História Efêmero - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Exibições 169
Palavras 1.756
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu na faculdade estudando as borboletas e ai PÁ PLOTEI
sempre acontece dessas kkkk

Essa fanfic estava esquecida no meu docs, aconteceu de hoje acabar encontrando e decidir postar.
Baseei um pouco na coluna que o Gregório escreveu para a Clarice e é isso... Espero que gostem <3

Capítulo 1 - Holometábolo


 

 

Eu estou aqui para afirmar com toda certeza do mundo que você, Jungkook, é um ser holometábolo.

 

Onde já se viu dizer que seres humanos possuem tal estilo de vida? Não seriam característica essa única dos insetos?

 

Onde já se viu dizer que um garoto no auge da sua maioridade, com ossos feitos de cálcio ser comparado a animais que possuem exoesqueletos quitinosos.

 

Todos devem estar pensando: ‘’Ah, esse Park Jimin é um garoto esquisito.’’

 

Eu sou esquisito mesmo, faço as comparações mais loucas que se pode imaginar, mas sabe qual é o choque que todos sentem ao terminarem de ouvir a minha fala? Mesmo que seja estranho, faz sentido.

 

Então por favor. Tranque o maxilar e não deixe que sua língua juntamente com suas cordas vocais me julguem antes de me ouvir.

 

Me desculpe o transtorno, eu não quero ser grosso.

 

Eu só preciso falar do Jungkook.

 

Ele fazia aulas de dança. Minha irmã fazia aulas de dança. Eu não fazia aulas de dança, mas eu ia buscar minha irmã nas aulas de dança.

 

Ele estava lá, dançando. Nunca irei me esquecer da música ‘’Save Your Goodbye’’.

 

Ele se movimentava sozinho pela sala com as luzes baixas acompanhando o ritmo da música com tanta facilidade que até parecia ser uma tarefa fácil essa de dançar.

 

Eu não sabia onde estava a minha irmã e sinceramente não me importava saber. Eu precisava chegar mais perto, precisava sentar ali a sua frente e ser a sua mais contente e encatada platéia, porém com um puxão na manga do meu moletom fui impedido de entrar na sala.

 

Minha irmã estava escondida no escuro juntamente com outras garotas. Todas agachadas e juntinhas olhando encantadas para o garoto na sala, fui convidado a me juntar a elas e claramente não recusei, pois eu também queria assistir.

 

Eu não vou mentir para você, naquele momento eu senti aquela coisa estranha que sempre acontece nos filmes, mas que eu acreditava fielmente que era tudo invenção da dramaturgia para que o amor seja mais bonito.

 

Pasmem, isso acontece de verdade.

 

Quando ele terminou a coreografia, ele sorriu. E nossa, que sorriso. Juro por Deus que nunca senti coisa tão estranha agitar o meu estômago, nem quando eu comi uma coxinha estragada na lanchonete da escola.

 

E sobre o meu coração. Ele parecia uma locomotiva, parecia um tambor insistente de um ritual satânico. Satânico mesmo, porque o que esse garoto fez comigo com apenas um sorriso só podia ser trabalho do coisinha lá de baixo.

 

Eu pensei: ‘’Que Deus me defenda, que eu não tenha me apaixonado.’’

 

Mas eu me apaixonei. Você consegue entender a gravidade disso? Se apaixonar?

 

Ah… Nem eu entendo, mas sei que é grave. Se apaixonar é como se jogar de um penhasco sem paraquedas e nessa queda você tem dois destinos: quebrar a cara no chão ou ser salvo por alguém. Obviamente o mais provável é quebrar a cara no chão e olhando pr’aquele garoto tão bonito, tão cheio de qualidades cheguei a rápida conclusão de que em minha queda livre eu iria me estabacar.

 

Foi paixão à primeira vista. Só para mim, eu acho.

