda seria.

    Por que ela foi me lembrar disso logo agora?

...Antes...

     Que Fergus sem criatividade, o lugar de sempre era em um parque abandonado, na verdade isso é muito legal...deixa o clima mais tenso, os brinquedos sujos e quebrados tavam um ar sombrio, esse lugar e famoso por ser uma área de trafego que a policia não consegue controlar, ele não podia ter escolhido lugar melhor para morrer, eles entraram dentro da casa de terror para conversar e fiquei do lado de fora para rondar e ver se não tinha ninguém por aqui...as únicas pessoas que vi nesse lugar são mendigos que estão dormindo, tirei até meus sapatos para não fazer barulho e então adentrei a casa, ouvir o meu namorado fazendo seu teatro muito bem feito.

-Me deixa ver essas fotos- Falou ele- Você guardou em algum lugar não é? Não vai me dizer que foi burro e não passou pra outro lugar pra previnir...

-N-não...- Fergus gaguejou- Eu tava em desespero tá?! Não pensei muito...

   Ele deu o celular para o Harry, quando notei que ele estava apagando eu cheguei por trás de fininho, agarrei o pescoço do Fergus e antes que ele tivesse alguma reação passei a lamina pela sua gargante e espirou sangue, sorte que não pediu pegou em nós dois, no maximo na minha mão, soltei o Fergus e ele caiu no chão, olhei para o Harry e ele não parecia bem, fui até ele e passei o sangue da minha mãe no seu rosto.

-Você também tá envolvido, nem pense nisso...- Falei- Eu te proíbo.

-Conheço ele a tanto tempo...não tem como evitar- Falou ele.

-Mas agora ele é pior do que um ninguém- Falei -Não fique assim por alguém que não vale nada.

-Sabe que vai ficar me devendo não é ?- Falou ele.

-Eu sei- Falei -Ele pode ter contado para alguém?

-No maximo a Karoline, ele contava tudo para ela- Falou ele- Você não vai...

-Não vou matar minha irmã seu idiota- Falei -Posso fazer ela ficar calada.

-Sei um ligar onde a gente pode se limpar- Falou ele- Vamos.

    Ele me levou até um banheiro masculino que estava incrivelmente funcionando, devem desviar água, eu lavei minha mão e ele não parava de se olhar no espelho.

-Precisa limpar o rosto...- Falei.

-Eu...- Ele nem conseguia terminar uma frase.

-Eu limpo pra você- Falei.

    Limpei seu rosto e depois a lâmina, saímos de lá sem ser percebidos, fomos para sua casa, ele sem afundou no meu ombro, não chorou, só estava tentando processar.

-Ei...eu to aqui ainda tá? Não precisa sofrer por ele- Falei tentando ser um pouco mais compreenciva.

   Ele levantou sua cabeça e me beijou, começou a acelerar o beijo do mada e agarrou na minha cintura com força.

-Harry...você ta me assustando- Ele tava forçando, tava descontadando sua raiva em mim.

-Eu falei que você tava me devendo- Falou ele.

   Ele me jogou na cama e fiquei de barriga pra baixo, ele simplesmente arrancou meu shorts, minha calcinha e entrou sem minha permissão, só me fazendo sentir dor, a vó dele não estava em graça e não me segurei, eu gritei, a intenção dele era mesmo me machucar, eu matei o melhor amigo dele, ele odeia admitir isso mas tá com raiva de mim, mesmo sentindo dor eu tive que deixar, se não só vai piorar depois, depois que ele acabou eu não conseguia me mexer, ele foi para o banheiro tomar um banho e eu apenas continuei lá parada e quando ele voltou...

-Você não chora?- Perguntou ele.

-Chorar é para os fracos- Falei- Você já descontou sua raiva não é? Não me obrigue a chorar.

-Me desculpa...- Ele caiu para trás pois não conseguia mais aguentar seu próprio peso- Eu não queria fazer isso com você...

-Não chora!- Gritei e ele respirou fundo.

   Ir para casa foi difícil já que eu não conseguia nem andar direito, eu cheguei e me joguei no sofá, logo minha irmã apareceu.

-O que você fez com o Fergus?! Ele não me ligou até agora...- Falou ela.

-O que você acha?-Perguntei.

-Você...- Ela ficou simplesmente chocada.

-Se não quer que eu faça o mesmo com você fique quieta- Falei, ela não falou mais nada e saiu- Se falar alguma coisa vou saber que foi você!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...