 

Minha irmã fazia aulas de dança todas as segundas e quartas, ele fazia aula de dança todas as segundas e quartas. Eu ia buscar minha irmã todas as segundas e quartas.

 

Antes eu ia buscá-la obrigado, achava um saco ter que recusar os convites para lanchar dos meus amigos para buscar a minha irmã. Mas de repente eu estava correndo para chegar na escola de dança antes das aulas chegarem ao fim, apenas para vê-lo dançar.

 

As garotas sempre o assistiam e eu me juntava a elas. Sentado no cantinho abraçando as minhas pernas contra o peito cheio de garotinhas apaixonadas, talvez toda essa convivência tenha me tornado em uma garotinha apaixonada. Ops, um garotinho apaixonado.

 

Não importa, eu estava apaixonado de qualquer forma.

 

Eu, com os meus recém feitos dezessete anos de idade me orgulhava em dizer por aí que nunca havia me apaixonado e aí de repente um fulaninho pé de valsa acaba com toda a minha gabação.

 

No momento eu era só mais um garoto apaixonado entre tantos outros garotos apaixonados no mundo.

 

Em uma quarta feira de manhã contei para os meus amigos sobre a minha paixonite das aulas de dança. Eles me incentivaram a pedir o telefone dele. Eu os chamei de loucos, até parece que eu ia chegar de repente na minha paixão louca desenfreada linda e maravilhosa e pedir o telefone dele como se fosse a coisa mais normal do mundo.

 

Eu pedi o telefone dele.

 

Hoseok foi comigo para ver se eu pediria mesmo.

 

Obviamente eu não cheguei lá me sentando com as garotas, eu tinha que me mostrar uma pessoa madura para Hoseok, mas uma delas estragou tudo ao me perguntar se eu não ia me esconder para ver o menino com elas. Eu quis enfiar minha cara em um balde de gelo para ver se parava de queimar, mas só sorri para a criança e disse que não sabia do que ela estava falando a mandando ir brincar com suas amigas.

 

Hoseok me obrigou a ser cara deu pau.

 

O garoto estava dançando e eu mesmo que obrigado realizei um dos meus grandes desejos. Ser a sua platéia, ter o seu show unicamente e exclusivamente direcionado a mim.

 

Eu me escorei na porta da sala de dança e imediatamente ele notou a minha presença colocando uma expressão confusa no rosto. Eu achava que ia morrer, meu coração parecia que ia ter uma câimbra de tanto bater e bombear sangue. E Hoseok tinha os olhos presos em mim, eu estava sentindo aqueles olhos zombeteiros nas minhas costas.

 

O garoto não parou de dançar. Continuou com seus passos suaves e precisos, ele parecia estar dançando sobre as nuvens. Um suspiro involuntário abandonou os meus lábios e nesse momento tive os olhos do garoto voltados para mim. Eu não estava preparado, na verdade eu acho que ninguém nunca está preparado para ser encarado assim pela sua paixonite crônica. O meu coração bateu mais rápido, definitivamente ele ia ter uma câimbra.

 

Como você apelida a pessoa por quem você é apaixonada? Eu chamo a minha de anjo dos infernos porque olha, o que ele faz comigo só com um sorriso não é coisa de Deus não, mesmo que ele pareça um anjo.

 

Ele terminou a sua coreografia e aquele mesmo sorriso de todos os dias foi posto em seus lábios. Ele andou até uma das extremidades da sala para pegar uma garrafinha de água, bebeu quase todo o líquido que parecia estar bem gelado com os olhos presos em mim.

 

Eu não me lembro em que momento eu cheguei a falar com ele, eu só me lembro de todo o meu nervosismo e apreensão. Gostaria de contar para vocês quais foram as primeiras palavras que trocamos, mas eu não me lembro.

 

Só me lembro que neste dia eu saí de lá com um telefone novo na agenda e uma aula marcada para a segunda. Sim, eu disse que estava ali só porque queria aprender a dançar como ele.

 

De fato eu aprendi a dançar, mas eu estava pouco me lixando para isso. O mais importante disso tudo foi conseguir ficar mais próximo do cara que a cada dia mais eu me apaixonava.

 

Eu tinha 19 anos e ele 17 quando decidi enfim, mostrar que eu não queria ser apenas um amigo que cria coreografias com ele nas horas vagas. Acredita que fui chamado de idiota? Só porque demorei tanto tempo para confessar os meus sentimentos e ele sofrendo achando que não era correspondido.

 

Pobre Jungkook, mal sabe ele que quem mais sofria ali era eu. Tudo por causa do sorriso de anjo demônio que ele tinha.

E fácil assim começamos a namorar, parecia que a vida começava ali.

Vimos todas as séries. Algumas várias vezes. Fizemos todas as receitas existentes que levavam morangos. Jungkook amava morangos eu amava beijar os seus lábios com gosto de morangos. Queimamos algumas panelas de comida porque a conversa estava boa e acabamos pedindo pizza para comer na sexta feira à noite.

Passeamos e viajamos por aí dividindo o fone de ouvido. Das dez músicas que mais gosto, sete foi ele que me mostrou. As outras três foi ele que compôs. Aprendi sobre super heróis e sobre a história da dança. Aprendi sobre signos e posso afirmar com total certeza de que Jungkook é mesmo muito virginiano.

 

Mas quando ele completou 20 anos nós terminamos. E eu chorei como se estivesse assistindo o titanic, chorei como se o marley estivesse morrendo em minha frente e chorei como se fosse o fim de hannah montana.

 

E é aqui que eu afirmo com toda a certeza que Jungkook é holometábolo, ou pelo menos tentou ser.

 

Eu não consigo deixar de pensar que ele passou por uma holometabolia super mal feita, mas que de qualquer forma sofreu tal evento.

 

Acho que depois disso Jungkook acabou criando uma nova espécie de ser humano. Deixou de ser Homo sapiens para ser Homo ephemeroptera. Isso porque de repente ele quis ser efêmero. Tornou o nosso amor efêmero.

 

Não vou negar que isto deixou-me enfermo. Enfermo de coração.

 

Ah Jungkook você deveria ter deixado a holometabolia com as borboletas, pois elas sabem ao menos o que estão fazendo. Já você…

 

Jungkook pode ser comparado com uma borboleta, mesmo que nunca consiga atingir toda a plenitude das mesmas. Tão fácil entrou em minha vida e assim tão fácil saiu dela. Porém tem uma lei que todas as borboletas parecem seguir. Quando o alguém que está sempre o procurando desiste de encontrá-la, ela retorna dando o ar de suas graças. Jungkook é assim.

 

Eu quis esquecê-lo. Eu juro. Eu quis desapegar. Eu quis superar. Eu quis ter um cachorro e até pintar as paredes da minha sala de vermelho. Tentei olhar para outras pessoas. Tentei de verdade, seguir em frente, mas não consegui nada disso.

 

Não consegui nem trocar a fechadura da minha porta, quem diria trancá-la.

 

Estou sempre esperando Jungkook entrar com o seu sorriso de anjo demônio esparramando o seu corpo no meu sofá velho prometendo-me o seu amor efêmero.

 

Já que nunca me livrarei dessa maldição chamada amor eu aceitei essa bagunça, enquanto espero pela minha própria holometabolia. Talvez pelo menos eu consiga fazer certo, para enfim tornar toda essa nossa efemeridade em eternidade.

 

Jungkook. Você é um ser holometábolo, além de efêmero e filho da puta.

 

Que seja eterno enquanto dure.

 

Um brinde ao nosso amor efêmero.

 

Tintin.














 

 



 


Notas Finais


Eai, o que acharam? ahsuhas

Essa é a música que o Jungkook dança: https://www.youtube.com/watch?v=Q3lL7zQ7kkA <3

Twitter: @absdojimin


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...